Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosvol.7 n12Notas de leitura / RecensõesEstudos sobre a Rádio. Passado, P...

Notas de leitura / Recensões

Estudos sobre a Rádio. Passado, Presente e Futuro. João Paulo Meneses

Filomena Borges
p. 111-114
Referência(s):

João Paulo Meneses, Estudos sobre a Rádio. Passado, Presente e Futuro, Mais Leituras - Editora, 2012 (224 páginas)

Texto integral

1Estudos sobre a Rádio. Passado, Presente e Futuro é o título do mais recente livro de João Paulo Meneses, que apresenta a rádio num ambiente de transformação constante, propiciado pelo advento da Internet. Editado pela Legis Editora, em Fevereiro de 2012, no âmbito da colecção Mais Leituras, a obra de Meneses surge numa altura em que a rádio vive a maior crise desde o aparecimento da televisão. O autor analisa o passado e o presente desta plataforma comunicacional, apresenta a rádio musical em conflito com uma identidade ultrapassada, e perspectiva um futuro marcado pelo compasso do desenvolvimento das novas tecnologias digitais.

2João Paulo Meneses trabalha há mais de duas décadas na rádio e é, actualmente, jornalista na TSF – Rádio Notícias. A par das actividades desempenhadas nesta estação, enquanto responsável pela edição online, Meneses acumula também funções docentes na Universidade de Vigo, onde lecciona há mais de dez anos. Foi também nesta instituição que realizou o doutoramento em Comunicação. Entre as suas publicações destaca-se o livro Tudo o que se Passa, Passa na TSF, publicado em 2003.

3Em Estudos sobre Rádio. Passado, Presente e Futuro, João Paulo Meneses pressagia o amanhã do jornalismo radiofónico e convida o leitor a destrancar as portas de um universo no qual a rádio pode ser edificada, de acordo com as preferências de cada ouvinte. Através da exposição de um conjunto de possíveis oportunidades e ameaças que a galáxia radiofónica parece propiciar, o autor apresenta as inquietações que giram em torno do futuro da rádio musical, perante as inconvenientes alternativas proporcionadas pelas novas tecnologias. Do podcasting sem podcast à realidade remota (mas actual) vaticinada por Bertolt Brecht, João Paulo Meneses estabelece a plataforma entre um passado relativamente distante e as tendências de uma nova geração – a geração iPod.

4O livro está dividido em três partes. A primeira sobrevoa as preocupações do passado; a segunda mostra a rádio de um presente já influenciado pelas fronteiras ilimitadas da Internet; e a terceira e última parte prende-se com a “antevisão” de uma rádio do futuro, sem deixar de sublinhar uma certeza e uma dúvida: “Cem anos depois, a rádio muda; acaba?” (ibidem, 2012: 157).

5Relativamente à primeira parte da obra em análise, e para que seja possível entender o carácter prospectivo da abordagem proposta, importa reflectir sobre algumas das problemáticas apresentadas. Uma delas diz respeito a alguns dos equívocos existentes na categorização da rádio generalista. Meneses começa por fazer o enquadramento histórico daquilo que, consensualmente, se entende por este tipo de rádio, sem deixar de explicar de que forma é que a lógica de “uma rádio que procura, tendencialmente, agradar a todos” poderá, ou não, “encontrar-se, como definição, numa rádio de serviço público” (ibidem, 2012: 18). Para o autor, a rádio generalista é um “anacronismo histórico nos principais mercados, como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha” (ibidem, 2012: 13), sendo que, em Portugal, parece ser cada vez mais complicado admitir a possibilidade de inserção de um “novo e ambicioso projecto” nesta área, principalmente quando os formatos que a potenciam ameaçam dominar o espectro radiofónico, imprimindo-lhe uma lógica inadequada quando confrontada com as alternativas do universo virtual: “É certo que, sobretudo na lógica de serviço público, e um pouco menos na vertente meramente comercial, quanto mais esforços forem feitos para agradar a todos os públicos (ou, mesmo, ao máximo de públicos), menos agradarão a cada um deles – que por sua vez terão, até com a Internet, alternativas consistentes que mais lhes agradarão”. (ibidem, 2012: 42)

6Ainda na primeira parte da obra, e através do conceito “estética do erro” avançado por Emílio Prado, Meneses aborda a produção da oralidade no jornalismo radiofónico, de uma forma particularmente interessante. A “estética do erro” explica de que forma é que a naturalidade premeditada de um determinado discurso pode ser estreitamente articulada com o seu improviso. O conceito encontrado no livro de Emílio Prado, e que remonta ao jazz, pretende produzir uma “aproximação entre emissor e receptor, uma certa cumplicidade amigável e, em definitivo, uma humanização da expressão que favorece a criação de um clímax comunicativo” (Prado, 1985: 21, apud Meneses, 2012: 49).

7João Paulo Meneses retrabalha o conceito referido no parágrafo supracitado, e estabelece uma distinção entre os locutores profissionais – dotados de uma técnica de leitura “perfeita e virtuosa” – e as “máquinas falantes” – os locutores cuja vocalização se aproxima da realidade, sem que o rigor e o cumprimento das regras jornalísticas sejam necessariamente penalizados. Meneses refere o caso de Francisco Sena Santos – jornalista e docente na Escola Superior de Comunicação Social –, “que lê, mas também improvisa, conversa mas também se submete ao rigor dos factos” (ibidem, 2012: 57). Sem deixar de sublinhar que, no âmbito da expressão oral, a “estética do erro” deve ser utilizada apenas como recurso, o autor afirma que a designação em causa deve ser entendida mais como “enquadradora do que como agregadora”, ou seja, a concepção de improvisação, que tão bem caracteriza os solos ambiciosos da música jazz, deve ser antecedida, no caso do jornalismo radiofónico, pela escrita. Uma escrita que não pode ser distanciada da atmosfera da espontaneidade, mas que, tal como no caso já apontado de Francisco Sena Santos, precisa de ser apurada “com técnica e arte (mesmo tendo em cima a pressão do tic-tac)”.

8Já na segunda parte do livro, João Paulo Meneses começa por tecer algumas considerações sobre o insucesso da rádio em plataforma clássica, aliado ao consequente desinteresse que esta desperta por parte das audiências, para, numa fase posterior, passar a expor as ameaças de uma rádio musical, intimidada pelas consequências das novas tecnologias digitais. De acordo com o autor, esta rádio não precisa de se acomodar perante um futuro que já começou, mas sim de se adaptar às alternativas propiciadas pela Internet, no sentido de “ultrapassar as limitações estruturais que a própria rádio apresenta desde a sua fundação” (ibidem, 2012: 85).

9A apresentação das eventuais possibilidades para o podcasting sem podcast e para este último enquanto arquivo inteligente – que esgota o caminho trilhado pela “emissão sincrónica, permitindo que se ouça apenas o que se quer e quando se quer” (ibidem, 2012: 103) – são duas das temáticas que integram o desfecho da segunda parte da obra. Apesar dos constrangimentos e reservas que a técnica do podcasting ainda suscita, “a rádio não ignora as suas vantagens” (ibidem, 2012: 167). A existência de arquivos, podcasts e serviços on-demand, que integram o princípio da lógica de personalização, acrescentam valor a uma indústria radiofónica que está, claramente, num momento de transição. Resta saber se o posterior desenvolvimento deste tipo de hibridismo e transitoriedade poderá responder à questão proposta por Helen Shaw – uma das autoras que serviu de inspiração a Meneses: “ (…) But will it still be radio?” (Shaw, 2005, apud Meneses, 2012: 173).

10Aliada às duas perspectivas, referenciadas anteriormente, uma terceira merece destaque: a relação existente entre o mundo da rádio e a chamada iPod generation ‒ uma geração em que o descontentamento perante a inevitabilidade de uma circunstância passiva é constante, sobretudo quando as alternativas proporcionadas pela digitalização estão a um “clique” de distância.

11Ainda que esta tenha sido a geração sonhada por Bertolt Brecht, tornou-se agora a “geração perdida” (para a rádio), na perspectiva de João Paulo Meneses. A referência efectuada pelo jornalista ao autor da emblemática “Teoria do Rádio” é congruente e apresenta-se em concordância com as principais linhas orientadoras que delimitam as ideias expostas ao longo do livro em análise. Se, em 1932, a utopia de Brecht tocava nos horizontes de uma rádio dotada de um chão pouco firme para poder existir – Brecht acreditava na possibilidade de a rádio não só poder emitir uma determinada mensagem para os seus ouvintes, como também de a poder receber –, oitenta anos depois as vozes do passado mostram que a efemeridade do presente pode deixar no ar “uma tal de inevitável incerteza”: o passaporte para o futuro, determinado pela eminência dos suportes digitais.

12Já no desfecho desta obra – e ao direcionar a temática em causa para o estudo de uma realidade nacional (que, surpreendentemente, parece ter caído no esquecimento) –, o autor tenta perceber se a erosão nas audiências de rádio entre os públicos mais jovens se confirma, e de que forma pode ser quantificada.

13Numa clara oscilação entre indefinições e certezas, uma coisa parece clara na conceptualização feita pelo autor: “A rádio não evoluiu; adaptou-se” (Meneses, 2012: 159). “Ou seja: a rádio, de ontem e até de hoje, pode definir-se como um conteúdo sonoro (palavra e/ou música) predeterminado por alguém (a direcção de programas ou o autor) para ser ouvido (através de difusão hertziana terrestre ou outra, como o cabo, o satélite ou mesmo a Internet) por muitos (nos mais variados tipos de receptores), passivamente (o fluxo é linear, irrepetível e não manipulável)” (ibidem, 2012: 162).

14No actual contexto de adaptação, prevalece um ouvinte “elevado ao estatuto de utilizador”, cujo patamar de ascensão, ainda que embrionário, não pode estar dissociado da integração de “outro tipo de conteúdos” e de “formas eficazes de os distribuir” (ibidem, 2012: 162).

15 A leitura deste livro sugere pelo menos duas questões, sobre as quais o leitor pode reflectir: será que a rádio conseguirá acompanhar o ritmo imposto por um universo digital em constante redefinição? Ou a difusão e a recepção da mensagem radiofónica só poderão ser efectivadas por intermédio da apropriação de um ouvinte passivo?

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Filomena Borges, « Estudos sobre a Rádio. Passado, Presente e Futuro. João Paulo Meneses »Comunicação Pública, vol.7 n12 | 2012, 111-114.

Referência eletrónica

Filomena Borges, « Estudos sobre a Rádio. Passado, Presente e Futuro. João Paulo Meneses »Comunicação Pública [Online], vol.7 n12 | 2012, posto online no dia 15 outubro 2013, consultado o 04 dezembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/cp/143; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.143

Topo da página

Autor

Filomena Borges

Aluna do mestrado de Jornalismo da ESCS, IPL. Estagiária na TSF – Rádio Notícias, na delegação do Porto

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search