Navegação – Mapa do site
Artigos

Relações Públicas: O que lhes chamam as Agências de Comunicação em Portugal?

Public Relations: How are they called by the Communication Agencies in Portugal?
Kelly Gomes Pereira
p. 57-80

Resumos

O presente trabalho tem por objectivo estudar o desempenho actual da profissão de Relações Públicas em Portugal. Frequentemente associadas a actividades pouco relevantes ou vistas como um mero conjunto de técnicas executantes, assume-se neste trabalho uma visão de Relações Públicas como um elemento estratégico e fundamental à gestão organizacional. Assume-se aqui as RP como um acelerador de estratégia.
As Relações Públicas, tal como as conhecemos hoje, são extremamente jovens e embora exista uma grande panóplia de definições e conceitos a si associados, estamos longe de chegar a um consenso e a uma definição institucionalizada sobre a profissão.
Relações Públicas: desconhecimento do conceito ou não reconhecimento da actividade? É a esta questão que se procura responder através desta investigação. Deste modo, tendo como ponto de partida os Acordos de Estocolmo pretende-se perceber se o sector das Agências e Consultoras, em Portugal, pratica as actividades descritas neste documento como sendo as práticas das RP e, assim, perceber se a noção de Relações Públicas em Portugal está de acordo com a visão global e hoje consensual das RP. Pretende ainda, em última instância, analisar o desempenho da profissão em Portugal.

Topo da página

Notas da redação

Este artigo constitui uma revisão das principais conclusões apresentadas na dissertação de mestrado “Relações Públicas em Portugal: desconhecimento do conceito ou não reconhecimento da actividade?”, realizada em Gestão Estratégia das Relações Públicas da Escola Superior de Comunicação Social, defendido a 30 de Outubro de 2011.

Texto integral

1Como sabemos, as Relações Públicas de hoje têm vindo a desenvolver-se e a estabelecer-se enquanto função estratégia, fundamental à gestão organizacional. De simples conjunto de técnicas, meramente executantes, as Relações Públicas são vistas hoje como uma disciplina das Ciências da Comunicação.

2No entanto, por muito que tenham sido os desenvolvimentos alcançados, parece persistir um não reconhecimento total das áreas que compõe a profissão de RP e o seu real papel estratégico quer este seja a um nível empresarial ou societário.

3Analisando o caso específico de Portugal, enquanto profissional parece-me existir uma visão simplista da função de RP, sendo esta frequentemente considerada como sendo uma ferramenta de assessoria, de mero relacionamento com os media, sendo feito, não raras vezes, um paralelo entre Relações Publicas e atendimento ao público. Esta tendência prende-se, certamente, com o contexto histórico da profissão, com a falta de entidades e normas que regulem e defendam a profissão, nomeadamente a não acreditação da mesma, bem como, com a insuficiente ou mesmo inexistente demonstração dos resultados reais de ações e estratégias de RP.

4Este foi o ponto de partida para uma investigação ao mercado de trabalho Português, onde se pretendeu perceber sobre que nome são consideradas as Relações Públicas em Portugal, como estas são vistas e quais as sub-disciplinas a elas associadas.

5É exactamente neste seguimento que surgem os Acordos de Estocolmo, a Junho de 2010. Assumindo-se não como um manifesto mas sim como uma plataforma de entendimento e consenso entre profissionais, este documento pretende estabelecer aquilo que são as Relações Públicas, o seu papel, suas funções e seus domínios. Segundo John Paluszek (2010), um processo segundo o qual se pretende estabelecer o futuro das Relações Públicas. Este documento é, portanto, um importante elemento e, também ele, um ponto de partida para toda a investigação desenvolvida.

6Objectivamente falando, o que se pretende com este estudo empírico? Ora pretende-se, muito simplesmente, estudar o desempenho actual da profissão de Relações Públicas em Portugal, mais especificamente no sector das Agências e Consultoras. “Relações Públicas em Portugal: desconhecimento da actividade ou não reconhecimento do conceito?” foi a pergunta à qual se pretendeu responder através da aplicação de inquéritos por questionário ao Universo de 226 Agências de Comunicação, Consultoria e Relações Públicas.

7Resumidamente, todo o estudo se desenrolou em torno de duas fases essenciais: uma análise de conteúdo prévia que, por sua vez, motivou a segunda e mais importante fase do estudo, a aplicação de inquéritos por questionário. Vejamos:

1.Análise de Conteúdo

8Através de uma análise de conteúdo prévia pretendeu-se perceber a pertinência do estudo aqui proposto e perceber até que ponto existe de facto um não reconhecimento total da função de RP. Para tal, foram analisados os websites das 18 Agências anunciantes do Anuário de Publicidade e Comunicação (2010) na área de Comunicação, Consultoria e Relações Públicas do país, nomeadamente as funções que estas referem como sendo o core das RP. Assim, pretendeu-se averiguar quais as funções que em Portugal mais se associam ao profissional de RP. Deste modo, em última instância, pretende-se perceber se existe um consenso no que a estas áreas de actuação diz respeito ou se, por outro lado, existe um não reconhecimento das áreas fundamentais do profissional de RP. Optou-se, portanto, por um método de análise de conteúdo quantitativo, tendo como unidade de informação a frequência do aparecimento de determinada característica do conteúdo.

9Esta análise foi realizada tendo em conta as sub-disciplinas que se consideram como sendo constituintes da prática das Relações Públicas. Para tal foram consideradas duas das perspectivas mais actuais das Relações Públicas as quais se acredita que mais se adaptam à realidade actual das RP. Fala-se, portanto, da perspectiva de White & Mazur (1995) e de Wilcox, Cameron & Xifra (2006).

10A escolha destes autores deve-se ao seu carácter actual e profundidade com a qual têm trabalhado no campo teórico das RP. White & Mazur, por exemplo, começam a sua obra com a afirmação de que “Public relations has been poorly regarded in the corporate world and outside.” (White & Mazur, 1995, p.3).

11Assume-se portanto que as perspectivas destes autores, White & Mazur (1995) e Wilcox, Cameron e Xifra (2006), são as perspectivas mais completas e actuais das Relações Públicas. Partindo deste quadro teórico, desenvolveu-se um quadro próprio, onde fica patente a visão tomada no estudo sobre as sub-disciplinas que compõem a práticas das RP, tendo este sido construído através da confluência dos dois autores supracitados e da visão pessoal sobre algumas categorias que me parecem fazer sentido inserir, dada a realidade actual. Veja-se, portanto, as sub-disciplinas que se assumem como sendo constituintes das Relações Públicas:

Tabela 4 – As sub-disciplinas das Relações Públicas

  • 1 Entenda-se por Comunicação Corporativa aquilo que “encompasses marketing communication, organizatio (...)
  • 2 Entenda-se por Gestão de Assuntos, a “identificación y resolución de diversos asuntos o temas que p (...)
  • 3 Entenda-se por Publicity, uma actividade em que “Public relations sources provide what they judge t (...)
  • 4 Entenda-se por Relações com os Investidores, a “creación y mantenimiento de la confianza de los inv (...)
  • 5 Entenda-se como Comunicação Financeira “all of the strategies, tactics, and tools used to share fin (...)
  • 6 Entenda-se por Lobbying “(…) the specific efforts to influence public decision-making either by pre (...)
  • 7 Por Assuntos Públicos, entenda-se “(…) una participación eficaz en la política pública y ayuda a la (...)
  • 8 Entenda-se por Relações com os Media, “trabaja con los medios de comunicación social cuando pretend (...)
  • 9 Entenda-se por Relações com a Comunidade “(…) actividades con la comunidad para mantener un entorno (...)
  • 10 Entenda-se por Gestão de Crises, “(...) having enough forethought to face the unexpected with a fas (...)
  • 11 Entenda-se por New Business, “(…) mechanics of new client acquisition, someone who has the sole foc (...)
  • 12 Por Comunicação Digital, entenda-se “is the ability to create persuasive communications in differen (...)
  • 13 Entenda-se por Comunicação Interna, uma comunicação que “sirve para responder a las preocupaciones, (...)
  • 14 Comunicação no Interesse Público, “(…) pode ser hoje pensada essencialmente como comunicação para a (...)

Funções das Relações Públicas

  • Comunicação Corporativa1

  • Gestão de Assuntos2

  • Publicity (Divulgação)3

  • Relações com os Investidores4

  • Comunicação Financeira5

  • Lobbying6

  • Assuntos Públicos 7

  • Relações com os Media8

  • Relações com a Comunidade9

  • Gestão de Crises10

  • New Business11

  • Comunicação Digital12

  • Comunicação Interna13

  • Comunicação no Interesse Público14

12A realização de quadro é importante não apenas do ponto de vista da análise de conteúdo mas fundamentalmente porque funcionou, também ela, como base para a elaboração do inquérito por questionário, como veremos mais a frente.

13De uma forma holística, considerou-se neste estudo que estas sub-disciplinas representam as grandes áreas de actuação das RP. Por um lado, a sua função como mediadoras de relações com os diferentes públicos e grupos de interesse, por outro lado, a abrangência da sua actuação ao nível organizacional, na medida em que actuam, não apenas como função que orienta o comportamento comunicativo da organização, mas também como função estratégica na resolução de crises, na gestão de assuntos e na gestão da relação com os diferentes stakeholders.

14A análise levada a cabo permitiu perceber a inexistência de um consenso e uma panóplia de diferentes funções que surgem associadas às Relações Públicas, facto que evidencia a dificuldade de definir, una e concisamente, as áreas de actuação das RP. A presença de diferentes designações para funções muito similares, a ocorrência de diversas designações, muitas delas verificadas apenas uma vez e, mais importante ainda, a distinção entre Relações Públicas e, por exemplo, Comunicação Interna é sem dúvida uma prova de que esta área não é, de todo, consensual.

15Várias foram as análises realizadas mas penso que um dado obtido torna-se aqui especialmente relevante: a categoria Consultoria Estratégica de Comunicação, conta com apenas 2 ocorrências, um valor extremamente baixo. Considera-se que seria de esperar que todas as Agências analisadas referissem esta actividade como seu core bussiness, como prática agregadora de todas as suas restantes actividades. O conceito de estratégia parece estar muito pouco trabalhado no campo das Agências e Consultoras de Relações Públicas em Portugal. Apenas 5 ocorrências incluem a noção de estratégia, factor que pode, também ele, não ajudar na consideração desta profissão como uma actividade estratégica e fundamental à gestão organizacional.

16De notar ainda que, como supradito, muitas das Agências analisadas não se identificam com a noção de Consultora de Relações Públicas, afirmando-se como Consultoras de Comunicação. Este facto pode, também ele, estar a contribuir para uma ineficaz análise e consideração dos dados recolhidos. Considera-se, no entanto, que até esta desinformação nos fornece qualquer tipo de informação. Em última instância, esta constatação demonstra, mais uma vez, a inconsistência e a inexistência de um consenso na área das Relações Públicas e da Comunicação Estratégia em Portugal.

2.Relações Públicas em Portugal: o inquérito por questionário

17Como linha condutora para toda a investigação, partiu-se de uma hipótese geral de investigação que pressupõe que as Relações Públicas em Portugal existem sob um vasto leque de designações diferentes, não sendo estas reconhecidas como função das RP. Ou seja, de entre o vasto leque de designações comumente atribuído às Relações Públicas, como lhes chamam as Consultoras / Agências de Comunicação em Portugal?

18Ora, tendo definido o tema e o rumo a tomar, tornou-se também necessário definir o objecto de estudo: entidades que actuam na área das Relações Públicas. O universo em estudo é composto por todas as Agências de Comunicação, Consultoria e Relações Públicas de Portugal. A escolha destas entidades teve por base a sua área de actuação e, como tal, o seu conhecimento e proximidade com a Profissão de Relações Públicas.

19Assim sendo, e tendo por base o Directório Online Pub & Com, o universo da presente investigação caracteriza-se por ser um universo finito, composto por 226 empresas15, conforme dados consultados a dia 01 de Junho de 2011. A decisão da utilização deste meio como forma de seleccionar o universo em estudo prende-se com a sua proximidade com a realidade e o carácter fidedigno da sua informação.

20Optou-se por inquirir especificamente os Directores Gerais destas Agências pois acredita-se que estes, sendo o elemento responsável pela organização, representarão a opinião e visão de toda a empresa.

21Tal como já referido, o questionário teve por base os Acordos de Estocolmo e cada um dos seus 6 eixos fundamentais, nomeadamente, Sustentabilidade, Governação, Gestão, Comunicação Interna, Comunicação Externa, Coordenação entre a Comunicação Interna e Comunicação Externa. Sendo que cada um dos eixos enumera uma série de actividades, as quais se associam ao profissional de Relações Públicas e Gestor de Comunicação, inseriu-se cada uma destas actividades no inquérito, de modo a perceber a aplicabilidade destes na realidade Portuguesa.

22Assim, cada uma das actividades contidas em cada um dos seis eixos constitui uma pergunta. Cada pergunta é constituída é constituída por três sub-questões:

  • Pratica esta actividade?

  • Como a designaria de entre o quadro de sub-disciplinas apresentado?

  • Considera que esta é uma sub-disciplina das Relações Públicas?

23Ou seja, ao inquirido foi questionado se a empresa em causa pratica, ou não, a actividade descrita. Em segundo lugar, questiona-se a que sub-disciplina o inquirido associa a actividade em causa. Por último, pergunta-se ainda se o inquirido considera aquela função uma sub-área das Relações Públicas. Deste modo, pretendeu-se, perceber se as práticas associadas aos profissionais de Relações Públicas e Comunicação nos Acordos de Estocolmo são vistas, em Portugal, como actividades dos profissionais de RP. Procurou-se, ainda, verificar a aplicabilidade dos Acordos de Estocolmo a nível nacional, bem como perceber, como é desempenhada a profissão de RP em Portugal.

Conclusões do Estudo

24Realizado o inquérito e trabalhados os dados, foi possível tirar importantes conclusões e, fundamentalmente, abrir questões para novos trabalhos, na minha opinião, extremamente necessários no que à realidade portuguesa diz respeito.

25Este inquérito por questionário foi aplicado, tal como já referido, a um universo de 226 empresas, do qual foi possível obter cerca de 26,5% de respostas, um total de 60 empresas.

26Da análise dos resultados foi possível concluir que, de um modo geral, existe uma grande homogeneidade nas respostas. Embora não seja possível confirmar ou infirmar a hipótese geral do estudo, dadas as características dos dados recolhidos, é possível verificar uma homogeneidade das respostas em torno da prática das actividades descritas e da sub-disciplina maioritariamente associada as Relações Publicas.

27Em todas as questões as maiores percentagens verificam-se do lado do “Sim”, ou seja, são mais as empresas inquiridas que praticam as actividades descritas nos Acordos de Estocolmo, do que aquelas que não as praticam.

28Por outro lado, ao longo das diversas questões, verifica-se também uma homogeneidade nas sub-disciplinas escolhidas como responsáveis pelas actividades descritas. É facilmente verificável que a sub-disciplina mais escolhida para a designação das diferentes actividades foi a Comunicação Corporativa, sendo a segunda sub-disciplina mais escolhida a Comunicação Interna. Seria interessante verificar aqui que concepção de Comunicação Corporativa possui este conjunto de respondentes. Será que entendem a Comunicação Corporativa como sinónimo de Relações Públicas? Ou será que entendem por Comunicação Corporativa uma noção menos abrangente, essencialmente relacionada com a Comunicação Externa? Esta análise seria bastante interessante na medida em que nos permitiria retirar uma conclusão mais rica deste dado.

29Quanto à actividade mais praticada pelos inquiridos (93%), verificou-se que esta é uma actividade relacionada essencialmente com a divulgação de produtos e serviços: “Contribuem para formas de divulgação de produtos ou serviços dos vossos clientes, que fomentem a fidelização dos consumidores com essas marcas bem como um conhecimento das mesmas?”, incluída no eixo da Comunicação Externa. Deste modo, pode dizer-se que o conjunto de empresas respondentes tem como principal actividade a divulgação de produtos e serviços e a fidelização dos consumidores com a marca, uma actividade puramente comercial.

30Como sabemos, a função das Relações Publicas não se esgota, de todo, neste tipo de actividade. A grande mais-valia das RP é aliás o facto de trabalhar no domínio de factores intangíveis, isto é, mais do que gerar um acto isolado de um processo de compra, as RP actuam no processo de estabelecimento de relações duradouras, baseadas na confiança e no compromisso. Este dado vem confirmar a ideia de que, em ultima instância, o objectivo de qualquer empresa será sempre a geração de lucro. A maioria das empresas preocupa-se apenas com os lucros e com a venda dos seus produtos e serviços, relegando para segundo plano a importância de outras actividades.

31No que diz respeito às actividades que mais inquiridos referem não praticar, verifica-se que 43% dos inquiridos indica a participação na resolução de problemas organizacionais dos seus clientes, liderando especificamente aqueles que dizem respeito as relações com os stakeholders, seguida, com 42% das respostas, da actividade de investigação, desenvolvimento e monitorização do comportamento organizacional dos seus clientes no sentido de permitir a sua adaptação às necessidades da sociedade. Parece, portanto, tendo em conta as empresas respondentes, que o papel estratégico das RP no que toca a resolução dos problemas organizacionais e a sua grande mais-valia no que toca a monitorização e análise da envolvente organizacional, a qual permite obter informações valiosas para a diminuição do grau de incerteza no processo de tomada de decisão, são relegadas para segundo plano. Tendo em conta este aspecto, seria interessante verificar aqui se os clientes das Agências respondentes possuem Departamentos in-house de Relações Publicas que assegurem determinado tipo de actividades dado que, caso não se verifique esta realidade poderemos então falar de uma visão bastante redutora do papel das RP.

32Em todas as questões, foi ainda possível verificar que o número de inquiridos que pratica a actividade descrita é superior ao número de inquiridos que a considera como sendo uma das actividades das Relações Publicas. A média de inquiridos que considera as sub-disciplinas escolhidas como sendo uma das áreas das RP é de 63%. Embora este valor corresponda à maioria dos inquiridos, este está muito pouco acima dos 50%. Seria de esperar, tendo em conta as características do universo em estudo, uma percentagem superior, mais próxima de 100%. Este não reconhecimento das sub-disciplinas das Relações Públicas por parte de cerca de 40% dos inquiridos revela, em si mesmo, um desconhecimento e não reconhecimento das verdadeiras áreas de actuação das Relações Públicas.

33De notar, ainda, uma taxa de não resposta media de 9% no que à designação da actividade e sua consideração enquanto sub-disciplina das RP diz respeito. Ou seja, quer isto dizer que uma média de 9% dos inquiridos, apesar de ser pedida a sua resposta, optou por não responder a estas questões. Acredita-se que este facto se verifica pela dificuldade em classificar a actividade descrita sobre a qual se pede a consideração do inquirido. Também este dado revela, na minha opinião, um desconhecimento das verdadeiras sub-disciplinas das Relações Públicas e daquilo que nestas esta contido.

34Importa também referir que se verifica uma média de 27% de inquiridos que afirma não praticar as actividades descritas nos Acordos de Estocolmo e transpostas aqui para o inquérito por questionário. Ora, tendo em conta que o inquérito foi aplicado apenas as empresas na área da Comunicação, Consultoria e Relações Publicas, torna-se difícil perceber como 27% dos inquiridos não pratica as actividades descritas nos Acordos como sendo as práticas das Relações Públicas.

35No que diz respeito aos eixos de atuação definidos nos Acordos de Estocolmo, verifica-se que o eixo de atuação que apresenta uma média superior aos restantes no que diz respeito ao número de inquiridos que afirma praticar as actividades nele descritas é o eixo da Governação. Significa isto que, as actividades que mais inquiridos afirmaram praticar pertencem ao eixo da Governação, com uma média de 80,5% de respostas afirmativas.

36Falamos aqui de actividades como a definição dos valores, princípios, estratégias, politicas e processos organizacionais, o fomento de comportamentos transparentes, autênticos e verdadeiros por parte destes na relação com os seus stakeholders, a investigação no contexto das redes sociais, para a interpretação das expectativas da sociedade e dos stakeholders e o fomento de uma cultura de escuta activa, facilitando a adaptação e resposta pro-activa.

37No entanto, quanto à sub-questão “Considera que esta é uma sub-disciplina das Relações Publicas?”, através da qual se percebe se o inquirido considera a actividade descrita como fazendo parte das actividades das RP, é o eixo da Comunicação Interna que apresenta uma média mais alta de respostas afirmativas. Ou seja, apesar do eixo da Governação ser aquele onde mais inquiridos afirma praticar as actividades nele descritas, o eixo da Comunicação Interna é aquele que surge mais associado às RP. Pode, portanto, dizer-se que as Relações Públicas, dentro deste conjunto de empresas respondentes, são, maioritariamente, associadas a actividades da sub-disciplina de Comunicação Interna, nomeadamente actividades como o estabelecimento de uma compreensão mútua de como os colaboradores compreendem, aceitam e ajudam a concretizar a estratégia organizacional, de como os líderes organizacionais colaboram e comunicam com os seus stakeholders, de como o conhecimento e as politicas organizacionais são partilhadas dentro da estrutura organizacional dos clientes dos inquiridos e de como a reputação organizacional dos respectivos clientes depende, grandemente, das acções dos seus stakeholders internos.

38Embora a ocorrência de um maior número de respostas tivesse sido vantajosa para o apuramento de mais e melhores conclusões, conclui-se deste estudo empírico exploratório que existe, no sector da Comunicação, Consultoria e Relações Publicas em Portugal, uma tendência para associar as Relações Publicas, essencialmente, a Comunicação Corporativa e a Comunicação Interna. Estes são conceitos abrangentes que abarcam um largo conjunto de funções para a sua concretização. No entanto, outras sub-disciplinas mais específicas nas quais, na minha opinião, o papel estratégico das Relações Publicas está patente, surgem com menos representatividade. Falo de sub-disciplinas como a Gestão de Assuntos, a Gestão de Crises e, mais importante ainda, a Comunicação no Interesse Público. Considero que este facto revela um não reconhecimento, ou pelos menos, um menor reconhecimento, deste tipo de funções e papel mais estratégico das Relações Públicas.

39De notar que, ao contrário do que se poderia esperar, como referido no início deste trabalho, analisando os dados obtidos, as Relações Públicas surgem aqui muito pouco associadas a actividades de Relações com os Media. Este facto deve-se, acredito eu, por não ser dada relevância a esta área nos Acordos de Estocolmo. Ou seja, dado que todo o inquérito foi desenvolvido tendo por base este documento, nenhuma das perguntas enfatizava de forma especial as actividades de Relações com os Media ou Assessoria Mediática. No entanto, verificou-se pela análise de conteúdo aos websites de algumas das principais Agências do país, esta tendência de associar as RP a este tipo de actividades, aspecto resultante, acredita-se, dos primórdios da profissão do modelo de public information.

40Por último, importa referir a grande taxa de não resposta verificada neste estudo. Embora tenha sido possibilitada a resposta durante um período um mês e dez dias, apenas 26,5% dos inquiridos optou por responder. Este aspecto demonstra a atitude pouco pro-activa por parte do mercado de trabalho português em produzir mais e melhor conhecimento. Urge uma mudança de mentalidade para que seja dada uma maior importância a realização deste tipo de estudos, para que sejam feitos investimentos em alunos e profissionais que pretendam enveredar por este tipo de investigação, sendo imperativa a colaboração de todos para o apuramento de melhores conclusões.

41Ao longo da realização deste estudo verificou-se, ainda, outras áreas relevantes, as quais poderiam ser interessantes estudar. Talvez a realização de um estudo com base no método de Delphi fosse interessante de modo a chegar a uma concepção consensual, em termos nacionais, da profissão de Relações Públicas. No entanto, dadas as dificuldades verificadas já neste estudo, em que foi pedida apenas resposta a um inquérito, acredito que a operacionalização de uma metodologia de Delphi se tornasse bastante complexa, se não mesmo inviável.

42Seria também interessante a realização de um estudo, à semelhança do 2010 Practice Analysis, levado a cabo pelo Universal Accreditation Board, no sentido de verificar quais as principais áreas de actuação no campo das Relações Públicas e quais os conhecimentos, habilidades e capacidades a elas associadas em Portugal, ao mesmo tempo que, com uma distância temporal, se verificaria a evolução destes aspectos.

43De um modo geral, considero que uma maior colaboração por parte dos profissionais do sector teria sido fundamental para o alcance de melhores conclusões. É sabido que existe um desconhecimento do verdadeiro papel das Relações Públicas, principalmente na sua vertente mais estratégica e próxima da gestão organizacional, bem como, uma não credibilização do seu real contributo. No entanto, são os próprios profissionais que, neste caso, dificultam a realização deste tipo de estudos e não se mostram preocupados nem colaborativos para que qualquer desenvolvimento seja feito na sua própria profissão.

44Poderá ser interessante, ainda, colocar aqui em equação o axioma de Palo Alto no qual se defende que é impossível não comunicar e que todo o comportamento é uma forma de comunicação. Neste caso, a não resposta de grande parte das Agências contactadas representa, em si, uma forma de comunicação. Será que podemos dizer que esta não colaboração, esta não resposta por parte de um grande número de Agências representa um não reconhecimento da área das Relações Públicas e um não reconhecimento da necessidade e urgência de uniformizar e credibilizar a profissão de RP? Será que podemos considerar que estas empresas, ao não responderem, acreditam que não são necessários desenvolvimentos nesta área? Será que estas empresas se consideram sequer afectadas pelo não reconhecimento e credibilização das práticas das RP? Seria interessante, julgo eu, verificar o que este não comportamento representa como forma de comunicação.

Topo da página

Bibliografia

Aho, K. (2005) Digital Communication for All Students. San Francisco: Macromedia;

Almeida, J. F., Pinto, J. M. (1995) A investigação nas Ciências Sociais. Lisboa: Editorial Presença;

Anuário de Publicidade & Comunicação (2010). Lisboa: Workmedia;

Bell, J. (1997) Como realizar um Projecto de Investigação. Lisboa: Gradiva;

Botan, C. H., Taylor, M. (2004) Public relations: State if the field. Journal of Communication, 54(4), pp. 645–661;

Broom, G. M. (2009) Cutlip & Center’s effective public relations. 10ª Edição. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall;

Bütschi, G., Steyn, B. (2006) Theory on Strategic Communication Management is the key to unlocking the boardroom. Invited debate paper for the Journal of Communication Management, 10 (1);

Chilosi, A., Damiani, M. (2007) Stakeholders vs. shareholders in corporate governance. Department of Economics-Univeristy of Pisa and Department of Economics, Finance, and Statistics-University of Perugia MPRA Paper No. 2334;

Cozier, Z., Witmer, D. (2001) The Development of a Structuration Analysis of New Publics in an Electronic Environment, in Heath, Robert (Ed.), Handbook of Public Relations, New York: Sage Publications;

Diefenbach, T. (s.d.) Intangible Resources - a Categorial System of Knowledge and other Intangible Assets. United Kingdom: Open University Business School;

Dilenschneider, R. L. (2010) The AMA Handbook of Public Relations. United States of America: American Management Association;

Drucker, P. (1954) The practice of management. New York: Harper & Row;

Duarte, J. (s.d.) From The Stockholm Accords to Communicative Equations: A Fresh Look to Public Relations Role in Network Organizations. Lisbon’s Superior School of Mass Communication and Media Arts;

Eiró-Gomes, M., Duarte, J. (2005) Públicos “Virtuais” para Cidades “Reais”. 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, 4º SOPCOM, Comissão Editorial da Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal, pp.613 – 623, disponível em http://conferencias.ulusofona.pt;

Eiró-Gomes, M., Duarte, J. (2005) Que públicos para as Relações Públicas?. Actas dos III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO – Volume II, Comissão Editorial da Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal, pp. 453 – 461, disponível em http://conferencias.ulusofona.pt;

Eiró‐Gomes, M. (2006) Relações Públicas ou a Comunicação como acção. Lição para o concurso de Professora Coordenadora, apresentado em Lisboa a 28 de Junho de 2006 (artigo não publicado);

Elliot, P. (1972) The Sociology of the Professions. London: Macmillan;

Ferreira, J. M. C., (2001) Teoria geral dos sistemas e abordagem sociotécnica, in Ferreira, J. M. C., Neves, J., Caetano, A., Manual de Psicossociologia das Organizações. Portugal: McGraw-Hill, pp. 49 – 75;

Gonçalves, G. (2010) Introdução à Teoria das Relações Públicas. Porto – Portugal: Porto Editora;

Gonçalves, G. (2010) The image of public relations in Portugal. A self-monitoring problem or a structural problem? Paper proposto para a “Section of organizacional and strategic communication” para a 3ª Conferência Europeia de Comunicação ECREA, a realizar em Hamburgo, Outubro de 2010;

Greene, C.N., Adam, E.A. Jr. & Ebert, R.J. (1985) Management for effective performance. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice-Hall;

Gregory, A. (2008) Public Relations and Management. Theaker, A. ed. The Public Relations Handbook. 3ªEd., London. pp. 51-69;

Gregory, A., Watson, T. (2008) Defining the gap between research and practice in public relations programme evaluation - towards a new research agenda. Journal of Marketing Communications, 14:5, pp. 337 — 350;

Gregory, A. & White, J. (2008) Introducing the Chartered Institute of Public Relations Initiative in Ruler, B., Vercic, A. T., Vercic, D., Public Relations Metrics – Research and Evaluation. New York: Routledge, pp. 307 – 317;

Grunig, J. E. (2001) Two-Way Symmetrical Public Relations – Past, Present, and Furture, in Handbook of Public Relations. New York: Sage Publications, pp. 11 – 50;

Grunig, J., White, J. (1992) The Effect of Worldviews on Public Relations – Theory and Practice, in Grunig, J. Excellence in Public Relations and Communication Management. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc., pp. 31-64;

Grunig, L; Repper, F. (1992) Strategic Management, Publics and Issues, in Grunig, J. ed. Excellence in Public Relations and Communication Management. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, pp. 117-158;

Harlow, R. (1976) Building a definition of public relations. Public Relations Review 2, pp. 199-214;

Heath, R. L. (2001) Handbook of Public Relations. New York: Sage Publications, pp. 1 – 11;

Hosea, M. (2010) Stick with the glue that holds diverse industry together. Marketing Week, 29 July 2010, pp. 27 - 30;

Kent, M. L., Taylor, M. (2002) Toward a Dialogic Theory of Public Relations. Public Relations Review, Vol. 28, No. 1, pp. 21-37;

Lesley, P. (1997). Lesley’s Handbook of Public Relations and Communications. Chicago: Contemporary Books;

LʼEtang, J. (2009) Public relations: concepts, practice and critique. London: Sage Publications;

Lourenço, S. (2009). Relações Públicas e mudança social: a sua importância e o seu papel no desenvolvimento de projectos sustentáveis. Tese de Mestrado, Escola Superior de Comunicação Social – Instituto Politécnico de Lisboa;

Lourenço, S., Eiró-Gomes, M. (2009) O papel e a responsabilidade das Relações Públicas na sustentabilidade de um mundo global. Paper submetido no 8º LUSOCOM – Comunicação, Espaço Global e Lusófonia, pp. 1488 - 1499, disponível em http://conferencias.ulusofona.pt;

Nunes, T. (2011) Terceiro Sector - Relações Públicas como Negociação e Compromisso. Tese de Mestrado, Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa, 2011;

Paine, K. D., Draper, P., Jeffrey, A. (2008) Using Public Relations Research to Drive Business Results, Institute for Public Relations;

Paluszek, J. (2010) The Stockholm Accords: Developing a global program to shape PR's future. Public Relations Tactics, Public Relations Society of America, October 2010, pp.18;

Pasadeos, Y., Berger, B., Renfro, R.B. (2010) Public Relations as a Maturing Discipline: An Update on Research Networks. Journal of Public Relations Research, 22:2, pp. 136-158;

Pestana, M. H., Gageiro, J. N. (2000) Análise de Dados para Ciências Sociais – A complementaridade do SPSS. 2ª Edição, Lisboa: Edições Sílabo;

Pirson, M., Malhotra, D. (2008) Unconventional Insights for Managing Stakeholder Trust. Mit Sloan Management Review, vol. 49 No. 4, pp. 43 – 50;

Quivy, R., Campenhoudt, L. V. (1992) Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva;

Raposo, A. (2010) Teoria dos jogos: um instrumento para a tomada de decisão em Relações Públicas. Tese de Mestrado, Escola Superior de Comunicação Social – Instituto Politécnico de Lisboa;

Rodrigues, P., Eiró-Gomes, M. (2009) A Institucionalização das Relações Públicas na Comunicação das Marcas de Luxo. Paper submetido no 6º SOPCOM – Sociedade dos Media: Comunicação, Política e Tecnologia, pp. 4182 - 4198, disponível em http://conferencias.ulusofona.pt;

Ruler, B., Vercic, A. T., Vercic, D. (2008) Public Relations Metrics – Research and Evaluation. New York: Routledge;

Sha, B. (2011) Does accreditation really matter in public relations practice? How age and experience compare to accreditation. Public Relations Review 37, pp. 1–11;

Smith, H. J. (2003) The Shareholders vs. Stakeholders Debate. Mit Sloan Management Review, vol. 44 No. 4, pp. 85 – 90;

Soares, J. V. (2005) Comunicação nas Organizações e Relações Públicas. 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, 4º SOPCOM, Comissão Editorial da Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal, pp.513 – 520, disponível em http://conferencias.ulusofona.pt;

Soeiro, A. (2003) Relações Públicas em Portugal - Uma Profissão Mal Amada -. O Paradoxo De Uma Profissão. Instituto Superior da Maia;

Sorrel, M. (2009) Sir Martin Sorrel on the Renaissance of Public Relations. The Strategist, PRSA;

Sriramesh, K.; Vercic, D. (2009) The global public relations handbook: theory, research, and practice. New York: Routledge;

Stacks, D. W. (2006) Dictionary of Public Relations Measurement and Research. Institute for Public Relations;

Stewart, Thomas A. (1999) Capital Intelectual – A nova riqueza das organizações. 1ª Edição. Lisboa: Edições Sílabo, pp. 115 - 147;

Steyn, B, (2007) Contribution of Public Relations to Organizational Strategy Formulation, in E.L. Toth, The Future of Excellence in Public Relations and Communication Management: Challenges for the Next Generation. Capítulo 8, pp. 158-166. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Steyn, B., Niemann, J. (2008) Institutionalising the Strategic Role of Corporate Communication/Public Relations Through its contribution to Enterprise Strategy and Enterprise Governance. Paper submetido para o 10º encontro anual da EUPRERA Conference, a realizar em Milão em Outubro de 2008;

Steyn, B. (2009) The Strategic Role of Public Relations Is Strategic Reflection: A South African Research Stream. American Behavioral Scientist, 53(4) pp. 516–532;

United Nations World Commission on Environment and Development‐ WCED (1987) Our Common Future (Relatório de Brundtland). New York, Oxford: Oxford University Press;

Van Riel, C. B. M. (1992) Principles of Corporate Communication. London: Academic Service, pp. 1 - 26;

Wilcox, D. L., Cameron, G. T., Xifra, J. (2006) Relaciones Públicas - Estrategias y Tácticas. 8ª Edição. Madrid: Pearson Educación. pp. 1-89;

White, C., Park, J. (2010) Public perceptions of public relations. Public Relations Review, nº 36, pp. 319–324;

White, J., Mazur, L. (1995) Strategic Communications Management – Making Public Relations Work. Singapore: Addison-Wesley Publishing Company;

Xifra, J. (2008) Prefácio. Em Introdução à Teoria das Relações Públicas. Porto – Portugal: Porto Editora, pp. 5 - 7;

Topo da página

Anexo

Sitografia

Addsolutions (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.addsolutions.pt/​addsolutions2011/​servicos.asp [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Agenda Setting (s.d.) Relações Públicas. [Internet]. Disponível em: http://www.agendasetting.pt/​empresas-relacoes-publicas-rp-portuga/​ [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Bailey’s, R. (2011) Public relations - or communication?. PR Studies [Internet]. Disponível em: http://www.prstudies.com/​weblog/​2011/​01/​public-relations-or-communication.html [Consult. a 02 de Junho de 2011];

Ban (s.d) Ban. [Internet]. Disponível em: http://www.ban.pt/​ [Consult. a 20 de Maio de 2011];

C&C Consultores (s.d.) Competências. [Internet]. Disponível em: http://www.cec-online.net/​index.php/​competences [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Cunha Vaz e Associados (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.cunhavaz.com/​pt [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Escola Superior de Comunicação Social (2006) Manifesto para a Acreditação da Profissão de Relações Públicas em Portugal. [Internet]. Disponível em: http://pt.scribd.com/​doc/​7601711/​Manifesto-Acreditacao [Consult. a 01 de Agosto de 2011];

Escola Superior de Comunicação Social (s.d.) Comunicação no Interesse Público. [Internet]. Disponível em: http://www.escs.ipl.pt/​index.php?conteudo=disciplinas&id=144 [Consult. a 25 de Agosto de 2011];

European Communication Monitor (2008) Trends in Communication Management and Public Relations. [Internet]. Disponível em: http://www.communicationmonitor.eu/​ECM2008-Results.pdf [Consult. a 20 de Junho de 2011];

European Communication Monitor (2009) Trends in Communication Management and Public Relations. [Internet]. Disponível em: http://www.communicationmonitor.eu/​ECM2009-Results-ChartVersion.pdf [Consult. a 20 de Junho de 2011];

European Communication Monitor (2010) Status quo and challenges for Public Relations in Europe. [Internet]. Disponível em: http://www.communicationmonitor.eu/​ECM2010-Results-ChartVersion.pdf [Consult. a 20 de Junho de 2011];

European Communication Monitor (2011) Empirical Insights into Strategic Communication in Europe. Disponível em: http://www.communicationmonitor.eu/​ECM2011-Results-ChartVersion.pdf [Consult. a 20 de Junho de 2011];

Falconi, T. M. (2010) Reinventing accounting, assuring, public relations and communication professions to adapt to integrated reporting: a quick report from St James Palace in London. Global Alliance. [Internet]. Disponível em: http://www.stockholmaccords.org/​governance/​reiventing-accounting-assuring-public-relations-and-communication-professions-to-adapt-to-integrated-reporting-a-quick-report-from-st-james-palace-in-london [Consult. a 15 de Abril de 2011];

Falconi, T. M. (2010) Accords being integrated in Portuguese academic institutions. Global Alliance. [Internet]. Disponível em: http://www.stockholmaccords.org/​sustainability/​accords-being-integrated-in-portuguese-academic-institutions [Consult. a 01 de Maio de 2011];

Fonte (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.fontecomunicacao.pt/​ [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Frontpage (s.d.) O que fazemos. [Internet]. Disponível em: http://www.frontpagecc.com/​oquefazemos.html [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Gass, M. (2011) Ad Agencies: Three Things a New Business Director Needs for Success. Fuel Line [Internet]. Disponível em: http://fuelingnewbusiness.com/​2011/​04/​12/​ad-agencies-three-things-a-new-business-director-needs-for-success/​ [Consult. a 25 de Agosto de 2011];

Global Alliance (2011) A CIPR diploma paper on the Accords by Rachel Cockburn from Leedsmet. [Internet]. Disponível em: http://www.stockholmaccords.org/​accords/​a-cipr-diploma-paper-on-the-accords-by-rachel-cockburn-from-leedsmet [Consult. a 10 de Abril de 2011];

Global Alliance (2010) The Stockholm Accords. [Internet]. Disponível em: www.cipr.co.uk/sites/default/.../Stockholm-Accords-final-version.pdf [Consult. a 10 de Abril de 2011];

Global Alliance (2010) General Comments. [Internet]. Disponível em: http://www.stockholmaccords.org/​general-comments [Consult. a 10 de Abril de 2011];

Green Media (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.greenmedia.pt/​menu/​page/​serviços [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Gregory, A. (2007) Anne Gregory relaunches the debate on ambiguity as… a reason for public relations. [Internet]. Disponível em: http://www.prconversations.com/​index.php/​2007/​08/​anne-gregory-relaunches-the-debate-on-ambiguity-as-a-reason-for-public-relations/​ [Consult. a 20 de Abril de 2011];

Guess What PR (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.guesswhatpr.com/​pt/​content/​6-guess-what-pr/​11-servicos [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Identidade Digital (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.identidade-digital.com/​servicos.aspx [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Imago (s.d.) Áreas de Competência. [Internet]. Disponível em: http://www.imago.pt/​pagina/​217 [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Infopédia (s.d.) Profissão. [Internet]. Disponível em: http://publicidadecomunicacao.workmedia.pt/​sectores/​agencias-de-comunicacao-consultoria-e-relacoes-publicas/​ [Consult. a 15 de Agosto de 2011];

Inforpress Grupo (s.d.) O que fazemos. [Internet]. Disponível em: http://www.inforpress.pt/​pt/​menu/​o-que-fazemos [Consult. a 20 de Maio de 2011];

International Encyclopedia of Communication (s.d.) Financial Communication. [Internet]. Disponível em: http://www.communicationencyclopedia.com/​ [Consult. a 25 de Agosto de 2011];

Instituto Nacional de Estatística (2010) Classificação Portuguesa das Profissões 2010. [Internet]. Disponível em: http://www.ine.pt/​xportal/​xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=105174743&DESTAQUESmodo=2 [Consult. a 05 de Maio de 2011];

Instituto Superior de Economia e Gestão (2011) Métodos Quantitativos Aplicados. [Internet]. Disponível em: http://pascal.iseg.utl.pt/​~vescaria/​mqa/​ [Consult. a 10 de Setembro de 2011];

Ipsis (s.d) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.ipsis.pt/​ [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Lift Consulting (s.d.) Áreas de Prática. [Internet]. Disponível em: http://www.lift.com.pt/​areas_pratica.html [Consult. a 20 de Maio de 2011];

M Public Relations (s.d.) Competências. [Internet]. Disponível em: http://www.mpublicrelations.pt/​pt.php [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Omniconsul (s.d.) Serviços. [Internet]. Disponível em: http://www.omniconsul.pt/​ [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Parceiros de Comunicação (s.d.) Áreas de Especialização. [Internet]. Disponível em: https://www.facebook.com/​ParceirosdeComunicacao#!/parceiros.comunicacao?sk=info [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Porter Noveli (s.d.) Práticas. [Internet]. Disponível em: http://www.porternovelli.com/​iberia [Consult. a 20 de Maio de 2011];

Public Relations Institute of Ireland (s.d.) Regulation of lobbyists. [Internet]. Disponível em: http://www.prii.ie/​show_content.aspx?idcategory=1&idsubcategory=2 [Consult. a 25 de Agosto de 2011];

Public Relations Society of America (s.d.) Public Relations Defined. [Internet]. Disponível em: http://www.prsa.org/​aboutprsa/​publicrelationsdefined/​ [Consult. a 05 de Abril de 2011];

Pub&Com (s.d.) Agências de Comunicação, Consultoria e Relações Públicas. [Internet]. Disponível em: http://publicidadecomunicacao.workmedia.pt/​sectores/​agencias-de-comunicacao-consultoria-e-relacoes-publicas/​ [Consult. a 25 de Maio de 2011];

Universal Accreditation Board (2000) APR Practice Analysis of the Public Relations Profession. [Internet]. Disponível em: http://www.praccreditation.org/​Practice%20Analysis.html [Consult. a 15 de Agosto de 2011];

World Public Relations Forum (2010) The Stockholm Accords. [Internet]. Disponível em: http://www.wprf2010.se/​2010/​02/​22/​the-stockholm-accords/​ [Consult. a 30 de Maio de 2011];

World Public Relations Forum (2010) New draft of the Stockholm Accords. [Internet]. Disponível em: http://www.wprf2010.se/​2010/​05/​27/​new-draft-of-the-stockholm-accords/​ [Consult. a 30 de Maio de 2011];

Seminários e Conferências em contexto de Mestrado

Eiró Gomes, Mafalda (Professora Coordenadora do Curso de Relações Públicas e Pragmática na Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa), Comunicação para a Mudança Social. Escola Superior de Comunicação Social, 2010;

Gregory, Anne (Leeds Business School, Leeds Metroplitan University), Ethics and Professionalism. Escola Superior de Comunicação Social, 2010;

Paluszek, John & Gregory, Anne (Global Alliance International Forum), The Stockholm Accords – A call to action for Public Relations and Communication in a Global Society. Escola Superior de Comunicação Social, 2011;

Nadim, Habib (Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa), The Stockholm Accords – A call to action for Public Relations and Communication in a Global Society. Escola Superior de Comunicação Social, 2010;

Xifra, Jordi (Faculty of Tourism and Communication of the University of Girona, Spain) Terceiro Sector - Relações Públicas como Negociação e Compromisso. Tese de Mestrado, Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa, 2011.

Apêndice I

Áreas de Actuação das Agências de Comunicação, Consultoria e Relações Públicas de Portugal

Empresa

Designação atribuída

Áreas de Actuação

AddSolutions

Serviços

Branding

Design de Comunicação

Public Relations

Criação, Organização e Gestão de Eventos

Marketing Digital

Multimédia

Agenda Setting

Serviços Relações Públicas

Relacionamento e representação junto dos meios de comunicação

Produção e envio de conteúdos

Eventos de Media e PR

Diagnósticos de comunicação empresarial

Government & Public Affairs

Planos de comunicação (media tradicional e new media)

Ban

-

Corporate & Media Relations

C&C Consultores

Competências

Comunicação Institucional e de Produto

Assessoria de Imprensa

Comunicação Interna

Comunicação de Crise

Organização de Eventos e RP

Comunicação Visual e Gráfica

Cunha Vaz e Associados

Serviços

Comunicação Interna

Comunicação Externa

Eventos

Internacionalização de Empresas

Brochuras

Fonte

Fonte

Serviços

Serviços

Consultoria estratégica

Auditorias de comunicação

Comunicação Institucional e Financeira

Public Affairs

Comunicação de Marketing

Comunicação interna

Gestão e comunicação de crise

Web communications (estratégias online e produção de conteúdos)

Comunicação em redes sociais

Concepção de briefings e acompanhamento de consultas para serviços de Marketing e Publicidade

Mecenato, Patrocínios e Responsabilidade Social

Media Relations

Encontros com jornalistas

Conferências de Imprensa Identificação de meios e de jornalistas adequados

Segmentação de meios

Detecção de oportunidades

Textos de apoio na relação com os Media

Media training / formação de porta-voz

Suportes de Comunicação

Estudos de identidade corporativa, imagem visual e respectivas aplicações

Revistas internas

Revistas externas

Newsletters

Apresentações em Powerpoint e Keynote

Web Design e conteúdos para web

Cds e DVDs

Material Promocional

Research

Análise regular de share-of-voice and tone

Análises sectoriais

Monitorização de Media

Eventos e Endorsement

Concepção e gestão de eventos empresariais e públicos

Comunicação de acontecimentos

Identificação de figuras públicas e opinion makers para apoio à comunicação

Procurement e negociação com fornecedores de serviços a eventos

Frontpage

Serviços

Comunicação Institucional

Comunicação de Consumo

Comunicação Interna

Comunicação de Crise

Comunicação nos Social Media

Green Media

Serviços

Estratégia e Assessoria de Comunicação Mediática (Comunicação Mediática; Formação e Media Trainning; Press Clipping; Gestão de Comunicação de Crise)

Consultoria Estratégica em Comunicação Institucional (Corporativa; Interna; Externa; Produto/serviço)

Relações Públicas (Reputação; Comunicação Organizacional; Rebuilding, lifting e criação de raiz de identidade marca)

Publishing (Comunicação on-line; Redes sociais; Tendências; Placement referenciação)

Inforpress Grupo

O que fazemos

Comunicação Interna

Comunicação Externa

AGENDA Public Affairs

RSE

Imago

Áreas de Competência

Comunicação Institucional

Comunicação de Marca

Comunicação Financeira

Comunicação Interna

Comunicação de Crise

Comunicação Digital

Formação e Coaching

Ipsis

Serviços

Consultoria Estratégica de Comunicação

Relações com a Imprensa

Formação

Edição

Research/Investigação

Endorsement

Organização de Eventos

Lift Consulting

Áreas de Prática

Brands

Corporate

Digital

Healthcare

Lifestyle

People

Public Affairs

Reputation

Responsability

Training

M Public Relations

Competências

Consultoria em Comunicação

Comunicação Institucional

Comunicação de Crise

Consultoria Interna

Produção de Suportes e Conteúdos

Estudo de Marcas

Marketing Communications

Public affairs e relações governamentais

Eventos

Omniconsul

Serviços

Consultoria Estratégica em Comunicação

Relações Institucionais (Lobbying/Public Affaris/B2B)

Gestão de Crise

Imagem Empresarial

Responsabilidade Social

Comunicação Interna

Comunicação de Produto

Relações com a Imprensa

Auditorias em Comunicação e Imagem

Formação

Parceiros de Comunicação

Áreas de Especialização

Comunicação CorpoComunicação FinanceiraComunicação CorporativaComunicação Corporativa

Comunicação Financeira

Comunicação de Marketing

Comunicação de Crise

Comunicação em Saúde

Comunicação Digital

Gestão de conteúdos para Redes Sociais

Gestão de litígio entre Empresas

Comunicação em Inovação e Tecnologia

Formação de porta-vozes

Relações Institucionais

Eventos

Porter Noveli

Prácticas

Comunicación Corporativa y RSC

Comunicación de Crisis

Comunicación de Producto

Comunicación Financiera y relación con inversores

Comunicación on line

Public Affairs

Comunicación Interna y

Change&Employee Engagement

Eventos y patrocínios

Formación

Guess What PR

Serviços

Media Relations

Comunicação Financeira

Consultoria de Relações Públicas

Gestão de Crise

Media Training

Digital & Social Media Strategies

Organização de eventos

Conteúdos para suportes

Public Affairs

Projectos de Responsabilidade Social

Auditorias de Comunicação

Word of Mouth & Mobile Marketing

Comunicação Interna

Identidade Digital

Serviços

Consultoria Estratégica

Estudos de Reputação Online

Gestão de Redes Sociais

Monitorização de Social Media

Gestão de Crises Online

Criação de Redes Sociais e Profissionais

Formação em Redes Sociais

Topo da página

Notas

1 Entenda-se por Comunicação Corporativa aquilo que “encompasses marketing communication, organizational communication and management communication. It may be seen as a Framework in which various communications specialists – working from a mutually established strategic framework – can integrate their own communications input.” (van Riel, 1992, p. 1)

2 Entenda-se por Gestão de Assuntos, a “identificación y resolución de diversos asuntos o temas que pueden afectar a la organización.” (Wilcox, Cameron & Xifra, 2006, p. 14).

3 Entenda-se por Publicity, uma actividade em que “Public relations sources provide what they judge to be newsworthy information – publicity – with the expectation that editors and reporters will use the information. Publicity is information provided by an outside source that is used by the media because the information has news value. This is an uncontrolled method of placing messages in the media because the source does not pay the media for placement.” (Cutlip & Center, 2009, p. 29)

4 Entenda-se por Relações com os Investidores, a “creación y mantenimiento de la confianza de los inversores y creación de buenas relaciones con la comunidad financiera.” (Wilcox, Cameron & Xifra, 2006, p. 14).

5 Entenda-se como Comunicação Financeira “all of the strategies, tactics, and tools used to share financial data and recommendations with investors and other interested parties.” (International Encyclopedia of Communication, s.d.)

6 Entenda-se por Lobbying “(…) the specific efforts to influence public decision-making either by pressing for change in policy or seeking to prevent such change. It consists of representations to [and/or policy relevant discussion with] any public office holder on any aspect of policy, or any measure implementing that policy, or any matter being considered, or which is likely to be considered by a public body.” (Public Relations Institute of Ireland, 2011)

7 Por Assuntos Públicos, entenda-se “(…) una participación eficaz en la política pública y ayuda a la organización a adaptarse a las expectativas públicas.” (Wilcox, Cameron & Xifra, 2006, p. 14).

8 Entenda-se por Relações com os Media, “trabaja con los medios de comunicación social cuando pretende publicity o para que actúen en función de los intereses de la organización.” (Wilcox, Cameron & Xifra, 2006, p. 13).

9 Entenda-se por Relações com a Comunidade “(…) actividades con la comunidad para mantener un entorno mutuamente beneficioso, tanto para la organización como para la propia comunidad.” (Wilcox, Cameron & Xifra, 2006, p. 14).

10 Entenda-se por Gestão de Crises, “(...) having enough forethought to face the unexpected with a fast but effective response” (White & Mazur, 1995, p. 211).

11 Entenda-se por New Business, “(…) mechanics of new client acquisition, someone who has the sole focus and capabilities to bring “life-giving” new business to the agency.” (Gass, 2011).

12 Por Comunicação Digital, entenda-se “is the ability to create persuasive communications in different media, be it websites, video, audio, text, or animated multimedia.” (Aho, 2005, p.1)

13 Entenda-se por Comunicação Interna, uma comunicação que “sirve para responder a las preocupaciones, necesidades de información y de motivación de los trabajadores o empleados de una organización.” (Wilcox, Cameron & Xifra, 2006, p. 14).

14 Comunicação no Interesse Público, “(…) pode ser hoje pensada essencialmente como comunicação para a mudança social podendo ser esta definida como um processo de diálogo público e privado através do qual as pessoas definem quem são, o que querem e como o conseguem obter.” (Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa, s.d.)

15 Fonte: Directório Online Pub & Com, disponível em: http://publicidadecomunicacao.workmedia.pt/.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Kelly Gomes Pereira, « Relações Públicas: O que lhes chamam as Agências de Comunicação em Portugal? », Comunicação Pública, vol.7 n12 | 2012, 57-80.

Referência eletrónica

Kelly Gomes Pereira, « Relações Públicas: O que lhes chamam as Agências de Comunicação em Portugal? », Comunicação Pública [Online], vol.7 n12 | 2012, posto online no dia 24 setembro 2013, consultado o 18 outubro 2019. URL : http://journals.openedition.org/cp/150 ; DOI : 10.4000/cp.150

Topo da página

Autor

Kelly Gomes Pereira

Escola Superior de Comunicação Social (IPL)gpereira.kelly@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals