Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVol.13 nº 24RecensõesCasetti, Francesco (2015). The Lu...

Recensões

Casetti, Francesco (2015). The Lumière Galaxy: Seven Key Words for the Cinema to Come. Nova Iorque: Columbia University Press. (293 páginas). ISBN 978-0-231-17243-1.

Marta Pinho Alves
Referência(s):

Casetti, Francesco (2015).The Lumière Galaxy: Seven Key Words for the Cinema to Come. Nova Iorque: Columbia University Press, 293 páginas, ISBN 978-0-231-17243-1

Texto integral

  • 1 Ver Alves (2017).

1Importará começar por justificar a pertinência de recensear um livro publicado em 2015, ou seja, que conta já com três anos de existência. O facto de não existir uma reflexão elaborada ou traduzida em Portugal sobre o tema a que se dedica Francesco Casetti em The Lumière Galaxy (à exceção do meu próprio trabalho1) legitima esta recensão. Havendo trabalho internacional que elege o assunto como relevante, este livro é a mais recente obra que opta por abordá-lo. Casetti, teórico do cinema, dera já contributos vários em textos anteriores para esta discussão. Aqui consegue fazê-lo de forma mais completa e sistemática, enunciando em detalhe, e com recurso a vasta ilustração recolhida no cenário cinemático contemporâneo, os argumentos que fundamentam a sua análise e as suas conclusões.

2O problema que orienta a reflexão do autor é bem explicitado logo no capítulo introdutório do livro. Aliás, Casetti faz questão de apresentar com grande minúcia os caminhos de investigação que o levaram até ao tema e a complexa e heterogénea discussão com que se foi deparando ao longo do trajeto, salientando que transcorreu quase uma década desde que começou a reunir dados sobre o assunto e a pensar sobre o mesmo até à conclusão do livro. Casetti propõe-se ponderar acerca das transformações suscitadas no campo do cinema pela sua recente digitalização, que se manifesta em todos os domínios, ou seja, na produção, distribuição e exibição e mesmo na receção e fruição. O autor é perentório a declarar, desde as primeiras páginas, que estas mutações se revelam hoje muito mais radicais (p. 2) do que foi possível antecipar na sua génese. Contudo, muito rapidamente assinala também aquela que é a noção-chave que perpassa todo o livro e que é, afinal, a conclusão do seu trabalho: a persistência da ideia de cinema no tempo do digital.

3Casetti relembra e sintetiza os argumentos sobre o fim do cinema, tornados comuns a partir dos anos 2000. Se se pode assumir que nessa década a digitalização começava a banalizar-se nas várias dimensões do cinema, surgiam alertas ou lamentos acerca das suas consequências, que aparentavam matar o que até ali era conhecido como cinema. De acordo com este, uma das principais preocupações assinalava a perda da correspondência entre as imagens digitais e um referente material, ou seja, antes era necessário que um objeto concreto se colocasse frente à câmara para obter um registo e agora essa exigência era dispensável face à possibilidade de simulação numérica, algorítmica do mesmo. Outro problema identificado dava nota das mudanças na atitude do espectador, isto é, face aos novos modos de aceder a filmes e de os ver, originava-se uma disrupção das formas convencionais de receção. Finalmente, entendiam alguns que a abundância de imagens e a sua multiplicação em diversos suportes conduziria à menorização da sua relevância.

4Não obstante as inquietações apresentadas naquele período e o avolumar contemporâneo das condições que começavam na altura a manifestar-se, o autor conclui que afinal não se assistiu, até hoje, a um desaparecimento do cinema. Casetti assinala ainda que a ida à sala de cinema continua a ser uma prática comum para um grupo alargado de espectadores, e que se continua a chamar cinema àquilo que se vê noutros ecrãs e em distintos contextos de receção (p. 3). Mais ainda, continua-se a atribuir características cinemáticas a diferentes imagens, mesmo às não enquadráveis na habitual categoria de filme.

5Casetti admite frequentemente, ao longo do texto, que o cinema é já algo distinto daquilo que durante longo período de tempo foi entendido como tal, mas insiste na ideia da sua sobrevivência e mesmo da expansão do seu significado e do que aí pode ser integrado (p. 3). Detém-se mesmo para assinalar que a história do cinema é ela própria caracterizada por vários momentos de reconversão e dilatação da tecnologia, da linguagem ou das barreiras institucionais associadas àquela forma de expressão e que, como tal, não é possível observar uma exceção no momento presente (p. 4).

6Face ao anteriormente exposto, o autor de The Lumière Galaxy considera relevante esclarecer que a sua abordagem quer compreender o novo cenário, depositando o seu olhar sobre a experiência do espectador, e não apenas em mutações de ordem tecnológica. Isto porque aquilo que define um medium, alega "é um modo de ver, sentir, refletir e reagir" (p. 5), não obrigatoriamente conectado a uma aparelhagem particular.

7O autor orienta, então, a sua reflexão para a chamada de atenção acerca das ruturas e continuidades em relação àquilo que dominantemente foi entendido como cinema, ou da ordem do cinemático. Por vezes, declara as imagens contemporâneas em movimento situam-se no limite da cisão com os seus modos convencionais, admitindo romper com aquilo que é entendido como sendo próprio da sua natureza e especificidade. Noutros momentos, entende Casetti, opõem-se à mudança, com o objetivo de se manterem reconhecíveis dentro do paradigma dominante (pp. 7-8).

8Com o propósito de equacionar estas transformações e continuidades do cinema, propõem-se analisar o que designa como sete processos em curso no cenário cinemático contemporâneo. Cada um deles é identificado por uma palavra-chave que explica o subtítulo do livro em análise: Seven key words for the cinema to come (ou, em português, Sete palavras-chave para o cinema vindouro). Cada um destes termos e seu significado – relocation (relocalização), relics/icons (relíquias ou artefactos/ícones), assemblage (montagem ou recomposição), expansion (expansão), hypertopia (espaço ampliado), display (aparelho de apresentação), performance (performatividade) – é explicitado e analisado em detalhe em cada um dos - também sete - capítulos constitutivos do livro.

9No primeiro capítulo, em que Casetti recupera dois artigos da sua autoria publicados entre 2011 e 2012, alude à deslocação do cinema para novos ecrãs, além do ecrã convencional da sala de cinema – e dá nota, também, de um regresso ao ecrã convencional, a que chama ‘re-relocalização’. Aqui, defende que a consequência destes realojamentos ou re-realojamentos é a renovação da experiência espectatorial. No capítulo dois, o termo ‘relíquia’ ou ‘artefacto’ refere-se aos objetos cinemáticos convencionais e o termo ‘ícone’ aos modos de visionamento clássicos. Entende Casetti que estes assumem estas condições quando isolados uns dos outros e colocados perante novas possibilidades: um filme tradicional visto em novas plataformas transforma-o numa relíquia; um cenário de visionamento que obedece às normas clássicas, mas oferece renovados objetos cinemáticos, converte-se num ícone. O capítulo seguinte, que discute a montagem ou recomposição, propõe que este é o processo pelo qual o espectador passa quando interage com os objetos cinemáticos em ambientes distintos da sala de cinema ou perante novos artefactos tecnológicos. O capítulo quarto analisa a noção de expansão das manifestações cinemáticas além daquilo que convencionalmente era tido como tal. O capítulo dedicado ao espaço ampliado faz alusão aos novos territórios por onde circulam as imagens em movimento e às suas novas condições de visionamento. O penúltimo capítulo diz respeito aos ecrãs e à forma como estes determinam ou orientam a forma como nos relacionamos com os objetos audiovisuais. Finalmente, o capítulo sobre performatividade pretende discutir a nova conduta do espectador, que, na perspetiva do autor, contribui para, mais do que assistir à obra, lhe atribuir novos sentidos.

10Casetti conclui a sua reflexão retomando as convicções assumidas logo na apresentação do livro. Intitulando esse segmento final de “The persistence of cinema in a post-cinematic age” (em português, “A persistência do cinema numa era pós-cinemática”) – não seria talvez mais correto afirmar ‘a persistência do cinemático numa era pós-cinema’? – reafirma a permanência do cinema e a sua capacidade de reencontrar e realizar algumas das suas promessas anteriores nunca antes concretizadas.

Topo da página

Bibliografia

Alves, M. P. (2017). Cinema 2.0: Modalidades de produção cinemática do tempo do digital. Covilhã: LabCom.IPF.

Casetti, F. (2012). The relocation of cinema. NECSUS - European Journal of Media Studies, (2). Disponível em : http://www.necsus-ejms.org/the-relocation-of-cinema/, consultado a 07/09/2013.

Casetti, F. (2011). Back to the motherland: the film theatre in the postmedia age. Screen, 52 (1). Disponível em: http://francescocasetti.files.wordpress.com/2011/03/back-to-the-motherland.pdf, consultado a 10/04/2012.

Topo da página

Notas

1 Ver Alves (2017).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Marta Pinho Alves, « Casetti, Francesco (2015). The Lumière Galaxy: Seven Key Words for the Cinema to Come. Nova Iorque: Columbia University Press. (293 páginas). ISBN 978-0-231-17243-1. »Comunicação Pública [Online], Vol.13 nº 24 | 2018, posto online no dia 30 junho 2018, consultado o 29 setembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/cp/2083; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.2083

Topo da página

Autor

Marta Pinho Alves

Escola Superior de Educação (ESE) e Centro de Investigação em Educação e Formação (CIEF),
Instituto Politécnico de Setúbal (IPS)
Campus do Instituto Politécnico de Setúbal
Estefanilha, 2914-504 Setúbal
marta.alves@ese.ips.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search