Navegação – Mapa do site
Artigos

Conteúdos multimédia e preferências do utilizador em projetos editoriais online: exemplos portugueses

Multimedia content and user preferences in online editorial projects: portuguese examples
Sónia Pedro Sebastião e Diogo Milho

Resumos

Este estudo pretende ser um contributo para o conhecimento de projetos temáticos online portugueses, para os estudos editoriais relacionados com a forma e os temas, e para os estudos de preferências dos utilizadores. Pretende-se compreender a seleção de conteúdos em duas revistas online – a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine – e as preferências do utilizador em relação a esses conteúdos. Optou-se por uma abordagem mista, com recolha de informações por email junto de colaboradores dos dois projetos, realização de focus group com leitores e análise da estrutura dos projetos. As conclusões evidenciam o amadorismo na seleção dos temas dos conteúdos por parte dos editores, assim como a prevalência de formatos multimédia (texto e imagem). Os utilizadores, por sua vez, preferem temas e formatos diversificados, e categorias claras e abrangentes que ilustrem os temas dos conteúdos que podem ser encontrados.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido: 26 outubro 2017

Aceite para publicação: 19 Fevereiro 2018

Texto integral

Introdução

1A crescente ubiquidade das plataformas digitais e dos conteúdos multimédia disponíveis online na vida dos indivíduos leva ao questionamento sobre a disponibilização de conteúdos online em publicações temáticas de forma a cativar o interesse do leitor português. A interrogação sobre as preferências do utilizador nestes ambientes e sobre os fatores que o motivam à visita regular conduziu a uma análise exploratória de duas publicações temáticas portuguesas disponíveis online.

2Na pesquisa realizada, a nível nacional, poucos estudos foram encontrados sobre as particularidades do multimédia na apresentação verbal e visual de websites, e na estrutura e elaboração dos conteúdos. Igual observação é feita por Cunha (2017), cujo trabalho incide sobre o desenho de informação e inovação em produtos jornalísticos para tablets. O autor sublinha a carência de bibliografia especializada sobre o tema como um desafio difícil de superar na compreensão dos novos ambientes de leitura e sua recetividade por parte dos utilizadores.

3No escopo internacional, o estudo da linguagem dos novos media, do desenho da informação e da experiência do utilizador é mais comum. Por conseguinte, inicia-se a exposição com os princípios sintetizados por Manovich (2001); analisam-se as resenhas teóricas da SEG Research (2008) e de Sorden (2005) sobre a aprendizagem e a produção multimédia. Estes artigos exploram a experiência do utilizador e base dos princípios do design centrado no humano. O enquadramento teórico é complementado com contributos de Norman (1988/2013, 2005) e de Morville (2004).

4Através da presente investigação, pretende-se compreender a seleção de conteúdos em duas magazines online – a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine – e as preferências do utilizador. Optou-se por uma abordagem mista, com recolha de informações por email junto de colaboradores dos dois projetos, realização de focus group com leitores e análise da estrutura dos projetos. Este estudo pretende ser um contributo para o conhecimento de projetos temáticos online portugueses, para os estudos editoriais relacionados com a forma e os temas, e para os estudos de preferências dos utilizadores.

5Este artigo está organizado em quatro pontos, onde se exploram os conceitos de comunicação digital, multimédia e conteúdos online: analisam-se os princípios de design centrado no humano, evidenciando a importância dos leitores para os projetos multimédia em estudo; de seguida, apresentam-se as opções metodológicas que enformam a recolha e análise de resultados; e, por fim, apresenta-se a discussão.

1. Comunicação digital, multimédia e conteúdos online

6O surgimento da Internet conduziu à proliferação de ferramentas tecnológicas de produção, manipulação e distribuição de conteúdos (Manovich, 2001), alterando as lógicas autorais e conduzindo ao surgimento do “culto do amador” (Keen, 2008). A facilidade de produção e acesso conduz ao aumento do chamado user generated content, baseado em gostos pessoais e idiossincrasias próprias de quem aprende a linguagem do digital, de fácil acesso (Keen, 2008). A tecnologia afeta igualmente a natureza e a forma dos conteúdos, que passam a incluir texto, imagens estáticas e dinâmicas, som e construções espaciais (Manovich, 2001: 19).

7Com a comunicação digital é facilitada e dinamizada a comunicação de um projeto, uma vez que se pode utilizar um leque variado de tecnologias de informação e comunicação recorrendo ao multimédia. Este caracteriza-se por abranger aplicações que usam múltiplas modalidades, incluindo texto, imagens, desenhos, gráficos, animações, vídeos, sons (incluindo a fala) e, na maioria das vezes, ferramentas de interação (Li, Drew e Liu, 2004: 3).

8Os “novos media” caracterizam-se por cinco princípios fundamentais enumerados por Manovich (2001): a representação numérica, a modularidade, a automatização, a variabilidade e a transcodificação cultural. A representação numérica está associada à manipulação algorítmica e às possibilidades de programação. A modularidade relaciona-se com a possibilidade de combinar vários formatos, organizados e arquivados em bases de dados. Estes dois princípios permitem a automatização e a variabilidade, isto é, a criação do conteúdo pode resultar de processos assegurados pela tecnologia, face à organização e sistematização dos dados e dos conteúdos, combinados de formas diversas. A variabilidade é possível pela existência do multimédia e pela linguagem hipertextual, aliada a hiperligações existentes nos textos e que são ativadas pelo utilizador na sua experiência de consumo dos conteúdos. Finalmente, a transcodificação cultural – ou seja, a influência da linguagem computacional – está relacionada com a programação e com as estruturas de dados sobre os conteúdos (histórias, personagens, temas) propriamente ditos. Para Manovich (2001), as convenções da interação entre o computador e o humano (“computer layer”) condicionam a organização, os géneros e os conteúdos criados e disponibilizados ao utilizador (“cultural layer”) (p. 46).

9Por conseguinte, o desenvolvimento destes meios espoletou um leque de formatos com características próprias, e o designado overload informativo é uma preocupação para os criadores de conteúdos online. A diferença entre os meios tradicionais e os meios digitais está na forma como os leitores acedem à informação e a acumulam e partilham. O poder do clique ou de um simples swipe no ecrã de um smartphone pode ser decisivo para um website, pois todos os comportamentos online são importantes para rentabilizar um projeto que assenta em métricas associadas a impressões, acessos e eventos (Cardoso, Magno, Soares e Crespo, 2016). Deste modo, torna-se necessário ‘prender’ o leitor aos conteúdos apresentados, para que este encontre o que procura, permaneça na página e não fique saturado com aquilo que está a ler, ver ou ouvir.

10Para que a comunicação digital seja eficaz junto do público-alvo é necessário que os produtores de conteúdos para plataformas online tenham conhecimento sobre as práticas a desenvolver, incluindo questões de desenho da informação e de experiência do utilizador.

11O desenho da informação é centrado no ser humano, obedecendo a princípios relacionados com as expetativas dos destinatários da informação e com a experiência multissensorial de navegação pela informação desenvolvida pelo utilizador. O user experience design (Norman, 1988/2013) pode ser definido como o processo que aumenta a satisfação do utilizador em termos de usabilidade, acessibilidade e prazer, decorrente da interação com o produto. O desenho da experiência do utilizador deve ser útil, utilizável, desejável, valioso, encontrável, acessível e credível na perspetiva do recetor (Morville, 2004), sem contudo entrar na máxima ‘tudo o que o utilizador quer’ (Norman, 2005).

12Os princípios subjacentes à experiência do utilizador na sua interação com o produto (que poderá ser um interface tecnológico, como o computador, o tablet, o smartphone; e o conteúdo apresentado nestes dispositivos são definidos internacionalmente pela ISO 9241-210 – Ergonomics of human-system interaction. Esta experiência inclui todas as emoções, crenças, preferências, perceções, respostas físicas e psicológicas dos utilizadores, e comportamentos e realizações que ocorrem antes, durante e após o uso. O mesmo documento lista três fatores que influenciam a experiência do utilizador: o contexto, o sistema (e conteúdo) e o utilizador.

13Neste sentido, apresentam-se alguns condicionantes relacionados com a forma como os leitores de conteúdos multimédia processam a informação. Realça-se, por isso, a Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimédia, de Mayer (2005), que engloba as teorias de Paivio (1971) e de Sweller (2003).

14A teoria de Mayer (2005) baseia-se em três princípios cognitivos de aprendizagem: os sistemas humanos de processamento da informação incluem dois canais – visual/imagens e verbal/auditivo (Teoria da Dupla Codificação de Paivio; Paivio, 1971); cada canal é limitado pela capacidade de processamento (Teoria Cognitiva de Sweller; Sweller, 2003); e a aprendizagem multimédia eficaz implica a realização de um conjunto coordenado de processos cognitivos durante a aprendizagem (Mayer, 2005: 31). Relacionando a teoria de Paivio com a de Sweller, conclui-se que, quando a informação é apresentada através de palavras e imagens (ou seja, recorrendo ao multimédia), a memória de trabalho consegue armazenar mais informação (SEG Research, 2008: 3). Por conseguinte, define-se aprendizagem multimédia como o princípio que defende que “as pessoas aprendem mais profundamente com palavras e imagens do que apenas com palavras” (Mayer, 2001: 47), o que se relaciona com o conceito de comunicação digital.

15Se o multimédia é o uso de diversas componentes que convergem numa só plataforma, a comunicação digital é o uso desses elementos no ambiente online. Assim, a produção de conteúdos para as plataformas multimédia tem em conta os princípios da aprendizagem multimédia, uma vez que são eles que vão orientar o que é apresentado nos websites. Segundo Mohler (2001: 294), no geral, o multimédia tem vindo a ser relativamente bem sucedido, porque se baseia em mais do que um dos cinco sentidos humanos, utilizando dois que são vitais na receção de informação: a visão e a audição. Através das imagens e do som é possível atrair a atenção, o interesse e a motivação, quando os leitores navegam nos websites.

16Os princípios que estão na base da aprendizagem multimédia e da própria noção de comunicação digital relacionam-se com a criação de conteúdos online, que seguem alguns princípios standard básicos – Web Content Accessibility Guidelines 2.0 – para serem apresentados nas diversas plataformas. Os conteúdos online obedecem a técnicas de escrita que facilitam a sua compreensão, uma vez que a leitura não deve causar desconforto e desinteresse ao leitor. Por conseguinte, um conteúdo online necessita de uma estratégia bem definida para ser bem sucedido. A sua criação e a consequente partilha necessitam de ser pensadas e calculadas, não atendendo apenas à quantidade, mas também à composição do próprio conteúdo (McPheat, 2013: 10).

17Em suma, a comunicação está na base da aprendizagem em plataformas online. No contexto digital, o canal é o computador/tablet/smartphone e o código corresponde à linguagem multimédia (texto, som e imagem). Através dos progressos tecnológicos, o contacto direto com os consumidores (ou público-alvo) tornou-se mais acessível, assim como a expansão de negócios e/ou marcas. Para que os conteúdos sejam do interesse do internauta, torna-se fundamental atender aos princípios do desenho centrado no humano.

1.1 Os leitores e os conteúdos online

18Com base numa pesquisa de dados estatísticos, no Grupo Marktest, sobre o comportamento online dos portugueses, foi possível tirar conclusões sobre a afluência de leitores às plataformas online. Segundo dados do Netpanel meter da Marktest, em outubro de 2017, mais de 3,3 milhões de internautas portugueses acederam a websites de notícias portugueses a partir de computadores pessoais (Grupo Marktest, 28 novembro 2017), contabilizando-se cerca de 5,9 milhões de utilizadores da Internet em Portugal (Grupo Marktest, 19 de setembro de 2017). A maioria dos portugueses recorre à internet como primeiro meio de pesquisa de informação, segundo dados do estudo TGI. “Em Portugal, 54,5% dos entrevistados pela Marktest assumem esta prática, o que coloca o nosso país quase a meio da tabela” (Grupo Marktest, 2 de novembro de 2016).

19De acordo com os dados apresentados, conclui-se que a internet é fundamental no dia a dia dos portugueses. Os websites de informação que produzem conteúdos multimédia, como as magazines apresentadas, precisam de leitores que consumam a informação. Os consumidores aliam-se aos produtores, que tiram partido económico de quem visualiza os websites. O financiamento é o fator principal para a sobrevivência dos projetos online. No caso concreto da Azul – Ericeira Mag realça-se o recurso a capitais próprios, mas também a publicidade e o sponsorship. Por outro lado, a Preguiça Magazine recorria apenas a capitais próprios (a revista foi entretanto descontinuada).

20O comportamento do consumidor pode ser definido como os “processos envolvidos quando indivíduos ou grupos escolhem, compram, usam ou dispõem de produtos, serviços, experiências ou ideias para satisfazer as suas necessidades e desejos” (Solomon, 2009: 9). No panorama do multimédia, “a internet alterou o ambiente de decisão, através da quantidade, tipo e formato da informação disponível” (Garcia, 2007: 15). A internet fornece também ferramentas que possibilitam o armazenamento, a pesquisa de informação e a análise de decisão. Algumas das “ferramentas como favoritos e mecanismos de busca são possivelmente influenciadores no processo de busca da informação” (Garcia, 2007: 15).

2. Opções metodológicas

21Esta investigação surge da necessidade de compreender as particularidades do digital na apresentação verbal e visual de websites, bem como a estrutura dos seus conteúdos. Neste sentido, e considerando os princípios dos “novos media” de Manovich (2001), procura-se observar a construção da “cultural layer” (escolha dos temas dos conteúdos), evidenciar a modularidade dos websites em análise e aferir a opinião dos utilizadores sobre a experiência de navegação e design dos projetos.

22Por conseguinte, a pergunta de partida é: como são apresentados os conteúdos online em publicações temáticas de forma a cativar o interesse do leitor?

23Estabeleceram-se os seguintes objetivos específicos:

  • Compreender o método de seleção temática de conteúdos na Azul – Ericeira Mag e na Preguiça Magazine (“cultural layer”);

  • Analisar os formatos dos conteúdos da Azul – Ericeira Mag e da Preguiça Magazine (modularidade);

  • Aferir a opinião dos leitores sobre os conteúdos multimédia da Azul – Ericeira Mag e da Preguiça Magazine (preferências do utilizador e design).

24Recorreu-se ao método misto, articulando abordagens qualitativas e quantitativas. A recolha dos dois tipos de dados ajuda a responder a perguntas que os métodos qualitativos ou os métodos quantitativos individualmente não conseguem responder, promovendo a colaboração de ambas as abordagens (Creswell, 2007: 18).

2.1 Desenho da pesquisa

25A presente investigação foi desenvolvida em várias etapas, que são agora explicitadas.

26A primeira etapa consistiu na pesquisa e recolha de recursos bibliográficos. Para compreender o método de seleção temática de conteúdos em cada publicação, e face à indisponibilidade para entrevistas, foi recolhida informação por email junto de Hugo Rocha Pereira (diretor da Azul – Ericeira Mag) e de Ricardo Graça (ex-editor da Preguiça Magazine).

27Com o objetivo de aferir a opinião dos leitores sobre a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine, realizou-se um focus group composto por nove participantes, quatro do sexo masculino e cinco do sexo feminino. Foi criada uma tabela de identificação (ver Apêndice 1), de forma a garantir o anonimato dos intervenientes. Os participantes foram selecionados em conformidade com as informações de Hugo Rocha Pereira (da Azul – Ericeira Mag) e de Ricardo Graça (da Preguiça Magazine) relativas ao público-alvo das publicações. Procurou-se reunir um grupo coeso, com gosto em comunicação digital, mas com diferentes interesses. O grupo apresentou um intervalo de idades entre os 20 aos 24 anos. Cerca de três participantes tinham ligação com a região da Ericeira, três com a de Leiria, e três não tinham qualquer ligação com estas regiões. Os elementos do grupo tinham formação em Ciências da Comunicação, revelando conhecimentos das práticas desenvolvidas nesta área, e estavam acessíveis geograficamente, permitindo a obtenção de resultados de forma mais rápida. O focus group foi realizado no dia 10 de maio de 2017 pelas 16h.

28Os participantes navegaram durante cerca de 45 minutos pelos dois websiteswww.ericeiramag.pt e www.preguicamagazine.com. Durante o focus group fomentou-se o debate entre os participantes e foram colocadas questões sobre o design, os títulos e os leads, as características dos conteúdos e os temas abordados. Por fim, foram solicitados três adjetivos que caracterizassem os conteúdos das publicações (ver Apêndice 2). Com o intuito de contabilizar algumas opiniões dos participantes, aplicou-se um inquérito por questionário online no final do focus group. Esta técnica foi utilizada dada a sua natureza quantitativa e capacidade de objetivar informação (Silva e Pinto, 1999: 167). O questionário incluiu sete perguntas de resposta fechada sobre idade, género, navegação, usabilidade, interesse nos conteúdos, continuidade da leitura e disposição das categorias (ver Apêndice 3).

29Por fim, foi realizada uma análise à estrutura dos websites de cada magazine
(www.ericeiramag.pt e www.preguicamagazine.com) nas datas de 10 a 14 de maio de 2017. O corpus de análise é composto pelos artigos publicados desde a criação dos websites até 3 de março de 2017 (data estabelecida para o fim do intervalo temporal). A codificação foi realizada através da observação dos websites e do que estes apresentavam nas suas primeiras páginas. A análise teve por base cinco categorias: web design, conteúdo, social media, identificação e usabilidade. A construção da tabela de codificação considerou o modelo aplicado por Sebastião, Azevedo, Dias e Santos (2012: 259-280) e uma observação exploratória dos websites.

2.2 Os projetos: Azul – Ericeira Mag e Preguiça Magazine

30A contextualização teórica permite-nos enquadrar os projetos online que servem de exemplo à investigação, uma vez que abordam os princípios multimédia desenvolvidos. O objetivo é estudar as particularidades do multimédia na apresentação verbal e visual de websites, bem como a sua estrutura e a elaboração dos seus conteúdos. Selecionaram-se dois exemplos de revistas online após uma pesquisa sobre projetos editoriais temáticos com conteúdos multimédia em Portugal: a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine.

31A Azul – Ericeira Mag aborda as vivências de uma região costeira, em particular uma freguesia que se insere no concelho de Mafra. A NOS Empresas divulgou, num vídeo promocional partilhado no YouTube no mês de outubro de 2016, o projeto Azul – Ericeira Mag, apresentando-o como um “caso de sucesso que faz avançar Portugal” (Criar uma Empresa, 2016). Neste vídeo, Hugo Rocha Pereira, atual diretor da Azul, apresenta o projeto com base em cinco pontos: o surgimento do projeto, o financiamento, a diferenciação, o contato com o público e as iniciativas. Inicialmente, esclarece que o objetivo é dar a conhecer a Portugal e ao mundo setores como a gastronomia, as ondas e os eventos da região, destacando-se a Azul como um projeto jornalístico de características contemporâneas com a missão de divulgação regional. No que diz respeito à diferenciação enquanto projeto inovador, o diretor da Azul realça que esta passa pela abordagem realizada, que aposta tanto no rigor, como na criatividade, na qualidade e numa linguagem apelativa. Relativamente ao contacto com o público, Hugo Rocha Pereira salienta que é necessário estarem “sempre contactáveis e online, apostando numa forte interação com o público através das redes sociais: Facebook e Instagram, mas também Twitter e Vimeo” (Criar uma Empresa, 2016). Finalmente, as iniciativas incluem a realização de eventos e o lançamento da revista física em papel.

32A Preguiça Magazine encontra-se atualmente descontinuada, tendo terminado a publicação de conteúdos a 29 de dezembro de 2016. No entanto, o arquivo permanece disponível e a análise ao website foi concretizada. Este projeto defendia a “criatividade editorial e adotava os novos meios tecnológicos para produzir jornalismo atrativo, irreverente e imaginativo” (Preguiça Magazine, s. d.). Era uma publicação digital que divulgava conteúdos de cariz artístico, cultural e intelectual do concelho de Leiria e dos municípios envolventes. Os conteúdos dirigiam-se a um “público interessado e informado” curioso pelas áreas “das artes, espetáculos e cultura, nomeadamente as artes de palco e as belas artes, as novas formas de expressão artística, a música, as letras e livros, o cinema, entre outras, incluindo as áreas do lazer e do turismo” (Preguiça Magazine, s. d.). Em relação aos princípios que orientavam a revista, salienta-se que esta fazia parte de um projeto independente, guiando-se por critérios de imparcialidade e isentos de qualquer ideologia política.

33Na Tabela 1 apresenta-se um sumário das principais características de cada página. Esta análise foi realizada através de observação das páginas web, com recolha de informação apresentada na página inicial e na ficha técnica/editorial. Foram definidas as seguintes categorias: logótipo, lema/slogan, ano de criação, região em foco, principais temas, categorias, idiomas, presença em redes sociais online, financiamento, diretor/editor e contacto.

Tabela 1 – Principais características das páginas

Tabela 1 – Principais características das páginas

Fonte: Elaboração própria com base na observação direta das publicações

3. Análise dos resultados

34Neste ponto são analisados os resultados obtidos ao longo da investigação, através das técnicas de recolha e análise de dados. A informação é organizada de acordo com os objetivos específicos definidos.

3.1 Método de seleção temática de conteúdos na Azul – Ericeira Mag e na Preguiça Magazine

35Com o objetivo de compreender o método de seleção temática de conteúdos das publicações, foi realizada uma recolha de informação por email aos diretores/editores de cada magazine: Hugo Rocha Pereira (diretor da Azul – Ericeira Mag) e Ricardo Graça (ex-editor da Preguiça Magazine). Com base nas respostas foram criadas as Figuras 1 e 2, que apresentam um sumário do funcionamento de cada publicação.

36Relativamente ao website da Azul – Ericeira Mag, Hugo Rocha Pereira salienta que esta publicação aborda “os temas de uma forma abrangente: a categoria ‘sociedade’ acaba por ser de certa forma a categoria residual, para onde vão os artigos que não cabem nas outras categorias”. A recolha de informação para a construção de futuros conteúdos é realizada através de várias fontes, como as documentais e as testemunhais. No caso das imagens, o diretor da Azul – Ericeira Mag realça que procuram “sempre boas imagens (é um elemento importante para o projeto) que ilustrem de forma coerente e criativa os temas abordados nos conteúdos”. O critério para a escolha dos vídeos, “é semelhante ao critério que preside às decisões relativas aos artigos sem vídeo”: “Na categoria ‘vídeo da semana’, procuramos vídeos de qualidade e que apresentem diversas facetas da Ericeira, semana após semana. Por exemplo, procuramos não publicar apenas vídeos de surf, que alternamos com outros temas”. Sobre a forma como recebem feedback dos leitores, as principais ferramentas são as redes sociais, mas também se salienta o contacto direto. Por fim, e quanto à produção dos conteúdos, Hugo Rocha Pereira faz alusão à junção que é feita entre critérios e princípios standard, na construção de páginas web e também à própria intuição de quem cria: “Tal como no jazz, para improvisar é preciso dominar os instrumentos, [ter] a lição bem estudada e uma forte noção de musicalidade”.

Figura 1 – Sumário do funcionamento do website Azul – Ericeira Mag com printscreens

37No caso da Preguiça Magazine, a seleção das categorias foi realizada através da intuição por parte dos criadores, sobre assuntos que poderiam interessar ao público-alvo, e da facilidade que estes tinham em encontrar informações sobre cada tema. A recolha de conteúdos era feita “via telefone, email ou chat”, mas também tentavam fazer essa recolha pessoalmente: “um dos nossos trunfos era estarmos por dentro, por amizade, interesse ou outro tipo de ligação, das realidades que dávamos a conhecer”. Sobre as imagens, Ricardo Graça afirmou que estas “deviam ter atitude, deviam refletir a nossa personalidade e a personalidade do entrevistado, muitas vezes com algum humor. Foram poucas as vezes que se publicaram fotos que não fossem feitas por profissionais, excetuando, claro, as galerias; aí, a ideia era dar a conhecer o trabalho de alguns fotógrafos, grande parte das vezes amadores”. Sobre o vídeo, o processo equiparava-se ao das reportagens escritas, ou seja, a trilogia “ideia-ação-publicação”. Relativamente à forma como recebiam o feedback dos leitores, Ricardo Graça salientou o recurso às redes sociais, tais como o Facebook: “no dia seguinte à publicação percebíamos logo o impacto que a história estava a ter, pelas mensagens que deixavam no Facebook ou no nosso website e muitas vezes pessoalmente”. Por fim, a seleção dos conteúdos era essencialmente feita por intuição dos criadores, cumprindo os princípios que são inerentes à escrita para websites.

Figura 2 – Sumário do funcionamento do website Preguiça Magazine com printscreens

3.2 Formatos dos conteúdos da Azul – Ericeira Mag e da Preguiça Magazine

38Como terceiro objetivo específico, procurou-se analisar os formatos das duas publicações. Deste modo, recorreu-se a uma análise de conteúdo mediado por computador para reunir informação sobre cinco categorias: web design, conteúdo, social media, identificação e usabilidade. Depois de analisados os websites e de preenchida a tabela de codificação (ver Apêndice 4), chegámos a conclusões que permitem comparar as duas revistas. É de salientar que a categoria ‘usabilidade’ é a única que apresenta um consenso nas respostas, mostrando que os websites se revelam idênticos nessa categoria. No entanto, as restantes quatro categorias realçam diferenças entre as publicações. É o caso da utilização de ilustrações, da opção de scroll ‘infinito’, da atualização, da disponibilização dos artigos em inglês, da apresentação do tempo de leitura, das ligações com social media e da apresentação de dados de identificação. As principais diferenças entre os websites estão sumariadas na Figura 3.

Figura 3 – Principais diferenças entre os websites Azul – Ericeira Mag Preguiça Magazine

3.3 Opinião dos leitores sobre a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine

39O último objetivo identifica a opinião dos leitores acerca dos websites em estudo. Foi possível aferir a visão de potenciais sujeitos do público-alvo, e não apresentar uma abordagem focada apenas na perspetiva dos produtores de conteúdos. Deste modo, foi desenvolvido um focus group composto por nove participantes a quem foram colocadas questões enquanto navegavam nos dois websites. Durante a visualização das publicações, as declarações dos participantes foram registadas para posterior análise, onde foi evidenciada a opinião dos leitores.

40Relativamente ao design do website é de salientar que, no caso da Azul – Ericeira Mag, os participantes afirmaram, de maneira geral, que as categorias estão confusas e não são evidentes na apresentação do conteúdo que abordam. No entanto, a participante B discordou da maioria, afirmando: “as categorias estão feitas de maneira a não serem sempre aquela coisa chata”. Por outro lado, em relação à homepage, os participantes alertaram para a ideia de que o website remete imediatamente para o surf.

41Relativamente aos temas abordados, os participantes consideraram-nos interessantes, mas remeteram novamente para a desorganização das categorias, o que, consequentemente torna a leitura confusa. O participante I refere: “eu não percebi porque é que separaram umas categorias das outras. Umas estão em cima e outras estão em baixo”. Na generalidade, os participantes salientaram também o facto de o website se centrar exclusivamente na Ericeira e ser destinado a quem reside na região, o que entra em contradição com a descrição do público-alvo da revista.

42No caso da Preguiça Magazine, em termos de design do website, os participantes afirmaram que as categorias estão claras, os títulos são apelativos e diretos e o próprio design permite uma melhor orientação na página. Um dos participantes salientou o facto de estar disponível o tempo de leitura, uma vez que se relaciona com o próprio nome da revista. Para além disso, foi também referido que o website não se centra apenas na região de Leiria, mas é dirigido a um público-alvo mais diversificado.

43Acerca dos temas abordados, a participante B realçou o facto de os títulos dos artigos estarem separados por dois pontos do nome da rubrica, o que torna a leitura confusa. O participante E fez alusão à necessidade de existir uma categoria destinada ao desporto, uma vez que é um tema bastante abordado na página inicial. Por fim, é possível estabelecer uma relação entre a descrição do público-alvo com o facto de a participante F ter feito alusão à forma de escrita dos conteúdos. Foi mencionado que a Preguiça Magazine não tem um caráter meramente jornalístico, uma vez que é visível a pesquisa de diferentes temas que se dirigem a um público jovem sem caráter de atualidade ou noticioso.

44A Figura 4 apresenta um resumo do que foi debatido durante o focus group, através da perspetiva dos leitores sobre os conteúdos de ambas as publicações.

Figura 4 – Adjetivos que caracterizam os conteúdos das magazines, segundo os participantes do focus group

45O inquérito por questionário online foi aplicado no fim do focus group para completar e quantificar os pontos de vista dos participantes. Relativamente ao website da Azul – Ericeira Mag, quatro dos nove participantes consideraram o website user-friendly. Já os restantes cinco participantes não consideraram que esta publicação seja de fácil navegação. Acerca do website da Preguiça Magazine, os participantes demonstraram estar de acordo quando questionados relativamente ao facto de a publicação ser user-friendly, uma vez que todos responderam afirmativamente.

46Quando questionados acerca do interesse pelos conteúdos dos websites, os participantes demonstraram diferentes opções de resposta. O maior desinteresse é identificado em relação à Azul – Ericeira Mag com seis participantes (de um total de nove) a revelarem-se ‘pouco interessados’ e um ‘nada interessados’. No caso da Preguiça Magazine, as respostas ‘muito interessado’ e ‘interessado’ tiveram o mesmo número de respostas (quatro); um participante mostrou-se pouco ‘interessado’ e nenhum dos participantes se mostrou ‘nada interessado’ nos conteúdos do website.

47De acordo com as respostas à pergunta 6, os participantes revelaram a probabilidade de continuar a ler os websites. Como podemos ver no Gráfico 1, três participantes assumiram que é ‘pouco provável’ que continuem a ler os conteúdos da Azul – Ericeira Mag e outros três participantes responderam ‘nada provável’. O mesmo não se verifica em relação aos conteúdos da Preguiça Magazine, pois oito participantes assumem que é ‘muito provável’ ou ‘provável’ continuarem a lê-la.

Gráfico – Azul - Ericeira Mag: Continuação da leitura do website

4. Discussão dos resultados

48Esta discussão é feita com base nos dados apresentados no ponto anterior e nos princípios teóricos desenvolvidos no primeiro ponto do trabalho, relacionando com os objetivos específicos da investigação e com a pergunta de partida – como são apresentados os conteúdos digitais em publicações temáticas de forma a cativar o interesse do leitor?

49Em primeiro lugar, realça-se que o principal objetivo da presente investigação é estudar as particularidades do digital e do multimédia na apresentação verbal e visual de websites, bem como a estrutura e a elaboração dos seus conteúdos. Para o efeito, selecionaram-se dois exemplos de revistas online, a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine. De acordo com as teorias apresentadas, retomando as ideias de Murphy e Potts (2003: 11-12), a tecnologia é o principal agente que, com a sua especificidade, tem vindo a alterar o panorama social.

50As duas publicações diferem na forma como os conteúdos são selecionados e produzidos. No caso da Azul – Ericeira Mag, realça-se que se procura “abordar os temas de uma forma abrangente” (Hugo Rocha Pereira) tendo sido incluída a categoria ‘sociedade’ para assuntos diversos, o que pode levar a que apenas quatro dos noves participantes do focus group considerem o website user-friendly. Por outro lado, acerca da Preguiça Magazine, Ricardo Graça afirma que as categorias estão dispostas de acordo com o que os editores julgavam “interessar aos possíveis leitores” e com o que sabiam que iam “encontrar com regularidade durante as edições seguintes”. Esta forma de organizar as categorias pode relacionar-se com a citação de uma participante (participante A) durante o focus group sobre a Preguiça Magazine: “é muito mais fácil de uma pessoa se orientar, as categorias são claras; é um website mais fácil de utilizar”.

51Através da análise de conteúdo foi possível concluir que os websites são bastante idênticos no que diz respeito ao aspeto físico da primeira página. A análise realizada permitiu concluir que a categoria ‘usabilidade’ é a única que apresenta um consenso nas respostas, mas as restantes categorias realçam diferenças. Esta comparação teve como principal objetivo analisar os formatos das duas publicações, que se pautam pelos conceitos que caracterizam a noção de conteúdo online. Neste sentido, ambos os websites permitem, por exemplo, as ligações com as redes sociais online.

52Por fim, salienta-se que os resultados do focus group revelaram um maior interesse pela Preguiça Magazine, salientando-se afirmações como: “parece-me mais organizada do que a Azul” (participante D); “os artigos parecem mais interessantes e mais conteúdos a sério, não simplesmente fotografias” (participante A); “acho que este website está muito mais apelativo do que a Azul. Tem cor e isso dá logo vontade de clicar” (participante H); “a Azul era da Ericeira e focava-se muito na Ericeira. Esta é mesmo para toda a gente” (participante F). Este revelou-se um facto curioso, uma vez que esta publicação já se encontra descontinuada.

Conclusões

53Ao longo da presente investigação procurou-se aferir a forma como os conteúdos de revistas online são apresentados de forma a cativar o interesse dos leitores. Os resultados obtidos através da recolha de informação por email e da análise à estrutura dos websites revelaram que as duas publicações em estudo se orientam por princípios standard de escrita para o digital e, essencialmente, por intuição dos produtores. Através do focus group, compreendeu-se que os leitores se revelaram mais interessados pelo website da Preguiça Magazine, por este apresentar uma disposição das categorias mais clara. Para além disso, os participantes afirmaram que o website da Azul – Ericeira Mag se destina apenas às pessoas da região e interessadas somente em temas relacionados com o mar. No caso da Preguiça Magazine, os participantes demonstraram que esta publicação é mais abrangente e engloba também pessoas de fora da região em foco. Quanto à forma dos conteúdos, os participantes realçaram, em ambos os websites, o recurso a imagens, facto que se revelou importante na apreensão da informação. Desta forma, a teoria abordada comprova a realidade sentida pelos leitores, uma vez que a utilização de texto aliado a imagens é preferível à utilização de texto isolado.

54Considera-se terem sido cumpridos os objetivos específicos propostos, visto que foi evidenciado como são apresentados os conteúdos online, realçando-se a utilização de texto e imagens (modularidade), sendo que a atenção dos leitores é cada vez menor; foi compreendido o método de seleção temática conteúdos na Azul – Ericeira Mag e na Preguiça Magazine, que faz uso da própria intuição dos editores e do que acontece na região (“cultural layer”); foram analisados os formatos dos conteúdos em ambas as publicações, e concluiu-se que são idênticos, diferindo apenas em alguns aspetos estruturais na primeira página (“computer layer” e modularidade); e aferiu-se a opinião dos leitores sobre a Azul – Ericeira Mag e a Preguiça Magazine, onde foi possível descobrir que os leitores preferem uma melhor organização da página, utilização de imagens e uma abordagem mais generalista dos temas (as preferências do utilizador e design).

55As principais dificuldades da presente investigação surgiram quando o website da Preguiça Magazine terminou a publicação de conteúdos, o que levou apenas à análise do arquivo e impossibilitou uma abordagem mais exaustiva. Outra dificuldade sentida foi a inexistência de trabalhos nacionais sobre esta temática, uma vez que a revisão de literatura permitiu apenas uma abordagem mais generalista do tema, carecendo de investigações mais práticas sobre a construção de páginas web.

56Em resposta à pergunta de partida, é possível afirmar, através dos dois exemplos, que os temas dos conteúdos são essencialmente escolhidos por intuição dos próprios redatores, mas cumprindo os princípios que regem a escrita para plataformas online. Por outro lado, as duas publicações poderão ter como público-alvo pessoas da região ou interessadas por esta, o que orienta a criação dos conteúdos. Este indício emergiu do focus group, visto que os participantes que não tinham ligação com as regiões mostraram menos interesse nas publicações.

57A investigação da área da produção de conteúdos multimédia e do desenvolvimento de estratégias de conteúdos ainda é incipiente em Portugal, especialmente quando incide sobre estudos de exemplos concretos. A compreensão das dimensões que influenciam a produção, não apenas os princípios multimédia, os temas e formatos (que procurámos abordar), mas igualmente as questões de financiamento, os modelos de negócio, a organização e a formação dos recursos humanos, o gatekeeping e os usos e gratificações dos leitores serão aspetos a considerar no desenvolvimento de trabalhos futuros. Estes são urgentes para a compreensão das novas lógicas autorais e fatores de sucesso em projetos editoriais digitais.

Topo da página

Bibliografia

Cardoso, G., Magno, C., Soares, T. M., & Crespo, M. (orgs.) (2016). Modelos de Negócio e Comunicação Social. “Telcos”, Legacy Media, Novos Media e Start-ups Jornalísticas em Navegação Digital. Estudo Prospetivo (2015-2020). Coimbra: Almedina.

Corrêa, E. S. (2005). Comunicação digital: uma questão de estratégia e de relacionamento com públicos. Organicom, 2(3): 97-100.

Creswell, J. W. (2007). Understanding mixed methods research. In: Creswell, J. W. & Clark, V. L. P. (ed.). Designing and Conducting Mixed Methods Research. Thousand Oaks, CA: Sage: 1-19.

Criar uma Empresa (27 de outubro de 2016). AZUL – Ericeira Mag | NOS Empresas. [Internet] Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=FQE5PtQP9sI&feature=player_embedded> [Consult. 31 de outubro de 2016].

Cunha, R. (2017). Design da Informação e Inovação em Produtos Jornalísticos para Tablets. Covilhã: Labcom, Universidade da Beira Interior.

Evans, L. (2014). 4 Ways To Retrain Your Brain To Handle Information Overload. Fast Company. [Internet] Disponível em: <https://www.fastcompany.com/3033845/4-ways-to-retrain-your-brain-to-handle-information-overload> [Consult. 11 de maio de 2017].

Garcia, G. M. (2007). Comportamento do Consumidor Virtual: a Influência das Características Pessoais na Intenção de Compra. Dissertação de Mestrado em Administração. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Grupo Marktest (19 de setembro 2017). 5,9 milhões de utilizadores de Internet em Portugal. [Internet] Disponível em: <http://www.marktest.com/wap/a/n/id~22ba.aspx> [Consult. 3 de fevereiro de 2018].

Grupo Marktest (2 de novembro de 2016). Maioria dos portugueses recorre em primeiro lugar à internet quando necessita de uma informação. Marktest. [Internet] Disponível em: <http://www.marktest.com/wap/a/n/id~2158.aspx> [Consult. 27 de dezembro de 2016].

Grupo Marktest (28 de novembro 2017). 3,4 milhões em sites de informação em outubro. [Internet] Disponível em: <http://www.marktest.com/wap/a/n/id~2308.aspx> [Consult. 3 de fevereiro de 2018].

ISO 9241-210 Ergonomics of human-system interaction - Part 210: Human-centred design for interactive systems. [Internet] Disponível em: <https://www.iso.org/standard/52075.html>.

Keen, A. (2008). The Cult of the Amateur: How Blogs, MySpace, YouTube and the Rest of Today's User-generated Media are Killing our Culture and Economy. Londres/Boston: Nicholas Brealey Publishing.

Li, Z., Drew, M. S. e Liu J. (2004). Fundamentals of Multimedia (2ª ed.). Canadá: Springer.

Manovich, L. (2001). The Language of New Media. Cambridge/Londres: The MIT Press.

Mayer, R. E. (2001). Multimedia Learning. Nova Iorque: Cambridge University Press.

Mayer, R. E. (2005). Cognitive Theory of Multimedia Learning. In: Mayer, R. E. (ed.). The Cambridge Handbook of Multimedia Learning. Nova Iorque: Cambridge University Press: 31-48.

McPheat, S. (2013). Content Marketing. Newbury: The Internet Academy.

McQuail, D. (2003). O desenvolvimento dos media de massas. In: McQuail, D. (ed.), Teoria da Comunicação de Massas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian: 17-35.

Mohler, J. L. (2001). Using Interactive Multimedia Technologies to Improve Student Understanding of Spatially-Dependent Engineering Concepts. West Lafayette: Purdue University.

Morais, J. (2011). O mix de comunicação das marcas de moda. Exedra: 121-123.

Morville, P. (2004). User Experience Design. Semantic Studios: [Internet] Disponível em <http://semanticstudios.com/user_experience_design/>.

Murphy, A. e Potts, J. (2003). Culture & Technology. Nova Iorque: Palgrave Macmillan.

Norman, D. (1988/2013). The Design of Everyday Things. Nova Iorque: Basic Books.

Norman, D. A. (2005). Human-centered design considered harmful. Interactions, 12(4): 14-19.

Paivio, A. (1971). Imagery and Verbal Processes. Nova Iorque: Holt, Rinehart, and Winston.

Paivio, A. (2006). Dual Coding Theory and Education. Michigan: University of Michigan School of Education.

Preguiça Magazine (s. d.). Estatuto Editorial. [Internet] Disponível em <http://preguicamagazine.com/estatuto-editorial/> [Consult. 31 de outubro de 2016].

Sebastião, S. P., Azevedo, C., Dias, D. e Santos, L. (2012). Faz o que te digo, mas não olhes para o que eu faço: as Consultoras de Relações Públicas e a Comunicação Digital, em Portugal. Observatorio (OBS*) Journal, 6 (1): 259-280.

SEG Research (2008). Understanding Multimedia Learning: Integrating multimedia in the K-12 classroom. Nova Iorque: BrainPOP.

Silva, A. S. & Pinto, J. M. (1999 [1986]). Metodologia das Ciências Sociais. 10ª ed. Porto: Edições Afrontamento.

Solomon, M. (2009). Os Segredos da Mente dos Consumidores. Famalicão: Centro Atlântico.

Sweller, J. (2003). Evolution of human cognitive architecture. In: Ross, B. (ed.). The psychology of Learning and Motivation: Advances in Research and Theory, vol. 43. Nova Iorque: Elsevier Science: 215-266.

Web Content Accessibility Guidelines 2.0. [Internet] Disponível em <https://www.w3.org/TR/WCAG20/>.

Topo da página

Anexo

Apêndice 1 – Tabela de identificação dos participantes do focus group

Apêndice 2 – Questões colocadas durante o focus group

1 - Qual a vossa opinião sobre o design do website (apresentação da primeira página e categorias)?
2 - Os títulos e leads são claros e apelativos?
3 - Que características positivas e negativas realçam dos conteúdos?
4 - Qual a vossa opinião sobre os temas abordados?
5 - Digam três adjetivos que caracterizem os conteúdos do website.

Apêndice 3 – Inquérito por questionário online realizado após o focus group aos participantes do mesmo

Idade:
Género: Masculino | Feminino
Como considera a navegação no website?
Azul – Ericeira Mag: Muito intuitiva | Intuitiva | Pouco intuitiva | Nada intuitiva
Preguiça Magazine: Muito intuitiva | Intuitiva | Pouco intuitiva | Nada intuitiva
Considera o website user-friendly?
Azul – Ericeira Mag: Sim | Não
Preguiça Magazine: Sim | Não
Baseando-se na experiência de navegação, quão interessado ficou nos conteúdos deste website?
Azul – Ericeira Mag: Muito interessado | Interessado | Pouco interessado | Nada interessado
Preguiça Magazine: Muito interessado | Interessado | Pouco interessado | Nada interessado
Baseando-se na experiência de navegação, quão provável é que continue a ler este website?
Azul – Ericeira Mag: Muito provável | Provável | Não sei | Pouco provável | Nada provável
Preguiça Magazine: Muito provável | Provável | Não sei | Pouco provável | Nada provável
A disposição das diferentes categorias é clara.
Azul – Ericeira Mag: Discordo totalmente | Discordo | Não discordo nem concordo |
Concordo | Concordo totalmente
Preguiça Magazine: Discordo totalmente | Discordo | Não discordo nem concordo | Concordo | Concordo totalmente

Apêndice 4 – Tabela de codificação para análise de conteúdo aos websites da Azul – Ericeira Mag e Preguiça Magazine

Azul –

Ericeira Mag

Preguiça Magazine

Web

Design

Design fixo

O website com largura fixa

Sim

Sim

Design

líquido ou

fluído

O website expande-se quando é

redimensionado

Sim

Sim

Design

Responsivo

O website adapta-se a todos os dispositivos

Sim

Sim

Ilustrativo

O website utiliza ilustrações, como desenhos, artes e/ou pinturas

Não

Sim

Fotográfico

O website utiliza fotos de grande dimensão na homepage

Sim

Sim

Vídeo

O website utiliza vídeo(s) na homepage

Não

Não

Página única

Todo o website consiste numa única página

Não

Não

Mobile

O website possui versão mobile

Sim

Sim

Sem scroll

O website não oferece a opção de scroll

Não

Não

Scroll infinito

O website oferece a opção de scroll infinito

Não

Sim

Atualização

Números de artigos

16 a 17 /

semana

9 /

semana

Conteúdo

Inglês

O website permite colocar os conteúdos em inglês

Sim

Não

Outras

Línguas

O website permite colocar os conteúdos noutras línguas para além de português e inglês

Não

Não

Categorias

A divisão por categorias é percetível

Não

Sim

Temas

Os temas estão diferenciados

Não

Sim

Tempo de

Leitura

O website apresenta o tempo de leitura de cada artigo

Não

Sim

Social

Media

Facebook

Faz ligação com a página de Facebook

Sim

Sim

Twitter

Faz ligação com a página de Twitter

Sim

Sim

Instagram

Faz ligação com a página de Instagram

Sim

Sim

Pinterest

Faz ligação com a página de Pinterest

Não

Não

LinkedIn

Faz ligação com a página de LinkedIn

Não

Não

YouTube

Faz ligação com a página de YouTube

Não

Sim

Google Plus

Faz ligação com a página de Google Plus

Não

Sim

Vimeo

Faz ligação com a página de Vimeo

Sim

Não

Outros

Faz ligação com a página de outra rede social

Não

Não

Embutido

Utiliza o conteúdo de redes sociais dentro do website

Sim

Não

Identificação

Região

Possui informações sobre a região de enfoque

Sim

Sim

Missão

Possui a missão do website

Sim

Sim

Apresentação

Possui apresentação do website

Sim

Sim

Slogan

O website apresenta um slogan identificativo

Sim

Sim

Colaboradores

Apresenta os colaboradores do website

Sim

Sim

Telefone

Apresenta seu telefone

Sim

Não

Email

Apresenta seu email

Sim

Sim

Morada

Apresenta sua morada

Não

Sim

Localização

Apresenta um mapa com a localização da sua sede

Não

Não

Usabilidade

Pesquisa

Interna

O website permite pesquisar conteúdos dentro próprio website

Sim

Sim

Arquivo

O website disponibiliza arquivo de conteúdos

Sim

Sim

FAQ

(questões

frequentes)

O website apresenta campo para colocar questões

Não

Não

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Tabela 1 – Principais características das páginas
Legenda Fonte: Elaboração própria com base na observação direta das publicações
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-1.png
Ficheiros image/png, 54k
Legenda Figura 1 – Sumário do funcionamento do website Azul – Ericeira Mag com printscreens
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-2.png
Ficheiros image/png, 241k
Legenda Figura 2 – Sumário do funcionamento do website Preguiça Magazine com printscreens
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-3.png
Ficheiros image/png, 203k
Legenda Figura 3 – Principais diferenças entre os websites Azul – Ericeira Mag Preguiça Magazine
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-4.png
Ficheiros image/png, 87k
Legenda Figura 4 – Adjetivos que caracterizam os conteúdos das magazines, segundo os participantes do focus group
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-5.png
Ficheiros image/png, 178k
Legenda Gráfico – Azul - Ericeira Mag: Continuação da leitura do website
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-6.png
Ficheiros image/png, 26k
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/2174/img-7.png
Ficheiros image/png, 5,3k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Sónia Pedro Sebastião e Diogo Milho, « Conteúdos multimédia e preferências do utilizador em projetos editoriais online: exemplos portugueses », Comunicação Pública [Online], Vol.13 nº 24 | 2018, posto online no dia 30 junho 2018, consultado o 15 outubro 2018. URL : http://journals.openedition.org/cp/2174 ; DOI : 10.4000/cp.2174

Topo da página

Autores

Sónia Pedro Sebastião

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
Universidade de Lisboa
CAPP-FCT

Pólo Universitário do Alto da Ajuda
Rua Almerindo Lessa
1300-663 Lisboa
ssebastiao@iscsp.ulisboa.pt

Artigos do mesmo autor

Diogo Milho

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
Universidade de Lisboa
diogoten@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • OpenEdition Journals