Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVol.14 nº 26RecensõesSilva, T., Buckstegge, J. & Roged...

Recensões

Silva, T., Buckstegge, J. & Rogedo, P. (orgs.). (2018). Estudando cultura e comunicação com mídias sociais. Brasília: IBPAD. (400 páginas). ISBN 978-85-54230-01-2

Ramsés Albertoni Barbosa
Referência(s):

Silva, T., Buckstegge, J. & Rogedo, P. (orgs.) (2018). Estudando cultura e comunicação com mídias sociais. Brasília: IBPAD, 400 páginas, ISBN 978-85-54230-01-2

Notas da redacção

Recebido: 27 de março de 2019

Aceite para publicação: 10 de abril de 2019

Texto integral

1O livro “Estudando cultura e comunicação com mídias sociais”, lançado em 2018, é fruto de uma chamada de trabalhos aberta pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD), reunindo 20 artigos acadêmicos organizados por Tarcízio Silva, Jaqueline Buckstegge e Pedro Rogedo. O instituto é um centro independente de investigação e formação de analistas e pesquisadores nas áreas de opinião pública, política, relações governamentais e comunicação digital, formando profissionais capacitados na aplicação e no ensino de técnicas e de metodologias de análise de dados. Dessa forma, os artigos selecionados foram escritos por especialistas cujas questões giram em torno de quatro áreas: Métodos, Identidades, Política e Mercado da Comunicação.

2A respeito da área Metodologias, os artigos procuram compreender o espaço de disputa de sentidos nas mídias sociais, conceito que comporta a confabulação e a divulgação de conhecimentos, cuja estrutura é capaz de filtrar determinadas informações, dando visibilidade a estas em detrimento de outras; porquanto o universo comunicacional intensificou-se a partir de uma maciça produção de conteúdo e da relação das instituições sociais com seus públicos e suas audiências, conforme Recuero. A partir do conceito “ambiência”, entendido como uma espécie de novo território simbólico favorável à exploração de novas experiências existenciais e sociais, a pesquisa de Carlomagno se estende aos problemas gerados pela facilidade tecnológica de criação e difusão de questionários de pesquisa, oriundos de sua construção e da amostragem estatística. Outra questão a ser levantada diz respeito à possibilidade de se criar ordem social a partir de processos de formação de consenso e à validação discursiva da informação em rede, especificamente na Wikipédia, justamente no momento em que proliferam os discursos de ódio e as fake news, de acordo com Gonçalves. Ao mensurarem as audiências e analisarem o engajamento nas mídias sociais, Pinheiro e Postinguel ponderam que a ambiência interativa implica um espaço como cenário em que se efetivam relações sociais, políticas e econômicas de determinados grupos sociais num processo dinâmico de mediação entre o consumidor e o conteúdo.

3Os artigos referentes à área Mercado da Comunicação ocupam a maior parte do livro e analisam as diferentes reações que os usuários podem expressar na Internet e, especificamente, nas mídias sociais como o Facebook, o Instagram e o Twitter. Os boatos e os comportamentos negacionistas nas mídias sociais são estudados por Muniz a partir do compartilhamento das fofocas e dos boatos em seus aspectos políticos e sociais, assim como as consequências advindas das atitudes dos atores sociais envolvidos.

4A Antropologia das Emoções, conforme ajuíza Rodrigues, ajuda a revelar como o recurso do Facebook de permitir outras possibilidades de reações produz mais conhecimento sobre os seus usuários, criando segmentações de públicos e oferecendo informações para as marcas e os negócios que investem em publicidade na plataforma. Ao analisar os dados visuais do Instagram, Zandavalle pondera que o compartilhamento de imagens “espontâneas” nessa plataforma, como representação do cotidiano, explicita aspectos culturais que não são contemplados no formato textual, possibilitando a análise do relacionamento dos consumidores com as marcas e os produtos.

5A análise da dinâmica entre a vizinhança, estudada por Botton através da etnografia virtual, promovida pela rede social online Tem Açúcar, procura compreender como esta rede atua enquanto elemento facilitador da sociabilidade e da solidariedade entre vizinhos, verificando-se as características das diferentes regiões da cidade. A relação das mídias sociais com o espaço urbano é pesquisada por Martins, Hojda e Apolinário através das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), utilizando-se, para isso, os dados disponibilizados a partir da implementação do Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro (COR), auxiliar na gestão da cidade em conjunto com as mídias sociais, o governo, os cidadãos e a imprensa.

6O papel dos influenciadores digitais é analisado por meio do conceito dos três tipos de capital (o social, o cultural e o econômico) de Bourdieu. Ao classificar esses influenciadores conforme suas características de alcance, Ishida utiliza métricas e sistemas de mensuração para quantificar esses pilares, adaptando as métricas de social media para a definição de mensuração de influenciadores. Ao analisar os modelos de personalidade em mídias sociais, por meio da noção de “personalidade”, Barreto e Silva discutem a aplicação de uma tipologia emergente e controversa de segmentação, considerando que se devem seguir diretrizes gerais de outras pesquisas científicas comportamentais de consumidores, funcionários ou pacientes para revelar correlações entre traços de personalidade e certos comportamentos, certas preferências ou certas mentalidades.

7O “ciberativismo de consumo” no Facebook revela, através dos recursos analíticos da netnografia, as atitudes dos consumidores que protestam por motivos de insatisfação com a aquisição de produtos e serviços junto às empresas, e como elas se correlacionam com o impacto da influência negativa na decisão de compra para outros consumidores, pois as conexões entre pessoas estão mais visíveis atualmente, segundo pontua Andrade. Entretanto, ao monitorarem a audiência televisiva nas mídias sociais, o Twitter especificamente, Vieira e Silva argumentam que foi possível perceber que, pelo menos no caso da TV, a regra é a coexistência e a convergência; por isso, os pesquisadores propõem uma metodologia que se preocupe com as particularidades das audiências televisivas e agregue os dados capturados a partir dos rastros deixados nas plataformas digitais. O Twitter também é utilizado, por Vital e Tonus, para analisar o engajamento dos fãs da série Grey’s Anatomy, discutindo-se os resultados de uma pesquisa de mestrado que investigou como se dá o engajamento dos fãs da série nessa mídia social e quais as estratégias utilizadas para que ocorra o engajamento.

8No que diz respeito à área Política, acompanham-se as “e-campanhas” nas mídias sociais, analisando-se o uso das tecnologias digitais no período das eleições pelos diferentes atores políticos envolvidos, especificamente nas eleições estaduais de 2016, no Brasil, conforme estudo de Braga, Sampaio, Carlomagno, Vieira, Angeli e Suhurt. Por meio de dados obtidos no projeto de extensão MEME: E-Monitor Eleitoral, Alves percebeu que certas figuras políticas expandem sua capacidade representativa para além do território que o elege, alterando a natureza e o significado da representação territorial e exigindo o emprego de diferentes métricas para se avaliar o impacto dos candidatos nas mídias digitais. Assim, ao se mapear as fanpages políticas no Facebook, evidenciou-se que o mercado de audiência, no Brasil, é um dos mais concentrados do mundo, por isso as mídias sociais são o campo no qual se disputam visibilidade e atenção, reduzindo potencialmente a assimetria de poder derivada do oligopólio midiático brasileiro. Dessa forma, entra em cena um novo ativismo político que exige dos pesquisadores a compreensão desses fenômenos que impactam os formatos de organização e de comunicação no processo de participação política e ativismo político contemporâneo, de acordo com a pesquisa de Zanini.

9Na área Identidade, a cultura afrodescendente é analisada por Souza a partir da narrativa de três mulheres negras na mídia social YouTube, cujas experiências possuem um teor político de militância, por questões de vivência e de sobrevivência, o que fortalece a imagem de grupo e endossa a pertinência do discurso das youtubers que constroem suas imagens e os assuntos abordados como agente potencializador de seu capital social. A questão religiosa é estudada nas novas possibilidades de fala encontradas pelos adeptos do Candomblé que estabelecem uma relação entre a modernidade e a tradição, segundo aponta Alves, que encontrou indícios de que alguns adeptos dessa religião se sentem confortáveis em falar de sua religião nas mídias sociais, porquanto encontram um meio propício para a afirmação de suas raízes. Com relação à “economia étnica” na Internet, denominada afroempreendedorismo, o estudo de Oliveira analisa a Feira Cultural Preta, evento anual que, desde 2002, realiza atividades com foco na promoção de empreendedores negros. A partir disso, foi possível compreender como os atores econômicos são condicionados pela interação e pela estrutura social, reforçando e resgatando as identidades negras.

10Diante da variedade de assuntos pertinentes tratados ao longo das 400 páginas do livro “Estudando cultura e comunicação com mídias sociais”, o leitor consegue ter uma visão ampla e profunda das questões mais prementes que vivenciamos rotineiramente na atualidade. A seleção dos artigos foi primorosa, pois reúne artigos que dialogam entre si, criando uma percepção incisiva a respeito da História, da Sociologia, da Cibercultura e das Identidades.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ramsés Albertoni Barbosa, «Silva, T., Buckstegge, J. & Rogedo, P. (orgs.). (2018). Estudando cultura e comunicação com mídias sociais. Brasília: IBPAD. (400 páginas). ISBN 978-85-54230-01-2»Comunicação Pública [Online], Vol.14 nº 26 | 2019, posto online no dia 28 junho 2019, consultado o 16 janeiro 2022. URL: http://journals.openedition.org/cp/4072; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.4072

Topo da página

Autor

Ramsés Albertoni Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora (PPGCOM-UFJF) e
Universidade Federal do Rio de Janeiro ramses.albertoni@ich.ufjf.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search