Navegação – Mapa do site
Recensões

Mortensen, M., Neumayer, C. & Poell, T. (eds.). (2019). Social media materialities and protest: Critical reflections. Oxon & Nova Iorque: Routledge.(164 páginas).

Filipe Montargil
Referência(s):

Mortensen, M., Neumayer, C. & Poell, T. (eds.) (2019). Social media materialities and protest: Critical reflections. Oxon & Nova Iorque: Routledge, 164 páginas

Notas da redação

Recebido: 10 de maio de 2019

Aceite para publicação: 15 de maio de 2019

Texto integral

1Mortensen, Neumayer e Poell exploram, em Social Media Materialities and Protest – Critical Reflections, a relação entre media sociais e o protesto social e político.

2O conceito de media sociais é delimitado e operacionalizado de forma abrangente nesta obra, integrando análises e reflexões sobre plataformas como o Facebook, Twitter, YouTube, Reddit, WeChat ou Sina Weibo mas, também, a utilização de telemóveis ou de enciclopédias online, por exemplo.

3A noção de protesto pode, por sua vez, ser aqui interpretada como correspondendo genericamente à expressão de exigências junto de um determinado sistema, ou seja, à “expressão da opinião de que uma alocação autoritária relativa a uma determinada questão deveria ser, ou não deveria ser, realizada pelos seus responsáveis”, para utilizarmos a formulação de Easton (1965, p. 38) – apesar de os autores não utilizarem explicitamente a referência.

4Contudo, mais do que a simples relação entre media sociais e o protesto social e político, é explorada neste livro a forma como as materialidades dos media sociais influenciam e condicionam os cidadãos, na sua mobilização e na expressão de exigências.

5A noção de materialidades dos media sociais, proposta pelos autores e fio condutor para a organização da obra, abarca várias dimensões, incluindo as tecnologias utilizadas, as suas características próprias, o respectivo modo de funcionamento, as formas possíveis de utilização que têm, as características das instituições que as desenvolvem e disponibilizam no mercado, os modelos de negócio e a estruturação de fluxos de receita que estas tecnologias adotam ou, ainda, os discursos que legitimam as tecnologias e os seus modelos de negócio.

6As materialidades dos media sociais envolvem, desta forma, a materialidade da tecnologia (equipamento, software, interfaces, fluxos de informação e de comunicação, algoritmos...), da informação, do seu processamento e armazenamento ou, ainda, a materialidade literal da letra e da escrita, por exemplo.

7Esta perspetiva integra várias dimensões e perspetivas teóricas na sua constituição e formulação.

8Podemos, em primeiro lugar, salientar uma visão eminentemente sociológica da relação entre tecnologia e sociedade. Como Williams nota, o desenvolvimento tecnológico decorre num contexto social, sendo a própria tecnologia o resultado de um determinado sistema social (1974: p. 140). A tecnologia é encarada, nesta perspetiva, como um produto social, assumindo também o papel de variável dependente. De forma semelhante, as materialidades dos media sociais são aqui vistas como intimamente relacionadas com os processos sociais, e não apenas como meras características técnicas, socialmente neutras.

9Verifica-se, também, uma relevante influência marxista na abordagem adotada. Esta influência concretiza-se sobretudo através da noção, inicialmente expressa por Marx e Engels e desenvolvida posteriormente por muitos autores, de que as ideias dominantes numa determinada sociedade não são mais do que a expressão ideal de relações materiais dominantes (2004 [1846], p. 64). Ou seja, a tecnologia não é aqui vista apenas como um produto social. Mais do que isso, é encarada como um produto social apropriado por diversos agentes, nos processos de conflito e de luta entre grupos sociais, não podendo ser automática e inevitavelmente considerada como potenciadora da participação dos cidadãos ou, pelo contrário, como favorecendo apenas as atividades de vigilância e de controlo social e político. Esta questão encontra-se permanentemente presente na obra, marcando várias das análises propostas.

10Para além destas influências, a própria noção de materialidade, abordada e desenvolvida por exemplo nos estudos da comunicação, nos estudos de ciência e tecnologia (STS – Science and Technology Studies) e pela Escola de Toronto, é, naturalmente, uma referência central para o desenvolvimento da proposta de materialidades dos media sociais.

11O livro encontra-se organizado em três partes, com um total de dez capítulos. É analisada, na primeira parte, a relação entre materialidades dos media sociais e a concretização do protesto social e político, na dimensão espacial. A noção de espaço não é aqui limitada exclusivamente aos locais em que os protestos ocorrem, incluindo também a participação e as manifestações de solidariedade a partir de outros locais, com recurso aos medias sociais.

12Esta parte é constituída por três capítulos, em que são analisadas as práticas de utilização de medias sociais e a construção de hierarquias espaciais de participação no movimento Occupy Pittsburgh, incluído no movimento Occupy dos E.U.A. (Capítulo 1); a solidariedade em rede e a mobilização solidária, a nível global, para apoio ao movimento para a autonomia do Curdistão (Capítulo 2); e as práticas mediáticas do Barrio Nómada, um coletivo ativista de Ciudad Juárez, no México (Capítulo 3).

13Na segunda parte, a relação entre materialidades dos media sociais e a realização de ações de protesto é perspetivada a partir da dimensão temporal. Esta dimensão de análise não se baseia apenas na análise cronológica e sequencial de eventos, incluindo também as novas relações temporais nos processos de interação social, em que os media sociais aceleram processos comunicacionais, influenciam o surgimento de novos tipos de armazenamento e arquivo de informação e, no limite, reconfiguram a nossa própria memória coletiva.

14É estudada, nesta parte, a transição do canal de televisão ativista TV Stop, baseado em Copenhaga, do suporte analógico para o digital, e os consequentes desafios para a preservação da sua história e identidade neste processo (Capítulo 4); a influência dos protocolos de comunicação e dos filtros algorítmicos do Facebook na vida e no desenvolvimento de Popolo Viola, um movimento italiano anti-Berlusconi (Capítulo 5), e a forma como a lógica de funcionamento dos media sociais favorece, devido à sua subjacente estrutura técnico-comercial, o desenvolvimento de arquivos online incompletos e enviesados dos movimentos sociais de protesto (Capítulo 6).

15A análise proposta na terceira parte do livro é centrada no papel desempenhado pelas plataformas. Para além da análise isolada de ações de protesto, realizadas com recurso a uma determinada plataforma de media sociais, os autores procuram desenvolver nesta parte uma abordagem mais integrada, dando conta da forma como código, algoritmos ou arquiteturas de informação das plataformas se relacionam com a organização e realização de ações de protesto.

16Esta parte integra quatro capítulos. No Capítulo 7 é proposto um enquadramento teórico para a análise do envolvimento dos cidadãos e da sua relação com os media sociais, aplicado à forma como a mobilização dos refugiados na Suécia se tornou dependente do modo de funcionamento dos algoritmos, das políticas de utilização e das interfaces do Facebook. No Capítulo 8, de natureza teórica, são exploradas as tensões entre os movimentos ativistas e a estrutura política e económica dos media sociais utilizando, para o efeito, a noção de materialidade da cloud. No Capítulo 9 é analisado e discutido o protesto de utilizadores de plataformas de media sociais contra a personalização algorítmica (por exemplo do news feed), a partir de uma recolha netnográfica em três plataformas (Facebook, Twitter e Reddit), durante um período de dois meses. Por fim, no Capítulo 10 é discutida a forma como as materialidades das plataformas de media sociais condicionam a realização de ações de confronto (como manifestações, greves, motins ou desobediência civil) na China, a partir da análise da mobilização e do ativismo contra fábricas petroquímicas, em seis cidades, no período de 2007 a 2014.

17O livro integra, deste modo, um conjunto de capítulos organizado e coerente, incidindo sobre estudos de caso diversificados, mas complementares. A abordagem é multidisciplinar e revela uma interessante capacidade de síntese entre áreas distintas (e, em parte, ainda distantes, também), como as ciências sociais, as ciências da comunicação e os sistemas e tecnologias de informação.

18O nível de maturidade da dimensão conceptual, teórica e, talvez de forma mais acentuada, metodológica é ainda relativamente incipiente, devido à novidade da proposta e à natureza exploratória de várias das análises. Contudo, esta mesma novidade representa também, sem dúvida, uma oportunidade para aqueles que procuram novas formas de enquadrar e analisar a utilização dos media sociais para a mobilização, o envolvimento e a participação pública dos cidadãos, abrindo novos caminhos de análise e de debate.

Topo da página

Bibliografia

Easton, D. (1965). A Systems Analysis of Political Life. Nova Iorque, EUA: John Wiley.

Williams, R. (1974). Television: Technology and Cultural Form. Nova Iorque, EUA: Routledge.

Marx, K. & Engels, F. (2004 [1846]). The German Ideology. Nova Iorque, EUA: International Publishers.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Filipe Montargil, « Mortensen, M., Neumayer, C. & Poell, T. (eds.). (2019). Social media materialities and protest: Critical reflections. Oxon & Nova Iorque: Routledge.(164 páginas). », Comunicação Pública [Online], Vol.14 nº 26 | 2019, posto online no dia 28 junho 2019, consultado o 13 novembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/cp/4236

Topo da página

Autor

Filipe Montargil

Escola Superior de Comunicação Social, IPL

fmontargil@escs.ipl.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals