Navegação – Mapa do site
Notas de leitura / Recensões

Harold A. Innis. O Viés da Comunicação

Filipa Subtil
p. 125-130
Referência(s):

O Viés da Comunicação. Harold A. Innis. Petrópolis, Edit. Vozes, 2011 [1951] (352 páginas)

Texto integral

  • 1 A primeira é da autoria de Donald Creighton (1978 [1957]).
  • 2 O primeiro apêndice foi escrito por Donald Quayle Innis, filho de H. A. Innis.

1A obra de Harold Adams Innis, que hoje é considerado um expoente clássico do pensamento canadiano sobre comunicação e media, não estava até há bem pouco tempo acessível na língua portuguesa. Graças aos esforços da editora brasileira Vozes, contamos finalmente com a tradução de um dos principais livros do autor. A coleção Clássicos da Comunicação Social acaba de acolher no seu catálogo O Viés da Comunicação, uma tradução portuguesa de The Bias of Communication, o primeiro livro de Innis que versa o tópico da comunicação, publicado pela primeira vez em 1951. O livro conta com uma apresentação de António Hohlfeldt, coordenador da coleção, um prefácio de Luiz C. Martino, também responsável pela tradução e pelas notas, e dois outros prefácios de académicos canadianos que, ao longo das últimas décadas, se têm dedicado a divulgar os estudos de Innis sobre a comunicação e os media. Alexander J. Watson, autor da segunda biografia intelectual1 de Innis (Watson, 2006), assina o primeiro prefácio (pp. 27-44), escrito para a reedição inglesa de 2008, e Paul Heyer e David Crowley subscrevem o segundo, publicado originalmente como introdução para a edição de 1995 (pp. 45-65). O Viés da Comunicação é composto por oito capítulos e dois apêndices2, textos que na sua génese foram discursos que Innis proferiu em diversas ocasiões entre 1945 e 1950. O volume está organizado a partir de duas temáticas principais: uma abordagem comunicacional da história e uma reflexão crítica sobre a situação da cultura e da tecnologia na primeira metade do século XX.

  • 3 Permanece inédito um volumoso manuscrito de Innis intitulado A History of Communication: An Incompl (...)

2O trabalho de Innis no âmbito do pensamento sobre comunicação e media é uma combinação de pesquisas teóricas e históricas com um alcance político pouco comum nas ciências da comunicação. Doutorou-se em Economia Política, em 1920, na Universidade de Chicago, onde foi atraído pelas análises desenvolvidas por economistas tão ecléticos em termos de pensamento e geração como Frank H. Knight, C. M. Wright, John M. Clark e Thorstein Veblen. É só a partir de 1943 que começa a produzir um corpo de reflexão teórica e social sobre a história da comunicação, embora o seu interesse por esta temática se encontre já na sua tese de doutoramento, publicada em livro, em 1923, com o título History of Canadian Pacific Railway. Para além do livro agora traduzido, o seu trabalho específico sobre comunicação e media deu origem a dois livros, publicados nos inícios dos anos 1950, que reúnem os seus principais ensaios sobre esse tema (Innis, 1972 [1950]; 1952).3

3Sob o enquadramento da economia política, e no âmbito da sua staples theory (o estudo dos recursos básicos) — que desenvolveu e aplicou aos mercados dos recursos naturais do Canadá, como o bacalhau, a pele de castor, a borracha e a pasta do papel, tópicos aos quais se dedicou durante as décadas de 20 e 30 do século XX e sobre os quais publicou várias obras —, convenceu-se da importância das tecnologias do transporte e da comunicação para a circulação das mercadorias, para a formação do seu valor e para o poder que facultavam àqueles que controlavam o seu movimento. Segundo a sua teoria dos staples, a extração de recursos básicos com impacto na exportação acompanha os interesses dos centros de poder, promovendo o desenvolvimento unilateral e a exploração das periferias. O estudo da pasta de papel e do papel como matérias-primas levou-o ainda a prestar atenção ao seu percurso ulterior enquanto jornais, jornalismo, livros e publicidade, inseridos no movimento mercantil. Compreendeu como as inovações tecnológicas, em especial nos domínios do transporte e da comunicação, na sua relação com a geografia e os staples, causam perturbações nos modelos estabelecidos de interação social.

  • 4 Esta é, na verdade, a segunda vez que avanço com esta sugestão. A primeira pode ser lida num texto, (...)

4No quadro da diversidade de tendências de estudo da comunicação, O Viés da Comunicação é uma obra que se destaca pelo facto de, a partir de uma perspetiva filosófica da história da tecnologia, conceber os media como uma força poderosamente constitutiva da cultura e das civilizações. Para Innis, as tecnologias têm um impacto penetrante nas civilizações e, por essa razão, o seu estudo é central para a compreensão das transformações que nelas ocorrem. Todavia, as tecnologias, na sua perspetiva, são também produto das civilizações e, neste sentido, os modelos de comportamento, as práticas e os modos de conhecer de uma dada sociedade estão incorporados nos meios técnicos que nela predominam, incorporando-os simultaneamente. Vai ainda mais longe quando argumenta que as tecnologias são meios, ou media, por intermédio dos quais as civilizações se expandem e estabelecem contactos entre si. A partir desta conceção, Innis mostra como a mudança no modo de comunicação é um elemento-chave do processo histórico, com implicações profundas na organização social, cultural e política das civilizações. A sua definição de media é ampla e abrangente. Os media, de acordo com a sua visão, compreendem todas as formas de transporte não edificadas pelo ser humano — como rios, lagos, oceanos, cavalos, etc. —, os meios com origem na atividade humana — como canais, estradas, caminhos de ferro, navios, etc. —, e ainda os recursos básicos. Qualquer um destes três tipos de media afeta, por um lado, a organização social, na medida em que são promotores de ambientes ou ecossistemas que medeiam as relações humanas e implicam o pensamento, a ação e a subjetividade dos indivíduos, e, por outro, o comércio de tais recursos, ao permitir o contacto entre pessoas e civilizações até então isoladas. Partindo desta conceção de media e das consequências que dela se podem retirar, não será com toda a certeza abusivo formular a hipótese de Innis, sem dúvida, poder ser considerado um precursor da reflexão atual sobre os processos de globalização.4

5Se a investigação sobre as matérias-primas canadianas, no âmbito da teoria dos staples, o levou a refletir sobre a importância do transporte e da comunicação, o estudo, a partir da década de 1940, de recursos como a pasta de papel e o próprio papel abriu-lhe um novo e emergente campo de pesquisa. Esse estudo é, de facto, a antecâmara da pesquisa sobre os jornais, o jornalismo, os livros e a publicidade. A partir dos recursos naturais que estão na origem de indústrias, a atenção de Innis deslocou-se para a industrialização da cultura, na qual a informação e, depois, o conhecimento são analisados como mercadorias que circulam com valor monetário e como instrumento de poder para aqueles que os controlam. Será este o tema ao qual se dedicará na última década da sua vida, aliando-o a outra preocupação fundamental: as implicações dos media no tempo e no espaço ou, utilizando aqui os seus termos, a forma como um dado medium numa sociedade é sempre portador de um desvio/viés espacial ou temporal. A este respeito, Innis analisa como, à escala histórica (nas civilizações egípcia, babilónica, grega e romana), os materiais sobre os quais se escrevem as palavras contam mais do que as próprias palavras. Evidentemente, esta hipótese está no âmago da ideia de que «o meio é a mensagem», um aforismo célebre de Marshall McLuhan, que, tendo sido um jovem colega de Innis na Universidade de Toronto, só muito mais tarde o formulou. No mesmo ano da primeira edição de O Viés da Comunicação, num breve ensaio, com o título «As tradições oral e escrita», o sociólogo americano David Riesman avança com uma justificação muito perspicaz, assente na questão da assimetria de poder entre o Canadá e os EUA, para o interesse de Innis pelos tópicos que desenvolveu: «Talvez seja compreensível que um canadiano tenha sido o primeiro a estudar sistematicamente tais problemas, depois de observar as florestas do seu país a serem derrubadas em benefício do Reader’s Digest e de outras formas de imperialismo americano de lugar-comum impresso» (Riesman, 1968 [1952]: 139).

6Como está bem assinalado no muito informado e esclarecedor prefácio de Martino (pp. 18-22), para Innis, qualquer civilização tem um meio de comunicação dominante, logo um viés cultural, com efeitos nos âmbitos do tempo ou do espaço. Raras foram, na sua perspetiva, as situações de equilíbrio ou estabilidade na tradição ocidental. As sociedades com viés para o tempo dependem de meios pesados, difíceis de transportar e de destruir (duráveis). São materiais que atravessam milénios e nos permitem ainda hoje manter contacto com as formas culturais dos nossos antepassados (por exemplo, a oralidade, pedras/pinturas rupestres, placas de argila). Estes meios permitem preservar, durante grandes períodos históricos, o conhecimento neles contido, ao mesmo tempo que favorecem valores de partilha de conhecimento, de cooperação, de proximidade, de tradição, com os indivíduos a estarem adaptados aos limites impostos pela capacidade humana de memorização. Já as sociedades com viés para o espaço tendem a estar ligadas ao presente e preocupadas fundamentalmente com o futuro. Nelas predominam media leves, fáceis de transportar, perecíveis (fáceis de destruir, logo, para consumo imediato) e com grande capacidade de armazenamento de informação (como, por exemplo, papiro, papel, jornal, rádio, televisão). Estes meios forjam sociedades seculares nas relações entre si, nas quais se promove a competição, os valores materialistas, a impessoalidade das relações sociais, propendendo para a ausência de limites espaciais e temporais, gerando formas imperiais de dominação. O espaço e também o tempo são vistos nestas sociedades como meras mercadorias, cujo objetivo é conquistar territórios, criar e aumentar os mercados, organizar a vida social de formas mais eficientes e produtivas. Na perspetiva avançada por Innis, as sociedades ocidentais do século XX, moldadas principalmente por desvios espaciais, favorecem a comunicação a longa distância, contribuindo para a privatização da comunicação, para o declínio da democracia como regime participativo e para o aumento das capacidades técnicas de influência e persuasão.

7A questão central que atravessa a extensa obra de Innis sobre a comunicação e os media é: como preservar então a democracia e a vida pública nas sociedades contemporâneas? A sua resposta está na promoção de formas de comunicação que limitem e restrinjam a emergência de monopólios de conhecimento (sistemas conceptuais/mundividências promovidas pelos media inerentemente portadores de processos de dominação). Tais formas de comunicação são, para Innis, a tradição oral, a comunicação oral intersubjetiva, pois dificilmente se deixam capturar pelo mundo comercial. Esta insistência nas formas de diálogo encontra pontos de contacto na relevância dada por Jürgen Habermas à argumentação racional na esfera pública. No entanto, o que mais importa na tradição oral não é decerto a sua suposta característica auditiva, mas sim o facto — como esclarecem Heyer e Crowley — «de valorizar o diálogo e inibir o surgimento de monopólios do conhecimento, que levam ao predomínio da autoridade política, à expansão territorial e à distribuição de poder e riqueza de forma não equitativa» (Heyer e Crowley, 2011 [1999]: 55).

8A presente publicação — que se deve aos esforços prolongados, primeiro, de Sérgio Rosa, tradutor da primeira versão do texto, e, posteriormente, de Luiz C. Martino, responsável pela versão final e pelas notas muito informadas — tem o mérito de fornecer ao público de língua portuguesa uma obra de leitura obrigatória para todos os que nas ciências sociais, e em particular nos estudos de comunicação e media, acreditam numa reflexão (e ousam fazê-la) de um ponto de vista histórico-político sobre as implicações vastas das tecnologias da informação e comunicação nas sociedades contemporâneas.

Topo da página

Bibliografia

Babe, R. E. (2000) Canadian Communication Thought. Ten Foundational Writers, Toronto, Buffalo e Londres, University of Toronto Press.

Buxton, W. (2003) Harold A. Innis’s ‘History of Communications Manuscript’. In: P. Heyer, Harold Innis, Lanham, Boulder, Nova Iorque, Toronto e Oxford, Rowman & Littlefield Publishers, inc., pp. 103-111.

Creigton, D. (1978 [1957]) Harold Adams Innis. Portrait of a Scholar, Toronto, Buffalo e Londres, University of Toronto Press,

Heyer, P. (2003) Harold Innis, Lanham, Boulder, Nova Iorque, Toronto e Oxford, Rowman & Littlefield Publishers, inc.

Heyer, P.; Crowley, D.(2011 [1999]) Prefácio. In: H. A. Innis, O Viés da Comunicação, S. Paulo, Editora Vozes, pp. 45-65.

Innis, H. (1952) Changing Concepts of Time, Toronto, University of Toronto Press.

Innis, H. (1999 [1951]) The Bias of Communication, Toronto, University of Toronto Press.

Innis, H. (1972 [1950]) Empire and Communications, Toronto e Buffalo, University of Toronto Press.

Riesman, D. (1968 [1952]) As tradições oral e escrita. In: M. McLuhan e E. Carpenter. Revolução na Comunicação. Rio de Janeiro, Zahar Editores: 136-144.

Subtil, F. (2003) «Uma teoria da globalização avant la lettre. Tecnologias da comunicação, espaço e tempo em Harold A. Innis». In: H. Martins e J. L. Garcia (org.). Dilemas da Civilização Tecnológica. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, pp. 287-311.

Watson, A. J. (2006) Marginal Man: The Dark Vision of Harold Innis, Toronto, University of Toronto Press.

Topo da página

Notas

1 A primeira é da autoria de Donald Creighton (1978 [1957]).

2 O primeiro apêndice foi escrito por Donald Quayle Innis, filho de H. A. Innis.

3 Permanece inédito um volumoso manuscrito de Innis intitulado A History of Communication: An Incomplete and Unrevised Manuscript, um facto considerado por alguns autores como uma infâmia (Babe, 2000: 56). Sobre este manuscrito, ver Buxton (2003: 103-111).

4 Esta é, na verdade, a segunda vez que avanço com esta sugestão. A primeira pode ser lida num texto, datado de 2003, intitulado «Uma teoria da globalização avant la lettre. Tecnologias da comunicação, espaço e tempo em Harold A. Innis», in Dilemas da Civilização Tecnológica, um livro editado por Hermínio Martins e José Luís Garcia (Subtil, 2003: 287-311).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Filipa Subtil, « Harold A. Innis. O Viés da Comunicação », Comunicação Pública, vol.8 n13 | 2013, 125-130.

Referência eletrónica

Filipa Subtil, « Harold A. Innis. O Viés da Comunicação », Comunicação Pública [Online], vol.8 n13 | 2013, posto online no dia 01 junho 2014, consultado o 20 agosto 2019. URL : http://journals.openedition.org/cp/525

Topo da página

Autor

Filipa Subtil

Escola Superior de Comunicação Social (IPL)

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals