Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosvol.8 n13Notas de leitura / RecensõesIsabel Ventura. As Primeiras Mulh...

Notas de leitura / Recensões

Isabel Ventura. As Primeiras Mulheres Repórteres. Portugal nos Anos 60 e 70

Pedro Marques Gomes
p. 131-135
Referência(s):

As Primeiras Mulheres Repórteres. Portugal nos Anos 60 e 70.

Isabel Ventura. Tinta da China, Lisboa, 2012 (206 páginas)

Texto integral

1Resultado da dissertação de mestrado de Isabel Ventura, a obra As Primeiras Mulheres Repórteres. Portugal nos Anos 60 e 70 contribui para um conhecimento mais aprofundado sobre a história do jornalismo e dos jornalistas em Portugal.

  • 1 As jornalistas escolhidas foram: Alice Vieira, Edite Soeiro, Diana Andringa, Leonor Pinhão, Maria A (...)

2Estruturado em quatro partes, o livro começa por referir a delimitação do tema e dos seus objetivos, assim como as metodologias utilizadas na investigação, clarificando também as razões que presidiram à seleção das jornalistas entrevistadas pela autora.1 A escolha, parece-nos, não poderia ter sido mais acertada. Desde logo, porque as longas e ricas carreiras das jornalistas escolhidas, bem como a reputação de cada uma delas, fazem com que estas sejam um exemplo no universo jornalístico português (e não só). Depois, porque, como a autora também refere, conseguiram «entrar na profissão em órgãos de comunicação generalistas e não temáticos», ocuparam «posições de chefia e/ou de direção» (p. 30), etc. Todavia, se existem óbvias variações na postura destas mulheres, algumas delas assinaladas neste livro, há algo que sobressai na sua ação enquanto jornalistas: «O facto de cada uma delas intervir politicamente na sociedade, utilizando por vezes o jornalismo como forma de denúncia de situações que consideravam injustas», mas na sua qualidade de «cidadãs e não exclusivamente de mulheres» (p. 30). Por isso, se a autora não teve como objetivo, com esta seleção, considerar de alguma forma as suas entrevistadas como sendo representativas das mulheres jornalistas das décadas de 60 e 70 do século XX, conseguiu, por outro lado, deixar bem claro o importante papel que as seis mulheres escolhidas tiveram ao abrir caminho a uma renovação, ainda que lenta, nas redações dos jornais nacionais.

3A segunda parte do estudo, intitulada «Problemáticas», é preenchida por uma breve mas pertinente contextualização histórica acerca da oposição à ditadura de Salazar, salientando a ação de algumas mulheres neste âmbito (por exemplo, o papel da Comissão Feminina de Apoio à Candidatura de Norton de Matos ao exigir uma série de direitos para as mulheres). Por outro lado, esclarecem-se também algumas das principais questões desta investigação: as condições que possibilitaram o ingresso das mulheres nas redações, o modo como se relacionavam com os seus pares e «de que forma é que isso mudou — ou não —, e se contribuiu para uma maior consciência relativamente às questões formais de desigualdade» (p. 43).

4Na terceira parte da obra, a autora debruça-se, desta vez de forma mais pormenorizada, sobre o papel das mulheres no Estado Novo. Ventura aborda a luta mais vasta das mulheres pelos direitos fundamentais, referindo, por exemplo, as disparidades em termos jurídicos que se verificavam no estatuto de homens e mulheres e também no que respeitava ao acesso ao ensino, as quais, segundo a autora, viriam a ter consequências nas relações sociais entre os géneros. Refletindo precisamente acerca dessas relações, Isabel Ventura chama a atenção para duas publicações incontornáveis sobre a situação das mulheres em Portugal e no mundo: «A carta a uma jovem portuguesa», publicada no Jornal da Associação Académica de Coimbra (1961), e a obra Novas Cartas Portuguesas (1973). Compreensivelmente, é dado maior destaque à segunda, devido ao seu forte impacto, tanto em Portugal como no estrangeiro, assim como às consequências que a publicação trouxe às autoras, as «três Marias» (Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta). Sobre este episódio, fornece-nos também os interessantes testemunhos de Maria Teresa Horta, dizendo que apenas algumas colegas jornalistas concordavam com o conteúdo do livro, e também de Diana Andringa, que revela o impacto que as Novas Cartas Portuguesas tiveram entre os colegas homens. Este tipo de informações, extraídas das entrevistas realizadas pela autora, é, sem dúvida, determinante para transportar o leitor até ao espaço e ao tempo nos quais tudo isto aconteceu, constituindo uma das mais-valias deste trabalho. O mesmo se pode dizer sobre a contextualização política e social, uma preocupação constante da autora, que, de forma clara, nos fornece o panorama da época, cruzando-o, por vezes, com a trajetória das jornalistas, como acontece quando se refere à crise académica de 62, referindo a participação de Alice Vieira na greve de fome organizada por estudantes.

5A caracterização da imprensa no Estado Novo e das suas mutações revela-se essencial para compreendermos a chegada das mulheres às redações, as lutas contra os preconceitos dos seus colegas e, em alguns casos, contra a oposição das famílias, que não viam com bons olhos a sua entrada na profissão. Porém, como refere Ventura, «as jornalistas que entraram nas redações portuguesas na década de 60 beneficiam de uma conjuntura estrutural aberta a mudanças» (p. 99); vivia-se um momento de transformação nos jornais portugueses, de renovação de quadros, e estas mulheres acabariam por ser «bem acolhidas» nas redações. Embora identifiquem «alguma resistência baseada na crença da inadequação do trabalho ao seu sexo», uma vez que «os colegas veriam a sua liberdade de expressão (no interior das redações) cerceada pela existência de mulheres», os episódios que relatam são «sempre encarados como exceção» (p. 113). Esta é uma questão que deve ser relativizada, pois, tal como sublinha Isabel Ventura, as jornalistas identificam, efetivamente, alguma oposição «quando falam abstratamente [referindo-se ao grupo dos “jornalistas”], mas apenas excecionalmente quando pensam em nomes de pessoas cujas atitudes sejam discriminatórias» (p. 113). A luta pela igualdade entre géneros estava, naturalmente, inserida num combate mais vasto contra o regime e, também neste aspeto, estas mulheres conseguiram importantes conquistas, deixando de escrever exclusivamente em páginas femininas, de cultura ou suplementos juvenis e utilizando o jornalismo como «arma de intervenção», como refere, em entrevista, Maria Antónia Palla: «Eu, a Antónia de Sousa, a Edite Soeiro e também alguns homens tínhamos ideia de que o que escrevíamos minava o regime. E queríamos dar voz às pessoas que não a tinham. Tínhamos noção de que a imprensa era uma arma de intervenção» (p. 123).

  • 2 José Luís Garcia (2009), «Principais tendências de profissionalização dos jornalistas» in José Luís (...)
  • 3 Cf. José Rebelo (coord.) (2011), Ser Jornalista em Portugal. Perfis Sociológicos, Lisboa: Gradiva, (...)
  • 4 Cf. Filipa Subtil (2009), «Anotações sobre o processo de feminização da profissão de jornalista na (...)

6No final da terceira parte do livro, Isabel Ventura refere-se à identificação das jornalistas com o feminismo (apenas Alice Vieira e Edite Soeiro recusam essa ideia) e ainda à dificuldade que as mulheres tinham — e continuam a ter — em assumir cargos de chefia, algo reafirmado por todas as entrevistadas, exceto por Edite Soeiro. Ora, aqui, passadas quatro décadas, pouco parece ter mudado. Apesar do aumento significativo de mulheres nas redações — se entre 1950 e 1970 ingressavam na profissão «uma ou duas por ano»,2 em 1987 elas representavam 19,8% do universo dos jornalistas; em 1994, a proporção aumentou para 29,2%, situando-se, em 2009, nos 40,7% 3 — tal não se reflete na ocupação de cargos de chefia e de direção, área na qual os homens continuam a dominar.4 Mais uma vez, também neste campo, as seis mulheres retratadas foram uma exceção, pois todas elas assumiram cargos de chefia ao longo das suas carreiras.

7Finalmente, a última parte deste estudo é preenchida por breves perfis das jornalistas, permitindo-nos conhecer melhor os seus percursos pessoais e profissionais, encontrar pontos de convergência — como a experiência da maternidade e do matrimónio — e também diferenças, como o facto de apenas duas (Alice Vieira e Leonor Pinhão) pertencerem a famílias com tradições no jornalismo e somente três (Maria Antónia Palla, Leonor Pinhão e Alice Vieira) terem concluído as suas licenciaturas, sendo Edite Soeiro a única que não frequentou o ensino superior.

8Estamos, portanto, perante uma obra que nos revela um pouco do interior das redações dos jornais nos anos 60 e 70 e que, através dos vários episódios recolhidos pela autora nas entrevistas que realizou, nos permite também compreender melhor as relações entre jornalistas, homens e mulheres, sendo inevitável uma comparação com o que sucede nos dias de hoje. Há, todavia, um ponto que nos parece ter sido pouco explorado pela autora e que, em nosso entender, poderia enriquecer ainda mais este trabalho. Uma vez que o objeto de estudo é balizado entre o início dos anos 60 e o final dos anos 70, existe algum desequilíbrio no tratamento destas duas décadas. A contextualização político-social dos anos 60 é bem mais explorada do que o período pós-1974, sendo dada pouca relevância à transição para a democracia, um momento que, como se sabe, foi particularmente conturbado no jornalismo português e sobre o qual ainda subsistem inúmeras interrogações. Apenas dois exemplos disso: como é que as mulheres, que haviam chegado às redações, se adaptaram às mudanças na profissão que o novo regime acarretou? Houve alterações no relacionamento entre homens e mulheres jornalistas? Estas mulheres, excetuando Leonor Pinhão — porque entrou mais tarde na profissão — dariam com certeza um testemunho relevante sobre este período.

9Uma referência ainda ao prefácio, da autoria de Fernando Alves, ele próprio abrindo um pouco o seu livro de memórias, nomeadamente quando conta o seu encontro com duas destas jornalistas (Edite Soeiro e Diana Andringa) nos anos 70 e o episódio no qual lhe é passado um exemplar da obra Novas Cartas Portuguesas, proibida pelo regime. Este é um contributo precioso num livro que também tem que ver com experiências de vida.

  • 5 Cf., por exemplo, Fernando Correia e Carla Baptista (2007) Jornalistas do ofício à profissão. Mudan (...)

10Em suma, numa altura em que novos e importantes estudos sobre a história recente do jornalismo português vão sendo publicados, recorrendo a entrevistas orais como uma das suas fontes principais,5 este livro é mais uma relevante contribuição para a preservação da memória de um tempo, ajudando-nos a compreender melhor o jornalismo de ontem e o de hoje.

Topo da página

Notas

1 As jornalistas escolhidas foram: Alice Vieira, Edite Soeiro, Diana Andringa, Leonor Pinhão, Maria Antónia Palla e Maria Teresa Horta.

2 José Luís Garcia (2009), «Principais tendências de profissionalização dos jornalistas» in José Luís Garcia (org.), Estudos sobre os Jornalistas Portugueses: Metamorfoses e Encruzilhadas no Limiar do Século XXI, Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, p. 74.

3 Cf. José Rebelo (coord.) (2011), Ser Jornalista em Portugal. Perfis Sociológicos, Lisboa: Gradiva, pp. 45-47.

4 Cf. Filipa Subtil (2009), «Anotações sobre o processo de feminização da profissão de jornalista na década de 1990», in José Luís Garcia (org.), Estudos sobre os Jornalistas Portugueses: Metamorfoses e Encruzilhadas no Limiar do Século XXI, Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais: pp. 93-108.

5 Cf., por exemplo, Fernando Correia e Carla Baptista (2007) Jornalistas do ofício à profissão. Mudanças no jornalismo português (1956-1968), Lisboa: Caminho; João Figueira (2009) Jornalismo em Liberdade, Coimbra: Almedina; Fernando Correia e Carla Baptista (2010) Memórias Vivas do Jornalismo, Lisboa: Caminho; José Rebelo (coord) (2011) Ser Jornalista em Portugal. Perfis Sociológicos, Lisboa: Gradiva; Carla Baptista (2012) Apogeu, Morte e Ressureição da Política nos Jornais Portugueses. Do Século XIX ao Marcelismo, Lisboa: Escritório; Helena Lima (2012) A Imprensa Portuense e os Desafios da Modernização, Lisboa: Livros Horizonte.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Pedro Marques Gomes, « Isabel Ventura. As Primeiras Mulheres Repórteres. Portugal nos Anos 60 e 70 »Comunicação Pública, vol.8 n13 | 2013, 131-135.

Referência eletrónica

Pedro Marques Gomes, « Isabel Ventura. As Primeiras Mulheres Repórteres. Portugal nos Anos 60 e 70 »Comunicação Pública [Online], vol.8 n13 | 2013, posto online no dia 01 junho 2014, consultado o 30 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/cp/528; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.528

Topo da página

Autor

Pedro Marques Gomes

Instituto de História Contemporânea da FCSH-UNL

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search