Navegação – Mapa do site
Artigos

Websites partidários do Paraná, um estudo empírico comparado sobre a funcionalidade

Partisan websites, an empirical study compared on the functionality
Thiago Perez Bernardes de Moraes e Romer Mottinha Santos
p. 25-35

Resumos

A internet, a partir dos anos 1990, torna-se acessível à maior parte dos partidos políticos do mundo. Nesse sentido, esta ferramenta traz uma série de vantagens através dos seus hiperlinks, aumentando a quantidade de fluxos de informação, e também cultivando a participação. Nesse sentido, aplicámos a metodologia proposta por Braga et al. (2009) e por Iasulaitis (2007) para mensurar e comparar a funcionalidade dos websites partidários do Paraná. Os resultados apontam que: 1) a maior parte dos partidos do Paraná não tem website; 2) todos os websites analisados apresentam baixa funcionalidade; e 3) os partidos privilegiaram mais o site como uma ferramenta de informação e menos como um canal de comunicação.

Topo da página

Texto integral

1. Introdução

1A partir da década de 1990, a internet tem cada vez mais ganhado lugar entre as estratégias comunicativas dos partidos políticos do mundo inteiro, sobretudo por conta do seu baixo custo de acesso em comparação com outros meios de comunicação. Há que se considerar também que a internet possibilitou aos partidos ampliarem não só o fluxo de informação, mas também a velocidade de transmissão; não obstante, trouxe ferramentas também para o cultivo de comunicações mais interativas. Essa tendência também se reproduz, em alguma medida, no Brasil.

2Por conta disso, o objetivo deste trabalho é apresentar o resultado da nossa pesquisa sobre os websites partidários do Paraná. Neste trabalho, tabulamos e cruzamos os dados sobre websites partidários paranaenses com base na metodologia descrita em Braga et al (2009) e Iasulaitis (2007), que os analisa numa tabela de 32 pontos divididos em quatro categorias: 1) participação; 2) integração; 3) mobilização; e 4) informação.

3Este trabalho divide-se em cinco partes. Na segunda, traçamos uma discussão sobre websites de partidos; na terceira, expomos a nossa metodologia; na quarta, discutimos o resultado do estudo; e, na última parte, traçamos breves considerações finais.

2. Websites políticos, democracia e perspetivas

  • 1 No que diz respeito à comunicação política, os hiperlinks constituem um espaço único, principalment (...)

4A internet é um novo canal de comunicação, em ascensão contínua, e uma das consequências disso foi a proliferação de estudos interdisciplinares sobre as redes, os seus determinantes, os seus efeitos. Apesar de não haver um claro consenso sobre os diferentes conceitos de internet, todos se baseiam mais ou menos numa ideia de “rede das redes”, tendo como principal elemento estrutural o hiperlink. Através dos hiperlinks1 os usuários podem ter acesso a uma comunicação bilateralizada. A rede é composta por conexões entrelaçadas pelas quais ocorre o grande fluxo de mensagens. Neste ambiente, o site é como uma espécie de “nó” que determina a distribuição dos seus fluxos com base na quantidade e na disposição dos hiperlinks. A distribuição dessas variáveis pode levar um site a obter mais ou menos capital social, confiança, prestígio e/ou credibilidade para si mesmo e/ou para o ator social ou a organização que representa. Nesse sentido, um meio eficiente de interpretar a estrutura social e/ou a comunicação entre os atores sociais está em analisar a estrutura dos hiperlinks e dos sites em geral (Haythornthwaite, 2007; Petricek et al, 2006; Park, 2003).

  • 2 Joseph A. Schumpeter, na sua obra Capitalismo, Socialismo e Democracia, considera que a administraç (...)

5Há uma plêiade de teóricos, como James Madison, Stuart Mil, Robert Dahl, Benjamin Barber, David Held, entre outros, que concorda com o facto de a participação e o pluralismo serem condições mister para a democracia. Argumentam que a participação em massa é conditio sine qua non para a democracia representativa. Enquanto Mill argumenta que a participação na vida cívica (ao invés de relegar esse direito) leva ao crescimento da estrutura social como um todo, de outro lado há também um convincente argumento schumpeteriano, que coloca não só em xeque a qualidade da participação cívica, como, no limite, sugere que o papel dos cidadãos deve ser limitado, destinado principalmente a cumprir com a eleição periódica dos representantes parlamentares e a exercer algum nível de fiscalização ao Governo.2 De toda a forma, independentemente do status quo desta discussão, os websites de partidos políticos são ferramentas que podem, em alguma medida, ampliar o grau de pluralismo (em termos mundiais), considerando que, sobretudo na ultima década, as comunicações sofreram grandes mudanças nas sociedades pós-industriais (Loader, 2007; Norris, 2003).

6A possibilidade de um partido político ter um site gratuito torna-se interessante, sobretudo em contextos nos quais o custo da comunicação (dentro ou fora de períodos eleitorais) é bastante elevado. Em cenários nos quais o acesso ao direito de radiofusão é facilitado ou gratuito, os sites de partidos políticos também se assumem como uma interessante ferramenta; afinal, a internet pode disponibilizar um ambiente mais hospitaleiro para a divulgação de ideias políticas, sobretudo por não contar com uma autoridade central que regulamente e imponha limites aos sites políticos (Norris, 2003). Tanto num contexto como no outro, a partir dos anos 1990, em todo o mundo, a internet tornou-se amplamente acessível à maioria dos partidos políticos. Há pelo menos cinco vias através das quais um website pode maximizar o potencial de comunicação de um partido: 1) aumentando o volume da informação que pode ser veiculada; 2) aumentando a velocidade de comunicação; 3) aumentando a possibilidade de formatos (aqui podemos ter qualquer formato, com textos, fotos, áudios, vídeos; 4) a direção dos fluxos de informação e comunicação pode ser unidirecional ou bidirecional ‒ em ambos os casos, a internet pode melhorar significativamente as comunicações interativas ‒; 5) o controle da informação é descentralizado, sobretudo no acesso, o que dá mais autonomia aos indivíduos para enviarem e receberem comunicações (Small, 2008; Conway, e Dorner, 2004).

7A maior parte da agenda de pesquisas sobre websites partidários concentra-se geralmente numa das duas vias mais recorrentes: 1) explicar como os partidos políticos usam a internet; 2) explicar a diferença, quando ela existe, no que diz respeito à possibilidade de novos atores entrarem no sistema político por meio desta ferramenta (Ackland, e Gibson, 2004).

8Ao que parece, a maioria dos estudos empíricos aponta uma tendência relativamente aos websites partidários: eles tendem a privilegiar o seu uso como ferramenta de informação, mas isso à revelia ‒ em alguns casos, praticamente plena ‒ dos recursos de interatividade (Schweitzer, 2002).

3. Metodologia

  • 3 Alguns partidos utilizam um blogue como opção de site do diretório estadual; no entanto, não os inc (...)

9 Neste trabalho utilizamos a tabulação sugerida por Iasulaitis (2007) e por Braga et al. (2009), no âmbito da qual são coletados os dados de 13 websites de partidos políticos, com registo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que possuem o website institucional dos diretórios estaduais do Paraná em funcionamento [online] até à data desta recolha de dados, realizada no mês de abril de 2013.3 A preocupação para a recolha de dados reside na definição de uma série de normas para que o instrumental utilizado no registo de mensuração de dados tenha validade e confiabilidade. A abordagem quantitativa dos fenómenos na recolha de dados é a quantificação aproximada, sem permitir uma medição extra, mas com expressão matemática significativa (Barros, e Lehfeld, 2012, p. 70-71).

  • 4 Devido à atualização, cada dia mais constante, dos websites e da internet em geral, os critérios da (...)

10 Os partidos selecionados são os seguintes: DEM, PT, PMDB, PSDB, PSC, PRP, PPS, PV, PTN, PEN, PSOL, PRB, PTC.4 As análises empregadas foram as de caraterísticas funcionais, que consistiram em selecionar:

  1. participação – elementos para gerar interesse político e interação entre os usuários da internet (ex.: envio de e-mails, troca de impressões e sondagens);

  2. integração/networking – estruturas que servem para coordenar a comunicação partidário-eleitoral interna e embuti-la na World Wide Web (ex.: hyperlinks para outros websites);

  3. mobilização – opções úteis para ativar o apoio partidário dos usuários da internet (ex.: voluntariado);

  4. informação – caraterísticas da apresentação e da distribuição de informação sobre os candidatos, os partidos, os programas de governo, eventos políticos e documentos diversos (Iasulaitis, 2007, p. 14-15).

11 Estas variáveis possibilitam identificar a qualidade dos websites partidários paranaenses, permitindo verificar como é proporcionado ao internauta o acesso aos websites e, por comparação, verificar que partidos têm a organização dos websites em melhores condições de princípios democráticos.

Quadro 1 – Relação dos partidos com websites de diretórios estaduais

Partido

Website

Democratas (DEM)

http://www.democrataspr.org.br

Partido dos Trabalhadores (PT)

http://www.pt-pr.org.br

Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)

http://pmdbpr.org.br

Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)

http://www.psdb-pr.org.br

Partido Social Cristão (PSC)

http://www.pscparana.com.br

Partido Republicano Progressista (PRP)

http://www.prp-pr.org.br

Partido Popular Socialista (PPS)

http://www.ppspr.org.br

Partido Verde (PV)

http://www.verde.org.br

Partido Trabalhista Nacional (PTN)

http://www.ptn.org.br/​estados/​pr/​

Partido Ecológico Nacional (PEN)

http://www.partidoecologiconacional.com.br

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)

psolpr.org.br

Partido Republicano Brasileiro (PRB)

www.prb10pr.org.br

Partido Trabalhista Cristão (PTC)

ptcparana.com.br

4.Resultados

Fonte: Elaboração dos autores

12 Três pontos são especialmente críticos nesta amostra. O primeiro é o número de partidos que não entraram nesta recolha: dos 30 partidos que têm registo no TSE, apenas 13 tinham website partidário regional, ou seja, a maior parte deles, 17, não se preocupou em criar um domínio WWW.

13O segundo ponto é a baixa pontuação em termos de funcionalidade que os partidos da nossa recolha tiveram: dos 33 pontos da nossa tabela, a média de pontuação dos 13 partidos foi de 9,15, ou seja, menos de 1/3 da pontuação máxima. O terceiro ponto é que em todas as quatro categorias ‒ participação, integração, mobilização e informação ‒, os partidos obtiveram menos de metade da pontuação máxima.

14Podemos agrupar os resultados em três tipos: em primeiro lugar, o PT (17), o PPS (15) e o PV (13); em segundo lugar, o PRP (12), o PTC (10), o PSC (10) o PSC (9), o PSOL (9) e o DEM (9); e, na terceira categoria, temos o PTN (6), o PEN (5) e o PMDB (4).

15A categoria na qual os partidos menos pontuaram foi a “Participação”: dos 12 pontos, em média os partidos cumpriram apenas 19% deles. O padrão aqui é mais ou menos homogéneo.

16Tabela 1 – Categoria “Participação”

Item

DEM

PT

PMDB

PSDB

PSC

PRP

PPS

PV

PTN

PEN

PSOL

PRB

PTC

permite enviar e-mail

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

envia resposta padrão (automática) às mensagens e solicitações

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

envia resposta personalizada da mensagem

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

assinatura de manifestos ou abaixo-assinados online

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

permite assinar livro de visitas

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

1

0

permite publicação de opiniões online (postar mensagens)

0

0

0

0

0

0

1

1

0

0

1

0

0

existe sala de chat (chat room) com acesso restrito

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

existe sala de chat, permanente e em tempo real, de acesso geral

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

há sala de chat com moderador

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

permite comentar notícias

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

1

0

0

disponibiliza inquéritos

0

0

0

0

0

0

1

1

0

0

0

0

0

permite registo para recebimento de boletim

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

Soma “Participação”

2

2

2

2

2

2

4

4

2

2

4

3

2

Fonte: Elaboração dos autores

  • 5 Definimos web 2.0 como uma plataforma com uma série de vantagens intrínsecas (em comparação à web 1 (...)

17A outra categoria que menos obteve pontuação foi a “Integração”: dos 6 pontos, os partidos fizeram uma média de 1,8, ou seja, 30%. Por conta desta categoria, e também da categoria “Participação”, concluímos parcialmente que os websites partidários do Paraná têm dificuldade em estabelecer um padrão de comunicação 2.0, 5; assim, a comunicação tende a ter um fluxo menos bilateralizado.

Tabela 2 – Categoria “Integração”

Item

DEM

PT

PMDB

PSDB

PSC

PRP

PPS

PV

PTN

PEN

PSOL

PRB

PTC

link ou referência à comunidade virtual (p. e. Facebook)

1

1

0

1

1

1

1

1

0

0

1

0

1

link ou referência a blogue do partido

0

1

0

0

0

0

0

0

1

0

0

0

0

link para websites partidários

0

1

0

0

0

1

1

1

1

1

1

1

0

links comerciais

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

links ou referência a organização da informação mediática

0

1

0

0

1

1

1

1

0

0

0

0

0

links para outras organizações (educação, trabalho, sistemas de busca, etc)

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

Soma “Integração”

1

4

0

1

2

3

3

3

2

1

2

1

1

Fonte: Elaboração dos autores

18 Na categoria “Mobilização”, os partidos pontuaram mais do que nas outras duas, totalizando uma média de 44% da nota máxima. Aqui, assim como nas demais categorias, o padrão foi mais ou menos homogéneo.

Tabela 3 – Categoria “Mobilização”

Item

DEM

PT

PMDB

PSDB

PSC

PRP

PPS

PV

PTN

PEN

PSOL

PRB

PTC

calendário de eventos

0

1

0

0

1

1

1

0

0

0

0

0

0

download de spots partidários

0

1

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

contribuição financeira/doações online

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

1

0

voluntariado online

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

secções temáticas (juventude, mulher, negros)

1

1

0

1

1

0

1

1

0

0

1

0

1

web rádio

0

1

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

Soma “Mobilização”

2

4

0

2

4

4

5

4

2

1

3

2

2

Fonte: Elaboração dos autores

19 Por fim, a quarta categoria, “Informação”, foi a que os partidos mais pontuaram, obtendo uma média de 47% dos pontos totais. Ao que parece, o facto de as categorias “Mobilização” e “Informação” terem sido mais pontuadas parece coincidir com a hipótese de os partidos tenderem a privilegiar a informação nos seus websites à revelia de uma melhor arquitetura participativa (Schweitzer, 2002).

Tabela 4 – Categoria “Informação”

Item

DEM

PT

PMDB

PSDB

PSC

PRP

PPS

PV

PTN

PEN

PSOL

PRB

PTC

história do partido

1

1

0

1

1

1

1

1

0

0

0

1

1

endereço da sede do partido

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

telefone ou e-mail para contacto

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

1

informações sobre filiação na página inicial

1

1

0

1

0

1

1

1

0

0

0

0

1

editorial/palavra do presidente do partido

0

1

0

0

0

1

1

0

0

0

0

0

1

vídeos do horário eleitoral

1

1

0

1

1

1

1

1

0

0

0

0

1

páginas em inglês

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

organograma do partido

0

1

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

acessibilidade para deficientes

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

Soma “Informação”

5

7

2

5

4

6

6

5

2

2

2

3

6

Fonte: Elaboração dos autores

5. Considerações finais

20 Apesar de a internet representar uma grande oportunidade para os partidos políticos ampliarem os seus fluxos de comunicação, de forma menos centralizada e mais autónoma, e não obstante o facto de poderem utilizar uma ampla gama de formatos, ao que parece os partidos políticos do Paraná não incluíram os websites partidários como estratégia geral. Veja-se que, dos 32 partidos que têm registo no TSE, apenas 13 no Paraná possuem website partidário regional. Outro ponto é que, ao que parece, os websites partidários do Paraná seguem a tendência internacional (Schweitzer, 2005), ou seja, privilegiam a informação e negligenciam, em alguma medida, a arquitetura da participação. Isso fica evidente com dois números da nossa pesquisa: primeiro, a média de 19% apresentada por todos os partidos na categoria “Participação” (a mais baixa entre as categorias); segundo, a média de 47% da categoria “Informação” (ainda que baixa, é a categoria mais pontuada).

21 Entendemos que esse resultado compromete, em alguma medida, o desenvolvimento de uma web 2.0 nos websites partidários do Paraná, o que torna o fluxo da comunicação uma via de mão única com pouca possibilidade, tendendo a diminuir as vias de participação e, por sua vez, a enfraquecer o potencial pluralista e democrático dessa ferramenta.

22 Em futuros estudos iremos replicar essa metodologia para o estudo comparativo dos websites regionais de todo o sul do Brasil, ou seja, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Topo da página

Bibliografia

Ackland, R., e Gibson, R. (2004, abril), “Mapping political party networks on the WWW”, in Australian Electronic Governance Conference, pp. 14-15.

 Barros, A. D. J. P., e Lehfeld, N. A. (2012), Projeto de Pesquisa: Propostas Metodológicas, Vozes.

Braga, S. S., Nicolás, M. A, e França, A. S. T. (2009), “Os partidos brasileiros e a internet, uma avaliação dos websites dos partidos políticos do Brasil”, Revista de Sociologia e Política, 17(34), pp. 183-208.

Brown, R. (2009), Public Relations and the Social Web: How to Use Social Media and Web 2.0 in Communications, Kogan Page.

Conway, M., e Dorner, D. (2004), “An evaluation of New Zealand political party websites”, Information Research, 9(4), pp. 9-4.

Haythornthwaite, C. (2007), “Social networks and online community”, The Oxford Handbook of internet Psychology, pp. 121-137.

Iasulaitis, S. (2006), “A internet pode revigorar as eleições? Um estudo das campanhas virtuais presidenciais do pleito de 2006”, Encontro anual da ANPOCS, 31.

Loader, B. (ed.) (2007), Young Citizens in the Digital Age: Political Engagement, Young People and New Media, Psychology Press.

Norris, P. (2003), “Preaching to the converted? Pluralism, participation and party websites”, Party Politics, 9(1), pp. 21-45.

O’Reilly, T. (2007), “What is Web 2.0: Design patterns and business models for the next generation of software”, Communications & Strategies, (1), 17.

Park, H. W. (2003), “Hyperlink network analysis: A new method for the study of social structure on the web”, Connections, 25(1), pp. 49-61.

Petricek, V., Escher, T., Cox, I. J., e Margetts, H. (2006), “The web structure of e-government-developing a methodology for quantitative evaluation”, in Proceedings of the 15th International Conference on World Wide Web, pp. 669-678, ACM.

Schumpeter. J. A. (1961), Capitalismo, Socialismo e Democracia, Rio de Janeiro, Editora Fundo de Cultura.

Schweitzer, E. J. (2005), “Election Campaigning Online German Party Websites in the 2002 National Elections”, European Journal of Communication, 20(3), pp. 327-351.

Small, T. A. (2008), “Equal access, unequal success—major and minor Canadian parties on the net”, Party Politics, 14(1), pp. 51-70.

Topo da página

Notas

1 No que diz respeito à comunicação política, os hiperlinks constituem um espaço único, principalmente no que concerne à qualidade “relacional”, na qual os atores políticos podem construir relações e angariar capital social e político (Ackland, e Gibson, 2004).

2 Joseph A. Schumpeter, na sua obra Capitalismo, Socialismo e Democracia, considera que a administração de assuntos públicos requer qualidades e técnicas especiais e terá, consequentemente, de ser confiada aos especialistas. Pois as grandes questões políticas tomam o seu lugar na economia psíquica do cidadão típico lado a lado com os interesses das horas de lazer, que não atingiram ainda a posição de hobbies, e com assuntos sem importância. Esse senso de realidade reduzido não só explica a existência de um reduzido senso de reponsabilidade, como também mostra a ausência de uma vontade eficaz (Schumpeter, 1961, p. 300-320).

3 Alguns partidos utilizam um blogue como opção de site do diretório estadual; no entanto, não os incluímos nesta pesquisa, assim como no caso das redes sociais, como o Facebook, o Twitter e outras.

4 Devido à atualização, cada dia mais constante, dos websites e da internet em geral, os critérios da recolha de dados não nos permite aplicar uma pesquisa quantitativa rigorosa. Na altura do término deste trabalho, os websites dos partidos no Paraná já poderão apresentar mudanças significativas para os resultados da pesquisa, assim como já poderão existir novos websites online. Então, consideramos pertinente a pesquisa para efeitos comparativos, que permitirá verificar em recolhas de dados ulteriores quais as mudanças e as evoluções nos websites partidários.

5 Definimos web 2.0 como uma plataforma com uma série de vantagens intrínsecas (em comparação à web 1.0), sobretudo no que diz respeito à arquitetura da participação (Brown, 2009; Oreilly, 2007). Ao que parece, no nosso estudo, as categorias que mais abrangem os quesitos da web 2.0 são a “Participação” e a “Integração”.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Fonte: Elaboração dos autores
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/558/img-1.png
Ficheiros image/png, 99k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Thiago Perez Bernardes de Moraes e Romer Mottinha Santos, « Websites partidários do Paraná, um estudo empírico comparado sobre a funcionalidade »Comunicação Pública, vol.8 n14 | 2013, 25-35.

Referência eletrónica

Thiago Perez Bernardes de Moraes e Romer Mottinha Santos, « Websites partidários do Paraná, um estudo empírico comparado sobre a funcionalidade »Comunicação Pública [Online], vol.8 n14 | 2013, posto online no dia 01 junho 2014, consultado o 10 julho 2020. URL: http://journals.openedition.org/cp/558; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.558

Topo da página

Autores

Thiago Perez Bernardes de Moraes

 

 

Universidad Argentina John Fitzgerald Kennedy

 

thiagomoraessp@hotmail.com

Artigos do mesmo autor

Romer Mottinha Santos

Universidade Federal do Paraná

romermottinha@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals