Navegação – Mapa do site
Notas de leitura / Recensões

Recensão do livre de Dennis Tourish. The Dark Side of Transformational Leadership: A critical perspective

Sandra Miranda
p. 151-153
Referência(s):

The Dark Side of Transformational Leadership: A critical perspective, Dennis Tourish, Nova Iorque, Routledge, 2013, (244 páginas)

Texto integral

1Estávamos em finais dos anos 70 do século passado quando John Miner, ao participar num simpósio levado a cabo pelo Centro de Estudos da Universidade de Illinois, surpreendeu a academia ao afirmar que o conceito de liderança organizacional tinha esgotado toda a sua utilidade, devendo por isso ser abandonado a favor de um outro mais frutífero! Pese embora o vigor da crítica, Miner ecoava o desapontamento e a desilusão de uma massa crescente de investigadores que, perante uma amálgama interminável de teorias e investigações, não se conformava com a falta de visão comum e com a ausência de concretização viva que os diversos estudos emanavam.

2Na verdade, e sabendo do clássico fascínio que o tema tem concitado em seu redor, é curioso verificar que, passadas mais de três décadas sobre a provocação de Miner, as novas receitas que os estudos em liderança foram prescrevendo não debelaram algumas das maleitas acima identificadas, daí que quem se aventure a obter uma visão crítica e rigorosa do campo tem pela frente a hercúlea e labiríntica tarefa de conhecimento, confronto e integração de conceitos e propostas, por vezes, contraditórias.

  • 1 Burns, J. (1978), Leadership. Nova Iorque: Harper & Row.
  • 2 Bass, B. (1985), Leadership and Performance Beyond Expectations. Londres: Free Press.

3Aquilo que Tourish propõe em The Dark Side of Transformational Leadership: A Critical Perspective nasce precisamente da avaliação de que “os estudos em liderança são parte do problema e não a sua solução” (p. 200), boicotando o lançamento e a consolidação das bases de um trabalho mais sério sobre o tema. Tendo como pano de fundo o contexto desconcertante de mudanças constantes e inusitadas que caraterizam as atuais paisagens competitivas nas quais as empresas contemporâneas se movem, e os consequentes desafios que implicam para o exercício da liderança, o autor foca-se essencialmente no célebre e aclamado modelo teórico Transformacional de Liderança, inaugurado por Burns1 (1978) e popularizado por Bass2 (1985), preconizando uma conceção assética, heroica e romanceada do líder eficaz como alguém que constrói e define a realidade com a sua visão apelativa de futuro, que implementa mudanças fortes e significativas nas organizações, que eleva e direciona as expetativas e as motivações dos colaboradores para objetivos comuns.

  • 3 Como indicador da sua popularidade, Tourish indica que, só em 2012, encontrou mais de 4600 livros s (...)

4Embora sem desvalorizar os aspetos construtivos e funcionais retratados pelos milhares de estudos publicados por todo o mundo,3 Tourish ‒ valendo-se da sua vasta experiência enquanto académico e consultor ‒ vem pôr a descoberto a face mais sombria de Janus, salientando que esta perspetiva assética, virtuosa e edílica de liderança tem escamoteado, por completo, o lado abusivo, tóxico e disfuncional que, no limite, a ação transformacional pode encerrar, prejudicando os colaboradores, as organizações e, por vezes, a própria sociedade. Trata-se de superar um dos maiores equívocos que a literatura tem protelado, já que compreender a liderança somente pelo seu lado positivo é igual a estudar a condição humana saudável, desconhecendo a natureza da doença!

5Procurando fazer a articulação entre uma vertente teórica e outra de cariz mais operacional ‒ que desemboca na divisão da obra em duas partes distintas ‒, assistimos, na primeira parte, a um crítico revisitamento concetual das dimensões e dos comportamentos mais emblemáticos que o modelo transformacional advoga. Ao escalpelizar e desconstruir teoricamente as idiossincrasias da consideração individualizada, da estimulação intelectual e do carisma, Dennis Tourish, socorrendo-se amiúde de investigações da sua autoria, confronta-nos com o lado mais obscuro e perverso desses atributos, mostrando em que medida podem ser metamorfoseados em poderosas armas letais, que o líder, narcisicamente, maneja com o fito de obter ganhos e benefícios pessoais. Provavelmente o exemplo mais paradigmático advém da dimensão carismática do líder, já que o tão propalado magnetismo pessoal, o fervor e a excitação produzidos pelos apelos emocionais e pela retórica visionária podem conduzir àquilo que o autor denomina de “efeito Hitler”, isto é, a uma adoração cega do herói, a um culto doentio da sua personalidade ao serviço de objetivos e valores perigosos. De resto, e por considerar que as investigações em liderança fogem à realidade economizando na verdade dos factos, na segunda parte da obra, Tourish providencia estudos de caso reais (ex.: tragédia de Jonestow; o colapso da Ernon), mundialmente conhecidos, nos quais é dado rosto e corpo aos perigos da atuação carismática e transformacional.

6Note-se, contudo, que o autor não se limita a criticar os modelos teóricos vigentes ou a “apontar o dedo” aos equívocos coletivos protelados pelos inúmeros trabalhos que se têm debruçado sobre o tema; pelo contrário, assistimos na parte conclusiva do livro à tentativa de edificação de uma nova abordagem de liderança conferindo um lugar de destaque à figura do subordinado, conceptualizando-o não como um delfim que aceita passivamente as demandas do líder e a sua visão simplista do mundo, mas como um elemento que participa ativa e genuinamente no processo de influência, que contribui para o processo de tomada de decisão, que negoceia, valida (ou mesmo, refuta) o sentido e o significado de realidade partilhada. O subordinado que assiste dá lugar ao colaborador que interroga!

7 Estamos na presença de uma obra iconoclasta, cuidadosamente investigada e articulada, bibliograficamente muito bem suportada. O vasto conjunto de exemplos, casos práticos e pistas para discussão faz com que este livro não se esgote na primeira leitura. Crítico, provocador e desconfortável, um must read para todos aqueles que estudam e praticam a difícil arte da liderança!

Topo da página

Notas

1 Burns, J. (1978), Leadership. Nova Iorque: Harper & Row.

2 Bass, B. (1985), Leadership and Performance Beyond Expectations. Londres: Free Press.

3 Como indicador da sua popularidade, Tourish indica que, só em 2012, encontrou mais de 4600 livros sobre o tema em amazon.com.uk e 82 000 títulos no Google académico.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Sandra Miranda, « Recensão do livre de Dennis Tourish. The Dark Side of Transformational Leadership: A critical perspective »Comunicação Pública, vol.8 n14 | 2013, 151-153.

Referência eletrónica

Sandra Miranda, « Recensão do livre de Dennis Tourish. The Dark Side of Transformational Leadership: A critical perspective »Comunicação Pública [Online], vol.8 n14 | 2013, posto online no dia 07 fevereiro 2014, consultado o 12 julho 2020. URL: http://journals.openedition.org/cp/613

Topo da página

Autor

Sandra Miranda

Escola Superior de Comunicação Social (IPL)

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals