Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVol.9 n15DocumentosIntrodução a “Propaganda pela acç...

Documentos

Introdução a “Propaganda pela acção” (1877) de Paul Brousse

João Tiago Proença

Notas da redacção

Por decisão do autor, a norma bibliográfica utilizada é a NP405.

Texto integral

  • 1 Paul Brousse (1844-1912), médico de formação, juntou-se à causa anarquista. Em 1879 é preso, o que (...)
  • 2 Apesar de identificada a expressão e o autor, várias exposições gerais do anarquismo não referem de (...)
  • 3 Guillaume, J., L’internationale, documents et souvenirs (1864-1878), Tomo 4, P.V. Stock, 1910, p. 2 (...)

1A 5 de Agosto de 1877, Paul Brousse1 assina, no Bulletin de la Fédération Jurassienne, o texto, agora traduzido, intitulado La Propagande par le fait. O artigo põe em circulação a expressão2. A paternidade pode, no entanto, ser alheia. Segundo James Guillaume, terá sido o anarquista italiano Andrea Costa a cunhar a expressão, durante uma conferência precisamente intitulada propaganda pela acção, que teve lugar em Genebra. Escreve Guillaume: “A lotaria que se seguiu à conferência foi muito frutuosa. Permitiu-nos fazer vir o companheiro Costa, Sábado, 9 de Junho, para nos dar uma conferência em francês sobre o tema: a propaganda pela acção”.3 Desconhece-se o conteúdo da conferência de Costa, mas o tema estava no coração do pensamento revolucionário: tratava-se de esclarecer os trabalhadores, para que estes fossem os agentes da sua emancipação.

  • 4 O que se segue apoia-se na segunda parte do artigo “Política da Internacional”, II, L’Égalité, nº 3 (...)
  • 5 Que a propaganda pela acção derivava do revolucionário russo, não escapou a Silva Mendes no seu Soc (...)

2O marxismo resolvia o problema através da unidade da teoria e da prática, com todas as mediações habituais: consciência de classe e o Partido como vanguarda da classe operária; já o anarquismo encontra aqui algumas dificuldades, dada a recusa do centralismo marxista. Bakunine confronta-se com o problema num artigo publicado no periódico L’égalité4. A massa operária é incapaz de se esclarecer porque lhe faltam as condições práticas, e porque o esgotante trabalho quotidiano a torna “ignorante” e “miserável”; o “operário isolado é demasiadamente esmagado pelo seu trabalho e pelas suas preocupações diárias para que tenha tempo suficiente para dedicar à instrução”, e falta-lhe por isso “o pensamento socialista”. O que não lhe falta é “a necessidade real das aspirações socialistas”, significando isto que “a massa operária” é “socialista sem o saber”. A questão que se colca é a de saber quem poderia ser já socialista no pensamento para esclarecer a massa, torná-la consciente, “dar-lhe [ao trabalhador] plena consciência […], fazer nascer nele um pensamento que corresponda ao seu instinto, pois, a partir do momento em que o pensamento das massas operárias seja elevado ao nível do seu instinto, a sua vontade será decidida e a sua força tornar-se-á irresistível”. Mas, se a sociedade ainda não está moralizada, a instrução e a propaganda, o “pensamento socialista”, viriam de fora – produto importado relativamente às necessidades dos trabalhadores – e não teriam a chancela de origem proletária. Ora, tal como Marx já apontara na terceira das Teses sobre Feuerbach, também Bakunine verifica que a sociedade ficaria dividida em duas, cabeça e braços, em que uma pensa e esclarece a outra, necessariamente contra os interesses dela. A emancipação deve ser, pois, prática. “Qual pode e deve ser esta prática? É só uma. É a da luta solidária dos operários contra os patrões. São os sindicatos, a organização e a federação dos núcleos de resistência.”5

  • 6 Num periódico anarquista português, Os bárbaros, n.º1, 1895, em texto intitulado A propaganda pelo (...)

3Para Brousse, trata-se antes de motivar para a luta, na medida em que, permanecendo teórica, a propaganda é ineficaz, e, por outro lado, a acção da vanguarda consciente, enquanto organização, congrega os já convencidos e é rotineira. A acção deve realizar hic et nunc, em pequena escala, a emancipação completa, tornando compreensível na vida o que a propaganda teórica só pode fazer em palavras. Tudo se passa como se, para Brousse, os hábitos e a alienação teórica, além da prática, impossibilitassem que o mundo antigo se juntasse ao novo – o anquilosamento das gerações mais velhas impermeabilizá-las-ia por completo quanto à propaganda teórica6. A propaganda pela acção seria assim a aula prática, que, em si, não implica violência. A nova organização da vida, porém, comporta a destruição da organização da antiga, e aqui intervém a violência, que é a violência do parto revolucionário.

  • 7 A questão do atentado é vastíssima. Refira-se somente a este propósito que, à época, o problema con (...)

4Mas Brousse introduz uma nota que fará fortuna. É preciso, afirma, chamar a atenção de homens cujos modos de vida os afastam da propaganda teórica. Os actos devem ser espectaculares, será a lição que alguns tirarão a partir do congresso de Londres de 1881, inaugurando assim a deriva terrorista do anarquismo, onde a finalidade do atentado passará a ser a sua repercussão pública – a propaganda pela acção torna-se atentado7.

Topo da página

Notas

1 Paul Brousse (1844-1912), médico de formação, juntou-se à causa anarquista. Em 1879 é preso, o que o terá levado a rever as suas posições políticas anteriores, tendo evoluído para o reformismo possibilista. Depois de uma longa carreira política, regressou, no fim da vida, à medicina psiquiátrica.

2 Apesar de identificada a expressão e o autor, várias exposições gerais do anarquismo não referem de todo Brousse, como é o caso de Joll, J., Anarquistas e Anarquismo, Lisboa: Dom Quixote, 1970 [1964], ainda que dedique todo um capítulo (III Parte, cap. V, pp.135-172) a “Terrorismo e propaganda pela acção”. Em português a melhor exposição geral (e também sobre Brousse) continua a ser Woodscock, G., O Anarquismo, Lisboa: Editora Meridiano, 1971 [1962].

Apesar de o conceito ter sido cunhado nessa altura, independentemente do rigor na identificação do seu autor, ele surgira já na pena de Carlo Pisacane (1818-1857), militar italiano anarquista, oriundo de uma família nobre empobrecida. No seu Testamento Político, afirma que “[…] esta minha convicção nasce de outra, a saber, que a propaganda da ideia é uma quimera, que a educação do povo é um absurdo. As ideias resultam dos factos, e não estes daqueles, e o povo não será livre quando for educado, mas será educado quando for livre. Que a única obra que um cidadão pode fazer para ajudar o país é cooperar na revolução material, por isso as conspirações, as conjuras, as tentativas, etc. são a sequência de factos através dos quais a Itália avança para a sua meta. O reluzir da baioneta de Milão foi uma propaganda mais eficaz que mil volumes escritos por doutrinários, que são a verdadeira peste do nosso, como de todos os países.” (“Testamento Político”, inSaggio sulla rivoluzione”. Bolonha: Libreria Treves, 1894, p. 267.

A expressão foi traduzida inicialmente por “propaganda pelo facto” (cf. nota 4), mas caiu em desuso e foi substituída pela forma, hoje canónica, propaganda pela acção; a tradução adopta este traslado.

3 Guillaume, J., L’internationale, documents et souvenirs (1864-1878), Tomo 4, P.V. Stock, 1910, p. 206. Mais à frente, Guillaume, redactor do Bulletin, conjuntamente com Brousse, resume o artigo, transcrevendo extensos excertos (pp. 224-227).

4 O que se segue apoia-se na segunda parte do artigo “Política da Internacional”, II, L’Égalité, nº 30, 14 de Agosto de 1869 (trad. port. O socialismo libertário, Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1976, pp. 63-68).

5 Que a propaganda pela acção derivava do revolucionário russo, não escapou a Silva Mendes no seu Socialismo libertário ou Anarquismo: história e doutrina, 1896. No capítulo V desta obra, intitulado A propaganda pelo facto, escreve o autor “A propaganda anarquista pelo facto data propriamente dos últimos anos da evangelização de Bakunine”. E mais à frente: “Note-se, porém, que Bakunine nunca preconizou a propaganda pelo facto individual. O seu ideal revolucionário era a ‘insurreição armada das comunas’ – o que diverge em muito da pretendida teoria moderna da propaganda pelo facto individual com acompanhamento de bombas! Não obstante, os actuais anarquistas militantes podem reivindicar a figura de Bakunine para a galeria dos seus ascendentes; porque, embora tenham desvirtuado o processo recomendado pelo mestre, generalizando-o ao atentado, conservam o princípio mecanista do amorfismo pela pan-destruição” – respectivamente, pp. 155 e 157 (ortografia actualizada).

6 Num periódico anarquista português, Os bárbaros, n.º1, 1895, em texto intitulado A propaganda pelo facto e assinado Tin-Tin (pp.7-10), ecoa o mesmo conflito de gerações: “A propaganda pelo facto é legítima e necessária; é o tiro de alarme que vai despertar os espíritos, fazê-los reflectir e decidir, anunciar à humanidade a sua redenção e fazer tremer os covardes, é o ponto luminoso onde as gerações futuras fixarão a vista e as guiará na conquista do bem. Os velhos, os conservadores, os favorecidos, são impenetráveis aos sentimentos que engrandecem a alma e à luz da verdade que a esclarece. São os novos que encetando o caminho da vida hão-de libertar a humanidade, armando o espírito de princípios inabaláveis e o corpo da arma que for mais eficaz conforme o lugar e a ocasião” (ortografia actualizada).

Sobre a “propaganda pelo facto” em Portugal, cf. Ventura, A., Anarquistas, Republicanos e socialistas em Portugal: as convergências possíveis (1892-1910). Lisboa: Edições Cosmos, 2000, especialmente pp. 84-108.

7 A questão do atentado é vastíssima. Refira-se somente a este propósito que, à época, o problema consistia na distinção entre anarquistas revolucionários (“a insurreição armada das comunas”) e anarquistas terroristas, e nas possíveis mediações. Assim, Silva Mendes, op. cit., resumia entre nós o debate: “[…] não esqueçais que a grande massa daqueles que ligam actualmente uma importância ilimitada à expropriação individual – parte infinitesimal da expropriação colectiva – prefeririam participar numa acção colectiva, se tivessem ocasião. Fariam de bom grado melhor e mais. Trabalhemos em criar esta nova situação; pois estamos persuadidos de que aqueles que obram hoje como sentinelas perdidas, correrão a pôr a sua energia ao serviço do movimento colectivo” – pp. 172-173 (ortografia actualizada).

Não querendo ser uma mera recaída no assassínio político, embora não o excluísse como acção punitiva a adoptar em casos pontuais, o atentado é o testemunho do bloqueio da acção insurreccional colectiva. Trata-se de um acto desesperado que mostra que, no Ocidente, a Revolução deixou de ser possível depois da Comuna.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

João Tiago Proença, «Introdução a “Propaganda pela acção” (1877) de Paul Brousse»Comunicação Pública [Online], Vol.9 n15 | 2014, posto online no dia 30 junho 2014, consultado o 29 janeiro 2022. URL: http://journals.openedition.org/cp/709; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.709

Topo da página

Autor

João Tiago Proença

Escola Superior de Comunicação Social, Instituto Politécnico de Lisboa
joaotiagoproenca@yahoo.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search