Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVol.4 nº8 / nº7Nº8ArtigosA publicidade e a intenção de com...

Nº8
Artigos

A publicidade e a intenção de compra de alimentos funcionais

Carla Medeiros e Francisco Costa Pereira
p. 119-132

Resumo

A sociedade coloca cada vez mais no indivíduo a responsabilidade sobre o seu próprio corpo e sobre a sua saúde. Já não há doenças e epidemias que matem sem controlo; agora as doenças que mais mortos fazem podem ser evitadas simplesmente não fumando e não fazendo uma má alimentação. Comer de forma saudável, praticar desporto e ingerir alimentos que regulam o organismo – por exemplo sob a forma de iogurtes ou de bolachas ricas em fibras – é cada vez mais comum no nosso quotidiano, no qual, assim, têm cada vez mais importância os chamados Alimentos Funcionais.
Dentro deste contexto, o principal objectivo da presente investigação é o de tentar conhecer quais as dimensões que influenciam a compra de Alimentos Funcionais e em especial o papel que nela desempenha a publicidade. Para o efeito fomos inquirir 254 consumidores deste tipo de Alimentos e tentámos compreender como as variáveis pessoais relativas ao self e à auto-imagem, bem como as variáveis comunicacionais e de consumo, como o envolvimento, influenciavam as intenções de compra destes produtos.
Os resultados mostram que foi possível construir um modelo onde intervêm vários factores, desde os pessoais, como a imagem corporal, aos comunicacionais, como a publicidade, passando por aqueles que se relacionam com o consumo, como o tipo de decisões em termos de consumo e o envolvimento com este tipo de produtos por parte dos consumidores.

Topo da página

Texto integral

1«Que o teu Alimento seja o teu Medicamento
e que o teu Medicamento seja o teu Alimento
Hipócrates

1. Introdução

2A alimentação saudável, o desporto, os suplementos alimentares, os alimentos bio, os iogurtes que ajudam o organismo, os complementos que retardam o envelhecimento cutâneo e até mesmo as pequenas cirurgias vulgarizaram-se no século XXI. Existe hoje, nos países ocidentais, uma cada vez maior democratização deste tipo de práticas e de produtos: o seu acesso é cada vez mais fácil, o preço cada vez mais baixo e a sua divulgação cada vez maior. A sociedade coloca cada vez mais no indivíduo a responsabilidade sobre o seu próprio corpo e sobre a sua saúde. Já não há doenças e epidemias que matem sem controlo; agora as doenças que mais mortos fazem podem ser evitadas simplesmente não fumando e não fazendo uma má alimentação. O sujeito tem assim a opção de tomar conta do seu próprio Eu e da sua saúde. «Quando se fala de saúde já não se fala, como antes, de ter saúde, mas de estar de boa saúde. Tal como a beleza, a saúde tornou-se o resultado de uma capacidade individual» (Renaury, 2000, p. 55).

3O aumento da esperança de vida tem levado ao correspondente aumento da necessidade de a viver cada vez com mais qualidade. O ser humano sempre quis viver mais tempo; agora quer também que essa longevidade se traduza numa maior qualidade de vida, e para isso é necessário ter não só saúde como também equilíbrio. Hoje, a «Saúde Perfeita» (Sfez, 1997) passa não só pela saúde do corpo enquanto entidade interior como também pela aparência que esse corpo apresenta. Há uma conjugação cada vez maior entre o bem-estar interior e o seu reflexo no aspecto exterior. Torna-se cada vez mais importante prevenir as doenças, melhorar e retardar o envelhecimento do corpo e aparentar menos anos.

4Qualquer nutricionista será da opinião de que seguir uma dieta saudável, variada e equilibrada é a melhor maneira de prevenir certas doenças e garantir uma boa saúde; no entanto, os novos estilos de vida provocaram o abandono de determinados hábitos de alimentação saudável que durante anos formaram parte da nossa história. É neste contexto que aparecem os Alimentos Funcionais: alimentos processados que contêm ingredientes que ajudam ao funcionamento de partes específicas do organismo, além de serem nutritivos. Entre as muitas definições avançadas por diversos autores e instituições, encontram-se a do Instituto de Medicina de Alimentos e Nutrição, «alimento ou ingrediente alimentar que pode proporcionar benefício à saúde, além dos nutrientes tradicionais que contém» (Hasler, 1998, p. 12), e a de Scott e Lee, para o Sector de Protecção à Saúde Canadiano: «alimento semelhante ao alimento convencional em aparência, consumido como parte de uma dieta comum, e que tem demonstrado proporcionar benefícios fisiológicos e/ou redução de riscos de doenças crónicas, além de funções básicas nutricionais» (1997, p. 15). Funcionam assim como um complemento saudável capaz de ser ingerido em qualquer lugar e em pouco tempo.

  • 1 Jornal Oficial das Comunidades Europeias, www.europa.eu.int (24 de Junho de 2008).
  • 2 Anuário Nielsen 2008.

5O termo Alimento Funcional foi introduzido no Japão em meados dos anos 80, quando um grupo de investigadores começou a explorar a relação entre a alimentação e a medicina num projecto denominado Systematic Analysis and Development of Food Function (Arai, 2002, p. 19). Até agora o Japão é o único país que formulou um processo de regulação específico para estes alimentos, conhecidos como Alimentos para Uso Específico de Saúde (FOSHU): mais de 100 produtos são qualificados e trazem um selo de aprovação do Ministério de Saúde e Previdência Social Japonês (Arai, 1996, p. 13). Na Europa e nos Estados Unidos, a categoria de alimentos funcionais não é reconhecida legalmente; independentemente disto, muitas organizações têm proposto definições para esta nova e emergente área da ciência dos alimentos e da nutrição. Foi definido ainda o conceito Europeu de Alimento Funcional: «um alimento pode ser considerado funcional se for satisfatoriamente demonstrado que, para além de propriedades nutricionais adequadas, tem um efeito benéfico numa ou mais funções fisiológicas-alvo, sendo relevante para promover a saúde e o bem-estar e/ou reduzir o risco de doença» (Ashwell, 2002, p. 45). No entanto a maior parte destes alimentos está ainda classificada com «novo alimento» e, por isso, ao abrigo do Regulamento nº 258/97 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de Janeiro, relativo a alimentos e ingredientes alimentares1. Em Portugal comercializam-se actualmente cerca de 200 tipos de alimentos funcionais, como, por exemplo, sumos com minerais e fibras, cereais com fibras, leite enriquecido com cálcio, ómega 3, ácido oleico ou vitaminas, iogurtes com bifidus ou bolachas com oleosan. Dados da Nielsen2 referentes a 2008 apontam este tipo de produtos como aqueles que têm tido um maior aumento nas vendas: os consumidores optam cada vez mais pelo seu consumo em detrimento de outros produtos mais ricos e açucarados.

1.1. Modelo de análise

6Dentro do contexto apresentado anteriormente, o principal objectivo desta investigação foi o de tentar construir um modelo que nos permitisse compreender como as variáveis de natureza pessoal, comunicacional e de consumo influenciam as razões pelas quais as pessoas adquirem este tipo de produtos.

7Começando pelas variáveis de natureza pessoal, verifica-se que a imagem corporal emerge como uma variável importante no processo de decisão de consumo dos produtos com alegações de saúde. A imagem corporal não é um conceito simples; pelo contrário, é dinâmico e envolve uma variedade de dimensões, como o corpo em si mesmo, a apresentação do corpo aos outros e o corpo ideal que é veiculado pelas inserções culturais (Price, 1990). Esta preocupação com a imagem corporal está directamente associada ao envolvimento que as pessoas desenvolvem com estes produtos. O conceito de envolvimento foi introduzido por Krugman (1966) para tentar compreender a influência que a publicidade televisiva tinha nas pessoas e posteriormente foi estendido a todas as dimensões do consumo. Assim, ao nível do consumo o envolvimento pode ser definido como o estado de activação do consumidor em relação a um produto, que será tanto maior quanto mais esse produto estiver relacionado com a identidade do consumidor, afectando-lhe o seu auto-conceito e a sua auto-estima (Assael, 1987).

8Podemos desde já formular a primeira das hipóteses do nosso modelo:

9H1. Quanto mais o consumidor se preocupa com a sua imagem corporal, maior será o seu envolvimento com os produtos com alegações de saúde.

10O envolvimento com produtos com alegações de saúde, como foi descrito anteriormente, tem vindo a aumentar na nossa sociedade, devido às preocupações com a saúde e à tentativa de manter um corpo jovem e saudável. O envolvimento está directamente relacionado com as decisões de consumo (Day et al., 1995), embora não possa ser dissociado da atitude que se desenvolve em relação aos produtos. A publicidade aos produtos com alegações de saúde é cada vez mais orientada pela dimensão informacional que os produtos proporcionam sobre a saúde das pessoas e os benefícios que estas recebem se os adquirirem (Pereira e Medeiros, 2008). A visualização da publicidade torna-se um elemento fornecedor de informações que o consumidor vai tentar adquirir. Estas constatações levam-nos à segunda hipótese:

11H2. Quanto mais a pessoa está envolvida com os produtos com alegações de saúde, mais se irá envolver com a publicidade a estes produtos.

12A publicidade é um veículo privilegiado para mostrar aos consumidores os produtos que existem e como existem. Verifica-se que a publicidade proporciona um conjunto de informações vitais sobre os produtos com alegações de saúde, explicando como realizam as alegações nutricionais (por exemplo, determinado alimento combate o colestrol, ajuda ao crescimento das crianças, etc.), as alegações funcionais (por exemplo, salientando a importância deste tipo de alimentação com base em pareceres científicos, apontando que regula o trânsito intestinal, etc.) e as alegações de saúde (por exemplo, reforçando a natureza cientifica das informações mostra-se a importância de uma alimentação equilibrada, etc.) (Pereira e Medeiros, 2008). Estes conteúdos das mensagens fornecem as informações necessárias para motivar a compra destes produtos. As pessoas estão bastante preocupadas com a sua saúde neste século XXI e esta é uma tendência que se está a desenvolver cada vez mais, reflectindo-se, por exemplo, numa tendência crescente para a auto-medicação (Penn e Zalesne, 2007). Temos então uma terceira hipótese:

13H3. Quanto mais as pessoas se envolvem com a publicidade a alimentos com alegações de saúde, mais elas desenvolvem motivos de compra destes produtos.

14As pessoas, na sua actividade de consumo, desenvolvem processos de compra que actualmente se dividem em duas categorias: decisões meramente racionais – que correspondem às aquisições planeadas – e decisões impulsivas. Estas últimas são afectadas por todo o processo que se desenvolve no acto da compra: a emoção e o impulso são condicionados por todas as estratégias de comunicação efectuadas nos locais de compra (ex. merchandising, promoções, etc.). Estamos assim em condições de desenvolver mais duas hipóteses:

15H4. Quanto mais as pessoas se envolvem em processos racionais de compra, mais propensas estão a desenvolver motivos de compra de produtos com alegações de saúde.

16H5. Quanto mais as pessoas se envolvem em processos de compra impulsiva, mais propensas estão a desenvolver motivos de compra de produtos com alegações de saúde, desde que haja uma estratégia comunicacional no ponto de venda.

2. Método

17Para o efeito desenvolvemos uma investigação correlacional para construir um modelo que nos mostre como a imagem corporal, a implicação com produtos alimentares com alegações de saúde, a implicação com a publicidade, entre outras variáveis, influenciam as razões de compra destes produtos. Construímos uma amostra de conveniência de 254 consumidores de alimentos funcionais, procurando ter um equilíbrio entre géneros semelhante ao da população nacional.

18Na construção do questionário optámos por utilizar um instrumento que continha um conjunto de escalas bem como um conjunto de questões sociodemográficas que nos permitiram definir um perfil dos consumidores e identificar as variáveis do modelo nos consumidores. As escalas são as seguintes: Compra Racional e Impulsiva (Quintanilla e Luna-Arocas, 1999), Atitudes em Relação à Publicidade em Geral (Quintanilla e Luna-Arocas, 1999), Atitudes em Relação à Publicidade a Alimentos Funcionais (adaptada de Wells, 1964), Discrepâncias do Self (Quintanilla e Luna-Arocas, 1999), Valores Veiculados pela Publicidade (adaptados de Rockech, 1973), Envolvimento com os Alimentos Funcionais (adaptada de Traylor e Joseph, 1984) e Motivos para a Compra de Alimentos Funcionais (adaptada de Luna-Arocas et al., 2001). Todos estes instrumentos foram medidos através de uma escala de seis pontos de Likert. Os dados foram recolhidos durante o primeiro semestre de 2008, através de uma auto-aplicação com uma taxa de não resposta na ordem dos 10%.

3. Resultados

19Os dados foram analisados, numa primeira fase, no sentido de tentar compreender como esta população se comportava em relação aos elementos que lhe eram colocados pelas variáveis em estudo; depois, numa segunda fase, através de análises multivariadas, para tentar compreender o modelo que temos em estudo. Os primeiros resultados referem-se à análise descritiva.

3.1. Análise descritiva destes consumidores

20Numa primeira análise vamos efectuar uma descrição da forma como a amostra se comporta perante os fenómenos em estudo. Verificamos que todas as variáveis latentes que criámos possuem uma excelente consistência interna, com valores do alfa de Cronbach acima dos 0,82, com excepção da variável «compra racional», que está ligeiramente abaixo do limite de aceitação (0,658). As variáveis em análise são as que se encontram no quadro 1.

Quadro1 – Resultados Descritivos da Amostra

Quadro1 – Resultados Descritivos da Amostra

21O valor médio da escala encontra-se nos 3,5 pontos. Em função deste valor verificamos que os resultados da nossa amostra nos levam às seguintes interpretações: a) esta população tem alguma propensão para comportamentos de compra racionais (3,78), embora o desvio padrão elevado nos mostre que existe uma grande dispersão de posicionamentos; b) revela alguma propensão para compras impulsivas (3,67); c) revela uma atitude ligeiramente positiva em relação à publicidade em geral (3,62); d) revela uma atitude ligeiramente negativa em relação à publicidade a alimentos (3,28); e) revela uma implicação ligeiramente negativa relativamente aos produtos alimentares (3,24); g) revela uma imagem ligeiramente negativa sobre a sua imagem corporal (3,27). Finalmente, no que diz respeito à nossa variável dependente verificamos que os consumidores não possuem motivos de compra significativos relativamente a produtos alimentares com suplementos alimentares (3,55).

22Na publicidade a estes produtos, as pessoas retiram como principais valores sociais a felicidade (3,85) e o prazer (3,78).

23Para tentarmos compreender melhor a distribuição destas variáveis pela nossa população fomos verificar se existiam diferenças nas diversas variáveis sociodemográficas. As diferenças encontram-se nos seguintes pontos, onde se pode rejeitar a hipótese nula:

24Por Género

  • Compra racional – as mulheres envolvem-se mais em compras racionais do que os homens (3,93 para 3,44 com p: 0,000).

  • Motivos para a compra de Alimentos Funcionais – as mulheres desenvolvem mais motivos de compra destes produtos do que os homens (3,64 para 3,33 com p: 0,036).

25Estes resultados poderão ficar a dever-se ao facto de serem as mulheres que normalmente efectuam as compras de alimentação para o lar e, como tal, pensam nestes produtos como uma mais-valia para a saúde da família.

26Por Faixas Etárias

  • A compra impulsiva está mais inoculada nos mais jovens. Aliás, ela encontra-se quase na relação inversa da idade: quanto mais idade têm, menos as pessoas se envolvem em compras impulsivas. As diferenças são significativas entre as faixas dos 20 aos 40 e acima de 41, com p: 0,000.

Figura 1 – Compra impulsiva por idade

Figura 1 – Compra impulsiva por idade
  • A atitude em relação à publicidade em geral segue o mesmo padrão da compra impulsiva: encontra-se na razão inversa da idade, sendo as diferenças estatisticamente significativas para p: 0,000. Quanto mais idade as pessoas têm, menor é a atitude em relação à publicidade, como nos mostra a figura 2.

Figura 2 – Atitude em relação à publicidade por idade

Figura 2 – Atitude em relação à publicidade por idade
  • Embora não haja resultados estatísticos que o confirmem, constata-se igualmente uma tendência para a importância da imagem corporal decrescer com a idade. As pessoas poderão preocupar-se menos com a imagem corporal à medida que vão envelhecendo, como nos mostra a figura 3.

Figura 3 – Imagem Corporal por idade

Figura 3 – Imagem Corporal por idade

3.2. Modelo de decisão relativa a alimentos funcionais

27Nesta fase construímos um modelo com alguma validação teórica que nos mostra que podemos agregar variáveis de natureza individual a variáveis de comunicação que nos permitem compreender como a compra de Alimentos Funcionais pode ser influenciada. Os resultados revelam-nos que as nossas hipóteses foram todas validadas. Assim, em H1 verifica-se que quanto mais as pessoas se preocupam com a sua imagem corporal mais elas têm uma propensão para se envolver com este tipo de produtos, com a relação no modelo de 0,311. A hipótese H2, também validada, mostra-nos que quanto mais as pessoas se envolvem com produtos alimentares mais elas se envolvem igualmente com a publicidade que a esses produtos é feita, com a relação no modelo de 0,647. A hipótese H3 também foi validada, mos-trando-nos que quanto mais as pessoas se envolvem com a publicidade aos alimentos mais elas desenvolvem razões para comprarem estes produtos alimentares, com a relação no modelo de 0,545. As duas últimas hipóteses foram igualmente validadas. Em H4 verifica-se que quanto mais as pessoas se envolvem em compras racionais maior propensão revelam para desenvolver motivos de compra de produtos alimentares, com a relação no modelo de 0,322. Finalmente, em H5 verifica-se que as pessoas podem estar também predispostas para desenvolver motivos de compra de Alimentos Funcionais se nelas se manifestar uma tendência para se envolverem em processos de compra impulsiva.

28O modelo a que chegámos pode ser visto na figura 4. Testado o modelo através das equações estruturais com recurso ao AMOS 17, verificou-se que ele tinha condições para poder funcionar, mas que ainda não se ajusta bem. Os índices mostram alguns desajustamentos. Assim, o Comparative Fit Index (CFI) é de 0,761, ainda um pouco abaixo do valor de 0,9. O Root Mean Square Error of Aproximation (RMSEA) é de 0,08, ainda superior ao valor máximo de 0,05. Apenas o Information Criterion of Akaike (ICA) de 3529 obedece aos pressupostos, ao ser diferente de zero.

Figura 4 – Modelo de Compra de Alimentos Funcionais

Figura 4 – Modelo de Compra de Alimentos Funcionais

Conclusões

29Como outros estudos já demonstraram (Pereira, Souza e Miranda, 2005), a população portuguesa tem comportamentos racionais e impulsivos de compra relativamente consolidados, sendo estes mais incisivos nas mulheres.

30O estudo desenvolvido revela-nos a complexidade em que estão envolvidas as decisões de compra. Neste modelo pretendemos mostrar que as pessoas podem desenvolver motivos pessoais para adquirir Alimentos Funcionais, mas também são sensíveis à publicidade, apesar de não terem grande preocupação com a sua imagem corporal e não se envolverem muito com os produtos alimentares. Este modelo experimental mostra-nos que existe uma ligação entre a dimensão pessoal da imagem corporal e o grau de envolvimento com os alimentos, mostrando-nos que quanto maior é a importância que se atribui à imagem corporal maior é a que se dá aos alimentos, uma vez que estes contribuem para uma melhoria da saúde e consequentemente para uma melhor imagem física. Por outro, lado existe uma correlação entre

31o grau de envolvimento com os alimentos e o grau de envolvimento com a publicidade a alimentos; assim, quanto mais importância se dá aos alimentos mais atento se está à publicidade que a eles é feita para se poder estar a par das novidades do mercado. Existe também uma relação entre a publicidade a alimentos e os motivos de compra dos mesmos: podemos dizer que no sector da alimentação ligada à saúde a publicidade ainda exerce algum poder de influência sobre o consumidor. Por outro lado, na relação entre a exposição à publicidade e a compra dos produtos existem duas variáveis, que são a compra racional e a compra impulsiva. O que este modelo nos indica é que muitas vezes as compras são planeadas pelo consumidor num quadro de uma alimentação variada e saudável e outras vezes elas são feitas por impulso, numa decisão tomada no ponto de venda. Assim parece-nos que este tipo de produtos se encontra a meio caminho entre os bens essenciais, que são normalmente planeados, e os produtos não essenciais, cuja compra é decidida por impulso. A decisão de compra será assim não só motivada por questões estéticas ligadas à imagem mas também influenciada pelas estratégicas de comunicação das marcas, como as nossas hipóteses mostravam.

32Os Alimentos Funcionais ainda estão numa fase muito primária de consumo em Portugal, razão pela qual o grau de envolvimento com eles é ainda relativamente baixo; no entanto, tal já não acontece com a sua publicidade, que começa a despertar o interesse das pessoas em Portugal para estes consumos. São as mulheres que estão na primeira linha de envolvimento com este tipo de consumo, seja porque são em geral elas que planeiam as compras alimentares, seja porque são mais racionais nas compras que efectuam. Como estes alimentos possuem uma carga de racionalidade bas-tante forte, a compra racional planeada tem de estar na sua origem.

33O nosso modelo tem condições para poder funcionar no futuro. Ele mostra de forma muito clara a génese da lógica dos motivos de compra de Alimentos Funcionais Numa primeira fase funciona a dimensão pessoal que está na origem do despertar da preocupação do nosso século com a saúde e a manutenção de um corpo jovem. A imagem corporal, ao manter uma relação relativamente forte com os produtos alimentares com alegações de saúde, encontra-se nesta linha. Em seguida surgem as estratégias comunicacionais de marketing, com a publicidade a fornecer a informação adequada para se tomar a decisão de compra, como nos mostra o relatório do Observatório da Publicidade sobre a publicidade aos alimentos com alegações de saúde do 1º semestre de 2008 (Pereira e Medeiros, 2008). Final-mente as decisões de compra racionais e impulsivas determinam também as razões de compra deste tipo de produtos.

Limitações Ao Estudo

34Estamos perante uma amostra reduzida, que está no limiar mínimo dos 250 sujeitos para que o programa AMOS possa funcionar com estabilidade. Assim, este modelo vai ser testado no futuro com uma amostra mais ampla, a fim de verificar se o ajustamento do modelo apresenta os valores adequados.

Topo da página

Bibliografia

Arai, S. (1996). Studies on functional foods in Japan state of the art. New England: Biotech.

AraiI, S. (2002). Global view on functional food: Asian perspective. British Journal of Nutricion.

Ashwell, M. (2002). Concepts of Functional Foods. Europe Concise Monographs Series.

Hasler, C.M. (1998). Functional foods: Their role in disease prevention and health promotion. Food Technology. Chicago.

Krugman, H. E. (1966). The measurement of advertising involvement. Public Opinion Quarterly, 30, 583-596.

Luna-Arocas, R. & Quintanilla, I. (2000). El modelo de compra ACB. Una nueva conceptualización de la compra por impulso. ESIC Market, 106, 151-163.

Pereira, F. C., & Medeiros, C. (2008). Relatório relativo à publicidade aos alimentos com alegações de saúde. Direcção Geral do Consumidor, Observatório da Publicidade.

Pereira, F. C., Souza, C., & Miranda, S. (2005). Consumo e auto-estima. Comunicação Pública, 1, 135-157.

Quintanilla, I. & Luna-Arocas, R. (1999). Compra compulsiva y compra patológica. Información Psicológica, 71, 8-20.

Rokeach, M. (1973). The nature of human values. New York: Free Press.

Scott, F. W., & Lee, N. S. (1996). Recommendations for defining and dealing with functional foods. Report of the Bureau of Nutritional Sciences Committee on Functional Foods, Canada.

Sfez, L. (1997). A saúde perfeita. Lisboa: Instituto Piaget.

Traylor, M. & Joseph, W. B. (1984). Measuring consumer involvement with products: developing a general scale. Psychology & Marketing, 1, 65-77.

Wells, W. D. (1964). EQ, Son of EQ, and the Reaction Profile. Journal of Marketing, 28, 45-52.

Topo da página

Notas

1 Jornal Oficial das Comunidades Europeias, www.europa.eu.int (24 de Junho de 2008).

2 Anuário Nielsen 2008.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Quadro1 – Resultados Descritivos da Amostra
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/7707/img-1.png
Ficheiro image/png, 65k
Título Figura 1 – Compra impulsiva por idade
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/7707/img-2.png
Ficheiro image/png, 25k
Título Figura 2 – Atitude em relação à publicidade por idade
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/7707/img-3.png
Ficheiro image/png, 29k
Título Figura 3 – Imagem Corporal por idade
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/7707/img-4.png
Ficheiro image/png, 26k
Título Figura 4 – Modelo de Compra de Alimentos Funcionais
URL http://journals.openedition.org/cp/docannexe/image/7707/img-5.png
Ficheiro image/png, 47k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Carla Medeiros e Francisco Costa Pereira, «A publicidade e a intenção de compra de alimentos funcionais »Comunicação Pública, Vol.4 nº8 / nº7 | 2009, 119-132.

Referência eletrónica

Carla Medeiros e Francisco Costa Pereira, «A publicidade e a intenção de compra de alimentos funcionais »Comunicação Pública [Online], Vol.4 nº8 / nº7 | 2009, posto online no dia 15 setembro 2020, consultado o 20 junho 2024. URL: http://journals.openedition.org/cp/7707; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.7707

Topo da página

Autores

Carla Medeiros

Escola Superior de Comunicação Social

cvieira@escs.ipl.pt

Francisco Costa Pereira

Escola Superior de Comunicação Social

fpereira@escs.ipl.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search