Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosvol.3 nº5RecensõesSilverstone, Roger (2007). Media ...

Recensões

Silverstone, Roger (2007). Media and Morality: on the rise of the mediapolis. London: Polity Press. 215 páginas

Anabela de Sousa Lopes
p. 203-204
Referência(s):

Silverstone, Roger, Media and Morality: on the rise of the mediapolis, London, Polity Press, 215 pp.

Texto integral

1As mutações do espaço público e do espaço privado foram objecto de análise de autores como Jürgen Habermas, Hannah Arendt ou Richard Sennett, entre outros, e são hoje recuperadas em estudos que dão continuidade às reflexões sobre o papel dos media nessas duas esferas.

2A última obra de Roger Silverstone (1945-2006), Media and Morality: on the rise of the mediapolis, reflecte os contributos teóricos de nomes como os anteriormente indicados mas é, acima de tudo, o culminar de um percurso de investigação ímpar no campo dos estudos sobre os media. Esta é uma obra que aprofunda os principais pontos colocados em destaque num dos seus mais estimulantes trabalhos, publicado com o título Why Study the Media? (1999). Neste se percebia já a sua preocupação em colocar os media no centro da análise sobre as sociedades contemporâneas, defendendo que estudar os meios de comunicação significa explorá-los, compreendê-los, para entender o mundo e o nosso lugar num universo cada vez mais mediatizado.

3Em Media and Morality, a obra mais política do fundador do Department of Media and Communications da prestigiada London School of Economics and Political Science (LSE), afirma-se a existência de uma crise no mundo da comunicação. O caminho da globalização, iluminado pelos dispositivos tecnológicos, é encantatório mas também cheio de perigos. Sobre estes perigos, o autor disserta de forma consistente, sublinhando o seu receio de estarmos a construir sociedades poluídas, ou seja, cujas enfermidades são plasmadas na crise política, social, moral, ameaçando a capacidade de mantermos um nível razoável de humanidade. A uma comunicação global parece corresponder uma espiral de incompreensão de difícil inversão, se a consciência colectiva não despertar rapidamente.

4Mediapolis é, para Roger Silverstone, a designação que identifica as sociedades dos nossos dias, fortemente regidas pelos media. A história do espaço público é indissociável das formas de comunicação que foram anunciando o porvir. Hoje, mais do que nunca, aceder à esfera pública só é possível através dos diversos meios de comunicação que fazem a ponte entre indivíduos, ideias e desejos. Assim sendo, a responsabilidade dos media não é uma expressão vazia para o autor; torna-se imperiosa como orientadora de condutas consentâneas com princípios que deveriam ser inabaláveis, mas que estão em perigo. Um desses princípios é a percepção da existência do Outro, dos seus direitos, das suas liberdades, mas, igualmente, dos seus deveres. A emergência da mediapolis possibilita o contacto com o Outro sem que o espaço e o tempo constituam a moldura que enquadrava a experiência humana de forma determinante. São categorias enfraquecidas, tornadas flexíveis e presentes essencialmente para lembrar que cada indivíduo as pode integrar de acordo com as suas conveniências: a qualquer hora, em qualquer lugar, na experiência do quotidiano.

5A polarização e demonização a que podemos assistir num mundo cada vez mais marcado pela globalização, nomeadamente através de acções terroristas (cap.3), podem ser reforçadas ou desafiadas pelos media, precisamente porque a mediapolis – ou global media sphere – é um espaço moral, de hospitalidade, obrigação e julgamento. As relações entre vizinhos e estranhos podem ser construídas ou destruídas e, sobre esta possibilidade negativa, Silverstone alerta para o facto de ela ganhar expressão precisamente porque os media constroem um mundo de aparências (cap.2) no qual o quotidiano se desenrola corroendo o respeito pelo Outro, especialmente por aquele que apenas é visto e ouvido nos processos de mediação.

6Parece-nos que uma leitura possível da vivência da mediapolis poderá ser a de que comunicamos com uma parede de vidro à frente; o Outro pode ser visto mas não tocado. O sentido de humanidade, referido amiúde por Silverstone, esboroa-se porque o Outro não é tocado; é como um holograma, uma figura cuja materialidade não é percebida nos processos de comunicação. A cidadania pode, portanto, tornar-se um mero conceito, limitado pelas interpretações do mundo filtradas pelos media. Para o autor, usar apenas as lentes dos media é ver o mundo de forma fragmentada e reduzida. O exercício da cidadania requer responsabilidade e para esta poder ser posta em prática é fundamental ter-se consciência da luta que é necessária para se marcar presença na mediapolis, pois é preciso reclamar o direito de ouvir o Outro. Comunicar é, para o autor, estabelecer trocas efectivas, criar distâncias apropriadas para a existência e a voz do Outro; caso contrário, estaremos perdidos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Anabela de Sousa Lopes, «Silverstone, Roger (2007). Media and Morality: on the rise of the mediapolis. London: Polity Press. 215 páginas»Comunicação Pública, vol.3 nº5 | 2007, 203-204.

Referência eletrónica

Anabela de Sousa Lopes, «Silverstone, Roger (2007). Media and Morality: on the rise of the mediapolis. London: Polity Press. 215 páginas»Comunicação Pública [Online], vol.3 nº5 | 2007, posto online no dia 15 outubro 2020, consultado o 01 março 2021. URL: http://journals.openedition.org/cp/7907; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.7907

Topo da página

Autor

Anabela de Sousa Lopes

Escola Superior de Comunicação Social, Instituto Politécnico de Lisboa

alopes@escs.ipl.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search