Navigation – Plan du site
2015

Há mundo por vir ? Ensaio sobre os medos e os fins

Fábio Zuker
Traduction(s) :
Débora Danowski, Eduardo Viveiros de Castro, Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins
Há mundo por vir ? Ensaio sobre os medos e os fins
Há mundo por vir ? Ensaio sobre os medos e os fins

Florianópolis : Cultura e Barbárie Editora ; São Paulo : Instituto Socioambiental, 2015, 175p. 21 x 15cm, por

Bibliogr.

ISBN : 9788563003218

Textes de Déborah Danowski, Eduardo Viveiros de Castro

Haut de page

Notes de la rédaction

Cette note de lecture est publiée en partenariat avec la revue Artelogie.

Texte intégral

1A tentativa de produzir um « pensamento e uma mitologia adequados ao nosso tempo » – uma reflexão cosmopolítica em diálogo com o pensamento ameríndio – está na base do ensaio escrito por Déborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro. Circulando com rara facilidade entre temáticas próprias ao campo da etnologia, da filosofia política e da filosofia da história, a obra tem como ponto de partida a atual centralidade do medo do fim do mundo, substituindo o lugar antes ocupado pelo messianismo no imaginário moderno.

2Classificada pelos autores como antropocêntrica, a cosmopolítica moderna conceberia o humano como ponto de chegada de uma evolução ao longo da história. A pretensão de domínio da natureza pela ciência, marcada pela narrativa do progresso, teve como resultado o seu oposto: a natureza respondendo de modo violento com um iminente cataclisma climático e a humanidade reduzida a uma camada geológica, o antropoceno.

3Por nunca terem tido uma natureza, por não terem tido a necessidade de dela libertarem-se, o que equivale a  jamais terem sido modernos, os ameríndios, entre tantos outros povos não-modernos, podem nos ensinar algo sobre viver após o fim do mundo – tendo este terminado há cinco séculos para eles, com a chegada dos europeus. Danowski e Viveiros de Castro classificam o pensamento cosmopolítico ameríndio como marcado pelo antropomorfismo, em que o mundo e a vida tem relações inextrincáveis, é impossível conceber um mundo sem humanos. Como afirma o xamã yanomami Davi Kopenawa, em tom de alerta, os brancos não acreditam, mas quando o céu cair, cairá sobre todos.

4Considerando insuficiente a crítica ao capitalismo para dar conta da crise planetária, torna-se imperativo abandonar a mitologia do progresso moderno. Agora que o fim do mundo tornou-se uma realidade, experiências como a do movimento político Maya contra o Estado-mercado, mesmo após o fim do seu mundo, são evocadas pelos autores como outros possíveis imaginários para a política.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Fábio Zuker, « Há mundo por vir ? Ensaio sobre os medos e os fins », Critique d’art [En ligne], Toutes les notes de lecture en ligne, mis en ligne le 09 mai 2018, consulté le 02 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/critiquedart/25749

Haut de page

Droits d'auteur

EN

Haut de page
  • Logo Les Archives de la critique d’art
  • OpenEdition Journals