Navigation – Plan du site

AccueilAppels à contributionsAppels en coursConvocatoria de proposta de artig...

Convocatoria de proposta de artigos para um arquivo da revista Comunicação, Tecnologias e desenvolvimento.

Ciência Aberta / Open Science: olhares cruzados sobre o direito à ciência, sua legitimidade, sua transmissão, sua governança, suas inovações, seus compromissos e seus riscos.

pt

06/10/2020

Número temático coordenado por:

Catherine Pascal mestre de conferências en SIC - Universidade Bordeaux Montaigne/MICA, (EA 4426), Eixo ICIN, Informação, Conhecimento, Inovação, Numérico, UFR Línguas e Civilizações, e Marie-Christine Lipani mestre de conferências habilitada em dirigir estudos em Sic, Instituto de jornalismo de Bordéus Aquitania - Universidade Bordeaux Montaigne/MICA, (EA 4426), Eixe Mídia, Cultura e Sociedade.

A ciência aberta é a difusão desimpedida de publicações e de dados de estudos. Essa noção precisa ser colocada em relação com a da democratização do aceso ao conhecimento, na medida em que se apoia sobre as posibilidades ofertas pelo numérico reforçando assim a facilidade de encontrar os dados, de torná-los acessíveis, interoperáveis, reutilizáveis.

Promover a ciência, no seu conjunto como ciência pública não constitui uma preocupação nova em si. A troca de conhecimento, nessa aceitação é herdeira da corrente intelectual do Iluminismo marcada pela ideia de transmissão e de pedagogia desejada pelos enciclopedistas, com Diderot na cabeça.

Isso nos leva a questionar, em primer lugar, o tipo de enunciação em reflexividade e vulgarização no escrito ou no oral do pesquisador, sabendo que este, por sua especificidade de disciplina, tem que incarnar, para os paradigmas colocados pelos pares do seu campo: legitimidade e transparência (Jurdant, 2012). De fato, outro questionamento é necessário: o do escopo social desse tipo de diálogo que os estudos tem que manter com a sociedade no seu conjunto.

  • 1 Poupardin E., Faury M. (2018), « Hipóteses: o cadastro de uma prática de comunicação na atividade d (...)

Desde 2005, a carta europeia do/da pesquisador/a apoia: « o diálogo social entre os pesquisadores e as partes envolvidas da sociedade no seu conjunto ». No entanto, a intervenção dos/das pesquisador/as dentro de espaços informais não-científicos como os debates públicos por exemplo, ou até mesmo as publicações fora dos lugares reservados e reconhecidos pela comunidade científica podem ser percebidos como o sugerem Elsa Poupardin e Mélodie Faury (2018/2015) como uma forma de capital simbólico, mas esse, não « « vale nada », do ponto de vista académico se os/as autores não jogam « o jogo do campo » e não adquirem no mesmo tempo, e dentro da sua disciplina de filiação uma certa legitimidade »1.

Porém, hoje em dia, o acesso à dita ciência aberta (ou Open access) é favorecido pelos diferentes tipos de dispositivos técnicos que apoiam esse diálogo entre conhecimento e sociedade. No entanto, o simple fato que numerosas publicações científicas beneficiam de um acesso livre e gratuito não sempre permite que os/as pesquisadores/as tomem um verdadeiro lugar ativo dentro de uma escena social e política. Ainda mais que os científicos podem ter algumas relutâncias em praticar desse jeito a transmissão dos seus trabalhos. É verdade que esta é relativamente pouco reconhecida pelas instâncias que geram sua carreira (Boure, 2016). E ainda, nossa contemporaneidade revela vividamente seus paradoxos e estacas do direito à ciência e a alta demanda social de uma Ciência qualificada de aberta.

Essa Ciência aberta ou Open Science não se pode unicamente resumir em formatos técnicos ou mediáticos. Porque a cobertura da mídia que passa por mídia de massa como a televisão e as mídias numéricas, pode não asegurar uma verdadeira vulgarização científica. Dominique Wolton, desde 1997, o sublinhava: « a cobertura da mídia nem é mais o equivalente da vulgarização apesar do lugar da mídia na sociedade e da simple ideia e falsa, de que quanto mais a mídia falar da ciencia, maior será a vulgarização » (1997); em outras palavras « o acesso ao conhecimento não permitiria desenvolver uma sociedade do conhecimento só ».

Este é a aposta dessa convocatória: permitir que uma comunidade mais ampla reflita sobre o que se entende por Ciência Aberta em acessibilidade (acesso aberto « open acess »), suas práticas e seus desafios.

Se interrogar, hoje em dia, depois da crise de saúde (Covid19) vivida no mundo inteiro, sobre os valores de difusão, de uso, de transparência pelos pares do direito à ciência já não é uma questão sem importância ou conjuntural. Nesses tempos de questionamento da pertinência das pesquisas científicas, trabalhar os desafios primordiais e as diferenças ou riscos possíveis entre o direito à ciência e ao conhecimento em transparência e em validade, questionados pelos pares, é um desafio mundial.

Essa interrogação mais ampla se mostra assim na iniciativa da comunidade reflexiva da UNESCO destinada à criar consciência científica e social…2

Vários eixos se desenham em prioridade mas estes não são nada de exhaustivos e fechados. Outros abordagens da temática, olhares cruzados e pluridisciplinares podem ser considerados a fim de promover para cada eixo possível a pluralidade de pontos de vistas, a multiplicidade da ou das áreas de aplicação, a riqueza e a complexidade de todas as culturas científicas consideradas.

Os eixos considerados

Ciência aberta: direito à ciência e credibilidade. Abordagens sobre os valores de difusão, de uso, de transparência dos pares.

A pandemia devida à Covid nos permitiu observar que a credibilidade da ciência por sua difusão contraditória e polémica em desafios científicos e políticos levantava uma dúvida não somente sobre os métodos dos pesquisadores mas também sobre a pesquisa em si e sobre a evolução da sua percepção entre experiência e pedagogia, (Boniface P. 2007).

Ciência aberta: valores ou ideologias da transparência? Paradoxos da transmissão contemporânea mediatizada, na era da Inteligência artificial.

A transparência em mediatização está para ser questionada. Uma poderosa fragmentação se revela entre científicos e intermediários : (Boukacem-Zeghmouri C., Dillaerts H., (2018)) ; entre difusão, informação e reflexividade : (Cardy H., Froissart P., Tavernier A., 2008) e (Lipani M.C., 2019), acompanhada de uma tentação forte de « trivialidade possível » entre ciência legitima e ciência amadora (Boure R., Lefebvre M., 2015).

Ciência aberta como governança : valorização e mediatização dos dados de pesquisa. Paradigma nova em interdisciplinaridade?

Troca de criação, de experiências ou de conteúdo? Tem tensões contraditórias mundiais vs locais entre governança, valorização, mediatização e compromisso em pesquisa coletiva? (Neveu É., 2003).

Ciência aberta e desenvolvimento sustentável (tomado em sua definição global e sistemática): processo democrático de compromisso coletivo e desafios da ciência

De que compromisso falamos? O dos pesquisadores, dos intermediários ou dos cidadãos? Quais são os compromissos que solicitar? Como solicitá-los? Isso leva riscos? (Jeanneret Y., 1994), (Breton P. 2003) e projeto Unesco sendo processando. 3

Ciência aberta e abertura ao conhecimento excluído

Uma extensão para sistemas de conhecimento e sistemas de pensamento, de origem indígena e dos países do Sul que teriam que ser solicitados. Esse conhecimento ancestral e ancorado em realidades diferentes, é principalmente ignorado ou excluído da ciência europeia ou mundial.

  • 4 A ciência aberta além do livre acesso: A favor e com as comunidades. Um passo à frente na descoloni (...)

Porém, o enriquecimento das pesquisas científicas o beneficiaria porque essa forma de abertura permitiria uma descolonização do conhecimento.4

Ciência aberta e inovações : questionamento de dados e da sua troca em desafios tecnológicos (Inteligência Artificial) e em inovações sociais. Desafios públicos ou comuns?

Desafios territoriais, políticos e éticos podem ser questionados entre troca, consulta, participação, experiência e compromisso de atores diferentes em papeis e culturas, espaço comum ou espaço público? ((Tassin E. 1991) ; Pascal C., 2019)).

Modalidades práticas

Os artigos oferecidos podem ser teóricos, epistêmicos, com imersão em campo ou conteúdo experimental. A redação do artigo é possível em francês, inglês, espanhol e português, em formato de texto editável (doc, odt, rtf.). Resumos, títulos e palavras-chave são solicitados nestes três idiomas. Veja as instruções editoriais no seguinte endereço: journals.openedition.org/ctd/1132

Devem ser enviados para o seguinte endereço: revue@comtecdev.com

Modalidade de seleção

O conjunto dos textos será evaluado em duplo cego.

Calendário 2020-2021

Chamada de trabalhos: julho de 2020

Os artigos são esperados até 30 de setembro de 2020

Volta para os autores em 20 de outubro

Retorno dos artigos finais em 20 de novembro

Arquivo publicado no n°9, publicação prevista para final de dezembro

Notes

1 Poupardin E., Faury M. (2018), « Hipóteses: o cadastro de uma prática de comunicação na atividade de pesquisa », Revue Française des sciences de l’information et de la communication [Online], 15/2018, carregado o dia 01 de janeiro de 2019, consultado o 29 de setembro de 2019. URL : http://journals.openedition.org/rfsic/4877 ; DOI : 10.4000/rfsic.4877.

2 Open Science e Unesco: Projeto reflexivo, canteiro 2020-2021, https://en.unesco.org/sites/default/files/open_science_brochure_fr.pdf et

https://fr.unesco.org/open-access/qu%E2%80%99est-ce-que-le-libre-acc%C3%A8s

3 Open Science e Unesco: Projeto reflexivo, canteiro 2020-2021, https://en.unesco.org/science-sustainable-future/open-science

4 A ciência aberta além do livre acesso: A favor e com as comunidades. Um passo à frente na descolonização do conhecimento, Comissão canadiense para a UNESCO, de Leslie Chan, Budd Hall, Florence Piron, Rajesh Tandon e Lorna Williams Ottawa, julho de 2020,r.ccunesco.ca › ScienceOuverteDecolonisationSavoirs

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search