Navigation – Plan du site

AccueilAppels à contributionsAppels closNúmero 13, 2023 - Digital avançad...

Número 13, 2023 - Digital avançado, comunicação e ativismo

Prazo para a recepção de propostas: 30 de Abril de 2023

Editado por

Isabel Babo, Professora da Universidade Lusófona (Centro Universitário do Porto), Professor Associado em Ciências da Comunicação na Universidade do Minho, PhD em Sociologia na EHESS, Paris (sob a direcção de Louis Quéré), membro do CICANT - Centro de Investigação em Comunicação Aplicada, Cultura e Novas Tecnologias.

Luís Cláudio Ribeiro, Professor da Universidade Lusófona (Centro Universitário de Lisboa), Professor Associado em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior, Doutorado em Comunicação na Universidade Nova de Lisboa, membro do CICANT - Centro de Investigação em Comunicação Aplicada, Cultura e Novas Tecnologias.

Hoje, integramos um ecossistema no qual as tecnologias digitais e as redes sociais estão no centro da comunicação. O digital avançado e, em particular, a inteligência artificial promoveram o que se convencionou designar como civic tech, ou seja, tecnologias que visam melhorar a participação democrática. É assim que as mobilizações coletivas no espaço público são, muitas vezes, fruto de ações empreendidas nos media sociais (como convocação de manifestações, denúncias, reivindicações, etc.) e o espaço urbano torna-se uma extensão material e orgânica daquilo que circula nas plataformas digitais. A exposição mediática produz outro tipo de confronto com a realidade e oferece a possibilidade de estabelecer uma relação identitária com o ambiente, favorecendo a constituição de um lugar de pertença impregnado pela visão trazida pela tecnologia. Ao mesmo tempo, a ação coletiva tem à sua disposição uma tecnologia que participa da forma de comunicar, informar e agir.

Portanto, com as redes digitais, os movimentos de protesto têm um meio e um lugar para a mobilização pública. Apesar disso, eles também saem à rua e os atores marcham e manifestam-se, ou ocupam as praças, tornando-se audíveis e visíveis, com mensagens, textos, imagens e vídeos nas redes sociais, assim como nos meios de comunicação de massa. Ora, as lógicas de comunicação, as práticas de protesto público, as experiências sonoras e visuais e os meios técnicos do ativismo e da ação pública suscitam questões que interessam à pesquisa em comunicação, em tecnologias e em ciências sociais. Nessa medida, aguardam-se contribuições que podem incidir sobre o uso de tecnologias digitais por movimentos sociais, particularmente de tecnologias digitais avançadas, sobre o papel da ação digital em rede (digital networks action) no ativismo contemporâneo, sobre a ação conectiva e a ação coletiva, sobre a expressão individual e coletiva nos ecossistemas mediáticos e sobre a ação pública nos espaços urbanos. Sendo o espaço público um espaço de expressão, comunicação, ação coletiva, afirmação de si, mobilização e protesto públicos, de expectativas e compromissos existenciais, políticos, cívicos, performativos e artísticos, os problemas denunciados por ativistas, assim como os repertórios de protesto e de ação por eles adotados, à escala local, regional ou global, constituem objetos de estudo.

Assim, este número convida a artigos que exploram os desafios enfrentados por quem faz pesquisa nos campos das mediações tecnológicas e das redes digitais relacionadas ao ativismo, tal como às ações coletivas e às lógicas comunicacionais no espaço público e no ecossistema mediático. Esperam-se contribuições teóricas e empíricas apoiadas em diferentes metodologias, que possam demonstrar a diversidade e a riqueza da produção científica nestas matérias.

Em suma, são bem-vindos artigos sobre diversos temas, incluindo aqueles que constam nos eixos que se seguem.

Eixo 1. O ativismo na era das redes e da tecnologia digital avançada

Os dispositivos tecno-comunicacionais e os media sociais digitais introduziram novas práticas de comunicação e novas modalidades de mobilização coletiva, ligados em particular à inteligência artificial, que aumentam a interatividade, o imediatismo, a presença (e o presente imediato ; Han, 2013), a visibilidade. Através da noção de Civic Tech, surge uma variedade de mediações e ferramentas (reportagem cidadã, crowdsourcing, inquérito online, petições, consultas, etc.), atualmente amplamente mobilizadas pelo público. Estes fenómenos levantam várias questões relacionadas em particular com os desafios destas novas lógicas de comunicação. Interessa, portanto, analisar as transformações em curso aos níveis das práticas de mobilização, das modalidades da ação coletiva, dos repertórios de ação, da ação pública no espaço urbano.

A pesquisa sobre o ativismo e as redes digitais pode, também, levantar questões tais como sobre o papel que as tecnologias avançadas desempenham na visibilidade e visibilização de causas, e sob que regimes ou modalidades. Através do estudo de casos empíricos, pode também analisar-se se a comunicação multimodal, de todos para todos (many to many ; Castells, 2009) nas redes sociais, coexiste com a individualização da comunicação e com formas individualizadas de expressão e de “compromisso expressivo” sem estrutura partidária ou sindical (Cardon e Granjon, 2013). Investigar se as redes digitais e a ação conectiva são um lugar de emergência da ação coletiva (Bennett & Segerberg, 2012), e como os movimentos de protesto usam os media sociais e as tecnologias avançadas para incitar à ação pública no espaço urbano e também para apoiar e manter causas ao longo do tempo.

Eixo 2. Ativismo pelo clima e compromissos dentro e fora das organizações

Os protestos globais contra as mudanças climáticas – tais como a greve climática estudantil (Global Climate Strike), que surgiu no Facebook, Twitter, Instagram et Youtube e que tem o seu site na internet, e o movimento Fridays For Future, desde 2018 – contaram com a participação de milhões de jovens em muitas cidades ao redor do mundo. Em setembro de 2019, ocorreu a maior manifestação climática coordenada mundialmente, com reivindicações coletivas e a formação de uma causa comum, e contando com a participação de jovens, mas também de adultos. Logo, as dinâmicas comunicacionais e ativistas no quadro dos novos movimentos ligados aos problemas ecológicos convidam-nos a questionar os temas e os problemas em discussão, assim como os repertórios de comunicação e de ação, em parte em relação aos dos movimentos sociais tradicionais e novos. Também se poderá aspirar a identificar e categorizar os atores, conhecer a sua origem ou pertença, analisar o seu comportamento ou os seus rituais públicos, tentar perceber se eles permanecem comprometidos fora das organizações formais (Moor et al., 2020) e qual é o seu tipo de participação.

As questões de comunicação relacionadas ao clima são, portanto, interessantes para examinar e compreender, em particular, como os ativistas usam os media sociais e as tecnologias avançadas para fins de luta e reivindicações políticas e sociais; saber se eles desenvolvem estratégias de comunicação à escala global, nacional e local; se os problemas ecológicos globais estão entrelaçados com os problemas locais (e vice-versa); se há a constituição de uma causa comum, ou do comum, em torno da defesa do planeta; se novas concepções dos direitos ambientais estão sendo difundidas; se as mobilizações públicas pelo clima, e pela "justiça climática", se cruzam com outros problemas, de modo interseccional, como o colonialismo, o patriarcado ou a pobreza e se, nesses casos, há uma ampliação da sua base de apoio.

O pensamento crítico, as pesquisas aprofundadas e comparativas, tanto quanto os estudos de casos são bem-vindos sobre estes tópicos e temas.

Calendário

Apresentação de propostas sob a forma de resumos: até 30 de Abril de 2023

Regresso aos autores das propostas seleccionadas: até 20 de Maio de 2023

Envio do documento completo: até 20 de Junho de 2023

Feedback aos autores da revisão por pares: até 15 de Julho de 2023

Devolução dos artigos finais (revista após avaliação): 20 de Agosto de 2023

Publicação da edição: 30 de Setembro de 2023

Instruções

As propostas de artigos devem ser submetidas sob a forma de resumo em francês, espanhol, português ou inglês: 7.000 caracteres no máximo, incluindo espaços e bibliografia. Os títulos e palavras-chave são solicitados em duas ou três línguas (a língua do texto, francês, inglês). As propostas serão avaliadas de forma duplamente cega por membros da comunidade científica.

As directrizes do artigo estão disponíveis em journals.openition.org/ctd/1132.

As propostas de artigos devem ser enviadas para os seguintes endereços: isabel@ulp.pt; luis.claudio.ribeiro@ulusofona.pt

Bibliographie

Babo, I. (2018). Redes, ativismo e mobilizações públicas. Ação coletiva e ação conectada. Estudos em Comunicação, 1(27), 219-244. DOI: https://doi.org/10.20287/ ec.n27.v1.a14

Babo, I. (2021). Ativismo em rede e espaço comum. As mobilizações globais de protesto pelo clima. Revista Crítica de Ciências Sociais, 126, 25-46.

http://journals.openedition.org/rccs/12398 ; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs. 12398

Bennett, W. L.; Segerberg, A. (2012). The Logic of Connective Action. Information, Communication & Society, 15(5), 739-768. DOI: https://doi.org/10.10 80/1369118X.2012.670661

Brighenti, A. M. (2010). Visibility in Social Theory and Social Research. Palgrave McMillan.https://www.researchgate.net/publication/313859928_Visibility_in_Social_Theory_and_Social_Research

Cardon, D. & Granjon, F. (2013). Médactivistes. Presses de Sciences Po.


Cefaï, D. (2007). Pourquoi se mobilise-t-on? Les théories de l’action collective. La Découverte.

Chadwick, A. (2007). Digital Network Repertoires and Organizational Hybridity. Political Communication, 24(3), 283-301.
 doi:10.1080/10584600701471666

Chodak, J. (2016). New Patterns of Protest and Revolution in the Age of Social Media. Konteksty Społeczne, 4(1[7]), 54-68.

Della Porta, D. & Tarrow, S. (eds) (2005). Transnational Protest and Global Activism. MD: Rowman & Littlefield, 203-226.

Della Porta, D. & Diani, M. (2006). Social Movements: An Introduction. Blackwell Publishers.

Derrida, J. (1994). Politiques de l'amitié. Suivi de L'oreille de Heidegger. Éditions Galilée.

Diani, M. & McAdams, D. (eds.) (2003). Social Movements and networks, relational approaches to collective action. Oxford University Press.

Earl, J. & Kimport, K. (2011). Digitally enabled social change: Activism in the internet age. Cambridge: MIT Press.

Elliott, T. & Earl, J. (2018). Organizing the Next Generation: Youth Engagement with Activism Inside and Outside of Organizations. Social Media + Society, January-March, 1-14. https://us.sagepub.com/en-us/nam/open-access-at-sage

Foucault, M. (1969). L'archéologie du savoir. Gallimard.

Gerbaudo, P. & Treré, E. (2015). In search of the ‘we’ of social media activism: introduction to the special issue on social media and protest identities. Information, Communication & Society, 18 (8), 865-871. DOI : 10.1080/1369118X.2015.1043319

Han, B.-C. (2016). Han, Byung-Chul (2016), No enxame. Reflexões sobre o digital. Relógio D’Água [ed. orig. 2013].


Hill, S. (2013). Digital Revolutions. Activism in the Internet Age. New Internationalist Publications.

Kittler, F. A. (2014), The Truth of Technological World – Essays on the genealogy of presence, Stanford University Press.

Latour, B. (2011). Il n'y a pas de monde commun : il faut le composer. Multitudes, 45, 38-41. https://doi.org/10.3917/mult.045.0038

Luhmann, N. (2012). Theory of Society. Stanford University Press.

Moor, J.; Uba, K.; Wahlström, M.; Wennerhag, M. & Vydt, M. (eds.) (2020). Protest for a Future II: Composition, Mobilization and Motives of the Participants in Fridays for Future Climate Protests on 20-27 September, 2019, in 19 Cities around the World. DOI: https://doi.org/10.17605/OSF.IO/ASRUW

Peters, J. D. (2015). The Marvelous Clouds - Toward a Philosophy of Elemental Media. The University of Chicago Press.

Pleyers, G. (2013). Présentation. Réseaux (Militantisme en réseau), 31/181, 9-21. https://doi.org/10.3917/res.181.0009 https://doi.org/10.3917/res.181.0009

Pleyers, G. (2020). À la recherche d’une sociologie globale des mouvements sociaux. Sociologie, 11, 305-313. https://doi.org/10.3917/socio.113.0305

Pleyers, G. & Capitaine, B. (2016). Introduction. Alteractivisme : comprendre l’engagement des jeunes. Agora débats/jeunesses, 73, 49-59. https://doi.org/10.3917/agora.073.0049

Rosa, H. (2013). Social Acceleration – a new theory of modernity. Columbia University Press.

Rouet, G. (ed.) (2013). Mobilisations citoyennes dans l’espace public. L’Harmattan.

Taylor, C. (2006). Imaginarios sociales modernos. Paidós Ibérica.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search