Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVol. 23Tempo e temporalidadesTempo e temporalidades

Tempo e temporalidades

Tempo e temporalidades

concepções e calendários
Francisco Caramelo e Maria Leonor Santa Bárbara
p. 12-18

Texto integral

Fecho os olhos por instantes.

Abro os olhos novamente.

Neste abrir e fechar de olhos

já todo o mundo é diferente. (..)

(António Gedeão in Obra Completa)

1Esta relação entre o tempo e o mundo, ontem como hoje, inquietante para o homem, levaram-no a pensá-la, recorrendo às várias linguagens – a poesia, o mito e a religião, a filosofia –, procurando compreender a condição do homem, a sua origem, o seu porvir e o seu destino. Gedeão, neste poema intitulado "Tudo é foi", exprime essa relação extrema entre o tempo e o mundo, que se manifesta no próprio instante e na sua fugacidade.

2Quisemos reflectir sobre o tempo, sobre a temporalidade e sobre a forma como o homem se adapta e os vive na sua relação com o mundo, com o quotidiano e com o devir. Surgiu assim a ideia de organizar um colóquio que tivesse como objecto fundamental o tempo, a sua compreensão, as suas representações, as suas vivências, mas também as temporalidades e as formas históricas e culturais de o estruturar, isto é, os calendários.

3O regresso à antiguidade, pré-clássica e clássica, e às suas concepções sobre o tempo e aos seus calendários, revelava-se fundamental, uma vez que se verifica uma certa continuidade na forma como o tempo e o pensamento histórico foram percepcionados nas religiões monoteístas. A civilização europeia e ocidental, fundada no legado clássico, mas também no do Próximo Oriente antigo, através da matriz cultural judaico-cristã, justificava, por si só, esse interesse pelo Egipto, pela Mesopotâmia, pela Grécia e por Roma. Quisemos, ainda assim, ir mais além, procurando compreender outras concepções mais longínquas, como são os casos da China, da índia e da Meso-América.

4Convidámos vários investigadores e especialistas nestas áreas científicas, gerando um diálogo e um debate frutuosos, ao longo de dois dias. Os textos aqui reunidos têm origem nesse colóquio, intitulado "Tempo e temporalidades – concepções e calendários", o qual decorreu na Faculdade de Ciên­cias Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, nos dias 23 e 24 de Novembro de 2005, organizado no âmbito do Centro de História da Cultura e da sua linha de investigação Estudos da Antiguidade. A abordagem de cada uma das civilizações procurou contemplar duas vertentes complementares, isto é, a abordagem mais conceptual e filosófica do tempo, por um lado, e os seus calendários, por outro. No caso das religiões monoteístas, procurámos privilegiar as permanências e os legados através da História, que, bebidos nessa antiguidade simultaneamente remota e próxima, se revelaram estruturantes da nossa identidade cultural.

5A publicação desses textos torna-se agora uma realidade, encontrando acolhimento no seio da revista Cultura, do Centro de História da Cultura. Quer o colóquio, quer a publicação, pelas temáticas abordadas, enquadram-se perfeitamente numa unidade de investigação e numa revista que têm como problemáticas fundamentais a História das Ideias e a História Cultural e das Mentalidades.

6Por fim, não podemos deixar de agradecer aos vários investigadores que intervieram neste colóquio, que o animaram ao longo dos dois dias e que escreveram estes textos que permanecerão para todos aqueles que tiverem interesse por estes temas. É igualmente de toda a justiça agradecer ao Prof. Doutor João Luís Lisboa, Director do Centro de História da Cultura, que, desde o início, acolheu esta ideia e sempre a apoiou, ao Prof. Doutor Esteves Pereira, Director da revista Cultura e à coordenadora editorial da revista, Prof. Doutora Cristina Montalvão Sarmento, que nos deu a sua prestimosa ajuda na produção deste dossiê.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Francisco Caramelo e Maria Leonor Santa Bárbara, «Tempo e temporalidades»Cultura, Vol. 23 | 2006, 12-18.

Referência eletrónica

Francisco Caramelo e Maria Leonor Santa Bárbara, «Tempo e temporalidades»Cultura [Online], Vol. 23 | 2006, posto online no dia 14 fevereiro 2014, consultado o 05 agosto 2021. URL: http://journals.openedition.org/cultura/1278; DOI: https://doi.org/10.4000/cultura.1278

Topo da página

Autores

Francisco Caramelo

Licenciado em História pela FCSH da UNL. Mestre em História das Civilizações Pré-Clássicas pela FCSH da UNL. Doutor em Civilizações Pré-Clássicas (área da Assiriologia) pela FCSH da UNL. Professor Auxiliar na FCSH da UNL. Tem leccionado sobre História do Médio Oriente Antigo, História das Religiões na Antiguidade e línguas como Hebraico e Acádico. As suas áreas de investigação são História das Religiões e particularmente a linguagem profética. A sua tese de mestrado, publicada, intitula-se A mensagem política de Jeremias na crise de 609-587 a.C.; a sua tese de doutoramento, também publicada, intitula-se A linguagem profética (Mari e Assíria).

Artigos do mesmo autor

Maria Leonor Santa Bárbara

Professora Auxiliar na FCSH/UNL, onde tem leccionado as cadeiras de Grego, Literatura Grega e História das Ideias Pedagógicas, entre outras. Dedica-se ao estudo da Literatura e da Cultura Gregas, com particular incidência no período helenístico e nos aspectos da educação grega. Para além de traduções de alguns epigramas da Antologia Grega, publicados na revista Metacrítica. Revista de Filosofia da Unidade de In­vestigação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade Lusófona, n°. 6, Março de 2005 (http://metacritica.ulusofona.pt), colaborou na tradução de D. Jerónimo Osório, De Gloria, já publicada.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0
Cultura is licensed under a Creative Commons Atribuição 4.0 International.

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search