Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosvol. 35Evidência, afecto e inconscienteO afecto na análise existencial h...

Evidência, afecto e inconsciente

O afecto na análise existencial heideggeriana

Irene Borges-Duarte
p. 135-150

Resumos

A orientação da fenomenologia para uma hermenêutica da facticidade do Dasein permitiu a Heidegger sublinhar a importância primordial do afecto na dinâmica ontológica do cuidado. Mais que uma instância de passividade, no sentido husserliano, a Befindlichkeit vem a ser a forma desperta e activa de ser-no-mundo “sentindo-se”, isto é, enquanto compreensão afectiva tácita ou experiência do existir na quotidianidade e na história. Constitui, por isso, o solo abissal pré-reflexivo do que será a Ontologia Fundamental, o qual só na História do Ser terminará de explicitar-se. Mas é também, ao nível da análise meta-ontológica da existência fáctica, que o estatuto da afectividade se revela plenamente, no quadro de uma possível terapia das perturbações do viver e conviver do Dasein de cada um, contornando a mera dinâmica pulsional pensada por Freud. O nosso percurso procurará atender a estes diferentes pontos, tendo como fio condutor o fenómeno exemplar do temor, nas suas diferentes variantes.

Topo da página

Texto integral

1Falar do sentimento não é invulgar em Fenomenologia. São vários os pensadores que lhe dedicaram especial atenção, em diferentes contextos e com diferentes intencionalidades, desde Max Scheler a Michel Henry. Mas também não foi invulgar que os filósofos, desde os gregos até aos modernos, integrassem ao longo da História nos seus sistemas e reflexões a referência aos afectos ou paixões, no seu contraste com a racionalidade, ou que atribuíssem particular relevância a algum sentimento em especial (veja-se a laeticia para Spinoza ou o respeito para Kant). No seio desta tradição Heidegger ocupa um lugar singular, ao fazer da afectividade um dos pilares ou fundamentos ontológicos da existência em todas as suas dimensões. Esta perspectiva configura o sentido do ser como inequivocamente afectivo e define o exercício do cuidado (enquanto ser do Dasein), quer na sua dimensão de quotidianidade, quer na da história, como projecção fáctica desse sentido e dos seus jeitos. Desta maneira, a consideração dos afectos deixa de poder circunscreverse ao âmbito psicológico, moral, estético ou religioso, a que a tradição o confinara, para se tornar numa das estruturas do “aí” em que o ser de tudo quanto há é, seja à maneira do Dasein, seja à do que é de outro modo (coisa, utensílio, vida ou mero resultado do dizer em que consiste).

2Começarei por uma breve referência ao uso heideggeriano, eminentemente fenomenológico, da terminologia, para analisar, em seguida, a emergência da afectividade numa tripla dimensão, a que atenderei em três momentos: primeiramente, à questão ontológica – a afectividade na dinâmica estrutural do cuidado –, fazendo referência à análise fenomenológica das estruturas da ex-sistência na dinâmica do cuidado, com base nos parágrafos centrais de Ser e Tempo; em seguida, à questão meta-ontológica – o afecto no quotidiano viver e conviver ocupado em ser –, enquanto consideração, sobre a base ontológica anteriormente estabelecida, do ser uns com os outros no mundo, à beira dos entes, na quotidianidade do sempre em cada caso meu; e, em terceiro lugar, ao que constitui a aplicação ôntica desta perspectiva meta-ontológica, enquanto exercício em propriedade do cuidado no acompanhamento terapêutico da existência fáctica, isto é, atendendo aos afectos na incapacidade de suportar o ser.

Origem da terminologia: as affectiones de Agostinho de Hipona

  • 1 Nas lições do semestre de Verão de 1921, Augustinus und der Neuplatonismus, hoje integradas em: HEI (...)
  • 2 HEIDEGGER, GA 60, 186.

3Foi no estudo de Agostinho de Hipona que Heidegger se encontrou lançado num projecto de compreensão do que chama “facticidade”. A experiência fáctica da vida está marcada pelas affectiones, em ambas as suas modalidades de doação (actual ou na memória). Heidegger, lendo Agostinho em 1921,1 traduz: Affektion, se se trata duma afecção corporal, por exemplo, uma dor física; Affekt, se não se trata meramente da impressão sensorial, mas da repercussão íntima das impressões num “estado de alma” [seelisches Zustand], implicando consciência e memória – por exemplo, o estar alegre, o estar triste ou o recear.2 Na verdade, retém da terminologia agostiniana a referência à passividade: o ser e estar afectado física ou animicamente.

  • 3 HEIDEGGER, Der Begriff der Zeit, GA 64, 2004, 111.

4É só em 1924, na conferência sobre “O conceito de Tempo”, embora ainda para traduzir as affectiones de Agostinho, que Heidegger usa pela primeira vez o termo que, daí em diante, passará a designar a abertura afectiva da compreensão: Befindlichkeit,3 a “afectividade” enquanto um sentir-me ou encontrar-me afectado, que, por sua vez, afecta a ex-sistência, sempre em cada caso minha e, com ele, o mostrar-se de tudo o que com ela se me dá. Com a forja deste novo conceito-chave do seu pensar, Heidegger reúne numa designação única o que caracteriza a porosidade afectiva, isto é, a permeabilidade do sentir e do sentir-se, que dá sentido ao que, assim, é sentido:

  • 4 Heidegger ressalta a inerência sentido-sentidos em Ser e Tempo, hoje editado em GA 2, 1977, mas que (...)

é só porque os ‘sentidos’ pertencem ontologicamente a um ente, que possui a maneira de ser do ser-no-mundo afectivo, que podem ser ‘tocados’ e ‘ser sensíveis a’, de tal modo que o tocante se mostra na afecção.”4

  • 5 HEIDEGGER, M., SuZ, § 29, 137-138: “In der Befindlichkeit liegt existenzial eine erschliessende Ang (...)
  • 6 HEIDEGGER, M., SuZ § 29, 134.

5A afectividade expressa, na verdade, três coisas: 1) já não propriamente o ser afectado (mera passividade instrumental), mas o deixar-se afectar5 (intencionalidade implícita que permite aperceber-se do que afecta e, por isso, poder percebê-lo); 2) a repercussão ou reverberação disso num estar/sentir-se afectado, que guarda no sentimento o percebido; e 3) o que, em português, chamamos a “afeição” (o vínculo de quem se deixa afectar com o que veio afectá-lo, vínculo que, por sua vez, afecta a compreensão deste último e de tudo o que com ele se manifesta). A disposição afectiva ou afectividade (Befindlichkeit) não é, pois, um mero estado de ânimo ou sentimento particular (Stimmung – afinação sempre concreta: esta ou aquela, alegria ou tristeza, por exemplo), mas o Gestimmtsein ou estar de antemão afinado6 (em harmonia, por vezes des-harmónica, verstimmt) com o que se nos dá e aparece.

  • 7 Já Kant, na segunda Introdução à Crítica da Faculdade de Julgar, chamara a atenção para o prazer li (...)
  • 8 HEIDEGGER, M., SuZ § 65, 323.
  • 9 HEIDEGGER, M., SuZ § 45, 231.

6Esta tematização só alcança, porém, pleno desenvolvimento em Ser e Tempo, onde a dinâmica ontológica do ser-em (um mundo) é analisada nas suas estruturas fundamentais. Enquanto “existenciário”, a Befindlichkeit é descrita como co-originária relativamente ao compreender e com este, já de antemão, discursivamente articulada na produção (projecção e jeito) de sentido. Desse modo, a dimensão afectiva do Dasein converte-se em categoria ontológica: nada do que se me dá e percebo carece de cunho afectivo, mesmo que me não dê conta disso explicitamente.7 Tudo aquilo de que me ocupo no meu quotidiano fazer pela vida e mesmo o meu estar-ocupada nisso se traduz em inquieto ou atento cuidado: de mim, dos outros, do que no mundo vem ao meu encontro. É o estar já porosamente lançada nesse mundo que me faz sentir o que nele se manifesta e me afecta, às vezes para bem, outras para mal, nos propósitos, cautelas e antecipações [Vorhabe, Vorsicht, Vorgriff] que expressam a minha compreensão do ser. A esta dinâmica, na sua totalidade, chama Heidegger “existência”. Ela caracteriza a maneira humana de ser enquanto “compreensão do ser” [Seinsverständnis] e enquanto “resolução antecipativa” [vorlaufende Entschlossenheit],8 isto é, enquanto exercício em cada caso próprio de acolhimento do ser, de tal modo que a sua pre-ocupação com ele lhe abre de antemão um horizonte de aparição para o vir-à-presença [Anwesenheit] das coisas, em que o Dasein se vê também a si mesmo, embora à maneira de quem “leva o ser no seu ser” – de quem, sendo, se ocupa do ser que sente próprio: “es in solchem Sein um dieses als das eigene geht”.9

7O âmbito dos afectos alcança, assim, no pensamento de Heidegger, uma dimensão central. Não só se ultrapassa e vence o paradigma moderno da racionalidade, que só permitia ver o emotivo e passional como o que se lhe escapava e se lhe opunha, como, além disso, a afectividade, em íntima e originária articulação com o compreender, se converte numa das estruturas do ser na sua fenomenologia no mundo e linguagem humanos e, nessa medida, numa das características ontológicas do próprio ente que, como Dasein, “leva o ser no seu ser”.

  • 10 V. HEIDEGGER, M., SuZ GA 26, 1990, 199.
  • 11 HEIDEGGER, M., “Was ist Metaphysik?” [1929], in Wegmarken, GA 9, 1976.
  • 12 HEIDEGGER, M., Die Grundbegriffe der Metaphysik. Welt – Endlichkeit – Einsamkeit [1929/1930], GA 29 (...)

8Mas as potencialidades desta concepção estendem-se a campos que no início só liminarmente haviam sido previstos pelo autor. Quando, em 1928, no contexto do seu curso sobre Leibniz, Heidegger menciona, pela primeira vez, a possibilidade duma extensão meta-ontológica da Ontologia Fundamental, isto é, a possibilidade duma Ôntica do Dasein, apenas dá como exemplo do seu possível conteúdo antropológico o duma Ética.10 Em 1929, porém, coincidindo com o retorno a Freiburgo, principia uma iniciação sistemática a uma Metafísica do Dasein. Essa iniciação faz-se, em claro desafio ao cunho da Fenomenologia husserliana, pela exploração do papel ontológico de dois fenómenos afectivos: a angústia, que já tinha tido uma importante referência em SuZ, e o tédio. Na Antrittsvorlesung11 e nas Lições sobre Os problemas fundamentais da Metafísica,12 Heidegger esforça-se por dar a ver fenomenologicamente o carácter primevo e de plena autenticidade daqueles dois sentimentos, acentuando, contudo, a importância não tanto da mera descrição das suas características comportamentais – ou seja, meramente psicológicas – mas sobretudo o seu carácter de inquietante alerta ante o que só somos capazes de antever como recusa. O que assim se perscruta é a harmonia des-harmónica que antes mencionava: a fugaz intensidade ou a estagnada demora da ausência, reveladora do nada dos entes, sejam coisas ou o próprio homem que, à partida e quase sempre, retendo-as, se lhes entrega. Este brevíssimo relampaguear do não-ser abre a compreensão – quer a título individual, quer a título colectivo, na definição duma época – do “aí” na sua fragilidade enquanto morada do ser, do aí que é a existência deste ente, que uns com os outros somos, enquanto trazemos o ser no nosso cuidadoso ou descuidado fazer pela vida. Nesta consideração afectiva, porosamente, o ser à maneira humana finita percebe o que recusa essa finitude, sem ganhar forma de coisa nenhuma; e esse nada marca o humano como tal – como existência afectada e afectuosamente compreensiva, quotidiana e historicamente.

9A esta investigação, que Heidegger leva a cabo em 1929, e que tem por objecto a duplicidade ôntico-ontológica do Dasein enquanto ser humano, sucede um percurso enriquecedor das diferentes modalidades de abertura existenciária para o mostrar-se do ser, com a análise da questão da verdade e do seu chegar à figura – por exemplo, na obra de arte. É só depois da guerra, a partir de 1947, com o início da sua relação, primeiro só epistolar, com o psiquiatra Medard Boss, e especialmente entre 1959 e 1969, aquando da realização dos Seminários de Zollikon, que Heidegger aceita o desafio de permitir que a sua concepção (que neste momento já não se restringe à Ontologia Fundamental, tendo evoluído para o que chama História do Ser) sirva de orientação para a prática de acompanhamento médico de tipo psicoterapêutico a que chama Daseinsanalyse.

10O termo tem uma dupla ressonância. Se, por um lado, remete para a Analítica existenciária de SuZ, por outro, deixa ecoar um paralelismo ou contraste com a Psycho-analyse freudiana. A crítica de Freud nos Seminários torna bem patente esta referência, embora neles seja quase sempre implícita. Medard Boss, num livrinho de 1957, atendera já especialmente a este ponto, explicitando sistematicamente as diferenças entre as duas concepções e práticas clínicas e deixando muito claro, desde o início, o carácter falacioso induzido pela

  • 13 BOSS, M., Daseinsanalyse und Psychoanalyse (1957) München, Kindler, 1980, 7; mais tarde volta ao te (...)

similitude linguística de ambas as designações psicanálise e daseinsanálise [que] faz com que apareça e se difunda a opinião segundo a qual estas duas disciplinas constituiriam duas tendências de psiquiatria e psicoterapia concorrentes uma com a outra. […] Ora, a mera parecença fonética não é garantia suficiente de que tenham alguma coisa a ver uma com a outra.”13

  • 14 V. carta a K. Löwith de 20 de Agosto de 1927. Em “Drei Briefe M. Heideggers an K. Löwith”, in PAPEN (...)

11Heidegger, por seu lado, nunca aceitara a proximidade da sua problemática com a de Freud, deixando até transparecer certa antipatia por este, o que, do ponto de vista de quem parte da centralidade da abertura afectiva na compreensão, não deixa de ser revelador e relevante. Recorde-se, por exemplo, a sua rejeição de qualquer tentativa de consentir em que quer a sua “hermenêutica da facticidade” (1923), quer a Ontologia Fundamental de Ser e Tempo fossem lidas à maneira da psicanálise – leitura que atribui a Karl Löwith e a Oskar Becker e que classifica de “retorcida”.14 Parece, pois, que, neste caso, a sua resolução não foi capaz de antecipar o que seria a sua única concessão à aplicação fáctica da perspectiva meta-ontológica: a Daseinsanalyse como terapia existencial.

  • 15 V. DASTUR, F., «Qu’est-ce que la Daseinsanalyse?» Phainomenon 11 (2005), 125-133. Na linha de José (...)
  • 16 HEIDEGGER, M., Zollikoner Seminare. Protokolle – Zwiegespäche – Briefe, Frankfurt, Klostermann, 199 (...)

12Num texto muito introdutório, Françoise Dastur resume, com base numa importante passagem dos Seminários de Zollikon, o triplo uso heideggeriano do termo:15 em Ser e Tempo, a expressão “analítica existenciária” 1) significa a análise – à maneira da Analítica transcendental kantiana16 – das estruturas do Dasein a que chama Existentialien, os “existenciários”; 2) designa igualmente o que Dastur menciona como uma “antropologia existencial”, na qual os fenómenos da existência do Dasein são descritos a partir da analítica existenciária, em substituição do horizonte da antropologia tradicional, edificada sobre a interpretação do homem como animal racional; e, finalmente, 3) fixa terminologicamente uma nova prática terapêutica, fundada disciplinarmente nas anteriores, mas orientada para os fenómenos que se mostram concretamente num Dasein singular e são acessíveis na relação entre o médico ou terapeuta e o paciente.

  • 17 HEIDEGGER, M., Kant und das Problem der Metaphysik [1929], GA 3, 1991, 234.

13A nossa tarefa vem, assim, centrar-se no lugar que a afectividade ocupa nesta tripla perspectiva: ontológica, meta-ontológica e ôntica. No primeiro ponto de vista está em questão o Dasein enquanto “ser o aí” em que o ser, que nos transe, chega à palavra. Impera aqui o confessado paralelismo (diz Heidegger) com Kant. No segundo, está em questão não tanto o “ser o aí”, quanto o facto de esse “aí” ser facticamente “no homem”, das Da-sein im Menschen, como já aparecia no final de Kant e o Problema da Metafísica.17 Numa terceira etapa, finalmente, está em questão a relação constituinte do ser-aí, tal como se mostra singularmente no caso particular de quem busca na terapia remédio para o seu não ser capaz de padecer a quotidianidade do ser-em-um-mundo-com os outros-à-beira-dos-entes.

14É nossa tarefa agora abordar cada um destes três momentos, seguindo o uso exemplificativo e abrangente que Heidegger faz do fenómeno do temor, não só na sua aparição inicial em 1927, mas na sua reaparição posterior sob múltiplas formas.

A afectividade na dinâmica estrutural do cuidado

  • 18 HEIDEGGER, M., ZS, 150.

15Os parágrafos centrais de Ser e Tempo (§§ 29-41), destinados à análise do “ser em”, trazem à luz os elementos estruturais daquilo que constitui o ser do Dasein, enquanto exsistência. Fazendo uso duma aclaração mais tardia, a que já aludi ao mencionar o paralelismo com Kant, devemos atender a que Heidegger procura explicitamente nessa “análise” a “articulação da unidade duma estrutura”.18 Se, em Kant, a analítica transcendental procurava esclarecer a síntese do entendimento na sua unidade, enquanto possibilidade (ontológica) de constituição de algo como objecto, a analítica do Dasein procura mostrar a unidade da existência como cuidado em exercício, isto é, como uma dinâmica em que o mundo vem ao encontro do Dasein no seu estar com os outros ocupado na labuta quotidiana, no meio dos entes.

  • 19 HEIDEGGER, M., SuZ § 31, 142.
  • 20 HEIDEGGER, M., SuZ §§ 31 e 34, 142-143 e 171.

16Cuidar de é atender a, prestar assistência, mas também é ter cuidado com, ser cuidadoso e até cauteloso. O vocábulo alemão Sorge, como o português, expressa de imediato o carácter afectivo dessa dinâmica constitutiva da existência fáctica. Na linguagem, que é a articulação da compreensão, guarda-se esse vínculo afectivo, que o puro atender dirigido ao objecto descuida. Não é um mero matiz expressivo, uma reverberação ou um “fenómeno que acompanha” outros fenómenos “psíquicos”, mas o próprio movimento (sempre em cada caso próprio) de dirigir-se (compreendendo), ao mundo. Heidegger di-lo repetidamente, de várias maneiras. Por exemplo, quando afirma: “A afectividade tem em cada caso uma compreensão, embora só mantendo-a submersa. O compreender está sempre afinado”.19 Ou quando diz que compreender e afectividade são gleichursprünglich, igualmente originários, tal como também o é a fala ou discurso, embora de uma maneira peculiar, consistente esta na articulação (lógos) daqueles dois.20

  • 21 HEIDEGGER, M., SuZ § 29, 137.

17O carácter de “igual originariedade” destes três elementos da estrutura dinâmica que é a compreensão do ser ou existência obriga a falar deles como um fenómeno total, o que Heidegger sempre sublinha, evitando a perda do sentido originário de unidade. No entanto, atribui desde o primeiro momento à afectividade o papel-chave – no sentido de introdução na fechadura (em alemão, Schloss) que permite o abrir-se do ser (Erschlossenheit) – na dinâmica do cuidado: “A afinação afectiva tem já de sempre aberto o ser-no-mundo como um todo”, pelo que “torna pela primeira vez possível o dirigir-se a…”.21

  • 22 V. ainda HEIDEGGER, M., SuZ § 29, 137: “Befindlichkeit […] ist eine existenziale Grundart der gleic (...)

18Este “dirigir-se a” constitui, como sabemos, o fenómeno da intencionalidade. Esta, marcante na fenomenologia à maneira husserliana, vê-se assim, agora, criada e iniciada pela via primordial do afecto, que abre o portal do ser. Por esse portal, assim franqueado, vêm então à presença, também com igual originariedade, o mundo, o ser-uns-com-os-outros e a existência ela mesma.22 O modo como “me sinto” (afectado) afecta, pois, num fenómeno totalizante, o mundo em que me sinto sentir, a minha relação com os outros e o meu próprio cuidar de fazer pela minha vida com eles.

19É, pois, a intencionalidade afectiva que me lança na facticidade da relação ao que se me apresenta. Só depois, na compreensão que procura chegar à raiz do que se vive sem ser perfeitamente compreendido, ao insistir nesse “círculo” que lhe é inerente – porque se iniciou afectivamente, mas sem plena consciência, portanto tão-só implícita, quase adormecidamente – só depois, por isso mesmo, pode o Dasein, hermenêuticamente, apropriar-se, compreendendo, do compreendido, no que Heidegger chamará interpretação (enquanto movimento inerente à compreensão).

20Assim descrita, a afectividade determina, desde o início, a pré-compreensão selectiva da realidade: só nos deixamos tocar por aquilo que estamos predispostos a ver no nosso mundo circundante, e estamos predispostos a ver sempre em cada caso duma certa maneira. Que me pareça desagradável e antipático o vizinho do andar de baixo, porque ontem, vá-se lá saber porquê, me olhou com antipatia, não depende tanto desse olhar, quanto da minha memória afectiva que reteve a assintonia em presença do vizinho, noutras ocasiões; sem paranóia, sinto implícita e até, talvez, inquietantemente que devo ter cuidado com ele. Esse sentir – que é já cuidado de mim no meu viver quotidiano, semidesatento, mas sem completo descuido – dá sentido de realidade às coisas e aos outros entre os quais vivo. A resposta afectiva – afectada e afectuosa – à solicitação mundana é sempre já manifestação do meu ser-em enquanto momento e estrutura intrínseca à dinâmica do cuidado.

21A afeição, assim desenvolta, é muito diferente do pulsional, a que Freud a remetia, reduzindo- a à carga-descarga de um quantum de energia. Como reconhece André Green,

  • 23 GREEN, André, Le Discours vivant : la conception psychanalytique de l’affect. Paris, PUF, 1973, 99.

o afecto, na concepção analítica, não se compreende senão pelo modelo teórico da pulsão. […] O afecto é uma das duas componentes da representação psíquica da pulsão, designando nesta representação a parte energética.”23

  • 24 HEIDEGGER, M., ZS, 24 e 148.
  • 25 V. HEIDEGGER, M., Prolegomena zur Geschichte des Zeitbegriffe [1925], GA 20, 409-411 e SuZ, § 41, 1 (...)

22Nos Zollikoner Seminare, em crítica a Freud, pela sua explicação naturalista do humano, que o reduz a uma mecânica energética e às consequências desta, segundo um modelo biológico, Heidegger contrapõe ao processo de análise freudiano outra forma de retrocesso até ao originário. Se, em Freud, se pressupõe a possibilidade de remontar causalisticamente do sintoma aos elementos que estão na sua origem, e se concebe a “análise” por analogia com o processo químico do mesmo nome,24 Heidegger não considera que nesta origem esteja propriamente um elemento simples, mas uma estrutura complexa, que é a do cuidado, na sua articulação dinâmica: a afeição compreendente, pela qual somente o que quer que seja chega a aparecer no mundo da vida, linguística e culturalmente articulado. Relativamente a este plexo originário, os “elementos simples”, dele isolados e empobrecidos, são para Heidegger “modalidades modificadas do cuidado” [Modifikat der Sorge], como é o caso da inclinação [Hang] e da pulsão [Drang], fenómenos que são caracterizados como derivados, isto é, não originários.25

  • 26 HEIDEGGER, M., „Was ist Metaphysik?”, in Wegmarken, GA 9, 110.

23Tal como a “inclinação”, que implica o estar pendente de, o “deixar-se arrastar” por aquilo ou aquele de quem se está à beira (ein Hin-zu des Sich-ziehen-lassens aus einem Wobei), sem consideração autêntica do outro como um outro pleno, não só como indivíduo mas como Dasein; também a pulsão [Drang], que urge e empurra na direcção de, marca um contraponto do ser em propriedade (em liberdade), que é o pleno exercício do cuidado. Em ambos estes fenómenos, a acção é compulsiva e omite a atenção ao outro, não permitindo descobrir senão o que já de antemão se quer encontrar. Nas lições sobre Santo Agostinho, acima citadas, este carácter compulsivo da acção aparecia descrito como tentatio. Em contraponto, embora numa referência que careceria de um maior desenvolvimento, que não encontramos em Heidegger, está o fenómeno registado em “O que é a Metafísica?” como a “alegria que nos proporciona a presença do Dasein – e não da mera pessoa – de um ser querido”.26 Neste caso, justamente, vem à luz o fenómeno total, que permite guardar e aguardar, cuidando, o ser em plenitude do Dasein com o qual (e não meramente à beira do qual) o Dasein que eu sou está.

  • 27 V. especialmente HEIDEGGER, M., GA 20, § 31b), 409-410. É interessante que Heidegger, como refiro n (...)

24Na análise de 1925, nos Prolegomena, a inclinação, enquanto modificação privativa do cuidado, manifesta-se passionalmente, dirigindo-se quer a alguém, quer a algo do entorno intramundano, descoberto na preocupação vital sempre em cada caso minha. O fenómeno constitui, pois, um “estar preso àquilo de que se está à beira”, isto é, o não ser livre nem deixar ser livre, portanto, não abrir possibilidades, encerrando-se no estar pendente de algo/alguém imediatamente à mão. Não há lugar para o que, mais tarde, Heidegger chamará Gelassenheit: o sereno e íntegro deixar(-se)-ser-com. Paralelamente, também o impulso ou pulsão revela essa derivação modificativa, que poderíamos traduzir como privação por recalcamento do autêntico cuidado, que, estando lá originariamente, foi amputado e é, portanto, reprimido e ocultado: als Drang verdrängt die Sorge, “enquanto pulsão, o cuidado recalca” os outros momentos estruturais que constituem a sua dinâmica, “pelo que estes só aparecem lá como recalcados, isto é, […] ocultos”.27

25Esta dupla referência existencial ao pulsional, há que entendê-la no contexto heideggeriano da Ontologia Fundamental, em contraponto quer ao biológico (no sentido da pulsão), quer ao psicológico (libido, enquanto energia psíquica ligada à pulsão) que impregnam a antropologia freudiana. Compreender (afectivamente) o ser, em todas as suas manifestações, significa libertá-lo para que, em mim e no outro que comigo está a ser, aceda a mostrar-se livremente, em vez de agir compulsiva e decadentemente, reproduzindo desarticulada e cegamente rotinas (individuais ou colectivas), em que o aí-do-ser, âmbito de abertura ao novum e à surpresa, se perdeu.

  • 28 Hannah Arendt – Martin Heidegger Briefe 1926 bis 1975, Frankfurt, Klostermann, 1998, 88.

26Neste contexto, o doentio representa, coerentemente, uma privação: a queda encobridora do ser autêntico do “aí” em que o ser pode chegar a mostrar-se, mas que revela na falta o poder instantâneo da verdade libertadora. E esta dar-se-ia, sempre, em qualquer caso, como aquilo que, a partir de meados dos anos 30, Heidegger chama o Ereignis: o local-instantâneo (Augenblicksstätte) em que a apropriação recíproca entre o ser e o seu aí acontece, isto é, o propiciar-se ou libertar-se em relação do ser que se dá e do recebê-lo no mundo e cultura humanas, que se institui como seu “aí”. Algo que, por outro lado e em variante poética, Heidegger exprime também como o fenómeno do amor, de que não chega nunca a falar nos seus textos teóricos: “a a-propriação no amor acontecida”, que tenta articular num dos seus poemas.28

27A ontologia heideggeriana do cuidado, de que a afectividade é ponto de arranque e acolhimento, desemboca, assim, no que constitui o limiar do retorno meta-ontológico à vida fáctica.

O afecto no quotidiano viver e conviver ocupado em ser

28Partamos, portanto, desse patamar ontológico alcançado para voltar ao quotidiano conviver uns com os outros, ocupados nos afazeres em cada caso próprios. Do afecto devemos esperar que antecipe uma certa compreensão. Da compreensão temos de supor que está já de antemão orientada pela disposição afectiva. No entretecer-se implícito ou explícito do discurso, em que esta compreensão afectiva chega à palavra, configura-se a existência de cada um. A existência é ser-no-mundo, que se inicia no ver-em-torno da labuta quotidiana. Pragmático, o ver-em-torno (umsichtiges Besorgen) selecciona as coisas e as gentes em virtude (worumwillen) da sua utilidade ou inutilidade para servir os fins do homem, na sua entrega ao que há a fazer. Entregue à presença das coisas, o Dasein perde-se no meio delas e esquece-se, vivendo, da sua dignidade ontológica como “aí-do-ser”. É mais uma forma do encobrimento inerente ao des-cobrir-se do ser: coisificando, o Dasein coisifica-se a si próprio, circunscrevendo a compreensão de si mesmo à sua dimensão antropológica. O Dasein no homem liga-se como indivíduo aos indivíduos, como algo intramundano às coisas intramundanas, como um ente mais entre entes. Não perde a sua dignidade ontológica, mas a sua preocupação dirige-se ao imediato e ao presente do que tem à frente e à mão. O seu cuidado desvia-se do ser, para o ter – como diria Erich Fromm –, do irromper do sempre surpreendente e, por isso, potencialmente inquietante novum, para o repetir do seguro e conhecido, na sua tranquilizante serventia.

29Neste quadro de adormecimento ôntico no não-ser em propriedade (inautenticidade), que preside o nosso dia-a-dia, podemos disfrutar longo tempo da rotina no seio do familiar, que garante a paz precária do estar no seu ambiente e ter por óbvios, e portanto seguros, os passos a dar no viver à beira do que nos vem ao encontro no mundo em que cremos estar, imersos na impessoalidade do Man. É por isso que é só no quebrar-se desta serenidade tosca que é recuperável a dignidade ontológica no seu viver na acuidade própria do estar-desperto. Mas o pressentir e antever dessa possibilidade de ruptura, que aponta para a nossa vulnerabilidade e finitude, é também fazer a experiência da negatividade e do sofrimento a ela ligados. Coerentemente com esta descoberta, Heidegger introduz, portanto, as manifestações fácticas do cuidado na sua vertente “sentinte” mediante variantes da inquietude, enquanto sensibilidade ao “ameaçador”. Daí a referência muito detalhada, em Ser e Tempo, às diferentes variantes afectivas do temor, desde a sua forma mais racional (o medo) até às que revelam maior insegurança, como o terror ou o horror.

30A análise destas Stimmungen concretas coloca-nos ante a detecção no ôntico do ontológico, o qual, enquanto ausente, se anuncia ameaçadoramente. Mais poderosamente que o recalcamento – permita-se-me a extrapolação para o pensamento de Freud, que a meditação sobre a Verdrängung como acção de Drang autoriza –, o apelo do ser, sempre implícito na existência, cunha a via de libertação para a verdade do Dasein. No início da análise da angústia, em Ser e Tempo, diz:

  • 29 HEIDEGGER, M., SuZ § 40, 184.

É certo que, na queda, existencialmente [existenziell], o ser-si-mesmo em propriedade está fechado e recalcado [verschlossen und verdrängt], mas esse estar-fechado é apenas a privação dum estar-aberto [Erschlossenheit], cujo fenómeno se manifesta em que a fuga do Dasein é fuga ante si mesmo.”29

31A consideração dos afectos particulares dá-se, pois, no retorno da análise ontológica ao ôntico, preludiando o que, em 1928, Heidegger, como vimos, chamará “meta-ontológico” e verá como uma volta da Ontologia Fundamental ao seu solo ôntico, traduzindo-se numa metafísica ou antropologia do Dasein.

  • 30 HEIDEGGER, M., SuZ, § 29, 140.

32Essa análise inicia-se, em Ser e Tempo, com a consideração do medo, enquanto “fenómeno da afectividade”, para mostrar, através deste, “a estrutura da afectividade em geral”, inclusive nas suas “modificações”, que “dizem respeito a momentos estruturais em cada caso diversos”.30

33Esta estrutura é, como é habitual em Heidegger, triádica: sentimos medo de, isto é, ante algo (das Wovor), que tememos (das Fürchten) em virtude de sentirmos ameaçado o nosso Dasein ele mesmo (das Worum). O primeiro momento – ante quê – indica claramente a presença de algo ante nós, algo vorhanden intramundano, que é temível, que tem o carácter de ameaçador [Bedrohlichkeit]. Só é ameaçador se, de algum modo, está presente ante nós ou é expectável que possa vir a estar. Isto define o medo como um fenómeno do estar-ocupado à beira dos entes que, de uma ou outra maneira, deixamos vir ao encontro. Neste caso: na perspectiva do nocivo que ameaça o meu fazer pela vida e que há que reconhecer para poder evitar. O segundo momento estrutural é o temer propriamente dito, o ter medo. Nele se articula dinamicamente o que é ameaçador com aquele em virtude de [Worum] quem a ameaça sentido como tal – o próprio Dasein, que constitui o terceiro momento. Ter medo é, então, um abrir-se do mundo, em que somos e estamos, como algo que, tímida ou temerosamente, compreendemos enquanto potencialmente nocivo. O mundo e o Dasein são, pois, co-originariamente abertos afectivamente, como correlatos numa relação ou vínculo dinâmico, pelo qual se mostram ambos fenomenologicamente na sua verdade. Neste temer do ameaçador revelam-se não só coisas mas também os outros, com os quais sou no mundo. E mesmo quando temo por alguém, que não sou eu, é por mim que temo: temo perdê-lo, temo que o mal que o atinja me fira também a mim e ao meu mundo circundante, ao feri-lo a ele.

  • 31 HEIDEGGER, M., Beiträge zur Philosophie. Vom Ereignis. GA 65, 1989, 20 ss.; 33 ss.
  • 32 HEIDEGGER, M., GA 65, 21.

34Este fenómeno tão rico pode modular-se segundo diversas possibilidades. O súbito apresentar-se do ameaçador é um susto [Erschrecken], cujo Wovor é, justamente, o repentino, mesmo que este possa até ser algo conhecido e familiar. Quando o repentino, pelo contrário, se dá como aparição do completamente estranho e sinistro, sentimos terror [Entsetzen]. O sinistro que se apresenta sem o carácter da surpresa des-encobre-se como horror [Grauen]. A timidez, o temor reverente (no sentido de temor de Deus), a ansiedade, o estupor – acrescenta Heidegger neste contexto – e o pânico, o pavor, o pudor, o nojo, poder-se-ia acrescentar, e o assombro, que Heidegger considera ser a Befindlichkeit grega no despertar-se do saber, e a reserva [Verhaltenheit] que, nos Beiträge,31 é o afecto do segundo início da História do Ser no mundo e cultura ocidentais: “A afinação afectiva de fundo [Grundstimmung] afina o aí-ser [das Da-sein] e, com ele, o pensar como projecto da verdade do Ser na palavra e no conceito”.32

  • 33 V. “Hölderlin und das Wesen der Dichtung” [1936], §§ 2 e 5, in HEIDEGGER, M., Erläuterungen zu Höld (...)
  • 34 V. especialmente “Die Frage nach der Technik”, in HEIDEGGER, M., Vorträge und Aufsätze, GA 7, 2000, (...)

35Em todas estas modalidades do medo há um denominador comum, que em textos especialmente investidos, como os que dedica a Hölderlin33 ou, sobretudo, os que tratam do projecto tecnológico do mundo, Heidegger denomina O Perigo.34 Falta, porém, um traço fundamental, sem o qual o desencobrimento do ser como ameaça não exibe a sua raiz ontológica. Esse traço, tacitamente guardado ao longo de toda esta exposição, é, como já suspeitaram, a angústia.

  • 35 HEIDEGGER, M., SuZ § 39, 182.
  • 36 Ibidem.

36O tratamento da angústia, sintomaticamente, não tem lugar no parágrafo sobre o medo (§ 30), mas mais à frente (§ 40), no seio do capítulo dedicado ao Cuidado, que constitui o ponto culminante da análise existenciária. A introdução da temática é feita em resposta a uma pergunta. Reza assim: “Há no Dasein uma afectividade compreendente em que ele se abra para si mesmo de maneira excepcional?”.35 A resposta é que sim: “A angústia, enquanto possibilidade de ser do Dasein, em uníssono com o Dasein ele mesmo nela aberto, dá o solo fenomenológico para a concepção explícita da originária totalidade ontológica do Dasein. O ser deste desvela-se como o Cuidado”.36

37Porque não se trata de uma mera Stimmung – como, em si, são as enunciadas variantes do medo, ancoradas no intramundano –, mas da inquietude em que consiste a compreensão explícita da absoluta finitude do Dasein, a angústia é, por isso, uma Grundbefindlichkeit do próprio Dasein. Ela expressa em uníssono a estrutura ontológica total do cuidado: Befindlichkeit, Verstehen, Rede no seu sentido e exercício mais próprios, Eigentlichkeit. O Dasein é, por isso mesmo, do ponto de vista afectivo, absoluta “inquietude”, radical ser “em cuidado” no seu trato com o mundo e com os outros, no seu aperceber-se de si e libertar o seu ser próprio. E só por isso é inerente ao mais íntimo abrir-se do Dasein o Perigo, que ele próprio é, justamente porque “leva o ser no seu ser”. A linguagem, “o mais perigoso dos bens”, e a técnica, o Perigo de todos os perigos, abrem fenomenologicamente esta dinâmica, pelo que todas as ameaças, mas também todas as construções e edificações do morar humano, podem ter lugar.

Os afectos na incapacidade de suportar o ser

  • 37 Recordemos que o texto sobre Das Unheimliche, por exemplo, que teve uma enorme repercussão cultural (...)
  • 38 HEIDEGGER, M., SuZ, § 40, 188.
  • 39 HEIDEGGER, M., “Was ist Metaphysik?”, GA 9, 112.

38Parece-me evidente a potencialidade de contextualização clínica duma compreensão do ser humano como esta, o que devia ser transparente para os seus ouvintes desde 1923, num ambiente cultural cada vez mais marcado pela presença de Freud.37 Mas Heidegger não parte da metapsicologia psicanalítica, que nunca parecerá conhecer mais que vagamente, mesmo tendo em conta as referências que aparecem nos Zollikoner Seminare, nem chega à necessidade duma terapêutica que possa integrar nessa conceptualização. Mas o pensador encontra como ser do Dasein de cada humano em particular uma estrutura originária complexa, alheia ao positivismo biopsíquico do modelo económico freudiano, estrutura que o torna, enquanto desperto para si mesmo, em absolutamente inquieto e vulnerável. Pois a angústia, que “manifesta no Dasein o seu ser-livre para a liberdade do escolher-se a si mesmo e se agarrar”, e que o leva “ao seu ser-livre para a autenticidade do seu ser como possibilidade, que já de sempre é”,38 é a mais insuportável das disposições de humor, o mais insustentável dos tempos humanos, em que, suspensos, flutuamos no vazio: wir schweben im Angst.39

39A falta de solo em que apoiar-nos traduz a nossa ânsia de fugir ao enfrentamento com o que desaparece ante nós, ao pretendermos agarrá-lo. A vida quotidiana, na sua confortável rotina, presa ao presente e pendente das coisas à mão, é o que mais nos ajuda a fugir dessa inquietude que é o álgido poder escolher aceitá-la como própria. Mas a mais radical forma de fuga é mesmo a morte, para evitar essa outra morte que nos ameaça na vida empobrecida, subitamente e em pânico descoberta como tal. O pensamento de Heidegger torna-se, por isso, num enquadramento de eleição da problemática existencial durante várias gerações da psiquiatria ou da psicoterapia, de que são exemplo nomes de vulto como Ludwig Binswanger (1881-1966), Medard Boss (1903-1990) ou Wolfgang Blankenburg (1928-2002), na procura de superar quer o reducionismo freudiano, quer a herança marcadamente cognitivista da fenomenologia husserliana, e desenvolvendo outra abordagem do indivíduo activo mas frágil no encontro consigo próprio como existente no mundo da vida.

40Digamos que, ao contrário da tradição ocidental, em que o sentimento e o sofrimento não alcançaram relevo filosófico, e só foram tidos em conta no âmbito do passional e do doentio, Heidegger dá ao afecto um lugar primordial na compreensão do humano, quer no pleno exercício do seu ser em propriedade, quer numa das possíveis consequências da exposição a esse ápice: a incapacidade de aguentar a absoluta insegurança do cume e a necessidade de fugir ante a sua evidência, de que tanto o refúgio na doença (enquanto privação da liberdade), como o refúgio na normalidade do quotidiano são duas formas operatórias.

41Resta saber – e é o desafio que os terapeutas desta linha de Análise existencial e Daseinsanalyse têm ante si – como, na prática, se pode ajudar quem sofre não só a suportar a dor e a angústia, mas a fazer delas o portal do libertar-se plenamente do que, nos humanos, é o seu carácter de exposto ao máximo Perigo, em que o seu próprio ser, desfazendo-se, consiste. Talvez a terapia não ouse tão ambiciosa meta. Mas a filosofia – o que dela, hoje, resta – nunca deixou de a procurar e de cuidar de guardá-la como tal (meta).

42O conceito heideggeriano de Befindlichkeit ocupa neste intento um lugar de relevo, pois, sendo o portal estrutural da relação (com o mundo, as coisas, os outros, o si mesmo), é também o momento inicial da dinâmica triádica do cuidado e da temporalidade extática em que este formalmente se traduz.

43Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo”, dizia Drummond de Andrade. Aqui, o filósofo corrigiria o poeta: porque também das duas mãos o que tenho é sentimento.

Topo da página

Notas

1 Nas lições do semestre de Verão de 1921, Augustinus und der Neuplatonismus, hoje integradas em: HEIDEGGER, M., Gesamtausgabe [GA], Bd. 60, Frankfurt, Klostermann, 1995. Veja-se p. 157 ss.

2 HEIDEGGER, GA 60, 186.

3 HEIDEGGER, Der Begriff der Zeit, GA 64, 2004, 111.

4 Heidegger ressalta a inerência sentido-sentidos em Ser e Tempo, hoje editado em GA 2, 1977, mas que citaremos pelas siglas e na paginação original de Niemeyer: “… nur weil die “Sinne” ontologisch einem Seienden zugehören, dass die Seinsart des befindlichen In-der-Welt-Seins hat, können sie “gerührt” werden und “Sinn haben für”, so dass das Rührende sich in der Affektion zeigt” (HEIDEGGER, M., Sein und Zeit, Tübingen, Max Niemeyer Verlag, 1929, [SuZ ], §29, 137).

5 HEIDEGGER, M., SuZ, § 29, 137-138: “In der Befindlichkeit liegt existenzial eine erschliessende Angewiesenheit auf Welt auf der her Angehendes begegnen kann.”

6 HEIDEGGER, M., SuZ § 29, 134.

7 Já Kant, na segunda Introdução à Crítica da Faculdade de Julgar, chamara a atenção para o prazer ligado à realização de qualquer intenção, inclusive do mero conhecer, mesmo se, tornado este um exercício habitual, deixou de ser percebido como tal: “zwar spüren wir an der Fasslichkeit der Natur […] keine merkliche Lust mehr: aber sie ist gewiss zu ihrer Zeit gewesen und nur weil die gemeinste Erfahrung ohne sie nicht möglich sein würde, ist sie allmählich mit dem blossen Erkenntnisse vermischt und nicht mehr besonders bemerkt worden”. KANT, I., Kritik der Urteilskraft, Einleitung, VI na Ak.A. Bd. V, 187.

8 HEIDEGGER, M., SuZ § 65, 323.

9 HEIDEGGER, M., SuZ § 45, 231.

10 V. HEIDEGGER, M., SuZ GA 26, 1990, 199.

11 HEIDEGGER, M., “Was ist Metaphysik?” [1929], in Wegmarken, GA 9, 1976.

12 HEIDEGGER, M., Die Grundbegriffe der Metaphysik. Welt – Endlichkeit – Einsamkeit [1929/1930], GA 29/30, 1983.

13 BOSS, M., Daseinsanalyse und Psychoanalyse (1957) München, Kindler, 1980, 7; mais tarde volta ao tema em Von der Psychoanalyse zur Daseinsanalyse (1979).

14 V. carta a K. Löwith de 20 de Agosto de 1927. Em “Drei Briefe M. Heideggers an K. Löwith”, in PAPENFUSS & PÖGGELER, Von der Aktualität Heideggers, Bd. 2, Frankfurt, Klostermann, 1992, 27-38.

15 V. DASTUR, F., «Qu’est-ce que la Daseinsanalyse?» Phainomenon 11 (2005), 125-133. Na linha de José Gaos, adopto o termo “existenciário” para traduzir “existenzial”.

16 HEIDEGGER, M., Zollikoner Seminare. Protokolle – Zwiegespäche – Briefe, Frankfurt, Klostermann, 1994 [ZS], 148 ss.

17 HEIDEGGER, M., Kant und das Problem der Metaphysik [1929], GA 3, 1991, 234.

18 HEIDEGGER, M., ZS, 150.

19 HEIDEGGER, M., SuZ § 31, 142.

20 HEIDEGGER, M., SuZ §§ 31 e 34, 142-143 e 171.

21 HEIDEGGER, M., SuZ § 29, 137.

22 V. ainda HEIDEGGER, M., SuZ § 29, 137: “Befindlichkeit […] ist eine existenziale Grundart der gleichursprünglichen Erschlossenheit von Welt, Mitdasein und Existenz, weil diese selbst wesenhaft In-de-Welt-sein ist.”

23 GREEN, André, Le Discours vivant : la conception psychanalytique de l’affect. Paris, PUF, 1973, 99.

24 HEIDEGGER, M., ZS, 24 e 148.

25 V. HEIDEGGER, M., Prolegomena zur Geschichte des Zeitbegriffe [1925], GA 20, 409-411 e SuZ, § 41, 195-196.

26 HEIDEGGER, M., „Was ist Metaphysik?”, in Wegmarken, GA 9, 110.

27 V. especialmente HEIDEGGER, M., GA 20, § 31b), 409-410. É interessante que Heidegger, como refiro noutro lugar, na comparação entre os dois fenómenos, parece apreciar mais positivamente a pulsão que a inclinação, pois afirma daquela que, se orientada pelo autêntico cuidado, “a sua inquietude, mais que a dependência da inclinação, poderia abrir possibilidades, deixando aparecer livremente o outro ou o ser que, senão, se encobriria.” V. BORGES-DUARTE, I., “A fecundidade ontológica da noção de cuidado. De Heidegger a Maria de Lourdes Pintasilgo.” Ex-Aequo, 21 (2010), 125.

28 Hannah Arendt – Martin Heidegger Briefe 1926 bis 1975, Frankfurt, Klostermann, 1998, 88.

29 HEIDEGGER, M., SuZ § 40, 184.

30 HEIDEGGER, M., SuZ, § 29, 140.

31 HEIDEGGER, M., Beiträge zur Philosophie. Vom Ereignis. GA 65, 1989, 20 ss.; 33 ss.

32 HEIDEGGER, M., GA 65, 21.

33 V. “Hölderlin und das Wesen der Dichtung” [1936], §§ 2 e 5, in HEIDEGGER, M., Erläuterungen zu Hölderlins Dichtung, GA 4, 1981.

34 V. especialmente “Die Frage nach der Technik”, in HEIDEGGER, M., Vorträge und Aufsätze, GA 7, 2000, 27 ss.

35 HEIDEGGER, M., SuZ § 39, 182.

36 Ibidem.

37 Recordemos que o texto sobre Das Unheimliche, por exemplo, que teve uma enorme repercussão cultural, é de 1919.

38 HEIDEGGER, M., SuZ, § 40, 188.

39 HEIDEGGER, M., “Was ist Metaphysik?”, GA 9, 112.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Irene Borges-Duarte, «O afecto na análise existencial heideggeriana»Cultura, vol. 35 | 2016, 135-150.

Referência eletrónica

Irene Borges-Duarte, «O afecto na análise existencial heideggeriana»Cultura [Online], vol. 35 | 2016, posto online no dia 02 fevereiro 2018, consultado o 21 setembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/cultura/2603; DOI: https://doi.org/10.4000/cultura.2603

Topo da página

Autor

Irene Borges-Duarte

Universidade de Évora, Portugal.
iborgesduarte@gmail.com
Professora associada na Universidade de Évora. Formação em Lisboa, Madrid (Doutoramento, 1994), Mainz e Freiburg im Breisgau. Presidente da Associação Portuguesa de Filosofia Fenomenológica. Membro da Heidegger-Gesellschaft e da Sociedad Ibero-americana de Estudios Heideggerianos. Tradutora de Heidegger, coordenou o projecto de investigação e edição “Heidegger em Português” (FCT), obtendo dois prémios nacionais de tradução (2002, Caminhos de Floresta; 2003, O Conceito de Tempo). Principais publicações: La presencia de Kant en Heidegger (Madrid, 2001); A Natureza das Coisas e as Coisas da Natureza. Um estudo da Crítica da Razão Pura. (Lisboa, 2006); A Morte e a Origem. Em torno a Heidegger e a Freud (Ed.; Lisboa, 2008); Arte e Técnica em Heidegger (Lisboa, 2014).
Associated Professor at the University of Évora. She studied in Lisbon, Madrid (PhD, 1994), Mainz and Freiburg im Breisgau. President of the Portuguese Association for Phenomenological Philosophy. She is a fellow of the Heidegger-Gesellschaft and of the Ibero-American Society for Heidegger Studies. As a Heidegger’s translator, she coordinated the research and editing project «Heidegger in Portuguese» (FCT), having received two Portuguese translating prizes (in 2002, for Caminhos de Floresta [Holzwege]; in 2003, for O conceito de tempo [Der Begriff der Zeit]). Her main published works are La presencia de Kant en Heidegger (Madrid, 2001); A natureza das coisas e as coisas da Natureza. Um estudo da Crítica da Razão Pura. (Lisboa, 2006); A Morte e a Origem. Em torno a Heidegger e a Freud (Ed.; Lisboa, 2008); Arte e Técnica em Heidegger (Lisboa, 2014).

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0
Cultura is licensed under a Creative Commons Atribuição 4.0 International.

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search