Navegação – Mapa do site
Edição de Gazetas Manuscritas do Século XVIII

Manual de Edição das Gazetas Manuscritas da Biblioteca Pública de Évora

Edition handbook of «Gazetas Manuscritas»
Tiago C. P. dos Reis Miranda, Fernanda Olival e João Luís Lisboa

Resumos

A edição de um maiores testemunhos narrativos do reinado de D. João V impõe a observância de procedimentos de transcrição, anotação e indexação relativamente complexos. Tendo por meta consolidar o percurso dos últimos anos e considerando a necessidade de ajustar o trabalho em equipa, procura-se aqui proceder a um exercício de pormenorização de critérios, com base na estrutura dos volumes já publicados e num novo contacto com as normas disponíveis sobre a recuperação de informações bibliográficas e documentais.

Topo da página

Texto integral

1325-361

201/12/2005

330/06/2018

4A iniciativa de editar as gazetas manuscritas da Biblioteca Pública de Évora foi formalmente acordada em Dezembro de 2001 entre o Centro de His­tória da Cultura da Universidade Nova de Lisboa e o Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (CIDEHUS). Desde então, os códices de folhetos avulsos do intervalo de 1729 a 1734 deram origem a um par de volumes impressos, seguindo-se agora o trabalho necessário à publicação dos restantes registos da década de 1730. Repartem entre si as tarefas em curso os investigadores responsáveis pelo projecto e dois licenciados na área de História, com pós-graduações em História Cultural e Política e em Ciências Documentais.

5Já nesta fase, o texto editado é um dos maiores e mais relevantes teste­munhos narrativos dos anos de governo de D. João V. Muitos dos elementos que nele se descobrem dificilmente sobreviveram em outros suportes. E, em certa medida, a própria existência de uma série contínua de "jornais manuscri­tos" para um período tão recuado vem refrescar alguns dos aspectos do velho debate sobre o carácter da "modernidade" e da "opinião pública" em Portugal no século XVIII.

6Só por si, isso seria talvez o bastante para explicar a adopção, no tra­balho proposto, de regras de procedimento e de exigência que geralmente se associam à "edição crítica": entre elas, o cotejo aturado das várias lições conhecidas, o inventário de trechos citados na historiografia, a tentativa de elucidar passagens obscuras, o confronto com outros testemunhos do mesmo período e a elaboração de instrumentos para recuperar com eficácia a informa­ção registada. Mas a partilha específica de um interesse crescente por temas de história da escrita e da leitura não deixaria também de implicar a neces­sidade de assumir um conjunto de encargos mais volumoso que os da usual edição de "fontes de história"; porque, sob esse enfoque, passam igualmente a ter importância todo o tipo de indícios que possibilitem melhor entender o processo de elaboração, circulação e recepção dos textos tratados. Existe por­tanto uma espécie de virtuosa coincidência entre as respostas mais adequadas a um rol de problemas tão diferentes, como os motivos das adesões pessoais ao projecto em questão.

7O manual de princípios e normas que aqui se apresenta resulta do facto de se ter vindo a tomar consciência da complexidade das operações definidas e executadas, nos últimos anos, sem discordâncias metodológicas substanti­vas no seio do grupo. Não por acaso, as dificuldades que desde o começo se foram sentindo de forma mais viva diziam respeito à delegação de determina­das tarefas a auxiliares, e à explicação do tempo exigido para as cumprir. Com o esforço que agora se faz, tem-se a esperança de que um próximo aumento do número de colaboradores possa de facto trazer bons resultados. Espera­-se, ainda, proporcionar elementos para um controlo mais alargardo de todo o trabalho e o efetivo exercício da crítica de especialistas a pontos concretos e bem definidos.

8Este "caderno" assinala, de resto, uma maior coerência das opções adoptadas e um ajuste bastante mais fino da relação de procedimentos opera­tivos. Não se pretende, porém, condicionar o contacto com o texto-matriz a uma estrutura que seja tão rija, que o desrespeite ou que o deforme. Tal como até ao momento, permanece o desejo de uma atitude de abertura a situações imprevistas. E um dos domínios em que elas sucedem com mais recorrência é o que se encontra no fim da cadeia que aqui se descreve: a indexação.

9Desde o início, o processo de escolha de termos indexáveis efectuou­-se directamente a partir da leitura das transcrições, sem o auxílio de qual­quer tipo de repertório pré-existente, mas informado pela consulta de obras diversas sobre os princípios de indexação bibliográfica e arquivística. Nos últimos meses, houve também o cuidado de aprofundar o estudo das normas ISO sobre o trabalho de construção de tesauros temáticos – que doravante se irá prosseguir.

10Agradeço a José Carlos Sebe Bom Meihy, mestre e amigo de sempre, o interesse com que interveio na iniciativa que me levou a apresentar um curso de pós-graduação intitulado "Cultura política e gazetas manuscritas em Portu­gal no século XVIII" ao Departamento de História da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP. Agradeço, igualmente, o acolhimento da Cátedra Jaime Cortesão, dos professores e colegas das áreas de Ibérica e de Moderna, e dos alunos que me acompanharam nesses mais de dois meses de longas conversas sobre os "jornais manuscritos" setecentistas e as opera­ções necessárias à sua edição. Mesmo a propósito, reli nessa altura e indiquei com prazer trechos da prosa notável de Sérgio Buarque de Holanda, que, num artigo datado de Julho de 1950, acentuava a ideia de que "a crítica interna, a crítica externa, toilette dos documentos – tudo, enfim, quanto aprendemos em manuais clássicos – fazem parte da erudição, e não verdadeiramente da história. Mas não se segue daí que devam ser desprezados: o que importa é subordiná-los a uma visão ampla e alta" (in: Para uma nova história, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2004, p. 131). Com efeito, apesar das mudanças que ultimamente se verificaram nas apetências dos historiado­res e nos instrumentos de seu campo de acção, nunca é demais referir que a coerência de método e o rigor crítico são pressupostos fundamentais de todo o trabalho bem feito; não, propriamente, fins em si mesmos.

11Na edição das gazetas, o espaço indicado para sublinhar a importância de determinados indícios ou debater qualquer um dos temas que elas sugerem, é o das notas de pé de página e o dos textos introdutórios. A mais concludente medida do interesse da continuidade deste projecto – pelas ideias que venha a criar – são, no entanto, as referências de outros leitores, e, em termos precisos, da comunidade académica. Felizmente, os comentários vindos a público vão­-se mostrando auspiciosos.

12Renovo o meu muito obrigado aos funcionários das intituições em que encontrei boa parte da bibliografia citada: a Biblioteca Nacional de Lisboa e a Biblioteca da Ajuda. Cabe, além disso, registar outra vez o apoio constante das direcções dos centros de estudos a que pertencem os membros da equipa, e o financiamento dos dois volumes já publicados, pelo Instituto de Cultura Vasco Vill’Alva e a Direcção Regional de Cultura do Alentejo.

Sumário

13Abreviaturas utilizadas

  1. Transcrição

14Objectivos

15Princípios gerais

16Normas convencionadas

  1. Textos de apresentação

  2. Anotação

17Objectivo

18Princípios

19Normas

20Instrumentos bibliográficos de referên­cia

21Instrumentos de referência comple­mentares

  1. Indexação

22Princípios

23Critérios gerais

24Índice de autores citados

25Índice onomástico

26Índice geográfico

27Índice temático

28Agregação de índices: problemas gerais

  1. Revisão

29Erros frequentes

30Práticas de revisão

31Apêndice: léxico temático

32Bibliografia geral

33História cultural e história cultural da escrita

34Edição de textos e técnicas de paleo­grafia

35Princípios de indexação

36Nomes, títulos e formas de tratamento

37Gazetas manuscritas

Abreviaturas utilizadas

Bibliotecas e Arquivos

ACL

Academia das Ciências de Lis­boa

BA

Biblioteca da Ajuda

BGUC

Biblioteca Geral da Universida­de de Coimbra

BN

Biblioteca Nacional, Lisboa

BPE

Biblioteca Pública de Évora

BPMP

Biblioteca Pública Municipal do Porto

IAN/TT

Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo

HML

Hemeroteca Municipal de Lisboa

38Outras Abreviaturas

Cf.

Conforme

Cód.

Códice

Cop.

Cópia

Cx.

Caixa

Dir.

Direcção

Ed.

Edição / Edições

fl.

Fólio(s)

Maço

n [n]

Nota

p./ pp.

Página / Páginas

Org./ Orgs.

Organização / Organizador / Organizadores

Orig.

Original

Rev.

Revista

Sel.

Selecção

Sep.

Separata

Reg.

Registo

T.

Tomo

Trad.

Tradução

Ttº

Título

V.

Ver

[n]v

Verso

Vol./ Vols.

Volume / Volumes

Transcrição

Objectivos

  1. Editar o conjunto de códices factícios de "gazetas manuscritas" da Biblio­teca Pública de Évora, para o poder divulgar, simultaneamente, no meio académico e num círculo mais alargado de leitores com interesse por temas de história e da literatura.

    • 1 Para um último quadro-geral das lições conhecidas, v. Tiago C. P. dos Reis Miranda, "Historiografia (...)

    Completar, na medida do possível, a série de Évora, recorrendo às lições existentes em outros arquivos.1

Princípios gerais

  1. Adoptar soluções de compromisso entre o respeito pelas normas gerais de transcrição e publicação de textos medievais e modernos, e o uso intensivo de sinais normativos ou referentes a incoerências formais do(s) redactor(es) dos folhetos.

  2. Manter e reproduzir os critérios de disposição dos folhetos nos códices factícios, salvo no caso de quebras de texto.

  3. Considerar em aberto a fixação do texto, até ao fim do processo de elabo­ração do aparato crítico de cada volume.

Normas convencionadas

  1. Mantêm-se a ortografia e a pontuação do original, incluindo as marcas que possam ter resultado de pausas de pena.

  2. Introduz-se o ponto parágrafo quando ele não existe, ou quando ele assu­me a forma de vírgula.

  3. Actualiza-se o uso de maiúsculas e de minúsculas, quer no interior, quer no início das palavras.

  4. "U" com valor de "v" transcreve-se sempre como "v".

  5. Desenvolvem-se as abreviaturas, com base na grafia mais comum no manuscrito e sem assinalar no texto o respectivo desenvolvimento.

  6. Ao pré-nome "Dom", aos tratamentos "Senhor" e "Senhora", "Padre" e "Frei", e aos adjectivos "Santo", "São" e Santa", quando abreviados, acrescenta-se um ponto, sempre que ele não exista no manuscrito.

  7. Texto interpolado assinala-se entre barras invertidas (\ /).

  8. Palavras riscadas registam-se em notas.

  9. Trechos de lições de outras séries são grafados em itálico.

  10. Os números dos fólios transcrevem-se entre barras (/fl. n/).

  11. Suprimem-se as chamadas de fim de fólio (reclamos) que de facto se des­dobrem nos fólios seguintes.

  12. Desde que identificadas com segurança, assinalam-se à margem, em letras maiúsculas, as alterações caligráficas que denunciem diferentes copistas.

  13. Todas as outras intervenções editoriais no corpo do texto são assinaladas entre parênteses rectos ou descritas em notas. Ex.: Os Trinos estavão em tres parçi[a]lidades [...].

II. Textos de apresentação

39Cada volume da série editada deve conter uma nota introdutória e um estudo temático. Incluem-se na primeira:

  1. a cota completa do códice-base.

  2. suas datas extremas.

  3. uma breve descrição material.

  4. referências aos temas mais recorrentes.

  5. a relação de outras lições eventualmente também consultadas.

  6. o conjunto de normas de transcrição.

40Os estudos temáticos podem versar de forma mais exaustiva sobre alguns des­tes pontos ou abordar problemas diversos; como, por exemplo:

  1. o tipo de papel utilizado, a estrutura dos jogos de cadernos, o número de fólios e a encadernação.

  2. os ornamentos ou marcas internas (cabeçalhos, capitulares, traços divisó­rios, marcas de termo, desenhos, colagens, chancelas e impressões).

  3. as diferentes caligrafias.

  4. a questão da autoria.

  5. a circulação.

  6. as práticas de leitura.

  7. os personagens e os enredos tratados.

  8. as relações existentes com outros suportes de informação.

Anotação

Objectivo

41Disponibilizar informações, comentários ou esclarecimentos que enriqueçam a leitura do texto transcrito e permitam cumprir os critérios de indexação.

Princípios

  1. Indicar as falhas de observância do critério de organização cronoló­gica dos folhetos nos códices factícios, explicitando ao leitor a ordem correcta.

  2. Assinalar variantes de outras lições conhecidas.

  3. Apontar testemunhos distintos ou discrepantes, sobretudo de documentos afins.

  4. Registar anteriores referências da historiografia aos próprios manuscritos dos códices factícios ou às versões entretanto editadas.

  5. Esclarecer passagens obscuras e termos caídos em desuso.

  6. Destacar a eventual relevância das informações veiculadas.

  7. Explicitar elementos colhidos em outras fontes para cumprir os critérios de indexação.

  8. Procurar ser conciso.

Normas

  1. As chamadas das notas no corpo do texto inserem-se logo depois da "uni­dade integral de significação" que se quer comentar.

42Entende-se por "unidade integral de significação" todo o conjunto sequen­cial de vocábulos e/ou de sinais a que a nota expressamente se refere.

43Ex.: [corpo do texto] 50 mil cruzados696.

44[nota]696 No DCE, "57 mil cruzados".

45[corpo do texto] Que alguns deputados esperarão Valpole que paça pello primeiro ministro65, e o descompuzerão, e maltratarão [...].

46[nota]65 Sir Robert Walpole, chefe do governo britânico.

  1. No confronto com outras lições, não se mencionam pequenas variantes de ortografia ou de abertura de parágrafos, excepto no caso de eventualmen­te modificarem o sentido do texto.

  2. Outras lições dos mesmos folhetos e fontes diversas, mas similares, são indicadas por siglas.

47Ex.: G – "Addição à Gazeta" (mss. da BPE).

48DCE – Diário do Conde da Ericeira.

49DCEi – "Diário do Conde da Ericeira" (ed. de Eduardo Brasão).

50DCEm – "Diario do Conde da Ericeira" (mss. da BA).

51Dp – "Diario" da Colecção Pombalina (mss. da BN).

52NL – "Novidades de Lisboa" (mss. da BN).

53VN – "Varias Notícias" (mss. da BGUC).

  1. Todos os restantes testemunhos manuscritos referem-se na forma: "título" ou descrição, local, data (na forma d.m.aaaa), sigla do arquivo ou biblio­teca, fundo ou colecção, cota numérica, fólio(s) ou página(s), Original [Orig.]/ Cópia [Cop.]/ Registo [Reg.].

54Ex.: Decreto Régio, Lisboa, 29.1.1732, IAN/TT, Casa de Galveias, M° 34, Pasta "Anto­nio de Campos [...] IV", Cop.

  1. As obras impressas referem-se na forma: APELIDO DO AUTOR, aaaa: tomo(s) e/ou volume(s), fólio(s)/ página(s)/ coluna(s).

55Ex.: VARNHAGEN, 1981:2, IV, 104-106.

56CUNHA, [1992]: 132, 297 e 477.

57a. Quando o(s) autor(es) não é(são) mencionado(s), começa-se a referên­cia pelo título.

58Ex.: Lisboa no tempo de D. João V (1689-1750), [1994]: 21.

59b. Obras muito volumosas e/ou de difícil utilização tornam aconselhá­veis referências relativamente pormenorizadas (entre parânteses) a partes, títulos, capítulos e/ou parágrafos.

60Ex.: GAYO, 1989-1990: IV, 152 (Tt.° de Cunhas, § 5), e VII (Tt.° dos Mendanhas ou Abemdanhas, § 53).

Instrumentos bibliográficos de referência

611. Periódicos impressos, do mesmo período:

62a. Gazeta de Lisboa (ACL, BA, BGUC, BN, IAN/TT, HML).

63b. Gazette d’Amsterdam (BGUC – colecção incompleta).

64c. Gazette de France (BA).

65d. Gazette de Utrecht (BGUC – colecção incompleta).

66e. London Magazine (BGUC, BPMP).

67f. Mercurio Historico, y Politico (BN – de 1738 em diante).

682. Para problemas de vocabulário e/ou etimologia:

69a. BLUTEAU, D. Fr. Raphael de, 1713-1728, Vocabulario Portuguez e Latino, 10 Vols., Coimbra, No Real Collegio das Artes da Companhia de Jesu e outros (edição em CD-ROM da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ).

70b. HOUAISS, António, 2001, Dicionário Houaiss da língua portuguesa, Rio de Janeiro, Objetiva Ltda. (edição em CD-Rom com tábuas de datação de palavras).

71c. SILVA, Morais e, 1949-1959, Grande dicionário da língua portugue­sa, 10ª ed. rev., 12 Vols., Lisboa, Editorial Confluência.

72d. Prontuários da língua portuguesa.

733. Para a identificação de obras portuguesas impressas e manuscritas:

74a. MACHADO, Diogo Barbosa, 1965-1967, Bibliotheca Lusitana, fac­-símile da ed. de 1741-1759, 4 Vols., Coimbra, Atlântida Editora (edi­ção em CD-ROM da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – CNCDP).

75b. SILVA, Innocencio Francisco da, 1858-1923, Diccionario Bibliogra­phico Portuguez, 23 Vols. Lisboa, Imprensa Nacional (edição em CD­-ROM da CNCDP).

764. Para a identificação de personagens reais e nobres europeus:

77a. DEBOIS, Alex, 1770-1786, Dictionnaire de la noblesse, Paris, Chez La Veuve Duchesne.

78LOUDA, Jiři, e MACLAGAN, Michael, 1985, Les Dynasties d’Euro­pe. Héraldique et généalogie des familles impériales et royales, Trad. de Gérard Colson, Paris, Borda.

79c. Biografias de reis e Secretários de Estado.

805. Para a identificação de personagens portugueses de estirpe fidalga.

81a. CANEDO, Fernando de Castro da Silva, 1945-1946, A descendência portuguesa de el-rei D. João II, 3 Vols., Lisboa, Edições Gama.

82b. FREIRE, Anselmo José Braamcamp, [1996], Brasões da Sala de Sin­tra, fac-símile da ed. de 1973, 3 Vols., Lisboa, Imprensa Nacional / Casa da Moeda.

83c. GAYO, Manuel José da Costa Felgueiras,1989-1990, Nobiliário de famílias de Portugal, reimp. da ed. de 1938-42, 12 Vols., Braga, Edi­ções de Carvalho de Basto.

84d. SOUSA, D. António Caetano de, 1933, Memórias históricas e genea­lógicas dos Grandes de Portugal, 4a ed., Lisboa, Publicações do Arquivo Histórico de Portugal, e 1946-1955, Historia Genealogica da Casa Real Portugueza, fac-símile da ed. de 1735-1748, 14 Vols., Coimbra, Atlântida – Livraria Editora, L.da.

85e. ZÚQUETE, Afonso Duarte Martins (dir.), [2000], Nobreza de Portu­gal e do Brasil, 3ª ed., 3 Vols., Lisboa, Zairol.

86f. Grande Encilopédia Portuguesa e Brasileira.

87Em caso de dúvida, observar a ordem a., b., d., c., e., f.

886. Para a identificação de eclesiásticos, conventos e mosteiros portugueses:

89a. ALMEIDA, Fortunato de, 1967-1971, História da Igreja em Portu­gal, ed. de Damião Peres, 4 Vols., Porto / Lisboa, Livraria Civilização – Editora.

90b. AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.), 2000, Dicionário de História da Igreja, 4 Vols., Lisboa, Círculo de Leitores, e 2000-2002, História Religiosa de Portugal, 3 Vols., Lisboa, Círculo de Leitores.

91c. BRASÃO, Eduardo, 1943, Subsídios para a história do Patriarca­do de Lisboa, Porto, Livraria Civilização (sobretudo as listagens das pp. 149 e 244-247).

92d. Crónicas coevas, das ordens regulares.

937. Para a toponímia de Portugal:

94a. CARDOSO, Luiz, 1747-1751, Dicionario geografico, 2 Vols., Lisboa, Na Regia Officina Sylviana e da Academia Real.

95b. COSTA, Américo, 1929-1949, Diccionario Chorographico de Portu­gal Continental e Insular, 12 Vols., Porto, Tip. Domingos d’Oliveira;

96c. COSTA, Padre António Carvalho da, 1707-1712, Corografia Portu­gueza, 3 Vols., Lisboa, Na Officina de Valentim da Costa Deslandes (edição em CD-Rom da CNCDP).

97d. HENRIQUES, Francisco da Fonseca, 1998, Aquilégio medicinal, fac­-símile da ed. de 1726, Lisboa, Instituto Geográfico e Mineiro.

98e. LEAL, Augusto Soares d’Azevedo Barbosa de Pinho, 1873-1890, Portugal Antigo e Moderno, 12 Vols., Lisboa, Livraria Editora de Mattos Moreyra & Companhia e outros.

99f. Atlas geográficos e atlas históricos de Portugal.

1008. Para a toponímia de Lisboa e seu termo:

101a. ANDRADE, Ferreira de, 1944-1945, A freguesia de S. Cristóvão, 2 Vols., Lisboa, Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa; 1948-1949, A freguesia de Santiago, 2 Vols., Lisboa, Publicações Cul­turais da Câmara Municipal de Lisboa, e 1954, A freguesia de Santa Cruz de Alcáçova de Lisboa, Lisboa, Publicações Culturais da Câma­ra Municipal de Lisboa.

102b. ARAÚJO, Norberto de, 1938-1939, Peregrinações em Lisboa, 3 Vols., Lisboa, Parceria A. M. Pereira.

103c. BRITO, J. J. Gomes de, 1935, Ruas de Lisboa: notas para a história das vias públicas lisbonenses, 3 Vols., Lisboa, Livaria Sá da Costa Editora.

104d. CASTILHO, Júlio de, 1935-1938, Lisboa Antiga. Bairros Orientais, Lisboa, 2ª ed. rev., 12 Vols., Lisboa, S. Industriais da C.M.L.; 1948­-1968, Ribeira de Lisboa, 3ª ed. rev., 5 Vols., Lisboa, Câmara Municipal, e 1954-1956, Lisboa Antiga. Bairro Alto, 3ª ed. rev., 5 Vols., Lisboa, Oficinas Graficas da C.M.L.

105e. Lisboa antes do Terramoto. Grande vista da cidade entre 1700 & 1725, 2004, Introdução de Paulo Henriques, [Oeiras] / Paris, Gótica / Chandeigne.

106f. MACEDO, Luís Pastor de, 1939-1968, Lisboa de lés-a-lés. Subsídios para a história das vias públicas da cidade, 5 Vols., Lisboa, Publica­ções Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

107g. MATOS, José Sarmento de, e PAULO, Jorge Ferreira, 1999, Cami­nhos do Oriente (Guia Histórico I), Lisboa, Livros Horizonte.

108h. PORTUGAL, Fernando, e MATOS, Alfredo de, 1974, Lisboa em 1758, Lisboa, Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

109i. OLIVEIRA, Eduardo Freire de, 1882-1911, Elementos para a história do Município de Lisboa, 17 Vols., Lisboa, Typographia Universal (os índices, em 2 Vols., são datados de 1942-1943).

110j. SANTANA, Francisco de, 1974, Índice da Lisboa Antiga e da Ribeira de Lisboa de Júlio de Castilho e Lisboa na 2.a metade do séc. XVIII, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, e 1987, Lisboa na 2a metade do séc. XVIII (plantas e descrições das suas freguesias), Lisboa, Edição da Câmara Municipal de Lisboa.

111k. SANTANA, Francisco de, e SUCENA, Eduardo (dir.), 1994, Dicio­nário da história de Lisboa, Lisboa, Carlos Quintas & Associados – Consultores, Lda.

112l. SEQUEIRA, Gustavo de Matos, 1939-1967, O Carmo e a Trindade, 2ª ed., 3 Vols., Lisboa, Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa, e 1967, Depois do Terramoto. Subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa, 4 Vols., Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa.

113m. SILVA, Augusto Vieira da, 1954-1960, Dispersos, Lisboa, Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa; 1987, A cerca .fernandina de Lisboa, ed., 2 Vols., Lisboa, Publicações da Câmara Municipal de Lisboa; 1987a, A cêrca moura de Lisboa, 3ª ed., Lisboa, Publica­ções Culturais da Câmara Municipal de Lisboa; 1987b, As muralhas da Ribeira de Lisboa, 3ª ed., 2 Vols., Lisboa, Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

114n. "Guias Contexto" das freguesias da cidade.

Instrumentos de referência complementares

1151. Manuscritos para a identificação de personagens.

116Como guia de investigação:

  • DINIZ-SILVA, Andrée Mansuy, 1979, "Une voie de connaissance pour l’histoire de la société portugaise au XVIIIe siècle: les micro­-biographies (Sources – Méthode – Étude des cas)", Clio, Vol. I, Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa, pp. 21-65.

117a. Núcleos centrais:

  • Chancelarias Régias e Registo Geral de Mercês do IAN/TT.

118b. Para a identificação de letrados portugueses:

  • Leitura de Bacharéis do IAN/TT.

  • "Memorial de Ministros" do Fundo Geral da BN (Cód. 1073-1079 [F 2177, 1238, 1237, 1239, 2176, 2175 e 1240]).

1192. Recursos electrónicos:

120a. Para a identificação de obras impressas:

  • Banco de dados PORBASE (<http://www.bn.pt>).

  • Biblioteca Nacional de Espana (<http://www.bne.es>).

  • Bibliothèque Nationale de France (<http://www.bnf.fr>).

  • British Library (<http://www.bl.uk>).

  • Fundação Biblioteca Nacional (<http://www.bn.br/​Script/​index. asp>).

  • The Library of Congress (<http://www.loc.gov>).

121b. Sobre temas britânicos:

  • The British Academy: Early Modern History to c. 1800 (<http://www.britac.ac.uk/​portal/​bysection.asp?section=H9>).

  • Office-Holders in Modern Britain, Institute of Historical Research (<http://www.history.ac.uk/​office/​>).

122c. Para a identificação de cardeais:

  • The Cardinals of the Holy Roman Church, Florida International University (<http://www.fiu.edut/​~mirandas/​cardinals.htm>).

123d. Para questões de genealogia portuguesa:

  • Genea Portugal (<http://genealogia.sapo.pt/​home/​>).

124e. Cartografia da Europa:

  • History and geography of Europe: maps and atlases (<http://www.euratlas.com> e <http://www.euratlas.com/​atlastor. htm>).

Indexação

Princípios

    • 2 V. Manuela Santos (org. e sel.), Indexação. Terminologia e controlo de autoridades (Manual), Lisboa (...)

    Informada pelas Normas Internacionais ISO 2788 (1974) e 5963 (1985) e pelas Normas Portuguesas (NP) 3715 (1989) e 4036 (1992).2

    • 3 Sobre os conceitos de "exaustividade", "especificidade" e "especificidade relativa", no domínio das (...)

    Tendencialmente exaustiva, intensiva e relativamente específica.3

Critérios gerais

  1. Emprego de maiúsculas: na abertura de linhas, frases e parênteses.

  2. Emprego de minúsculas: depois de vírgulas, barras e dois-pontos.

  3. Grafia: actualiza-se e uniformiza-se.

125Ex.: Luiz Montez Matozo Luís Montês Matoso.

  1. No caso de nomes estrangeiros pouco usuais em Português, adopta-se a forma correcta original.

126Ex.: Artur Start Artur Stert. Piziguitone Pizzighettone.

  1. Nomes de instituições, substantivos comuns, alcunhas e qualificativos em línguas estrangeiras grafam-se em itálico.

127Ex.: Luís, Le Grand Dauphin, 172.

128ACADEMIAS [...]. Royal Society, 37.

129MÚSICA [...]. Ópera [...]. Castrati, 274.

1304. Números de páginas das ocorrências: dispõem-se em ordem crescente, separados por vírgulas, com um ponto no fim.

131Ex.: Índias, 59, 272, 289, 297, 303.

132a. As ocorrências singulares que se prolongam por duas ou mais páginas consecutivas compõem-se de números separados por hífens.

133Ex.: FEITIÇARIAS, [...] 230, 233-234, 239 [...].

1345. Ordenação: alfabética estrita.

135a. São relevantes as conjunções e as preposições.

136Ex.: Afonso dos Prazeres [...].

137Afonso Manuel de Meneses [...].

1386. Remissões:

139a. Se associadas a termos que servem somente como indicadores, são antecedidas por vírgulas e pela forma abreviada de "ver": "v.".

140b. Quando encaminham para entradas afins, dispõem-se entre parênteses no fim das listagens das ocorrências temáticas, com a palavra "tam­bém": "(V. também [...])".

1417. Dúvidas de leitura ou de identificação assinalam-se com um ponto de interrogação entre parênteses rectos.

142Ex.: Alpejata [?].

143Lapua [?].

1448. Acrescentos e/ou deduções resultantes do trabalho com volumes anterio­res e/ou do manuseio de fontes complementares não citadas nas notas, figuram igualmente entre parênteses rectos.

145Ex.:

[Vol. 1]

[Vol. 2]

Pedro da Cunha de Mendonça, 113

Pedro da Cunha [de Mendonça], 72

Índice de autores citados

  1. Universo: autores, organizadores e tradutores de obras citadas, acadé­micos e/ou funcionários de arquivos ou bibliotecas, se referidos como autoridades.

  2. Disposição: pelo último apelido, grafado em maiúsculas.

146Ex.: OLIVEIRA, Eduardo Freire de.

147CASTELO BRANCO, Camilo [apelido composto].

148a. Nos autores de língua espanhola, destacam-se os dois últimos apeli­dos.

149Ex.: MARTÍNEZ SHAW, Carlos.

  1. Os tratamentos "Dom" ou "Dona" e as denominações eclesiásticas como "Padre", "Frei" e/ou "Mestre" são antecedidos por vírgula e dispostos por extenso logo a seguir ao conjunto dos nomes.

150Ex.: MENESES, Francisco Xavier de, Dom.

  1. Os títulos de nobreza reservam-se para entradas remissivas.

151Ex.: ERICEIRA, 4.° Conde da, v. MENESES, Francisco Xavier de, Dom.

  1. Autores diferentes, com nomes iguais, são entre si distinguidos pelas datas dos trabalhos citados, dispostas entre parênteses rectos.

152Ex.: AZEVEDO, Pedro de, [1925], 167, 346.

153AZEVEDO, Pedro de, [2004], 14, 356.

  1. Em caso de dúvida quanto à grafia dos nomes de autores portugueses, segue-se a forma adoptada na PORBASE.

Índice onomástico

1541. Universo: todos os antropónimos que não pertençam ao Índice de auto­res.

1552. Disposição: linear, pelos nomes próprios.

156Ex.: António de Sousa de Macedo.

1573. Títulos de nobreza e títulos reais: dispõem-se logo a seguir aos nomes próprios, separados por vírgula.

158Ex.: Frederico Augusto II, Duque de Saxónia [...].

  1. Números de ordem dos títulos de nobreza: obrigatórios no caso de títulos portugueses, e referidos na forma "n°".

  2. Sempre que exista mais do que um título por ocorrência, figura pri­meiro o mais antigo.

159Ex.: Ferrão Teles da Silvas, 3° Conde de Vilar Maior e 2° Marquês de Alegrete.

160c. Títulos de nobreza de personagens femininas dispensam números de ordem.

1614. Os tratamentos "Dom" ou "Dona", os adjectivos "Santo" ou "Santa" e as denominações eclesiásticas como "Padre" e "Frei" devem ser dispostos no fim, e por extenso, antes de vírgula.

162Ex: Vasco Luís da Gama, 7° Conde da Vidigueira e 3° Marquês de Niza, Dom.

163a. Desenvolve-se a forma sincopada "São".

164Ex.: Francisco Xavier, Santo.

1655. Títulos de reis ou de nobreza e tratamentos só aplicáveis a parte das ocor­rências são referidos no fim, antecedidos por ponto-e-vírgula.

166Ex.: Sebastião José de Carvalho e Melo, 32, 189, 286; 1° Conde de Oeiras e 1° Marquês de Pombal [...].

167Vincenzo Bichi, Cardeal, 156; Monsenhor, 167.

  1. Nomes próprios e apelidos pouco frequentes ou não usados no documen­to transcrito, mas eventualmente constantes em obras de apoio, podem ser incluídos entre parêntese rectos.

168Ex.: Aires de Saldanha [de Albuquerque Coutinho e Noronha].

  1. Dispensa-se o uso de parênteses rectos caso esses nomes figurem em notas de rodapé ou em anexos explicativos.

  1. Homónimos perfeitos distinguem-se, de preferência, pelos nomes dos pais.

169Ex.: Madalena de Bourbon, Dona, filha de Fernão Mascarenhas, 336.

170Madalena de Bourbon, Dona, filha do 2° Conde de Avintes, 339, 340.

171a. Sendo impossível determinar a identidade de um dos homónimos, apenas se deixa o seu nome em separado:

172Ex.: José Mascarenhas, Dom, 157.

173José Mascarenhas, Dom, filho do 3° Conde de Óbidos, 335.

174José Mascarenhas, Dom, filho do 3° Marquês de Gouveia, 271.

  1. Personagens citados somente pelo seu nome próprio, identificam-se, quando possível:

1751°. pelo nome do pai.

176Ex.: Josefa, Dona, filha de Paulo Nogueira de Andrade, 195.

1772°. pelo mais próximo laço de parentesco determinado, ou

1783°. Pelo cargo, posto ou ocupação referido nas gazetas.

179Ex.: Jorge, Dom, capitão de cavalos, 212.

  1. Personagens sobretudo conhecidos pelos seus sobrenomes, e por eles normalmente mencionadas, têm-nos escritos em letras maiúsculas.

180a. Após uma vírgula, podem-se ainda acrescentar informações adicionais que facilitem a identificação, de acordo com os critérios referidos no ponto anterior.

181Ex.: MONRAVÁ, médico.

  1. Alcunhas ou cognomes dão origem a entradas independentes, devendo grafar-se da mesma forma que os nomes próprios.

182Ex.: O Perna de Pau.

  1. Nestes dois últimos casos, é desejável criar remissões para os nomes pró­prios dos personagens citados.

183Ex.: MONRAVÁ, médico, v. António de Monravá y Roca, Dom.

184O Perna de Pau, v. Luís de Abreu, O Perna de Pau.

  1. As ocorrências que se refiram a personagens com títulos nobiliárquicos são remetidas para o índice temático.

185Ex.: Simão Correia da Silva, 6° Conde de Castanheira, v. TITULARES. Condes.

186João V, Rei, Dom, v. REI E FAMÍLIA REAL DE PORTUGAL.

  1. São pertinentes e desejáveis entradas que registem formas nominais mais comuns no corpo da obra, mas diferentes das consagradas em outras fon­tes.

187Ex.: Pedro de Melo, Dom, v. Pedro [José] de Melo [Homem], Dom.

188a. A relação das ocorrências segue-se sempre, em exclusivo, ao nome mais completo.

189Ex.: Pedro [José] de Melo [Homem], Dom, 57, 87, 130, 165, 173, 205, 230, 241, 257, 301, 342.

  1. Salvo nos casos acima descritos, são de evitar todas as outras formas de identificação complementar.

190Ex.: Manuel de Azevedo Fortes, engenheiro, 34, 78, 257.

Índice geográfico

1911. Universo: todos os topónimos não excluídos nos pontos 5 e 6, infra.

1922. Disposição: pelos nomes das entidades geográficas.

193Ex.: Açores.

194Rio de Janeiro.

195a. No caso das entidades geográficas não jurisdicionais, os termos gené­ricos figuram depois de vírgulas.

196Ex.: Príncipe, Ilha do.

197Vístula, Rio.

1983. Grafias múltiplas: quando existentes, assinalam-se.

199Ex.: Dantzig ou Danzig.

200Liorne ou Livorno.

201a. Sendo muito diversas, criam-se entradas com remissão para os regis­tos mais usuais.

202Ex.: El-Araïch, v. Larache.

203Gdansk, v. Dantig ou Danzig.

2044. Topónimos pouco comuns e/ou que levantem dificuldades (como, por exemplo, por homonomia) podem ser acrescidos de informações comple­mentares:

205a. simplesmente entre vírgulas.

206Ex.: Valença, Espanha.

  1. entre parênteses curvos, no caso de serem fórmulas opcionais.

207Ex.: Baiona (de França).

208Rua do(s) Moinho(s) de Vento.

  1. entre parênteses rectos, no caso previsto no ponto 8 dos Critérios Gerais.

209Ex.: Cabeça de Montachique, [Fanhões].

2105. Herdades, morgadios, senhorios, bem como imóveis rurais e urbanos vão geralmente lançados no índice temático.

2116. Alusões específicas a mosteiros e conventos, igrejas e santuários, orató­rios e ermidas, irmandades e confrarias vão lançadas no índice temático, como sub-temas. Somente se lançam no geográfico as ocorrências em que esses nomes sejam tomados de modo geral, por espaços urbanos, ou quando haja dúvidas a esse respeito.

212Ex. de referências gerais:

213"[...] jâ se lhe mandarão tomar cazas para morár, e são as de D. Sancho de Faro à S. Francisco [...]" [Vol. 2, p. 140, n. 396].

214"[...] El Rey asestio em S. Domingos, Relação, e no Campo da Forca thé se acabár a execução [...]" [Vol. 2, p. 116, n. 318].

  1. Assumem-se por limites do termo de Lisboa os das "Memorias Paro­quiais" de 1758.

  2. Referências a bairros, freguesias, lugares, sítios, ruas e largos de Lisboa e seu termo são agrupadas alfabeticamente num parágrafo único, como sub-temas, logo depois das ocorrências de cunho geral.

Índice temático

  • 4 Definição que se ajusta, em termos gerais, ao primeiro dos quatro procedimentos possíveis para a es (...)

2151. Universo: matérias escolhidas pela frequência com que aparecem na fonte editada e eventualmente também pela importância que assumem na historiografia.4

216a. A abertura de novos temas e sub-temas deve ser avaliada em conjun­to, por todos os investigadores participantes no projecto, segundo os pressupostos dos trabalhos com léxicos controlados.

2172. Grafia e disposição:

218a. temas: grafados em maiúsculas.

219b. sub-temas: dispostos em parágrafos contínuos, logo a seguir às ocor­rências gerais de cada tema – à semelhança do já definido no número 6 do índice geográfico.

220c. casos ou divisões de sub-temas: dispostos logo a seguir às ocorrências gerais de cada sub-tema, após um sinal de dois-pontos e separados entre si por ponto-e-vírgula.

221Ex.: TITULARES [...] Marquesas: Alegrete, 140; Arronches, 38, 39, 49 [...].

  1. aspas: utilizadas na reprodução de palavras de identificação duvidosa ou de expressões ou formas verbais dificilmente adaptáveis às regras adiante definidas.

222Ex.: "Laasdiz" ou "leesdiz".

223"Tomar aço".

224e. parênteses curvos: no caso de fórmulas opcionais (como no ponto 4.b. do índice geográfico) ou havendo interesse de esclarecer o significado de alguns termos.

2253. Termos temáticos: nomes ou substantivos preferencialmente simples, empregues nas gazetas, e grafados no plural.

226Ex.: ACADEMIAS.

227ALIMENTOS (DIREITO A).

228ÁRABES.

  1. Não se utiliza a forma plural no caso de noções abstractas (fenómenos, propriedades, actividades, disciplinas e crenças), entidades concretas não contáveis e nomes que designem personagens singulares.

229Ex.: CANELA.

230COMÉRCIO.

231MEDICINA. Anatomia. Cirurgia.

232PRÚSSIA. Princesa. Príncipe. Rei.

  1. Sempre que possível, matérias que surjam referidas no texto exclusi­vamente sob formas verbais devem dar origem a termos substantivos.

233Ex.: Naturalizar/ Naturalizado > NATURALIZAÇÕES.

  1. Acções contrárias originam temas distintos.

234Ex.: Desnaturalizar > DESNATURALIZAÇÕES.

235Naturalizar > NATURALIZAÇÕES.

2364. Quando necessário, admite-se o recurso a termos temáticos formados pela junção de núcleos substantivos com modificadores simples ou com­postos.

237Ex.: MISSÕES DIPLOMÁTICAS ESTRANGEIRAS.

238MISSÕES DIPLOMÁTICAS PORTUGUESAS.

239MISSÕES RELIGIOSAS.

240a. Sendo possível escolher entre uma forma adjectiva e uma forma pre­positiva, sem prejuízo da exactidão requerida, deve-se preferir a pri­meira.

2415. Admite-se o uso de termos temáticos resultantes da coordenação de con­ceitos de um mesmo domínio semântico.

242a. Conceitos equivalentes ou similares: coordenados por barras ou con­junções.

243Ex.: CEREAIS/ PÃO.

244DUELOS E DESAFIOS.

245RENDAS OU RENDIMENTOS.

246b. Conceitos agrupáveis sob um único termo genérico – simples ou com­posto – mas eventualmente menos exacto, menos expressivo ou não empregue nas próprias gazetas: coordenados por vírgulas e conjun­ções aditivas.

247Ex.: DOENÇAS E CURAS [> SAÚDE].

248LANCHES, MERENDAS, JANTARES E CEIAS [> REFEIÇÕES].

249VICE-REIS E GOVERNADORES [> REPRESENTANTES EXECUTIVOS DA AUTORIDADE REAL NAS CONQUISTAS ULTRAMARINAS].

2506. Termos temáticos que guardam entre si relações associativas de polarida­de originam remissões cruzadas.

251Ex.: DESNATURALIZAÇÕES [...] (V. também NATURALIZAÇÕES).

252NATURALIZAÇÕES [...] (V. também DESNATURALIZAÇÕES).

  1. Grafia de remissões compostas: os termos temáticos simples separam-se por vírgulas; os termos temáticos compostos ou coordenados com vírgu­las, por pontos-e-vírgulas. Grafam-se em minúsculas as conjunções aditi­vas finais. A ordem de disposição é sempre alfabética.

253Ex.: (V. também CRISTÃOS-NOVOS, HERESIA e JUDAÍSMO).

254NOTÍCIAS, v. CORRESPONDÊNCIA; GAZETAS, FOLHETOS E NOTÍCIAS MANUSCRITAS e RUMORES.

  1. O estabelecimento de grupos de temas e sub-temas parte do suposto da existência de relações hierárquicas entre termos que indicam actividades ou disciplinas, classes ou instituições, e termos que indicam objectos, valores, produtos ou substâncias, agentes ou membros de classe.

255Ex.: MERCÊS [...]. Registo: secretário.

256PEIXE [...]. Bacalhau.

257POESIA [...]. Poetas.

258RENDAS OU RENDIMENTOS [...]. Rendeiros.

  1. As ocorrências que se referem a casos ou divisões específicas de sub­-temas, mas que se mostram difíceis de identificar com certeza, são lan­çadas como ocorrências gerais de sub-temas.

259Ex.: TITULARES. [...] Baronesas, 182, 306: Ilha Grande de Joannes, [...].

  1. Conventos, mosteiros, casas professas, igrejas, santuários, oratórios e ermidas, procissões, irmandades e confrarias reúnem-se por terras e inde­xam-se de acordo com os nomes que mais comummente se usam nas gazetas.

260Ex.: IGREJAS E SANTUÁRIOS. [...] Lisboa: [...] Santa Engrácia.

  1. Quando esses nomes são formas contractas ou reduzidas de invoca­ções, as partes que faltam à formas completas dispõem-se na sequên­cia de vírgulas.

261Ex.: CONVENTOS, MOSTEIROS E CASAS PROFESSAS [...]. Carmo, Nossa Senhora do Vencimento do Monte do; [...] Esperança, Nossa Senhora da.

  1. Quando são formas de origem diversa, demandam remissões.

262Ex.: CONVENTOS, MOSTEIROS E CASAS PROFESSAS [...]. Grilo; [...] Monte Olivete, Nossa Senhora da Conceição do, v. Grilo; [...] Rato; Remédios, Nossa Senhora dos (das trinas), v. Rato.

Agregação de índices: problemas gerais

2631. Necessidade de introdução das correcções indicadas nas erratas aos volu­mes anteriores.

2642. O crescente universo de ocorrências e a necessidade de referir os volumes em que cada uma se verifica torna aconselhável um reajuste das normas gráficas dos índices singulares. Propõe-se o seguinte:

265a. introdução de travessões para separar os termos indexados, das ocor­rências.

266Ex.: SABÃO – 302.

  1. uso de algarismos romanos para os volumes, e pontos-e-vírgulas na separação das séries de páginas.

267Ex.: DESNATURALIZAÇÕES – I, 65, 137; II, 227.

2683. A cada novo volume, tende a haver uma afinação dos critérios de escolha termos indexados, que no índice agregado se deve conservar.

269Ex. (aplicação das regras n° 3, 6 e 8 referentes ao Índice temático):

[Vol. 1]

[Vol. 2]

NATURALIZAR [...] Desnaturalizar, 65, 137

NATURALIZAR, 48. [...] Desnaturalizar, 227

PROCURADORES/ PROCURAÇÕES, 65, 66, 84, 127, 171

PROCURADORES/ PROCURAÇÕES, 108, 150, 156, 159, 211, 217, 220, 239, 241, 275, 287

[Índice agregado]

DESNATURALIZAÇÕES [...], v. NATURALIZAÇÕES.

NATURALIZAÇÕES [...], v. DESNATURALIZAÇÕES.

PROCURAÇÕES [...]. Procuradores [...].

  1. Para facilitar a recuperação das informações do Índice temático, pode‑
    -se tornar indicado o desdobramento de entradas muito abrangentes:

270Ex.:

[Vols. 1 e 2]

[Índice agregado]

ECLESIÁSTICOS [...]

CLERO REGULAR [...]

CLERO SECULAR [...]

ECLESIÁSTICOS, v. CLERO REGULAR e CLERO SECULAR

2714. Sobretudo no índice onomástico e na entrada dos "Titulares" do índice temático, faz-se necessário:

272a. despistar as diferenças ocasionadas pela falta de estabilidade dos sobrenomes, estabelecendo, também, eventuais remissões.

273Ex.:

[Vol. 1]

[Vol. 2]

Luísa Pereira de Mendonça, Dona, 110

Luísa Vicência [Pereira de Mendonça], Dona, 262

[Índice agregado]

Luisa Pereira de Mendonça, Dona, v. Luisa Vicência Pereira de Mendonça, Dona

Luisa Vicência Pereira de Mendonça, Dona – I, 110; 11, 262.

  1. refazer a análise das referências a personagens inicialmente identifica­dos sem precisão.

274Ex.:

[Vol. 1]

[Vol. 2]

O Chimbali, primo de um frade franciscano, 58, 77

Francisco, Frei, 66, 74, 84, 119

Francisco, Frei, v. Francisco de Mantona, Frei

Francisco de Mantona, Frei, 90

Francisco de Mantona, Frei, 54, 55, 57, 66, 68, 75, 88, 210.

Francisco [José] de Almada, pai de Dona Pelágia [de Almada], 49, 77, 94

Francisco de Almada, 153.

Vasco Lourenço, 165, 170, 171

Vasco Lourenço, 70, 231, 252.

Condes: [...] Pombeiro, 55, 79, 81, 131, 149, 176

Condes: [...] Pombeiro, 3°, 48, 54, 62, 83, 149, 176 90, 92, 95, 170, 179, 200, 201, 221, 225-226, 233; Pombeiro, 4°, 228.

[Índice agregado]

O Chimbali, v. Gabriel Chimbali, Dom.

Francisco, Frei, [Irmão Leigo], v. Francisco de Mantona ou Menton, Frei

Francisco de Almada, v. Francisco [José] de Almada, Dom, [ filho de D. Bernardo de Noronha].

Francisco de Mantona ou Menton, Frei – I, 66, 74, 84, 90, 119; II, 54, 55, 57, 66, 68, 75, 88, 210.

Francisco [José] de Almada, Dom, [filho de D. Bernardo de Noronha] – I, 49, 77, 94; II – 153.

Gabriel Chimbali, Dom - I, 58, 77.

Vasco Lourenço [Veloso] – I, 165, 170, 171; II, 70, 231, 252.

Condes: [...] Pombeiro, 3° I, 55, 79, 81, 131, 149, 176; II, 48, 54, 62, 83, 90, 92, 95, 170, 179, 200, 201, 221, 225-226, 233; Pombeiro, 4° 228.

  1. destacar em negrito a(s) ocorrência(s) que permita(m) uma rápida identificação dos personagens.

275Ex.:

[Vol. 1]

[Vol. 2]

João Pedro Soares, [Provedor da Alfândega], 54, 66, 114

João Pedro Soares de Noronha Coutinho de Avelar Teixeira, 59, 81, 124, 135-136, 152-153, 154, 165, 20, 238, 263, 324.

Luís Castelo Branco, Dom, Cónego, 170

Luís de Castelo Branco, Dom, 85, 90, 235, 279; 4.° Conde de Pombeiro, v. TITULARES. Condes.

[Índice agregado]

João Pedro Sares de Noronha Coutinho de Avelar Teixeira – I, 54, 66, 114; II, 59, 81, 124, 135-136, 152-153, 154, 165, 20, 238, 263, 324.

Luís de Castelo Branco, Dom – I, 170; II, 85, 90, 235, 279; 4.° Conde de Pombeiro, v. TITULARES. Condes.

Revisão

Erros frequentes

  1. Margens incorrectas.

  2. Tamanhos de linhas desiguais.

  3. Espaçamentos irregulares.

  4. Falhas de equivalência entre as chamadas das notas e os textos em roda­pé.

  5. Divisões incorrectas de palavras em fim de linha.

  1. Faltas de hífens em palavras compostas.

  1. Incoerências na homogeneização de maiúsculas e minúsculas.

  2. Abreviaturas não desdobradas.

  3. Faltas de pontos de abreviatura nos casos previstos nas Normas de Trans­crição.

Práticas de revisão

  1. Todos os revisores devem ter acesso à matriz informática do texto em edição, para despistarem e corrigirem (através dos comandos de "busca" e "substituição" dos processadores de texto) eventuais repetições dos erros pontualmente localizados nas provas.

  2. Todas as provas devem ser revistas individualmente pelo menos por dois dos investigadores do projecto.

  3. As correcções definitivas devem ser acordadas pelo conjunto dos investi­gadores, e inseridas, assim que possível, na matriz informática.

  4. Guardam-se as provas revistas, para servirem de base a novos ajustes dos critérios usados.

Apêndice: léxico temático

276ACADEMIAS

277Real das Ciências, de Tolosa. Real da História: censura; memórias eclesiásticas. Royal Sociely. São Petersburgo.

278AÇÚCAR

279(V. também LANCHES, MERENDAS, JANTARES E CEIAS. Doces)

280ADVOGADOS, v. JURISTAS / ADVOGA­DOS.

281AGUARDENTE

282AJUDAS DE CUSTO

283ALCAIDARIAS MORES

284ALEMANHA

285Alemães. Arquiduquesa. Arquiduquesa, 2ª. Eleitores: de Baviera; de Hanover, v. INGLATERRA. Reis: de Mogúncia; de Saxónia (V. também TITULARES. Duques). Corte. Hamburgueses. Impera­dor. Relações internacionais.

286ALFÂNDEGA

287ALIMENTOS (DIREITO A)

288ALMOXARIFADOS

289Almoxarifes.

290ANIL

291ANIMAIS SELVAGENS

292Tigre. Urso.

293(V. também CAÇA)

294ANIVERSÁRIOS

295AQUEDUTO DAS ÁGUAS LIVRES

296ÁRABES

297Mouros.

298ARGEL

299Reis (V. também ÁRABES e GUERRA).

300ARMAS

301Artilharia.

302ARQUITETOS E ENGENHEIROS

303ARTESÃOS E TRABALHADORES MA­NUAIS

304Aguadeiros. Alfaiates. Arrieiros. Bar­queiros / fragateiros. Cabeleireiros. Cal­ceteiros. Carpinteiros. Cirieiros. Cochei­ros. Correeiros. Coveiros. Empreiteiros. Escultores. Impressores, v. LIVROS. Latoeiros. Linheiras. Ourives. Pedreiros. Pintores, v. PINTURA. Pintores. Sapatei­ros. Vidraceiros.

305ASTRONOMIA

306Cosmógrafo-mor.

307ATENTADOS E EMBOSCADAS

308ATEÍSMO

309AUTOS DA FÉ, v. SANTO OFÍCIO DA INQUISIÇÃO.

310AZEITE

311BACALHAU, v. PEIXE.

312BAPTISMOS

313BENEFÍCIOS ECLESIÁSTICOS

314BIBLIOTECAS, v. LIVRARIAS.

315BISCOITO

316BOTICAS

317Boticários.

318BULA DA CRUZADA

319(V. também SANTA SÉ. Bulas / breves) CAÇA

320CACAU/CHOCOLATE

321CAFÉ

322CAL

323CÂMARAS MUNICIPAIS

324Lisboa.

325CANELA

326CARNE

327(V. também GADO)

328CARTAS DE SEGURO

329CARVÃO

330CASA DA GALÉ

331CASA DA ÍNDIA

332CASA DAS RAINHAS

333Vedores da Rainha. Camareira-mor.

334CASAMENTOS

335(V. também DIVÓRCIOS e DOTES)

336CASAS

337De campo (V. também QUINTAS).

338(V. também PALÁCIOS)

339CASAS SENHORIAIS E SENHORIOS

340Águas Belas. Alcáçovas. Alegrete. Asse­quins. Arcos. Aveiras. Aveiro. Azambuja. Azurara. Bairrada. Belmonte. Bragança. Cadaval. Calhariz. Carapito e Codeceiro. Carrillo. Carvoeira. Cavaleiros. Cotovia. Corte do Serrão. Couto de Mazarefe. Outil. Entre Homem e Cávado. Ericeira. Ferrazes. Ficalho. Ilhas Desertas. Lafões. Mazarefes. Melo. Mira. Murça. Nisa. Ota. Pancas. Paio Pires. Pombeiro. Ponte da Barca. Quinta de Colares. Quintas de Mortanes, Manteigas e Arciprestes. Ribei­ra Grande. Rohan. Romeira. Rua Escura. Seixo Amarelo. Sirol. Terlizzi e Castelga­ragnone. Torre da Palma. Torre de Coe­lheiros. Torre do Outão. Unhão. Vila Flor. Vila Pouca. Vilar de Perdizes.

341(V. também MORGADIOS e TITULA­RES)

342CASTELA, v. ESPANHA.

343CATIVOS

344CAVALOS E BESTAS

345Cavalos. Mulas.

346CEIAS, v. LANCHES, MERENDAS, JAN­TARES E CEIAS.

347CEILÃO

348Cândia: rei.

349CENSURA

350(V. também ACADEMIAS. Real da His­tória: censura e SANTO OFICIO DA INQUISIÇÃO. Censura de livros)

351CERA

352CEREAIS/PÃO

353CHÁ

354CHINA

355CLERO REGULAR

356Agostinhas. Agostinhos: agostinhos reco­letos; crúzios; gracianos; grilos. Agosti­nhos Descalços, v. Agostinhos: Grilos. Barbadinhos. Beneditinos. Bernardos. Caetanos. Capuchos, v. Franciscanos claustrais. Capuchinhos, v. Barbadinhos. Carmelitas: frades; freiras. Carmelitas Descalças: albertas (de Santo Alber­to). Carmelitas Descalços: marianos (de Nossa Senhora dos Remédios). Cartuxos. Cistercienses, v. Bernardos. Clarissas: fla­mengas (de Nossa Senhora da Quietação, ao Calvário). Congregados do Oratório de São Filipe de Néri, v. Lóios. Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, v. Agos­tinhos: crúzios. Cónegos Seculares do Evangelista, v. Oratorianos. Crúzios, v. Agostinhos: crúzios. Dominicanas. Domi­nicanos. Eremitas de Jesus Cristo da Serra de Ossa, v. Paulistas. Eremitas Descalços de Santo Agostinho, v. Agostinhos: grilos. Eremitas de Santo Agostinho: v. Agosti­nhos: gracianos. Franciscanos claustrais: arrábidos (da Província da Arrábida); xabreganos (do Convento de Santa Maria de Jesus ou São Francisco de Xabregas, da Província do Algarve). Freiras. Gra­cianos, v. Agostinhos: grilos. Jerónimos. Jesuítas. Lazaristas. Lóios. Paulistas. Tea­tinos, v. Caetanos. Trinas. Trinos. Trinitá­rios, v. Trinos.

357(V. também CONVENTOS, MOSTEI­ROS E CASAS PROFESSAS; MISSÕES RELIGIOSAS e ORDENS MILITARES)

358CLERO SECULAR

359Arcebispos: Baía; Benavento; Évora; Goa; Lacedemónia; Reims; Tarso, v. MISSÕES DIPLOMÁTICAS ESTRANGEIRAS. Em Portugal: núncios. Bispos: Angola; Angra; Barcelona; Cabo Verde; Coimbra; Congo; Guarda; Lamego; Leiria; Malaca; Marselha; Patará; Portalegre; Porto. Cabi­dos. Cardeais. Cónegos: da Patriarcal; da Sé de Coimbra. Confessores. Deães: da Patriarcal; da Sé. Patriarca. Prelados / Provinciais das religiões. Priores: Guima­rães; Luz; Santo Estêvão; São Domingos; São Julião; São Nicolau; Santos-o-Velho. Provisores. Vigário Geral.

360CLIMA

361Cheias / inundações. Chuvas e tempesta­des. Frio. Furacões. Neve. Prejuízos cau­sados. Secas (calmas). Vento.

362COCHES, CALECHES, BERLINDAS, LITEIRAS E SEGES

363COFRES

364COLÉGIOS, v. ENSINO. Colégios.

365COMARCAS

366Coimbra. Lamego. Portalegre.

367COMBOIOS, v. FROTAS E COMBOIOS.

368COMENDAS E COMENDADORES, v. ORDENS MILITARES.

369COMÉRCIO

370Companhias: de Ostende. Feiras. Lojas. Mercadores. Negociantes.

371(V. também ESTALAGENS, TAVERNAS E CASAS DE PASTO)

372CONFEDERAÇÃO MARATA

373Maratas. Reis.

374CONFRARIAS, v. IRMANDADES E CON­FRARIAS.

375CONSELHOS / SISTEMA POLISSINO­DAL

376Conselho de Estado: conselheiros. Con­selho da Fazenda. Conselho de Guerra: secretário. Conselho Geral do Santo Ofi­cio. Conselho Ultramarino: conselheiros. Desembargo do Paço: presidentes. Mesa da Consciência e Ordens: presidentes.

377(V. também JUNTAS, JUSTIÇA e SE­CRETARIA(S) DE ESTADO)

378CONSPIRAÇÕES

379CÔNSULES

380Em Espanha: dos Estados Gerais. Em Por­tugal: da Inglaterra, dos Estados Gerais.

381CONTRABANDO

382(V. também TOMADIAS)

383CONTRATOS

384CONVENTOS, MOSTEIROS E CASAS PROFESSAS

385Alcobaça: Santa Maria. Almada: São Paulo. Belém: Jerónimos ou São Jeró­nimo. Carnaxide: Boa Viagem, Nossa Senhora da; São José de Ribamar. Cas­tanheira: Santo António [?]. Caxias, v. Laveiras. Coimbra: Santa Cruz. Évora: Cartuxa; Santo Elói. Goa: Santa Mónica. Incidentes internos. Laveiras: Cartuxa de São Bruno. Lisboa e seu termo: Alcân­tara, v. Flamengas; Anunciada, Nossa Senhora da; Boa Hora; Bom Sucesso; Calvário, Monte; Cardais, Nossa Senhora da Conceição dos; Carmo, Nossa Senho­ra do Vencimento do Monte do; Carnide, Santa Teresa de; Cotovia; Encarnação; Esperança, Nossa Senhora da; Espíri­to Santo (da Pedreira); Flamengas (de Nossa Senhora da Quietação); Graça, Nossa Senhora da; Grilo; Jesus, Santa Maria de, v. São Francisco de Xabregas; Lóios; Luz, Nossa Senhora da; Madre de Deus; Menino Deus; Marianos, v. Remé­dios, Nossa Senhora dos Remédios (dos marianos); Monte Olivete, Nossa Senho­ra da Conceição do, v. Grilo; Paulistas; Rato; Remédios, Nossa Senhora dos (das trinas), v. Rato; Remédios, Nossa Senhora dos (dos marianos); Rilhafoles; Rosa, Nossa Senhora da; Sacramento, Santíssimo; Santa Clara; Santa Marta; Santa Mónica; Sant’Ana; Santo Al­berto; Santo António ou Santo António dos Capuchos; Santo Elói, v. Lóios; San­tos-o-Novo; São Bento; São Bento dos Lóios ou São Bento de Xabregas; São Domingos; São Francisco (da Cidade); São Francisco de Xabregas; São Pedro de Alcântara; São Roque; São Vicente (de Fora); Trinas ou Trinas Recoletas (de Nossa Senhora da Soledade); Trindade, Santíssima; Xabregas, v. São Francisco de Xabregas. Mafra: Nossa Senhora e Santo António (V. também MAFRA). Odivelas: São Dinis e São Bernardo. Sobral: Nossa Senhora dos Anjos. Santarém: São Fran­cisco. Sintra: Pena, Nossa Senhora da. Soveral v. Sobral. Varatojo: Santo Antó­nio. Vinhais: Santa Clara.

386(V. também CLERO REGULAR e IGRE­JAS E SANTUÁRIOS)

387CORREIOS

388Correio da Corte. Postilhões. CORRESPONDÊNCIA

389CORSO E PIRATARIA

390CORTE DE PORTUGAL

391Audiências. Beija-mão. Cerimonial. Damas da Corte.

392 (V. também PALÁCIOS e REI E FAMÍ­LIA REAL DE PORTUGAL)

393COURO

394CRÉDITO

395Bancos. Credores. Dívidas. Empréstimos. Execuções. Juros.

396CRIADORES, v. LAVRADORES E CRIA­DORES.

397CRIADOS / MOCHILAS

398Cocheiros. Conserveiras. Cozinheiros. Escudeiros.

399CRIMES

400Adultérios. Agressões e crimes domés­ticos ou passionais. Assassinatos. Enve­nenamentos. Falsificações (V. também MOEDA. Falsa). Fugas. Parricídios.

401(V. também ATENTADOS E EMBOS­CADAS e ROUBOS E FURTOS)

402CRISTÃOS-NOVOS

403DESACATOS E MOTINS

404Sacrilégios.

405DESCAMINHOS

406DESNATURALIZAÇÕES

407(V. também NATURALIZAÇÕES)

408DIAMANTES, v. METAIS E PEDRAS PRE­CIOSAS.

409DINAMARCA

410Rei.

411DIPLOMACIA, v. MISSÕES DIPLOMÁ­TICAS e RELAÇÕES INTERNACIO­NAIS.

412DIVÓRCIOS

413DOENÇAS E CURAS

414Achaques. Acidentes. Água de Inglaterra (quina quina ou querano). Águas espiri­tuosas. Aneurismas. Apertos. Apoplexias. Ataques. Banhos (V. também Caldas da Rainha). Bexigas. Catarros. Cegueira / cataratas / doenças de olhos. Cólicas. Constipações. Convalescenças e melho­rias. Convulsões. Defluxos. Dentes, males de. Dores: de cabeça; de garganta, v. Esquinências (ou amigdalites); na ilharga. Epidemias. Erisipela. Escorbuto / "Mal de Luanda". Esquinências (ou amigdalites) e dores de garganta. Estupores. Fastios. Febres: crescimentos; terçãs. Feridas. Gangrena. Gota. Herpes. Hidropisia. Icte­rícia. Inchaços. Insanidade. Melancolia. Mirra da Pérsia. Parôtidas. Pedras. "Peles de senis". Perfumes. Pestes. Pleuris (ou pleurisia). Pontadas. Purgas. Quedas. Queixas de peito. Reumatismo. San­grias. Sarampo. Sezões. Sífilis. Síncopes. Sono e esquecimentos. "Telícia". Tísica. "Tomar aço". Tosses. Tubérculos (V. tam­bém Inchaços). Tumores. Vágados / verti­gens. Vómitos.

415DONATÁRIOS / SENHORES DE TERRAS, v. CASAS SENHORIAIS / SENHO­RIOS.

416DOTES

417DUAS SICÍLIAS

418Rei.

419(V. também NÁPOLES)

420DUELOS E DESAFIOS

421ECLESIÁSTICOS, v. CLERO REGULAR e CLERO SECULAR.

422EDITAIS

423ENGEITADOS

424ENIGMAS

425ENSINO

426Colégios: Purificação; Santo Antão; São Paulo; São Pedro. Estudantes. Filosofia. Lentes. Matemática. Medicina. Mestres de meninos.

427ENTRADAS PÚBLICAS

428ERMIDAS, v. ORATÓRIOS / ERMIDAS. ESCRAVOS

429(V. também NEGROS)

430ESMOLAS

431ESPANHA

432Auditor. Catalães. Corte: audiências. Es­panhóis. Infantes: Carlos, Dom (V. tam­bém DUAS SICÍLIAS. Rei); Filipe, Dom; Maria Teresa, Dona. Língua castelhana. Navios. Princesa. Príncipe. Rainha. Rei. Relações internacionais. Santo Oficio da Inquisição.

433ESTADOS GERAIS

434Holandeses. Príncipe de Orange-Nassau. Relações internacionais.

435ESTALAGENS, TABERNAS E CASAS DE PASTO

436Estalajadeiros. Taberneiros.

437EXCOMUNHÕES

438FÁBRICAS

439De Pólvora. De Seda.

440(V. também NAVIOS. Estaleiros, PÓL­VORA e VESTUÁRIO E TECIDOS)

441FACÇÕES, PARCIALIDADES E PARTI­DOS

442FEITIÇARIAS

443Exorcismos.

444FESTAS

445Bailes. Entrudo. Espírito Santo. Lauspe­renes. Lava-pés. Natal. Nossa Senhora da Conceição. Páscoa. Reis / Epifania. Rosário. Santa Ana. Santa Bárbara. Santa Rita. Santo Agostinho. São Francisco. Te­déuns.

446(V. também MÚSICA)

447FIANÇAS, v. JUSTIÇA.

448FILHAMENTOS

449FOGO DE ARTIFÍCIO

450FOLHETOS MANUSCRITOS, v. GAZETAS, FOLHETOS E NOTÍCIAS MANUSCRI­TAS.

451FORTES E FORTALEZAS

452(V. também TORRES)

453FRANÇA

454Delfins: Luís, filho de Luís XV; Luís, Le Grand Dauphin. Franceses. Navios. Par­lamento. Reis: Luís XIV; Luís XV. Rela­ções Internacionais.

455FREIRÁTICOS

456FROTAS E COMBOIOS

457(V. também NAVIOS)

458GADO

459(V. também CARNE)

460GALINHAS

461GAZETAS, FOLHETOS E NOTÍCIAS MANUSCRITAS

462"Addição à Gazeta". Anatomico jocoso. "Anno noticioso e historico". "Diario": autor / autoria; cópias; falhas ou suspen­sões de edição. O Anónimo. Censura. "Diario" da Colecção Pombalina. "Diario de Lisboa" / "Diario de Lisboa Occiden­tal" / "Diario do 4° Conde da Ericeira": autor / autoria; encadernação (proble­mas de); falhas ou suspensões de edição. Folheto de ambas Lisboas. "Folheto de Lisboa". "Folheto de Lisboa Occidental". Gazeta de Lisboa: gazeteiro. "Gazeta de Pernambuco". "Gazeta em forma de carta". Gazetas da Restauração. Gazetas europeias. Historia annual. "Mercurio de Lisboa" / "Mercurio historico de Lisboa". "Monstruosidades do tempo e da fortu­na". "Noticia breve da universal estima­ção que em Portugal se faz dos folhetos". "Noticias annuais 1740 ate 1749". "Noti­cias de Portugal". "Novidades de Lis­boa". Pasquins. Suplemento da Gazeta. "Varias noticias de casos".

463(V. também CORRESPONDÊNCIA)

464GENTIOS

465(V. também ÍNDIOS)

466GENTIS-HOMENS

467Da Câmara Real.

468(V. também OFÍCIOS-MORES DA CA­SA REAL)

469GOVERNADORES, v. VICE-REIS E GO­VERNADORES.

470GUERRA

471Cerco de Orão. Direito da. Na Índia. Su­cessão da Áustria. Sucessão da Polónia. Sucessão de Espanha.

472HERÁLDICA

473HERANÇAS, v. TESTAMENTOS / TESTA­MENTARIAS.

474HERESIAS

475(V. também ATEÍSMO e FEITIÇARIAS)

476HOLANDA, v. ESTADOS GERAIS.

477HOSPITAIS

478Enfermeiro-mor do Hospital de Todos-os­-Santos.

479IGREJAS E SANTUÁRIOS

480Águeda. Braga: Sé. Bucelas: Purificação, Nossa Senhora da. Coimbra: Santiago. Évora: Sé; Santo Elói. Lisboa: Anjos; Boa Hora; Conceição, Nossa Senhora da, v. Conceição Velha; Conceição Velha; Encarnação; Espírito Santo (da Pedreira); Graça, Nossa Senhora da; Jesus, Santa Maria de; Loreto, Nossa Senhora do; Madalena, Santa Maria; Mártires; Miseri­córdia; Patriarcal; Paulistas; Sacramento, Santíssimo; Santa Engrácia; Santa Luzia; Santiago; Santo Amaro, v. ORATÓRIOS E ERMIDAS. Lisboa: Santo Amaro. Santo António de Lisboa, v. Santo António da Sé; Santo António da Sé; Santo Antó­nio dos Capuchos; Santo Estêvão; Santos­-o-Velho; São Bento; São Domingos; São Francisco (da Cidade); São João da Praça; São Luís (dos Franceses); São Martinho; São Pedro de Alcântara; São Roque; São Vicente (de Fora); Saúde, Nossa Senhora da; Sé ou Sé Oriental; Trinas ou Trinas Recoletas (de Nossa Senhora da Sole­dade); Trindade, Santíssima. Odivelas: Menino Jesus. [Porto]: Loureiro, [São Pedro do]. Sesimbra: Cabo, Nossa Senho­ra do. Terceira, Ilha: Sé. Torres Novas. Vila Viçosa: Capela Real.

481(V. também CONVENTOS E MOSTEI­ROS)

482IMPÉRIO, v. ALEMANHA.

483IMPÉRIO MONGOL

484Grão-Mongol.

485IMPOSTOS E TRIBUTOS

486Capitação. Décimas. Quintos. Terças. Um por cento.

487INCÊNDIOS

488ÍNDIOS

489(V. também GENTIOS)

490INDULGÊNCIAS

491INDULTOS

492INGLATERRA

493Bolsa. Corte: cerimonial. Ingleses: Feito­ria de Lisboa. Navios. Parlamento. Reis: Jorge II. Rainhas: Ana; Carolina. Relações internacionais. Secretários de Esta­do.

494INSULTOS

495INTERDITOS

496IRLANDA

497Irlandeses.

498IRMANDADES E ASSOCIAÇÕES CON­FRATERNAIS

499Lisboa: Passos, Nosso Jesus dos. Santa Engrácia. Santa Justa. Odivelas.

500(V. também IGREJAS E SANTUÁRIOS e MISERICÓRDIAS)

501ITÁLIA

502Genoveses. Italianos ou nação italiana. Rei da Lombardia. Saboiardos.

503(V. também NÁPOLES, DUAS SICí­LIAS, SANTA SÉ, SARDENHA e TOS-CANA)

504JANTARES, v. LANCHES, MERENDAS, JANTARES E CEIAS.

505JOGO

506JÓIAS

507Anéis. Arrecadas. Botões. Braceletes e pulseiras. Brincos. Caixas. Cruzes. Esto­jos. Gargantilhas. Insígnias. Paliteiros. Pérolas. Zoomórficas: lagartixa; salmo­nete.

508(V. também METAIS E PEDRAS PRE­CIOSAS e MÓVEIS)

509JUDAÍSMO / JUDEUS

510JUNTAS

511Conferências. Da Saúde. Do Tabaco: deputados. Dos Três Estados. Na Miseri­córdia.

512(V. também CONSELHOS / SISTEMA POLISSINODAL e SECRETARIA(S) DE ESTADO)

513JURISTAS /ADVOGADOS

514(V. também OFICIAIS E MINISTROS)

515JUSTIÇA

516Açoites. Adultérios. Agravos. Apelações. "Baraço e pregão". Chancelaria. Culpas. Degredos e desterros. Demandas intra­-familiares. Detenções e presos. Devas­sas. Execuções. Fianças. Galés. Perdões. Sentenças. Tratos / tormentos. Tribunais: Relação.

517(V. também CONSELHOS / SISTEMA POLISSINODAL, OFICIAIS E MINIS­TROS e PRISÕES)

518LADRÕES, v. ROUBOS E FURTOS.

519LANCHES, MERENDAS, JANTARES E CEIAS

520Bebidas de neve. Doces.

521LATIM

522LAVRADORES E CRIADORES

523LEGADOS PIOS

524Administração. Capelas. Denúncias. LEGISLAÇÃO

525LEGITIMAÇÕES, v. FILHAMENTOS.

526LÍNGUA PORTUGUESA

527LIVRARIAS

528LIVROS

529Livreiros

530LOUÇAS

531LUTOS

532MADEIRAS

533Castanho. Pau-brasil.

534MAFRA

535Caminhos. Obras. Sinos. Tapada.

536(V. também CONVENTOS E MOSTEI­ROS. Mafra e REI E FAMÍLIA REAL DE PORTUGAL. João V, Rei, Dom: idas a Mafra)

537MALTA

538Grão-Mestre. Malteses.

539MARFIM

540MARINHA

541Marinheiros.

542MARROCOS

543Rei.

544MEDICINA

545Anatomia. Cirurgia.

546MÉDICOS, BARBEIROS, CIRURGIÕES E ALGEBRISTAS

547MERCÊS

548Capelas. Despachos. Direito a testar. Peti­ções. Registo: secretário. Supervivências. "Vidas".

549METAIS E PEDRAS PRECIOSAS

550Águas-marinhas. Carbúnculos. Casas de fundição. Diamantes: minas e minera­ção. Esmeraldas. "Laasdiz" ou "leesdiz". Lapis-lazulis. Madrepérola. Mineiros. Ouro: alfaias de; minas. Prata; alfaias de; minas. Rubis. Safiras.

551(V. também JÓIAS)

552MILAGRES

553(V. também SANTOS, BEATOS E SAN­TIDADES)

554MILITARES E ORDENANÇAS

555Alferes. Almirante. Artilheiros. Bata­lhões. Brigadeiro. Capitães: da guar­da; de cavalos. Capitães de mar e guerra. Capitães-engenheiros. Capitães-mores. Capitães-tenentes. Cavalaria. Compa­nhias. Coronéis. Coronéis-engenhei­ros. Desertores. Esquadrões. Generais. Governos militares. Granadeiros. Infanta­ria. Recrutamentos. Regimentos. Sargen­tos. Sargentos-mores. Soldados e tropas. Tenentes: da guarda. Tenentes-coronéis. Tenente-general de artilharia do Reino.

556MINAS E MINERAÇÃO, v. METAIS E PEDRAS PRECIOSAS.

557MISERICÓRDIAS

558MISSÕES DIPLOMÁTICAS ESTRANGEI­RAS

559Em Espanha: embaixador de França; embaixador extraordinário de Inglaterra; ministro de Inglaterra; núncio. Em Flo­rença: núncio. Em França: embaixador de Espanha; embaixador do Império. Em Inglaterra: embaixador de Espanha; embaixador de França. Na Pérsia: embai­xador de Inglaterra. Na Polónia: embaixa­dor do Império. Nas Duas Sicílias: minis­tro de Inglaterra. No Mónaco: embaixador de Espanha. Nos Estados Gerais: embai­xador de França; embaixador de Inglater­ra. Em Portugal: embaixador de Espanha; embaixador de França; embaixadores do Surrate; enviado de Inglaterra; ministro do Império; núncios; residente do Império; residente dos Estados Gerais. Na Santa Sé: embaixador de Espanha; embaixador do Império. Na Turquia: embaixador de Inglaterra.

560MISSÕES DIPLOMÁTICAS PORTUGUE­SAS

561Em Espanha: embaixador extraordinário; ministro plenipotenciário. Na Santa Sé: embaixador; enviado extraordinário. Nos Estados Gerais: enviado.

562MISSÕES RELIGIOSAS

563Missionários.

564MOEDA

565Casa da Moeda: moedeiros; provedor. Correspondência entre moedas. Falsa.

566MORGADIOS

567(V. também CASAS SENHORIAIS E SENHORIOS)

568MORTES

569Cadáveres. Enterros e exéquias. "Estar a morrer" ou sacramentado. Infanticídios. Suicídios: tentativas de.

570(V. também TÚMULOS, JAZIGOS E SEPULTURAS)

571MOSTEIROS, v. CONVENTOS, MOSTEI­ROS E CASAS PROFESSAS.

572MOTINS, v. DESACATOS E MOTINS.

573MÓVEIS

574Arcas. Cadeiras. Caixas: de charão. Mesas.

575(V. também COFRES, JÓIAS e METAIS E PEDRAS PRECIOSAS)

576MULATOS

577MULHERES

578Abortos. Freiras, v. CLERO REGULAR. Freiras. Gravidez. Partos: parteiras (V. também NASCIMENTOS, ORDENS MILITARES e TITULARES).

579MÚSICA

580Músicos: castrati. Ópera.

581NÁPOLES

582Vice-Rei.

583(V. também DUAS SICÍLIAS)

584NASCIMENTOS

585(V. também MULHERES. Partos)

586NATURALIZAÇÕES

587(V. também DESNATURALIZAÇÕES)

588NAVIOS

589Escaleres. Estaleiros. Fragatas. Naufrá­gios.

590(V. também FROTAS E COMBOIOS)

591NEGROS

592NOBREZA, v. CASAS SENHORIAIS, CORTE DE PORTUGAL, FILHAMEN­TOS e TITULARES.

593NOTÁRIOS E TABELIÃES

594NOTÍCIAS v. CORRESPONDÊNCIA; GAZETAS, FOLHETOS E NOTÍCIAS MANUSCRITAS e RUMORES.

595OBRAS

596"Do Conde de Tarouca". Em caminhos. Em Santo Antão do Tojal. Em Santa Engrácia. Em São Pedro de Alcântara. No Palácio Real ou da Ribeira. Projectos.

597(V. também AQUEDUTO DAS ÁGUAS--LIVRES e MAFRA. Obras)

598OFICIAIS e MINISTROS

599Auditor geral. Chanceleres: da Índia; do Rio de Janeiro. Contadores: contador-mor. Corregedores. Desembargadores. Escrivães. Fiscais: da Armada da Índia. Intendentes. Juiz da Índia e Mina. Juízes conservadores: da nação espanhola; da nação inglesa. Juízes das propriedades. Juízes do crime. Juízes do povo. Juízes das propriedades. Juízes de fora. Meiri­nhos. Ouvidores. Procurador da Coroa. Procurador da Fazenda. Provedores. Regedor. Superintendentes. Tesoureiros. Vedores: da Fazenda.

600(V. também CONSELHOS / SISTEMA POLOSSINODAL)

601OFÍCIOS-MORES DA CASA REAL Almotacé-mor. Armeiro-mor. Copeiro-mor. Estribeiro-mor. Monteiro-mor. Mor­domo-mor. Porteiro-mor. Trinchante. (V. também CORTE DE PORTUGAL e GENTIS-HOMENS. Da Câmara Real)

602ORATÓRIOS / ERMIDAS

603Lisboa: Santo Amaro; Monte ou Monte Agudo, Nossa Senhora do.

604ORDENANÇAS, V. MILITARES E ORDE­NANÇAS.

605ORDENS MILITARES

606Avis: comendadeiras (da Encarnação). Bens. Comendas: comendadores. Cris­to: hábitos. Santiago: comendadeiras (de Santos-o-Novo). São Roque. Juiz Geral.

607(V. também CONSELHOS / SISTEMA POLISSINODAL; MALTA e MERCÊS)

608ORDENS RELIGIOSAS, v. CLERO REGU­LAR.

609ÓRFÃOS

610OURO, v. METAIS E PEDRAS PRECIO­SAS.

611PADROADOS

612PALÁCIOS

613Aljube. Anunciada. Bemposta. Casa da Pólvora, em Goa. Episcopal, de Évora. Episcopal de Lisboa, v. Aljube. Lumiar. Real ou da Ribeira (V. também OBRAS. No Palácio Real ou da Ribeira).

614PANEGÍRICOS

615PAZ

616PEDRAS PRECIOSAS, v. METAIS E PEDRAS PRECIOSAS.

617PEIXE

618Bacalhau.

619PELOURINHOS

620Forcas.

621PÉRSIA

622Persas. Rei.

623PESCA

624Pescadores.

625PIMENTA

626PINTURA

627PIRATARIA, v. CORSO E PIRATARIA.

628POESIA

629Poetas.

630POLÓNIA

631Grão-Duque da Lituânia. Polacos. Reis: Augusto II; Estanislau I. Relações inter­nacionais.

632PÓLVORA

633PONTES

634PORTOS

635PRATA, v. METAIS E PEDRAS PRECIO­SAS.

636PRAZOS

637PRECEDÊNCIAS

638(V. também CORTE DE PORTUGAL e TRATAMENTOS)

639PRESENTES

640PRESÉPIOS

641PRISÕES

642Carcereiros. Limoeiro. Mordomo dos presos. Torre de Belém. Torre do Bugio. Torre Velha.

643(V. também JUSTIÇA e PALÁCIOS. Aljube)

644PROCISSÕES

645Lisboa: Cinzas; Corpo de Deus; Jesus [?]; Passos, Nosso Senhor dos; Ossos; Reden­ção. Mafra: do Corpo de Deus.

646PROCURAÇÕES

647Procuradores.

648PRÚSSIA

649Princesa. Príncipe. Rei.

650QUARESMA

651(V. também PROCISSÕES. Lisboa: Cin­zas)

652QUEIJOS

653QUINTAS

654Aos Olivais. Da Bugalheira. Da Luz. Da Palhavã. Das Conchas. Das Duas Portas. Das Lapas. De Alcântara. De Arroios. De Azeitão. De Belém. De Carnide. De Paço de Arcos. De Pancas. De Santo António do Tojal. [De São João de Bem Casados.] De São José de Ribamar. De Sete Rios. De Vialonga. Do Botol [?]. Do Campo Grande. Do Lumiar.

655(V. também CASAS. De campo)

656QUIXOTE, DOM

657REI E FAMÍLIA REAL DE PORTUGAL

658Afonso VI, Rei, Dom. Alexandre, Infan­te, Dom. António, Infante, Dom. Carlos, Infante, Dom. Deslocações. Fernando, Rei, Dom. Francisca, Infanta, Dona. Francisco, Infante, Dom. João II, Rei, Dom. João IV, Rei, Dom. João V, Rei, Dom: conferências; idas a Mafra; saúde. José, [Arcebispo de Braga], Dom. José, Príncipe, Dom. Manuel, Infante, Dom. Maria, Princesa da Beira, Dona; Maria I, Rainha, Dona. Maria Ana de Áustria, Rainha, Dona. Mariana Vitória, Princesa, Dona. Maria Francisca de Sabóia, Rai­nha, Dona. Maria Sofia, Rainha, Dona. Miguel, Infante, Dom. Pedro, Infante, Dom. Pedro II, Rei, Dom. Sebastião, Rei, Dom.

659(V. também CORTE DE PORTUGAL)

660RELAÇÕES INTERNACIONAIS

661Alianças. Negociações: Congresso de Soissons. Relações de Portugal: com a Espanha; com a França; com a Inglaterra, com a Santa Sé. Tratados: de Madrid; de Sevilha; de Viena (o 2°).

662(V. também ESPANHA, ESTADOS GE­RAIS, FRANÇA, INGLATERRA, POLÓNIA, RÚSSIA e SARDENHA)

663RELÍQUIAS

664RELÓGIOS

665RENDAS OU RENDIMENTOS

666Rendeiros.

667RENÚNCIAS

668RONDAS

669ROUBOS E FURTOS

670(V. também DESCAMINHOS)

671RUMORES.

672Da Europa. Desmentidos. Sobre casamen­tos / separações. Sobre nomeações.

673RÚSSIA

674Imperadores (ou tsares). Moscovitas. Relações internacionais.

675SABÃO

676SACRILÉGIOS, v. DESACATOS E MO­TINS. Sacrilégios.

677SAL

678Marinhas.

679SANTA SÉ

680Bulas / breves. Corte. Legados a Latere. Papas: Benedito XIII; Clemente XII.

681(V. também RELAÇÕES INTERNACIO­NAIS. Relações de Portugal: com a Santa Sé)

682SANTO OFÍCIO DA INQUISIÇÃO DE PORTUGAL

683Autos da Fé: listas; particulares; públicos. Censura de livros (V. também CENSU­RA). Comissários. Conselho Geral do Santo Oficio, v. CONSELHOS / SISTE­MA POLISSINODAL. Conselho Geral do Santo Ofício. Familiares. Inquisidores e deputados. Juízes do fisco. Presos. Pro­motores. Relaxados.

684(V. CRISTÃOS-NOVOS, ESPANHA. Santo Oficio da Inquisição, HERESIAS e JUDAÍSMO)

685SANTOS, BEATOS E SANTIDADE

686Cadáveres incorruptos. Imagens. Márti­res.

687(V. também VIRTUDES e FEITIÇA­RIAS)

688SANTUÁRIOS, v. IGREJAS E SANTUÁ­RIOS

689SARDENHA

690Duque de Sabóia (V. também Reis: Car­los Emanuel III). Reis: Carlos Emanuel III; Victor Amadeu II. Príncipes. Relações Internacionais.

691SECRETARIA(S) DE ESTADO

692Secretário(s): Marinhas e Domínios Ultramarinos; Negócios Estrangeiros e Guerra; Negócios do Reino.

693SECRETÁRIOS, v. CONSELHOS / SISTEMA POLISSINODAL, MERCÊS e SECRETARIA(S) DE ESTADO. SERMÕES

694Pregadores.

695SERTÕES

696SISMOS E TERRAMOTOS

697SISTEMA POLISSINODAL, v. CONSE­LHOS / SISTEMA POLISSINODAL.

698SORTES, v. JOGO.

699TABACO

700(V. também JUNTAS. Do Tabaco)

701TABELIÃES, v. NOTÁRIOS E TABELI­ÃES

702TABERNAS, v. ESTALAGENS, TABER­NAS E CASAS DE PASTO.

703TEATRO

704Comédias. Pátio das Comédias.

705TECIDOS, v. VESTUÁRIO E TECIDOS.

706TENÇAS

707TEOLOGIA

708Teólogos.

709TESTAMENTOS / TESTAMENTARIAS TITULARES

710Arquiduquesa, v. ALEMANHA, Arqui­duquesa. Barões: Albrecht; Ilha Grande, 2°; Ilha Grande de Joanes, 3°; Tinti. Baro­nesas: Ilha Grande de Joanes. Condes: Albermale; Alva, 1º; Alvor, 2°; Anglesola; Arcos, 3°; Arcos, 5°; Assumar, 1°; Assu­mar, 2°; Atalaia, 6°; Atouguia, 10º; Avei­ras; Aveiras, 3°; Aveiras, 4°; Aveiras, 5º; Avintes, 1°; Avintes, 2°; Avintes, 3°; Bobadela, 1°; Bonneval; Calheta, 7°; Canali [?]; Cantanhede, 6°; Castanheira, 6°; Castelo Melhor, 4°; Clavijo; Clermont; Coculim, 2°; Coculim, 3°; Daun ou Dhaun; Ega, 1°; Ells [?]; Ericeira, 2°; Ericeira, 3°; Ericei­ra, 4°; Ericeira, 5°; Galveias; Galveias, 1°; Galveias, 2°; Galveias, 3°; Galveias, 4°; Ilha do Príncipe, 4°; Ilha do Príncipe, 5°; Königsegg; Lavradio, 1°; Martinic ou Martinitz; Mercy; Miranda [del Castariar]; Monsanto, 10º; Montemar; Montijo; Óbi­dos, 2°; Óbidos, 3°; Oeiras, 1º; Pombeiro, 3°; Pombeiro, 4º; Ponte, 3°; Povolide, 10; Povolide, 2°; Prado, 7°; Redondo, 12°; Ribeira Grande, 3º; Ribeira Grande, 4º; Rio Grande, 1º; Sabugosa, 1°; Sandomil, 1°; Santiago, 2°; Santiago, 3º; Santistebán del Puerto; Santo Estêvão [ou San Este­ban de Gormaz]; São Miguel, 1°; São Miguel, 3°; São Vicente, 4°; São Vicente, 5°; Sarzedas, 4°; Scheffenberg; Schwar­zenberg; Soure, 4°; Tarouca, 4°; Tarouca, 5°; Tendas; Unhão, 4°; Unhão, 5°; Valada­res, 2°; Valadares, 3º; Valadares, 5°; Vale de Reis: Vale de Reis, 2°; Vale de Reis, 3°; Vale de Reis, 4°; Vale de Reis, 5°; Verità [?]; Vidigueira, 7°, v. 3° Marquês de Nisa; Vila Flor, 3º; Vila Flor, 4°; Vila Nova de Portimão, 4°; Vila Nova de Portimão, 5°; Vila Verde, 4º; Vilar Marior, 3°, v. 2° Marquês de Alegrete; Vilar Maior, 4°, v. 3° Marquês de Alegrete; Vilar Maior, 5°; Vimieiro, 2°; Vimeiro, 3º; Vimioso, 8°, v. 2° Marquês de Valença; Vimioso, 9°. Conde-Barão de Alvito, 3°. Condessas: Alva; Alvito; Alvor; Arcos; Assumar; Ata­laia; Atouguia; Aveiras; Avintes; Breyner; Calheta; Castelo Melhor; Coculim; Eri­ceira; Galveias; Ilha do Príncipe; Lavra­dio; Óbidos; Pombeiro; Povolide; Prado; Redondo; Ribeira Grande; Santiago; São Lourenço; São Miguel; São Vicente; Sar­zedas; Scheffenberg; Soure; Taboada; Tarouca; Unhão; Valadares;Vale de Reis; Vila Flor; Vila Nova de Portimão; Vilar Maior; Vimieiro; Vimioso. Duques: Albu­querque; Alincourt; Arcos; Atri; Aveiro, 7°; Banhos, v. Aveiro, 7º; Baviera (V. também ALEMANHA. Eleitores); Béjar; Bedfort; Bourbon; Bragança; Brunswick­-Wolfenbüttel; Cadaval, 1°; Cadaval, 2°; Cadaval, 3°; Florença; Giovinazzo; Infan­tado; Königsegg; Lafões, 1°; Lafões, 2°; Liria; Lorena; Maine; Modena; Montella­no; Nájera; Newcastle; Noailles; Orléans; Orsana; Osuna; Parma; Retz; Ripper­da; Sabóia, v. SARDENHA. Duque de Sabóia; San Blas; Saint-Aignan; Saxónia, v. ALEMANHA. Eleitores; Somerset; Tallard; Tursi; Uceda; Veragua; Villeroy. Duquesas: Arcos; Cadaval; Infantado; Lafões; Liria; Ormond; Osuna; Parma; Picquigny; Populi; São Pedro. Grão-Duque. Marqueses: Abrantes, 1°; Abran­tes, 2°; Alegrete, 2°; Alegrete, 3°; Angeja, 2°; Los Balbases; Beuzeville; Cafare [?]; Campoflorido; Capechelatro; Cascais, 3°; Castellar; Cuéllar; Fontes, 4°, e Abrantes, 2°; Fronteira, 3°; Gouveia, 3°; Gouveia, 4°; Grimaldo; Louriçal, 1°; La Luzerne, v. Beuzeville; Malespina; Marialva, 3°; Minas, 1°; Minas, 3°; Minas, 4°; Montebe­lo, 2°; Montemár; Monti; Nisa: Nisa, 3°; La Paz; Pombal, 1°; Ravara; Santa Cruz [de Marcenado]; Tabuérniga; Távora, 3°; Valença, 2°; Vauban; Villadarias. Marque­sas: Abrantes; Alegrete; Arronches; Cas­cais; Fontes; Fronteira; Marialva; Niza; Santa Cruz; Távora; Unhão; Valença. Princesas: Mecklenburgo; Nassau-Sie­gen; Parma. Príncipes: Baviera (V. tam­bém ALEMANHA. Eleitores); Carpegna; Cellamare; Conty; Lorena, v. Duques: Lorena; Mortagne; Orange-Nassau, v. ESTADOS GERAIS; Pio de Sabóia; Pons, v. Mortagne; Rohan; Sabóia; Saxó­nia; Schwarzenberg, v. Condes. Viscon­des: Asseca; Barbacena, 4°; Ponte de Lima, v. Vila Nova de Cerveira; Del Puer­to (V. também Marqueses. Santa Cruz [de Marcenado]); Torrington; Vila Nova de Cerveira, 10°; Vila Nova de Cerveira, 11°; Vila Nova de Cerveira, 12°. Viscondessas: Barbacena; Vila Nova de Cerveira.

711(V. também CASAS SENHORIAIS, MORGADIOS, NOBREZA e OFÍCIOS--MORES DA CASA REAL)

712TOMADIAS

713(V. também CONTRABANDO)

714TORRES

715Belém. Bugio. São Filipe. Velha (ou de São Sebastião da Caparica).

716(V. também PRISÕES)

717TOSCANA

718Grão-Duque.

719TOUROS E TOURADAS

720TRATAMENTOS

721(V. também CORTE DE PORTUGAL e PRECEDÊNCIAS)

722TRIBUNAIS, v. CONSELHOS / SISTEMA POLISSINODAL.

723TRIBUTOS, v. IMPOSTOS E TRIBUTOS.

724TÚMULOS, JAZIGOS E SEPULTURAS

725TURQUIA

726O Grão Turco. Turcos.

727VESTUÁRIO E TECIDOS

728Adereços: leques; luvas.

729(V. também FÁBRICAS. De Sedas)

730VICE-REIS e GOVERNADORES

731Angola. Brasil: Maranhão; Minas Gerais; Pernambuco; Paraíba; Rio de Janeiro; São Paulo. Ilha da Madeira. Ilha de S. Miguel. Índia: Mazagão; Moçambique. Queixas.

732VINHAS E VINHO

733VIRTUDES

734VISITAÇÕES

735Visitadores.

Topo da página

Bibliografia

História cultural e história cultural da escrita

BOUZA, Fernando, Corre manuscrito: una historia cultural del siglo de oro, Madrid, Marcial Pons, 2001.

CHARTIER, Roger, Au bord de la falaise. L’histoire entre certitudes et inquiétude, Paris, Éditions Albin Michel, 1998.

—————, "A 'nova' história cultural existe?", Trad. João Luís Lisboa, Cultura. Revista de História e Teoria das Ideias, II Série, Vol. XVII, Lisboa, Centro de História da Cultura, 2004, pp. 9-22.

GIMENO BLAY, Francisco, "La historia de cultura escrita y la erudición clásica", Scrittura e Civiltà, Vol. XXV, Firenze, Casa Editrice Leo S. Olschki, 2005, pp. 303-320.

LISBOA, João Luís, "Lugares de história das ideias", Cultura. Revista de História e Teoria das Ideias, II Série, Vol. XVII , pp. 23-41.

PETRUCCI, Armando, La descrizione del manoscrito: storia, problemi, modeli, [1ª ed., 2001] 2ª ed., Roma, Carocci Editore, 2005.

—————, Prima lezione di paleografia, [1ª ed., 2002] 3ª ed., Roma/ Bari, Editori Later­za, 2005.

Edição de textos e técnicas de paleografia

BESSELAAR, José Van den, Introdução aos estudos históricos, [1ª ed., 1956] 4ª ed., São Paulo, Editôra Herder, 1970.

COSTA, Avelino de Jesus da, Normas gerais de transcrição de documentos medie­vais e modernos, Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1993.

GLÉNISSON, Jean, e outros, "A publicação dos textos históricos", in: Iniciação aos estudos históricos, [1ª ed., 1961] 4ª ed., São Paulo, Difel, [1983], pp. 343­-359.

MATTOSO, José, "A publicação de fontes documentais e o progresso da ciência his­tórica em Portugal", in: A escrita da história: teoria e métodos, Lisboa, Edito­rial Estampa, 1988, pp. 101-114.

NUNES, E. Borges, Abreviaturas paleográficas portuguesas, Lisboa, Faculdade de Letras [da Universidade de Lisboa], 1981.

RODRIGUES, José Honório, "Crítica de textos e a edição de textos históricos", in: Teoria da história do Brasil (Introdução Metodológica), [1ª ed., 1945] 4a ed., [São Paulo], Companhia Editora Nacional, [1978], pp. 378-404.

VALENTE, José Augusto, Álbum de Paleografia Portuguesa. Documentos brasilei­ros, [la ed., 1980], 2a ed., São Paulo, Escola de Comunicações e Arte/ Univer­sidade de São Paulo, 1983.

Princípios de indexação

CAFFO, Rossella, Analisi e indicizzazione dei documenti. L’acesso per soggetto dall’informazione, [Milano], Editrice Bibliografica, 1988.

LANDRIDGE, D. W., Classification and Indexing in the Humanities, London / Bos­ton, Butteerworths, 1976.

MENDES, Maria Teresa Pinto, e SIMÕES, Maria da Graça, "Indexação por assuntos. Princípios gerais e normas", Páginas a&b, N° 8, Lisboa, Gabinete de Estudos a&b, 2001, pp. 7-74.

RAY, Jacqueline, "International tendencies in terminology and indexing", in: HOL­LEY, Robert P.; MC GARRY, Dorothy; DUNCAN, Donna, e SVENONIUS, Elaine (ed.), Subject Indexing: Pinciples and Practices in the 90s, München / New Providence / London / Paris, K. G. Saur, 1995, pp. 256-277.

SANTOS, Manuela (org. e sel.), Indexação. Terminologia e controlo de autoridades (Manual), Lisboa, Biblioteca Nacional, 2003.

Nomes, títulos e formas de tratamento

BOLÉO, Manuel de Paiva, Bibliographie Onomastique du Portugal, Louvain, Inter­national Centre of Onomastics / "Instituut voor Naamkunde", 1955-56 (Sep. de Onoma, Bibliographical and Information Bulletin / Bulletin d’Information et de Bibliographie, Vol. VI, 3).

CINTRA, Luís F. Lindley, Sobre "formas de tratamento" na língua portuguesa, [1ª ed., 1972], 2ª ed., [Lisboa], Livros Horizonte, [1986].

COSTA (MESQUITELA), Dom Luís da, "A evolução histórico-jurídica do título de dom em Portugal", Armas e troféus: revista de história e de arte, III Série, T. VIII, N° 1, Lisboa, Instituto Português de Heráldica, 1978, pp. 39-60.

FARIA, António Machado de, O uso dos apelidos em Portugal, Lisboa, s/n, 1951 (Sep. de Brotéria, Vol. LII, N° 2).

LUZ, Marilina dos Santos, Fórmulas de tratamento no Português arcaico (subsídios para o seu estudo), Coimbra, Casa do Castelo, Editora, 1958 (Sep. da Rev. Portuguesa de Filologia, Coimbra, Vols. VII, VIII e IX).

VASCONCELOS, J. Leite de, Antroponimia Portuguesa. Tratado comparativo da origem, significação, classificação, e vida do conjunto dos nomes proprios, sobrenomes, e apelidos, usados por nós desde a Idade-Média até hoje, Lisboa, Imprensa Nacional, 1928.

—————, Etnografia Portuguesa, Vol. X, Lisboa, Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 1988, pp. 496-503.

Gazetas manuscritas

BELO, André, "Nouvelles imprimées et nouvelles manuscrites dans le Portugal du XVIIIe siècle: le caractère social de l’information", Arquivos do Centro Cultu­ral Calouste Gulbenkian, Vol. XLIX, Lisboa/ Paris, 2005, pp.137-146.

DELGADO, Maria Rosalina, O Jornal Manuscrito de Luiz Montez Mattozo: Anno Noticioso e Historico, 1742. Estudo Crítico, Lisboa, Lisóptima Edições / Biblioteca Nacional, 1996.

LISBOA, João Luís, "Gazetas escritas à mão", in: LISBOA, João Luís; MIRANDA, Tiago C. P. dos Reis, e OLIVAL, Fernanda, Gazetas manuscritas da Biblio­teca Pública de Évora, Vol. 1 (1729-1731), [Lisboa], Edições Colibri/ Cen­tro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora/ Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, 2002, pp. [13]-42.

———, "News and newsletters in Portugal (1703-1754)", in: LÜSEBRINK, Hans-Jür­gen, e POPKIN, Jeremy D. (ed.), Enlightenment, Revolution and the periodi­cal press, Oxford, Voltaire Foundation, 2004, pp. 35-45.

MIRANDA, Tiago C. P. dos Reis, "Autoria, proveniência e difusão", in: LISBOA, João Luís; MIRANDA, Tiago C. P. dos Reis, e OLIVAL, Fernanda, Op. cit., Vol. 2 (1732-1734), 2005, pp. [13]-42.

—————, "Historiografia e tradição crítica: novela exemplar dos jornais manuscritos do século XVIII", in: SOIHET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda Baptista, e GOUVÊA, Maria de Fátima Silva (orgs.), Cultura Política: Interfaces entre História Social, História Política e Ensino de História, Rio de Janeiro, Funda­ção de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, 2005, pp. 155-175.

MOUREAU, François, Répertoire des Nouvelles à la Main. Dictionnaire de la pres­se manuscrite clandestine XVIe-XVIIIe siècle, Oxford, Voltaire Foundation, 1999.

Topo da página

Notas

1 Para um último quadro-geral das lições conhecidas, v. Tiago C. P. dos Reis Miranda, "Historiografia e tradição crítica: novela exemplar dos jornais manuscritos do século XVIII", in: Rachel Soihet, Maria Fernanda Baptista Bicalho e Maria de Fátima Silva Gouvêa (orgs.), Cultura Política: Interfaces entre História Social, História Política e Ensino de História, Rio de Janeiro, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, p. 160.

2 V. Manuela Santos (org. e sel.), Indexação. Terminologia e controlo de autoridades (Manual), Lisboa, Biblioteca Nacional, 2003, e Maria Teresa Pinto Mendes e Maria da Graça Simões, "Indexação por assuntos. Princípios gerais e normas", Páginas a&b, N° 8, Lisboa, Gabinete de Estudos a&b, 2001, pp. 7-74.

3 Sobre os conceitos de "exaustividade", "especificidade" e "especificidade relativa", no domínio das Ciências Documentais, v. Rossella Caffo, Analisi e indicizzazione dei documenti. L’acesso per soggetto dall’informazione, [Milano], Editrice Bibliografica, 1988, pp. 27-35.

4 Definição que se ajusta, em termos gerais, ao primeiro dos quatro procedimentos possíveis para a escolha e selecção de termos indexáveis, de acordo F. W. Lancaster. V. Rossella Caffo, Op. cit., p. 75.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Tiago C. P. dos Reis Miranda, Fernanda Olival e João Luís Lisboa, « Manual de Edição das Gazetas Manuscritas da Biblioteca Pública de Évora », Cultura [Online], vol. 21 | 2005, posto online no dia 31 julho 2018, consultado a 15 agosto 2018. URL : http://journals.openedition.org/cultura/3493 ; DOI : 10.4000/cultura.3493

Topo da página

Autores

Tiago C. P. dos Reis Miranda

Doutor em História pela Universidade de São Paulo, Brasil (1998). Investigador do CHC UNL. Chefe de Gabinete da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses (1999-2002). Professor Visitante da Cátedra Jaime Cortesão (2004). Colabora no projecto "Chefes de missões portuguesas no exterior: 1640-2000", do Instituto Diplomático do Ministério dos Negócios Estran­geiros. Publicou, com João Luís Lisboa e Fernanda Olival, Gazetas Manuscritas da Biblioteca Pública de Évora, 2 vols. 2002 e 2005.

Fernanda Olival

Professora na Universidade de Évora, onde se doutorou (2000). Investigado­ra do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da mesma Universidade. Investiga temáticas de história político-institucional, história da pro­dução documental e da circulação da informação. Autora, entre outros, de As Ordens Militares e o Estado Moderno: honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789), Lisboa, Estar, 2001 e, com Tiago C.P. dos Reis Miranda e João Luís Lisboa, Gazetas manuscritas da Biblioteca Pública de Évora, 2 vols. 2002 e 2005.

João Luís Lisboa

Professor na FCSH, UNL. Director do CHC UNL onde é responsável pelo projecto "Livro e leitura". Publicou, entre outros trabalhos, Teoria da história em Fran­cisco Manuel de Melo (com Teresa Amado) [1983], Ciência e política. Ler nos finais do Antigo Regime (1991), Gazetas. A informação política nos .finais do Antigo Regime (coord.) (2002) e, com Tiago C.P. dos Reis Miranda e Fernanda Olival, Gazetas manus­critas da Biblioteca Pública de Évora, 2 vols., 2002 e 2005.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© CHAM — Centro de Humanidades / Centre for the Humanities

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals