Navegação – Mapa do site
Recensões

Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão, As Farpas, coord. Maria Filomena Mónica, Principia, S. João do Estoril, 2004.

Carlos Leone
p. 369-370
Referência(s):

Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão, As Farpas, coord. Maria Filomena Mónica, Principia, S. João do Estoril.

Texto integral

1Um pouco como sucedeu com Portugal, Hoje de José Gil, esta edição de As Farpas surgiu num contexto do espaço mediático português muito marcado por um momentâneo extre­mar das suas características mais venais, o que, se teve algum proveito em termos de vendas, contribuiu também para que a recepção imediata desta edição reproduzisse acriticamente os tropos e os topos do costume sobre Eça (Ramalho é como se nem estivesse lá...). Sem lamen­tação nem indignação, não custa compreender que, além das causas naturais para essa recepção imediata, que sempre se fariam sentir (preguiça, prosápia, etc.), uma vez dissolvido o contexto de Portugal no final de 2004 esta edição de As Farpas merece ser criticada.

2Desde logo pela sua qualidade intrínseca de livro, esteticamente e cientificamente. Fiel a uma imagem original e tão manuseável quanto é possível ser um volume de quase 650 pági­nas, em termos estéticos segue e melhora a edição de 2003 de Eça Jornalista (também na Principia). Também a continuada coordenação da edição por Maria Filomena Mónica mantém uniformidade nos critérios gerais do trabalho de recolha da colaboração de Eça na Imprensa regular (trabalho de várias entidades por ocasião do centenário da sua morte), e se isso limita estas Farpas aos anos de 1871 e 1872, o volume contém ainda muito mais material de interes­se: além de uma «Introdução» sóbria e útil (por M. F. Mónica), toda uma série de elementos de apoio ao leitor não especializado (cronologia, tabela onomástica e glossário, sobretudo); e, mais original do que tudo o resto, o.fac-simile de Les Guêpes, de Alphonse Karr, modelo seguido por Eça e Ramalho.

3Quem comparar o modelo e a sua versão portuguesa, como de resto o fez Eça (segundo a descrição de M. F. Mónica da génese de As Farpas), fica com uma boa medida das limita­ções da empresa de Eça e Ramalho. Que essas limitações sejam hoje ainda mais sensíveis é, aliás, um bom sinal — pelo menos em alguns aspectos estamos mais próximos do original do que da sua versão aportuguesada. E isto porque o original era, apesar do seu estilo satírico, essencialmente tradicional, um produto de uma sociedade moderna, da dinâmica crítica do espaço público em que as «liberdades dos modernos», mau grado todas as convulsões, eram reais. Já a «ironia» de Eça e Ramalho está aqui bem visível em todo o seu curto manancial de recursos (em tempos devidamente comentado pelo Eng°. Álvaro de Campos, no que a Eça diz respeito — e justamente comparando-o com um autor francês...). De facto, se comparada com a norma portuguesa de então, a prosa de Eça e Ramalho distingue-se de quase tudo o resto pela sua superioridade; mas só se nos limitarmos a isso mesmo, a um sucesso de escândalo em contexto pré-moderno. (Sobre o possível significado disso relativamente ao seu actual sucesso não curamos aqui.)

4No contexto de Portugal, século XIX, são ainda hoje legíveis muitas destas páginas. Contexto marginal ao surgir das ciências sociais modernas, como aliás tanto Eça como Ramalho bem atestam (de diferentes modos) nas suas Obras individuais, contexto de crise nacio­nal como hoje nem se sabe o que é (e, não por acaso, contexto de isolamento face à Europa moderna), contexto de dualidade social aparentemente insuperável. Escrevendo dentro desse contexto, por mais que escrevessem contra ele numa crítica apenas aparentemente distanciada, polémicas como as que se repetem com Pinheiro Chagas ainda são leitura agradável e instruti­va. Menos evidente para o leitor entusiasta serão talvez páginas como as escritas a respeito da morte de Rebelo da Silva (para dar apenas um exemplo possível), bem esclarecedoras da tardia pré-modernidade do país que as tornava possíveis, como já possibilitara a grandeza do próprio Rebelo da Silva. O louvor desmedido a um autor, e sobretudo a um crítico, meritório mas tão limitado como Rebelo da Silva (leiam-se os volumes das suas Apreciações Literárias), pode bem servir de indicador das afinidades afinal demasiado estreitas com aquele mesmo Portugal que pretendiam criticar.

5Relendo As Farpas, não espanta que não tenha sido só Pessoa a contestar os méritos ainda hoje atribuídos quase sem reservas a Eça e, de um modo geral, à Geração de 70. Muito menos surpreende que tal contestação, ocorrida no século XX, se diferencie do simples nacio­nalismo linguístico que reprovara a Eça o estilo afrancesado, e que, congregando autores tão díspares como sergianos e neo-realistas, vise a inconsequência dos «Vencidos da Vida», salien­tando de várias perspectivas a estreiteza metodológica (ou científica) da sua análise, descrição e tentativa de mudança de Portugal. Lendo As Farpas numa boa edição como esta, mais notório se torna que Portugal só se tornou contemporâneo um século depois de Eça e Ramalho terem cessado a pareceria nesta alegre campanha. Alegre e falhada, hoje algures entre entertenimento e documento.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Carlos Leone, « Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão, As Farpas, coord. Maria Filomena Mónica, Principia, S. João do Estoril, 2004. », Cultura, vol. 21 | 2005, 369-370.

Referência eletrónica

Carlos Leone, « Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão, As Farpas, coord. Maria Filomena Mónica, Principia, S. João do Estoril, 2004. », Cultura [Online], vol. 21 | 2005, posto online no dia , consultado a 15 agosto 2018. URL : http://journals.openedition.org/cultura/3588

Topo da página

Direitos de autor

© CHAM — Centro de Humanidades / Centre for the Humanities

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals