Navigation – Plan du site
Quelle histoire globale au XVIe siècle ?

Revisitando as Décadas da Ásia: Algumas observações sobre o projecto historiográfico de João de Barros

Rui Manuel Loureiro

Résumés

João de Barros a travaillé pendant de nombreuses années à la Casa da Índia à Lisbonne, le centre stratégique de l’empire maritime portugais. Là, il a recueilli des informations précieuses sur les mondes non européens, des capitaines, des soldats, des pilotes, des marins, des marchands et des missionnaires retournant au Portugal après une période plus ou moins longue de service outre-mer. Étant également un humaniste accompli, il a conçu le projet d’écrire une histoire globale de l’expansion maritime portugaise. Mais, surchargé par ses fonctions officielles, il ne pouvait produire que la partie asiatique d’un vaste travail qui devait également inclure des sections sur l’Afrique et le Brésil. Ses trois premières Décadas da Ásia furent publiées à Lisbonne entre 1552 et 1563, tandis que la Quarta Década demeura manuscrite jusqu’en 1615, année de son édition à Madrid, sous la direction du cosmographe João Baptista Lavanha. Barros n’a jamais visité l’Asie, mais a néanmoins réussi à rassembler une grande diversité de matériaux sur ses intérêts. Ainsi, ses Décadas da Ásia comprenaient non seulement un compte rendu des actions militaires et politiques des Portugais, mais aussi des descriptions éclairées de la géographie et de l’histoire de l’Orient. Barros, en plus d’interviewer des hommes ayant une expérience de terrain et de collecter des rapports écrits en portugais, a également pu obtenir des manuscrits orientaux, qu’il a traduit avec l’aide de plusieurs collaborateurs venus d’Asie.

Haut de page

Texte intégral

1Antes de apresentar João de Barros, um célebre cronista português do século XVI, gostaria de me debruçar brevemente sobre dois mapas do mundo asiático desenhados por cartógrafos portugueses da mesma época. O primeiro mapa é uma secção do célebre e bem conhecido Planisfério de Cantino [cf. gravura 1], que se conserva hoje na Biblioteca Estense, em Modena. Este inovador mapa foi desenhado em Lisboa em 1502, logo depois do regresso a Portugal de Pedro Álvares Cabral, o navegador português que dois anos antes tinha comandado a segunda expedição portuguesa à Índia.

  • 1 Biblioteca Estense, Modena, Planisfério de Cantino, Wikimedia Commons, domínio público, disponível (...)

Secção oriental do Planisfério de Cantino1

Secção oriental do Planisfério de Cantino1
  • 2 Sobre este planisfério, ver a edição de Ernesto MILANO, La carta del Cantino e la rappresentazione (...)
  • 3 Ver a análise de Luís de ALBUQUERQUE & José Lopes TAVARES, Algumas observações sobre o planisfério (...)

2Este planisfério, que foi contrabandeado para Itália por Alberto Cantino, um emissário do duque de Ferrara, sistematizava os conhecimentos que os portugueses tinham conseguido obter até então sobre a geografia dos mundos extra-europeus, tanto na viagem de Vasco da Gama, como na de Pedro Álvares Cabral2. Um olhar moderno detecta de imediato, na secção referente à Ásia, incongruências na representação dos territórios que se situam para leste do cabo de Comorim, sinal de que as notícias recolhidas na Índia pelos portugueses não eram excessivamente fidedignas3.

  • 4 Sobre a construção do Estado da Índia, ver Sanjay SUBRAHMANYAM, The Portuguese Empire in Asia, 1500 (...)

3Pedro Álvares Cabral partira de Lisboa com uma grande armada de 13 navios, poderosamente armados com a mais avançada artilharia da época. Estas embarcações transportavam a bordo cerca de 1500 homens, entre marinheiros, soldados e oficiais da coroa lusitana, que tinham a missão de estabelecer as bases de uma presença portuguesa duradoura no litoral ocidental da Índia. Depois da primeira viagem de Vasco da Gama, o rei português Dom Manuel I (r.1495-1521) tinha constatado que, através da rota do Cabo, era possível organizar uma intervenção portuguesa consistente e lucrativa no comércio oriental de mercadorias de luxo. E desde os primeiros anos do século XVI passaram a seguir anualmente para a Índia homens, navios e recursos materiais, que em pouco anos constroem o Estado Português da Índia. Esta designação parece muito sólida, mas na realidade o Estado da Índia tinha uma extensão territorial extremamente limitada, e era constituído sobretudo por uma constelação de cidades portuárias, pequenos territórios costeiros e feitorias fortificadas situadas nos portos estrategicamente mais importantes da costa oriental de África e do extenso litoral da Ásia4.

4Vejamos agora o segundo mapa [cf. gravura 2]:

  • 5 Biblioteca Nacional de Portugal, Fernão Vaz DOURADO, Atlas, c. 1576, Códice iluminado 171, domínio (...)

Carta da Ásia Oriental de Fernão Vaz Dourado5

Carta da Ásia Oriental de Fernão Vaz Dourado5
  • 6 Sobre o cartógrafo Fernão Vaz Dourado, ver Armando CORTESÃO, Cartografia e cartógrafos portugueses (...)
  • 7 Relativamente às informações textuais, ver a obra fundamental de António Alberto Banha de ANDRADE, (...)

5Trata-se de uma carta da Ásia Oriental, desenhada em Goa por volta de 1576, por Fernão Vaz Dourado, um outro cartógrafo português bem conhecido6. Os litorais asiáticos estão desenhados de forma muito mais rigorosa, e estão repletos de topónimos portugueses. Existe uma distância abismal relativamente ao Planisfério de Cantino. Ao longo de mais de meio século, enquanto estabeleciam as bases materiais do Estado da Índia, os portugueses exploravam minuciosamente todo este mundo oriental. Por um lado, desenhavam cartas e mapas que iam apresentando de forma cada vez mais rigorosa os contornos marítimos da África Oriental e de toda a Ásia marítima. Por outro lado, recolhiam notícias detalhadas sobre os povos que habitavam essas regiões do globo e sobre as suas formas de organização política, social e cultural7. Assim se compreende que Fernão Vaz Dourado, no seu atelier de Goa, a capital e centro estratégico do império marítimo português, pudesse dispôr de um imenso manancial informativo que lhe permitia transmitir uma imagem muito mais fidedigna do mundo oriental.

  • 8 Conhece-se apenas um exemplar desta obra, que se conserva na British Library. Ver a edição de Arman (...)
  • 9 Para uma edição moderna, ver Francisco ÁLVARES, Verdadeira informação das terras do Preste João das (...)
  • 10 A respeito da Casa da Índia, ver o recente estudo de Susannah Humble FERREIRA, The Crown, the Court (...)

6Entretanto, todos estes materiais cartográficos e textuais apresentavam-se sob forma manuscrita. E, curiosamente, até meados do século XVI apenas duas obras sobre o mundo ultramarino foram impressas em Portugal, ambas dedicadas ao mítico Preste João das Índias, uma das obsessões dos exploradores portugueses: a Carta das novas, um anónimo relato sobre os primeiros contactos dos portugueses com a Etiópia, que foi publicado em Lisboa em 15208 e a Verdadeira Informação das Terras do Preste João, do padre Francisco Álvares, publicada em Lisboa em 1540, que relatava a primeira expedição enviada pelo monarca português ao négus da Etiópia9. Os materiais manuscritos preparados pelos portugueses no âmbito das suas actividades orientais eram inicialmente reunidos em Goa. Mas depois seguiam pela rota do Cabo a caminho de Lisboa, onde eram acumulados na Casa da Índia, o organismo régio que controlava todas as relações de Portugal com o mundo oriental, e ao qual já regressarei10.

  • 11 Sobre a vida e obra de Barros, baseio-me nas biografias de Charles R. BOXER, João de Barros, Portug (...)

7João de Barros [cf. Gravura 3], cuja vida decorreu entre os momentos de criação dos dois mapas referidos, teve possibilidade de acompanhar a partir de Portugal todo este processo de descobrimento e exploração de novos mundos ultramarinos, que o terá seguramente marcado de forma indelével, se atendermos ao seu posterior interesse por estas questões11. Supõe-se que terá nascido por volta de 1496, em Viseu, no norte interior de Portugal, onde o seu pai exerceu diversos cargos judiciais. Barros era filho natural, mas, sendo oriundo da pequena nobreza de serviço, foi educado na corte do rei Dom Manuel I, onde recebeu uma sólida formação humanista. Conhecia bem o latim, um pouco de grego e de hebreu, e estava familiarizado com a literatura clássica. Um dos seus companheiros de formação foi o príncipe herdeiro da coroa lusitana, futuro Dom João III (r.1521-1557).

  • 12 João de BARROS, Ásia – Primeira Década, ed. António Baião, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moed (...)

Retrato de João de Barros12

Retrato de João de Barros12
  • 13 A primeira edição desta obra é excessivamente rara, e dela se conserva um exemplar na Biblioteca Na (...)
  • 14 Ver Tobias BRANDENBERGER, «A Crónica do Imperador Clarimundo: estratégias discursivas e distorções (...)

8Aparentemente, Barros desde muito cedo terá cultivado hábitos de escrita, recolhendo materiais sobre as mais diversas temáticas e redigindo os seus próprios textos. E em 1522 fez a sua estreia literária, publicando em Lisboa a Crónica do Imperador Clarimundo, um volumoso e complicado romance de cavalaria, que fantasiava e exaltava as origens da casa real portuguesa13. Normalmente encara-se este romance como uma antevisão da futura obra historiográfica de Barros, mas tal visão é perfeitamente anacrónica, como foi recentemente sublinhado14. Como resultado desta sua produção literária, e também das íntimas relações que mantinha com o círculo régio lusitano, Barros foi nomeado por Dom João III (que subira ao trono em 1521) para cargos oficiais de enorme importância. Em 1522 recebeu a capitania de uma viagem à Costa da Mina, que parece tratar-se da sua única experiência ultramarina. Em 1525 foi nomeado tesoureiro das Casas da Mina e Índia, a base logística das empresas marítimas dos portugueses em Lisboa. E em 1533 foi promovido a feitor das Casas da Mina e Índia, na mesma cidade portuguesa, tendo desempenhado esse cargo de forma ininterrupta durante 34 anos.

  • 15 Sobre este palácio, ver Nuno SENOS, O Paço da Ribeira, 1501-1581, Lisboa: Editorial Noticias, 2002.

9A Casa da índia, designação abreviada, situava-se no mesmo edifício do palácio real lusitano, na baixa de Lisboa, junto ao rio Tejo15. Ali se encontrava o centro estratégico das empresas ultramarinas dos portugueses. Pouco se sabe sobre o funcionamento concreto deste organismo nesta época. Contudo, parece fora de dúvida que na Casa da Índia se concentrariam diversas actividades e funções, e nomeadamente: a coordenação da construção e aparelhagem de navios, que era desenvolvida na vizinha Ribeira das Naus; o fornecimento de instrumentos náuticos, cartas, roteiros e guias náuticos ao pessoal em serviço nos navios da coroa lusitana; a contratação de pilotos e outro pessoal técnico essencial ao desenvolvimento das navegações ultramarinas; e também a compra e venda de mercadorias que eram embarcadas para múltiplos destinos em África, no Brasil e na Ásia. A Casa da Índia recebia também, em primeira mão, todas as informações oriundas do Oriente, materializadas em cartas, relatórios, desenhos, tratados, súmulas e mapas das mais diversas proveniências e conteúdos. E, por isso mesmo, caberia decerto a este organismo régio a triagem das novidades em termos de conhecimento do mundo e em termos da actualização da sua representação cartográfica em cartas de pormenor e em mapas mais abrangentes.

10Barros queixou-se diversas vezes da extrema exigência do seu cargo de feitor da Casa da Índia, que lhe ocupava a maior parte dos dias. Mas, paulatinamente, nos seus tempos de lazer, ao longo da década de 1530 foi escrevendo, e por vezes publicando, diversas obras mais típicas de um intelectual humanista do que de um feitor de negócios ultramarinos.

    • 16 Ver João de BARROS, Ropica Pnefma, ed. I. S. Révah, 2 vols., Lisboa: Instituto Nacional de Investig (...)

    Em 1532 publicou um curioso diálogo filosófico, a que deu o título de Ropicapnefma ou «mercadoria espiritual»16.

    • 17 Ver uma edição moderna em João de BARROS, Panegíricos, ed. Manuel Rodrigues Lapa, Lisboa: Livraria (...)

    Em 1533 escreveu um Panegírico de Dom João III, que terá sido declamado, mas que na época se conservou manuscrito17.

    • 18 A respeito das ideias pedagógicas de Barros, ver estado da questão em Helena Costa TOIPA, «João de (...)

    Em 1539 e 1540, no âmbito de um projecto claramente pedagógico, Barros publicou dois volumes da sua Gramatica da língua portuguesa, e publicou também dois diálogos na natureza ético-moral, o Diálogo da viciosa vergonha e o Diálogo de preceitos morais18.

    • 19 João de BARROS, Diálogo Evangélico sobre os artigos da fé contra o Talmud dos Judeus, ed. I. S. Rév (...)

    Em 1543 escreveu um Dialogo evangélico, de polémica anti-judaica, que na época ficou manuscrito19.

  • E em 1545 escreveu e proclamou o Panegírico da Infanta Dona Maria, filha do rei Dom Manuel I, que também na época permaneceu inédito.

  • 20 Valerá a pena ver a este respeito António Alberto Banha de ANDRADE, João de Barros, historiador do (...)

11Repare-se que até cerca de 1540 nada fazia adivinhar que João de Barros viria a preparar um volumoso conjunto de obras de natureza geográfica e historiográfica. A sua produção literária, com excepção de uma ou outra passagem menor, nada tinha a ver com a história da expansão marítima dos portugueses, mas concentrava-se em temas tipicamente humanistas, como a ética, a moral, a pedagogia, a gramática ou a filosofia política20.

  • 21 João de BARROS, Décadas da Ásia, ed. Nicolau Pagliarini, 8 vols., Lisboa: Livraria Sam Carlos, 1973 (...)
  • 22 Sobre a titulatura régia de Dom Manuel I, ver António Vasconcelos de SALDANHA, «Conceitos de Espaço(...)

12O próprio João Barros referirá mais tarde que em 1521, o rei Dom Manuel I, no seu último ano de vida, assistira à leitura do manuscrito da Crónica do Imperador Clarimundo e o incitara a empreender a narração das «cousas das partes do Oriente»21. E provavelmente desde os inícios da década de 1520 Barros começou a compilar materiais para um grande projecto historiográfico, que, de acordo com as suas próprias palavras, se baseava no título régio assumido por Dom Manuel I depois do regresso de Vasco da Gama da sua primeira viagem ao Oriente em 1499: «Senhor da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia»22.

  • 23 A respeito do projecto historiográfico de Barros, ver C. R. BOXER, João de Barros, p. 97-129.

13Assim, o projecto de Barros23 dividir-se-ia em três partes distintas:

  • A primeira parte seria dedicada à conquista ou à milícia, isto é, à narração dos feitos militares dos portugueses. Esta primeira parte, a mais vasta da obra planeada, seria composta por quatro secções: Uma secção sobre a Europa, relatando a história das origens de Portugal; outra secção sobre África, que trataria da presença portuguesa em Marrocos desde 1415; uma terceira secção sobre Santa Cruz, dedicada ao Brasil, desde o seu achamento em 1500; enfim, uma última secção dedicada à Ásia, que narraria toda a história dos descobrimentos portugueses, desde o tempo do Infante Dom Henrique, passando pela viagem de Vasco da Gama, e acompanhando o desenvolvimento da expansão portuguesa no continente asiático. Como é bem sabido, apenas esta secção oriental do grande projecto de Barros foi impressa e chegou aos nossos dias, como já veremos.

  • A segunda parte do projecto historiográfico de Barros seria dedicada á navegação ou à geografia, contendo uma vasta descrição do mundo oriental, complementada por tábuas ou mapas. Já veremos que esta parte da Geografia chegou a ser esboçada.

  • A terceira parte da grande obra de Barros, finalmente, seria dedicada ao comércio ou à mercadoria, constituindo uma espécie de história natural do Oriente, contendo nomeadamente informações sobre produtos, pesos, medidas e moedas.

14João de Barros, graças às funções que desempenhava enquanto feitor da Casa da Índia:

    • 24 Ver referências essenciais a todos estes nomes em Francisco Contente DOMINGUES (dir.), Dicionário d (...)

    Tinha acesso a todos os viajantes que chegavam a Lisboa, que podia entrevistar livremente, muitos deles protagonistas da expansão portuguesa no Oriente. Alguns destes nomes perpassam pelas entrelinhas das crónicas de Barros, homens como: Fernão Peres de Andrade, que em 1517 comandara a primeira grande expedição portuguesa à China; Diogo Lopes de Sequeira, o primeiro capitão português a visitar Malaca em 1519, que mais tarde seria governador do Estado da Índia, entre 1519 e 1522; Duarte de Resende, um humanista que desempenhou funções na fortaleza portuguesa na década de 1530; Dom João de Castro, navegador e humanista, que escreveu durante as suas extensas viagens marítimas diversos roteiros, e que foi também governador do Estado da Índia entre 1545 e 1548; António Galvão, o célebre capitão da fortaleza portuguesa de Maluco na década de 1530, que mais tarde escreveria dois tratados histórico-geográficos sobre o Oriente; ou Fernão Mendes Pinto, o conhecido aventureiro que viajou extensamente pelo Oriente entre 1538 e 1552, e que mais tarde escreveria um célebre livro de memórias; e tantos e tantos outros24.

  • Barros tinha acesso também aos asiáticos que por algum motivo eram trazidos para Portugal, fossem eles emissários de potentados orientais, ou simples cativos oriundos da Pérsia, da Índia, da China, ou ainda jovens catecúmenos das diversas ordens religiosas que missionavam no Oriente.

  • Tinha acesso livre à imensa documentação oficial da Casa da Índia, constituída por um manancial de cartas e instruções régias, regimentos, orçamentos e mercês, cartas de serviços, e tantos outros papéis que davam conta da gestão de um movimento expansivo de dimensões verdadeiramente globais.

  • Tinha também acesso aos relatos e informações que descreviam os novos mundos contactados pelos portugueses, produzidos por oficiais ou funcionários da coroa lusitana, e também aos roteiros e mapas elaborados por navegadores e viajantes, que registavam a configuração dos novos espaços anteriormente desconhecidos.

    • 25 A respeito destas questões, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Algumas notas sobre as cargas de retorno da c (...)

    Enfim, Barros tinha acesso a todas as mercadorias desembarcadas dos navios da carreira da Índia – as especiarias, as sedas, as drogas, as pedras preciosas, as porcelanas –, que contavam outras tantas histórias de regiões longínquas25.

  • 26 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. I, p.n.n. (déc. 1, prólogo).
  • 27 Ibid.

15Ou seja: Instalado na Casa da Índia, João de Barros, muito provavelmente apenas desde finais da década de 1530 ou inícios da década de 1540, começou a trabalhar na sua grande obra historiográfica, que constaria de três partes distintas: «A Primeira é conquista, a qual trata de milícia, a segunda navegação, a que responde a geografia, e a terceira comércio, que convém à mercadoria»26. De acordo com as próprias palavras do humanista português, ele pretenderia registar por escrito os feitos dos portugueses, «escrever o que elles fizeram no descubrimento, e conquista do Oriente, por se não perderem da memoria dos homens, que vierem depois de nós, tão gloriosos feitos»27. E o projecto implicava a compilação simultânea de materiais para os livros da Conquista, da Geografia e do Comércio.

  • 28 Ver Fernão Lopes de CASTANHEDA, História do descobrimento e conquista da Índia pelos portugueses, e (...)

16Valerá a pena fazer aqui uma sugestão. Em 1538 regressou a Lisboa um homem chamado Fernão Lopes de Castanheda, que vivera na Índia durante dez anos, acompanhando Nuno da Cunha, que fora governador do Estado da Índia. Castanheda, como é sabido, viria a depois escrever uma História do descobrimento e conquista da Índia pelos portugueses, para a qual já começara a reunir elementos. Esta monumental crónica começou a ser publicada em Coimbra, em 1551, antes de João de Barros ter publicado qualquer obra sobre esta mesma temática28. Será que Barros se inspirou no projecto de Castanheda, com quem poderia ter trocado impressões em Lisboa, em finais da década de 1530? É uma hipótese de trabalho pertinente, sem dúvida, já que a data do regresso de Castanheda a Portugal parece coincidir com o interesse de João de Barros pela memória dos «tão gloriosos feitos» dos seus compatriotas.

17Ao contrário de Castanheda, entretanto, João de Barros nunca visitou a Ásia. Dos territórios sob hegemonia portuguesa no século XVI, parece ter conhecido apenas a fortaleza de S. Jorge da Mina, situada junto ao Golfo da Guiné. Mas conseguiu suprir essa deficiência de várias formas.

    • 29 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. VII, p.n.n. (déc. 4, apologia).

    Por um lado, possuía uma vivíssima curiosidade, como bom humanista que era, nada ignorando de tudo o que era humano; seguia métodos de pesquisa muito diversificados e muito abrangentes; tinha acesso a uma enorme quantidade de fontes portuguesas escritas; conhecia muitos homens com larga experiência oriental; e tinha uma extraordinária capacidade de trabalho. Como ele próprio referiu, só conseguiu escrever as suas obras com «as vigílias da noite, o não dormir sésta, nem passear pela cidade, nem ir esparecer ao campo, nem andar em banquetes, nem jogar, caçar, pescar, e lograr outros passatempos, que leixamos de fazer por condição»29.

    • 30 Ver sobre estas questões C. R. BOXER, João de Barros, p. 97-129.

    Por outro lado, Barros recebeu do Oriente diversos livros manuscritos e impressos em línguas asiáticas, que referirei mais adiante; obteve também exemplares cartográficos orientais, e nomeadamente um mapa do império chinês; e conseguiu a colaboração de escravos asiáticos letrados para a tradução destes materiais exóticos30.

  • 31 Ver J. BARROS, Décadas da Ásia, passim. As quatro crónicas de João de Barros, em edições mais recen (...)

18Do grandioso plano inicial de João de Barros, apenas chegou até nós uma parte da Conquista, ou seja, os quatro volumes dedicados ao Oriente, que são conhecidos como Décadas da Ásia31, pois o historiador português inspirou-se na obra de Tito Lívio, que conhecia bem, para dividir a sua narrativa em quatro períodos de 10 anos, um volume para cada década, desde 1498, data da chegada de Vasco da Gama à Índia, até 1539. As outras obras que fariam parte do seu projecto historiográfico, embora sejam repetidamente referidas por Barros, desapareceram sem deixar rasto.

19A tabela seguinte reúne as referências que se encontram nas Décadas da Ásia às obras desaparecidas de João de Barros (década-livro-capítulo), testemunhando a composição simultânea das diversas componentes do grande projecto cronístico:

Obra desaparecida

Referências nas Décadas da Ásia (década-livro-capítulo)

Conquista ou Milícia

Europa: 1-1-1; 1-2-1; 1-4-1; 2-1-2; 2-1-4

África: 1-1-16; 1-2-2; 1-6-2; 1-8-8; 2-3-9; 2-8-9; 3-5-8

Santa Cruz: 1-5-2; 1-6-1

Navegação ou Geografia

1-1-1; 1-2-1; 1-3-4; 1-3-8; 1-3-12; 1-4-2; 1-4-6; 1-4-7; 1-5-8; 1-8-1; 1-8-4; 1-9-1; 1-9-3; 1-10-1; 2-1-2; 2-1-3; 2-2-2; 2-3-4; 2-5-2; 2-6-1; 2-8-1; 2-10-5; 2-10-6; 3-2-1; 3-2-5; 3-2-6; 3-2-7; 3-3-4; 3-4-1; 3-4-2; 3-4-7; 3-5-5; 3-5-10; 3-6-4; 3-7-9; 3-7-11; 4-apol.; 4-1-12; 4-5-1; 4-6-1; 4-6-2.

Comércio ou Mercadoria

1-6-4; 1-8-1; 2-3-5; 3-2-1; 3-3-7; 3-5-3; 3-6-4

  • 32 Ibid., vol. I, p. 14 (déc. 1, liv. 1, cap. 1).
  • 33 Luís de MATOS, «Em torno dos inéditos de João de Barros», in: Helder Macedo (ed.), Studies in Portu (...)

20João de Barros, como se pode verificar, refere-se sobretudo à sua Geografia. E aparecem inclusivamente nas Décadas da Ásia diversas alusões bem explícitas a esta obra desaparecida. Em determinada passagem, o cronista português alude a «huma universal Geografia de todo o descuberto, assi em graduação de taboas, como de commentario sobrellas […], a qual não soffre compostura em linguagem, e por isso irá em Latim»32. O carmelita italiano Fr. Ambrosio Mariano Azaro afirma numa das suas missivas ter encontrado em Lisboa, em 1583, um manuscrito da Geografia, muito incompleto, que teria levado para Madrid, para a biblioteca do monarca espanhol Felipe II (r.1556-1598). Mas não há notícia deste manuscrito ter sido posteriormente localizado. Mariano Azaro refere-se explicitamente a «La Geografia […] com sus tablas muy puntuales de cada region y sus historias, a modo de Estrabon, de los ritos, leyes, costumbres y grande precision en las alturas, por donde se descubre quan mal informado fue Tolomeo»33.

  • 34 Ver Rui Manuel LOUREIRO, «João Baptista Lavanha, cosmographe portugais, et la chronique d’Asie au d (...)

21Olhemos agora para as Décadas da Ásia com mais pormenor. Em vida de Barros foram publicados em Lisboa três volumes: a Primeira Década em 1552; a Segunda Década em 1553; e a Terceira Década em 1563 [cf. Gravura 4]. A Quarta Década, que Barros deixou em manuscrito quando morreu em 1570, foi publicada anos mais tarde pelo cosmógrafo português João Baptista Lavanha, em Madrid, em 1615. Tive já oportunidade de me referir mais em pormenor a este último volume34.

  • 35 João de BARROS, Ásia – Terceira Década, ed. Isabel Vilares Cepeda, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa (...)

Portada da Terceira Década de João de Barros (Lisboa, 1563)35

Portada da Terceira Década de João de Barros (Lisboa, 1563)35

22Apontarei agora, muito resumidamente, algumas das características destas três Décadas da Ásia que me parecem mais relevantes.

    • 36 A propósito desta questão, ver Donald F. LACH, Asia in the Making of Europe, vol. 2, A century of W (...)

    Em primeiro lugar, deve notar-se que Barros, embora não o fosse formalmente, escreve como cronista oficial da coroa lusitana, como uma espécie de ideólogo do regime, se podemos utilizar esta expressão um pouco anacrónica. As Décadas da Ásia fazem a justificação e a apologia «dos feitos que os Portugueses fizeram no descobrimento e conquista dos mares e terras do Oriente», como refere o título da Primeira Década36.

    • 37 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. I, p. 1-2 (déc. 1, liv. 2, cap. 1).

    Por isso, a Primeira Década, num espírito cruzadístico, abre com um capítulo sobre a expansão islâmica a partir da Arábia, a conquista da Península Ibérica, e a posterior reconquista cristã, que no século XV se desenvolveu para o Norte de África e depois, paulatinamente, para as partes da Ásia. Assim, não deixa de ser curioso que a grande crónica da expansão lusitana no Oriente abra com a frase «Alevantado em a terra de Arabia aquelle grande Anti-christo Mafamede, quasi nos annos de quinhentos noventa e tres de nossa Redempção, assi lavrou a furia de seu ferro, e fogo de sua infernal Secta per meio de seus Capitães, e Calyfas, que em espaço de cem annos conquistáram em Asia toda Arabia, e parte da Syria, e Persia, e em Africa todo Egypto daquém, e dalém Nilo»37.

    • 38 Para uma síntese recente, com indicações bibliográficas, ver Toru MARUYAMA, «João de Barros», in: D (...)

    A atitude de João de Barros face ao mundo islâmico não está ainda exaustivamente estudada38. Mas convém referir que as Décadas da Ásia nem sempre mantêm este inicial espírito de cruzada, que é utilizado sobretudo com objectivos retóricos, pois a expansão portuguesa logo depois aparecerá como uma resposta organizada ao expansionismo islâmico. Em termos um pouco simplistas, é possível dizer que a atitude de Barros só é negativa face ao mundo islâmico quando existem antagonismos militares e/ou económicos que não são resolvidos a favor dos portugueses.

  • Por outro lado, Barros adopta uma atitude extremamente selectiva em relação às actividades desenvolvidas pelos portugueses. O lado negro da história é sistematicamente escamoteado, pois o historiador dá prioridade à narração de feitos heróicos ou exemplares, que possam servir de testemunho às futuras gerações. Assim, a sua narrativa tem claramente propósitos pedagógicos, trata-se de uma história exemplar.

    • 39 A respeito desta particular característica historiográfica, ver Jorge Borges de MACEDO, «Damião de (...)

    Esta história, de resto, tem protagonistas muito bem definidos. Em sentido mais geral, as Décadas da Ásia fazem a apologia da coroa lusitana, que dirige à distância a empresa ultramarina. Mas, em sentido mais particular, Barros, tal como outros historiadores seus contemporâneos, preenche as suas páginas com listas infinitas de nomes de homens que de alguma forma se distinguiram. É para ele extremamente importante destacar os personagens socialmente importantes, associando-os sempre que possível a feitos relevantes de natureza náutica, militar ou diplomática. Os seus leitores iriam desde logo procurar nas páginas da obra as referências a si próprios ou aos seus criados e familiares39.

    • 40 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. V, p. 152 (déc. 3, liv. 2, cap. 4).
    • 41 Ibid., p. 152-173 (déc. 3, liv. 2, cap. 5).
    • 42 Ver, sobre este aspecto das Décadas da Ásia, Francisco Roque de OLIVEIRA, «Lançando linhas imaginár (...)

    As Décadas da Ásia seguem uma linha basicamente cronológica, como não poderia deixar de ser. O cronista lusitano chama-lhe «o fio da história»40. Mas, de uma forma muito inovadora, relativamente à cronística anterior, João de Barros introduz na sua narrativa momentos de pausa, preenchidos por amplas descrições geográficas e etnográficas. Por um lado, inclui descrições de carácter mais genérico, que abrangem grandes espaços geográficos. É justamente famoso o seu bosquejo do mapa da Ásia incluído na Terceira Década, no qual utiliza a imagem de uma mão para ir situando na mente do leitor os diferentes mares, golfos e penínsulas asiáticas41. Por outro lado, Barros introduz de forma sistemática na sua narrativa descrições muito desenvolvidas dos espaços orientais com os quais os portugueses interagem: o Mar Vermelho, o Golfo Pérsico, a ilha de Ormuz, o Guzerate, o Decão, e assim sucessivamente, até à China, que merece uma das mais extensas e informadas notícias42.

    • 43 Ver o estudo já antigo, mas ainda interessante, «Uma concepção planetária da História em João de Ba (...)

    As Décadas da Ásia são frequentemente classificadas como um primeiro ensaio de história global ou mesmo de «história planetária», como referiu um investigador português43. Mas é necessário introduzir aqui uma pequena nota de cautela. Barros não escreve história global, mas escreve antes uma história de Portugal em contexto global. Ou seja, está sobretudo preocupado com as acções dos portugueses no Oriente, que são devidamente enquadradas num cenário histórico-geográfico mais alargado, de dimensões verdadeiramente continentais.

    • 44 Zoltán BIEDERMANN, «Nos primórdios da antropologia moderna: A Ásia de João de Barros», Anais de His (...)

    Contudo, ao introduzir detalhadas descrições de regiões orientais nas suas obras, Barros descobre, e revela aos seus leitores, a existência de núcleos culturais e civilizacionais – na Pérsia, no Sião, na China – que, mantidas as devidas proporções, podiam ser comparados ao mundo europeu. Ou, dito de outro modo, podiam ser organizadas e compreendidas através das categorias culturais conhecidas no Ocidente. Barros aparece, assim, como portador de um relativismo cultural assaz inovador em contexto português. Existe uma análise recente, muito sugestiva, deste aspecto da obra historiográfica de Barros44.

23A utilização de fontes portuguesas ou europeias, medievais e modernas, na composição das Décadas da Ásia também merece destaque, pois João de Barros revela-se extremamente bem informado, e parece dispor de uma apetrechada biblioteca. Este aspecto da sua obra nunca foi exaustivamente estudado, embora existam análises parcelares. Mas uma leitura rápida permite identificar referências, geralmente seguras e bem informadas, a obras de diversos autores (e a lista não é exaustiva):

24Assim, alguns dos nomes que se conseguem identificar de forma clara nas páginas das Décadas da Ásia, e apenas em contexto ibérico, incluem:

    • 45 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. I, p.n.n. (déc. 1, prólogo). Para uma edição moderna desta crónica (...)

    Gomes Eanes de Zurara, o cronista quatrocentista do Infante Dom Henrique, de cuja Crónica dos feitos de Guiné Barros afirma «tomar a maior parte dos seus fundamentos», e de que talvez possuísse algum manuscrito45.

    • 46 Ibid., vol. I, p. 201 (déc. 1, liv. 3, cap. 6): «segundo anda escrita per Ruy de Pina, Chronista mó (...)

    Rui de Pina, contemporâneo de João de Barros, que preparou diversas crónicas de monarcas portugueses anteriores a Dom Manuel I, que então se conservavam em manuscrito, e que o autor das Décadas da Ásia manuseou e revela conhecer46.

    • 47 Ibid., vol. V, p. 30 (déc. 3, liv. 1, cap. 3): «Pedro Martyr segundo elle conta em hum tratado que (...)

    Pietro Martyr d’Anghiera, o humanista italiano que viveu longos anos em Espanha, e de quem Barros cita a Legatio Babylonica, relato de uma viagem diplomática ao Egipto, impressa pela primeira vez em Sevilha em 151147.

    • 48 Ibid., vol. V, p. 51 (déc. 3, liv. 1, cap. 4). Para uma edição moderna da crónica, ver Duarte GALVÃ (...)

    Duarte Galvão, o ideólogo do messianismo manuelino, de quem Barros cita «a Chronica d’El Rey D. Affonso Henriques», o primeiro rei de Portugal, que o diplomata português deixara manuscrita48.

    • 49 Ibid., vol. V, p. 364 (déc. 3, liv. 4, cap. 1). A respeito de Góis, ver Luís Filipe BARRETO, Damião (...)

    Damião de Góis, o conhecido humanista português, que ofereceu a Barros um dos seus livros sobre o Preste João, no qual se ocupava «da Religião, e costumes desta gente», o Fides, religio, moresque Æthiopum, impresso em Lovaina pela primeira vez em 154049.

    • 50 Ibid., vol. III, p. 278 (déc. 2, liv. 3, cap. 4).

    Francisco Álvares, o religioso português que viajou até à Etiópia na década de 1520, de quem Barros cita «hum discurso, que escreveo das cousas que vio nesta viagem», a Verdadeira informação das terras do Preste João, obra publicada em Lisboa em 154050.

    • 51 Ibid., vol. IV, p. 270 (déc. 2, liv. 8, cap. 1). Para uma edição moderna, ver D. João de CASTRO, «R (...)

    Dom João de Castro, o navegador e roteirista que foi governador do Estado da Índia, já referido acima, de quem Barros conhecia pelo menos o «Roteiro que fez da navegação deste mar Roxo», escrito em 1540, de que decerto possuía um manuscrito51.

    • 52 Ibid., vol. V, p. 570 (déc. 3, liv. 5, cap. 5): «que houvemos de Antonio Galvão». A propósito de Ga (...)

    António Galvão, filho natural de Duarte Galvão, que foi capitão nas ilhas de Maluco, que de regresso a Lisboa terá fornecido a Barros uma cópia da sua manuscrita História de Maluco52.

    • 53 Ibid., vol. VI, p. 205 (déc. 3, liv. 7, cap. 9). Sobre Tenreiro e o seu relato de viagem, ver Antón (...)

    António Tenreiro, o primeiro português que regressou da Índia por terra até ao Mediterrâneo, «da qual viagem», afirma Barros, «elle fez hum itinerario, que em alguma cousa nos deu lume», referindo-se, obviamente, ao Itinerário publicado em Coimbra em 156053.

  • 54 Ibid., vol. V, p. 159 (déc. 3, liv. 2, cap. 5).
  • 55 Ibid., vol. V, p. 159 (déc. 3, liv. 2, cap. 5). Para uma edição recente da versão ramusiana de Marc (...)
  • 56 Ibid., vol. IV, p. 272 (déc. 2, liv. 8, cap. 1). Ver uma edição do relato em G. B. RAMUSIO, Navigaz (...)

25A lista de autores conhecidos e citados é deveras impressionante, e merece ser aprofundada e bem explorada, tanto mais que numerosas outras referências se deixam aqui de lado. Mas pode sublinhar-se que João de Barros conhecia bem os diversos cronistas lusitanos que o haviam antecedido ao longo do século XV, e conhecia também praticamente todos os grandes textos sobre a Ásia produzidos antes e depois do descobrimento do caminho marítimo para a Índia, em contexto ibérico e não só. Diversos indícios apontam, por exemplo, para a utilização na composição das Décadas da Ásia de alguns dos textos incluídos na celebérrima colectânea Navigationi et Viaggi, organizada por Giovanni Battista Ramusio e publicada em três volumes em Veneza entre 1550 e 1559. Vejam-se apenas as referências ao que «Marco Paulo diz em o livro que escreveo de sua peregrinação»54, alusão ao relato do célebre viajante medieval, que figurava na compilação ramusiana55; ou a menção que Barros faz a um «Venezeano comitre de huma galé, que foi na Armada de Soleimão Bassá», que remete para um relato de uma expedição otomana a Diu em 1538, incorporado num dos três volumes preparados pelo humanista veneziano56.

  • 57 E nomeadamente por C. R. BOXER, João de Barros, p. 97-129, e S. SUBRAHMANYAM, «Intertwined Historie (...)
  • 58 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. II, p. 288 (déc. 1, liv. 9, cap. 1).
  • 59 Ibid., vol. 7, p. 333 (déc. 4, liv. 3, cap. 13).

26Mas, neste contexto, os métodos de trabalho de João de Barros revelam-se verdadeiramente revolucionários na utilização que faz de fontes orientais. Através da sua posição na Casa da Índia, com efeito, o cronista português conseguiu ter acesso a um conjunto alargado de obras impressas e manuscritas que lhe foram trazidas do Oriente pelos seus agentes e informadores. Trata-se de um aspecto das Décadas da Ásia que tem sido repetidamente sublinhado por diversos investigadores, e que representa uma assinalável alteração nas práticas historiográficas portuguesas57. Contudo, como desconhecia línguas orientais, Barros declara que foi obrigado a contratar serviçais ou a adquirir escravos oriundos de diversas regiões orientais para desempenharem as funções de tradutores. Em determinada passagem das suas crónicas, Barros refere-se à compra de um escravo chinês letrado, expressamente adquirido para o efeito de entender «hum livro de Cosmografia dos Chijs impresso per elles»58. E noutro passo alude a «hum Turco natural do Cairo», trazido do Golfo Pérsico para Portugal, que era seu «cativo» e que lhe interpretava manuscritos orientais59.

27A lista de fontes orientais é alargada, sendo algumas delas repetidamente citadas ao longo das Décadas da Ásia, e merece alguns comentários.

    • 60 Ibid., vol. II, p. 224 (déc. 1, liv. 8, cap. 6). Sobre esta crónica suaíli e a sua utilização por B (...)

    Ao tratar dos contactos dos portugueses com os potentados da costa oriental de África, por ocasião das primeiras expedições enviadas à Índia, Barros detém-se com algum vagar na história do porto de Quíloa. E para o fazer, para além de informações orais e escritas transmitidas por portugueses, recorre a uma crónica manuscrita, aparentemente em língua árabe, que lhe teria chegado às mãos: «Segundo apprehendemos per huma Chronica dos Reys desta Cidade»60.

    • 61 Ibid., vol. III, p. 108 (déc. 2, liv. 2, cap. 2). Sobre esta crónica persa, e a sua utilização por (...)

    estabelecimento dos portugueses em Ormuz merece especial atenção a João de Barros, dada a importância estratégica desta ilha situada à entrada do Golfo Pérsico. Para além de recorrer a materiais de origem portuguesa, que incluíam diversas fontes escritas, complementadas por testemunhos orais, o cronista lusitano faz ampla utilização de uma crónica manuscrita dos reis de Ormuz, em língua persa. Este documento parece corresponder a um desaparecido Shahnameh (ou ‘Livro dos Reis’), que teria recebido em Lisboa – «segundo contam as Chronicas dos Reys delle [Ormuz], que nos foram interpretadas de Persico»61 – e que terá sido traduzido por um dos seus auxiliares orientais.

    • 62 Ibid., vol. III, p. 408 (déc. 2, liv. 4, cap. 4).
    • 63 Para uma tradução parcial em língua inglesa, ver Mirkhvand, Rauzat-us-safa or, Garden of Purity, tr (...)

    Os portugueses, desde os primeiros anos do século XVI, mantiveram estreitas relações com a Pérsia, e João de Barros descreve com detalhe, nas suas Décadas da Ásia, as diversas embaixadas que a partir de Goa foram despachadas para a corte safávida. Ao descrever o contexto geopolítico iraniano, repetidamente alude a uma crónica manuscrita dos soberanos persas, em língua persa. Refere-se a esta obra como «hum livro escrito em Parseo, chamado Tarig, que trasladámos desta lingua, o qual he hum summario de todolos Reys que foram na Persia»62. Barros estava decerto a referir-se a alguma secção do Rauzat al-safa (ou ‘Jardim da Pureza’), uma extensa crónica em língua persa preparada nos últimos anos do século XV por Mir Khwand, cronista muito activo em Herat63.

    • 64 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. III, p. 412-413 (déc. 2, liv. 4, cap. 4).
    • 65 Sobre as referências a Tamerlão que se encontram em autores portugueses do século XVI, ver Rui Manu (...)

    Ainda em contexto persa, João de Barros revela um especial interesse pela figura de Tamerlão, o célebre conquistador de origem turca, que no século XIV hegemonizou um imenso império na Ásia Central. Nas suas Décadas da Ásia, o cronista português aludia precisamente ao «grão Tamor Lange, a que muitos corruptamente chamam Tamor Lam». E adiantava logo de seguida uma enigmática referência: «cuja vida nós temos em Parseo, e de que ao tempo que compunhamos esta historia, tinhamos tirado em nossa linguagem boa parte della»64. Ou seja, João de Barros teria recebido da Índia um volume manuscrito, em língua persa, sobre a vida de Tamerlão, o qual estaria a traduzir para português com o auxílio de um dos seus colaboradores. Mas esta obra, que nunca foi encontrada, poderia na realidade ser o já referido manuscrito do Rauzat al-safa, que em determinada secção trata longamente do conquistador asiático65.

    • 66 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. II, p. 288 (déc. 1, liv. 9, cap. 1). Sobre a importância da China (...)

    A China, cujo litoral meridional os portugueses começaram a frequentar a partir das primeiras décadas do século XVI, merece a João de Barros uma elaborada, e altamente apologética, descrição. Notícias e referências ao mundo chinês aparecem ao longo das quatro Décadas da Ásia, sempre num tom positivo. O cronista baseia-se sobretudo em informações orais e escritas de portugueses que visitaram o litoral chinês, e teve nomeadamente oportunidade de conversar com Fernão Peres de Andrade e com Fernão Mendes Pinto, dois homens com larga experiência das coisas chinesas. Mas a determinado passo, na descrição da geografia da China, refere a utilização de «hum livro de Cosmographia dos Chijs impresso per elles, com toda a situação da terra em modo de Itinerario», E sublinha, logo de seguida, que esse livro tinha sido «de lá trazido, e interpretada per hum Chij, que pera isso houvemos»66.

  • 67 Nas Décadas da Ásia é possível, por exemplo, identificar referências a: várias descrições manuscrit (...)

28Assim, vemos João de Barros utilizar na composição da sua crónica da expansão portuguesa um alargado conjunto de textos de origem asiática, em árabe, em persa, em chinês, e também em outras línguas orientais. E estas fontes, de forma geral, merecem-lhe o mesmo crédito que outras obras de origem europeia já anteriormente referidas67. Em termos de historiografia portuguesa, trata-se de uma assinalável novidade, a construção de um projecto cronístico que recorre a uma tal multiplicidade de fontes de informação e de pontos de vista, numa visão verdadeiramente caleidoscópica das actividades dos portugueses no mundo oriental. Este é decerto um dos aspectos mais interessantes das Décadas da Ásia, que também precisa de ser analisado de forma mais exaustiva.

29João de Barros aparece-nos como um historiador deveras moderno, que recorre a métodos de trabalho muito sofisticados para obter, seleccionar e cruzar as suas fontes, que possui e utiliza uma alargada biblioteca, incluindo obras ocidentais e orientais, que está atento à história de outros povos e culturas, que utiliza uma alargada grelha de questões, e que procura integrar a história de Portugal num contexto verdadeiramente mundial. A história de outros povos, culturas e civilizações extra-europeias interessa-lhe, sem dúvida, mas sobretudo como pano de fundo para os feitos náuticos e militares dos portugueses, como pretexto para explicar a expansão lusitana, ou mesmo como pontual lição estratégica para os decisores imperiais portugueses. O que não é pouco. Mas talvez não seja um historiador global, como o têm por vezes caracterizado.

30O projecto historiográfico de João de Barros merece sem dúvida ser revisitado. E a sua biblioteca – ou seja, os manuscritos e impressos de que fez uso na composição das Décadas da Ásia – precisa de ser mais exaustivamente explorada, para uma clara identificação das redes materiais e intelectuais que a suportam, e que revelam um intensíssimo movimento de intercâmbios culturais que teve lugar nos alvores da idade moderna, entre Portugal e os seus entrepostos espalhados um pouco por todo o mundo.

Haut de page

Notes

1 Biblioteca Estense, Modena, Planisfério de Cantino, Wikimedia Commons, domínio público, disponível em en.wikipedia.org/wiki/Cantino_planisphere [acesso em 01-06-2018].

2 Sobre este planisfério, ver a edição de Ernesto MILANO, La carta del Cantino e la rappresentazione della terra nei codici e nei libri a stampa della Biblioteca Estense e Universitaria, Modena: Il Bulino, 1991. A respeito da viagem de Cabral, ver José Manuel GARCIA, Pedro Álvares Cabral e a primeira viagem aos quatro cantos do mundo, Lisboa: Círculo de Leitores, 2001.

3 Ver a análise de Luís de ALBUQUERQUE & José Lopes TAVARES, Algumas observações sobre o planisfério ‘Cantino’ (1502), Coimbra: Junta de Investigações do Ultramar, 1967.

4 Sobre a construção do Estado da Índia, ver Sanjay SUBRAHMANYAM, The Portuguese Empire in Asia, 1500-1700: A Political and Economic History, Londres / Nova Iorque: Longman, 1993.

5 Biblioteca Nacional de Portugal, Fernão Vaz DOURADO, Atlas, c. 1576, Códice iluminado 171, domínio público, disponível em http://purl.pt/400 [acesso em 01-06-2018].

6 Sobre o cartógrafo Fernão Vaz Dourado, ver Armando CORTESÃO, Cartografia e cartógrafos portugueses dos séculos XV e XVI, 2 vols., Lisboa: Seara Nova, 1935, vol. II, p. 7-104; e também, mais recentemente, Zoltán BIEDERMANN, «Notes on a Portuguese Map of Ceylon: Fernão Vaz Dourado, 1568 / Notas sobre um mapa português de Ceilão: Fernão Vaz Dourado, 1568», Oriente, 18, 2007, p. 97-105.

7 Relativamente às informações textuais, ver a obra fundamental de António Alberto Banha de ANDRADE, Mundos Novos do Mundo: Panorama da difusão, pela Europa, de notícias dos Descobrimentos Geográficos Portugueses, 2 vols., Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1972; a respeito da cartografia, ver Alexandra CURVELO, A imagem do Oriente na cartografia portuguesa do século XVI, dissertação de mestrado, Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa, 1996.

8 Conhece-se apenas um exemplar desta obra, que se conserva na British Library. Ver a edição de Armando CORTESÃO & Henry THOMAS, Carta das novas que vieram a el-Rei nosso senhor do descobrimento do Preste João, Lisboa: s.e., 1938.

9 Para uma edição moderna, ver Francisco ÁLVARES, Verdadeira informação das terras do Preste João das Índias, ed. Augusto Reis Machado, Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1943. Sobre Álvares e a circulação europeia da sua obra, ver António Alberto Banha de ANDRADE, Francisco Álvares e o êxito europeu da Verdadeira Informação sobre a Etiópia, Lisboa: Junta de Investigações Científicas do Ultramar, 1981.

10 A respeito da Casa da Índia, ver o recente estudo de Susannah Humble FERREIRA, The Crown, the Court and the Casa da Índia: Political Centralization in Portugal 1479-1521, Leiden / Boston: Brill, 2015.

11 Sobre a vida e obra de Barros, baseio-me nas biografias de Charles R. BOXER, João de Barros, Portuguese Humanist and Historian of Asia, Nova Delhi: Concept Publishing Company, 1981, e de António Borges COELHO, Tudo é mercadoria: Sobre o percurso e a obra de João de Barros, Lisboa: Caminho, 1992.

12 João de BARROS, Ásia – Primeira Década, ed. António Baião, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1988, p. III, domínio público, disponível em http://purl.pt/26841/3/ [acesso em 01-06-2018].

13 A primeira edição desta obra é excessivamente rara, e dela se conserva um exemplar na Biblioteca Nacional de España, em Madrid, disponível em http://bdh.bne.es/bnesearch/detalle/bdh0000149361 [acesso em 04-06-2018]. Para uma edição mais recente, ver João de BARROS, Crónica do Imperador Clarimundo, ed. Manuel Marques Braga, 3 vols., Lisboa: Sá da Costa, 1953.

14 Ver Tobias BRANDENBERGER, «A Crónica do Imperador Clarimundo: estratégias discursivas e distorções exegéticas», Iberomania, 52 (1), 2004, p. 42-58.

15 Sobre este palácio, ver Nuno SENOS, O Paço da Ribeira, 1501-1581, Lisboa: Editorial Noticias, 2002.

16 Ver João de BARROS, Ropica Pnefma, ed. I. S. Révah, 2 vols., Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1983, que inclui um fac-símile da primeira edição. Sobre esta obra, ver um bom ponto da situação em Cristina Costa GOMES, «Ropica Pnefma: em diálogo», Cadernos de Estudos Sefarditas, 14, 2015, p. 153-170.

17 Ver uma edição moderna em João de BARROS, Panegíricos, ed. Manuel Rodrigues Lapa, Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1943.

18 A respeito das ideias pedagógicas de Barros, ver estado da questão em Helena Costa TOIPA, «João de Barros, o Pedagogo», Máthesis, 8, 1999, p. 55-80. Para uma edição das obras, ver João de BARROS, Gramática da Língua Portuguesa: Cartinha, Gramática, Diálogo em louvor da nossa linguagem, Diálogo da Viciosa Vergonha, ed. Maria Leonor Carvalhão Buescu, Lisboa: Faculdade de Letras – Universidade de Lisboa, 1971.

19 João de BARROS, Diálogo Evangélico sobre os artigos da fé contra o Talmud dos Judeus, ed. I. S. Révah, Lisboa: Studium, 1950.

20 Valerá a pena ver a este respeito António Alberto Banha de ANDRADE, João de Barros, historiador do pensamento humanista português de Quinhentos, Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1980.

21 João de BARROS, Décadas da Ásia, ed. Nicolau Pagliarini, 8 vols., Lisboa: Livraria Sam Carlos, 1973, vol. I, p.n.n. (déc. 1, prólogo). Nas citações utilizo esta cómoda reimpressão fac-similada da edição setecentista da Régia Oficina Tipográfica de Lisboa.

22 Sobre a titulatura régia de Dom Manuel I, ver António Vasconcelos de SALDANHA, «Conceitos de Espaço e Poder e seus reflexos na titulação régia portuguesa da época da expansão», in: Jean AUBIN (ed.), La découverte, le Portugal et l’Europe, Paris: Centre Culturel Portugais – Fondation Calouste Gulbenkian, 1990, p. 105-129.

23 A respeito do projecto historiográfico de Barros, ver C. R. BOXER, João de Barros, p. 97-129.

24 Ver referências essenciais a todos estes nomes em Francisco Contente DOMINGUES (dir.), Dicionário da Expansão Portuguesa, 1415-1600, 2 vols., Lisboa: Círculo de Leitores, 2016.

25 A respeito destas questões, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Algumas notas sobre as cargas de retorno da carreira da Índia no porto de Lisboa», Rossio – Estudos de Lisboa, 7, 2016, p. 81-91, onde é citada ampla bibliografia.

26 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. I, p.n.n. (déc. 1, prólogo).

27 Ibid.

28 Ver Fernão Lopes de CASTANHEDA, História do descobrimento e conquista da Índia pelos portugueses, ed. Manuel Lopes de Almeida, 2 vols., Porto: Lello & Irmão, 1979. Sobre a obra deste cronista, ver Ana Paula AVELAR, Fernão Lopes de Castanheda: Historiador dos portugueses na Índia ou cronista do governo de Nuno da Cunha?, Lisboa: Edições Cosmos, 1997.

29 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. VII, p.n.n. (déc. 4, apologia).

30 Ver sobre estas questões C. R. BOXER, João de Barros, p. 97-129.

31 Ver J. BARROS, Décadas da Ásia, passim. As quatro crónicas de João de Barros, em edições mais recentes, estão disponíveis no repositório digital da Biblioteca Nacional de Portugal, em http://purl.pt/26841 [acesso em 01-06-2018].

32 Ibid., vol. I, p. 14 (déc. 1, liv. 1, cap. 1).

33 Luís de MATOS, «Em torno dos inéditos de João de Barros», in: Helder Macedo (ed.), Studies in Portuguese literature and history in honour of Luís de Sousa Rebelo, Londres: Tamesis Books, 1992, p. 89-102 (citação na p. 97).

34 Ver Rui Manuel LOUREIRO, «João Baptista Lavanha, cosmographe portugais, et la chronique d’Asie au début du XVIIe siècle», e-Spania, 28, 2017, disponível em http://journals.openedition.org/e-spania/27316 [acesso em 01-06-2018].

35 João de BARROS, Ásia – Terceira Década, ed. Isabel Vilares Cepeda, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1992, p.n.n., domínio público, disponível em http://purl.pt/26841/3/ [acesso em 01-06-2018].

36 A propósito desta questão, ver Donald F. LACH, Asia in the Making of Europe, vol. 2, A century of Wonder, 2 tms., Chicago / Londres: The University of Chicago Press, 1970-1977, tm. 2, p. 5-26.

37 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. I, p. 1-2 (déc. 1, liv. 2, cap. 1).

38 Para uma síntese recente, com indicações bibliográficas, ver Toru MARUYAMA, «João de Barros», in: David Thomas & John Chesworth (eds.), Christian-Muslim Relations. A Bibliographical History, vol. 6, Western Europe (1500-1600), Leiden / Boston: Brill, 2014, p. 358-368.

39 A respeito desta particular característica historiográfica, ver Jorge Borges de MACEDO, «Damião de Góis et l’historiographie portugaise», in: José V. de Pina Martins (ed.), Damião de Góis, humaniste européen, Braga: Barbosa & Xavier, Limitada, 1982, p. 55-243.

40 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. V, p. 152 (déc. 3, liv. 2, cap. 4).

41 Ibid., p. 152-173 (déc. 3, liv. 2, cap. 5).

42 Ver, sobre este aspecto das Décadas da Ásia, Francisco Roque de OLIVEIRA, «Lançando linhas imaginárias: metageografias da Ásia nas descrições geográficas e na cartografia portuguesa do século XVI», Scripta Nova, 20 (551), 2016, disponível em http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-551.pdf [acesso em 05-06-2018].

43 Ver o estudo já antigo, mas ainda interessante, «Uma concepção planetária da História em João de Barros», in António José SARAIVA, Para a História da Cultura em Portugal, 2 vols., Lisboa: Publicações Europa-América, 1972, vol. II, p. 329-355. Para uma abordagem mais recente, ver Sanjay SUBRAHMANYAM, «Intertwined Histories: Crónica and Tārīkh in the Sixteenth-Century Ocean World», History and Theory, 49, 2010, p. 118-145.

44 Zoltán BIEDERMANN, «Nos primórdios da antropologia moderna: A Ásia de João de Barros», Anais de História de Além-Mar, 4, 2003, p. 29-61.

45 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. I, p.n.n. (déc. 1, prólogo). Para uma edição moderna desta crónica, ver Gomes Eanes de ZURARA, Crónica de Guiné, ed. José de Bragança, Porto: Livraria Civilização, 1973. A respeito da utilização da crónica zurariana, ver o estudo modelar de José da Silva HORTA, «Uma leitura de Zurara por João de Barros», in: Maria do Rosário Themudo Barata Azevedo Cruz & outros (eds.), Amar, Sentir e Viver a História: Estudos de Homenagem a Joaquim Veríssimo Serrão, 2 vols., Lisboa: Colibri, 1995, vol. II, p. 673-702.

46 Ibid., vol. I, p. 201 (déc. 1, liv. 3, cap. 6): «segundo anda escrita per Ruy de Pina, Chronista mór que foy deste Reyno». Para uma edição recente das obras deste cronista, ver Rui de PINA, Crónicas, ed. Manuel Lopes de Almeida, Porto: Lello & Irmão, 1977. Sobre Rui de Pina, ver Carmen M. RADULET, O cronista Rui de Pina e a «Relação do reino do Congo», Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda / Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1992.

47 Ibid., vol. V, p. 30 (déc. 3, liv. 1, cap. 3): «Pedro Martyr segundo elle conta em hum tratado que fez desta sua peregrinação, que anda impresso com suas obras». Para uma edição moderna desta obra, ver Pietro Martyr d’ANGHIERA, Una embajada de los Reyes Católicos a Egipto, según la “Legatio Babylonica” y el “Opus Epistolarum” de Pedro Mártir de Anglería, trad. / ed. Luis García y García, Valladolid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1947.

48 Ibid., vol. V, p. 51 (déc. 3, liv. 1, cap. 4). Para uma edição moderna da crónica, ver Duarte GALVÃO, Crónica de El-Rei D. Afonso Henriques, ed. José Mattoso, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1995. Sobre Galvão, ver o estudo de Jean AUBIN, Le Latin et l’Astrolabe, 3 vols., Lisboa / Paris: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses / Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2000-2006, vol. I, p. 11-48.

49 Ibid., vol. V, p. 364 (déc. 3, liv. 4, cap. 1). A respeito de Góis, ver Luís Filipe BARRETO, Damião de Goes: Os caminhos de um humanista, Lisboa: CCT – Correios, 2002.

50 Ibid., vol. III, p. 278 (déc. 2, liv. 3, cap. 4).

51 Ibid., vol. IV, p. 270 (déc. 2, liv. 8, cap. 1). Para uma edição moderna, ver D. João de CASTRO, «Roteiro do Mar Roxo», in: Armando Cortesão & Luís de Albuquerque (eds.), Obras Completas de D. João de Castro, 4 vols., Coimbra: Academia Internacional de Cultura Portuguesa, 1968-1981, vol. II, p. 171-399. Sobre esta viagem de Castro, ver Timothy J. COATES, «D. João de Castro’s 1541 Red Sea Voyage in the Greater Context of Sixteenth-Century Portuguese-Ottoman Red Sea Rivalry», in: Caesar E. Farah (ed.), Decision Making and Change in the Ottoman Empire, Kirksville, Missouri: The Thomas Jefferson University Press, 1993, p. 263–285.

52 Ibid., vol. V, p. 570 (déc. 3, liv. 5, cap. 5): «que houvemos de Antonio Galvão». A propósito de Galvão, ver Rui Manuel LOUREIRO, «António Galvão e os seus tratados histórico-geográficos», in: Roberto Carneiro & Artur Teodoro de Matos (eds.), D. João III e o Império: Actas do Congresso Internacional comemorativo do seu nascimento, Lisboa: Centro de História de Além-Mar / Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa, 2004, p. 85-102.

53 Ibid., vol. VI, p. 205 (déc. 3, liv. 7, cap. 9). Sobre Tenreiro e o seu relato de viagem, ver António BAIÃO (ed.), Itinerários da Índia a Portugal por Terra, Coimbra: Imprensa da Universidade, 1923.

54 Ibid., vol. V, p. 159 (déc. 3, liv. 2, cap. 5).

55 Ibid., vol. V, p. 159 (déc. 3, liv. 2, cap. 5). Para uma edição recente da versão ramusiana de Marco Polo, ver Giovanni Battista RAMUSIO, Navigazioni e Viaggi, éd. Marica Milanesi, 6 vol., Turim: Einaudi, 1978-1988, vol. III, p. 7-297. Sobre o relato poliano, ver Vasco RESENDE, «La diffusion européenne de l’édition portugaise du Livre de Marco Polo (1502)», in: Orbis Disciplinae: Hommages en l’honneur de Patrick Gautier Dalché, ed. Nathalie Bouloux, Anca Dan & Georges Tolias, Turnhout: Brepols, 2017, p. 537-554.

56 Ibid., vol. IV, p. 272 (déc. 2, liv. 8, cap. 1). Ver uma edição do relato em G. B. RAMUSIO, Navigazioni e Viaggi, vol. II, p. 463-495. Sobre este relato, ver Dejanirah COUTO, «Le Viaggio Scritto per un Comitto Veneziano et la Descriptio Peregrinationis Georgii Huszti: quelques témoignages sur les équipages de l’expédition de Hadim Süleyman Paşa dans l’océan Indien (1538)», Eurasian Studies, 8, 2010, p. 77-96.

57 E nomeadamente por C. R. BOXER, João de Barros, p. 97-129, e S. SUBRAHMANYAM, «Intertwined Histories», p. 118-145.

58 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. II, p. 288 (déc. 1, liv. 9, cap. 1).

59 Ibid., vol. 7, p. 333 (déc. 4, liv. 3, cap. 13).

60 Ibid., vol. II, p. 224 (déc. 1, liv. 8, cap. 6). Sobre esta crónica suaíli e a sua utilização por Barros, ver Adrien Delmas, «Writing in Africa: The Kilwa Chronicle and other Sixteenth-Century Portuguese Testimonies», in: Andrea Brigaglia & Mauro Nobili (eds.), The Arts and Crafts of Literacy: Islamic Manuscript Cultures in Sub-Saharan Africa, Berlim / Boston: De Gruyter, 2017, p. 181-206.

61 Ibid., vol. III, p. 108 (déc. 2, liv. 2, cap. 2). Sobre esta crónica persa, e a sua utilização por Barros e outros escritores portugueses da época, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Gaspar da Cruz», in: D. Thomas & J. Chesworth (eds.), Christian-Muslim Relations, p. 369-375.

62 Ibid., vol. III, p. 408 (déc. 2, liv. 4, cap. 4).

63 Para uma tradução parcial em língua inglesa, ver Mirkhvand, Rauzat-us-safa or, Garden of Purity, trad. E. Rehatsek & ed. F.F. Arbuthnot, 3 vols., Londres: Royal Asiatic Society, 1891. Sobre a cronística timúrida, ver Michele Bernardini, Mémoire et Propagande à l’Époque Timouride, Paris: Association pour l’Avancement des Études Iraniennes, 2008.

64 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. III, p. 412-413 (déc. 2, liv. 4, cap. 4).

65 Sobre as referências a Tamerlão que se encontram em autores portugueses do século XVI, ver Rui Manuel LOUREIRO, «The History of Tamerlan in Don García de Silva y Figueroa’s Comentarios (1624)», in: Enrique García Hernán, José Cutillas Ferrer & Rudi Matthee (eds.), The Spanish Monarchy and Safavid Persia in the Early Modern Period: Politics, War and Religion, Valencia: Albatros, 2016, p. 177-198.

66 J. BARROS, Décadas da Ásia, vol. II, p. 288 (déc. 1, liv. 9, cap. 1). Sobre a importância da China na obra de Barros, e na cultura portuguesa em geral, ver Rui Manuel LOUREIRO, Fidalgos, Missionários e Mandarins: Portugal e a China no Século XVI, Lisboa: Fundação Oriente, 2000.

67 Nas Décadas da Ásia é possível, por exemplo, identificar referências a: várias descrições manuscritas do Golfo Pérsico, em línguas árabe e em persa (déc. 3, liv. 6, cap. 4); uma crónica manuscrita, em língua persa, sobre a origem dos mogores (déc. 4, liv. 6, cap. 1); três crónicas manuscritas dos reis do Guzerate, do Decão e de Vijayanagar, em línguas não definidas (déc. 2, liv. 2, cap. 9; déc. 2, liv. 5, cap. 2; déc. 3, liv. 4, cap. 4; déc. 4, liv. 5, cap. 2); e uma relação manuscrita das crenças do Malabar, em língua malaiala (déc. 1, liv. 9, cap. 3).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Secção oriental do Planisfério de Cantino1
URL http://journals.openedition.org/e-spania/docannexe/image/27836/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 5,5M
Titre Carta da Ásia Oriental de Fernão Vaz Dourado5
URL http://journals.openedition.org/e-spania/docannexe/image/27836/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 2,3M
Titre Retrato de João de Barros12
URL http://journals.openedition.org/e-spania/docannexe/image/27836/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Portada da Terceira Década de João de Barros (Lisboa, 1563)35
URL http://journals.openedition.org/e-spania/docannexe/image/27836/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 206k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rui Manuel Loureiro, « Revisitando as Décadas da Ásia: Algumas observações sobre o projecto historiográfico de João de Barros », e-Spania [En ligne], 30 | juin 2018, mis en ligne le 15 juin 2018, consulté le 16 juillet 2018. URL : http://journals.openedition.org/e-spania/27836 ; DOI : 10.4000/e-spania.27836

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • OpenEdition Journals