Navigation – Plan du site

AccueilNuméros42Escrita do Tempo, escrita do Mund...«Livros, Cronicas, Estorias»: um ...

Escrita do Tempo, escrita do Mundo: historiografia universal na Ibéria dos séculos XII a XV

«Livros, Cronicas, Estorias»: um mapeamento da historiografia universal portuguesa

Mariana Leite

Résumés

Este estudo tem em conta a relevância dos mapas verbais para a constituição de corpora cartográficos na Idade Média, e a relação desses mapas com a cronística universal. Após a reavaliação tanto da cartografia como da historiografia, consideram-se as diferentes manifestações da cronística universal em contexto português. Este enquadramento permite repensar não só a tradução e preservação de um mapa verbal alfonsino em Portugal como reflectir sobre futuras abordagens da cronística universal enquanto repositório cartográfico verbal na Idade Média portuguesa.

Haut de page

Notes de la rédaction

O presente trabalho foi desenvolvido no âmbito do projecto de pós-doutoramento FCT «A Historia Scholastica em Portugal: presenças, transmissão e tradução» (ref. SFRH/BPD/114668/2016) e do projecto MELE (Da Memória Escrita à Leitura do Espaço, POCI-01-0145-FEDER-032673), cofinanciado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização (POCI), através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), e por fundos nacionais através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Texte intégral

Mapas enquanto histórias

  • 1 Vejam-se as observações de David WOODWARD, «Medieval Mappaemundi», in: John HARLEY e David WOODWARD (...)

1A historiografia cristã, sobretudo a tardo-antiga e medieval, marcada pelo peso de uma escatologia assente numa lógica de criação e destruição do mundo, visando com isso a inserção da história das criaturas nos desígnios do Criador, encontra fortes paralelismos com a cartografia sua contemporânea. Servindo, os frutos de uma e outra, diferentes propósitos consoante as circunstâncias e tradição subjacentes à sua produção1, em ambos os casos nos deparamos com elementos comuns, especialmente no que diz respeito à cronística universal e à elaboração de mapas do mundo.

  • 2 «The mappamundi, while striving for a just proportion and correct layout of lands, used no consiste (...)

2A natureza topológica do mapa do mundo medieval leva a que nele se desvalorizem proporções matemáticas em função de critérios como a contiguidade espacial e temática2. Ao fazê-lo, dá destaque a determinados elementos em detrimento de outros, estabelecendo como critério de proximidade não a precisão geográfica mas a contiguidade temática: as proporções de um território dependem mais da sua importância no âmbito do mapa que se quer apresentar do que das suas reais dimensões. Assim, a proximidade entre territórios pode ser aumentada ou diminuída para comunicar mais claramente o tipo de associação que se pretende transmitir, nomeadamente pela sincronização espacial de fenómenos históricos que ocorreram –ou decorreram de eventos passados– num mesmo local. Do mesmo modo, são convocados também mais ou menos detalhes geográficos, étnicos, naturais, históricos ou alegóricos que reforçam precisamente essa representação conotativa do espaço.

  • 3 «Jerusalem –the navel of the world, at the centre of both history and geography– marked the beginni (...)
  • 4 Do qual o exemplo mais paradigmático é o mapa de Ebstorf.
  • 5 Naturalmente, a historiografia universal medieval tem, forçosamente, outros pontos culminantes que (...)

3Independente do grau de detalhe destes mapas, um dos aspectos comuns é a estrutura, tripartida, e o estabelecimento do centro em Jerusalém, eixo do mundo e espaço onde se concentra a História3 sob uma óptica cristocêntrica. Representando muitas vezes o mundo como corpo humano, associado à figura de Cristo4, as representações cartográficas universais visam sobretudo apresentar o plano geográfico e natural –e a história que decorre nesse plano– como parte indissociável da criação divina5.

  • 6 «On a medieval mappa mundi, a place took its importance from the event that had occurred there. Hum (...)

4A tendência para a consideração diacrónica do espaço leva a que este tipo de cartografia se configure como uma representação visual da história de um território através da sobreposição de referentes históricos e simbólicos que o identificam6. Assim, mesmo concentrando-se sobre um território ou tema em particular, o mapa medieval tende a apresentar uma contextualização que, muitas vezes, implica o esboço, mais ou menos detalhado, do mapa –e, consequentemente, da história– universal. Espaço e tempo pertencem assim ao mesmo plano, já que no mapa coincidem representações de ambas as dimensões em simultâneo, e só podem ser compreendidos enquanto manifestação do desígnio divino.

Histórias enquanto mapas

  • 7 Veja-se Michael ALLEN, «Universal History 300-1000: Origins and Western developments», in: Deborah (...)
  • 8 Embora, também para a tradição árabe, a inserção da história no plano de criação divino seja releva (...)

5A perspetiva sobre a leitura do espaço que os mapas medievais nos oferecem –que, como referimos acima, é também dependente dos circuitos culturais de produção de cada objeto cultural– permite-nos estabelecer um novo enquadramento para a historiografia, mormente para a universal, que desponta desde a Antiguidade tardia e se produz durante toda a Idade Média7. Para a historiografia de tradição cristã8, contar a história de um evento, local ou situação implica uma perspetiva totalizadora, que abarque o conhecimento de todos os elementos que se entrecruzam no ponto focal, fundindo-se por isso a matéria bíblica e a pagã, a história do sagrado e do profano, com vista a não descurar nenhum dado para a representação daquilo que funciona como um verdadeiro mapa do tempo. Na verdade, a historiografia vai usar o texto sagrado –aqui compreendido fundamentalmente como a bíblia– como elemento agregador das diversas matérias antigas, integrando, com isso, toda a história humana na lógica da história sagrada.

6A forma como o faz é tão variada como é o detalhe e a minúcia da cartografia: em alguns casos, vemos uma apresentação esquemática que preenche um esqueleto bíblico com alguns apontamentos de história pagã; noutros casos, encontramos uma apresentação equitativa, por vezes com largos excursos que em muito se afastam da raiz bíblica, visando expor com o máximo de detalhe elementos historiográficos alheios a esta tradição. Também o grau de detalhe, atenção a determinados pormenores ou mesmo o foco da crónica universal vai depender largamente de quem são os seus promotores e de que público visam alcançar. Se algumas crónicas universais se restringem mais à bíblia, outras há que destacam matérias como Tebas, Troia, Alexandre, Roma, e suas descendentes –como é o caso da matéria carolíngia e arturiana.

  • 9 «“Reading a map” in the Middle Ages could mean scanning great blocks of written matter, describing (...)
  • 10 É o caso do castelhano Libro de Alexandre, onde constam detalhados mapas verbais. Veja-se, por exem (...)
  • 11 Conforme avalia E. EDSON, «Maps in Medieval Histories», in: Mapping time…, p. 97-131.
  • 12 Podemos estender esta reflexão à avaliação do papel da apresentação gráfica do texto na crónica uni (...)
  • 13 Sintetizando o trabalho de Anna-Dorothee von den Brincken, D. WOODWARD, art. cit., p. 288, assinala (...)

7Por outro lado, o conhecimento geográfico medieval pode ser transmitido tanto gráfica como verbalmente9. Dada a fluidez e confluência de géneros na Idade Média, não é só na historiografia mais estrita que vamos encontrar mapeamentos verbais ou pictóricos. Também em romances e outros textos literários podemos ler a descrição do mundo10 –mapeamentos verbais– ou, ocasionalmente, depararmo-nos com representações visuais11. Aquilo que muitas vezes vamos encontrar na historiografia, sobretudo universal, são mapeamentos verbais que fundem a descrição e a história do mundo, eventualmente acompanhados pela sua representação visual12: deste ponto de vista, tal como a cartografia representa visualmente a historiografia13, também esta última representa verbalmente a primeira.

  • 14 Veja-se o estudo sobre o uso de diferentes línguas na produção de crónicas universais em Mariana LE (...)

8Ao reflectir sobre o mapeamento verbal torna-se indispensável considerar as línguas através das quais este é elaborado. A passagem do uso corrente do Latim para os diferentes vernáculos em diversas manifestações literárias dos séculos XII e sobretudo XIII, onde se assiste a uma autêntica explosão de produções em vulgar, não é um processo linear, automático e irreversível já que perdura o uso concomitante de línguas vernáculas e Latim na produção literária. Deste ponto de vista, é relevante considerar que a transição do Latim para diversas línguas vulgares na historiografia universal indica também a mudança de promotores, públicos e propósitos para estes discursos14. Se escrever numa língua é autorizá-la, escrever nessa língua a história do mundo, desde a Criação, é, de certo modo, sacralizá-la. Tendo em conta a existência de mapas verbais, caberá reflectir sobre o que implica elaborá-los numa língua que não o Latim, como vem a acontecer também na historiografia em vulgar que se vai desenvolvendo neste período.

  • 15 Se a falta, ou destruição, de materiais é conhecida de quem se aproxima dos estudos medievais, tamb (...)

9Finalmente, como último elemento de paralelismo entre cartografia e cronística universal, devemos considerar a forma extremamente plural como se podem difundir estes artefactos de leitura do mundo e o modo como os mesmos são retidos e reapropriados por públicos vindouros. Tal como uma crónica de grandes dimensões, também um grande mapa dificilmente se reproduzirá de modo idêntico e integral; igualmente, os mapas mais esquemáticos e simples tornam-se os mais recopiados e, como tal, usados como fonte de novos mapas de forma muito mais abundante, à imagem do que ocorre com crónicas mais simples e sumárias. Além disso, temos sempre o insuperável problema dos testemunhos medievais que, sendo escassos, não revelam senão uma fração, por vezes errónea, da real dimensão da produção artística e cultural da época15.

Historiografia universal em português

  • 16 Sublinhamos a importância dos Cânones de Eusébio de Cesareia, revistos por Jerónimo, para a criação (...)

10Até agora, fomos traçando um périplo pelos mapas medievais, considerando como estes inserem a História na representação –visual e verbal– do espaço. Com isso, e porque a História humana é lida à luz da providência divina, sublima-se o plano terreno onde também decorre a história da salvação. Ao fazê-lo, mapas universais medievais entrecruzam os seus propósitos e resultados com os da historiografia universal do mesmo período que, ao assentar a sua estrutura na Bíblia16, funde com esta a trama historiográfica humana. É também por isso que grande parte da historiografia universal, primeiramente em Latim, mas depois também em vulgar, compreende largas paráfrases ou traduções do texto bíblico.

  • 17 Em M. LEITE, art. cit., consideram-se, além de textos latinos, crónicas universais em médio alto-al (...)
  • 18 Esta dimensão terá sido particularmente explorada numa tese de doutoramento recente, segundo nos dá (...)

11Se nos concentrarmos apenas na produção em vulgar, vemos que este género, tal como ocorrera um pouco por toda a Europa17, também floresce em ambiente ibérico. O século XIII assiste a uma verdadeira explosão de crónicas de cariz universal –ou que estabelecem um enquadramento universalizante– nos diversos vernáculos peninsulares desde finais do século XII e ao longo do século XIII. Na transição entre os dois séculos, produz-se o Liber Regum navarro-aragonês, entre o registo genealógico e a crónica universal, posteriormente traduzido para castelhano como Libro de las Generaciones; a Fazienda del Ultramar castelhana, da primeira metade do XIII, ao apresentar um périplo pela Terra Santa, funde história bíblica, elementos de história pagã estabelecendo um mapa verbal da região para que remete18; já no último quartel do século XIII, Afonso X promove a elaboração da monumental General Estoria. Ora no Portugal do mesmo período parece haver, como para tantas outras manifestações literárias, um enorme silêncio. Terá, assim, Portugal ficado alheio ao movimento que se verificava não só a nível europeu como também em contexto ibérico?

  • 19 Além de Luis Filipe Lindley CINTRA, «Uma tradução galego-portuguesa desconhecida do Liber Regum». B (...)
  • 20 Um estudo sobre as funcionalidades de ambas as crónicas em ambiente português será apresentado em M (...)

12As evidências físicas são, como para quase todas as manifestações culturais deste período, francamente escassas. Encontramos muito mais vestígios da tradução de outras crónicas universais –quer latinas, quer em vulgar– do que a produção de textos novos. De facto, obras como o Liber Regum são amplamente acolhidas pela produção historiográfica portuguesa, mormente linhagística mas não só, da segunda metade do século XIII e ao longo do século seguinte19. Mais curiosa é a recepção reiterada de outras duas obras de historiografia universal ou universalizante que parece ocorrer em contexto português: a Historia Scholastica (HS)20 e a já referida General Estoria (GE).

  • 21 Veja-se Mark J. CLARK, The making of the Historia Scholastica, 1150-1200, Turnhout: Brepols, 2016.
  • 22 Saralyn DALY, «Peter Comestor: Master of Histories», Speculum, 32 (1), Jan. 1957, p. 62-73.
  • 23 James H. MOREY, «Peter Comestor, Biblical Paraphrase, and the Medieval Popular Bible», Speculum, 68 (...)

13A primeira começa por ser um compêndio elaborado por Pedro Comestor a partir das suas lições de história teológica21, para depressa se difundir quer como história bíblica comentada, quer como modelo para a história universal22. A popularidade do texto latino, de uso generalizado nas universidades desde 1215, estende-se aos meios laicos por via de traduções nas mais diversas línguas vulgares, como checo, inglês, francês, norueguês antigo e galego-português23. Estas versões, no entanto, nem sempre são uma tradução íntegra, podendo atentar mais ou menos sobre a dimensão de bíblia historiada da obra de Comestor.

  • 24 Veja-se Harvey SHARRER e Pedro PINTO, «Os fragmentos da Historia Scholastica de Pedro Comestor da B (...)
  • 25 Fortunato de SÃO BOAVENTURA, Collecção de Ineditos Portuguezes dos Séculos XIV e XV, 2 e 3, Coimbra (...)
  • 26 H. SHARRER e P. PINTO, art. cit., p. 484-486; p. 488-493.
  • 27 Editado por Joaquim Mendes de CASTRO, Bíblia de Lamego. Edição e Estudo, 2 vol., s/l: ed. autor, 19 (...)
  • 28 A existência prévia de uma tradução da vulgata, compatível com a cronologia da elaboração do testem (...)
  • 29 Contrariamente ao que foi proposto em M. LEITE, «Os testemunhos da tradução portuguesa da Historia (...)

14Os detalhes sobre a tradução portuguesa, que eventualmente remonta ao século XIV24, estão envolvidos no mesmo grau de mistério que os testemunhos daquilo que veio a tornar-se nas Estorias de Abreviado Testamento Velho, designadas comumente como Bíblias de Alcobaça e de Lamego. A versão alcobacense, que seria do século XIV, foi editada por Fortunato de São Boaventura, vindo a perder-se após a edição de 182925; sobrevivem cópias, algumas bastante modificadas, dos séculos XV, XVI e XVIII. Dos séculos XV e XVIII26, os fragmentos são relativamente breves. Já o testemunho do século XVI, também conhecido como Bíblia de Lamego27, parece dar conta de um complexo processo de reescrita, aproveitando, talvez, alguma outra tradução da bíblia em vulgar28 para suplementar a versão de Alcobaça29. De todos os testemunhos deste projeto de tradução sobressai um aspeto: tratou-se, aqui, de transformar uma história universal, de pendor eminentemente bíblico, é verdade, mas efectivamente universalizante, numa bíblia romanceada. Ainda assim, é possível considerar que, antes da versão depurada que herdámos, se tenha procedido a uma tradução integral do texto de Comestor, pejado de incidências sobre temas pagãos.

  • 30 Sobre a dimensão universal na historiografia alfonsina, veja-se Inés FÉRNANDEZ ORDÓÑEZ, «The Imperi (...)

15A segunda crónica universal alvo de múltiplas formas de recepção em contexto português é a GE, verdadeiro magnum opus alfonsino, desenvolvida pouco depois do começo da redação da Estoria de España. Embora esta também tenha uma significativa dimensão universalizante30, é com a GE que Afonso X visa abarcar, mais do que toda a história do mundo, todo o conhecimento humano numa obra historiográfica. Como um grande e detalhado mapa universal, apresenta pormenorizados apontamentos de geografia, filosofia, zoologia, onde se intercala a tradução completa de obras literárias, como a Farsália ou o Roman de Troie, e da própria Bíblia, a que não são omitidos os livros não históricos, como os salmos, os provérbios, ou o cântico dos cânticos.

  • 31 Conforme demonstrou D. CATALÁN, «Los modos de producción y ‘reproducción’ del texto literario y la (...)
  • 32 Trata-se do testemunho F, Escorial O-I-2, editado por Ramón MARTÍNEZ-LOPEZ, General Estoria. Versió (...)
  • 33 Veja-se José Carlos Ribeiro MIRANDA, «A Crónica de 1344 e a General Estoria: Hércules e a Fundação (...)
  • 34 Conforme demonstra M. R. FERREIRA, «Pedro de Barcelos: sangue, natura e a ordem do Mundo», in: M. R (...)
  • 35 Veja-se M. LEITE, «Entre galego-português e castelhano: sobre a marginalia da tradução dos Salmos n (...)
  • 36 M. LEITE, «Mutações do Império: sobre as facetas de Troia na obra e legado de Pedro de Barcelos», G (...)
  • 37 Sugerido em M. LEITE, A General Estoria de Afonso X em Portugal. As múltiplas formas de receção do (...)
  • 38 Ver Francisco BAUTISTA, «El Final de la General Estoria», Revista de Filología Española, 95 (2), 20 (...)
  • 39 Sobre os Autos dos Apóstolos, a sua relação com a GE e recepção portuguesa, veja-se F. BAUTISTA, «A (...)

16No caso da GE, as dimensões e propósitos do projecto alfonsino, tal como os seus pressupostos ideológicos, ditaram a dispersão da obra. Se para a Galiza vamos encontrar uma tradução, proveniente de um rascunho redigido na corte régia31, num testemunho trecentista32, para Portugal só quase 150 anos depois iremos encontrar uma iniciativa semelhante. No entanto, bem antes disso já a GE deixara os seus vestígios. Fonte que foi para a Crónica de 1344 de Pedro de Barcelos33, assim como para uma sua composição satírica34, não será de descartar que partes dos seus livros – as estorias unadas que a constituem – tenham tido alguma forma de circulação autónoma. Um indício disso é o testemunho castelhano do séc. XIV, preservado em Évora e comentado por mão portuguesa do mesmo período, que acolhe apenas a matéria bíblica da segunda à quarta partes da obra alfonsina35. Além deste caso, vão-se encontrando referências enigmáticas a «livros da Troia» que poderão ser, de facto, a história troiana que se encontra na 2ª parte da GE: a mais antiga, ainda que bastante duvidosa, é a menção a um «livro» por um reconhecido leitor da crónica universal alfonsina, Pedro de Barcelos, no seu Livro de Linhagens36; a seguinte, chega-nos pela pena do Infante D. Pedro, num excurso no seu Livro da Virtuosa Benfeitoria37. Não ficamos por aqui no que respeita à recepção da GE, sobretudo se a entendermos com um projeto inacabado. Os Autos dos Apóstolos de Bernardo de Brihuega, originalmente compostos em Latim com o objetivo de dar seguimento à sexta parte da obra alfonsina38, vêm a ser traduzidos em ambiente português já no final do século XIII, subsistindo cópias e mesmo impressos posteriores39.

  • 40 Os primeiros a ser descobertos foram identificados por Mário MARTINS, «Fragmentos medievais Portugu (...)
  • 41 Arthur ASKINS, Aida Fernanda DIAS e H. SHARRER, «Um Novo Fragmento da General Estoria de Afonso X e (...)
  • 42 Sobre a tradição da General Estoria em Portugal, veja-se M. LEITE, op. cit., e «Tradução e tradição (...)

17Além da circulação de matérias autónomas, é especialmente relevante o projeto de tradução da GE encomendado por D. João I, do qual temos pelo menos três instâncias em testemunhos muito fragmentados40. Apesar de serem três conjuntos extremamente breves, contendo matéria da 1ª e 2ª partes, estes não só dão conta de que se terá procedido a uma tradução integral de pelo menos estas duas partes da obra alfonsina como dão testemunho do interesse duradouro pela tradução – o fragmento mais antigo é do início do séc. XV41, o mais recente do final de XV, inícios de XVI42. A tradução da obra na corte de Avis –desta vez, a partir de testemunhos descendentes da versão régia, ao contrário do que ocorrera com a tradução galega– explica também a profusão de citações indiretas que encontramos em obras produzidas em meio régio durante a 2ª dinastia, com os exemplos do Livro da Montaria, de D. João I, e da Crónica dos Feitos da Guiné, de Gomes Eanes de Zurara, além do já mencionado Livro da Virtuosa Benfeitoria.

  • 43 Ainda assim, cremos que será importante voltar a considerar, noutra sede, as descrições de territór (...)

18Temos, com isto, várias formas sob as quais as crónicas universais parecem revelar-se na cultura portuguesa medieval: disfarçadas sob designação várias, citadas como livros, reaproveitadas em crónicas, traduzidas e transformadas em novas estorias. Um dos problemas levantados por essas transformações é que muitas vezes, o tipo de matéria que poderia ser utilizada, ou pelo menos interpretada, como topografia verbal, é eliminada ou foi, entretanto, perdida. Isto é especialmente visível no caso da recepção da HS que, ao ser reconfigurada como bíblia historiada, perdeu quase todas as referências geográficas que poderiam contribuir para a cartografia universal verbal em português. Ainda que se mantenham esclarecimentos esporádicos sobre os territórios onde decorrem os episódios bíblicos, a Bíblia de Lamego e Alcobaça recolhem sobretudo elucidações sobre toponímia, o que não permite fazer uma avaliação destes testemunhos da HS enquanto fonte para a cartografia verbal43. Resta-nos, assim, a outra grande crónica universal que foi acolhida e traduzida no ocidente ibérico, a General Estoria, da qual podemos recuperar pelo menos o extremo final da descrição de um mapa verbal, como veremos seguidamente.

Um mapa verbal em português: Atenas na General Estoria

  • 44 Como ocorre com o Kitab al-masâlik wal-mamâlik. Sobre as obras de cariz geográfico usadas na cronís (...)
  • 45 Conforme já haviam feito notar Duarte LEITE, Acerca da «Crónica dos feitos da Guinee», Lisboa: Livr (...)

19Conforme foi sublinhado anteriormente, um dos aspetos mais notórios da GE é o seu propósito totalizador, que implica a congregação do máximo de informação possível sobre cada evento histórico narrado. Isto leva à pluralidade de materiais e matérias compiladas e também à multiplicação de elementos descritivos que transformam esta grande crónica não só em enciclopédia dos saberes humanos mas também num verdadeiro atlas. De facto, não só são convocadas obras descritivas do mundo natural –mormente, zoológico–, como a História Natural de Plínio, mas, mais relevante para o estudo em causa, é dada especial importância a detalhes topográficos, assegurados pelo recurso a compêndios de geografia árabes44. É, de resto, esta uma das dimensões que mais impacto causam na receção portuguesa da GE: com efeito, na já citada Crónica dos Feitos da Guiné, Zurara usa a obra alfonsina precisamente para colmatar as descrições, geográficas e zoológicas, do continente africano45.

  • 46 Dado o estado do fragmento, é necessário acompanhar a sua leitura com o texto castelhano.

20Assim sendo, podemos avaliar sob o mesmo prisma o impacto da própria tradução da obra para português, da qual, como assinalado, apenas sobrevivem fragmentos extremamente reduzidos. Oportunamente, um dos excertos que se conseguem, a muito custo, transcrever, contém precisamente as linhas finais do mapa verbal da cidade de Atenas46.

  • 47 Seguimos a edição coordenada por Pedro SÁNCHEZ-PRIETO BORJA, Alfonso X el Sábio, General Estoria, M (...)
  • 48 Usamos aqui a transcrição disponível em M. LEITE, op. cit., p. 285, à qual acrescentámos alguns gra (...)
  • 49 Corrigido de «escolarce».

GE I47

Fragmento ANTT cx. 21, nº 2948

maguer que cadaún maestro leyé en su escuela

[...] posto que cada huum

todos se ayuntavan un día en la sedmana con sus

todos se ajuntauam em

escolares en aquel grand palacio que era

escollares49 em aquelle

comunal que estava en medio

(com)uum que estaua em meo

de la villa e de los otros palacios de los maestros e d'aquellos en

mestres e daquelles em

que leyén, e assentávanse en aquellos grados que

naquelles graaos que

dixiemos cadaúno segund que era onrado por su

(h)onrrado segundo sua

saber, ca non por poder nin por riqueza nin por

(pode)r nem por riqueza nem por

linage que oviesse grand e allí leyén los maestros

E ally lyam os mees

cadaúno de su arte una leción que oyén

huma liçom que ouuiam

todos los otros, e después cuidaran y en muchas

(c)uydauam em muytas

maneras, e desputavan e razonavan sobr'ellas por entender

(razoa)uam sobrellas por em(tender)

mejor cadaúnos aquello de que dubdavan

por elo de que douidaua

21Antes desta passagem do fragmento, no mesmo capítulo da GE, encontramos o seguinte:

  • 50 GE I, ed. 2009, p. 376-377.

E aquellos sabios que a esta puebla vinieron guisaron ques poblasse aún más tan noble cibdad como los príncipes allí querién fazer, e fiziéronla de luego de comienço muy afortalada, e sobr'esto muy noble, ca la cercaron toda muy fuert de muro e de torres de mármol, e assentáronla en cuadra. E dexaron en ella por cuenta e por medida siete puertas grandes cabdales; e de cadaúna d'estas puertas recudié una cal muy ancha e muy grand cuanto era mester que iva fasta medio de la cibdad; e allí en medio de la villa ó se ayuntavan todas estas calles de cada puerta la suya fizieron un palacio muy grand de obra muy maravillosa e muy rica, e avié en él tantas puertas cabdales cuantas en el muro de la cibdad [...]. E enderredor d'aquel palacio avié muchas casas muy grandes e muy nobles, e fechas todas a la manera que era mester en que estavan los maestros que enseñavan lo saberes e las siete puertas grandes de la cibdad que dixiemas, e las del palacio otrossí estavan siempre abiertas [...]. E aún sobr'esto fizieron escrivir en cadaúna d'aquellas siete puertas de la cibdad el nombre d'uno de los saberes de las siete artes a que llaman liberales; e el que allí vinié a la puerta leyé aquellos sobrescritos, e si se pagaya d'aquel saber que dizié en aquello que élleyé entrava por aquella puerta, e iva por aquella cal fasta'l palacio de medio de la villa que dixiemos50.

  • 51 Num estudo detalhado sobre esta passagem da GE, Isabel Barros DIAS, assinala que «O que mais nos im (...)
  • 52 O fundamento para história de Atenas na GE é retirado do Pantheon de Godofredo de Viterbo, menos de (...)

22Esta descrição, ainda que de carácter mais utópico do que realista51, chama a atenção pela sua dimensão topográfica detalhada, fazendo confluir a organização do espaço (público) com a da difusão (pública, também) dos saberes. Sendo esta uma muito provável inventio ou, pelo menos, recriatio alfonsina52, não deixa, naturalmente, de estar condicionada pela mundividência do rei Sábio nesta vívida descrição do ordenamento espacial. A cidade, cuja construção não é fruto do acaso mas da intervenção de um colégio de sábios, é marcada pela precisão geométrica dos seus espaços públicos, sendo descrita mais como uma universidade –ou, até, como uma biblioteca– do que como um espaço urbano onde naturalmente se sobrepõem realidades económicas, políticas, sociais e culturais. É, por isso, um mapa topológico de Atenas enquanto cidade da sabedoria, representando apenas os elementos pertinentes a esta perspetiva. Eliminando outras informações, é um mapa que sintetiza também o que seguidamente se revela: em Atenas «cadaúno [...] era onrado por su saber, ca non por poder nin por riqueza nin por linage que oviesse grand». Torna-se, assim, num modelo cultural e intelectual perfeitamente concordante com a perspetiva alfonsina, que privilegia a sabedoria como verdadeira confirmação da autoridade governativa.

23A tradução da GE para português não revela apenas a curiosidade e interesse suscitados pelas matérias da cronística universal. Regressando à analogia com que iniciámos este estudo, tal como um mapa medieval tem uma dimensão historicizante, também a cronística universal transmite mapas verbais dos territórios onde decorre a ação histórica. A tradução de uma crónica, à imagem do que sucede com a cópia de mapas, revela a aceitação da sua perspetiva, por esta estar em conformidade com a mundividência de quem a recupera. Fará sentido que a corte de Avis se reveja numa justificação intelectual do poder assente também na sabedoria, assumindo (e traduzindo...) por isso o «mapa» alfonsino. Uma atitude distinta da dos leitores anteriores, como Pedro de Barcelos, que, perante este grande «atlas» que também é a GE, em vez de a reproduzirem ao pé da letra, usam-na mais como um ponto de partida para construir novos traçados do que uma imagem do mundo a reproduzir.

24Não deixa, contudo, de ser difícil avaliar com segurança o papel e o impacto da cronística universal em português, dadas as lacunas com que nos deparamos. O que é possível é verificar que, ainda assim, também em Portugal estes verdadeiros mapae mundi verbais, que nos apresentam tempo e espaço num contínuo textual, tiveram a sua fecundidade. Mais do que conclusões, que este seja um ponto de partida para repensar a cronística universal vernácula portuguesa, procurando e reavaliando, nos escassos testemunhos que nos chegaram e que elencámos, processos figurativos textuais análogos ao que aqui vimos. Com isto, espera-se vir a compreender melhor como é que estes verdadeiros mapas verbais dão conta de diferentes processos de escrita do tempo e do mundo, do mundo no tempo e do tempo no mundo, no pensamento medieval português.

Haut de page

Notes

1 Vejam-se as observações de David WOODWARD, «Medieval Mappaemundi», in: John HARLEY e David WOODWARD (eds.) The History of Cartography, volume I: Cartography in Prehistoric, Ancient, and Medieval Europe and the Mediterranean, Londres, Chicago: Chicago University Press, 1987, p. 286-370, especialmente p. 291-292.

2 «The mappamundi, while striving for a just proportion and correct layout of lands, used no consistent scale of measurement. Its spatial organization is dynamic, representing the significance of places rather than their size or distance», Evelyn EDSON, The World Map 1300-1492. The persistence of tradition and transformation, Baltimore/Londres: Johns Hopkins University Press, 2007, p. 18.

3 «Jerusalem –the navel of the world, at the centre of both history and geography– marked the beginning of the end: the opening of the final phase, the time of waiting for the final revelation of the kingdom of God. This final time would coincide with the margins of space», Alessandro SCAFI, Maps of Paradise, Londres, Chicago: Chicago University Press, 2013, p. 60.

4 Do qual o exemplo mais paradigmático é o mapa de Ebstorf.

5 Naturalmente, a historiografia universal medieval tem, forçosamente, outros pontos culminantes que não a vida de Jesus pelo simples facto de relatar períodos posteriores a este; contudo, não deixa de estar sempre condicionada por este evento, que funciona como elemento central da História.

6 «On a medieval mappa mundi, a place took its importance from the event that had occurred there. Human settlements and natural features rivers, mountains, seas, islands, lakes and forests– provided important markers of the historical event. Just as the mappa mundi shows not simply a place but an ‘event–place’, so it also portrays ‘epochal zones’: strata defined by a set of contemporary event-places», A. SCAFI, op. cit., p. 56.

7 Veja-se Michael ALLEN, «Universal History 300-1000: Origins and Western developments», in: Deborah DELIYANNIS (ed.) Historiography in the Middle Ages, Leiden, Boston: Brill, 2003, p. 17-42 e Michele CAMPOPIANO, «Introduction: new perspectives», in: Michele CAMPOPIANO e Henry BAINTON (eds.), Universal Chronicles in the High Middle Ages, York: York Medieval Press/Boydell & Brewer, 2017, p. 4-6. Remetemos ainda para o estudo de Patricia VARONA CODESO, «La historia universal en Bizancio: problemas de definición y principales formas literarias», no presente volume de e-Spania.

8 Embora, também para a tradição árabe, a inserção da história no plano de criação divino seja relevante; veja-se Ernst BREISACH, «World History Sacred and Profane: The Case of the Medieval Christian and Islamic World Chronicles», Historical Reflections / Refléxions historiques, 20, 1994, p. 337-356.

9 «“Reading a map” in the Middle Ages could mean scanning great blocks of written matter, describing geographical, anthropological, and historical features», E. EDSON, Mapping time and space, Londres: The British Library, 1997, p. 134.

10 É o caso do castelhano Libro de Alexandre, onde constam detalhados mapas verbais. Veja-se, por exemplo, Simone PINET, The task of the Cleric. Cartography, translation, and economics in thirteen-century Iberia, Toronto/Buffalo, Londres: University of Toronto Press, 2016, p. 32-58.

11 Conforme avalia E. EDSON, «Maps in Medieval Histories», in: Mapping time…, p. 97-131.

12 Podemos estender esta reflexão à avaliação do papel da apresentação gráfica do texto na crónica universal: «Different ways of organizing narratives, along with specific choices of mise en page, could imply various political meanings», M. CAMPOPIANO, art. cit., p. 11.

13 Sintetizando o trabalho de Anna-Dorothee von den Brincken, D. WOODWARD, art. cit., p. 288, assinala que «the mappaemundi are seen as pictorial analogies to the medieval historical textual chronicles».

14 Veja-se o estudo sobre o uso de diferentes línguas na produção de crónicas universais em Mariana LEITE, «Translatio Imperii, translatio linguarum? On Medieval Universal Chronicles Produced around the Holy Roman Empire», The Medieval Chronicle, 13, 2020, p. 131-148.

15 Se a falta, ou destruição, de materiais é conhecida de quem se aproxima dos estudos medievais, também os especialistas em cartografia sublinham a escassez de vestígios, como denuncia David WOODWARD, art. cit., p. 292.

16 Sublinhamos a importância dos Cânones de Eusébio de Cesareia, revistos por Jerónimo, para a criação do esqueleto das crónicas universais ao longo de toda a antiguidade tardia e Idade Média. Sobre a circulação destas cronologias em contexto peninsular, veja-se no presente volume de e-Spania o estudo de Rodrigo FURTADO, «Eusebius/Jerome’s Chronicon in Iberia up to the Year 1000».

17 Em M. LEITE, art. cit., consideram-se, além de textos latinos, crónicas universais em médio alto-alemão.

18 Esta dimensão terá sido particularmente explorada numa tese de doutoramento recente, segundo nos dá conta a apresentação de tese de Melisa MARTI, «Geografía e imaginario bíblico medieval», Medievalista [online], 30, 2021, disponível em [https://doi.org/10.4000/medievalista.4583].

19 Além de Luis Filipe Lindley CINTRA, «Uma tradução galego-portuguesa desconhecida do Liber Regum». Bulletin Hispanique, 52 (1-2), 1950, p. 27-40, e Diego CATALÁN, De Alfonso X al Conde de Barcelos. Cuatro estudios sobre el nacimiento de la historiografia romance en Castilla e Portugal, Madrid: Gredos, 1962, p. 355-421, veja-se José Carlos Ribeiro MIRANDA, «Do Liber regum em Portugal antes de 1340», e-Spania [En ligne], 9, juin 2010, e Maria do Rosário FERREIRA, «O Liber regum e a representação aristocrática da Espanha na obra do Conde D. Pedro de Barcelos», e-Spania [En ligne], 9, juin 2010.

20 Um estudo sobre as funcionalidades de ambas as crónicas em ambiente português será apresentado em M. LEITE «Crónicas universais a sul do Minho: a Historia Scholastica como alternativa à General Estoria?», in: Ricardo PICHEL (ed.), «Tenh’eu que mi fez el i mui gram bem». Estudos sobre cultura escrita medieval dedicados a Harvey L. Sharrer, Madrid: Silex, p. 241-255 (no prelo).

21 Veja-se Mark J. CLARK, The making of the Historia Scholastica, 1150-1200, Turnhout: Brepols, 2016.

22 Saralyn DALY, «Peter Comestor: Master of Histories», Speculum, 32 (1), Jan. 1957, p. 62-73.

23 James H. MOREY, «Peter Comestor, Biblical Paraphrase, and the Medieval Popular Bible», Speculum, 68 (1), 1993, p. 8-9.

24 Veja-se Harvey SHARRER e Pedro PINTO, «Os fragmentos da Historia Scholastica de Pedro Comestor da Biblioteca da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa», in: Arnaldo do Espírito Santo, Maria Cristina Pimentel, Paulo Farmhouse Alberto e Rodrigo Furtado, Optimo magistro sodalium et amicorum munus. Homenagem a Aires A. Nascimento pelo seu 80.º aniversário, Lisboa: Centro de Estudos Clássicos/U. Lisboa, 2022, p. 477-496.

25 Fortunato de SÃO BOAVENTURA, Collecção de Ineditos Portuguezes dos Séculos XIV e XV, 2 e 3, Coimbra: Real Imprensa da Universidade, 1829.

26 H. SHARRER e P. PINTO, art. cit., p. 484-486; p. 488-493.

27 Editado por Joaquim Mendes de CASTRO, Bíblia de Lamego. Edição e Estudo, 2 vol., s/l: ed. autor, 1998.

28 A existência prévia de uma tradução da vulgata, compatível com a cronologia da elaboração do testemunho lamecense, é proposta por Augusto Aires NASCIMENTO, «Dizer a Bíblia em Português», in: AA. VV., A Bíblia e suas edições em Língua Portuguesa, s/l: Edições Universitárias Lusófonas/Sociedade Bíblica Portuguesa, 2010, p. 40.

29 Contrariamente ao que foi proposto em M. LEITE, «Os testemunhos da tradução portuguesa da Historia Scholastica de Pedro Comestor: consequências ideológicas da selecção de fontes», Cahiers d´études hispaniques médiévales, 33, 2010, p. 183-194, a Bíblia de Lamego poderá ser na verdade uma cópia de Alcobaça e não uma versão irmã. Ver M. LEITE., «Na Senda de S. Jerónimo: as bíblias portuguesas produzidas a partir da Historia Scholastica de Pedro Comestor», in A. Espírito Santo, M. C. Pimentel, P. F. Alberto e R. Furtado, op. cit., p. 497-505.

30 Sobre a dimensão universal na historiografia alfonsina, veja-se Inés FÉRNANDEZ ORDÓÑEZ, «The Imperium in Alfonso X’s Historiography», The medieval chronicle, 13, 2020, p. 1-32; para o caso específico da Estoria de España, veja-se Rosa RODRÍGUEZ PORTO, «The Pillars of Hercules: The Estoria de Espanna (Escorial, Y.I.2) as Universal Chronicle», in: Michele CAMPOPIANO e Henry BAITON (eds.), Universal Chronicles in the High Middle Ages, York: York Medieval Press/Boydell & Brewer, 2017, p. 223-254, assim como o estudo, incluído no presente volume de e-Spania, de Elena CAETANO, «La historiografía del Dominium Mundi: Universalismo en la Estoria de Espanna».

31 Conforme demonstrou D. CATALÁN, «Los modos de producción y ‘reproducción’ del texto literario y la noción de apertura», in: Antonio CARREIRA, Jesús Antonio CID, Manuel GUTIÉRREZ ESTEVE e Rogelio RUBIO (orgs.), Homenaje a Julio Caro Baroja, Madrid: Centro de Investigaciones Sociologicas, 1978, p. 245-270.

32 Trata-se do testemunho F, Escorial O-I-2, editado por Ramón MARTÍNEZ-LOPEZ, General Estoria. Versión Gallega del Siglo XIV, Oviedo: Facultad de Filosofia y Letras, 1963.

33 Veja-se José Carlos Ribeiro MIRANDA, «A Crónica de 1344 e a General Estoria: Hércules e a Fundação da Monarquia Ibérica», in: Marta HARO (ed.), Literatura y Ficción: “estorias”, aventuras y poesía en la Edad Media, València: Universitat de València, p. 209-224.

34 Conforme demonstra M. R. FERREIRA, «Pedro de Barcelos: sangue, natura e a ordem do Mundo», in: M. R. FERREIRA e José Carlos Ribeiro MIRANDA (orgs.), Natura e Natureza no Tempo de Afonso X, Porto: Edições Húmus, 2015, p. 51-70.

35 Veja-se M. LEITE, «Entre galego-português e castelhano: sobre a marginalia da tradução dos Salmos no manuscrito R da General Estoria de Afonso X», in: Marta Negro Romero, Rosario. Álvarez e Eduardo Moscoso Mato (eds.), Gallæcia. Estudos de lingüística portuguesa e galega, Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela/Portal Dixital de Libros da USC, 2017, p. 893-903.

36 M. LEITE, «Mutações do Império: sobre as facetas de Troia na obra e legado de Pedro de Barcelos», Guarecer. Revista Electrónica de Estudos Medievais, 3, 2018, p. 37-56.

37 Sugerido em M. LEITE, A General Estoria de Afonso X em Portugal. As múltiplas formas de receção do texto alfonsino entre os séculos XIV a XVI, Porto: Universidade do Porto, 2012, p. 54-58 [tese de doutoramento], Ver ainda «O "liuro da troya" no Livro da Virtuosa Benfeitoria do Infante D. Pedro: uma recepção indirecta da General Estoria de Afonso X?», Troianalexandrina: Anuario sobre Literatura Medieval de Materia Clasica (no prelo).

38 Ver Francisco BAUTISTA, «El Final de la General Estoria», Revista de Filología Española, 95 (2), 2015, p. 251-278.

39 Sobre os Autos dos Apóstolos, a sua relação com a GE e recepção portuguesa, veja-se F. BAUTISTA, «Alfonso X, Bernardo de Brihuega y la General estoria», Atalaya, 17, 2017, p. 7-9, disponível em [https://doi.org/10.4000/atalaya.2954].

40 Os primeiros a ser descobertos foram identificados por Mário MARTINS, «Fragmentos medievais Portugueses», Brotéria, 50, 1950, p. 403-414.

41 Arthur ASKINS, Aida Fernanda DIAS e H. SHARRER, «Um Novo Fragmento da General Estoria de Afonso X em Português Medieval», Biblos, Série IV, p. 93-124 (reimpressão de Santa Barbara Portuguese Studies, 6, 2002, p. 134-156).

42 Sobre a tradição da General Estoria em Portugal, veja-se M. LEITE, op. cit., e «Tradução e tradição da General Estoria em Portugal: sobre o fragmento ANTT, cx. 13, m. 10 nº 30», in: J. C. R. MIRANDA et al. (eds.), En Doiro, antro Porto e Gaia: Estudos de Literatura Medieval Ibérica, Porto: Estratégias Criativas, p. 611-618.

43 Ainda assim, cremos que será importante voltar a considerar, noutra sede, as descrições de territórios, cidades e percursos, nestas Bíblias portuguesas.

44 Como ocorre com o Kitab al-masâlik wal-mamâlik. Sobre as obras de cariz geográfico usadas na cronística universal alfonsina, veja-se Arnald STEIGER, «Tradición y fuentes islámicas en la obra de Alfonso el Sabio», Revista del Instituto Egipcio de Estudios Islámicos, 3, 1955, p. 93-109, especialmente p. 101-109.

45 Conforme já haviam feito notar Duarte LEITE, Acerca da «Crónica dos feitos da Guinee», Lisboa: Livraria Bertrand, 1941, e Joaquim de CARVALHO, «Sobre a erudição de Gomes Eanes de Zurara (notas em torno de alguns plágios deste cronista)», in: Obra completa, II. História da Cultura, 1948-1955, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983, p. 185-340.

46 Dado o estado do fragmento, é necessário acompanhar a sua leitura com o texto castelhano.

47 Seguimos a edição coordenada por Pedro SÁNCHEZ-PRIETO BORJA, Alfonso X el Sábio, General Estoria, Madrid: Fundación José António de Castro, 2009, I, 1, p. 377-378.

48 Usamos aqui a transcrição disponível em M. LEITE, op. cit., p. 285, à qual acrescentámos alguns grafemas para maior legibilidade, indicados entre parênteses.

49 Corrigido de «escolarce».

50 GE I, ed. 2009, p. 376-377.

51 Num estudo detalhado sobre esta passagem da GE, Isabel Barros DIAS, assinala que «O que mais nos impressiona na descrição de Atenas como cidade da sabedoria é o seu carácter simultaneamente utópico e vivido», sublinhando ainda que «o trecho sobre Atenas distingue-se [...] por se revestir de um carácter laico e não alegórico». Ver I. B. DIAS, «Atenas na General Estoria Afonsina: mito e metáfora», in: Ana Luísa VILELA et al. (ed.), Representações do mito na história e na literatura, Évora: Universidade de Évora/CEL, 2014, p. 91-108, p. 102.

52 O fundamento para história de Atenas na GE é retirado do Pantheon de Godofredo de Viterbo, menos detalhado do que a versão castelhana. Contudo, mesmo que os compiladores alfonsinos pudessem ter tido acesso a uma versão do Pantheon onde constem mais elementos, a sua intervenção não deixa de ser fundamental e significativa para a apresentação deste mapa de Atenas: id., ibidem.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Mariana Leite, « «Livros, Cronicas, Estorias»: um mapeamento da historiografia universal portuguesa », e-Spania [En ligne], 42 | juin 2022, mis en ligne le 24 juin 2022, consulté le 12 août 2022. URL : http://journals.openedition.org/e-spania/44800 ; DOI : https://doi.org/10.4000/e-spania.44800

Haut de page

Auteur

Mariana Leite

FCT-SMELPS/IF/Universidade do Porto

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search