Navigation – Plan du site

AccueilNuméros42Escrita do Tempo, escrita do Mund...Pedro de Barcelos e a primitiva h...

Escrita do Tempo, escrita do Mundo: historiografia universal na Ibéria dos séculos XII a XV

Pedro de Barcelos e a primitiva história universal: da Bíblia ao Livro de Linhagens

Rafaela Câmara Simões da Silva

Résumés

Dans cet article, nous proposons d'aborder la réception de la tradition biblique dans l'écriture historique et généalogique de Pedro Afonso, comte de Barcelos, notamment dans son Livro de Linhagens dans lequel l'auteur construit une vision universaliste du temps et de l'histoire. Nous accorderons dans cette étude une attention particulière au Titre I du Livro de Linhagens dans lequel se concentre majoritairement la matière biblique, tout en tenant compte des spécificités de cette section de l'ouvrage où la matière généalogique universelle est contextualisée au temps des origines de « la lignée des hommes ».
Nous espérons ainsi apporter une nouvelle contribution à la compréhension de la fonctionnalité structurante des éléments bibliques déjà hérités de ses sources, habilement maniés par Pedro de Barcelos dans la construction de son discours historiographique et génealogique.

Haut de page

Notes de la rédaction

Este artigo foi desenvolvido no âmbito do projeto MELE (Da Memória Escrita à Leitura do Espaço, POCI-01-0145-FEDER-032673), cofinanciado pelo Programa Operacional Competitividade e Internacionalização (POCI), através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), e por fundos nacionais através da FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia).

Texte intégral

  • 1 José MATTOSO, Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, Edição crítica, 2 vol., Lisboa: Academia das Ci (...)
  • 2 É consensual a ideia de que o Livro de Linhagens foi objeto de duas refundições pouco após a sua re (...)
  • 3 Embora um trabalho exaustivo sobre a fontes do Conde D. Pedro para o Livro de Linhagens esteja por (...)
  • 4 Segundo Diego CATALÁN, De Alfonso X al Conde de Barcelos. Cuatro estudios sobre el nacimiento de la (...)
  • 5 Cf. José Carlos MIRANDA, «A Crónica de 1344 e a escrita profética», e-Spania [En ligne] 25, octobre (...)

1O Livro de Linhagens1, composto por Dom Pedro, Conde de Barcelos, na década de 1340, e depois sujeito a várias reformulações e acrescentos2, testemunha uma extraordinária reinvenção e (re)construção da memória hispânica que o autor, naturalmente familiarizado com o paradigma das histórias universais coevas, e conhecedor de tradições historiográficas anteriores3, enraíza no Livro Sagrado. Com efeito, a escrita sobre o Tempo e a História, seguindo um processo inaugurado por Eusébio de Cesareia e prosseguido por S. Jerónimo4, seguia a conhecida articulação e compatibilização do Tempo bíblico na sua conceção unitária, iniciado na Criação da humanidade, com acontecimentos históricos exteriores à cultura hebraica e cristã, adquirindo a totalidade da narrativa, por conseguinte, um cunho de alguma forma providencialista5.

  • 6 Cf. Maria do Rosário FERREIRA, «Pedro de Barcelos e a salvação da Espanha, in: Samuel DIMAS, Renato (...)

2Assim sucede com o Livro de Linhagens, texto historiográfico de vertente genealógica, onde o Conde inaugura o processo de descrição e de legitimação das linhagens da Espanha, ancorando-as no Tempo da origem do mundo. Numa estratégia discursiva que busca a legitimação do presente através da apologia do passado, Pedro de Barcelos constrói a sua versão da História da Humanidade fundamentando-a nos textos veterotestamentários6.

  • 7 Diego CATALÁN e Maria Soledad de ANDRÈS (1970), Edición Crítica del Texto Español de la Crónica de (...)
  • 8 Louis COOPER (ed.), El Liber Regum. Estudio linguístico, Zaragoza: Institución «Fernando el Católic (...)
  • 9 Josefa FERRANDIS MARTINEZ (ed.), Libro de las Generaciones, Valencia: Anubar (Textos Medievales, 23 (...)
  • 10 Veja-se a incontornável compilação de estudos de Maria do Rosário Ferreira: Pedro de Barcelos…, ent (...)

3No que concerne a redação da matéria universal de matriz bíblica, Pedro de Barcelos recorreu ao Liber Regum, como fonte genealógica7, em duas versões desta obra: o Liber Regum vilarense8 (c. de 1200) e o Libro de las Generaciones9 (c. de 1260). Esta obra genealógica, que conheceu grande sucesso em solo peninsular, podendo entender-se como um compromisso entre a crónica universal e a genealogia régia, oferecia ao Conde um modelo perfeitamente ajustado ao seu projeto de escrita e ao seu desenho histórico10. Deste modo, o Livro de Linhagens parece dialogar com o Liber Regum, retendo desta obra, sobretudo, a sua dimensão genealógica assumida como eixo articulador da História.

  • 11 Jared M. AUGUST, «The toledot structure of Genesis: hope of promise», BSAC, 174/645, Jul 2017, p. 2 (...)
  • 12 Génesis 2:4; 5:1; 6:9; 10:1 e 32; 11:10 e 27; 28:12-13; 25:19; 36:1 e 9; 37:2.
  • 13 Cf. Nathaniel Philippe SANDER e Isaque TRENEL (ed.), Dictionnaire Hébreux-Français, Genève: Slatkin (...)
  • 14 O primeiro relato da Criação (Génesis 1:1-2:4) apresenta uma estrutura literária genealógica, corro (...)
  • 15 Génesis 2:4 (sublinhado nosso). Citamos a versão da Vulgata latina (Biblia sacra: iuxta vulgatam ve (...)
  • 16 O número dez na Bíblia é frequentemente símbolo de plenitude (Jacques DOUKHAN (ed.), Genesis: SDA I (...)
  • 17 Segundo George Mendenhall, existe um ritmo padrão na história sagrada que corresponderia aproximada (...)
  • 18 Para uma abordagem aprofundada deste assunto, veja-se a monumental obra de Johnson MARSHALL, Geneal (...)
  • 19 A função das toledot no Génesis consistia no estabelecimento do caráter histórico da narrativa, ou (...)

4Esta última modalidade da escrita bíblica, a genealogia, tem um papel fundamental na constituição do primeiro livro da Bíblia – o Génesis11. De facto, o Génesis, ou o Bereshit, segundo a designação judaica, apresenta uma estrutura peculiar, sendo organizado em torno de um conceito-chave – toledot12 (genealogia, geração, posteridade), palavra hebraica que tem por raiz yalad (com sentido biológico de «nascimento»)13. Na sua estrutura, o Génesis é composto por dez genealogias, distribuídas em duas secções, começando com a Criação, a primeira toledot da Bíblia14 identificada na conclusão do relato: «Istae sunt generationes caeli et terrae, quando creatae sunt»15. Outro aspeto significativo da escrita genealógica bíblica prende-se com o número dez em torno do qual as primeiras toledot estão organizadas, como é o caso do registo linhagístico que vai de Adão a Noé e daquele que vai de Noé até Abraão. A simbologia deste número, geralmente associado à ideia de plenitude16, confere especial significado à história dos primeiros homens, associada a um certo ritmo cronológico17 que parece, de facto, marcar as principais sequências genealógicas do Antigo Testamento18. A estes dados curiosos da construção e organização do livro do Génesis acresce a noção de que, no âmbito da cultura semítica, pertencer a uma linhagem constitui uma garantia da existência histórica do indivíduo, e é a partir da genealogia que se constrói a História19. Não surpreende, pois, que a questão genealógica continue a exercer na obra de Pedro de Barcelos uma função estruturante, já herdada das suas fontes, constituindo o Génesis um modelo de organização no Título I do Livro de Linhagens, onde a História da Humanidade, melhor dizendo, das gerações humanas, recua às suas origens. É, efetivamente, no Título I que a matéria bíblica se encontra principalmente reunida, valendo a pena atentar nas particularidades da escrita do Conde que uma análise comparativa do Livro de Linhagens e da sua já mencionada fonte, o Liber Regum, nas versões a que o Conde de Barcelos teve acesso, permite pôr em evidência.

  • 20 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 59.
  • 21 Citamos o nome conforme a grafia do Livro de Linhagens e das suas fontes. Para mais fácil entendime (...)
  • 22 Cf. J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 59.
  • 23 Loc. cit.
  • 24 O termo «secção» que empregamos ao longo deste estudo não corresponde forçosamente à organização e (...)
  • 25 L. COOPER, ed. cit., p. 17.

5Com esse objetivo, passamos a descrever o Título I, «Dos filhos que Adam houve e de sa geeraçom»20. Uma primeira genealogia é iniciada em Adam (Adão)21 até chegar a Noe, contabilizando dez gerações: Adam (Adão), Seth (Set), Enos, Caynam (Quenan), Malalael (Maalaleel), Jareth (Jered), Enoch (Henoc), Matusalem, Lamech (Lamec) e Noe22. Segue-se a declaração «Acaba-se ũa geraçom da idade do segre»23. Esta secção genealógica24 corresponde ao período que vai desde a Criação ao Dilúvio. É de notar que apenas a versão vilarense do Liber Regum explicita a contabilização final de dez gerações: «Tro aqui a una edat & X generaciones»25.

  • 26 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 60. A grafia dos nomes no Liber Regum é a seguinte: Noe, Sem, Arfa (...)
  • 27 Loc. cit.

6A segunda secção do Título I é iniciada em Noe, terminando em Tare (Tera) 26: Noe, Sem, Arphaxat (Arfaxad), Sale (Chela), Heber, Faleth (Péleg), Ragau (Reú), Saruch (Serug), Nacor (Naor) e Tera. De acordo com a enumeração linear de nomes, e apesar de o esquema genealógico se apresentar, no seu final, segmentado através da menção aos três filhos de Tera, entre os quais o célebre patriarca Abraão, também esta linhagem perfaz um número total de dez gerações, e o Livro de Linhagens uma vez mais comenta «Acabam-se as duas idades do segre»27.

  • 28 Ibidem, p. 60-62.
  • 29 Cf. Mateus 1:1-17.
  • 30 Cf. Lucas 3:23-38.

7A terceira secção é iniciada com a história de Abraão, filho de Tare. Embora não seja contabilizado o mesmo número de dez gerações, esta curta genealogia é urdida sobre um largo relato de eventos associados aos quatro mais importantes patriarcas da história sagrada: Abraão, Isaac, Jacob e José28. Esta breve genealogia contabiliza, na verdade, três gerações, uma vez que apenas Abraão, Isaac e Jacob constituem antepassados de Cristo, de acordo com o registo genealógico fornecido nos Evangelhos de Mateus29 e Lucas30.

  • 31 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 62.
  • 32 «Agora tornaremos a las generationes de Jacob» (J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 16).
  • 33 A história de José termina no Liber Regum com a referência à sua morte e aos anos que se seguiram d (...)
  • 34 Cf. Génesis 37-47 e 50:20.
  • 35 Génesis 15:13-14.
  • 36 A ideia de que de Judá parte a dinastia régia é aliás anunciada na profecia e bênção que Jacob prof (...)
  • 37 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 62-63.

8De seguida, no Título I, o Livro de Linhagens retoma a geração de Jacob para dar continuidade à narrativa genealógica («Agora tornaremos aa geraçom de Jacob»31), indicação explícita registada na sua fonte, o Libro de las Generaciones32. Esta indicação redacional permite reorientar a sequência genealógica, menos clara no Liber Regum vilarense33, iniciando em Judá, um dos doze filhos de Jacob uma nova contagem genealógica. Ainda que a secção anterior tivesse o seu término em José, outro dos filhos de Jacob, a sua inclusão e menção também não se justifica por razões genealógicas, mas pela sua importância na contextualização necessária à história sagrada. Efetivamente, este filho de Jacob teve um papel fundamental na proteção do clã patriarcal34, aquando da fome que levou os filhos de Jacob a deslocarem-se para o Egito, onde posteriormente o povo hebreu é escravizado e, por fim, libertado por Deus, conforme a profecia declarada a Abraão35. Será através de Judá, o quarto filho de Jacob, que a linhagem sagrada irá ter continuidade, dando ele origem à dinastia régia36. Nesta enumeração genealógica do conde de Barcelos, os nomes sucedem-se: Juda, Phares (Peres), Esron, Aram (Rame), Aminadab, Naasom (Nachon), Salmom, Boz, Obeth (Obed) e Jessé37. Ora, não é exatamente desta forma que o relato genealógico termina no Liber Regum vilarense, nem tão-pouco no Libro de las Generaciones, fontes do Livro de Linhagens. Por um lado, encontramos no Liber Regum a mesma enumeração apresentada no texto do Conde, estando, contudo, David incluído no texto vilarense:

  • 38 L. COOPER, ed. cit., p. 19.

Jhesse ouo fillo a Dauid, & untolo Samuel el propheta por rei en Bethleem & en Iudea & en Isreal38.

9Do lado do Libro de las Generaciones, algo semelhante se verifica:

  • 39 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 17.

et ouo fijo a Jesé, el padre de Davit […] et esleyó a Davit, el fijo de Jesé, por rey, et metiole Samuel la [sic] propheta por rey en Betlem, et fo omne que temió al creador en sus tonaresas, et fue rey sobre Judea et sobre Ysrael39.

  • 40 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63.
  • 41 I Samuel 15:28 e 16:1.
  • 42 I Samuel 9:1-2.

10David é também aí mencionado como filho de Jessé, ungido pelo profeta Samuel como rei de Israel. Face a esta discrepância entre o Livro de Linhagens e os textos que lhe estavam a montante, perguntamo-nos se, ao eliminar o nome de David desta quarta secção genealógica, contrariando assim o que constava no Liber Regum e no Libro de las Generaciones, o Conde D. Pedro não estaria propositadamente a reconfigurar esta secção em torno, uma vez mais, do número de dez gerações. Por outro lado, ainda que esta secção do Título I do livro do Conde seja encerrada com a muito breve menção à unção de Saul como rei de Israel («En aquel tempo ungeo Samuel, o profeta, Saul por rei sobre Israel»40), este nome não interfere na contagem de gerações, uma vez que esse monarca, que será destituído pelo próprio Deus41, não pertence à linhagem de Judá, mas sim à de Benjamim42. Saul não é sequer evocado no Liber Regum, mas algumas palavras lhe serão dedicadas no Libro de las Generaciones, além daquelas que encontramos no Livro de Linhagens:

  • 43 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 17.

esleyó Dios Saul por rey sobre Ysrael. Et después non quiso crer a Dios, ni fizo su mandamiento, et desitolo Dios43.

11Esta divergência observada entre o Livro de Linhagens e as versões do Liber Regum parece manifestar uma subtil manipulação da informação recebida, que D. Pedro seleciona, recombina e organiza de modo a reconduzir o seu desenho genealógico ao molde bíblico das dez gerações.

12Tentemos averiguar se esse é, de facto, um propósito organizacional persistente no esboço genealógico do Título I, ou se o retorno ao número dez neste ponto da narrativa não será mais do que uma mera coincidência na leitura da narrativa.

  • 44 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63.
  • 45 A respeito de David é dito no Liber Regum que este fora um «buen rei e buen propheta» (L. COOPER, e (...)
  • 46 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63 (sublinhado nosso).
  • 47 Ozias é o nome mencionado no Livro de Linhagens, correspondendo nos textos veterotestamentários a A (...)
  • 48 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63-65.
  • 49 Atália terá, aliás, outro tipo de tratamento na Crónica de 1344, como se poderá constatar através d (...)
  • 50 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 65.
  • 51 Após o assassinato do seu filho Acazias, Atália decide exterminar toda a linhagem real da casa de J (...)
  • 52 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63 (sublinhado nosso).
  • 53 Ibidem, p. 65. O sublinhado é nosso.
  • 54 L. COOPER, ed. cit., p. 21.
  • 55 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 20.
  • 56 Cf. II Crónicas 26:1 e II Reis 14:21.
  • 57 De notar que o nome deste rei é erradamente comunicado no Livro de Linhagens, mas de igual modo ref (...)
  • 58 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 65-68.
  • 59 Cf. L. COOPER, ed. cit., p. 21 e J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 20.
  • 60 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 68.
  • 61 L. COOPER, ed. cit., p. 23.
  • 62 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 23.
  • 63 Mateus 1:11-12.
  • 64 Veja-se, neste contexto, a análise de Maria do Rosário Ferreira no já citado artigo «Pedro de Barce (...)
  • 65 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 69.
  • 66 Loc. cit. O Conde cita neste ponto literalmente o texto do Evangelho de Mateus: «Depois da deportaç (...)

13A quinta secção genealógica é explicitamente iniciada em David, com subtítulo próprio, «De David, Rei sobre Juda e Jerusalem, e de Seu filho, Rei Salamão»44. Agora sim, Pedro de Barcelos reserva a esse rei os bons epítetos atribuídos na sua fonte, o Liber Regum45, todavia intensificados: «foi homem que temeo a Deus, e foi mui bõo rei e bõo profeta»46. Nesta nova dinastia de reis, inaugurada por David, os nomes dos seus sucessores são enumerados, interpolados pela caracterização dos diferentes monarcas ou por alguns detalhes contextuais: David, Salamon (Salomão), Roboam, Abia (Abias), Asa, Josaphat (Josafá), Joram, Ozias (Acazias)47, Joas e Amasias48. Nesta lista de dez nomes não está incluída a ímpia rainha «Athaha» (Atália)49, filha de Jezabel e Acabe, e mãe de Ozias (Acazias). O seu nome é contudo mencionado no âmbito do morticínio de «todos os que eram do linhagem d’el rei»50, por ela engendrado, afigurando-se neste sentido Atalia uma ameaça à continuidade da descendência régia de Judá. Em nítido contraste surge o nome de «Jozade» (Jeosabeate), valorizada pela sua coragem ao preservar a vida do único descendente da casa de Judá – Joas51. Esta primeira lista parece, na verdade, corresponder a um primeiro ciclo de governantes em Judá artificialmente desenhado em torno do mesmo número dez, observado nas anteriores genealogias. Nesse sentido parecem apontar a adjetivação do Conde relativa ao primeiro e ao último rei desta. Se já David fora classificado pelo autor do Livro de Linhagens como «muy bõo rei»52, o mesmo se verifica com o décimo rei, Amasias, também ele «mui boo rei e mui dereito»53, uma vez mais superlativado comparativamente ao que se encontrava na fonte: «fo buen rei e dreiturero»54, «fo bom rey et drethurero»55. Amasias fecha, assim, mais um ciclo de dez gerações. Em seguida, a lista de reis de Judá continua, abrindo-a agora Ozias, mais conhecido na Bíblia por Azarias ou Uzias56, um novo ciclo de dez gerações: Ozias, Joatam, Acaz, Ezechias (Ezequias), Manasses, Amom, Josias, Joas57, Joachim (Joaquim ou Eliaquim) e Joachim (Joiaquin ou Jeconias)58. Pouca informação é dada sobre Ozias, aludindo-se no Livro de Linhagens, da mesma forma que nas fontes, o Liber Regum e o Libro de las Generationes, apenas à doença contraída pelo monarca, a lepra, até ao dia da sua morte59, informação que marcaria pejorativamente o caráter deste rei, estabelecendo um contraste com o anterior monarca. Apesar de Sedechias (Zedequias) estar também incluído nesta quinta secção genealógica, caracterizado por Pedro de Barcelos como «mui mao rei e descumunal»60 intensificando igualmente, neste ponto, a (des)qualificação deste monarca relativamente à informação recebida das fontes («fo mal rei e desleial»61, «fo mal rey et desleal»62), não deve entrar na contabilização de gerações, uma vez que este rei não integra a linhagem de Cristo. De facto, à semelhança do que comentámos no caso de José, no âmbito da terceira genealogia do Livro de Linhagens, também este cômputo genealógico segue a lógica da ascendência messiânica, conforme dá a conhecer o Evangelho de Mateus63. Outra lógica e tratamento se verificam na Crónica de 1344 relativamente à sucessão destes reis de Judá, prevalecendo nesse texto uma perspetiva política64. No caso do Livro de Linhagens, é sem dúvida o critério genealógico aquele que preside à urdidura da matéria bíblica da obra. Será, com efeito, através do rei Joachim que a linhagem sagrada é continuada, e não por Sedechias. Nesta ótica, não será certamente por acaso que o rei Joaquim é novamente mencionado no fecho desta quinta secção genealógica, curiosamente apresentado com um nome diferente – Jeconias. O fio condutor da narrativa genealógica não se perde, mas é retomado no contexto do cativeiro babilónico, aludindo-se à deportação a que foi sujeito este rei e «todo o seu parentesco»65. Aliás, neste ponto, a narrativa genealógica é direcionada para a sucessão de genealogias descritas no já referido Evangelho de Mateus, seguindo o Conde a sua fonte (o Liber Regum e o Libro de las Generaciones) na citação do texto bíblico: «onde diz o Evangelho “In transmigrationem Babilonis”»66.

  • 67 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 69.
  • 68 Ibidem, p. 69-70.
  • 69 Cf. L. COOPER, ed. cit., p. 24 e J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 24.
  • 70 Mateus 1:11-16.
  • 71 A narrativa genealógica registada no Evangelho de Mateus contém, aliás, um dado curioso. Esta genea (...)

14Com efeito, a última secção genealógica do Título I, introduzida pela intitulação, exclusiva do Livro do Conde «Do tempo que os filhos de Israel nam houveram rei nem princepe de seu linhagem atee vinda de Christo»67, tem início precisamente no contexto do cativeiro babilónico, havendo-se já extinguido a monarquia de Judá. Jeconias é de novo trazido à narrativa, encabeçando a sexta e última genealogia do Título I, enumerada na ordem seguinte: Jeconias, Salatiel, Zorobabel, Abiud, Eliachim (Eliaquim), Achim (Aquim), Eliud, Jacob, Joseph (José) e Christo68. Esta última secção perfaz, uma vez mais, o número de dez gerações. Interessante será notar que, se consultarmos a mesma enumeração genealógica no Liber Regum e no Libro de las Generaciones, veremos que as duas fontes do Livro de Linhagens apresentam outros nomes além daqueles mencionados pelo Conde. Numa comparação entre os três textos, o leitor atento deparar-se-á com a surpreendente existência de quatro nomes presentes no Liber Regum e no Libro de las Generaciones, mas que não comparecem no Livro de Linhagens: Azor, Sadoch, Eleazer e Mathan69. A fonte bíblica, o Evangelho de Mateus, fornecia já os nomes apresentados nesses dois textos, e na mesma ordem (Jeconias, Salatiel, Zorobabel, Abiúde, Eliaquim, Azor, Sadoque, Aquim, Eliúde, Eleazer, Matã, Jacob e José70). A informação contida no Livro do Conde diverge, pois, daquela que lhe foi transmitida. Ora, se pensarmos na lógica que até aqui detetamos na distribuição e organização das genealogias bíblicas do Título I, não será completamente descabida a ideia de que se tratará de uma nova manobra do Conde. À semelhança do que observámos anteriormente, mas agora de forma mais flagrante ainda, Pedro de Barcelos terá selecionado a informação de que dispunha na sua fonte, manipulando-a de forma a construir a última linhagem do período sacerdotal, que culminará em Cristo, segundo o mesmo molde bíblico das dez gerações que vinha utilizando. Com efeito, na composição da sexta secção genealógica do Título I, Pedro de Barcelos afasta-se da sua fonte (o Liber Regum e Libro de las Generaciones), e indiretamente também da fonte bíblica (o capítulo 1 do Evangelho de Mateus71), com o objetivo de conformar a sua última genealogia com o esquema repetido das dez gerações desenvolvido no livro de Génesis. Para concretizar esse padrão bíblico, o Conde teve de sacrificar alguns dos nomes dos antepassados de Cristo registados na Escritura Sagrada.

15Perante estes dados e a respectiva análise, uma conclusão se impõe. Para além do material recolhido no Liber Regum nas suas diferentes versões, Pedro de Barcelos parece manifestar na sua obra genealógica um conhecimento meticuloso da matéria bíblica que minuciosamente aplica, não se coibindo de um desvio das suas fontes. Tal como tentámos comprovar, a sua construção da memória, numa visão universalizante perspetivada e iniciada no tempo das origens e na história sagrada, parece alicerçar-se num conhecimento aprofundado da estrutura do Génesis. De facto, as toledot e a organização genealógica enformada no número de dez gerações parecem constituir elementos estruturantes na construção da matéria universal de cariz bíblico no Livro de Linhagens. O Título I da monumental obra genealógica de D. Pedro de Barcelos poderá exercer para o Livro de Linhagens a mesma função que ao Génesis pertence relativamente ao conjunto bíblico, conferindo-lhe o Conde não só um estatuto fundacional semelhante, como também uma estrutura que em muito relembra o Bereshit.

Haut de page

Notes

1 José MATTOSO, Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, Edição crítica, 2 vol., Lisboa: Academia das Ciências (Portugaliae Monumenta Historica, Nova Série), 1980.

2 É consensual a ideia de que o Livro de Linhagens foi objeto de duas refundições pouco após a sua redação (cf. J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 41-47). Trabalhos recentes apontam para que essas refundições tenham ocorrido de uma forma complexa e mais dilatada no tempo. Sobre este assunto, ver Maria do Rosário FERREIRA, «A estratégia genealógica de D. Pedro, Conde de Barcelos, e as refundições do Livro de Linhagens», in: Maria do Rosário FERREIRA (ed.), Pedro de Barcelos e a Escrita da História, Porto: Estratégias Criativas, 2019, p. 91-118; José Carlos Ribeiro MIRANDA, «Em torno do Livro de Linhagens de Pedro de Barcelos (II). Do livro às reformulações: hipóteses e argumentos», in: María Jesús LACARRA (coord.) e Nuria ARANDA GARCÍA, Ana M. JIMÉNEZ RUIZ e Ángela TORRALBA RUBERTE (ed.), Literatura medieval hispánica: «Libros, lecturas y reescrituras», San Millán de la Cogolla: Cilengua, 2019, p. 781-798; João Paulo Martins FERREIRA, «De Rodrigo a Rodrigo: Os testemunhos da conquista das Beiras por Fernando Magno na obra do Conde D. Pedro e a sua relação com as personagens de Rodrigo Dias de Vivar e de Rodrigo Froilaz de Trastâmara», e-Spania [En ligne], 40, octobre 2021. Disponível em [http://journals.openedition.org/e-spania/42323].

3 Embora um trabalho exaustivo sobre a fontes do Conde D. Pedro para o Livro de Linhagens esteja por fazer, ao longo do texto são citadas várias «crónicas» e «estórias», onde não falta a referência a Afonso X que «fez as Sete Partidas das leis e outros livros muitos» (J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 111). Estas indicações concentram-se, naturalmente, nos títulos iniciais da obra.

4 Segundo Diego CATALÁN, De Alfonso X al Conde de Barcelos. Cuatro estudios sobre el nacimiento de la historiografia romance en Castilla e Portugal, Madrid: Gredos, 1962, os Cânones Crónicos de Eusébio-Jerónimo virão a ser fonte direta da mais vasta obra do Conde Dom Pedro, a Crónica de 1344.

5 Cf. José Carlos MIRANDA, «A Crónica de 1344 e a escrita profética», e-Spania [En ligne] 25, octobre 2016. Disponível em [https://journals.openedition.org/e-spania/26194].

6 Cf. Maria do Rosário FERREIRA, «Pedro de Barcelos e a salvação da Espanha, in: Samuel DIMAS, Renato EPIFÂNIO e Luís LÓIA (org.), Redenção e Escatologia. Estudos de Filosofia, Religião, Literatura e Arte na Cultura Portuguesa, Paris: Nota de Rodapé Edições, 2015, t. 1, vol. 1, p. 105-118.

7 Diego CATALÁN e Maria Soledad de ANDRÈS (1970), Edición Crítica del Texto Español de la Crónica de 1344 que Ordenó el Conde de Barcelos don Pedro Alfonso, Madrid: Gredos; Francisco BAUTISTA, «Original, versiones e influencia del Liber Regum: estudio textual y propuesta de stemma», e-Spania [En ligne] 9, juin 2010. Disponível em [https://journals.openedition.org/e-spania/19884].

8 Louis COOPER (ed.), El Liber Regum. Estudio linguístico, Zaragoza: Institución «Fernando el Católico», 1960.

9 Josefa FERRANDIS MARTINEZ (ed.), Libro de las Generaciones, Valencia: Anubar (Textos Medievales, 23), 1968.

10 Veja-se a incontornável compilação de estudos de Maria do Rosário Ferreira: Pedro de Barcelos…, entre os quais destacamos, «Pedro de Barcelos e a representação do passado ibérico», p. 15-44, e «O Liber Regum e a ideia de Espanha na obra de Pedro de Barcelos», p. 45-70. Para uma perspetiva global da obra do Conde, veja-se, no mesmo volume, «O projeto de escrita de Pedro de Barcelos» (com J. C. R. MIRANDA), p. 219-244, e «Pedro de Barcelos e a salvação da Espanha», p. 199-217 (principalmente, p. 201-203). Para uma nova abordagem sobre os princípios estruturantes que presidem à seleção e ordenação da matéria historiográfica na obra do Conde, veja-se, ainda no mesmo volume, «Pedro de Barcelos e Fibonacci», p. 71-87.

11 Jared M. AUGUST, «The toledot structure of Genesis: hope of promise», BSAC, 174/645, Jul 2017, p. 267-282; Matthew A. THOMAS, These are the generations. Identity, covenant and the “toledot” formula, New York: T&T Clark International, 2011.

12 Génesis 2:4; 5:1; 6:9; 10:1 e 32; 11:10 e 27; 28:12-13; 25:19; 36:1 e 9; 37:2.

13 Cf. Nathaniel Philippe SANDER e Isaque TRENEL (ed.), Dictionnaire Hébreux-Français, Genève: Slatkine Reprints, 2012.

14 O primeiro relato da Criação (Génesis 1:1-2:4) apresenta uma estrutura literária genealógica, corroborada na fórmula conclusiva do relato (Génesis 2:4) – elleh toledot (literalmente, «estas são as gerações»). Tratar-se-á, de acordo com a análise de diferentes estudiosos, da primeira genealogia de Génesis. Cf. Jacques DOUKHAN, The literary structure of the Genesis creation story, Dissertations. 38, 1978, p. 164-181. Disponível em [https://digitalcommons.andrews.edu/dissertations/38/?utm_source=digitalcommons.andrews.edu%2Fdissertations%2F38&utm_medium=PDF&utm_campaign=PDFCoverPages]; Norman C. HABEL, Literary criticism of the Old Testament, Philadelphia: Fortress Press, 1971, p. 66-68; Gerhard von RAD, Genesis: The Old Testament Library, Philadelphia: Westminster Press, 1961, p. 65. Sobre a estrutura do livro de Génesis, veja-se Marten H. WOUDSTRA, «The toledot of the book of Genesis and their redemptive-historical significance», Calvin Theological Journal, 5, 1970, p. 184-189. No que concerne o relato da Criação e a sua estrutura genealógica, veja-se Bernhard W. ANDERSON, «Creation», in: George A. BUTTRICK (ed.), The interpreter’s dictionnary of the Bible, Nashville: Abingdon Press, 1962, vol. 1, p. 727.

15 Génesis 2:4 (sublinhado nosso). Citamos a versão da Vulgata latina (Biblia sacra: iuxta vulgatam versionem, 4e auflege, Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1994) pela tradução mais próxima da palavra hebraica toledot. Atente-se, a título de curiosidade, na tradução de André CHOURAQUI (La Bible, Paris: Desclée de Brouwner, 1985), transmitindo o sentido biológico do termo hebraico: «Volà les enfantements des ciels et de la terre en leur création» (Génesis 2:4, sublinhado nosso).

16 O número dez na Bíblia é frequentemente símbolo de plenitude (Jacques DOUKHAN (ed.), Genesis: SDA International Bible Commentary, Nampa: Pacific Press, 2016, p. 228), mas pode também expressar a ideia de prova que implica uma recompensa (Jacques DOUKHAN, Secrets of Revelation, Hagerstown: Review and Herald, 2002, p. 32-33), como é o caso dos dez dias que, por sugestão de Daniel, serviram de período de teste para o novo regime alimentar a que o jovem judeu esteve sujeito juntamente com os seus companheiros na corte de Nabucodonosor (Daniel 1:11-15). O calendário judaico reflete esse mesmo significado, nos dez dias que separam a festa das trombetas (Rosh Hashanah) do dia da expiação (Kippur), período de preparação para o grande dia do juízo (cf. Levítico 23:24-27). Interessante será notar que a Mishnah transmite a mesma ideia de prova e recompensa ao falar das dez gerações que vão de Adão a Noé, bem como do mesmo número que vai de Noé a Abraão (Pirkei Avot 5:1-9). De salientar ainda que o mesmo número dez, enquanto símbolo de completude, pode também expressar o sentido da esperança messiânica (J. DOUKHAN (ed.), Genesis…, p. 228), tal como evocado no livro de Daniel, na referência aos dias dos dez reis que antecedem o reino eterno suscitado por Deus (Daniel 2:44).

17 Segundo George Mendenhall, existe um ritmo padrão na história sagrada que corresponderia aproximadamente a dez gerações. Cf. George MENDENHALL, The tenth generation. The origins of the biblical tradition, Baltimore/London: The Johns Hopkins University Press, 1973.

18 Para uma abordagem aprofundada deste assunto, veja-se a monumental obra de Johnson MARSHALL, Genealogy and history in the biblical world, New Haven/London: Yale University Press, 1977.

19 A função das toledot no Génesis consistia no estabelecimento do caráter histórico da narrativa, ou ainda, na corroboração da identidade histórica dos seus intervenientes. A necessidade de comprovar a origem de um indivíduo, característica da cultura do Próximo Oriente, está por exemplo patente na pergunta feita pelo rei Saul ao jovem David: «De quem és filho?» (I Samuel 17:58). A mesma preocupação de validar a ascendência davídica e a linhagem divina de Jesus, a fim de o identificar com o Messias, é manifesta nos Evangelhos, em Mateus 1:1-17, 22:42 e Lucas 3:22-28. Cf. J. DOUKHAN (ed.), Genesis…, p. 42-43.

20 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 59.

21 Citamos o nome conforme a grafia do Livro de Linhagens e das suas fontes. Para mais fácil entendimento, sempre que pertinente indicamos também entre parêntesis a versão normalizada de cada nome, de acordo com a grafia bíblica. Pela maior proximidade revelada no âmbito da onomástica relativamente ao texto hebraico, recorremos à seguinte versão: Bíblia Sagrada, Franciscanos Capuchinhos, Lisboa: Difusora Bíblica, 1993.

22 Cf. J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 59.

23 Loc. cit.

24 O termo «secção» que empregamos ao longo deste estudo não corresponde forçosamente à organização e conceção material concretizada por Pedro de Barcelos no Livro de Linhagens, mas constitui um mero marcador nosso para a averiguação de uma possível distribuição e delimitação das sequências genealógicas em análise.

25 L. COOPER, ed. cit., p. 17.

26 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 60. A grafia dos nomes no Liber Regum é a seguinte: Noe, Sem, Arfaxath, Sale, Eber, Falec, Rau, Saruc, Nachor e Thare (L. COOPER, ed. cit., p. 17-18).

27 Loc. cit.

28 Ibidem, p. 60-62.

29 Cf. Mateus 1:1-17.

30 Cf. Lucas 3:23-38.

31 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 62.

32 «Agora tornaremos a las generationes de Jacob» (J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 16).

33 A história de José termina no Liber Regum com a referência à sua morte e aos anos que se seguiram de cativeiro para os israelitas até à sua libertação, operada por Deus através de Moisés. A narrativa recua logo de seguida, sem qualquer transição, voltando a Jacó («Quando murie Iacob en Egipto, lexo xii fillos…», L. COOPER, ed. cit., p. 18-19), o que pode neste caso quebrar a linha de pensamento que acompanha a sequência genealógica.

34 Cf. Génesis 37-47 e 50:20.

35 Génesis 15:13-14.

36 A ideia de que de Judá parte a dinastia régia é aliás anunciada na profecia e bênção que Jacob profere a respeito dos seus doze filhos, as doze tribos de Israel (cf. Génesis 49:8-10).

37 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 62-63.

38 L. COOPER, ed. cit., p. 19.

39 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 17.

40 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63.

41 I Samuel 15:28 e 16:1.

42 I Samuel 9:1-2.

43 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 17.

44 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63.

45 A respeito de David é dito no Liber Regum que este fora um «buen rei e buen propheta» (L. COOPER, ed. cit., p. 19).

46 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63 (sublinhado nosso).

47 Ozias é o nome mencionado no Livro de Linhagens, correspondendo nos textos veterotestamentários a Acazias, também chamado Jeoacaz (cf. II Crónicas 21:17 e 22:1). Porém, no Evangelho de Mateus referir-se-á ao mesmo rei como Ozias (cf. Mateus 1:8-9). No Libro de las Generaciones, o mesmo rei é denominado Ocozías, mas logo em seguida Ozías (J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 20). No Liber Regum, Occozias é o único nome citado (cf. L. COOPER, ed. cit., p. 21).

48 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63-65.

49 Atália terá, aliás, outro tipo de tratamento na Crónica de 1344, como se poderá constatar através da análise de Maria do Rosário Ferreira, no artigo «Pedro de Barcelos e a História do mundo: de Jerusalém a Roma», no presente número de e-Spania.

50 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 65.

51 Após o assassinato do seu filho Acazias, Atália decide exterminar toda a linhagem real da casa de Judá, sendo, todavia, o seu plano frustrado por Jeosabeate, filha do rei Jeorão e irmã de Acazias. Jeosabeate, mulher do sacerdote Jeoiada, retira do palácio Joás, filho de Acazias, e esconde-o quando prestes a ser morto, preservando assim o único descendente dos reis de Judá (II Crónicas 22:10-12).

52 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 63 (sublinhado nosso).

53 Ibidem, p. 65. O sublinhado é nosso.

54 L. COOPER, ed. cit., p. 21.

55 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 20.

56 Cf. II Crónicas 26:1 e II Reis 14:21.

57 De notar que o nome deste rei é erradamente comunicado no Livro de Linhagens, mas de igual modo referido nas suas fontes, o Liber Regum («Ioaz», L. COOPER, ed. cit., p. 23) e o Libro de las Generaciones («Joaz», FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 23), Tratar-se-á, na verdade, do rei Jeoacaz, filho de Josias (cf. II Crónicas 31:1-2).

58 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 65-68.

59 Cf. L. COOPER, ed. cit., p. 21 e J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 20.

60 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 68.

61 L. COOPER, ed. cit., p. 23.

62 J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 23.

63 Mateus 1:11-12.

64 Veja-se, neste contexto, a análise de Maria do Rosário Ferreira no já citado artigo «Pedro de Barcelos e a História do mundo: de Jerusalém a Roma», no presente número de e-Spania.

65 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 69.

66 Loc. cit. O Conde cita neste ponto literalmente o texto do Evangelho de Mateus: «Depois da deportação para Babilónia» (Mateus 1:11).

67 J. MATTOSO, op. cit., vol. I, p. 69.

68 Ibidem, p. 69-70.

69 Cf. L. COOPER, ed. cit., p. 24 e J. FERRANDIS MARTINEZ, ed. cit., p. 24.

70 Mateus 1:11-16.

71 A narrativa genealógica registada no Evangelho de Mateus contém, aliás, um dado curioso. Esta genealogia omite pelo menos quatro nomes e adota uma estrutura específica delineada através de uma lista numericamente simétrica. Esta estratégia estrutural poderá ter como intenção o facto de se pretender dar realce à descendência de David, dando destaque ao número 14, uma possível referência à gematria do nome de David (Cf. J. DOUKHAN, The literary structure…, p. 211 e M. D. JOHNSON, The purpose of the biblical genealogies: with special reference to the setting of the genealogy of Jesus, London: Cambridge University Press, 1969, p. 192-193). A genealogia de Mateus responderia ao principal objetivo de demonstrar a ascendência davídica do Messias. O simbolismo do número acaba, todavia, por fazer eclipsar alguns nomes. Da mesma maneira, Pedro de Barcelos parece ter uma intenção de manobrar a informação com o propósito da modelagem bíblica decalcada do Bereshit.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rafaela Câmara Simões da Silva, « Pedro de Barcelos e a primitiva história universal: da Bíblia ao Livro de Linhagens », e-Spania [En ligne], 42 | juin 2022, mis en ligne le 24 juin 2022, consulté le 12 août 2022. URL : http://journals.openedition.org/e-spania/44834 ; DOI : https://doi.org/10.4000/e-spania.44834

Haut de page

Auteur

Rafaela Câmara Simões da Silva

SMELPS/IF/FCT
Universidade do Porto

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search