Navigation – Plan du site

AccueilNuméros43La place de l’Asie dans l’histori...Viajar na Ásia no século XVII: o ...

La place de l’Asie dans l’historiographie de la monarchie catholique – II (XVIe-XVIIe siècles)

Viajar na Ásia no século XVII: o Itinerario de las missiones de Sebastião Manrique (Roma, 1649)

Rui Manuel Loureiro

Résumés

L’augustin portugais Sebastião Manrique a beaucoup voyagé dans toute l’Asie, entre 1629 et 1643, à l’époque de l’union des couronnes ibériques. Après une période de mission au Bengale et à Arrakan, il s’est rendu aux Philippines et à Macao, en passant par la Cochinchine. De nouveau au Bengale, et ayant l’intention de retourner en Europe, il décide de suivre les routes terrestres, à travers les territoires contrôlés par les Mogores, les Safavides et les Ottomans, jusqu’à atteindre les rives de la Méditerranée, et de là, Rome. Dans cette ville italienne il publie en 1649, en castillan, un compte rendu détaillé de ses longs voyages, l’Itinerario de las missiones, qui aura une deuxième édition quatre ans plus tard. L’œuvre de Manrique traite de manière très documentée de nombreuses régions asiatiques peu fréquentées par les autres voyageurs européens, presque toutes en dehors de la sphère d’action du soi-disant Estado da Índia (État portugais de l’Inde). Le présent texte explorera différents aspects de l’Itinerario, et en particulier sa genèse et les sources qu’il utilise, comme la célèbre Peregrinaçam de Fernão Mendes Pinto, ainsi que son large éventail d’informations sur le soi-disant shadow empire des Portugais en Asie du Sud-Est.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Sebastião Manrique, Itinerario de las Missiones que hizo el Padre F. Sebastian Manrique Religioso E (...)
  • 2 George Winius, “The ‘Shadow Empire’ of Goa in the Bay of Bengal”, Itinerario , 7 (2), 1983, p. 83-1 (...)

1Estas breves notas, que pretendem revisitar o Itinerario de las missiones do religioso português Sebastião Manrique, que foi primeiro impresso em Roma em 16491, poderiam antes intitular-se ‘Viajar através do império-sombra dos portugueses na Ásia’. E explico de imediato o sentido deste título alternativo, para quem não esteja familiarizado com a expressão império-sombra, cunhada pelo historiador norte-americano George Winius, num famoso artigo de 19832. As linhas genéricas da expansão portuguesa na Ásia do século XVI são bem conhecidas. Após a viagem inaugural de Vasco da Gama em 1498, a coroa portuguesa finalmente conseguiu estabelecer uma ligação marítima directa entre Lisboa e os portos da costa ocidental da Índia, com o objectivo de participar no tráfico internacional de especiarias e outros produtos de luxo asiáticos. Não existia à partida um plano de acção previamente estabelecido, pois as informações disponíveis em Portugal, e na Europa mediterrânica em geral, sobre o mundo asiático não eram muito precisas.

2Mas, com a rota do Cabo aberta e operacional, no prazo de poucos anos os portugueses fizeram algumas descobertas importantes no mundo oriental.

  • Em primeiro lugar, a rota do Cabo era perfeitamente navegável com as embarcações e os meios técnicos então disponíveis.

  • Depois, a circulação de mercadorias asiáticas estava extremamente bem organizada, seguindo rotas regulares e há muito estabelecidas, sendo possível, na costa indiana, adquirir todos os exóticos produtos cobiçados pelos europeus.

    • 3 Sobre a fundação do Estado da Índia, ver Sanjay SubrahmanyamThe Portuguese Empire in Asia, 1500-1 (...)

    Em terceiro lugar, era também possível estabelecer feitorias e até fortalezas em alguns portos asiáticos, com vista a organizar um comércio regular, quer por acordos pacíficos com as autoridades locais, quer pela força militar, utilizando a superioridade técnica da artilharia europeia3.

  • 4 A respeito deste primeiro vice-rei português, ver Joaquim Candeias da Silva, O Fundador do «Estado (...)

3Assim nasceu em 1505 o projecto do Estado da Índia lusitano, com a nomeação pela coroa de Portugal de um vice-rei para a Ásia – D. Francisco de Almeida –, o qual então governaria algumas centenas de homens, umas poucas dezenas de navios, e meia dúzia de feitorias e pequenas fortalezas estabelecidas no litoral oriental de África e na costa ocidental da Índia4.

4Contudo, logo desde os primeiros anos do século XVI, os portugueses fizeram outra descoberta mais importante. A carreira da Índia, ou seja, a longuíssima rota do Cabo, era muito lucrativa, mas era também muito trabalhosa, envolvendo uma viagem de ida e volta que nunca durava menos de um ano e meio, e também investimentos muito significativos em recursos humanos, materiais e financeiros. Pelo contrário, as rotas comerciais inter-asiáticas, ‘da Índia para a Índia’, como então se dizia, eram mais curtas, mais rápidas, menos exigentes do ponto de vista dos investimentos, mas igualmente muito lucrativas. E, tendo em conta que os próprios portugueses tinham as capacidades náuticas e logísticas necessárias para alcançar, na Ásia marítima, os principais centros de produção ou circulação das mais relevantes mercadorias, seria possível aumentar enormemente os proventos comerciais.

  • 5 A respeito de Albuquerque e do projecto imperial que protagonizou, ver Alexandra Pelúcia, Afonso de (...)
  • 6 Para além da obra já citada de Sanjay Subrahmanyam, ver Luís Filipe Barreto, Lavrar o Mar: Os Portu (...)

5Assim, sobretudo com o famoso Afonso de Albuquerque, nasceu a ideia de um império marítimo asiático global, que se estenderia desde a costa oriental de África e do Mar Vermelho até às mais longínquas ilhas da Insulíndia5. Em meados do século XVI, o Estado da Índia era uma realidade, com uma importante base estratégica situada no território de Goa, vários milhares de portugueses estabelecidos permanentemente no Oriente, centenas de navios circulando por todos os mares orientais, e com estabelecimentos consolidados por toda a Ásia marítima, incluindo os mais importantes em Ormuz, Diu, Cochim, Malaca, Ternate e Macau6.

6As grandes crónicas globais ou sectoriais da expansão marítima lusitana que foram sendo publicadas em Portugal depois de 1550 – escritas por homens como Fernão Lopes de Castanheda (Coimbra, 1551-1561), João de Barros (Lisboa, 1552-1563), Afonso Brás de Albuquerque (Lisboa, 1557), António Galvão (Lisboa, 1563), Damião de Góis (Lisboa, 1566-1567), Diogo do Couto (Lisboa, 1602-1616), Francisco de Andrade (Lisboa, 1613), e outros – referem-se fundamentalmente à área geográfica abrangida pelo império marítimo português, que compreendia a costa oriental de África, o Golfo Pérsico, a costa ocidental da Índia, o Ceilão, a Península Malaia e o arquipélago de Maluco, onde existiam fortalezas portuguesas, ou seja, uma presença oficial do Estado da Índia7.

  • 8 Sobre este império-sombra, ver a colectânea de estudos de Sanjay Subrahmanyam, Improvising Empire: (...)

7Porém, ao lado do império marítimo controlado pela coroa de Portugal, o império oficial, um outro ‘império’, de natureza informal, desenvolveu-se na Ásia, sobretudo em regiões onde não existiam fortalezas portuguesas ou onde não chegavam os representantes do monarca lusitano. Era o império-sombra das comunidades de portugueses que abandonavam o serviço do Estado da Índia: soldados que se tornavam mercadores e que não pretendiam regressar a Portugal, mercenários muito procurados pelas potências asiáticas pelo seu apurado conhecimento das armas de fogo, fugitivos da justiça lusitana, renegados ou desertores, simples aventureiros, e também missionários que se estabeleciam junto dessas comunidades dispersas. E o império-sombra português desenvolveu-se sobretudo nas regiões ribeirinhas do Golfo de Bengala8.

  • 9 Ver Jorge Santos Alves (ed.), Fernão Mendes Pinto and the ‘Peregrinação’, 4 vols., Lisboa: Imprensa (...)
  • 10 Sobre Manrique, ver Luís Graça, A visão do Oriente na literatura portuguesa de viagens: Os viajante (...)
  • 11 Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Coimbra, Processo 9823, (...)

8Sebastião Manrique é um dos grandes cronistas deste império-sombra português no que toca ao século XVII, lado a lado com Fernão Mendes Pinto, outro conhecido viajante e aventureiro lusitano, que na sua Peregrinaçam, extenso livro de memórias publicado postumamente em Lisboa em 1614, registou a crónica da primeira fase deste disperso império-sombra, que se desenvolveu por meados do século XVI9. Vejamos, em primeiro lugar, os traços essencials da vida de Sebastião Manrique, infelizmente muito lacunares10. Sabe-se que nasceu por volta de 1585, no Porto, no norte de Portugal, mas nada se consegue apurar sobre as suas origens ou a sua formação. Nos processos da filial de Coimbra da Inquisição portuguesa, encontra-se, em meados do século XVI, um cristão-novo chamado Duarte Manrique, residente no Porto, que bem poderia ser antepassado do autor do Itinerario de las missiones11. Mas tal não é certo.

  • 12 A respeito das missões orientais dos agostinhos, ver John M. Flannery, The Mission of the Portugues (...)

9Nada se sabe da vida de Manrique até 1604, quando ingressou em Goa na Ordem de Santo Agostinho. Terá assim navegado pela rota do Cabo nos primeiros anos do século XVII. Os agostininhos portugueses estavam estabelecidos na Índia desde 1572 e mantinham missões religiosas um pouco por toda a Ásia12. Mas nos 24 anos seguintes o silêncio é total sobre as actividades a que Manrique se terá dedicado. Completou decerto a sua formação religiosa e terá sido ordenado, tendo também desempenhado as habituais funções atribuídas a um jovem missionário, em alguns dos estabelecimentos que a sua Ordem mantinha no litoral ocidental da Índia.

  • 13 Ver a edição moderna, em castelhano e sem quaisquer anotações, Sebastião Manrique, Itinerário de Se (...)
  • 14 Sobre a presença portuguesa nesta cidade bengali, ver Jorge Manuel Flores, “Entre Bandel e Colónia: (...)
  • 15 Relativamente à presença portuguesa na Birmânia, nesta época, ver Maria Ana Marques Guedes, Interfe (...)

10Em 1628, Sebastião Manrique foi enviado pelos seus superiores para as missões agostinianas do Golfo de Bengala. E a partir desse momento, por cerca de quinze anos, podemos acompanhar de muito de perto as suas andanças, porque depois do seu regresso à Europa, anos mais tarde, ele preparará e publicará um relato detalhado das suas viagens pela Ásia, o Itinerario de las missiones13. Durante cerca de um ano, o religioso português permaneceu em Hugli, no convento agostiniano, junto da larga comunidade portuguesa que se tinha estabelecido nesta cidade, então controlada pelo Império Mogol14. No final do ano seguinte, 1629, Manrique partiu para o Arracão (Arakan), na Birmânia (ou Myanmar), e por lá permaneceu até 1636, viajando frequentemente através de territórios birmaneses15. Aparentemente, detinha um elevado grau de autonomia em relação aos seus superiores agostinianos, porque em várias ocasiões parece decidir por si próprio o destino das suas viagens, ao inverso do que era prática nas ordens missionárias do Padroado português.

  • 16 Ver, a respeito da união ibérica na Ásia, Rafael Valladares, Castilla y Portugal en Asia, 1580-1680 (...)

11Por razões que se ignoram, Manrique regressou a Goa em 1636, partindo poucos meses depois para o Japão, onde pretendia missionar, e fazendo escala em Junho de 1637 no porto de Malaca, que era controlado pelos portugueses, e em Setembro do mesmo ano na cidade de Manila, que era controlada pelos espanhóis. Valerá a pena recordar, por um lado, que Portugal, desde 1580, era governado pelos monarcas de Espanha, pelo que, no contexto da união entre as coroas ibéricas, as relações dos estabelecimentos portugueses asiáticos com as Filipinas eram mais fluidas, sendo as viagens portuguesas a Manila, quer a partir de Macau, quer a partir de Malaca, muito frequentes16. Por outro lado, deverá referir-se que, por esses anos, os religiosos europeus já haviam sido formalmente proibidos pelas autoridades nipónicas de entrar no Japão. E em breve o arquipélago nipónico fecharia totalmente as suas portas a portugueses e espanhóis.

  • 17 Sobre a presença portuguesa nestas regiões asiáticas neste período, ver George Bryan Souza, Portugu (...)
  • 18 A respeito da presença asiática da Dinamarca nesta época, ver Kathryn Wellen, “The Danish East Indi (...)

12Não conseguindo seguir para o Japão, Manrique permaneceu em Manila durante catorze meses. Em Outubro de 1638, o missionário agostinho rumava a Faifo, nas costas do Vietname, onde permanecerá durante seis meses. Depois, efectuou uma nova escala de seis meses em Macau, de onde partiu com destino a Macassar, ali chegando em Março de 1640. Em todas estas três cidades existiam importantes comunidades portuguesas, mas apenas Macau dependia do Estado da Índia17. Ao analisar este longo périplo, efectuado em embarcações mercantis lusitanas, fica-se com a impressão de que Manrique estava a realizar uma viagem de inspecção das possibilidades missionárias que se podiam abrir à Ordem de Santo Agostinho nas várias regiões asiáticas. De Macassar, o missionário português partiu para a ilha de Java, e no porto de Bantan embarcará num navio dinamarquês, com rumo ao Golfo de Bengala18.

  • 19 A este respeito, ver André Murteira, A Carreira da Índia e o corso neerlandês, 1595-1625, Parede: T (...)

13Aparentemente por razões de segurança, Manrique decidiu então regressar à Europa por via terrestre, pois a rota do Cabo tornara-se por então assaz complicada para os navios portugueses, em virtude da concorrência e dos assaltos de navios de outras potências europeias19. Durante quinze meses, o agostinho fará uma longa viagem pelos territórios controlados pelo Império Mogor, visitando sucessivamente Patna, Delhi, Agra, Lahore, Thatta (no Sindh), e Kandahar. A partir daqui, atravessará o Império Safávida, até à cidade de Isfahan, continuando caminho pelo Império Otomano, passando pelas cidades de Bagdade e de Damasco, até finalmente chegar a Roma em meados de 1643.

  • 20 Ver a edição fac-similada, com tradução portuguesa: Sebastião Manrique, Breve Relação dos Reinos de (...)
  • 21 Ver Giovanni Pizzorusso, “La Congrégation De Propaganda Fide à Rome : Centre d’accumulation et de p (...)

14Cinco anos depois de retornar à Europa, em 1648, Sebastião Manrique publicou em Roma a Breve relatione de i regni di Pegu, Arracan, e Brama, e degl’Imperij del Calaminan, Siamom, e gran Mogor. Tratava-se de um pequeno volume de oito páginas, uma espécie de súmula das suas extensas viagens, escrita a pedido da congregação De Propaganda Fide, uma organização de iniciativa papal que havia sido criada em 1622, para se ocupar de assuntos missionários. Esta edição é bastante rara, sobrevivendo apenas uns poucos exemplares20. Uma das responsabilidades da Propaganda Fide era ocupar-se da organização territorial das missões das diferentes ordens religiosas, de modo a evitar sobreposições de jurisdição21. Assim, talvez Sebastião Manrique estivesse a responder aos apelos da Propaganda Fide quando publicou em Roma, em 1649, a versão mais alargada do seu relato de viagem.

  • 22 Sobre este personagem, ver Antonio D’Amico, “Giovanni Battista Pallotta e le tracce di una collezio (...)

15Trata-se de um volume respeitável, um in-quarto com cerca de 500 páginas, impresso nas oficinas de Francisco Caballo, com um longuíssimo título: Itinerario de las missiones que hizo el Padre F. Sebastian Manrique Religioso Eremita de S. Augustin Missionario Apostolico treze años en varias Missiones della India Oriental, Y al presente Procurador, y Diffinidor General de su Provincia de Portugal en esta Corte de Roma. Con una Summaria Relacion del Grande, y Opulento Imperio del Imperador Xa-ziahan Corrombo Gran Mogol, y de otros Reys Infieles, en cuios Reynos assisten los Religiosos de S. Agustin. Analisando a portada desta obra, verifica-se que o religioso português era na altura procurador e definidor geral em Roma da província lusitana da Ordem de Santo Agostinho. Constata-se também que a obra ia dedicada ao «Cardenal Palotto», ou seja, ao cardeal Giovanni Battista Palotta, o qual, curiosamente, vivera em Portugal de 1624 a 1627, onde desempenhara funções de núncio apostólico22. Mas nada se consegue apurar sobre o relacionamento entre estes dois religiosos.

  • 23 A respeito dos portugueses em Roma neste período, ver Luciano César da Costa, “A dificuldades finan (...)

16Para os portugueses em Roma, a situação era um pouco complicada. Em 1640, Portugal tinha recuperado a sua autonomia face a Espanha, mas a independência portuguesa não tinha sido reconhecida nem por Felipe IV nem pelo Papa Inocêncio X. Diferentes facções portuguesas cruzavam-se então na metrópole romana, por um lado, os enviados de D. João IV, o novo monarca lusitano, por outro lado, os partidários da união com a Espanha. Seria muito complicado para Manrique, procurador da província agostiniana portuguesa em Roma, convocar o apoio de uma personalidade portuguesa para a publicação da sua obra23.

  • 24 Sobre este viajante, ver Rui Manuel Loureiro, “Medical Practices and Asian Drugs in the Relaciones (...)
  • 25 Antonio de Léon Pinelo, Epitome de la biblioteca Oriental y Occidental, nautica y geográfica, éd. A (...)

17Manrique optou por publicar o seu Itinerario em espanhol (ou castelhano, melhor dizendo). Durante a sua estadia de catorze meses nas Filipinas tinha decerto utilizado esta língua, e a escolha justificava-se, pois aumentava exponencialmente as possibilidades de divulgação da sua relação de viagens. Era uma prática comum entre os autores portugueses da época. Bastará referir o caso de Pedro Teixeira, um outro grande viajante português, que depois de peregrinar extensamente pela Ásia, publicou em Antuérpia, em 1610, também em língua espanhola, as suas Relaciones de Pedro Teixeira d’el origen descendencia y succession de los reyes de Persia, y de Harmuz, y de un viage hecho por el mismo autor dende la India Oriental hasta Italia por tierra24. Apesar das boas intenções de Manrique, o bibliógrafo espanhol Andrés González Barcia, na segunda edição do Epitome de la biblioteca Oriental y Occidental de Antonio de Léon Pinelo, publicada em Madrid em 1737-1738, registará com alguma acrimónia que o Itinerario de las missiones era um “fol. en mal Castellano i peor impreso25. Parece óbvio que Manrique não conhecia suficientemente bem a língua espanhola, e poderá especular-se sobre as razões pelas quais não procurou a assistência de algum dos seus confrades originários de Espanha, para a correcção da versão final da obra.

  • 26 A Biblioteca Nacional de Portugal possui um exemplar desta edição, que se encontra disponível on-li (...)
  • 27 Sobre o Calaminhão, ver Jorge Santos Alves (ed.), Fernão Mendes Pinto and the ‘Peregrinação’, vol.  (...)

18Em 1653, quatro anos após a primeira edição, o Itinerario de las missiones del India Oriental foi impresso novamente, desta vez nas oficinas de Guillelmo Halle. Tanto quanto se pode avaliar, não parecem existir diferenças entre ambas as edições, pelo que a segunda edição será mais propriamente uma reimpressão executada por um outro tipógrafo, o que provavelmente quereria dizer que a primeira edição estava esgotada, mas a obra continuava a ser procurada pelos leitores. Detectam-se apenas algumas alterações na portada, principalmente no título do livro, que se torna ainda mais longo e descritivo, e ao qual é acrescentada uma nova função exercida por Manrique: Itinerario de las missiones del India Oriental que hizo el P. Maestro Fra Sebastian Manrique Religioso Eremita de S. Agustin, Missionario Apostolico treze años en varias Missiones della dicha India, Y al presente Prefecto Apostolico de la Mission Calaminense especialmente delegado por la Santidad de Innocentio X. nuestro Señor, Procurador y Diffinidor General della Provincia Augustiniana de Portugal en esta Curia de Roma. Con una Summaria Relacion del Grande y Opulento Imperio del Emperador Xa-ziahan Corrombo Gran Mogol, y de otros Reis Infieles en cuios Reynos assisten los Religiosos de S. Agustin26. Ou seja, Manrique, quatro anos depois da primeira edição da sua obra, aparecia agora também empossado num cargo totalmente simbólico, como “Prefecto Apostolico de la Mission Calaminense, numa referência ao enigmático reino do Calaminhão, que fora divulgado na Peregrinaçam de Fernão Mendes Pinto, e que se situaria algures no interior da Ásia do Sudeste continental27.

  • 28 Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, vol. II, p. 147.

19Manrique relata que em Damasco, quase no fim das suas longas peregrinações orientais, as autoridades otomanas lhe teriam confiscado alguns textos e mapas manuscritos, talvez suspeitando que ele fosse um espião: “por auer perdido algunos apontamientos, que traia de cosas curiosas, entre otros espolios, que me tomo los Turcos em Damasco”28. Mas a sua relação de viagens é de tal forma precisa e detalhada que é quase certo que foi tomando prolixas anotações durante as suas longuíssimas andanças pelas partes do Oriente. Tal como Fernão Mendes Pinto, aparentemente, Sebastião Manrique lembrava-se dos mínimos detalhes das suas audiências com príncipes asiáticos, dos discursos feitos nessas ocasiões, das festas e dos banquetes religiosos em que participara, dos debates religiosos em que tomara parte, dos palácios, templos, cidades e ruínas que tinha visitado, dos episódios militares que vivera, das inúmeras viagens que realizara a pé, de elefante, de carro de boi, de camelo, por toda a Ásia, e também das muitas viagens que fizera em navios, bem como dos vários naufrágios que sofrera.

  • 29 Sobre as informações disponíveis a respeito do Arracão em obras impressas na época, ver Donald F. L (...)
  • 30 A respeito dos impressos que na época se ocupavam do império Mogol, ver Donald F. Lach & Edwin J. V (...)
  • 31 Sobre as relações dos portugueses com o Império Mogol, ver Jorge Flores, Nas Margens do Hindustão: (...)

20A maior parte da sua relação de viagens, cerca de 40% do texto, era dedicada ao Arracão, região asiática então quase desconhecida dos europeus, e que praticamente não havia aparecido em outros trabalhos semelhantes publicados na Europa29. Outra grande parte do Itinerario de las missiones, mais de 25% do texto, ocupava-se do Império Mogol, certamente mais conhecido na Europa, através de relações de outros viajantes europeus, e nomeadamente dos impressos patrocinados pela Companhia de Jesus30; mas Manrique visitara áreas anteriormente muito pouco frequentadas pelos europeus31.

21A par das sociedades orientais que descreve minuciosamente, os protagonistas do relato de Manrique eram também as comunidades portuguesas do império-sombra, em Hugli, Chatigão e Dianga, os poucos milhares de portugueses que se estabeleceram nas margens do Golfo de Bengala, e que viviam do comércio, da pirataria, e também da prestação de serviços militares a potentados asiáticos. Manrique é o seu cronista por excelência. Curiosamente, não perdia tempo a escrever sobre os locais que visitou mas que estavam sob o controlo das autoridades portuguesas do Estado da Índia, como Goa ou Cochim ou Malaca ou Macau, por exemplo. Esse não é o seu objetivo, pois tratava-se de territórios bem conhecidos e já amplamente descritos por outros escritores que o tinham antecedido, e nomeadamente os vários cronistas e memorialistas atrás referidos. Finalmente, Manrique também contribuía para a história das missões agostinianas na Ásia, pois vários capítulos do seu Itinerario de las missiones (6% do texto), fazendo jus ao respectivo título, eram dedicados às actividades religiosas e culturais dos seus confrades. E, desse ponto de vista, também a sua relação de viagens estava cheia de novidades.

  • 32 Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, vol. I, p. 23.
  • 33 Ibidem, p. 57.
  • 34 A respeito de Botero e da sua obra, ver Rui Manuel Loureiro, “L’empire portugais dans la bibliothèq (...)

22Sebastião Manrique, na primeira página de seu Itinerario de las missiones, fazia uma alusão um tanto enigmática. Ele anunciava que tinha hesitado por muito tempo antes de começar a escrever as suas “missiones, y viages”; mas, explicava logo depois, “llegando a mis manos algunas modernas relaciones, me animaròn à que por lo menos, sino con tan sublimado, y culto estilo, con todo con menos passion, y mucha verdad […], podria ponerlos en escrito, y darles perpetua vida con la pluma”32. Outras passagens do seu livro mostram indiscutivelmente que ele se estava a referir às Relazioni Universali de Giovanni Botero, também publicadas em Roma, em sucessivos volumes, a partir de 1591. De facto, Manrique criticava o escritor italiano em várias ocasiões, nomeadamente na sua descrição de Bengala: “lo que este Autor escrivio fue por relaciones; y lo que yo escrivirè serà de vista, y de larga experiencia”33. Mas Botero nunca é explicitamente citado no Itinerario de las missiones34.

23Aliás, Manrique não cita as suas outras fontes, algumas das quais podem ser identificadas através de uma análise mais cuidada do seu longo texto. Numa análise preliminar, é desde logo possível detectar o recurso pelo missionário agostinho a diversas obras, para a construção da versão final do seu Itinerario de las missiones.

    • 35 Sobre González de Mendoza e a sua obra, ver Diego Sola, El cronista de China: Juan González de Mend (...)

    Para a descrição das Filipinas, por exemplo, Manrique recorre, sem nomeá-la, à Historia de las cosas mas notables, ritos y costumbres del gran Reyno de la China, da autoria do agostinho espanhol Juan González de Mendoza, que foi publicada pela primeira vez em Roma em 1585, com muitas edições e traduções nas décadas seguintes. Curiosamente, González de Mendoza nunca chegara a visitar aquele arquipélago asiático35.

    • 36 Ver João dos Santos, Etiópia Oriental e vária história de coisas notáveis do Oriente, ed. Manuel Lo (...)

    Sobre as atividades da Ordem de São Domingos, utiliza, sem citá-la, a Etiopia Oriental e varia historia de cousas notaueis do Oriente, do dominicano João dos Santos, obra publicada em Évora em 160936.

  • Nas descrições dos reinos de Brama e de Pegu, inspira-se repetidamente em secções da Peregrinaçam de Fernão Mendes Pinto, que fora publicada em Lisboa em 1614. Mas Manrique nunca reconhece a dívida textual para com o seu antecessor, e isto apesar de fazer uso de materiais de Mendes Pinto sobre o enigmático reino de Calaminhão, situado algures na Ásia do Sudeste continental, e cujo nome surge inclusivamente no título da segunda edição do Itinerario de las missiones, como já foi atrás refereido.

    • 37 Sobre de Laet, ver Donald F. Lach & Edwin J. Van Kley, Asia in the Making of Europe, vol. III, p. 6 (...)

    No que diz respeito ao Império Mogol, utiliza a compilação do neerlandês Joannes de Laet, De imperio magni mogolis, que fora publicada em Leiden em 1631, e da qual transcreve informações sobre a organização imperial, afirmando apesar disso que está a utilizar documentos dos arquivos mogores37.

  • 38 De entre os estudos mais recentes que têm abordado a obra de Manrique, será obrigatório referir: Hu (...)

24Para além da questão da intertextualidade, existem diversas outras possibilidades de exploração do Itinerario de las missiones, que nestas breves notas não haverá a possibilidade de desenvolver38. Mas vejam-se a alguns exemplos.

    • 39 Cf. Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira: “marineros, a que en aquellas partes llama (...)
    • 40 Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, vol. I, p. 75.

    A questão linguística. Sebastião Manrique utiliza amiúde termos exóticos no seu longo texto, geralmente transcrições do hindustani, uma língua que ele certamente conheceria39. Aliás, ele refere que teve a oportunidade de estudar “las lenguas Bengala e Industana”40. Em outros contextos asiáticos, onde ele não pode usar português ou espanhol, Manrique recorre a línguas ou intérpretes. Seria necessário aprofundar estas questões relacionadas com as línguas de comunicação.

  • Longas viagens implicam complicadas questões logísticas. Manrique nunca parece ter falta de dinheiro, apesar de despender com regularidade quantias assinaláveis, especialmente para lubrificar as autoridades alfandegárias dos lugares por onde tem que transitar. Seria interessante saber de onde vêm os seus recursos financeiros.

  • Além disso, o missionário português sempre tem companhia nas suas viagens, seja outros religiosos europeus, seja uma variedade de empregados domésticos, seja guias e intérpretes, seja cozinheiros, e até mesmo guarda-costas. Também estes companheiros de caminho mereceriam alguma atenção.

  • Manrique viaja em todo o tipo de navios, à vela ou a remos, desloca-se em elefantes, em camelos, em carros de bois, anda a cavalo, e também a pé. As estradas e os meios de transporte por ele utilizados também mereceria uma investigação mais atenta. Os elefantes, em particular, são presença constante, tanto no transporte, como na guerra, e mereceriam um estudo autónomo, incluindo a história bastante complicada das guerras do elefante branco, assunto em que Manrique recorre diversas vezes a algumas descrições da Peregrinaçam de Fernão Mendes Pinto.

  • E depois, há toda a atenção que o religioso lusitano dedica ao mundo natural, assunto que nunca foi analisado em detalhe. Manrique apresenta descrições informadas das mangas, do ópio, do tabaco, do bétele, do misterioso “lucerrage, um antídoto milagroso contra venenos.

  • 41 Agradeço esta informação a Fabien Montcher. Ver João Carlos Gonçalves Serafim (ed.), Um Diálogo Epi (...)
  • 42 Agradeço esta informação a Corey Tazzara, que está a desenvolver investigações sobre as relações de (...)
  • 43 Ver Analecta Augustiniana, 34, 1971; 36, 1973 (memorial 24 e memorial 30).

25Relativamente aos últimos anos da vida de Sebastião Manrique, desde que chegou a Roma em 1643, não existem informações, nem no seu livro, nem nas hagiografias agostinianas, que se limitam a repetir que foi representante do ramo português dos agostinhos junto da Santa Sé. Trata-se de um verdadeiro buraco negro de um quarto de século, a propósito do qual os anteriores estudiosos que se debruçaram sobre o Itinerario de las missiones nada conseguiram avançar. Mas, mesmo assim, é possível encontrar algumas referências. Em primeiro lugar, nas cartas de D. Vicente de Nogueira, um literato português muito curioso e activo, que se cruzou com Manrique em Roma, nas quais existem sugestões de que o monarca português D. João IV – o Duque de Bragança, que tinha encabeçado a restauração da independência de Portugal em 1640 – tinha tentado repetidamente fazer o agostinho regressar ao seu país natal, porque aparentemente estava demasiado próximo do partido espanhol, isto é, daqueles que continuavam a defender a união das coroas ibéricas41. Por outro lado, as cartas inéditas do viajante italiano Pietro della Valle, que também conheceu Manrique em Itália, colocam-no nos círculos desses mesmos grupos de portugueses espanholisantes42. Finalmente, documentos dos arquivos agostinianos mostram que Manrique foi muitas vezes consultado em Roma sobre a missão que os agostinhos mantinham em Isfahan, na Pérsia, onde fizera uma escala durante a sua viagem de regresso à Europa43.

  • 44 Diogo Barbosa Machado, Bibliotheca Lusitana, fac-símile da ed. 1741-1759, 4 vols., Coimbra: Atlânti (...)
  • 45 A respeito deste período, ver Rafael ValladaresLa rebelión de Portugal, 1640-1680: Guerra, confli (...)

26Informações registadas por Diogo Barbosa Machado na sua Bibliotheca Lusitana, o grande repositório bibliográfico português, publicado em Lisboa entre 1741 e 175944, mencionam que Manrique, em 1669, efectuou uma viagem a Londres, por motivos que não são referidos. A província inglesa dos agostinhos já não existia, nessa época. Mas no ano anterior, em 1668, o cardeal Giovanni Pallotta, protector de Manrique, tinha falecido em Roma. Por outro lado, deve referir-se que foi também em 1668 que a nova dinastia portuguesa de Bragança foi finalmente reconhecida pelo Papa, após a assinatura da paz entre Portugal e Espanha, no final de uma longa guerra. E, recorde-se, a esposa do monarca inglês Carlos II, que então reinava, era uma princesa portuguesa, Catarina de Bragança45. Algum destes motivos estaria relacionado com a jornada do idoso missionário agostinho, que então teria já mais de 80 anos? Estaria o religioso português encarregado de alguma missão de natureza política? Não é impossível, mas serão necessárias investigações mais aprofundadas para o apurar. De qualquer forma, Sebastião Manrique, incansável viajante, encerrou definitivamente a sua carreira em Londres, em 1669, assassinado pelo seu criado português, que deitou o seu corpo às águas do Tamisa. Na versão de Diogo Barbosa Machado, o culpado foi devidamente punido pela justiça inglesa.

  • 46 Sir Thomas Phillips, The Phillipps manuscripts: Catalogus librorum manuscriptorum in bibliotheca D. (...)
  • 47 O manuscrito, que não tive oportunidade de analisar, encontra-se na British Library, Add. MS 38026, (...)

27Há mais um detalhe relevante, para terminar este breve excurso sobre o Itinerario de las missiones de Sebastião Manrique. O catálogo da biblioteca de Sir Thomas Phillips, grande bibliófilo inglês do século XIX, continha uma referência assaz interessante: “Sebastiani Manrique Itinerario per Persia, et Turchia. Autograph MS. pp. 324. It contains passages which were suppressed in the Edition printed at Rome in 164946. O que significa que certamente Manrique tinha consigo o seu manuscrito original quando foi morto em Londres. Porque razão teria o religioso agostinho o seu extenso manuscrito consigo, duas décadas depois de o mesmo ser publicado em Roma? Estaria, por alguma razão, numa viagem sem regresso, a caminho do exílio? De qualquer forma, o manuscrito de Manrique foi parar à biblioteca de Sir Thomas Philipps, o que pode querer dizer que talvez este manuscrito autógrafo ainda se conserve em alguma biblioteca inglesa. Existe um manuscrito associado a Manrique na British Library, mas aparentemente tratar-se-á de uma tradução italiana do Itinerario de las misiones47.

  • 48 Sebastião Manrique, The Travels of Fray Sebastien Manrique, ed. C. Eckford Luard & Henri Hosten, 2 (...)

28Parece evidente que o Itinerario de las missiones de Sebastião Manrique merecerá uma renovada atenção da parte do mundo da investigação. Trata-se de uma relação de viagens assaz interessante, riquíssima em informações da mais variada natureza, abrangendo um cenário geográfico vastíssimo, e repleta de possibilidade hermenêuticas, caso se lhe apliquem renovadas grelhas de leitura. Não existe ainda uma tradução portuguesa desta obra, mais de três séculos passados sobre a sua primeira edição. Mas a excelente tradução inglesa, em tempos publicada em Londres pela Hakluyt Society48, será certamente um extraordinário adjuvante numa renovada abordagem deste verdadeiro clássico espanhol da literatura portuguesa de viagens.

Haut de page

Notes

1 Sebastião Manrique, Itinerario de las Missiones que hizo el Padre F. Sebastian Manrique Religioso Eremita de S. Agustin Missionarios Apostolico treze años en varias Missiones del India Oriental, Roma: Francisco Caballo, 1649.

2 George Winius, “The ‘Shadow Empire’ of Goa in the Bay of Bengal”, Itinerario , 7 (2), 1983, p. 83-101.

3 Sobre a fundação do Estado da Índia, ver Sanjay SubrahmanyamThe Portuguese Empire in Asia, 1500-1700. A Political and Economic History, London / New York: Longman, 1983. Existe uma segunda edição, Malden / Oxford: Wiley-Blackwell, 2012. A respeito desta obra já clássica, ver as recentes reflexões do autor, em Sanjay Subrahmanyam, “‘Should auld acquaintance be forgot’: On the Portuguese Empire in Asia, 1500-1700”, Ler História [on-line], n. 79, 2021, https://journals.openedition.org/lerhistoria/9105 (acesso em 31-10-2022).

4 A respeito deste primeiro vice-rei português, ver Joaquim Candeias da Silva, O Fundador do «Estado Português da Índia», D. Francisco de Almeida, 1457(?)-1510, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda / Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1996.

5 A respeito de Albuquerque e do projecto imperial que protagonizou, ver Alexandra Pelúcia, Afonso de Albuquerque: Corte, cruzada e império, Lisboa: Temas e Debates, 2016.

6 Para além da obra já citada de Sanjay Subrahmanyam, ver Luís Filipe Barreto, Lavrar o Mar: Os Portugueses e a Ásia, c.1480-c.1630, Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

7 Todas estas obras estão hoje disponíveis on-line na Biblioteca Nacional Digital: https://bndigital.bnportugal.gov.pt/ (acesso em 31-10-2022). Entretanto, ver as seguintes edições: Fernão Lopes de Castanheda, História do descobrimento e conquista de Índia pelos portugueses, ed. Manuel Lopes de Almeida, 2 vols., Porto: Lello & Irmão, 1979; João de Barros & Diogo do Couto, Da Ásia, ed. Nicolau Pagliarini, 24 vols., Lisboa: Livraria Sam Carlos, 1973-1974; Afonso Brás de Albuquerque, Comentários de Afonso de Albuquerque, ed. Joaquim Veríssimo Serrão, 2 vols., Lisboa : Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1973; António Galvão, Tratado dos descobrimentos, ed. Visconde de Lagoa & Elaine Sanceau, Porto: Livraria Civilização, 1944; Damião de Góis, Crónica do Felicíssimo Rei D. Manuel, ed. J. M. Teixeira de Carvalho & David Lopes, 4 vols., Coimbra: Imprensa da Universidade, 1926; Francisco de Andrade, Crónica de D. João III, ed. Manuel Lopes de Almeida, Porto: Lello & Irmão, 1976.

8 Sobre este império-sombra, ver a colectânea de estudos de Sanjay Subrahmanyam, Improvising Empire: Portuguese Trade and Settlement in the Bay of Bengal, 1500-1700, New Delhi: Oxford University Press, 1990.

9 Ver Jorge Santos Alves (ed.), Fernão Mendes Pinto and the ‘Peregrinação’, 4 vols., Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda / Fundação Oriente, 2010.

10 Sobre Manrique, ver Luís Graça, A visão do Oriente na literatura portuguesa de viagens: Os viajantes portugueses, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1983; Rui Manuel Loureiro, “Manrique, Frei Sebastião”, in: Luís de Albuquerque & Francisco Contente Domingues (eds.), Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses, 2 vols. Lisboa: Edições Caminho, 1994, vol. II, p. 673-674.

11 Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Coimbra, Processo 9823, https://digitarq.arquivos.pt/details?id=2360013 (acesso em 31-10-2022).

12 A respeito das missões orientais dos agostinhos, ver John M. Flannery, The Mission of the Portuguese Augustinians to Persia and Beyond (1602-1747), Leiden / Boston: Brill, 2013.

13 Ver a edição moderna, em castelhano e sem quaisquer anotações, Sebastião Manrique, Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, 2 vols., Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1946, onde se colhem os elementos essenciais da biografia do autor durante o período em que viajou pela Ásia.

14 Sobre a presença portuguesa nesta cidade bengali, ver Jorge Manuel Flores, “Entre Bandel e Colónia: o regresso dos portugueses a Hugli, ca. 1632-1820”, in Luís Filipe F. R. Thomaz (ed.), Aquém e além da Taprobana: Estudos luso-orientais à memória de Jean Aubin e Denys Lombard, Lisboa: Centro de História de Além-Mar da Universidade Nova de Lisboa, 2002, p. 331-347.

15 Relativamente à presença portuguesa na Birmânia, nesta época, ver Maria Ana Marques Guedes, Interferência e integração dos Portugueses na Birmânia, ca.1580-1630, Lisboa: Fundação Oriente, 1994. Especificamente sobre a descrição de Manrique do Arracão, ver Jacques Leider, “Tilling the Lord’s Vineyard and Defending Portuguese Interests: Towards a Critical Reading of Father S. Manrique’s Account of Arakan”, Journal of the Siam Society, 90 (1-2), 2002, p. 39-58.

16 Ver, a respeito da união ibérica na Ásia, Rafael Valladares, Castilla y Portugal en Asia, 1580-1680: Declive imperial y adaptación, Leuven: Leuven University Press, 2001.

17 Sobre a presença portuguesa nestas regiões asiáticas neste período, ver George Bryan Souza, Portuguese Trade and Society in China and the South China Sea, 1630-1754, Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

18 A respeito da presença asiática da Dinamarca nesta época, ver Kathryn Wellen, “The Danish East India Company’s War against the Mughal Empire, 1642-1698”, Journal of Early Modern History, 19, 2015, p. 439-461.

19 A este respeito, ver André Murteira, A Carreira da Índia e o corso neerlandês, 1595-1625, Parede: Tribuna da História, 2012.

20 Ver a edição fac-similada, com tradução portuguesa: Sebastião Manrique, Breve Relação dos Reinos de Pegu, Arracão, Brama, e dos Impérios Calaminhã, Siammon e Grão Mogol, ed. Maria Ana Marques Guedes & trad. Raffaella d’Intino, Lisboa: Cotovia / Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.

21 Ver Giovanni Pizzorusso, “La Congrégation De Propaganda Fide à Rome : Centre d’accumulation et de production de “savoirs missionnaires” (XVIIe-début XIXe siècle)”, in: Charlotte de Castelnau-l’Estoile, Marie-Lucie Copete, Aliocha Maldavsky & Ines G. Županov (éd.), Missions d’évangélisation et circulation des savoirs : XVIe-XVIIIe siècle, Madrid: Casa de Velázquez, 2011, p. 25-40, http://books.openedition.org/cvz/7772 (acesso em 31-10-2022).

22 Sobre este personagem, ver Antonio D’Amico, “Giovanni Battista Pallotta e le tracce di una collezione dispersa”, in: Vittorio Sgarbi & Stefano Papetti (eds.), Le stanze del cardinale. Caravaggio, Guido Reni, Guercino, Mattia PretiCatalogo della mostra di Caldarola, Cinisello Balsamo: Silvana Editoriale, 2009, p. 41-48.

23 A respeito dos portugueses em Roma neste período, ver Luciano César da Costa, “A dificuldades financeiras dos embaixadores portugueses em Roma: mecanismos de financiamento e estratégias politicas globais”, Esboços – Estudos em contextos globais, 29 (51), 2022, p. 508-526, https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/78268/51512 (acesso em 31-10-2022).

24 Sobre este viajante, ver Rui Manuel Loureiro, “Medical Practices and Asian Drugs in the Relaciones of Pedro Teixeira (Antwerp, 1610)”, Romance Philology, 71, 2017, p. 499-522.

25 Antonio de Léon Pinelo, Epitome de la biblioteca Oriental y Occidental, nautica y geográfica, éd. Andrés González Barcia, 2 vols., Madrid: Francisco Martinez Abad, 1737-1738, vol. I, col. 43.

26 A Biblioteca Nacional de Portugal possui um exemplar desta edição, que se encontra disponível on-line: https://purl.pt/26209 (acesso em 31-10-2022).

27 Sobre o Calaminhão, ver Jorge Santos Alves (ed.), Fernão Mendes Pinto and the ‘Peregrinação’, vol. II, p. 543-569 e vol. III, p. 215-221 (notas de Volker Grabowsky).

28 Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, vol. II, p. 147.

29 Sobre as informações disponíveis a respeito do Arracão em obras impressas na época, ver Donald F. Lach & Edwin J. Van Kley, Asia in the Making of Europe, vol. III: A Century of Advance, 4 tomos, Chicago / London: The University of Chicago Press, 1993, III, p. 1122-1146.

30 A respeito dos impressos que na época se ocupavam do império Mogol, ver Donald F. Lach & Edwin J. Van Kley, Asia in the Making of Europe, vol. III, tomo II, p. 603-703.

31 Sobre as relações dos portugueses com o Império Mogol, ver Jorge Flores, Nas Margens do Hindustão: O Estado da Índia e a expansão mogol, ca.1570-1640, Coimbra: Imprensa d Universidade de Coimbra, 2015.

32 Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, vol. I, p. 23.

33 Ibidem, p. 57.

34 A respeito de Botero e da sua obra, ver Rui Manuel Loureiro, “L’empire portugais dans la bibliothèque de Giovanni Botero”, in: Elisa Andretta, Romain Descendre & Antonella Romano (eds.), Un mondo di “Relazioni”: Giovanni Botero e i saperi nella roma del Cinquecento, Roma: Viella, 2021, p. 315-340.

35 Sobre González de Mendoza e a sua obra, ver Diego Sola, El cronista de China: Juan González de Mendoza, entre la misión, el imperio y la historia, Barcelona: Edicions de la Universitat de Barcelona, 2018.

36 Ver João dos Santos, Etiópia Oriental e vária história de coisas notáveis do Oriente, ed. Manuel Lobato & Maria do Carmo Guerreiro Vieira, Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1999.

37 Sobre de Laet, ver Donald F. Lach & Edwin J. Van Kley, Asia in the Making of Europe, vol. III, p. 625-629.

38 De entre os estudos mais recentes que têm abordado a obra de Manrique, será obrigatório referir: Hugues Didier, “Saudade da Índia et crise de l’union hispano-portugaise dans El Itinerario de las Misiones Orientales de Frei Sebastião Manrique”, e-Spania [on-line], 14, 2012, http://journals.openedition.org/e-spania/21844 (acesso em 31-10-2022); Hugues Didier, “La corruption de la monarchie unie ibérique dans le miroir de la corruption des États asiatiques (Grand Mogol et Arakan)”, e-Spania [on-line], 16, 2013, http://journals.openedition.org/e-spania/22818 (acesso em 31-10-2022).

39 Cf. Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira: “marineros, a que en aquellas partes llaman Lascàres” (vol. I, p. 27); “el Siripao que es una bira de betre” (vol. I, p. 31); “un presente, a que ellos llaman Adià” (vol. I, p. 32) ; “Drouà, ò lugar deputado, en que se suele dar audiencia” (vol. I, p. 33); “Mirzàs, que son los principales de aquella tierra” (vol. I, p. 33); “Mapatras, que es lo mismo que […] veedores de la hazienda Real” (vol. I, p. 34); “una porca, que son unas embarcaciones remigeras” (vol. I, p. 35); “golás, ò almazenes” (vol. I, p. 37); “banquetes, o memanes conforme su idioma” (vol. I, p. 38); “una embarcacion ligeirissima, a que llaman Geliàs” (vol. I, p. 39); “mainàs, o sueldos, y pagas” (vol. I, p. 48); “nacassares, o errarios reales” (vol. I, p. 49).

40 Itinerário de Sebastião Manrique, ed. Luís Silveira, vol. I, p. 75.

41 Agradeço esta informação a Fabien Montcher. Ver João Carlos Gonçalves Serafim (ed.), Um Diálogo Epistolar: D. Vicente Nogueira e o Marquês de Niza (1615-1654), Porto: CITCEM / Edições Afrontamento, 2011, p. 206-212, carta de Roma, 11-01-1649.

42 Agradeço esta informação a Corey Tazzara, que está a desenvolver investigações sobre as relações de Pietro della Valle com Portugal. Sobre o viajante italiano, ver J. D. Gurney, “Pietro della Valle: The Limits of Perception”, Bulletin of the School of Oriental and African Studies, 49 (1), 1986, p. 103-116.

43 Ver Analecta Augustiniana, 34, 1971; 36, 1973 (memorial 24 e memorial 30).

44 Diogo Barbosa Machado, Bibliotheca Lusitana, fac-símile da ed. 1741-1759, 4 vols., Coimbra: Atlântida Editora, 1965-1967, vol. III, p. 692.

45 A respeito deste período, ver Rafael ValladaresLa rebelión de Portugal, 1640-1680: Guerra, conflicto y poderes en la monarquía hispánica, Valladolid: Junta de Castilla y León, 1998.

46 Sir Thomas Phillips, The Phillipps manuscripts: Catalogus librorum manuscriptorum in bibliotheca D. Thomae Phillipps, bt., impressum Typis Medio-Montanis, 1837-1871, ed. A. N. L. Munby, London: Holland Press, 1968, n. 22995. Sobre Phillips, ver A. N. L. Munby, Portrait of an obsession, ed. Nicholas Barker, London: Constable, 1967.

47 O manuscrito, que não tive oportunidade de analisar, encontra-se na British Library, Add. MS 38026, e é referenciado em John M. Flannery, The Mission of the Portuguese Augustinians, p. 78, n. 23.

48 Sebastião Manrique, The Travels of Fray Sebastien Manrique, ed. C. Eckford Luard & Henri Hosten, 2 vols., London: Hakluyt Society, 1927. Existe uma edição fac-similada, Nendeln, Liechtenstein: Kraus Reprint, 1967.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rui Manuel Loureiro, « Viajar na Ásia no século XVII: o Itinerario de las missiones de Sebastião Manrique (Roma, 1649) »e-Spania [En ligne], 43 | octobre 2022, mis en ligne le 15 novembre 2022, consulté le 05 décembre 2022. URL : http://journals.openedition.org/e-spania/45798 ; DOI : https://doi.org/10.4000/e-spania.45798

Haut de page

Auteur

Rui Manuel Loureiro

Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes, Portimão & Centro de Humanidades, Universidade Nova de Lisboa

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search