Navegação – Mapa do site

Introdução

Maria José Canelo, Filipe Santos, Mauro Serapioni, Olga Solovova, Paulo Peixoto, Silvia Rodríguez Maeso, Teresa Maneca Lima e Vítor Neves

Texto integral

1Nos 40 anos de vida do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, a e-cadernos CES propôs-se celebrar o acontecimento através de uma revisitação do volume que resultou do primeiro grande projeto coletivo de pesquisa do Centro, “O Estado, a economia e a reprodução social na semiperiferia do sistema mundial: o caso português”. Orientava este estudo a preocupação em desenvolver e aplicar à sociedade portuguesa categorias críticas adequadas àquilo que era entendido como as suas especificidades. A partir da teoria wallersteiniana do sistema-mundo e do conceito de semiperiferia, os investigadores e investigadoras do CES propunham-se demonstrar que a sociedade portuguesa se caracterizava por formas de desenvolvimento intermédias, que combinavam aspetos centrais e periféricos. O volume Portugal: um retrato singular, dado à estampa em 1993, deu forma ao projeto e tomámo-lo como marco de referência. Por um lado, porque foi o primeiro momento de definição da instituição, através do qual o CES manifestava uma identidade coletiva e linhas de investigação próprias; por outro lado, porque essa análise deixou um lastro teórico que continuou a gerar e a dar consistência a estudos posteriores.

  • 1 Boaventura de Sousa Santos (org.) (1993), Portugal: um retrato singular. Porto: Edições Afrontament (...)

2Mesmo parecendo implausível que, quatro décadas mais tarde, a investigação do CES se tivesse cristalizado nas conclusões desse primeiro estudo coletivo, motivou-nos procurar a pertinência atual do conceito de semiperiferia no contexto da sociedade portuguesa. Assim, procurámos desafiar os autores e as autoras deste volume a identificar as dimensões analíticas nas quais esse referencial teórico ainda é produtivo, as razões para a resistência da sua utilização ou para o seu desuso, ou eventuais alterações ao conceito original. Esse desafio resultou nos artigos aqui reunidos, que ora dialogam diretamente com as conclusões de Portugal: um retrato singular,1 ora testam o conceito da semiperiferia em áreas de estudo que não estavam representadas no projeto original, ora evidenciam a sua exaustão e a emergência, no panorama da investigação do CES, de áreas e de conceitos imprevisíveis no início da década de 90, mas que acabam por ser também parte da herança do trabalho lançado por aquele projeto.

3A noção do caminho percorrido desde 1993, neste caso, levou-nos a pensar estas reflexões como trabalho de equipa, em grupos que reunissem os autores e autoras do estudo original e investigadores e investigadoras com presença mais recente no CES, de modo a combinar experiências e sensibilidades críticas, nas mesmas áreas de trabalho mas captando o seu desenvolvimento. Embora nem todos os contributos tenham acabado por tomar essa configuração, o mais importante é a homenagem e, nesse sentido, esperamos que os artigos aqui reunidos demonstrem o empenho dos investigadores e das investigadoras do CES e a pujança e diversidade crítica que marcam o trabalho aqui desenvolvido, 40 anos após a fundação do Centro.

4Começamos com um texto em jeito de moldura, por assim dizer: uma entrevista de Miguel Cardina a António Sousa Ribeiro, que pretendemos que seja um contributo importante para a história oral da casa. É um texto que passa em revista os anos de formação do CES, lança um olhar crítico acerca dos desafios do seu presente e também avança perspetivas sobre o futuro. Talvez sobre os próximos quarenta anos?

5Segue-se um artigo que, embora de natureza científica, também tem um forte cunho pessoal: Carlos Fortuna compara e combina a caminhada pelo espaço da cidade com o seu percurso pelo CES. Na companhia das ideias de Georg Simmel e Henri Lefebvre, o investigador começa por sugerir que a sua ‘caminhada’ pela investigação no CES remete para a ideia do deambular e da deriva pela cidade, uma experiência que determina, na proximidade do espaço físico, com-vivências inesperadas. A sua proposta é de que se recupere a importância do olhar etnográfico, mas no sentido de “envolv[er] uma relação subjetiva do/a caminhante com o ambiente urbano construído e o que este representa”, uma abordagem que devolva aos espaços públicos e às pessoas a morfologia social e cultural que os marca especificamente. Fortuna insurge-se contra as leituras hegemónicas ocidentais que tendem a homogeneizar a cidade na fórmula do global urbano, tomando Lisboa como caso que resiste efetivamente a essa leitura. O autor defende que se deve “construir uma biografia sociopolítica dos lugares, das ruas e praças da cidade, conferindo-lhes maior relevância socio-histórica, cultural e cidadã”.

6Passamos aos textos que se popõem dialogar de perto com o livro de 1993: o artigo de Ana Cordeiro Santos e José Reis revisita o capítulo “Portugal: a heterogeneidade de uma economia semiperiférica”, da autoria de José Reis, que descrevia a condição semiperiférica da economia portuguesa, dando especial relevo à heterogeneidade dos seus modos de regulação, às discrepâncias entre formas de organização da economia e da sociedade e aos desequilíbrios e dependências persistentes que daí resultavam. Relendo agora a economia portuguesa à luz de marcos como o fim do império, a integração europeia e a participação na União Económica e Monetária, que reconfiguraram a relação de Portugal com o centro e como centro, os autores argumentam que fará mais sentido hoje entender o caso português em termos de “uma economia periférica europeia” e já não uma “semiperiferia no sistema mundial”.

7Lina Coelho e Virgínia Ferreira tomam como ponto de referência o artigo de Virgínia Ferreira, “Padrões de segregação das mulheres no emprego – Uma análise do caso português no quadro europeu”, visando uma atualização desse estudo à luz das últimas décadas. Contrariamente às expetativas apresentadas em Portugal: um retrato singular, fundamentadas na articulação de traços estruturais com o feminismo difuso que se ia manifestando após a integração na então chamada CEE, a análise atual revela que a polarização do emprego em função do sexo se intensificou, embora tenda a abrandar nas profissões mais feminizadas e a estagnar, nas menos feminizadas. O caso do desenvolvimento da chamada economia do cuidado, claramente feminizada, permite entender melhor este fenómeno, os seus pressupostos e as suas implicações sociais e culturais.

8No artigo “Literatura e emigração: poetas emigrantes nos estados de Massachusetts e Rhode Island”, em Portugal: um retrato singular, Graça Capinha demonstrara como a língua e a cultura portuguesas, efetivamente periféricas no sistema-mundo, eram usadas pelos poetas imigrantes nos Estados Unidos como formas de resistência e afirmação de uma identidade que, para eles, era central, assim criando um espaço identitário intermédio que a autora articulava através da noção de semiperiferia. As releituras de Clara Keating, Elsa Lechner, Olga Solovova e da autora original, retomam a análise dos espaços multilingues de expressão portuguesa a partir da etnografia, de abordagens biográficas e do estudo das políticas linguísticas, no contexto da imigração portuguesa nos Estados Unidos, por um lado, e da emigração pós-soviética, em Portugal, por outro. Entre outras conclusões, as investigadoras salientam que, apesar dos desenvolvimentos tecnológicos e mudanças migratórias das décadas recentes, continua a ser marcante a consciência política da língua e a capacidade emancipatória da escrita. No entanto, estas mudanças devem ser perspetivadas também em relação às políticas linguísticas do Estado português, para uma análise mais complexa das relações de poder e da imaginação do poder; nestes novos cenários, Portugal afirma-se como um país ao mesmo tempo semiperiférico e central.

9Os artigos de Pedro Góis e José Carlos Marques, e também o de Carlos Nolasco e Joana Sousa Ribeiro – como, aliás, já o artigo anterior – retomam propostas teóricas de outra investigadora do CES, Maria Ioannis Baganha, acerca das migrações de, e para, Portugal. No primeiro, Góis e Marques ocupam-se das mudanças na paisagem migratória em Portugal, com ênfase naquela que foi a maior dessas alterações, a simultaneidade entre fluxos emigratórios e imigratórios, tomando a interdependência entre ambos como uma característica específica da sociedade portuguesa. Os autores salientam tanto o papel das redes migratórias entre os diferentes pontos de origem e de destino dos fluxos migratórios, como o papel que as fronteiras têm na definição do tipo de relações que se estabelecem entre eles.

10O estudo de Nolasco e Ribeiro analisa dois exemplos de fluxos migratórios específicos, constituídos por profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) e desportistas (jogadores de futebol profissional). A partir das dinâmicas recentes destes padrões migratórios, os investigadores promovem uma reflexão à luz da proposta teórica de Maria Ioannis Baganha na qual Portugal assumia a função de “placa giratória” de fluxos migratórios, assinalando o pendor da continuidade semiperiférica de Portugal e a complementaridade direcional dos fluxos. Ainda que modelado por algumas circunstâncias e dinâmicas da globalização, o caso de Portugal, concluem os autores, permanece marcado pela singularidade da sua condição semiperiférica.

11No estudo original, Boaventura de Sousa Santos previa que, no futuro, Portugal viria a desempenhar uma posição central relativamente às suas ex-colónias, mas este era ainda um tema ausente em Portugal: um retrato singular, da mesma forma que eram ainda tímidas as análises da Revolução de Abril, à época. Os textos de Teresa Cravo, Paula Duarte Lopes e Sílvia Roque, por um lado, e o de Maria Manuela Cruzeiro, por outro, evidenciam como estas foram áreas que vieram a florescer, na investigação do CES. Em “Portugal e a promoção da paz: uma análise crítica de percursos pós-coloniais”, as autoras lançam uma perspetiva crítica pós-colonial sobre o papel de Portugal como promotor internacional da paz, nos espaços de duas das suas ex-colónias que experienciaram processos longos e complexos de conflito, violência e intervenção internacional, nomeadamente a Guiné-Bissau e Timor-Leste. As investigadoras demonstram que a forma como Portugal tem atuado num contexto de intervencionismo global “não deve ser entendida como uma mera continuação colonial”, salientando antes a complexidade da “colonialidade do internacional” e avançando críticas às formas híbridas destes tipos de intervencionismo.

12Maria Manuela Cruzeiro analisa a Revolução de Abril através da lente da memória e relembra-nos que o que aprendemos acerca desse acontecimento tende a ser a Revolução narrada e não a Revolução vivida. Para recuperar a experiência vivida da história há ainda que perder as reservas perante uma subjetividade que deve ser entendida como componente da experiência do passado e, deste modo, o testemunho virá suplementar o arquivo. Só assim se poderá recuperar a dimensão de violência inerente às conquistas políticas, sociais e culturais da época – ou, como diz Cruzeiro, “o código genético da democracia de Abril”. Esse encontro depende, porém, de um devido reconhecimento do estatuto científico-académico e da legitimidade epistemológica da História Oral. Os testemunhos diretos permitir-nos-ão aceder, um dia, à significação da Revolução de Abril, que, por agora, continua ausente da memória coletiva.

13Se Portugal: um retrato singular foi publicado poucos anos depois da adesão de Portugal ao que é hoje a União Europeia, o artigo de Dora Fonseca e Elísio Estanque analisa um momento recente que foi particularmente condicionado por essa pertença, a saber, as políticas de austeridade impostas pelo memorando de entendimento da Troika, em 2011. Os autores notam que o aumento da precariedade laboral e a desvalorização dos salários – além do desemprego elevado (sobretudo entre os jovens) – acabaram por intensificar as lutas reivindicativas e as ações coletivas, impulsionadas pela oposição comum às políticas da Troika, o que facilitou a construção de alianças entre diversos atores sociais, alguns com características organizativas e ideológicas claramente diferentes. No final deste estudo, lança-se um olhar sobre os aspetos que poderiam potenciar ainda mais a relação de cooperação e articulação entre organizações sindicais e movimentos sociais conduzidos por objetivos e reivindicações semelhantes.

14A sociologia do direito em Portugal é objeto de um mapeamento aprofundado, no artigo de Patrícia Branco, Paula Casaleiro e João Pedroso, que incide sobre os percursos e dinâmicas da sua progressiva institucionalização enquanto campo disciplinar, tendo em conta as principais dimensões teóricas e empíricas. Para tal, Branco, Casaleiro e Pedroso detalham as grandes áreas temáticas que vêm sendo estudadas, nas últimas décadas, em função do financiamento de projetos na área da Sociologia do Direito. A presente análise caracteriza as linhas de estudo predominantes e os centros de investigação que têm desempenhado papéis relevantes na dinamização e consolidação da Sociologia do Direito, mas o objetivo último desta reflexão é assinalar a urgência de uma nova epistemologia que permita desafiar e ultrapassar exclusões.

15A fechar, dois testemunhos, de uma investigadora e de um investigador cujos trajetos individuais acompanharam o percurso do CES, em alturas diferentes. Para voltar ao tema inicial, Ana Cristina Santos e Hermes Augusto Costa dão-nos um retrato mais próximo da comunidade do CES, porque quem faz o CES também são as pessoas, como lembra o segundo e, seguramente, o que mais recordamos é o que mais significa. Estes olhares revelam, para lá da formação académica e dos percursos de maturação intelectual e crítica, “um lugar de afetos”, no dizer de Ana Cristina Santos, no qual o “espírito de grupo” se destaca, diz-nos Hermes Augusto Costa.

16Gostávamos de encerrar este número comemorativo com votos de muitos anos de vida, acompanhados de renovados desafios. Mas, mais ainda, que, nas muitas voltas que a investigação dá, o percurso futuro do CES seja marcado pelo aprofundar das suas mais singulares marcas de identidade, ou diversidade: que o CES nunca perca a capacidade de cultivar o desassossego, o inconformismo, a irreverência e a capacidade de renovação, como diz o texto de abertura. Da nossa parte, comprometemo-nos a acompanhá-lo e, seguindo a sugestão de um dos nossos autores, continuaremos a caminhada pelo CES e com o CES, na expetativa de com-vivências inesperadas e estimuladoras.

17Parabéns, CES!

18O Conselho de Redação
Maria José Canelo
Filipe Santos
Mauro Serapioni
Olga Solovova
Paulo Peixoto
Silvia Rodríguez Maeso
Teresa Maneca Lima
Vítor Neves

Topo da página

Notas

1 Boaventura de Sousa Santos (org.) (1993), Portugal: um retrato singular. Porto: Edições Afrontamento.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Maria José Canelo, Filipe Santos, Mauro Serapioni, Olga Solovova, Paulo Peixoto, Silvia Rodríguez Maeso, Teresa Maneca Lima e Vítor Neves, « Introdução », e-cadernos ces [Online], 29 | 2018, colocado online no dia 15 junho 2018, consultado a 12 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/eces/3018

Topo da página

Autores/as

Maria José Canelo

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
mjc@ces.uc.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Filipe Santos

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
filipesantos@ces.uc.pt

Mauro Serapioni

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
mauroserapioni@ces.uc.pt

Olga Solovova

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
olga@ces.uc.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Paulo Peixoto

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
pp@uc.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Silvia Rodríguez Maeso

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
srodrig@ces.uc.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Teresa Maneca Lima

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
tmaneca@ces.uc.pt

Vítor Neves

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
vneves@fe.uc.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals