Navegação – Mapa do site

Testemunho: 20/40 – Memória, consolidação e futuro

Ana Cristina Santos

Texto integral

1O CES assinala 40 anos, o dobro dos anos em que o CES tem sido a minha casa. O desafio de falar sobre o que tem representado o CES ao longo do meu percurso, e o modo como essa relação se transformou ao longo do tempo, conduziu-me a um estado de ternura e gratidão que influencia necessariamente o modo como reconstruo agora essa memória.

2Feita a ressalva, esta viagem em registo testemunhal começa no início da década de 1990. Recordo-me da primeira vez que entrei no CES, decorria o ano de 1994, munida de uma declaração passada por um professor da faculdade que assegurava a minha qualidade de estudante de Sociologia. Nesse tempo, o CES restringia-se a uma mão cheia de gabinetes com gente dedicada a projetos que já traduziam o futuro em que queria acreditar. De muitas formas tudo começa naquela tarde, pelas mãos da Lassalete Paiva, que me acolheu quando cheguei, curiosa, a um centro de investigação que tanto viria a marcar a minha vida académica e pessoal.

3Poucos anos depois dessa primeira visita, comecei a trabalhar no CES como assistente de investigação, em 1998, a convite de Boaventura de Sousa Santos, na sequência do gosto que desenvolvi pelas suas aulas em Sociologia do Poder e da Política. Foram, para mim, as aulas com maior impacto pessoal e científico do curso, em especial uma sessão notável em que discutimos a despenalização do aborto, anos antes do primeiro referendo. Desse trabalho de proximidade com o Boaventura, que se prolongou até 2004, resultaram mais livros, encontros científicos e preparação de candidaturas do que aquelas que conseguiria, com justiça, enumerar. Mas o marco principal desse meu período inicial no CES foi certamente o grande projeto “A reinvenção da emancipação social (RES)”, financiado pela Fundação MacArthur, entre 1999 e 2001, e que me integrou numa equipa de coordenação científica com colegas da África do Sul, Brasil, Colômbia, Índia, Moçambique e Portugal. Aprendi muitíssimo nestes anos e adquiri, de forma decisiva, a convicção de que era na investigação no CES o meu lugar no mundo. Durante o projeto “RES” mudei-me do piso 1 para o gabinete da entrada, no rés do chão, com a Sílvia Ferreira, quando a sala que partilhávamos com o Nuno Serra e a Cristina Cruz se dividiu em dois e o cortejo da Queima das Fitas, à terça-feira, nos brindava anualmente com episódios inenarráveis à nossa janela. Nesses anos, o espírito de comunidade era tremendo: os aniversários de cada um/a eram celebrados por todas/os, os almoços eram coletivos, participávamos de todos os seminários (que decorriam, primeiro, na sala do rés do chão e, depois, na velhinha biblioteca do piso 1), e as idas às conferências aconteceram muitas vezes através de parcos recursos partilhados. Nascia assim, para mim, o CES como espaço de afetos.

4Em 2004 começou uma nova etapa. Foi nesse ano que, internamente, passei à categoria de Investigadora do CES e recebi uma Bolsa de Doutoramento atribuída pela Universidade de Leeds, para o Doutoramento em Estudos de Género, na School of Sociology and Social Policy da Universidade de Leeds, que viria a concluir em 2008. Lembro-me da comoção da minha orientadora, Sasha Roseneil, quando o júri, no final da defesa, pronunciou “Awarded unconditionally” e de pensar que, também ali, estava o CES que sempre transportara comigo: na objetividade não neutra, na ciência-cidadã, no compromisso teimoso com lutas que não podem deixar de envolver uma academia que se pretende com e para as pessoas. Durante o tempo em que estive em Inglaterra, primeiro como doutoranda e depois como Research Fellow do Birkbeck Institute for Social Research, em Londres, a minha forte ligação ao CES manteve-se por via dos projetos de investigação em que me envolvi e de que destaco o “Reconstructing Human Rights through Transnational Legal Mobilization? Portugal and the European Court of Human Rights”, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) entre 2007 e 2010, e coordenado pela Cecília MacDowell Santos.

5Em 2010, a FCT atribuiu-me uma bolsa de pós-doutoramento, a desenvolver também no CES. Foi o momento certo para regressar a casa: a Portugal e ao CES. Estar de volta, sem em boa verdade ter deixado de estar aqui, representava uma oportunidade única de articular a prática de uma sociologia crítica com os desafios colocados por um contexto sociocultural em forte mudança no campo da cidadania íntima e sexual. Estávamos em 2010, e Portugal acabara de aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, três anos depois de descriminalizar o aborto. Por tudo quanto aprendera no CES, principalmente por via de um longo trabalho intelectual e político com Boaventura de Sousa Santos, sabia ser aqui o lugar certo para fazer investigação na minha área.

6Pouco tempo depois, em 2011, concorri para um lugar enquanto Investigadora Contratada, e desde então é nessa qualidade que desenvolvo o meu trabalho. Desde o início dessa nova etapa contratual muitas coisas aconteceram, que resultaram em novos desafios profissionais e responsabilidades científicas. Em 2012, juntamente com Sisay Alemahu, preparámos a candidatura da qual resultou um novo programa doutoral no CES. Com uma coordenação partilhada com Bruno Sena Martins, o programa Human Rights in Contemporary Societies foi financiado pela FCT desde o início, atraindo um número crescente de estudantes internacionais interessados em fazer aquele que, em 2013, era o único doutoramento interdisciplinar existente na área dos Direitos Humanos. Também em 2012 obtive, junto da FCT, o meu primeiro financiamento enquanto Investigadora Responsável, com o projeto “Intimidade e Deficiência: cidadania sexual e reprodutiva de mulheres com deficiência em Portugal”. Esse projeto representava já um resultado parcial daquilo a que me propus desenvolver no CES – um campo de estudos críticos em sexualidade a partir da Europa do Sul, que constituísse uma plataforma de formação e consolidação de saberes em torno do Género e LGBTQ.

7Em 2014, um ano depois de estar em funções enquanto vice-presidente do Conselho Científico do CES para as questões relacionadas com investigação, teve início o projeto “INTIMATE – Citizenship, Care and Choice: The Micropolitics of Intimacy in Southern Europe”, resultante da atribuição de um financiamento de 1,4 milhões de Euros por parte do European Research Council, envolvendo equipas de investigação de Portugal, Espanha e Itália, a trabalhar sob minha coordenação até 2019. Tratou-se da primeira vez que o European Research Council atribuiu financiamento a investigação sobre temas LGBTQ em Portugal. Foi no contexto do INTIMATE que vimos crescer exponencialmente o interesse por parte de estudantes de doutoramento, investigadoras/es em início de carreira e em pós-doutoramento, em aprofundar a sua reflexão teórica na área das sexualidades, com um enfoque crescente em temas LGBTQ. Apesar de, até então, palavras-chave como lésbica, transgénero ou queer não constarem dos guiões de candidaturas de projetos no CES, foi no CES que encontrei espaço e incentivo para poder trilhar, com toda a liberdade conceptual, epistemológica e profissional, o caminho que tornou possível um projeto como o INTIMATE.

8De alguma forma, sinto que, volvidos 20 anos, estamos sempre a respirar como no começo, com aquela vontade do futuro em que se quer acreditar. Neste momento, prepara-se o começo do novo projeto “CILIA – LGBTQ: Comparing Intersectional Life Course Inequalities amongst LGBTQ Citizens in Four European Countries”, financiado pela agência europeia NORFACE e resultante do trabalho realizado por um consórcio internacional, cuja equipa em Portugal irei coordenar de 2018 a 2021. Tal como sucedeu no INTIMATE, que criou seis novos postos de trabalho durante cinco anos, o CILIA-LGBTQ permitirá um maior investimento na formação de jovens investigadoras/es, com a consolidação de uma equipa de pessoas especialistas nesta área de estudos interdisciplinares.

9Nos 20 anos que levo de trabalho no CES assisti a muitas transformações, sobretudo físicas, de relação com os espaços e com o alargamento dos recursos humanos, mas também de abertura a temas, quadros teóricos e metodológicos diversificados. O CES, hoje, é muitas coisas, tem muitos rostos, linhas de investigação distintas, caminhos conceptuais heterogéneos, feitos também das pessoas que nos acompanharam e que, por motivos profissionais ou pessoais, seguiram outros rumos. O CES que observo em 2018 é um centro de investigação profundamente interdisciplinar e internacionalizado, com uma linha de investigação consolidada em Género, Sexualidade e Deficiência criada em 2013, e que assume também uma importante componente de escola doutoral, com 12 programas em funcionamento, e vários projetos de tese em fase de conclusão sobre temas LGBTQ, além de uma vasta oferta de eventos científicos sobre temas tão diversos como as não monogamias ou a gestação de substituição. Aquilo a que carinhosamente fomos designando por “escola CES” – pela sua forma ímpar de fazer ciência, de reconhecer os lugares situados de onde sempre falamos, de incentivar métodos participativos e emancipatórios – está também a formar uma nova geração de investigadores/as em estudos de género e sexualidades, um grupo internacional com um enfoque no Sul da Europa e na América Latina, para quem o queer é uma epistemologia interseccional que confere visibilidade a corpos, espaços e afetos silenciados. A “escola CES” é matriz dos Estudos Críticos de Sexualidade que aqui se vêm desenvolvendo desde 2012, funcionando como plataforma para investigação sobre sexualidades nas áreas do design, dos estudos sobre deficiência e doença crónica, das migrações, do pós-colonialismo ou dos estudos sobre religião e espiritualidade, entre outras. Este encontro de saberes a partir das sexualidades não teria acontecido não fossem os estímulos ao pensamento dissidente tão presentes neste centro de excelência em Ciências Sociais e Humanidades.

10Em suma, reconhecer as mudanças não significa perder a memória histórica que nos permite identificar o fio condutor dos lugares a que pertencemos, que nos interpelam, que não nos deixam ficar no sofá. E passadas duas décadas, para além de tudo o resto, o CES representa ainda um lugar de afetos que me recorda, a todos os momentos, que de facto o pessoal não pode nunca deixar de ser político e que, sim, é possível fazer ciência sem perder a convicção.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Cristina Santos, « Testemunho: 20/40 – Memória, consolidação e futuro », e-cadernos ces [Online], 29 | 2018, colocado online no dia 15 junho 2018, consultado a 15 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/eces/3561

Topo da página

Autor/a

Ana Cristina Santos

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de São Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
cristina@ces.uc.pt

Artigos do/a mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals