Navegação – Mapa do site

Testemunho: Notas de um percurso biográfico com paragem no CES

Hermes Augusto Costa

Texto integral

1Se os percursos de vida se fazem de envolvimentos profissionais, pessoais e afetivos, então o Centro de Estudos Sociais (CES) ocupa certamente, na Universidade de Coimbra e nas comunidades científica nacional e internacional, um lugar de grande destaque em tais percursos. Nas seguintes notas dou conta, de forma necessariamente breve, de alguns momentos do meu percurso biográfico que tiveram (e têm) o CES como ponto de referência. Trata-se de um momento de merecida saudação ao CES por altura do seu 40.º aniversário e em que aproveito para realçar aspetos que considero terem sido marcantes na minha vida (e seguramente na de muitas outras pessoas, docentes, investigadores/as, estudantes, funcionários/as, colaboradores/as), como certamente nas dinâmicas de funcionamento de outras instituições, organizações sociais, movimentos, etc., nacionais e internacionais.

Conhecimento do CES e perceção do esprit de corps

2Sou mais velho do que o CES, mas o meu conhecimento do CES é mais novo. Na verdade, conheço o CES há 30 anos, quando, em 1988, vim estudar para o primeiro curso de Sociologia da Universidade de Coimbra, acolhido na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC). Apesar de o meu contacto inicial com os/as docentes e os/as investigadores/as do CES ter ocorrido essencialmente na FEUC (na altura, ainda num espaço de pavilhões pré-fabricados), logo em outubro de 1988, a “primeira fornada” de estudantes da nova Licenciatura em Sociologia foi recebida nas instalações do CES, o “braço armado” da licenciatura. Era aí que os/as docentes do núcleo de sociologia da FEUC tinham gabinetes e recebiam estudantes da licenciatura. Aliás, foi no CES Alta (Colégio de São Jerónimo) e pontualmente também nas Faculdades de Letras, Medicina e Direito, que todo o segundo ano da licenciatura decorreu. O que, sem dúvida, tornou particularmente propícia a formação de um clima de grande cooperação e informalidade entre estudantes e investigadores/as, uns e outros de mais tenra idade e abrangendo projetos novos.

3A minha primeira experiência profissional foi mesmo realizada no CES. Acabado de formar-me, em julho de 1993, e tendo já malas feitas para rumar a outras (incertas) paragens, ainda nesse mês recebi um telefonema – que na verdade foi um convite irrecusável – para me apresentar ao serviço em setembro desse mesmo ano, ao abrigo do projeto “O Estado e a sociedade civil: a criação de atores sociais num período de reconstituição do Estado” (projeto PCSH/SOC/310/92) de que fui bolseiro de investigação. E aí comecei a conhecer melhor os cantos à casa e a contactar mais de perto com o espírito de grupo criado no CES.

O CES sempre a crescer

4Qualquer comparação que se faça entre o CES em 1978 e o CES na atualidade é bem elucidativa do gigantesco crescimento da instituição: atualmente conta com mais de 800 pessoas na sua estrutura, entre investigadores/as, investigadores/as em pós-doutoramento, doutorandos/as, investigadores/as juniores e funcionários/as (segundo informação que consta da página oficial). De uma escala essencialmente nacional dos primeiros tempos, o CES transformou-se numa grande comunidade internacional. Mas a valorização de uma estratégia de broadening (tanto ao nível das perspetivas de análise, como do número de investigadores/as) não impediu que o CES cuidasse de uma estratégia de deepening, traduzida no aperfeiçoamento de linhas de investigação, na redefinição de grupos de pesquisa ou no reforço de temas estratégicos, como os diálogos Sul-Norte e Norte-Sul.

5Talvez se tenha dissipado, é certo, o espírito informal, quase familiar, dos primeiros tempos de vida do CES que eu conheci (e que provavelmente ainda terão sido mais informais no momento da fundação). Talvez o CES seja hoje uma organização que, pela sua grandeza, permitiu que o estranho passasse a conviver com o íntimo, ainda que tal constatação não deva ser vista como uma crítica, apenas como uma consequência inevitável dos tempos e do próprio sucesso de um centro de investigação de referência.

Envolvimento nos órgãos de gestão (administrativa e científica)

6Um conhecimento mais circunstanciado da vida do CES passa também pela participação nos órgãos de gestão. Na verdade, ser eleito ou nomeado para tais lugares não terá constituído propriamente um desejo para a maioria dos que por lá passaram (entre os quais, confesso, me incluo), facto que, ao longo dos anos, suscitou debates internos sobre a crescente necessidade de profissionalização da estrutura administrativa. Mas participar em tais órgãos – como a Direção do CES (da qual fiz parte, entre 1997-1999 e entre 2005-2007) ou o Conselho Científico (de que fui vice-presidente, entre 2013 e 2015) – é um convite a conhecer melhor o CES “por dentro”, os seus problemas, dinâmicas e desafios. Além de um convite a um melhor conhecimento das regras, significa lidar com pessoas, indo ao encontro dos seus anseios, necessidades e expectativas. É uma forma de conhecer a “máquina” em funcionamento, os seus serviços de permanente apoio aos/às investigadores/as, com os seus recursos humanos e materiais, etc.

7Ainda que, hoje em dia, o funcionamento das instituições de ensino e investigação seja muito marcado por um peso desmesurado do trabalho administrativo e burocrático, creio que um olhar sobre a componente científica da atividade de gestão se afigura certamente mais friendly. Nesse sentido, o papel dos núcleos de investigação do CES (que tive ocasião de cocoordenar por mais de uma década, primeiro no NETSIND, depois no POSTRADE) é revelador das sinergias que se podem potenciar e das linhas de pesquisa que o CES promove.

O CES enquanto instituição de referência nacional e internacional

8São vários os fatores que concorrem para que a “marca” CES tenha logrado atingir grande notoriedade nacional e internacional. Embora tenha a noção de que a lista de fatores responsáveis pelo sucesso do CES que a seguir apresento é por certo bem maior, não posso deixar de mencionar aqueles/as que, em meu entender, fizeram e fazem a diferença: a liderança, o pensamento crítico, a investigação de excelência, a escola de formação e as pessoas.

Liderança forte

9Uma premissa central que se ensina nas universidades é a de que não há organizações fortes sem lideranças fortes. Nesse sentido, Boaventura de Sousa Santos foi a verdadeira “locomotiva sociológica” (expressão que ouvi ser-lhe oportunamente atribuída por um congressista de entre as centenas presentes, no auditório principal da Fundação Calouste Gulbenkian, por altura do II Congresso da Associação Portuguesa de Sociologia, em 1990) que sempre esteve e está presente na vida coletiva do CES. Até hoje, foram tantos os momentos de demonstração de mentalidade distributiva por parte do seu fundador e atual Diretor Científico (no sentido de incentivar o fortalecimento do coletivo do CES), que seria necessário um espaço muito extenso para deles dar testemunho. Recordo apenas, nos últimos anos, o grande incentivo e injeção de motivação que imprimiu à comunidade CES, em especial durante os complicados anos de austeridade (menos favoráveis à investigação científica) e em fases de avaliação conturbadas por que passou a instituição.

Referência de pensamento crítico

10Num encontro de Sociologia em que fui orador convidado, no final de 2017, pude constatar que, ao mesmo tempo em que era apresentado como investigador do CES, via a minha pertença institucional ser igualmente associada a uma escola de pensamento alternativo. Com efeito, a formação transmitida e aprendida no contexto de seminários, colóquios, cursos de formação, conferências, projetos, serviços à comunidade, etc., organizados por investigadores/as do CES remete para conteúdos de pendor essencialmente crítico. O que significa que o conhecimento que se tem da realidade e a própria realidade em si mesma não pode aceitar-se passivamente. Distanciando-se do “pensamento único”, o CES apela à “irreverência” (solidamente construída no plano teórico, bem como empiricamente fundada), vertida na busca de alternativas, no sentido da construção de uma sociedade melhor, mais justa e inclusiva.

Excelência da investigação realizada e seu reconhecimento internacional

11Da mesma idade que o CES, a Revista Crítica de Ciências Sociais (RCCS) terá sido o primeiro grande output da investigação realizada no Centro. Após a conclusão da minha licenciatura (1993), foi aí que publiquei o meu primeiro artigo científico (em 1994), ao qual se seguiram muitos outros artigos e recensões publicados nesse mesmo periódico. Além disso, por uma década (entre 2002 e 2012), tive o gosto de ser membro do Conselho de Redação de tão importante revista. Mas, de par com a RCCS, não posso deixar de aludir, desde 1988, à coleção de textos da Oficina do CES (que tive ocasião de coordenar entre 1997 e 1999), que provavelmente será, se não a mais duradoura, pelo menos das mais longevas coleções de working papers da comunidade científica portuguesa. Mas é claro que o crescimento do CES ditou também a diversificação das publicações do Centro (coleções de livros, e-cadernos CES, Cescontexto, Cabo dos Trabalhos, entre outras).

12Além desta profusão de publicações abertas a toda a comunidade científica nacional e internacional, o que talvez hoje mais faça a diferença no CES são os projetos de investigação nacionais e sobretudo internacionais em que os investigadores/as do CES participam e/ou que coordenam. Dois projetos coordenados pelo Diretor Científico do CES em que tive ocasião de participar e que mobilizaram uma proporção muito significativa da comunidade CES foram: entre 1996 e 1999, o projeto nacional “A sociedade portuguesa perante os desafios da globalização: modernização económica, social e cultural”; entre 1999 e 2001, o projeto internacional comparado “Reiventing Social Emancipation”. Além desses projetos, participei em mais dez, enquanto membro de equipa e em quatro, como coordenador. Mas o grande mérito do CES reside não só nas inúmeras redes e projetos internacionais em que os/as seus/suas investigadores/as participam, mas sobretudo nas seis bolsas do European Research Council que lhe conferem uma notoriedade internacional sem precedentes no domínio das ciências sociais em Portugal.

Escola de formação

13O CES não é uma unidade orgânica nem aspira a sê-lo. De outro modo, não seria um centro de investigação. Todavia, o centro de investigação não concentra o exclusivo das suas forças na investigação, mesmo que seja essa a sua missão principal. Ou seja, é um espaço de formação permanente, onde, além de cursos de verão e da organização de cursos de formação avançada sobre temas relacionados com a investigação que é feita pelos/as investigadores/as do CES, se vem consolidando uma “escola doutoral”. E, como não poderia deixar de ser, este desafio é feito em parceria com as várias unidades orgânicas, quer da Universidade de Coimbra, quer com outras universidades.

14O papel do CES não passa, nem poderia passar, por se substituir às unidades orgânicas, tanto mais que é a estas – ou melhor, à Universidade de Coimbra – que cabe a atribuição de graus académicos. Mas, do mesmo modo que hoje as universidades estão a ser pressionadas para se converterem em research universities (o que constitui um teste ao seu futuro, já que é cada vez mais pronunciado o desequilíbrio entre ensino e investigação, mesmo quando estamos a falar de instituições de ensino), o CES soube antecipar-se enquanto escola de formação (teaching center) especializada na oferta letiva temática e interdisciplinar de 3.º ciclo. E ainda que o perfil dos públicos que frequentam os 12 programas doutorais que o CES desenvolve em parceria sejam muito diversificados, é muito significativo o número dos futuros doutores/as que assinala ter sido o CES a instituição principal que motivou a escolha do programa doutoral.

Quem faz o CES são as pessoas

15Deixei este aspeto para o fim, mas podia tê-lo referido em primeiro. Porque são as pessoas que dão vida às instituições, mesmo quando as primeiras têm de obedecer ao ritmo imposto pelas segundas. E, ao falar em pessoas, não estou apenas a elogiar todos os/as investigadores/as do CES, sejam os que trabalham em full time na instituição, os/as docentes das faculdades, os/as associados/as ou os/as investigadores/as em pós-doutoramento que passam temporadas no CES. Refiro-me, em grande medida, ao papel dos/as funcionários/as do CES (que no dia a dia “vestem a camisola” da instituição) e que são também parte da chave do seu sucesso. Na verdade, em distintos domínios – gestão de projetos, gabinete financeiro, tecnologias de informação (apoio informático), eventos, comunicação e imagem, apoio às publicações, biblioteca – são as pessoas que trabalham nesses serviços que tornam o CES mais forte. Pelos alertas que lançam, pelos documentos que enviam, pelos lembretes que mandam, pelas sugestões e apoio técnico que dão na preparação de candidaturas ou na recolha bibliográfica, etc., etc., são essas pessoas que dão vida ao CES.

O CES… uma referência para o futuro

16Nesta breve retrospetiva paralela entre o trajeto do CES e o meu trajeto profissional foi certamente muito mais o que omiti do que o que mencionei. Apenas quis assinalar que o passado do CES fala por si. E falar desse passado é dar conta de um trajeto de crescente afirmação, inclusão, diversidade, interdisciplinaridade, espírito crítico, excelência, internacionalização.

17O CES é de todos/as os/as seus/suas investigadores/as, existindo, por isso, para os servir e sempre em respeito pela autonomia da investigação de cada um/a. Estou, pois, convicto de que a grande teia de contactos, interações, redes propiciadas pelo CES ou de que o CES faz parte abre um horizonte de oportunidades emergentes a que importará dar sequência. Por sinal, num contexto porventura cada vez mais desafiante e marcado pela contínua busca de mais “financiamentos competitivos” (como hoje se diz).

18Quando, na minha outra “casa” – afinal aquela com a qual tenho uma relação contratual (a FEUC) e que me leva a classificar a minha pertença institucional como FEUC-CES ou como CES-FEUC – ouço (não raras vezes) comentários de outros colegas (não investigadores do CES) – do estilo “Ah, mas vocês têm o CES” –, o que depreendo deles é um sinal de elogio e reconhecimento do caráter distintivo do CES. Mesmo que tais comentários não devam servir de pretexto para relaxamento de qualquer tipo (ou não fosse o futuro sempre incerto), eles são, no mínimo, demonstrativos de que o CES continuará a ser uma referência para o futuro da ciência crítica e cidadã, em Portugal e no mundo.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Hermes Augusto Costa, « Testemunho: Notas de um percurso biográfico com paragem no CES », e-cadernos ces [Online], 29 | 2018, colocado online no dia 15 junho 2018, consultado a 19 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/eces/3569

Topo da página

Autor/a

Hermes Augusto Costa

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra | Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
Colégio de São Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
hermes@fe.uc.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals