Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros38@ceteraAllocca, Daniela; Capone, Nicola;...

@cetera

Allocca, Daniela; Capone, Nicola; Ferrante, Nina; Iengo, Ilenia; Orlandini, Giuseppe; Sciarelli, Roberto; Valisena, Daniele (orgs.) (2021), Trame. Pratiche e saperi per un’ecologia politica situata

Inês Vieira
Referência(s):

Allocca, Daniela; Capone, Nicola; Ferrante, Nina; Iengo, Ilenia; Orlandini, Giuseppe; Sciarelli, Roberto; Valisena, Daniele (orgs.) (2021), Trame. Pratiche e saperi per un’ecologia politica situata. Napoli: Tamu Edizioni, 220 pp.

Notas da redação

Revisto por Alina Timóteo

Texto integral

1Como contribuir para a construção de uma visão radical, que assuma como premissa o conjunto orgânico da vida e da biosfera, da produção e da reprodução? Este questionamento encontra-se entre as primeiras palavras de Trame, trabalho coletivo em que convergem estudiosos/as e ativistas na reflexão sobre/através da ecologia política, considerada simultaneamente como prática de análise e de transformação da sociedade. Esta questão parte do laboratório Ecologie Politiche del Presente1 e de Nápoles, cidade no sul de Itália, ainda que se incluam reflexões de outras geografias, maioritariamente em coordenadas meridionais.

2Trame alude aos fios que ligam e à própria ação de ligar, aqui focando-se nas práticas e saberes, pensamentos e(m) lutas que, através da sua conjugação, podem fazer emergir novas abordagens de ambientalismos populares. O livro organiza-se numa sucessão de capítulos temáticos que, tal como os/as autores/as consideram na introdução, propõem um conjunto de orientações teóricas, espaciais e socioecológicas no território da ecologia política. Este encadeamento denota diversos níveis de posicionamento, problematização e resposta.

3Primeiramente, exploram-se conceitos centrais para compreender teorias e práticas dos conflitos socioambientais. Parte-se da justiça ambiental enquanto campo de estudos e ativismo que nasce de mobilizações comunitárias contra infraestruturas poluidoras, de onde emergem lutas que unem questões ambientais e sociais, explicitando exposições desiguais à contaminação e ao risco ambiental (p. 17). O debate procede incidindo na crítica ao conceito de Antropoceno – denunciando a forma como se cristaliza a ideia de que a humanidade, tida como entidade geral e abstrata, é o agente da crise ambiental – e propondo, alternativamente, o conceito de Capitaloceno – assumir que o capitalismo é uma economia-mundo, sublinhando o papel-chave de dinâmicas de acumulação capitalista na produção de precariedades difusas e multiespécie, as quais são moduladas em coordenadas geopolíticas, sexuais e raciais (p. 51). A discussão avança para os extrativismos, problematizando os impactos não só nos locais em que são extraídos minerais, combustíveis fósseis e outros bens naturais, como também as complexas relações com os locais em que esses recursos são transformados e consumidos (p. 59) – aqui identifica-se o posicionamento do sul italiano como variante nacional do “extrativismo planetário”, e o movimento de oposição “ecologia política meridiana” que, a partir do sul, contesta a ordem socionatural hegemónica (p. 62). A reflexão prossegue para a ecologia operária, fenómeno social e ambiental que compreende fluxos materiais e imateriais entre a fábrica (lugar da produção industrial), o território em que se fixa e a comunidade humana que os habita – contexto a partir do qual a injustiça ambiental se evidencia obrigando os trabalhadores a “escolher” entre saúde ou trabalho, numa contradição entre reprodução social e reprodução biológica (pp. 77-78).

  • 2 Lefebvre, Henri (2012), O direito à cidade. Lisboa: Letra Livre. Tradução de Rui Lopo [ed. orig. 19 (...)

4Nos capítulos seguintes observa-se um adensamento da análise e de propostas de ação em contexto urbano. Por um lado, nestes contextos evidenciam-se experiências concretas que demonstram possibilidades de repolitizar discursos sobre alterações climáticas, sobre as quais se tem observado uma convergência progressista forte entre movimentos sociais históricos, novos movimentos liderados por jovens e algumas instituições influentes na perceção coletiva (p. 95). Por outro lado, e partindo de Nápoles, pensar nas formas em que se tem modificado o espaço urbano leva a pensar na turistificação, através da qual se extrai valor dos centros históricos transformados em bens de consumo e se exclui do espaço urbano o que não se englobe no consumo turístico (p. 115). Porém, pensar no “direito à cidade”2 também permite ligar a luta contra a turistificação à luta pelo direito a habitar e pelos bens comuns (p. 127). Neste contexto, o cuidado do comum, dos bens partilhados por uma comunidade, baseia-se em colocar as atividades de cuidado no coletivo, em detrimento de uma lógica de cuidado que remete para a esfera privada (individual, familiar). Esta coletivização do cuidado do comum tem sido alvo de grande experimentação, nomeadamente transformando áreas degradadas e edifícios abandonados em lugares autogeridos pelas comunidades que deles cuidam (pp. 133-134).

  • 3 Hui, Yuk (2017), “Cosmotechnics as Cosmopolitics”. e-flux, 86. Consultado a 27.03.2023, em https:// (...)
  • 4 Haraway, Donna (2016), Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham: Duke Univer (...)

5Quais podem, então, ser as abordagens teóricas, metodológicas e epistemológicas consequentes, acompanhando estas leituras em ecologia política? Sugerem-se três direções, entre outras possíveis. A primeira é a “cosmotécnica”,3 considerando que as questões de técnica não podem ser afastadas das questões próprias da ecologia política (crise ambiental, poluição, devastação de territórios, epidemias, efeitos diferenciados nas populações) e que a crise ecológica deve ser repensada a partir da tecnodiversidade, de conceções da técnica que envolvam relações heterogéneas com o cosmos e a moral (pp. 153-156). A segunda é a caminhada como forma de cartografar, nos interstícios entre etnografia e estudos de performance, com uma inclusão consciente dos corpos na dimensão pública de aparição e transformação, numa atitude de escuta sensível (p. 168). Por fim, centrando na ideia de composto, convida-se à habitação do húmus, misturando o humano entre si e no mundo, proposta de uma estratégia “simpoiética”4 de fazer em conjunto, qual reflexo da arte de viver num planeta danificado (p. 187).

6Trata-se de uma obra que atualiza a discussão interdisciplinar em ecologia política, com grande dinamismo particularmente no contexto italiano, e que evidencia o compromisso dos/das autores/as entre produção académica e contextos de luta. A sua leitura será importante para investigadores/as, estudantes, militantes ecologistas e outros/as potenciais interessados/as em compreender a ecologia política a partir do sul europeu.

Topo da página

Notas

1 Mais informações no website do laboratório https://www.ecologiepolitiche.com (última consulta a 27.03.2023).

2 Lefebvre, Henri (2012), O direito à cidade. Lisboa: Letra Livre. Tradução de Rui Lopo [ed. orig. 1968].

3 Hui, Yuk (2017), “Cosmotechnics as Cosmopolitics”. e-flux, 86. Consultado a 27.03.2023, em https://www.e-flux.com/journal/86/161887/cosmotechnics-as-cosmopolitics/.

4 Haraway, Donna (2016), Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham: Duke University Press.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Inês Vieira, «Allocca, Daniela; Capone, Nicola; Ferrante, Nina; Iengo, Ilenia; Orlandini, Giuseppe; Sciarelli, Roberto; Valisena, Daniele (orgs.) (2021), Trame. Pratiche e saperi per un’ecologia politica situata»e-cadernos CES [Online], 38 | 2022, posto online no dia 31 março 2023, consultado o 28 maio 2024. URL: http://journals.openedition.org/eces/7936; DOI: https://doi.org/10.4000/eces.7936

Topo da página

Autor

Inês Vieira

CeiED – Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento, Universidade Lusófona | CICS.NOVA – Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, Universidade NOVA de Lisboa
Av. Mal. Craveiro Lopes 2A, 1700-284 Lisboa, Portugal
Contacto: ines.vieira@ulusofona.pt
ORCID
: https://orcid.org/0000-0001-7709-2271

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search