Navigation – Plan du site

Dossiê temático No. 57 “Mediações e usos sociais de saberes e da informação. Olhares intercruzados França-Brasil”

Dossier thématique n° 57 « Médiations et usages sociaux des savoirs et de l’information. Regards croisés France-Brésil »
Thematic issue n° 57 “Mediations and social uses of knowledge and information. An intercrossed France-Brazil Outlook”

Coordenado por Viviane Couzinet (Universidade Toulouse III-Paul Sabatier, França) e Regina Marteleto (Ibict-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil).

Esta edição de Études de communication oferece aos pesquisadores e doutorandos, na França e no Brasil, a oportunidade de entrecruzar os seus olhares sobre a questão das mediações e os usos sociais de saberes e da informação. Dando sequência ao trabalho iniciado pela Rede franco-brasileira MUSSI (Mediações e Usos Sociais de Saberes e da Informação), a chamada de artigos se dirige, mais amplamente, ao conjunto da comunidade científica. A rede foi iniciada na linha dos fundadores francófonos do campo da informação-documentação, Otlet, Meyriat, Estivals, Escarpit e outros que os acompanharam, da consolidação do campo da pesquisa em Ciência da Informação nos dois países a partir dos anos 1990, e da visão comum de pesquisadores franceses e brasileiros do objeto informacional inserido em questões culturais, sociais e políticas. Desde 2008, e após o amadurecimento dos debates, e das ideias desenvolvidas durante reuniões, estudos conjuntos, publicações cem comum, este coletivo vem propondo um amplo diálogo em torno de seu campo teórico e metodológico. Este campo se articula em torno de eixos temáticos que contemplam as dimensões epistemológicas, culturais e práticas do campo da informação.

O conceito de mediação é onipresente em várias disciplinas das ciências antropo-sociais e demonstra a sua utilidade na compreensão dos processos de circulação dos objetos culturais e das suas dimensões simbólicas e técnicas na época atual (Jeanneret, 2009). Nas Ciências da Informação podemos sublinhar a sua missão de clarificar tais fenômenos, por meio das mediações documentárias (Couzinet 2009), ou seja, aquelas que reconhecem e certificam as redes de atores presentes nos modos de produção, circulação e apropriação do conhecimento no campo da ciência, da tecnologia ou da cultura, agora também digital (Davallon, 2012). Neste contexto, é necessário reconhecer o peso da tecnologia no questionamento da cultura contemporânea. O conceito de “cultura” é compreendido como o conjunto de formas históricas que orientam a produção, circulação e apropriação social de ideias, objetos, sentidos e símbolos específicos dos saberes e das práticas de cada grupo social, para os quais constituem um patrimônio (Marteleto, 2016).

Nesse sentido, para entender as mediações de acordo com a abordagem aqui proposta, é importante inserir a problemática da informação-comunicação-documentação ao mesmo tempo numa “epistemologia compreensiva” e numa “direção política”, em busca de um sentido emancipatório face à hegemonia do mercado das mídias transnacionais (Sodré, 2006). Por tanto, trata-se de observar o elo que pode ser estabelecido entre a criação de dispositivos técnicos e materiais, por um lado, e, por outro, as práticas da cultura e da memória individual e coletiva, tanto acadêmicas como do senso comum (Jeanneret, 2011). A noção de dispositivo é aqui entendida como um agenciamento de elementos inscritos num projeto cujos efeitos, interesses e constrangimentos, numa dada situação social, podem ser revelados. Se o dispositivo envolve técnicas, ele também envolve seres humanos (Couzinet, 2009). Quer sejam dispositivos primários ou dispositivos secundários enquanto objetos concretos, eles asseguram a mediação entre outros objetos concretos produzidos por emissores-produtores de informação e receptores- usuários da informação. Além disso, a produção e os usos levantam problemas éticos, legais e políticos.

Os fenômenos sociais e técnicos da mediação e os usos sociais dos saberes e da informação constituem assim o foco central deste dossiê temático. O questionamento que se desenvolveu nas Ciências da Informação em torno dos objetos info-comunicacionais levou à inclusão de disciplinas destinadas a destacar os seus contornos para afirmar a sua legitimidade acadêmica. Este é o caso da bibliologia, por exemplo (Estivals, 1993 ; Saldanha, 2015). A fim de contribuir para o desenvolvimento da reflexão e em paralelo com a análise dos processos culturais e simbólicos envolvendo informações e saberes, segundo perspectivas cruzadas ou comparativas, este dossiê inclui igualmente análises dos processos de institucionalização das Ciências da Informação.

A partir das mediações e experiências sócio-subjetivas de circulação e apropriação da informação e do saber, um conjunto de conceitos e questões torna-se fundamental nos estudos da informação e da comunicação. Estes conceitos e questões constituem igualmente a centralidade temática deste dossiê. Entre eles, podemos identificar dispositivos de informação, relações entre conhecimento, saber e informação, cultura digital, escrita digital, dispositivos info-comunicacionais, vida social dos objetos culturais, práticas metalinguísticas de representação do conhecimento, patrimônio e patrimonialização, memória e instituições de informação tais como museus, arquivos, bibliotecas, centros de documentação.

O dossiê propõe o desenvolvimento de três eixos temáticos :

  1. epistemologia e interdisciplinaridade na construção dos conceitos de conhecimento, saber e informação no campo de estudos da informação, institucionalização das Ciências da Informação e o lugar da pesquisa sobre as mediações e os usos sociais da informação ;

  2. informação e processos culturais e simbólicos : tecnologias de comunicação e informação e modos de recepção, linguagens e escritas em diferentes espaços institucionais e digitais. Leitura, textualidade e memória : teorias, práticas, ações e políticas ;

  3. desafios para a organização dos saberes/conhecimentos multi-inter-trans-disciplinares em face das transformações da ciência e da sociedade : aspectos éticos e políticos da produção, organização e representação dos conhecimentos.

Comitê de revisão pelos pares (em fase de constituição)

Lídia Eugênia Cavalcante (Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil)

Alain Chante Université (LERASS, Universidade de Montpellier 3)

Stéphane Chaudiron (GERiiCO, Universidade de Lille)

Marilda Lopes Ginez de Lara (Universidade de São Paulo (USP), Brasil)

Madjid Ihadjadene (Paragraphe, Universidade de Paris 8)

Gustavo Saldanha (Ibict-Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil)

Marco Schneider (Ibict-Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil)

Cécile Tardy (GERiiCO, Universidade de Lille)

Icléia Thiesen (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Brasil)

Seleção de propostas

A seleção das propostas é feita em duas etapas :

  • com base em um resumo de 1.500 a 2.000 palavras que apresentará os objetivos, a argumentação e a originalidade da proposta, bem como algumas orientações bibliográficas ;

  • para os resumos aprovados, será realizada uma segunda avaliação com base nos artigos em texto completo.

As instruções aos autores estão disponíveis no site da revista : https://journals.openedition.org/edc/668.

A avaliação será realizada anonimamente por pelo menos dois avaliadores. Os resumos em formato Word (.doc) ou OpenDocument (.odt) devem ser enviados até 12 de julho para os dois endereços seguintes : :

As propostas de artigos em formato de resumo, assim como os artigos em texto completo podem ser submetidos em francês, português ou inglês. Os artigos serão publicados em francês para a versão impressa da revista e em português ou inglês, e em francês para a versão eletrônica. Nenhum compromisso de publicação pode ser feito até que o texto completo tenha sido lido.

Datas/prazos

12 Julho 2020 : submissão de resumos

24 Agosto 2020 : notificação da aceitação ou recusa dos resumos aos autores

24 Novembro 2020 : envio da versão completa dos artigos

15 Março 2021 : recepção das versões finais

Dezembro 2021 : publicação do fascículo (versão em papel e versão eletrônica)

Bibliographie

Almeida, M.A. (2014). Mediação e mediadores nos fluxos tecno-culturais contemporâneos. Informação & Informação, 19(2), 191-214. https://doi.org/10.5433/1981-8920.2014v19n2p191

Bourdieu, P. (2002). Les conditions sociales de la circulation internationale des idées. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 145, 3-8. https://doi.org/10.3406/arss.2002.2793

Couzinet, V. (dir.). (2009). Dispositifs info-communicationnels : questions de médiations documentaires. Hermès Science ; Lavoisier.

Davallon, J. (2012). Du numérique pour la culture à la culture numérique ? 2a. Jornada Científica Internacional da Rede Mussi. Anais (p. 21-38). Ibict-UFRJ. https://remussi.org/wp-content/uploads/2019/04/Anais-Mussi-2012_01.pdf

Estivals R. (1990). Les langages et leurs interrelations : quelques axes pour une théorie sémiologique de la communication. Revue de Bibliologie : schéma et schématisation, 33, 8-16.

Fabre, I. (2012). Médiation documentaire et culturelle dans le musée. Communication et langages, 173(3), 83-99. https://doi.org/10.4074/S0336150012013063

Foucault, M. (1969). L’archéologie du savoir. Gallimard. [Foucault, M. (2010). A Arqueologia do saber (7. ed.). Forense Universitária].

Fraysse, P. (2015). La médiation numérique du patrimoine : quels savoirs au musée ? Distances et médiations des savoirs, 12. https://doi.org/10.4000/dms.1219

Freire, P. (2018). Pedagogia do Oprimido (65ª. ed.). Paz e Terra.  [Freire, P. (1970). Pedagogy of the Oppressed. The Seabury Press.]

Frohmann, B. (2011). Reference, representation, and the materiality of documents. 2e Colloque Scientifique International du Réseau Mussi. Actes (p. 55-67). Université de Toulouse 3.

Gardiès, C. (dir.). (2011). Approche de l'information-documentation : concepts fondateurs. Cépaduès.

Jeanneret, Y. (2009). The relation between mediation and use in the research field of information and communication in France. RECIIS-Rev. Eletrônica de Informação, comunicação e inovação em saúde, 3(3), 25-34. https://doi.org/10.3395/reciis.v3i3.753

Jeanneret, Y. (2011). Y-a-t-il (vraiment) des technologies de l'information ? Presses Universitaires du Septentrion.

Marteleto, R. (2016). Tierce connaissance et rencontre de savoirs : pour une épistémologie sociale de l'information. 3es Journées scientifiques internationales du Réseau Mussi. Actes (p. 37-54). ENFA. https://remussi.org/publicacoes/

Meyriat, J. (1981). Document, documentation, documentologie. Schéma et schématisation, 14, 51-63. [Meyriat, J. (2017). Documento, documentação, documentologia. Perspectivas em Ciência da Informação, 21(3), 240-253. http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/2891]

Saldanha, G. (2015). O esquema e as formas simbólicas: uma 'arqueologia filosófica' do esquema no pensamento bibliológico. Tempo Brasileiro, 203, 79-102.

Sodré, M. (2006). As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Ed. Vozes.

Thiesen, I. (2016). Fabrique de mémoire : documents sensibles, leur mise en archives et leur statut de parimoine de l'humanité – quels enjeux ? 3es Journées scientifiques internationales du Réseau Mussi. Actes (p. 19-36). ENFA. https://remussi.org/publicacoes/

Haut de page