Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros17Editorial / ApresentaçãoDossiê coronavírus: Quem tem medo...

Editorial / Apresentação

Dossiê coronavírus: Quem tem medo da pandemia? Geografias e geopolíticas do Covid-19

Guilherme Ribeiro (PPGGEO/UFRRJ), Floriano José Godinho de Oliveira (PPFH/UERJ), Leandro Dias de Oliveira (PPGGEO/UFRRJ) e Regina Tunes (IGEOG/UERJ)

Texto integral

1Por ocasião do surgimento da Espaço e Economia no segundo semestre de 2012, a intenção dos editores fundadores era a de estimular cientificamente o campo da Geografia Econômica no país e, ao mesmo tempo, servir como canal de intervenção político-intelectual sobre temas atuais.

2Tanto no passado como no presente, o ofício do geógrafo não deve separar ciência e política, pois qualquer tentativa de fazê-lo derivará em uma leitura estéril e ideológica da realidade. Da escolha dos conceitos à publicação dos resultados da pesquisa, a intervenção científica do geógrafo é indissociável da dimensão política organizadora da sociedade. A todos os geógrafos e os cientistas sociais que aceitaram o desafio de escrever em plena ebulição graças à cumplicidade intelectual, afetiva e política que nos une, muitíssimo obrigado.

  • 1 Eric Hobsbawm. Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994, p. 32.

3Afinal, se Eric Hobsbawm afirma em “Era dos Extremos” (1994)1 que a Segunda Grande Guerra foi uma verdadeira aula de geografia do mundo, a expansão do COVID-19 também se mostra uma aula de geografia do mundo contemporâneo, revelando a todos a face perversa do neoliberalismo, da globalização e da urbanização segregadora.

4Assim, a difusão do neoliberalismo em escala mundial e suas consequências territoriais em um país periférico como o Brasil representam um projeto de morte para milhões de indígenas, quilombolas e trabalhadores no campo e nas periferias metropolitanas. Na esteira das “reformas” — o vocábulo é deliberadamente ruim visando mascarar a natureza negativa do processo — trabalhista e previdenciária operadas desde 2016 pelos Governos Temer e Bolsonaro e celebradas com júbilo pelo mercado, o sufocamento da coisa pública em nome da privatização da vida tem sido adotado como norma.

5Neste caso, o uso do termo não é acidental. Estamos diante de palavra-chave no entendimento do capitalismo como um sistema obrigado a engendrar diuturnamente a aparência de normalidade, mas que, por sua própria natureza, é incapaz de esconder suas contradições — embora muitas vezes não sejamos capazes de discerni-las.

6A pandemia Covid-19 despiu todas elas.

7Se a solução para o Corona reside em uma vacina, qual será a solução para o vírus da concentração de renda, da superexploração do trabalho, dos juros escandalosos, dos deploráveis lucros bancários bilionários, do Estado autoritário criminalizador de movimentos sociais?

8A plena resposta não virá nem da Bioquímica, nem da Epidemiologia, mas daquilo que o Estado brasileiro vem fazendo com sua população. Se a normalidade admite a saúde pública à beira da falência, administrar o incremento da necessidade médico-hospitalar será tarefa áspera. Se a normalidade aceita habitações desprovidas de infra-estrutura de toda sorte, exigir cuidados especiais das periferias soa como inversão de valores. Se a normalidade reconhece o salário como algo justo mesmo quando irrisórios, automaticamente suspensões temporárias dos trabalhadores e auxílios governamentais serão tomadas como medidas legítimas de superação da crise.

9Aliás, qual é mesmo o Leitmotiv dessa crise?

10O dossiê em tela não deixa de ser nossa modesta resposta ao corte de bolsas de pesquisa em geral e à área de ciências humanas em particular. Se a relevância das esferas tecnológica e de inovação é inquestionável em pleno século XXI, desconsiderar o alcance das humanidades no entendimento de temas como democracia, política, cidadania, xenofobia, educação, cultura, ética, religião e memória — para mencionar apenas alguns — significa aderir a uma perspectiva técnico-pragmática de mundo cujo desdobramento tão perigoso quanto fatal é a completa eliminação do outro.

11O reconhecimento do outro — que, evidentemente, somos todos nós — pertence a um conjunto de práticas sociais assentes exatamente na noção de público e no equilíbrio complexo entre liberdades particulares e garantias coletivas. No entanto, em um país dilacerado pelo escravismo, pela subalternidade e pelo autoritarismo, a ascensão do neoliberalismo e sua ênfase no individualismo fabricam o cenário perfeito para o asfixiamento da discussão sobre os sentidos do público, do social, do coletivo.

12Fechado em si próprio, o individualismo é o caminho mais curto para a proliferação de dogmas de toda espécie. Em nome de interesses privados, cultiva pavor ao diálogo, ao contraditório, à argumentação. Talvez a pandemia possa deslocar temporariamente suas convicções. Eis uma das razões pelas quais a universidade pública, gratuita e de qualidade encarna uma ameaça ao status quo: ela orbita parcialmente fora do controle e da vigilância estatais. Certamente, o livre-pensamento possui um raio de ação que extrapola os limites do previsível.

Topo da página

Notas

1 Eric Hobsbawm. Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994, p. 32.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Guilherme Ribeiro (PPGGEO/UFRRJ), Floriano José Godinho de Oliveira (PPFH/UERJ), Leandro Dias de Oliveira (PPGGEO/UFRRJ) e Regina Tunes (IGEOG/UERJ), «Dossiê coronavírus: Quem tem medo da pandemia? Geografias e geopolíticas do Covid-19»Espaço e Economia [Online], 17 | 2020, posto online no dia 08 abril 2020, consultado o 14 julho 2024. URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/11356; DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.11356

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-SA-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC-SA 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search