Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros2ArtigosMovimentos sociais, periferia e f...

Artigos

Movimentos sociais, periferia e formas de dominação: dois estudos de caso sobre economia política e território em Buenos Aires

Social movements, periphery and forms of domination: two case studies about political economy and territory in Buenos Aires
Mouvements sociaux, banlieue et formes de domination: deux études de cas sur l’économie politique et territoire à Buenos Aires
Javier Ghibaudi

Resumos

Discutir as mudanças e permanências na ação coletiva de dominados em termos de processos de territorialização e de luta de classes na periferia de Buenos Aires na década de 2000, questionando conceitos como exclusão social e de segregação territorial.

Topo da página

Texto integral

Introdução

1No início da década de 2000, ganham visibilidade na Argentina movimentos sociais que reivindicam relações de trabalho e de poder opostas às relações dominantes. Particularmente, no ano de 2002, aparecem no dia-a-dia da imprensa passeatas, ocupações de espaços públicos e privados e reivindicações diante do poder público de diversos grupos que envolviam assembléias de bairro nos grandes centros, os movimentos de trabalhadores desempregados ou piqueteros e as fábricas recuperadas – pela ocupação de estabelecimentos por seus trabalhadores reivindicando sua gestão cooperativa. Grande parte desses fenômenos, por sua vez, tem como marco territorial fundamental os principais centros urbanos do país, especialmente a área metropolitana de Buenos Aires (AMBA), e reivindicam também uma ação e identidade territorial, no “bairro”.

2Este trabalho busca discutir os processos de ação coletiva de dominados, seus agentes e escalas de ação concretas na Argentina contemporânea e na sua relação com os processos mais gerais de desigualdade territorial. Com esse objetivo reflete a partir de dois casos de organizações de desempregados na Periferia da Área Metropolitana de Buenos Aires (AMBA) durante a década de 2000, prestando especial atenção à sua articulação com as transformações na ação do Estado e aos processos de luta de classes e de territorialização vigentes. Entende-se territorialização como o processo a partir do qual relações de poder – nas suas dimensões econômica, social e política – tentam ser construídas no e pelo espaço, seguindo a síntese proposta por Haesbaert (HAESBAERT, 2004). Os movimentos piqueteros enfatizam na sua proposta de ação pública e coletiva uma estratégia centrada na escala do bairro, parecendo, assim, continuar a trajetória de ações pretéritas de organização popular em Buenos Aires — tais como as ocupações de terras e organização de serviços no começo da década de 1980 ou, mais longe ainda, as sociedades de bairro surgidas com a imigração na primeira metade do século XX. Para a categoria de classe segue-se a proposta conceitual de Edward Thompson (THOMPSON, 2001) quando enfatiza o caráter histórico, processual e relacional das práticas e valores que permitem a identificação de um grupo social em relação a outros a partir de um processo não pré-determinado que vai se construindo ao longo do tempo, sendo central também para este autor um outro conceito: o de lutas de classes.

3O trabalho busca dialogar criticamente com análises que acabariam reduzindo as mudanças no capitalismo contemporâneo e na ação coletiva a processos de exclusão social e segregação territorial. Essas análises enfatizam ainda o ‘fim das classes’ não somente no discurso dos atores, mas também como categoria de análise pertinente (SVAMPA, 2008; MERKLEN, 2005). Para esta discussão, são consideradas outras análises que, refletindo sobre grandes cidades na Argentina e no Brasil, defendem uma leitura em termos de luta de classes e de relações de dominação (TELLES & CABANES, 2006; MANZANO, 2009; VARELA, 2009). Interessa aqui estudar as continuidades e transformações nas relações de classes e nos processos territoriais associados e que, no debate latino-americano, costumavam ser resumidas nos termos da relação centro-periferia (ROMERO & ROMERO, 2000; TELLES & CABANES, 2006). O artigo começa com uma breve descrição das tendências dominantes em termos desses processos nas últimas duas décadas em Buenos Aires e segue identificando o entendimento mais divulgado na Argentina sobre a ação coletiva em termos de ‘exclusão social’ e ‘segregação territorial’. Após estas referências, apontamos os casos de estudo e os principais resultados em termos das questões agora apresentadas.

Ação coletiva e território nas últimas duas décadas em Buenos Aires: as leituras da exclusão social e da segregação territorial

4Pode-se afirmar que a partir da década de 1990, uma relação centro-periferia foi transformada, e acentuada, dentro da área metropolitana de Buenos Aires (AMBA), em prejuízo de seus tradicionais subúrbios pobres. Em outros termos, foi intensificado, com novidades, o processo histórico de oposição, entre Capital e Conurbano – o conjunto de municípios que conformam seus subúrbios (GRIMSON, 2009). Por um lado, na Capital, os setores econômicos mais beneficiados e seus agentes tenderam a se instalar na City (micro-centro da Capital Federal), em tradicionais áreas nobres no litoral norte do AMBA e em duas territorializações dominantes relativamente novas: a (re) modernização do antigo Puerto Madero, agora para fins de gestão de negócios e moradia de alta renda, e os enclaves de moradia para setores de média-alta e alta renda em ‘bairros privados’ e countries nos subúrbios portenhos (SILVESTRI & GORELIK, 2000 ; CUENYA, FIDEL & HERZER, 2004). Por outro lado, os mais prejudicados dentro da nova estrutura e dinâmica social tendiam a continuar nos subúrbios de uma Periferia cada vez mais periférica em termos de relações de poder e dominação. Nesse sentido, destacavam-se outras tendências territoriais que também merecem ser chamadas de dominantes, por serem cada vez mais significativas em termos quantitativos mas, fundamentalmente – seguindo a Haesbaert (2004) –, por estarem comandadas por ações e decisões a partir dos agentes que exerciam o poder político e econômico. No Conurbano, junto com os relativamente pequenos enclaves dos bairros fechados, aumentaram de forma significativa as moradias precárias nas vilas e em assentamentos com pouca ou nenhuma infra-estrutura (CRAVINO, 2008) – onde, aliás, se localizavam a maioria dos trabalhadores temporários e de serviços domésticos que atendiam os próprios countries (SILVESTRI & GORELIK, 2000).

5Em relação de contraposição com essas tendências dominantes, podem ser observadas as ações coletivas a partir de dominados citadas na Introdução, especialmente as organizações piqueteras atuantes na periferia de Buenos Aires (SVAMPA & PEREYRA, 2003). Essas ações mereceram, e continuam a provocar diversas pesquisas e reflexões no âmbito das ciências sociais argentinas, em publicações crescentes em número e tamanho já a partir de 2002. Seus conceitos e teorias guardam também relação com visões sobre a ação coletiva, a integração social e a territorialização divulgadas tanto nos países centrais do capitalismo quanto na América Latina.

  • i Ou, como prefere advertir Varela, no começo de 2000 muitos autores já tinham decretado sociológico (...)
  • ii No caso de Brasil, veja-se, por exemplo, o programa nacional ‘territórios da cidadania’. Esta conce (...)

6Para a maioria dos autores, as experiências de ação coletiva a partir da década de 1990 são protagonizadas por ‘excluídos’ que resistem ao processo de mudanças neoliberais (SVAMPA & PEREYRA, 2003; GIARRACCA & BIDASECA, 2001; GRIMSON, 2009). Ante o fechamento crescente das fábricas, o aumento do desemprego e a perda de legitimidade de sindicatos e partidos tradicionais, a ‘classe trabalhadora’ estaria extinta tanto em termos analíticos quanto em termos ontológicos e políticos i. Junto com o termo de ‘excluídos’ aparecem outros como o de ‘setores populares’ (AUYERO, 2002) ou, no máximo, o de ‘classes populares’ (MERKLEN, 2005), mas explicitando que isto não pode mais ser confundido com uma ‘classe trabalhadora’. Em termos da articulação da ação coletiva com os processos de territorializacão na AMBA predomina, do mesmo modo, a ênfase em processos de ‘segregação territorial’. Referência muito citada, o sociólogo Denis Merklen afirma que “...as classes populares de uma Argentina extinta...” – em referência à decomposta sociedade salarial – passam a estar excluídas dos vínculos sociais construídos em torno do trabalho assalariado e ‘recuam’ ao bairro mais restrito para “...reconstruir laços sociais...” de caráter mais primário (MERKLEN, 2005, p. 45). Existe também uma compreensão do termo ‘territorial’ como aquilo limitado a uma escala relativamente menor. Para o autor, relações de outro tipo ou grau de sociabilidade são construídas no bairro quando as organizações de bairro interagem com o Estado, dentro de um novo paradigma de intervenção social com as políticas ‘focais’. O adjetivo territorial é assim utilizado para caracterizar as mudanças nessa ação: “...a re-orientação das políticas públicas (...) a descentralização e o enfoque das políticas sociais contribuíram para territorializar o acesso à ajuda social...” (MERKLEN, 2005, p. 143, grifos meus). Esta visão é dominante tanto nos estudos sobre ação coletiva na Argentina (SVAMPA & PEREYRA, 2003; GIARRACCA & BIDASECA, 2001) como também nas diversas políticas que, no âmbito nacional e internacional, utilizam o adjetivo ‘territorial’ii. Nessas análises o território aparece como algo dado e estático, além de ser utilizado como sinônimo de espaço físico relativamente pequeno. Sem pretender desconsiderar os importantes resultados de pesquisa e questões levantadas na relação entre ação estatal, organizações de bairro e mudanças estruturais oferecidas por estes autores, interessa agora avançar na discussão sobre a ação coletiva e território a partir dos dominados, com uma perspectiva diferente daquela da exclusão e da segregação. Procura-se, também, combater o senso comum dos ‘bairros excluídos’ e sem classe que essa leitura possibilita. Focando na articulação entre processos de territorialização e luta de classes, trata-se de observar as configurações e trajetórias dos casos de estudo na década de 2000.

Os casos em estudo: MTD La Juanita e APROFAiii

Surgimento, membros e entorno territorial do Movimiento de Trabajadores Desocupados (MTD) La Juanita.

  • iv Desocupados, no nome original em espanhol, deve ser entendido como Desempregados.
  • v Ver Flores (2002) e boletins do MTD (2002, 2003, 2004).

7Começando pelo Movimiento de Trabajadores Desocupados iv La Juanita (MTD), em uma primeira análise sobressai sua relação com as ações que se agregam, de forma simplificada, sob o termo “movimiento piquetero”. Mais especificamente, e seguindo os conceitos de Svampa e Pereyra, estaria dentro da vertente piquetera “barrial” ou “de bairro” que tem como base uma tradição e um trabalho territorial mais intenso, sendo isso mais comum nas organizações localizadas na AMBA (SVAMPA & PEREYRA, 2003, p 11-52). Seus objetivos publicamente divulgados são a obtenção de “trabalho genuíno” para seus membros, questionam o Estado pela “crise do desemprego” v e nas suas origens participaram do bloqueio de estradas, os “piquetes”, para tornar visíveis suas demandas, iniciativas comuns às organizações piqueteras, segundo esses dois autores.

  • vi A primeira surge na última ditadura militar (1976-1983), com as passeatas feitas na Plaza de Mayo – (...)
  • vii Para o fenômeno da ocupação de terras em La Matanza na década de 1980, ver Merklen (1991). Para a a (...)

8A partir das tradições políticas de seus membros e das relações com outras organizações – com destaque para Las Madres de Plaza de Mayo e o Instituto Movilizador de Fondos Cooperativos (IMFC)vi, eles foram se diferenciando de outras agremiações piqueteras ao sublinhar sua recusa em se tornarem beneficiários dos planos de transferência de renda do Estado, mas sim em apoiar a geração de trabalho mediante cooperativas e uma maior articulação com o entorno social mais imediato. Em agosto de 2005 eram quinze os membros ativos da organização. Entre os que exercem uma maior liderança, encontra-se um antigo operário metalúrgico com militância em grupos de esquerda nas décadas de 1970 e 1980 e experiência no trabalho “de base” em bairros como La Matanza — incluindo a ocupação de terras vii. Além da importância de “...antigos companheiros de política de bairro...”, destaca-se a função de uma participante docente, com experiência de trabalho em educação popular nessas mesmas décadas e que se integrara ao MTD no final da década de 1990. Trata-se de pessoas que superam os 40 anos de idade e que se articulam com outros membros que têm em média 25 anos e que, na sua maioria, se aproximaram do MTD quando este já estava formado, atraídos especialmente pela proposta de educação popular promovida pelas Madres de Plaza de Mayo. A colaboração com profissionais de psicologia social, com um forte discurso de “emancipação” e também relacionados à proposta de educação popular, também é reconhecida pelas lideranças do MTD como fundamental.

  • viii Agradeço à pesquisadora Virgínia Manzano um melhor entendimento do heterogêneo universo matancero, (...)

9O espaço onde a organização se localiza, La Juanita, tem indicadores típicos do segundo “cordón” dos subúrbios da Cidade de Buenos Aires, portanto inferiores aos desta e aos do primeiro “cordón” de seus subúrbios. Mesmo que sua formação esteja dentro dos padrões formais de ocupação, o bairro é vizinho a áreas urbanas que surgiram com a ocupação de terras para moradia, principalmente na década de 1980. Segundo reconhecem membros e vizinhos do MTD, trata-se de um área rica na ação de “punteros” ou “cabos eleitorais” do partido peronista, que lidera, desde antes da última ditadura, a política do município viii.

Surgimento, membros e entorno territorial da Asociación de Productores Familiares (APROFA)

10Localizada no bairro La Quebrada, de Paso del Rey, Município de Moreno, a associação APROFA se formou em 1998. Sua origem está relacionada a um grupo de jovens que trabalhavam em uma horta comunitária dirigido por um padre católico. Este grupo chegou ao bairro para colaborar com “a casinha do Padre Elvio” em 1997, quando a horta tinha mais de 10 anos de trabalho na recuperação de jovens com problemas de dependência química e alcoolismo. Inconformados com a negativa do padre em ampliar as atividades da horta para atividades com vizinhos do bairro, os membros desse grupo decidiram formar sua própria organização e começaram a trabalhar com uma primeira horta para dez famílias do bairro e com ferramentas obtidas através do Plano Hortas Familiares do estatal Instituto Nacional de Tecnologia Agrária (INTA). Logo após, se constituíram formalmente para, segundo afirmam, poder solicitar mais recursos diante órgãos públicos – principalmente da prefeitura de Moreno.

11APROFA é uma organização cujo núcleo está formado na sua maioria por jovens entre 20 e 30 anos, muitos com segundo grau completo e alguns na universidade. Uma parte está presente desde o início, e já se conheciam por relações de vizinhança e também familiares. Outra, menor, integrou-se a partir de atividades de extensão em universidades, como a de Luján e Moreno, em áreas de assistência social e agricultura comunitária. Também participam ativamente da organização três pessoas com mais de 40 anos de idade, vizinhos do bairro, sendo dois desempregados e um relacionado com uma escola comunitária de um bairro vizinho, com princípios de cooperativismo, chamada Creciendo Juntos. Finalmente, chefes de duas famílias do bairro somaram-se para participar ativamente, sendo primeiramente simples destinatários das ações de APROFA – freqüentavam seu refeitório – com poucos anos de escolaridade formal (primeiro grau incompleto) e morando dentro da área mais pobre do bairro. É este o perfil dos indivíduos que, de fato, a APROFA tentaria não somente beneficiar, mas também integrar ativamente na sua organização.

A nova fábrica é o bairro?: o trabalho político e territorial de APROFA e do MTD

A proposta de ação cotidiana no bairro em ação: educação popular e relações materiais construindo territórios

[...]descobrimos que o novo lugar onde os trabalhadores se concentram, onde estamos todos os dias, é o bairro. Isto foi sintetizado na frase a nova fábrica é o bairro[…]

  • ix Devo e agradeço a descoberta desta entrevista e esta aproximação às questões aqui em discussão ao P (...)

(Entrevista com Victor De Gennaro, CECEÑA, 2001; grifos meus, tradução minha) ix

12Observando os documentos e entrevistas nos quais as duas organizações explicitam seu Projeto Político e, principalmente, a sua estrutura e dinâmica de ação, destacam-se seus objetivos de transformar os valores e práticas cotidianas dos “vizinhos” das organizações. Tanto em APROFA quanto no MTD é central a atividade de ensino com crianças que moram no entorno territorial mais imediato, defendendo um projeto de “educação popular”. Isto é, a defesa de uma pedagogia “transformadora”, onde se enfatizam relações de “solidariedade” e “autonomia”, sendo referência a obra de autores como Paulo Freire e a ação pedagógica desenvolvida por movimentos sociais de maior visibilidade internacional, principalmente o Movimento dos Sem Terra (MST, do Brasil). No MTD, em comparação com APROFA, essa orientação é mais evidente e fundamental para sua ação. Foi a criação de uma creche e de uma escola de primeiro grau o que deu força ao desenvolvimento da organização. Reconhecido como a atividade mais importante da organização, o projeto pedagógico foi se estruturando com o trabalho das suas principais lideranças e na sua interação com a associação das Madres de Plaza de Mayo e com apoio de doações e de ONGs internacionais.

13As relações materiais em torno do trabalho mostram também o entorno territorial mais imediato como um âmbito intencionalmente central tanto em APROFA quanto no MTD (quadros 1, 2, 3 e 4). As pessoas que realizam seu trabalho nos empreendimentos e os destinatários de sua produção localizavam-se, principalmente, no que os membros das organizações denominam “o bairro”. Em APROFA os empreendimentos tinham por objetivo dar trabalho a seus vizinhos e sua produção estava orientada para produtos considerados básicos – alimentos – para serem consumidos no entorno territorial. O pouco que não era para auto-consumo, ou re-distribuído mediante o refeitório, era comercializado com famílias do bairro (quadro 1). No MTD, isto também era claro em empreendimentos como o da padaria, quando procura vender alimentos a preços baixos aos vizinhos, e quando dava seu apoio e espaço para a realização da feira diária (quadros 2 e 3).

14Dessa forma, as relações materiais estabelecidas pelas organizações oferecem um primeiro indicador de em qual sentido a nova fábrica seria o bairro em termos de territorialidades da ação coletiva e em torno do trabalho. Partindo da fábrica, e segundo indica Sack, o tradicional estabelecimento industrial (fordista) construía dentro de seu espaço e em sua inserção produtiva uma territorialização hierarquizada com o objetivo de garantir o controle do processo de trabalho capitalista (SACK, 1986). Quando a fábrica fecha na periferia de Buenos Aires, os desempregados que aderem às cooperativas de APROFA e do MTD constroem de fato uma outra territorialidade relacionada com seu trabalho. O espaço mais restrito da produção a partir de relações de trabalho cooperativo não tem as formas de controle tradicionais do trabalho assalariado. Ficam, ademais, intencionalmente expostos e ‘abertos ao público’: aos vizinhos que vão comprar os produtos ou perguntar se há algum trabalho que eles possam fazer, aos membros de organizações não governamentais e fundações interessados em realizar doações ou em ver o andamento dos projetos que financiam. Mais importante, e além da territorialidade relacionada ao espaço restrito à produção em sentido mais imediato, o trabalho nos empreendimentos serve assim para construir novas relações com o entorno: opção de renda para alguns vizinhos, oferta de produtos mais acessíveis a ‘preços populares’ ou espaço de interação cotidiano no caso da feira comunitária, para muitos outros. São relações guiadas pelos valores e estratégias de construção de um Projeto Político, que têm o trabalho como um de seus fundamentos.

15Em termos de relações materiais com o poder público, a proposta de ‘autonomia’ e a oposição aos ‘planos’ não impede que algumas tivessem sido desenvolvidas, sobretudo através das prefeituras municipais. Segundo enfatizam seus membros, entretanto, estavam pautadas pelo princípio de serem ações diferentes daquelas geridas pelos tradicionais punteros. Assim, a APROFA articulou-se com outras organizações que possuíam refeitórios para exigir um plano de distribuição de alimentos da prefeitura de Moreno e também obteve subsídios de um programa do governo nacional para compra de insumos para hortas e de outro para compra de ferramentas para associações e cooperativa (quadro 1). O MTD negociou com a prefeitura de La Matanza o desenvolvimento de uma centro de saúde comunitária na sede do movimento (quadro 8) e, com empresas privadas e a câmara de vereadores, a realização de uma rede de gás a preços populares para o “bairro”.

16Desse modo, pode-se observar como o bairro da ação das organizações, longe de refletir a regionalização oficial, é uma territorialização construída pelos sujeitos dessas ações e que serve para identificar quem está fora e quem está dentro dela (BOURDIEU, 2004, p. 107-132). Como processo de territorialização, mostra como relações de políticas são construídas no e a partir do espaço, envolvendo múltiplas dimensões como as materiais, educativas e culturais aqui mencionadas (HAESBAERT, 2004). Nos termos analíticos de Haesbaert, aparece então uma tentativa de territorialização ligada ao projeto das organizações e a sua procura de mudar as relações de poder existentes e construir outras. A forma de identificação das duas organizações com o território não se restringe somente ao destaque por elas dado a uma estratégia ‘barrial’, mas também em sua auto-referência a um território singular: La Juanita, no MTD, La Quebrada em APROFA. Essa referência, é importante esclarecer, não se apresenta no sentido de pretender representar o bairro, mas, como destacam membros e lideranças, é uma forma escolhida de identificação e de se apresentar publicamente, diferenciando-se de identidades que envolvem uma escala maior e da qual desconfiam. Mesmo que fundamentais, as ações no âmbito espacial mais restrito e cotidiano até aqui expostas não esgotam nem explicam plenamente a ação de construção do bairro. Como processo de territorialização, envolve relações com outros sujeitos e outros territórios. Nesse sentido, os casos estudados trazem distinções e constatações para refletir sobre a articulação entre variadas escalas territoriais na formação e na ação das organizações, tal como analisaremos a seguir.

As escalas da ação política construídas na periferia por APROFA e o MTD: bairros de relações diferentes

17Em termos de escalas da ação política (VAINER, 2002) os dois casos de estudo mostram diferenças a respeito do processo de sua formação e às relações sociais que vão construindo em oposição e em afinidade com outros.

18Na estratégia da APROFA, tem um peso maior a relação com organizações que se identificam como pertencentes a um território comum, o que lhes permite se referir a uma história compartilhada, além de reconhecer que têm afinidades políticas na construção de um projeto de poder popular. No discurso de seus membros e das organizações relacionadas, aparece seguidamente a referência a “ser de Moreno”, município que os membros mais jovens reconhecem como um lugar comum e fundamental, pois freqüentam desde pequenos os mesmos lugares de educação e recriação. Os de mais idade e os pais dos mais jovens reconhecem também uma experiência comum de militância política no passado, o trabalho político de “base”, associado a organizações da Igreja e que aderia à teologia da libertação, bem como a grupos da esquerda do peronismo (PJ). Essa identidade no discurso torna-se clara nas articulações entre as organizações de Moreno. Os membros de APROFA entendem que é a partir de sua ação no bairro e seu reconhecimento que lhes é permitida a associação com organizações do município de Moreno que compartilham seu projeto de poder popular. Desse modo participam da “Mesa de Moreno” (quadro 7), na tentativa de “...agir no nível municipal e a partir dele se articular com outras organizações em nível nacional...”. Além da estratégia escolhida por APROFA, é fundamental a ação de outras organizações que têm entre seus objetivos fundamentais desenvolver “redes” entre as associações “comunitárias” do município, como o Culebrón Timbal (quadro 7), exemplo das experiências dos ‘coletivos culturais’, outro fenômeno de ação política significativo na época (SVAMPA, 2008). Do mesmo modo, e em forma coerente com o anterior, membros de diversas organizações políticas reconhecem que a prefeitura de Moreno tem uma certa tradição de apoio – ou pelo menos de reconhecimento e não repressão – de ações comunitárias seja para assistência alimentar ou educativa, independentemente da ação da rede mais tradicional dos punteros políticos. Nesse sentido, existem o que no município são também denominados ‘referentes sociais’: lideranças que vem atuando há mais de uma década em ações focadas nos diferentes localidades que compõem o município de Moreno e a partir de organizações como as descritas no quadro 7.

  • x Neste sentido, é bem ilustrativo o empreendimento de “alojamento e estágio” para pesquisadores e mi (...)

19Já no caso do MTD, a estratégia de trabalho de bairro tem seu apoio fundamental em organizações que atuam em outros âmbitos e a sua visibilidade pública é espacial e ideologicamente mais ampla, dentro da estratégia que denominam como “...com os outros, ser nós...” (FLORES, 2004). Com uma parte dessas organizações, o vínculo central é a afinidade ideológica na construção de relações de trabalho cooperativas e de um projeto pedagógico de educação popular. Esses vínculos vão se formando com o desenvolvimento do MTD, sendo vitais não somente para construção de seus principais valores e práticas, mas também para a obtenção do espaço de trabalho e o desenvolvimento dos empreendimentos. Afinidades semelhantes são desenvolvidas em nível internacional a partir da opção de se relacionar com movimentos que tinham como referência, principalmente o MST do Brasil, e por participar ativamente de encontros como o Fórum Social Mundial em Porto Alegre. Com o explícito objetivo de “...fazer outro mundo possível a partir da ação no bairro...”, trocam experiências e visitam assentamentos do MST e seus centros de formação já em 2002 e de forma intensa desde então. Juntamente a essas relações estão as numerosas visitas de pesquisadores de vários países e dos auto-denominados “militantes anti-globalização”, que interagem com a agrupação com uma freqüência crescente e na medida em que ela se torna mais visível publicamente. Valores e conceitos que essas pessoas trazem são em parte incorporados na ação do MTD e contribuem para o ganho em visibilidade nacional e internacional x.

  • xi Ver os relatórios World Development Report del Banco Mundial, especialmente os dos anos 2002 e 2003 (...)

20Essas estratégias e opções escalares de APROFA e o MTD se expressam também nas relações materiais de seus empreendimentos com sujeitos atuantes em outros territórios (quadros 1 e 2) e na procura de financiamento para as organizações (quadros 6 e 9). Nessas relações mais amplas, tanto em APROFA quanto no MTD, os sujeitos dominantes são as denominadas ONG internacionais: fundações ligadas a embaixadas e outras instituições que declaram ter como objetivo não o lucro, mas o ‘combate à pobreza’, todas com matriz européia. Nessa escala, parece se formar certa dependência material com essas organizações e uma paradoxal forma de trabalho territorial: relações em uma escala internacional são construídas pela visibilidade e legitimidade que existiria em certos âmbitos para a proposta de “ação local” ou “de bairro”. Em termos do linguajar do financiamento internacional, essas ações teriam foco e resultados quantificáveis, e assim seriam atrativos para essas ONGs. Estas, vale lembrar, apresentam uma importante afinidade com conceitos e termos caros à proposta política de agências de crédito multilaterais, como o Banco Mundial. Ações “a partir dos mais pobres”, favorecendo uma “transparência” no uso dos recursos e o “empowerment” da população pobre são objetivos freqüentes nelas xi. Um vinculo parecer-ia se esboçar, portanto, entre a lógica dos projects dessas organizações internacionais e o Projeto Político de bairro dos casos de estudo.

21APROFA e o MTD se localizam em municípios que surgiram, e continuam sendo, periféricos. A política em La Matanza e Moreno foi e é influenciada por práticas e valores peronistas. Teve também significativa influência de ações políticas de ‘base’ na década de 1970 e antes da ditadura. APROFA e o MTD, entretanto, constroem territorialidades diferentes dentro de uma proposta semelhante do que denominam ‘projeto de poder popular’. Numa primeira classificação, ambas são organizações ‘autônomas’ e de ‘bairro’, com iniciativas análogas em termos de empreendimentos produtivos, iniciativas de educação popular e relação com o poder público. A análise em termos relacionais sobre qual a territorialidade da sua ação mostra suas diferenças. Sublinham, também, alguns resultados em termos das questões colocadas na nossa introdução: as mudanças e permanências em termos de luta de classes e territorialização e as formas de se compreender as desigualdades contemporâneas na cidade.

Nem excluídos, nem isolados: trabalho político e territorial na periferia

22Uma primeira conclusão sobre o exposto até aqui indica que, por trás da mais visível e explícita luta pela obtenção de trabalho, ambas as organizações vão construindo um trabalho político, intensa e intencionalmente articulado com o território. Sem sindicato, sem a fábrica e e diante de outras formas de intervenção do Estado, os dois movimentos tentam construir uma identidade e uma prática centrada no trabalho e que enfatiza as relações de proximidade e cotidianas no bairro, dentro de um projeto político e com relações que envolvem várias escalas.

23Nos resultados apresentados, constatou-se, em primeiro lugar, que o ‘bairro’ não é uma território fixo, pré-determinado, nem auto-suficiente como uma leitura mais superficial de ‘organizações de bairro’ pode sugerir. As diferenças entre os ‘bairros’ propostos e construídos na ação territorial da APROFA e do MTD, contemporâneas e aparentemente atuantes numa mesma região – a periferia da AMBA –, mostra claramente que se trata sempre de processos sociais, históricos e relacionais. Como observado, no MTD a ação no território é construída a partir da articulação com organizações de outros âmbitos, que atuam em escalas maiores. Na APROFA, as afinidades e histórias associadas a um território comum, o município de Moreno, são as que fundamentam a ação no bairro e a projeção do município e a partir dele para possíveis escalas mais amplas.

24Em segundo lugar, atividades priorizando a vizinhança e com relações produtivas e culturais diferentes às dominantes não são sinônimo de isolamento e ‘recuo’ para uma sociabilidade primária, como defende Merklen para definir as organizações de bairro de Buenos Aires (MERKLEN, 2005). Ao contrário, e em coincidência com outros estudos como os de Manzano (2009), a ação política tanto da APROFA quanto do MTD demonstra a importância de relações em outras escalas na tentativa de construir esses territórios. Foi constatado que não se trata somente de vínculos em termos simbólicos e de pertença a identidades e tradições políticas que superem a escala da vizinhança, mas de relações materiais e políticas concretas com outros sujeitos atuantes em outros territórios.

25Em terceiro lugar, diferente das leituras mais gerais que preferem priorizar uma tendência dos dominados a se localizarem em ‘aglomerados de exclusão’ sem maior capacidade de transformação (HAESBAERT, 2004, p. 311-336), observou-se aqui como as ações da APROFA e do MTD conseguem desenvolver um processo de territorialização dentro de um projeto de ação política. Não se trata de ações de segregados e excluídos, mas de dominados que tentam uma ação, também territorial, que mude as relações de dominação imperantes. Relações essas que se refletem na sua condição de desempregados, de trabalhadores transitórios e mal remunerados e de moradores de territórios periféricos, lugar de políticas pontuais e transitórias. As duas organizações, pode-se interpretar, procuram construir um território que se contraponha às tendências territoriais dominantes (e a partir dos dominadores) presentes na periferia de Buenos Aires, onde vias expressas e bairros fechados para setores de alta renda se articulam com villas e assentamentos sem recursos estatais. Em outros termos, os ‘bairros’ da ação da APROFA e do MTD buscam desenvolver relações e condições diferentes diante dos cada vez mais numerosos espaços periféricos que, longe de estarem excluídos, mostram uma integração à dinâmica econômica dominante que piora as condições de vida e de trabalho de seus moradores.

26Mostrar constatações contrárias às categorias da exclusão e da segregação não significa ignorar as mudanças na ação coletiva a partir de dominados e sua articulação com processos de territorialização. Seguindo a análise de David Harvey, a ação de nossos prismas parece quebrar a dicotomia clássica “...imposta pelo capital...para fragmentar...” a luta da classe trabalhadora entre o lugar “...do viver e do trabalhar...” (HARVEY, 1982, p. 35). Reformulando, mas ativando, uma tradição de lutas na periferia, APROFA e MTD parecem dar razão ao dirigente sindical Vitor De Gennaro, quando ele coloca que o fechamento da fábrica estimula a ter no bairro – construído pela ação – um lugar de ação e de re-criação da identidade de trabalhadores, agregando de ex-operários a jovens sem experiência laboral, integrados na causa comum de ‘trabalho para todos’.

Mais conclusões para o debate: opacidades e disputas na leitura dos conflitos e das classes

27Na tradição de luta de classes na Argentina, da qual as organizações se reconhecem como parte, era clara a distinção de uma classe trabalhadora contra o capital em um projeto nacional (AGUIRRE & WERNER, 2007). Esse conflito era mais evidente não somente em termos das ações dos trabalhadores, mas também dos discursos e práticas das entidades de classe empresarial e dos grandes proprietários rurais. Do mesmo modo, essas disputas aconteciam dentro do Estado, e se expressavam com políticas orientadas para favorecer ou segurar os avanços da classe trabalhadora. Na década de 2000, entretanto, esse confronto é muito mais opaco. Não somente pelo declínio do trabalho assalariado em termos sociais e políticos, mas também pela configuração, a ele associado, de um novo espírito do capitalismo (BOLTANSKI & CHIAPELLO, 2004). Recursos, valores e práticas concretas seja do Estado, das empresas ou de um ‘Terceiro Setor’ não se apresentam mais a favor ou contra os trabalhadores, mas sob a forma dos projects que não gostam de rigidezes nem categorias que explicitem conflitos ou ideologias. Preferem ‘parcerias’, resultados concretos ou, em termos do Banco Mundial, ações win-win onde todo mundo ganha. Ainda mais, quando tratam dos setores dominados, preferem se referir a ‘excluídos’ que devem ser trazidos de volta para a sociedade, gerando resultados dignos de serem publicados em relatórios de empresas socialmente responsáveis ou de ministérios encarregados do ‘social’.

  • xii Entrevistas em janeiro de 2010 com lideranças de APROFA, e lideranças e membros do MTD, respectivam (...)
  • xiii Ver os artigos do jornal La Nación: DI NATALEa, 2010 e FERNANDEZ DIAZ, 2009.

28A análise das ações do MTD e de APROFA sugere que por trás desses projects se articulam visões de setores dominantes que acabariam por esconder as relações de dominação. O caráter opaco dessas relações fica difícil de combater analiticamente quando as práticas concretas envolvem a colaboração dos membros das organizações com “...o companheiro que ocupa um cargo de gestão na área social e briga pelos programas...” ou “...o empresário que nos conheceu e decidiu de todo modo ajudar a uma cooperativa com nossos princípios...” xii. Passa a ser mais claro, entretanto, quando as organizações reclamam das visões que sobre eles são divulgadas por empresas tradicionais de comunicação que os colocam “...como bons empreendedores...”, produto de ações heróicas ou, no caso da APROFA, preferem ignorá-los ou agregá-los à massa disforme e nunca precisa de ‘ações da política clientelística do conurbano’xiii.

  • xiv Entrevista com Victor De Gennaro, CECEÑA, 2001; tradução minha.

29No campo acadêmico, não se supera essa problemática quando se prefere entender as ações coletivas na periferia de Buenos Aires dentro do paradigma da exclusão e que, em alguns casos, confunde a mudança das identidades nas classes em luta com o fim das classes. Também não parece ser uma resposta satisfatória quando se reconhecem essas lutas, mas se simplificam as suas mudanças no manto da fragmentação. Esse entendimento, aliás, parece estar próximo às intenções dos projects e do novo espírito do capitalismo que os dominantes pretendem estabelecer. É distante, entretanto, da proposta dos setores dominados em luta quando afirmam que, talvez paradoxalmente, o declínio do salário como vinculo dominante os faz perceber “...que o que nós une mais do que nunca é a luta por trabalho para todos...e não mais fazer lutas específicas por melhoras em categorias de operário como fazíamos antigamente...” xiv.

30Enfim, este artigo procurou mostrar alguns resultados e provocações para continuar indagando sobre as novas formas de dominação e suas resistências que se expressam na periferia de cidades como Buenos Aires. Uma valorização tanto da ação coletiva de dominados como dos modos mais opacos de dominação aparecem como uma linha de pesquisa a ser seguida no futuro.

Quadro 1 : Empreendimentos econômicos de APROFA (2005)

Quadro 1 : Empreendimentos econômicos de APROFA (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em Fevereiro, Maio e Agosto de 2005.

Quadro 2: Empreendimentos econômicos do MTD La Juanita (2005)

Quadro 2: Empreendimentos econômicos do MTD La Juanita (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005

Quadro 3 : Empreendimento associado ao MTD La Juanita (2005).

Quadro 3 : Empreendimento associado ao MTD La Juanita (2005).

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005

Quadro 4: Estrutura organizativa da produção em APROFA e o MTD La Juanita (2005)

Quadro 4: Estrutura organizativa da produção em APROFA e o MTD La Juanita (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005

Quadro 5 : APROFA. Relações com organizações territorialmente próximas (2005)

Quadro 5 : APROFA. Relações com organizações territorialmente próximas (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005

Quadro 6 : APROFA. Relação com organizações sem sede no município de Moreno (2005)

Quadro 6 : APROFA. Relação com organizações sem sede no município de Moreno (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005

Quadro 7 : APROFA. Participação em articulações entre organizações sociais e políticas (2005)

Quadro 7 : APROFA. Participação em articulações entre organizações sociais e políticas (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas em fevereiro, maio e agosto de 2005

Quadro 8 : MTD La Juanita. Relações com principais organizações próximas territorialmente (2005)

Quadro 8 : MTD La Juanita. Relações com principais organizações próximas territorialmente (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em Maio e Agosto de 2005

Quadro 9 : MTD La Juanita. Principais relações com organizações sem sede no município de La Matanza (2005)

Quadro 9 : MTD La Juanita. Principais relações com organizações sem sede no município de La Matanza (2005)

Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em maio e agosto de 2005

Topo da página

Bibliografia

ALTIMIR, O., BECCARIA, L. Efectos de los cambios macroeconómicos y de las reformas sobre la pobreza urbana en la Argentina, Colección Investigación. Serie Informes de Investigación, n. 4., Buenos Aires, Instituto de Ciencias-UNGS, novembro (1998).

AGUIRRE, Facundo, WERNER, Ruth. Insurgencia obrera en la Argentina 1969-1976: Clasismo, coordinadoras interfabriles y estrategias de la izquierda. Buenos Aires: Ediciones IPS (2007).

ARANTES, Otília, VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia (orgs). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis : Vozes (2000).

AUYERO, J. La política de los pobres: las prácticas clientelistas del peronismo. Buenos Aires: Manantial (2001).

BANCO MUNDIAL. World Development Report 2002 and 2003. Disponível em http://www.bancomundial.org/infoannual/pdf/inf_03/AR03%20Spanish%20Cover.pdf >

BATTISTINI, O. (coord.). La atmósfera incandescente: escritos políticos sobre la Argentina movilizada. Buenos Aires, Asociación Trabajo y Sociedad (2002).

BOLTANSKI, Luc, CHIAPELLO, Ève. El nuevo espíritu del capitalismo. Madrid: Akal (2002).

CECEÑA, Ana E. El nuevo pensamiento y la transformación de la lucha en Argentina. Entrevista con Víctor de Gennaro, Revista Chiapas, n. 11, México, ERA-IIEc (2001). Disponível em http://www.revistachiapas.org/No11/ch11cecena.html.

CRAVINO, Maria Cristina. Vivir en la villa: relatos, trayectorias y estrategias habitacionales. Colección Libros de la Universidad, n. 31, Buenos Aires, Instituto del Conurbano – UNGS (2008).

CUENYA, B., FIDEL, C., HERZER, H. Fragmentos sociales: Problemas urbanos de la Argentina. Buenos Aires: Siglo XXI editores Argentina (2004).

FLORES, T. De la culpa a la autogestión: aclaraciones preliminares. In: FLORES, T. De la culpa a la autogestión: un recorrido del Movimiento de Trabajadores Desocupados de La Matanza. Buenos Aires, MTD Editora, Continente (2005 [2002]).

―――. Cuando con otros somos nosotros: la experiencia asociativa del Movimiento de Trabajadores Desocupados de La Matanza. Buenos Aires: MTD Editora (2006 [2004]).

GIARRACCA, N., BIDASECA, K. (org.) La protesta social en Argentina: transformaciones económicas y crisis social en el interior del país. Buenos Aires: Alianza Editorial (2001).

GRIMSON, A. Classificações espaciais e territorialização da política em Buenos Aires. In: GRIMSON, A., FERRAUDI CURTO, Maria Cecilia, SEGURA, Ramiro (compiladores). La vida politica en los barrios populares de Buenos Aires. Buenos Aires: Prometeo Libros (2009).

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do ‘fim dos territórios’ à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil (2004).

HARVEY, David. O trabalho, o capital e o conflito de classe em torno do ambiente construído nas sociedades capitalistas avançadas. Espaço & Debates, n. 6., ano II (1982).

LINDEMBOIM, J., GRAÑA, J. M, KENNEDY, D. Distribución funcional del ingreso en Argentia: ayer y hoy. Documentos de Trabajo n. 4, Buenos Aires, CEPED-UBA, junio (2005).

MANZANO, V. Un barrio, diferentes grupos: acerca de dinámicas políticas locales en el distrito de La Matanza. . In: GRIMSON, A., FERRAUDI CURTO, Maria Cecilia, SEGURA, Ramiro (compiladores). La vida politica en los barrios populares de Buenos Aires. Buenos Aires: Prometeo Libros (2009).

MERKLEN, Denis Pobres ciudadanos: las clases populares em la rea democrática (Argentina, 1983-2003). Buenos Aires: Gorla (2005).

―――――. Asentamientos en La Matanza: la terquedad de lo nuestro. Buenos Aires : Catálogos (1991).

ROFMAN, Alejandro, ROMERO, Luis Alberto. Sistema socioeconômico y estructura regional en La Argentina. Buenos Aires, Amorrurtu (1974).

ROMERO, J. L., ROMERO, L. A. (compiladores). Buenos Aires: historia de cuatro siglos. Tomo 2: Desde la ciudad burguesa hasta la ciudad de masas. Buenos Aires: Altamira (2000).

SACK, R. Human territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press (1986).

SILVESTRI, G., GORELIK, A. Ciudad y cultura urbana, 1976-1999: el fin de la expansión. Buenos Aires: historia de cuatro siglos. Tomo 2: Desde la ciudad burguesa hasta la ciudad de masas. Buenos Aires: Altamira (2000).

SVAMPA, Maristella. Cambio de época: movimientos sociales y poder político. Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina (2008).

______, PEREYRA, Sebastián. Entre la ruta y el barrio: la experiencia de las organizaciones piqueteras. Buenos Aires, Biblos (2003).

THOMPSON, E. P. Algumas observações sobre classe e falsa consciência. In: THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Organização de Antônio Luigi Negro e Sergio Silva. Campinas: Editora da Unicamp (2001).

VAINER, C. As escalas do poder e o poder das escalas: o que pode o poder local? Cadernos IPPUR, ano XV, n. 2, ago-dez, 2001/ano XVI, n. 1, Jan-Jul (2002).

VARELA, Paula. Imágenes de un mundo obrero. In: GRIMSON, A., FERRAUDI CURTO, Maria Cecilia, SEGURA, Ramiro (compiladores). La vida politica en los barrios populares de Buenos Aires. Buenos Aires: Prometeo Libros (2009).

TELLES, Vera da Silva, CABANES, Robert (orgs.) Nas tramas das cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo: Associação Editorial Humanitas (2006).

VIEIRA, Flavia Braga. Dos proletários unidos à globalização da esperança :um estudo sobre articulações internacionais de trabalhadores. Tese de Doutorado em Planejamento Urbano e Regional, IPPUR/UFRJ (2008).

Boletins e Outros Documentos

APROFA, boletines, año 2004

ARTUSA, Marina. Vacaciones a toda marcha. Viva: la revista de Clarín, domingo, 17 de julio (2005), p. 34-43.

DI NATALE, Martín. El Gobierno incluirá a hijos de monotributistas de baja categoría; reclamo por los chicos sin cobertura. La Nación, 16/03/2010 (2010a).

____________. De cara a 2011, el Gobierno quiere triplicar los planes sociales. La Nación, Sábado 02/01/2010 (2010b).

Fernández Díaz, J. Un hombre solo contra la mafia y la miséria. Historias con nombre y apellido. La Nación, 27/06/2009 Acesso em janeiro de 2010. [http://www.lanacion.com.ar/nota.asp?nota_id=1144058].

FOLHA de São Paulo. Vida de piqueteiro atrai estrangeiros, Folha de São Paulo, 24/07/2005.

LUDUEÑA, María Eugenia. Martín Churba: tramar un sueño. La Nación, 09/01/2005.

MTD, La Juanita, boletines varios, años 2001 a 2005.

Periódico Regional La Posta, números 0 a 5, años 2004-2005 (Moreno).

TOSI, María Cecília. Dejaron de cortar rutas y se dedican a exportar. La Nación, 12/06/2005.

Topo da página

Nota de fim

i Ou, como prefere advertir Varela, no começo de 2000 muitos autores já tinham decretado sociológico e político da classe (Varela, 2009). Essa certidão de extinção não é exclusiva das ciências sócias argentinas. Flávia Braga Vieira (2008) demonstra como também nas análises para a escala mundial é dominante a compreensão de ‘novas redes’ de movimentos sociais que ignoram as articulações internacionais de classe pré-existentes e os próprios fundamentos de muitas das ações internacionais atuais a partir de dominados.

ii No caso de Brasil, veja-se, por exemplo, o programa nacional ‘territórios da cidadania’. Esta concepção de território como pequeno e local, muitas vezes genérica, é dominante também nos programas de desenvolvimento territorial ou local divulgados a partir das agências multilaterais.

iii O estudo foi feito a partir do levantamento de um trabalho de campo realizado em fevereiro, maio e agosto de 2005. Nele, foram feitas observações das atividades cotidianas e de alguns eventos das organizações – festivais, feiras– junto com entrevistas com seus membros. Foram visitadas e entrevistadas também organizações e pessoas ligadas a ambos os movimentos – escolas, outros movimentos sociais, vizinhos. Desta forma, gostaria de agradecer toda a atenção e disposição das pessoas entrevistadas para a pesquisa e a colaboração desinteressada de professores e colegas como Virginia Manzano (UBA), Héctor Palomino (UBA), Héctor Poggiese (FLACSO-Argentina), meu tutor CLACSO durante o trabalho de campo, Gabriel Fajn (UBA), e meu orientador de tese de doutorado, Carlos Vainer. Sou grato também ao debate dos resultados com colegas e professores também IPPUR como Ana Clara Torres Ribeiro, Henri Acselard e Frederico Araújo e participantes da minha banca de qualificação do projeto de tese de doutorado, como Carlos Walter Porto Gonçalves.

iv Desocupados, no nome original em espanhol, deve ser entendido como Desempregados.

ix Devo e agradeço a descoberta desta entrevista e esta aproximação às questões aqui em discussão ao Prof. Carlos Walter Porto Gonçalves, membro da banca de qualificação de meu projeto de tese.

v Ver Flores (2002) e boletins do MTD (2002, 2003, 2004).

vi A primeira surge na última ditadura militar (1976-1983), com as passeatas feitas na Plaza de Mayo – sede do poder executivo de Argentina – pelas mães que reclamavam pela localização de seus filhos que, na sua maioria torturados e assassinados pela ditadura clandestinamente, são hoje conhecidos como “desaparecidos”. A partir do ano de 2001,a associação das Madres de Plaza de Mayo tem sua Universidade Popular e realiza ações públicas que, além da defesa dos direitos humanos e a busca dos desaparecidos e punição para seus executores, remetem a um ideário socialista. O IMFC é uma instituição formada em 1958 e que procura fomentar o cooperativismo na Argentina, tanto com recursos monetários quanto, fundamentalmente, difundindo pesquisas e atividades culturais dentro do “ideal cooperativista”. Ver <www.madres.org> e <www.imfc.com.ar>.

vii Para o fenômeno da ocupação de terras em La Matanza na década de 1980, ver Merklen (1991). Para a ação política em setores populares na década de 1970 na Argentina, ver Aguirre e Werner (2007).

viii Agradeço à pesquisadora Virgínia Manzano um melhor entendimento do heterogêneo universo matancero, e aos membros e vizinhos do MTD, especialmente com os de maior trajetória dentro de seu entorno territorial.

x Neste sentido, é bem ilustrativo o empreendimento de “alojamento e estágio” para pesquisadores e militantes internacionais e sua divulgação na imprensa tanto argentina quanto internacional, sendo que a primeira não é aceita pelos membros do MTD por causa do “…tratamento banal que dão à atividade, como se fosse uma simples atividade de recriação e turismo...”. Ver Artusa, 2005 e Folha de São Paulo, 24/07/2005.

xi Ver os relatórios World Development Report del Banco Mundial, especialmente os dos anos 2002 e 2003 <http://www.bancomundial.org/infoannual/pdf/inf_03/AR03%20Spanish%20Cover.pdf> e os documentos e relatórios da Fundação Poder Ciudadano: <www.poderciudadano.org.ar>. Ver também: Tosi, La Nación, do 12/06/2005.

xii Entrevistas em janeiro de 2010 com lideranças de APROFA, e lideranças e membros do MTD, respectivamente.

xiii Ver os artigos do jornal La Nación: DI NATALEa, 2010 e FERNANDEZ DIAZ, 2009.

xiv Entrevista com Victor De Gennaro, CECEÑA, 2001; tradução minha.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Quadro 1 : Empreendimentos econômicos de APROFA (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em Fevereiro, Maio e Agosto de 2005.
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 212k
Título Quadro 2: Empreendimentos econômicos do MTD La Juanita (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 244k
Título Quadro 3 : Empreendimento associado ao MTD La Juanita (2005).
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 76k
Título Quadro 4: Estrutura organizativa da produção em APROFA e o MTD La Juanita (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 48k
Título Quadro 5 : APROFA. Relações com organizações territorialmente próximas (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 280k
Título Quadro 6 : APROFA. Relação com organizações sem sede no município de Moreno (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em fevereiro, maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 52k
Título Quadro 7 : APROFA. Participação em articulações entre organizações sociais e políticas (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas em fevereiro, maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 136k
Título Quadro 8 : MTD La Juanita. Relações com principais organizações próximas territorialmente (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em Maio e Agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-8.jpg
Ficheiro image/jpeg, 64k
Título Quadro 9 : MTD La Juanita. Principais relações com organizações sem sede no município de La Matanza (2005)
Créditos Fonte: elaboração própria, com base em entrevistas e observações em maio e agosto de 2005
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/326/img-9.jpg
Ficheiro image/jpeg, 102k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Javier Ghibaudi, « Movimentos sociais, periferia e formas de dominação: dois estudos de caso sobre economia política e território em Buenos Aires »Espaço e Economia [Online], 2 | 2013, posto online no dia 09 março 2013, consultado o 02 dezembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/326; DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.326

Topo da página

Autor

Javier Ghibaudi

Professor Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Espaço e Economia – Revista brasileira de geografia econômica est mise à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Latindex
  • Logo Diadorim
  • Logo Periodicos CAPES
  • Logo ROAD
  • Logo Crossref
  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search