Navegação – Mapa do site
Livros

Espaço e economia: geografia econômica e a economia política

Floriano José Godinho de Oliveira, Leandro Dias de Oliveira, Regina Helena Tunes e Roberto Moraes Pessanha

Texto integral

Link para a Editora Consequência:

1http://www.consequenciaeditora.net.br/​p-11201008-ESPACO-E-ECONOMIAGeografia-economica-e-a-economia-politica.-Org.-Floriano-Godinho;-Leandro-Dias;-Regina-Helena-Tunes;-Roberto-Moraes-Pessanha

Capa

Apresentação

2As mudanças nas estruturas econômicas e políticas vivenciadas no mundo influem nos fundamentos e nas estratégias da organização econômica e nas relações de trabalho, atingindo particularmente (de forma aguda e profunda) o território, em face da forte dependência de investimentos públicos para fomentar seu dinamismo. Afinal, são tempos de globalização, neoliberalismo e financeirização, bem como de precarização, “uberização” e segregação; é a égide meio técnico-científico-informacional, de modelos produtivos (proto)flexibilizados, dos dutos globais de comunicação e do buzz urbano em constante transbordamento, ao mesmo tempo em que termos como planejamento estratégico, sustentabilidade e empreendedorismo urbano se consolidaram como axiomas do pensamento econômico-ecológico-espacial.

3No Brasil, a recente mudança do poder político e a retomada da imposição de práticas neoliberais, baseadas em projeto alçado ao poder de forma não legítima, produzem uma regressão significativa das mudanças que estavam em curso. O discurso hegemônico é contraditório com as ações, pois a coalizão que está no poder não está sendo capaz de reverter a crise econômica em que mergulharam o país, apesar das inúmeras e aceleradas transformações nos fundamentos das bases econômicas e sociais, com ações deletérias no que diz respeito ao desmonte do Estado, redução dos gastos públicos e dos direitos trabalhistas e previdenciários. Assim, estamos diante de um novo quadro político, econômico e social, que já repercute na organização territorial no país e que merece aprofundamento teórico-analítico.

4Diante de tal quadro bastante complexo, é fundamental a realização de debates entre os estudiosos dedicados às reflexões do campo da geografia econômica e da economia política, para que se possa identificar as estratégias dos diferentes segmentos do capital, examinar os diversos processos socioespaciais em curso, compartilhar trilhas de pesquisa e qualificar os referenciais analíticos. Há que se pensar nas transformações no capitalismo mundial e na produção social do espaço em diferentes escalas, por meio dos entendimentos dos novos arranjos territoriais e da intepretação crítica da economia política do desenvolvimento.

5Espaço e Economia: geografia econômica e a economia política é uma contribuição à disseminação das pesquisas, estudos e debates sobre as políticas territoriais, por meio da compreensão de uma renovada agenda de investigações no campo da geografia econômica, que invoca a atualização e a ampliação de debates sobre o mundo do trabalho, a produção industrial, a distribuição, troca e consumo de mercadorias refetichizadas, a utilização da natureza-recurso-território e a própria localização, impacto e transbordamento dos empreendimentos fabris, mas também reverbera os novos processos de desenvolvimento local-regional; as concretudes e imaterialidades do conhecimento, da inovação e da tecnociência; os veios logísticos e a constituição de novas redes de contato, de espoliação e de poder; a governança conciliada entre Estado e mercado; o fenômeno metropolitano e a formação de novos nexos e constelações urbanas; e a financeirização em suas diversas frentes, com suas novas frações de capital, movimentos setoriais e interconexões. Torna-se, assim, objetivo central desta obra debater as bases econômicas e políticas e a organização e as delimitações territoriais recentes, extraindo das discussões recursos analíticos para a compreensão da relação espaço e economia na contemporaneidade, por meio da interlocução de pesquisadores brasileiros e da América Latina dedicados à temática.

6Assim, a geografia econômica aqui tratada extrapola por completo o mapeamento dos recursos em prol da ideologia industrial e o entendimento do espaço geográfico como fator de produção, localização privilegiada ou área para espraiamento de mercadorias. O que se pretende aqui é um verdadeiro entrelaçamento teórico entre geografia econômica e economia política, que perpassa uma obrigatória leitura crítica atual das determinações abstratas do sistema vigente, das relações entre Estado e mercado – mais complexas, ainda que não surpreendentes, em tempos de neoliberalismo espraiado combinado com um conservadorismo político –, das diferenças internas à sociedade, da atual divisão internacional do trabalho e da própria e infindável atmosfera de crise que assola o capitalismo contemporâneo.

7 Os capítulos reunidos neste livro foram apresentados nas mesas que compuseram o III Colóquio Espaço-Economia: “Transformações no capitalismo mundial e a produção social do espaço: novos arranjos territoriais e a economia política do desenvolvimento”, realizado nas instalações da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, entre os dias 10 e 12 de junho de 2019, sob nossa organização. Com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e capitaneado institucionalmente pelo Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana (PPFH-UERJ), pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRRJ (PPGGEO-UFRRJ), pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da UERJ (PPGEO-UERJ) e pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense – Campos dos Goytacazes, H-UERJ s: de 2019. ntes mesascuaç entre Estado e Mercadorestalque ainda que este colóquio apresentou quatro eixos temáticos centrais: 1) Reestruturação espacial e desenvolvimento econômico-regional, 2) Redes técnicas e organização social do território, 3) Produção do espaço e espoliação imobiliária no mundo contemporâneo, e 4) Desenvolvimento e crise no capitalismo contemporâneo.

8 Afinal,

91) o atual movimento de reestruturação espacial engendra hegemonicamente uma reformulação territorial-produtiva, com o acerto do tempo do negócio fabril e o just-in-time imposto à mercadoria e ao trabalhador – a discussão do mundo do trabalho, à luz da geografia econômica, torna-se central. Isto implica o consumo dos bens que já nascem obsoletos ou do próprio território, conjugando a adoção (ou abandono) da sustentabilidade em detrimento da obliteração acelerada da natureza. Ajustando homem e natureza, tempo e espaço, tecnologia e necessidades produtivas, o desenvolvimento se consolida em bases regionais, por meio da conjugação de estratégias de diferentes atores públicos e privados e da revigoração das potencialidades endógenas nesta escala geográfica;

102) em tempos de transformações e renovações técnicas e reconfiguração de redes produtivas, comerciais e informacionais que lhe sustentam, o território se destaca como a categoria cada vez mais presente e central nos estudos econômico-espaciais, pois na atualidade o papel da ciência, da tecnologia e da informação produz novos recortes territoriais, que exigem redefinir nossos parâmetros analíticos para melhor compreendermos as múltiplas determinações econômicas e sociais presentes no espaço. Torna-se mister a discussão sobre transporte e logística, redes portuárias e de tráfego aéreo, comunicações e informações;

113) a cidade assiste, sob diferentes aspectos, a um processo de acirramento das contradições: de um lado, a força das matrizes vinculadas ao crescimento econômico e políticas neoliberais de produção do espaço, desenvolvidas pela implantação de empreendimentos industriais, logísticos, de serviços, entre outros; de outro, a explosão da periferia e das múltiplas segregações sociais. A cidade se tornou negócio e mercadoria central e seu empresariamento é o motor do crescimento econômico urbano. Da mesma maneira, o valor da terra e as precificações e especulações do solo urbano são questões centrais nesta verdadeira economia política da cidade;

124) a discussão sobre a lógica da produção de valor e o ciclo de acumulação, a partir dos movimentos das frações dos capitais (em suas diversas dimensões) e da ação dos circuitos econômicos na construção social do espaço, são fundamentais para compreender a crise do capitalismo contemporâneo, que parece sair de uma fase cíclica para um novo e mais radical padrão de acumulação. Sustentado em crescente financeirização, o capital vem operando com enorme mobilidade através dos fundos globais e nacionais, aspirando cada vez mais o lucro da produção que ainda prescinde do espaço como lócus de apropriação. Dessa forma, o capital, entendido como movimento e relações de poder, avançaria para a constituição de uma espiral de acumulação infindável.

13

14 Esta coletânea é composta por dezenove capítulos, assinados por pesquisadores de diferentes universidades do Brasil e da América Latina, divididos em quatro partes. Introdução – Novos caminhos do desenvolvimento científico, tecnológico e industrial é formada por dois capítulos: “Desenvolvimento regional do Brasil. Uma leitura pela ótica da quarta revolução industrial”, de autoria de Eliseu Savério Sposito, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Presidente Prudente, e “Corrida científica e tecnológica mundial, impactos geoeconômicos e geopolíticos e a posição do Brasil”, de Clélio Campolina Diniz, pesquisador do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (Cedeplar-UFMG) e ex-ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, entre 2014 e 2015.

15A Parte I – Reestruturação espacial, metropolização, inovação e desenvolvimento econômico-regional é composta por quatro capítulos: “Espaço-tempo do capitalismo contemporâneo e a constituição de megarregiões”, de autoria de Sandra Lencioni, professora titular do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) e professora agregada da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio); De recursos intangíveis a ativos financeiros: as regiões metropolitanas como nexos da economia global”, de Daniel Sanfelici, professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense (UFF); Uma abordagem crítica da inovação e do conhecimento na geografia do capitalismo contemporâneo”, de Regina Helena Tunes, do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); e “Espaço, inovação e novos arranjos espaciais: algumas reflexões”, de Maria Terezinha Serafim Gomes, professora do Departamento de Geografia da Universidade Estadual Paulista (Unesp – Presidente Prudente).

16A Parte II – Política, organização social do território e redes técnicas reúne seis capítulos: A produção do espaço social e a economia política”, assinado por Floriano José Godinho de Oliveira, professor do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); “‘Desenvolvimento ilimitado’? A questão ambiental contemporânea sob a ótica da geografia econômica”, de Leandro Dias de Oliveira, professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); “O território e sua empiria para a leitura das políticas de desenvolvimento num contexto de uma economia global”, de André Santos da Rocha, professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); “Redes técnicas, territórios e escalas: leituras sobre modernização e crítica da economia política do espaço”, de Marcio Rufino Silva, também professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); Redes e processos espoliativos no centro-norte do Brasil”, de Dênis Castilho, professor dos cursos de graduação e pós-graduação do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (UFG); “Território, circuitos industriais e sistemas técnicos: articulações escalares em tempos de acumulação capitalista com predominância financeira”, de Edilson Pereira Júnior, professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Ceará (Uece).

17A Parte III – Processos de financeirização e de espoliação do território agrega sete capítulos: “Patrimônio no capitalismo contemporâneo”, de Paulo Cesar Xavier Pereira, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP); “Grandes grupos econômicos na produção do espaço: um olhar sobre atuação imobiliária do Grupo Votorantim”, de Beatriz Rufino, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP); “Geografías financiarizadas del extractivismo inmobiliario: lógicas financiero-inmobiliarias y estatales de la producción de lo urbano y la naturaleza en Chile”, de Rodrigo Hidalgo Dattwyler (Universidad Católica de Chile), Daniel Santana Rivas (Universidad Pontificia Bolivariana, Colombia) e Voltaire Alvarado Peterson (Universidad Academia de Humanismo Cristiano, Chile); “Dez anos do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV): um balanço preliminar”, de Leda Velloso Buonfiglio e César Augusto Ávila Martins, professores do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande (FURG); “Trajetórias de consolidação, movimentos setoriais e internacionalização do grande capital brasileiro”, escrito por Leandro Bruno Santos, professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia do campus de Campos dos Goytacazes da Universidade Federal Fluminense (UFF); “Elementos preliminares sobre a “desindustrialização”, a financeirização e geografia política da crise no Brasil”, de Cláudio Luiz Zanotelli, professor titular do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes); e “A ‘indústria’ dos fundos financeiros: potência, estratégias e mobilidade no capitalismo contemporâneo – Pós-escrito: Aspectos metodológicos para investigações no campo ‘espaço-economia’”, de Roberto Moraes Pessanha, professor e pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense – Campos dos Goytacazes (IFF).

18 O desafio de Espaço e economia: geografia econômica e a economia política é não somente contribuir para o processo formativo e acadêmico nas instituições brasileiras e latino-americanas no campo da geografia econômica, mas também aprofundar as vinculações entre os pesquisadores dos grupos e núcleos de pesquisa e demais pesquisadores brasileiros e da América Latina. Neste sentido, o III Colóquio Espaço-Economia e este livro formalizam a constituição da Rede Latino-Americana de Investigadores em Espaço-Economia: Geografia Econômica – Economia Política (RELAEE), que emerge com o intento de aproximar investigações e pesquisadores que abordem as diversas dimensões existentes entre espaço e economia. Afinal, neste momento de desalento político e crise in omine tempore, há muito trabalho a ser realizado.

19* * *

20 Não seria possível apresentar esta obra sem destacar que o III Colóquio Espaço-Economia foi realizado sob forte comoção pela perda tão precoce do colega, amigo, professor, Prof. Dr. Gilmar Mascarenhas, docente do Departamento de Geografia Humana e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É importante ressaltar que Gilmar, importantíssimo intérprete da geografia urbana fluminense e brasileira e destacado especialista em questões como urbanização turística, geografia dos esportes e impactos dos megaeventos na cidade, permanece vivo na luta cotidiana por uma cidade mais justa, democrática e humana. À sua memória, nós, os organizadores, dedicamos sentidamente as reflexões contidas neste livro.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Floriano José Godinho de Oliveira, Leandro Dias de Oliveira, Regina Helena Tunes e Roberto Moraes Pessanha, « Espaço e economia: geografia econômica e a economia política »Espaço e Economia [Online], 15 | 2019, posto online no dia 02 novembro 2019, consultado o 06 julho 2020. URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/7927; DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.7927

Topo da página

Autores

Floriano José Godinho de Oliveira

Artigos do mesmo autor

Leandro Dias de Oliveira

Artigos do mesmo autor

Regina Helena Tunes

Artigos do mesmo autor

Roberto Moraes Pessanha

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© NuPEE

Topo da página
  • Logo Latindex
  • Logo Diadorim
  • Logo Periodicos CAPES
  • Logo ROAD
  • Logo Crossref
  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • OpenEdition Journals