Navegação – Mapa do site
Trilha de Pesquisa

Estado da arte da geografia econômica no XII Enanpege (2017)

State of the art of economic geography in the XII Enanpege (2017)
Estado del arte de la geografía económica en el XII Enanpege (2017)
Etat de l'art de la géographie économique au XII Enanpege (2017)
Izabelle de Oliveira Felez

Resumos

O artigo tem como intuito principal apontar a pesquisa sobre as principais contribuições dos estudos de Geografia Econômica e como o estado da arte reflete nesses trabalhos publicados nos anais do XII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (ENANPEGE), realizado na cidade de Porto Alegre (RS), no período de 12 a 15 de outubro de 2017. Os trabalhos dessa subárea da Ciência Geográfica encontram-se em dois grupos de Trabalhos (GTs): “Desenvolvimento Regional e Infraestrutura” – com a publicação de 28 trabalhos completos; “Formações Socioespaciais: progresso técnico no espaço urbano e agrário” – com a publicação de 28 trabalhos completos. Os trabalhos do primeiro GT estiveram distribuídos em cinco eixos centrais: 1) Circulação, transportes e logística; 2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira; 3) Políticas públicas e desenvolvimento regional; 4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior; 5) Agronegócio e circuitos espaciais da produção. O segundo GT, não foi dividido em eixos temáticos. Para a construção do mesmo, foram feitas as seguintes etapas: leitura e análise dos 56 trabalhos publicados, leitura de referencial teórico sobre os temas da geografia econômica. Por fim, por ser uma atividade difícil e complexa, o Estado da arte detém caráter crítico e reflexivo; contribuindo, dessa forma, no desenvolvimento de novas demandas de pesquisa, conceitos e paradigmas.

Topo da página

Texto integral

INTRODUÇÃO

1Nesta investigação serão apresentados dados sobre os grupos de trabalhos (GTs), no qual a temática do Desenvolvimento Regional e Infraestrutura se coloca necessária pelas características atuais do processo de desenvolvimento brasileiro, pautado: no fortalecimento da intervenção do Estado; retomada da elaboração de políticas públicas e dos investimentos em infraestruturas; novos modelos regulatórios para a concessão dos serviços públicos; atuação das corporações e seu papel na internacionalização da produção. São temas pertinentes à discussão sobre o desenvolvimento regional brasileiro, suas repercussões, conflitos de interesses, embate capital x trabalho e o papel do Brasil na divisão internacional do trabalho. Este Grupo de Trabalho tem origem na discussão acumulada pelo Grupo de Estudos em Desenvolvimento Regional e Infraestruturas (GEDRI), em funcionamento desde o ano de 2005, do Grupo de Estudos da Dinâmica Econômica, desde 2008 e do Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia (NuPEE), desde 2008.

2O GT tem por seu objetivo de aglutinar 5 eixos de pesquisa: 1) Circulação, transportes e logística; 2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira; 3) Políticas públicas e desenvolvimento regional; 4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior; 5) Agronegócio e circuitos espaciais da produção

3Tem-se como meta a criação de espaços de discussão que permita a socialização das experiências de pesquisa, reunião de um acervo qualificado com desdobramentos para a qualificação da pós-graduação e efetiva contribuição ao debate nacional.

4No segundo GT Formações Socioespaciais: Progresso técnico no espaço Urbano e Agrário, aqui apontamos que a crise da economia mundial, iniciada em 1973, trouxe para o debate acadêmico as questões referentes à inovação tecnológica (biotecnologia, telecomunicações, robótica, entre outras) como possibilidade de retomada do crescimento econômico. Contudo, a formação socioespacial estadunidense com sua política de liberalização do comércio internacional, oligopolização da economia, financeirização e políticas neoliberais, sobretudo, para fora, retardou o processo de destruição criativa e impôs diferentes estratégias às variadas formações socioespaciais do centro e da periferia do sistema capitalista. As análises aqui pretendidas direcionam-se para o agrário e o urbano. Nesse sentido, na formação socioespacial brasileira, se questiona: quais as dinâmicas capitalistas que presidem a formação e expansão de aglomerações urbanas e continuidade do processo de metropolização?

5Do ponto de vista agrário, o centro da discussão se dá em relação à produção agroalimentar, sua inserção em cadeias mais amplas, ao financiamento da produção e à financeirização cada vez mais presente na agricultura. Assim, esse GT tem por objetivo discutir o impacto dessas políticas e do progresso técnico no desenvolvimento econômico mundial / nacional / regional / local vinculado às atividades agrárias e urbanas.

Importância do Estado da Arte para a Pesquisa da Geografia Econômica

6A Geografia Econômica surgiu como uma vertente para estudar as transformações espaciais promovidas pelas relações econômicas. Sua abordagem esclarece os fatores responsáveis pela condição econômica de um determinado local, enfatizando os elementos propícios para a instalação das indústrias (clima, disponibilidade de recursos naturais, relações políticas, mercado consumidor, etc.) e as consequências espaciais desse processo.

7A origem da Geografia Econômica e, assim, sua evolução teórico-metodológica é marcada por vários paradigmas e contextos econômico-sociais que originam mudanças e reconfigurações. A partir de 1950, transformações originadas de situações internas à disciplina (debates sobre método, modelo); e conjunturas externas – a relação com outras disciplinas (sobretudo, a Economia) e a realidade socioeconômica que motivavam debates, influenciou as abordagens e os temas.

8A Geografia Econômica se consolida no início do século XX pelo acúmulo de informações econômicas de países e cidades, das condições físicas, dos recursos naturais; pelo desenvolvimento das monografias de agricultura; dos relatórios comerciais feitos pelas casas de negócios; e pelos fundamentos da Geografia Humana. Baseou-se nos aspectos da disciplina econômica; na concepção do homem como ser econômico; e na influência homem-meio.

9O estado da arte baseia-se no mapeamento (uma pesquisa) que possibilitará o conhecimento e/ou reconhecimento de estudos que estão sendo, ou já foram realizados no Brasil (em alguns casos no mundo) com temáticas, ou linhas de pesquisa, iguais ou parecidas em que está se estudando. Geralmente, a pesquisa é realizada apenas dentro de sua área de estudo, pois além de reconhecer o que está, ou foi investigado, você poderá usar posteriormente os materiais encontrados para sua revisão de literatura, no qual este trabalho refere-se a um levantamento, do tipo "estado da arte", das pesquisas publicadas nos anais do XII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (ENANPEGE). Especificamente, buscaram-se analisar os estudos dos GTs já citados. Por meio deste estudo, procurou-se elaborar um panorama quantitativo e qualitativo a respeito das pesquisas que vêm sendo realizadas nesse eixo, em termos de temáticas.

10Com base nessas informações de caráter descritivo, almeja-se também analisar em que medida tais pesquisas têm dialogado com as questões educacionais mais emergentes em nosso país, propondo temas relevantes nesse sentido. Segundo Ferreira (2002), os estudos relativos ao "estado da arte" podem ser definidos como uma modalidade de pesquisa bibliográfica, que têm por objetivo:

O desafio de mapear e de discutir uma certa produção acadêmica em diferentes campos do conhecimento, tentando responder que aspectos e dimensões vêm sendo destacados e privilegiados em diferentes épocas e lugares, de que formas e em que condições têm sido produzidas certas dissertações de mestrado, teses de doutorado, publicações em periódicos e comunicações em anais de congressos e de seminários. (FERREIRA, 2002, p. 258).

11  As pesquisas do tipo "estado da arte" sobre as produções de uma determinada área ou instituição são uma possibilidade de verificar-se a situação do conhecimento em um dado momento, permitindo colocar em ordem as diversas informações, além de compreender as relações existentes entre elas, em termos de semelhanças e contradições. Portanto podem surgir diversas possibilidades de análises a partir desse olhar panorâmico para um conjunto de produções.

12O estado da arte também é conhecido por sua notoriedade em realizar um método cujas características se mostrem como algo inventariante e descritivo em relação à produção acadêmica e científica acerca do tema que procura pesquisar, “[...] à luz de categorias e facetas que se caracterizam enquanto tais em cada trabalho e no conjunto deles, sob os quais o fenômeno passa a ser analisado”. (FERREIRA, 2002, p. 258).

13O estado da arte refere-se a uma atividade árdua e complexa, justamente por seu caráter crítico e reflexivo. Auxilia na otimização e também no desenvolvimento de novas demandas de pesquisa, conceitos e paradigmas.

14Haddad (2002, p. 09) conceitua o estado da arte como sendo os estudos que:

[...] permitem, num recorte temporal definido, sistematizar um determinado campo de conhecimento, reconhecer os principais resultados da investigação, identificar temáticas a abordagens dominantes e emergentes, bem como lacunas e campos inexplorados abertos a pesquisas futuras.

15Um dos objetivos principais deste tipo de pesquisa é buscar compreender o conhecimento que existe sobre algum tema, a partir de um recorte temporal específico, além de sua sistematização e análise acerca do assunto, que não somente resgata como também condensa a produção acadêmica num campo específico.

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE GEOGRAFIA ECONÔMICA

16Ressaltamos que foram 56 trabalhos publicados nos anais, onde os mesmos foram apresentados e debatidos e os quais serão o foco de análise do nosso estado da arte. Os elementos presentes no quadro 1 representam a cartografia das pesquisas baseadas na temática do Desenvolvimento Regional e Infraestrutura. As vinte e oito pesquisas apresentadas e sabatinadas foram classificadas em cinco eixos: 1) Circulação, transportes e logística; 2) Financeirização do território nacional; 3) Políticas públicas e desenvolvimento regional; 4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior; 5) Agronegócio e circuitos espaciais da produção. Já os demais vinte e oito trabalhos presentes no GT “Formações Socioespaciais: progresso técnico no espaço urbano e agrário” não foram divididos em eixos temáticos - quadro 2.

17A análise quantitativa dos dois GTs se deu através das regiões e universidades com 2 ou mais estudos apresentados no evento, no qual a figura 1 faz essa representatividade.

Figura 1- Análise quantitativa dos GTs de geografia econômica do ENANPEGE 2017

Figura 1- Análise quantitativa dos GTs de geografia econômica do ENANPEGE 2017

Quadro 1 - Síntese dos trabalhos apresentados no Grupo de Trabalho “Desenvolvimento Regional e Infraestrutura” do XII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (ENANPEGE) - Porto Alegre (RS)- 2017.

Título

Eixos de Pesquisa

Instituição

Cidade/Estado/Região

Nível da pesquisa

Palavras-chaves

1.Novos "territórios eólicos: apropriações e conflitos.

2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira;

UFS

São Cristóvão

/SE/NE

Doutorado em andamento

Território;

Território -rede;

Parques eólicos.

2. A Evolução das políticas federais de transporte público: difusão do Sistema brt bus Rapid transit em Cidades brasileiras.

1) Circulação, transportes e logística;

UFF

Niterói/RJ/SE

Mestrado concluído

Políticas de transporte; urbano; BRT.

3. A Ferrovia nova transnordestina e os novos trilhos da fluidez Territorial no Piauí.

1) Circulação, transportes e logística;

UFPI

Teresina/PI/NE

Mestrado concluído

Transportes; Território; Ferrovia Nova Transnordestina

4. A Globalização da produção e as empresas estrangeiras: um debate

Geoeconômico.

4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior;

UNICENTRO

Guarapuava/PR/S

Mestrado concluído

Globalização; internacionalização; empresas estrangeiras

5. A Importância das redes viárias na dinâmica socioeconômica da

Microrregião de vitória da Conquista BA.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UESB

Itapetinga/BA/NE

Mestrado em andamento

Redes; Redes viárias; Microrregião

6. A Integração territorial nos blocos regionais: uma abordagem das

Políticas setoriais de transporte.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado em andamento

Integração territorial, integração regional, transportes.

7. Análise Da dinâmica do setor de serviços em áreas litorâneas: um

Estudo de caso dos municípios de cajueiro da praia e Luiz Correia no Piauí.

2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira;

UFPI

Teresina/PI/NE

Mestrado em andamento

Turismo; Litoral; Infraestrutura.

8. Cervejas Especiais: análise do circuito espacial da produção e dos

Círculos de cooperação do espaço das microcervejarias paulistas.

5) Reestruturação produtiva e industrialização.

UNESP

São Paulo/SP/SE

Mestrado em andamento

Circuito Espacial da Produção; Círculos de Cooperação no Espaço; Microcervejarias.

9. Circuito Espacial de produção de jeans em Cianorte/PR:

Reestruturação e fragmentação produtiva.

5) Reestruturação produtiva e industrialização.

UNICENTRO

Guarapuava/PR/S

Mestrado concluído

Produção de jeans; lógicas de acumulação; lavanderias industriais.

10. De Cidade litorânea a cidade portuária: novas configurações

Socioespaciais e migração no litoral norte de São Paulo.

4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior;

UNICAMP

Campinas/SP/SE

Mestrado em andamento

Urbanização, Migração internacional; Litoral Norte de São Paulo

11. De Subúrbio industrial à cidade de serviços: São Gonçalo e as Tendências atuais na urbanização da periferia fluminense.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

USP

São Paulo/SP/SE

Doutorado em andamento

Função industrial – São Gonçalo - Economia urbana

12. Dinâmica Econômica e o setor portuário de Sergipe: fluxos de Mercadorias e estratégias competitivas.

1) Circulação, transportes e logística;

UFS

São Cristóvão

/SE/NE

Docente

Setor portuário, mercadorias, estratégias competitivas.

13. Esferas De decisão do desenvolvimento da indústria naval em Niterói E São Gonçalo: círculos de cooperação e políticas públicas.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UFRJ

Rio de Janeiro

/RJ/SE

Mestrado concluído

Indústria naval; petróleo; círculos de cooperação.

14. Estratégias Dos agentes econômicos varejistas no território Brasileiro no início do século XXI.

5) Reestruturação produtiva e industrialização.

UFRGS

Rio grande/RS/S

Mestrado em andamento

Varejo; segunda palavra; terceira palavra

15. Goma Artesanal versus fécula industrial: substituição no consumo Em Manacapuru AM.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UFAM

Manaus/AM/N

Docente

Fécula, Manacapuru, políticas de desenvolvimento.

16. Impactos Da geração de energia eólica no município de Marcolândia, Estado do Piauí, brasil.

5) Reestruturação produtiva e industrialização.

UFES

Vitória/ES/SE

Mestrado em andamento

Sustentabilidade; Fontes renováveis; Energia Eólica.

17. Instituições Públicas de ensino superior no estado do Paraná e o Desenvolvimento local e regional.

2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira;

UFPR

Curitiba/PR/S

Doutorado em andamento

Desenvolvimento Local e Regional; Ensino Superior; Territorialização

18. Logística Como instrumento de articulação entre os espaços da Produção e do consumo: o caso do setor sucroenergético no Triângulo mineiro.

2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira;

UFJF

Juiz de Fora/MG/CO

Docente

Logística; setor sucroenergético; Triângulo Mineiro.

19. O Aeroporto internacional de São Paulo / Guarulhos como Centralidade urbana e a logística comercial aeroportuária.

2) Financeirização do território nacional e internacionalização da economia brasileira;

USP

São Paulo/SP/SE

Mestrado concluído

Centralidade, Aeroporto, logística

20. O Desenvolvimento da região do pontal do Paranapanema no contexto

Da reestruturação produtiva do capital.

4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior;

UNESP

São Paulo/SP/SE

Doutorado em andamento

Desenvolvimento;

Reestruturação produtiva; Sucroenergético.

21. O Setor de vestuário no Mato Grosso do Sul.

5) Reestruturação produtiva e industrialização.

UFGD

Dourados/MS/CO

Doutorado em andamento

Vestuário; Industrialização; Geração de empregos.

22. O Taylorismo/Fordismo no Brasil: a ocupação do capital no espaço Fabril.

4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior;

UFJF

Juiz de Fora/MG/CO

Mestrado em andamento

Economia; Fordismo; História Econômica; Industrialização; Taylorismo

23. Os Reflexos das concessões aeroportuárias no Brasil: avanços e Retrocessos.

1) Circulação, transportes e logística;

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado em andamento

Concessões aeroportuárias; transporte aéreo; aeroportos.

24. Planejamento E desenvolvimento regional no estado do Tocantins: Uma leitura a partir dos planos de desenvolvimento e seus significados Para região Norte do Estado.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

IFMA

São Luis /MA/NE

Mestrado concluído

Desenvolvimento regional; Planos de desenvolvimento regional; Tocantins.

25. Profesor De ciências sociales en el grado de licenciatura.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UFAM

Manaus/AM/N

Graduação concluída

Informalidad, Trabajo Humano, Competencia

26. Reestruturação Econômica e regional no rio de Janeiro: uma análise Sobre a região dos lagos.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UERJ

Rio de Janeiro

/RJ/SE

Mestrado concluído

Turismo, estadia temporária, região.

27. Reestruturação Produtiva e indústria: capital e formação da força De trabalho para a produção de alimentos de vitória da conquista BA.

4) Desenvolvimento econômico, política industrial e comércio exterior;

UFS

São Cristóvão/

SE/NE

Mestrado concluído

Capital; Reestruturação Produtiva; Força de Trabalho

28. A Espacialização dos bancos públicos e o desenvolvimento regional.

3) Políticas públicas e desenvolvimento regional;

UNICENTRO

Guarapuava/PR/S

Mestrado concluído

Sistema bancário; bancos públicos; rede de agências

Fonte: Anais do XII Encontro Nacional da ANPEGE, 2017. Org. Autores.

18Continuando a análise do quadro 1 e mapa 1, observamos que, numa divisão regional foram apresentados trabalhos oriundos das seguintes regiões: Sudeste (9), Sul (7), Centro-Oeste (3), Norte (2) e Nordeste (7).

19Em relação ao nível da pesquisa, temos a seguinte radiografia:

20• Docentes: 3 pesquisas;

21• Doutorado em andamento: 7 pesquisas;

22• Mestrado concluído: 10 trabalhos;

23• Mestrado em andamento: 7 estudos;

24• Graduação concluída: 1 pesquisa.

25Portanto, os dois níveis de pesquisa com maior representação no GT são: Mestrado em andamento, com 7 trabalhos (25%); e Mestrado concluído: 10 trabalhos (35,7%); totalizando 17 pesquisas (60,7%) do total de 28.

26As Universidades representadas no GT com 2 ou mais estudos (as demais tiveram apenas um trabalho apresentado), por ordem decrescente do número de pesquisas são:

271. Universidade Federal de Sergipe: 3;

282. Universidade do Centro – Oeste do Paraná: 3;

293. Universidade Federal do Piauí: 2;

304. Universidade Federal de Santa Catarina: 2;

315. Universidade Estadual Paulista: 2;

326. Universidade de São Paulo: 2;

337. Universidade Federal do Amazonas: 2;

348. Universidade Federal de Juiz de Fora: 2.

35Começaremos a análise qualitativa pelo eixo 1 “Circulação, transportes e logística”. Estas pesquisas versaram primordialmente sobre: o deslocamento de pessoas e produtos, no qual foi uma necessidade desde as primeiras formas de organização humana. Ao longo do tempo, de acordo com a necessidade e os materiais disponíveis em seu meio, o homem desenvolveu diversas formas de deslocamento e circulação.

36Desta forma, existem diversos meios, assim como infraestruturas de transportes que evoluíram, revolucionando a circulação. Quando tratamos tradicionalmente da geografia da circulação e da geografia dos transportes deixamos de lado parte importante da cadeia de abastecimento, ou seja, o armazenamento na distribuição (logística de distribuição). Esse fato deve-se ao momento histórico que essas subáreas da geografia são formuladas. Por mais que as atividades de transporte e armazenamento tenham utilizado alguma forma de logística (estratégia, planejamento e gestão de transportes e armazenamento) foi especialmente na década de 1980 que a discussão sobre planejamento e gestão interligados de transporte, de armazenamento e seus impactos territoriais foi discutido globalmente com intensidade.

37Nos trabalhos destacam-se:

  • A questão do capitalismo, marcado pela necessidade da progressiva aceleração da circulação. Os transportes se evidenciam como elemento crucial para a reprodução das atividades econômicas e das relações sociais em geral. As transformações na circulação de pessoas e mercadorias nos territórios, em sua fluidez, conferem importância destacada aos transportes, tendo assim papel destacado na difusão e consolidação da sociedade moderna;

  • Difusão do sistema de transporte urbano BRT – Bus Rapid Transit, em cidades brasileiras, problematizando-a no âmbito das políticas Municipal e Federal de mobilidade urbana. Para isso, é contextualizado como as políticas de transporte urbano foram inseridas nos planos diretores municipais. Constatou-se através das análises que, os planos de transportes urbanos não acompanharam as transformações ocorridas no Brasil a partir de 1960, como a industrialização, a intensificação da urbanização, ampliação e densificação da rede urbana;

  • A modernização e a expansão territorial dos transportes, comunicação e informática têm possibilitado nos dias atuais, uma inserção de lugares e espaços no contexto mundial. A circulação de mercadorias e pessoas tornam-se cada vez mais intensas na escala regional, nacional e internacional. Os interesses e as estratégias dos capitalistas avançam e se expandem na mesma proporção, configurando e reconfigurando os espaços locais e globais. Existe uma relação estreita entre o desenvolvimento das cidades e os meios de transportes, tornando-se elementos indissociáveis para a estruturação urbana.

38A respeito dos demais eixos optamos por analisarmos juntos nos quais a seguir apontaremos os principais destaques dos mesmos:

  • Uma vez que o comércio intrarregional apresentou resultados cada vez mais favoráveis, os blocos regionais elaboraram políticas de cooperação em diversos setores. Foi o caso das políticas de transporte transnacionais, as quais conquistaram maior atenção no final do século XX. No decorrer das últimas décadas houve muitos debates acerca da necessidade de fomentar a integração territorial regional, porém quase sempre de maneira bilateral entre os países, decorrendo na realização de obras de maneira pontual. Já com o estabelecimento de organismos de integração regional essa pauta passou a ser abordada, de maneira multilateral pelos países tornando-se uma política necessária dentro dos processos integracionistas;

  • A globalização da produção cada vez mais instala-se em novos territórios, favoráveis a seu desenvolvimento. Nas últimas décadas nos deparamos com um mundo mais tecnificado no qual as velocidades da produção e da informação já não demoram muito para acontecerem;

39Abrindo um parêntese é válido pensar em Desenvolvimento Regional e Infraestrutura se requer considerar a atuação das corporações, do setor produtivo ou financeiro, fomentando o desenvolvimento econômico nos locais onde estão inseridas.

  • As corporações financeiras possuem importância, além disso, por serem essenciais para o funcionamento dos demais setores da economia, em que se destacam os bancos – os principais operadores das finanças e responsáveis por sua circulação;

  • A função mais direta de fomento ao desenvolvimento está concentrada nas mãos dos bancos públicos que se fazem presentes em localidades economicamente menos dinâmicas e são responsáveis por levar até a população determinadas políticas públicas. É nesse contexto que o sistema bancário ganha importância como objeto a ser estudado em pesquisas geográficas; pois, a compreensão de sua forma de organização e de suas estratégias de atuação permite aos geógrafos entender qual o papel desempenhado pelas finanças na organização do espaço geográfico;

  • Entre os anos 1990 e início dos anos 2000, que se intensificou o processo de internacionalização do setor bancário, no sentido de uma maior presença de bancos estrangeiros participando da financeirização do território nacional.

  • Partindo da discussão sobre industrialização e a reestruturação produtiva:

  • A reestruturação produtiva, inerente ao capitalismo impõe uma determinada ordem trabalhista e produz articulações da produção industrial com o mercado e com a formação escolar, fazendo com que a educação se realize em duas direções: a da formação dos trabalhadores, quando subordina o conteúdo ensinado ao mercado e direciona ao trabalho e em outra, fonte de conhecimentos mais amplos, voltada para a classe dominante;

  • No entanto, uma terceira vertente pode ser considerada no bojo dos efeitos da reestruturação produtiva e essa diz respeito à ausência ou mínima escolarização de trabalhadores, como meio de ampliação da mais valia. A história revela as diferentes interpretações sobre as formas de subsunção da educação à acumulação capitalista, iniciada com as transformações lançadas pela Revolução Industrial no final do século XVIII e a partir da qual se observou uma nova dinâmica produtiva e os seus efeitos nos cenários: social, político, econômico e educacional;

  • No âmbito da reestruturação produtiva, trabalho, comportamento e cotidiano se refizeram sob novas condições, mas as principais vítimas do processo são os trabalhadores. A acumulação capitalista produz efeitos nefastos em múltiplos segmentos da vida humana e, evidentemente sobre a escolarização dos trabalhadores.

40Ademais ressaltamos que a globalização da produção cada vez mais instala-se em novos territórios, favoráveis a seu desenvolvimento. Nas últimas décadas nos deparamos com um mundo mais tecnificado no qual as velocidades da produção e da informação já não demoram muito para acontecerem.

Quadro 2 - Síntese dos trabalhos apresentados no Grupo de Trabalho “Formações Socioespaciais: progresso técnico no espaço urbano e agrário” do XII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (ENANPEGE) - Porto Alegre (RS)- 2017

Título

Eixos de Pesquisa

Instituição

Cidade/Estado/Região

Nível da pesquisa

Palavras-chaves

1. A Análise geográfica da participação do ecommerce No cenário Econômico brasileiro.

***

UFU

Uberlândia /MG/CO

Docente

Comércio Eletrônico; Macroeconomia; Análise Geográfica.

2. A Contribuição da formação socioespacial quanto ao estudo das Pequenas cidades.

***

UEL

Londrina/PR/S

Doutorado em andamento

Pequenas Cidades, Rede Urbana, Formação Socioespacial.

3. A Nova geografia das bolsas de mercadorias e futuros e as Commodities agropecuárias.

***

UNIOESTE

Cascavel/PR/S

Docente

Bolsas de mercadorias e futuros; commodities agropecuárias; capital financeiro.

4. A Segunda maior produção de ovos de ovos do Brasil: o processo de Estruturação da avicultura de postura em bases modernas de Produção em santa Maria de Jetibá/Espírito Santo.

***

USP

São Paulo/SP/SE

Doutorado concluído

Processo de trabalho, avicultura de postura e inovações.

5. A Tecnologia uht longa vida e a modernização conservadora na cadeia Produtiva de lacteos no Brasil: o caso das embalagens cartonadas Tetra pak e os produtores de leite.

***

UFF

Niterói/RJ/SE

Mestrado concluído

Cadeia Produtiva; UHT; Leite;

6. A Topologia bancária na aglomeração urbana do sul (ausul) no RioGrande do sul 2003 A 2010.

***

UFRGS

Rio Grande/RS/S

Graduação concluída

Bancos, território, Ausul.

7. Análise Da industrialização recente de cidades pequenas brasileiras Numa abordagem multiescalar.

***

UNESP

São Paulo/SP/SE

Mestrado concluído

Industrialização, escalas geográficas, cidades pequenas.

8. As Agroindústrias da mesorregião norte pioneiro do Paraná: Apontamentos sobre as espacialidades da dinâmica de financiamento da Estrutura produtiva.

***

UNIOESTE

Cascavel/PR/S

Mestrado em andamento

Agroindústrias; espacialidades; Norte Pioneiro.

9. As Recentes alterações do sistema produtivo da região centro-oeste A partir da década de 2000.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado concluído

Centro-Oeste; desenvolvimento; investimentos.

10. As Transformações espaciais e as novas relações urbano-rurais No Atual contexto de metropolização do espaço: o exemplo do bairro de Vargem grande Teresópolis (RJ).

***

PUC

Rio de Janeiro/RJ/SE

Mestrado em andamento

Ação; acumulação por espoliação; relações urbano-rurais.

11. Associações, Cooperativas e o uso da biodiversidade em silves - AM.

***

UFAM

Manaus/AM/N

Doutorado em andamento

Associação; Cooperativa; Comercialização; Biodiversidade.

12. Brasil e a década neoliberal de 1990.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Mestrado concluído

Brasil; Neoliberalismo; Desenvolvimento econômico

13. Cadeia Produtiva e as inovações das embalagens plásticas na Indústria de alimentos.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado em andamento

Embalagens; Indústria de Alimento; Indústria Plástica.

14. Cooperativas Agropecuárias brasileiras e o mercado global Alimentar.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Graduação concluída

Cooperativas Agropecuárias; Exportações; Cadeias Globais Alimentares.

15. Disputa Por renda da terra entre proprietários/produtores rurais e Agroindústrias sucroalcooleiras.

***

UNESP

São Paulo/SP/SE

Doutorado em andamento

Renda da Terra; Proprietários/Produtores rurais; Agroindústrias Sucroalcooleiras.

16. Globalização Do agronegócio e novas relações agro urbanas: Análise inicial de sorriso e Lucas do rio verde – MT.

***

UNIOESTE

Cascavel/PR/S

Doutorado em andamento

Globalização do agronegócio; relações agro urbanas; progresso técnico.

17. Implicações Territoriais da agricultura de precisão na região do Sudoeste do Paraná.

***

UNIOESTE

Cascavel/PR/S

Doutorado em andamento

Modernização; agricultura; tecnologias.

18. Inovação E desenvolvimento territorial: temas emergentes para a

Geografia econômica brasileira e latino-americana.

***

FACCAT

Taquara/RS/S

Docente

Inovação; desenvolvimento territorial; geografia econômica.

19. Instituições Executoras de ciência, tecnologia e inovação no norte Do Paraná.

***

UEL

Londrina/PR/S

Mestrado concluído

Instituições; Inovação; Norte do Paraná

20. O Desenvolvimento do setor de sementes no Brasil: gênese, Desenvolvimento e desnacionalização.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado em andamento

Setor de sementes; Geografia econômica; Modernização da agricultura.

21. O Mercado consumidor e a balança comercial brasileira de lácteos: Pós anos 90.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Docente

Produção; comercialização; mercado

22. Perspectiva Sócio espacial da questão portuária nacional.

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado em andamento

Portos; Navegação; Desenvolvimento.

23. Redes e o circuito espacial superior: estudo de caso no oeste Catarinense.

***

UNIOESTE

Cascavel/PR/S

Mestrado em andamento

Agroindústria da Carne; Redes; Oeste Catarinense.

24. Transformações Na política habitacional brasileira a partir da Financeirização da habitação e das políticas neoliberais.

***

UNIOESTE

Cascavel/PR/S

Docente

Política Habitacional Brasileira; Financeirização da Habitação; Políticas Neoliberais

25. A Rede de grandes corporações para a promoção da inovação aberta: O caso telefônica.

***

UEL

Londrina/PR/S

Mestrado concluído

Inovação aberta, empresa-rede, Telefônica Open Future

26. A "dança do capital": ensaios sobre sua influência no setor calçadista do município de campo bom – RS.

***

UFRGS

Rio grande/RS/S

Graduação Concluída

Indústria Calçadista; Sistema de produção capitalista Fordista; Sistema de produção capitalista de Acumulação Flexível

27. A Dimensão espacial da competitividade produtiva: uma análise da Indústria catarinense de calçados à luz das especializações Territoriais produtivas (E.T.P.S).

***

UFSC

Florianópolis/SC/S

Doutorado em andamento

Desenvolvimento regional; Especializações Territoriais Produtivas; Geografia Econômica.

28. O Município de Teixeira de Freitas e a formação socioespacial do Extremo sul da Bahia.

***

IF

Salvado/BA/NE

Docente

Extremo Sul da Bahia. Teixeira de Freitas, Formação social

Fonte: Anais do XII Encontro Nacional da ANPEGE, 2017. Org. Autores.

***Obs: Esse grupo de trabalho (GT) não foi dividido em eixos temáticos.

41Prosseguindo a análise do quadro 2, observamos que, numa divisão regional foram apresentados trabalhos oriundos das seguintes regiões: Sudeste (5), Sul (20), Centro-Oeste (1), Norte (1) e Nordeste (1). Em relação ao nível da pesquisa, temos a seguinte radiografia:

42• Docentes: 6 pesquisas;

43• Doutorado em andamento: 9 pesquisas;

44• Doutorado concluído: 2 pesquisas;

45• Mestrado concluído: 5 trabalhos;

46• Mestrado em andamento: 3 estudos;

47• Graduação concluída: 3 pesquisas.

48Portanto, os dois níveis de pesquisa com maior representação no GT são: Doutorado em andamento com 9 pesquisas (32,1%); e Docentes com 6 trabalhos (21,4%); totalizando 15 pesquisas (53,5%) do total de 28.

49As Universidades representadas no GT com 2 ou mais estudos (as demais tiveram apenas um trabalho apresentado), por ordem decrescente do número de pesquisas são:

501. Universidade Federal de Santa Catarina: 8;

512. Universidade Estadual do Oeste do Paraná: 6;

523. Universidade Estadual de Londrina: 3;

534. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: 2;

545. Universidade Estadual Paulista: 2.

55No caso desse GT por não tratar-se de eixos temáticos a análise qualitativa será ponderada de uma forma unificada dos trabalhos.

56O tema pequenas cidades embora tenha sido até o último quartel do século XX, pouco estudado no âmbito da geografia brasileira, tem paulatinamente despertado o interesse dos pesquisadores, em decorrência da especialização funcional que muitas dessas cidades têm apresentado e também, devido às mudanças decorridas da complexificação das relações econômicas e sociais, manifestas quanto ao seu papel na rede urbana a qual se inserem. Logo, com o intuito de compreender o que são as pequenas cidades e suas funções, têm-se atrelado seu estudo à rede urbana a qual se inserem, pois embora sejam itens numerosos em tal contexto, podem apresentar especificidades, resultantes da divisão territorial do trabalho.

  • Além das reflexões relativas ao conceito da formação socioespacial, observou-se que a discussão da formação socioespacial nem sempre atrela-se à uma análise social do espaço, considerando a produção do mesmo, existindo posicionamentos que fazem apenas reconstruções teóricas do conceito de formação socioespacial, porém, o estudo da formação socioespacial deve ir além disso, buscando atrelar-se à compreensão da rede urbana e das pequenas cidades, ou seja, deve ser usado e aplicado como um método, uma vez que mostra-se capaz de auxiliar na compreensão da produção do espaço e por consequência, a rede urbana.

57Outro tema relevante a ser ressaltado é:

    • 1 UHT é sigla para “ultra high temperature” que significa temperatura ultra alta. É um processo utili (...)

    Atualmente, os processos industriais de lácteos no Brasil são frutos das mudanças tecnológicas no contexto da globalização econômica mundial iniciada a partir da década de 1970 e que chegou ao Brasil na década de 1990, pela chamada abertura econômica neoliberal. A globalização econômica é caracterizada pelas novas tecnologias informacionais que baratearam as comunicações e os transportes em nível mundial. Com a adoção da tecnologia de envasamento UHT1, houve uma transformação na cadeia de frios brasileira que conseguiu abrir mão de tecnologia de resfriamento nos transportes para dar lugar ao transporte e envasamento de leite fluido em temperatura ambiente com prazo de validade superestendido.

58Abrindo um parêntese para algumas cidades pequenas brasileiras à condição de receptoras de grandes capitais da indústria:

  • A globalização é responsável por diversas reestruturações nas esferas social, econômica, política, cultural, e espacial da sociedade contemporânea. No caso da atividade produtiva, o acirramento da competição intercapitalista, o desenvolvimento tecnológico e a articulação mais estreita entre os lugares fortaleceram a internacionalização do capital produtivo, a segmentação setorial e espacial da produção e a extração global de mais-valia;

  • Como consequência, intensificaram-se as forças centrífugas sobre áreas tradicionais de concentração industrial, alterando os padrões de localização das unidades produtivas e o direcionamento dos fluxos industriais nas diferentes escalas geográficas;

  • Esta tendência acentua-se na década de 1990, fruto de conjuntura político-econômica específica marcada pela abertura e desregulamentação dos mercados nacionais, pela disseminação de práticas neoliberais, e pela aceleração e maior densidade das trocas materiais e imateriais pelo mundo. É nesse cenário que algumas cidades pequenas, tradicionalmente concebidas como últimos elos da confluência urbano-rural, passaram a receber expressivas somas de investimentos industriais exógenos (nacionais e/ou estrangeiros), que nelas engendraram um ciclo de crescimento industrial e econômico. Novas dinâmicas socioespaciais perpassaram o território destas cidades, modificando-lhes os conteúdos e transformando-lhes a paisagem.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

59Portanto, este artigo aponta para a relevância da geografia econômica nas reflexões expostas junto ao estudo da arte, no qual o estado da arte refere-se a uma atividade árdua e complexa, justamente por seu caráter crítico e reflexivo, auxiliando na otimização e, também, no desenvolvimento de novas demandas de pesquisa, conceitos e paradigmas. Segundo CHORINCAS (2001, p.30):

Arriscamo-nos a acreditar que se assistiu recentemente à inevitável aceitação da Geografia Económica no seio da Comunidade Científica. Inevitável porque, por um lado, a Economia exerce (e continuará a exercer) uma forte influência nas metodologias e teorias desenvolvidas no seio da ciência geográfica – de facto, muitos aspectos que os geógrafos se propõem analisar e interpretar têm uma dimensão económica. De modo semelhante, muitos fenómenos abordados pelos economistas têm uma dimensão espacial.

60Ressaltamos que todos os eixos temáticos possuem sua importância e seu papel dentro do pilar das pesquisas em educação do qual fazem parte. Salientamos os quão variados aspectos a geografia econômica se insere, pois além do estudo da localização, distribuição e organização espacial das atividades econômicas na terra abrangem tópicos como transporte, agricultura, localização industrial, comércio internacional e a organização espacial.

Topo da página

Bibliografia

ANPEGE. Anais do XII Encontro Nacional da ANPEGE. Presidente Prudente: UFGD Editora, 2017.

CHORINCAS, J. Geografia Econômica: Encontros e Desencontros de uma ciência de Encruzilhada. Inforgeo, 16/17, Lisboa, EdiçõesColibri, p. 109-122, 2001/02.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, ano XXIII, nº. 79, p. 257-272, 2002.

HADDAD, S. Educação de Jovens e Adultos no Brasil (1986-1998). Brasília: MEC/INEP, COMPED, 2002 (Série Estado do Conhecimento nº. 8).

Topo da página

Notas

1 UHT é sigla para “ultra high temperature” que significa temperatura ultra alta. É um processo utilizado para esterilização de alimentos através do aquecimento e, imediatamente a seguir, do resfriamento.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1- Análise quantitativa dos GTs de geografia econômica do ENANPEGE 2017
URL http://journals.openedition.org/espacoeconomia/docannexe/image/9114/img-1.png
Ficheiro image/png, 113k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Izabelle de Oliveira Felez, « Estado da arte da geografia econômica no XII Enanpege (2017) », Espaço e Economia [Online], 16 | 2019, posto online no dia 01 janeiro 2020, consultado o 27 janeiro 2020. URL : http://journals.openedition.org/espacoeconomia/9114 ; DOI : 10.4000/espacoeconomia.9114

Topo da página

Autor

Izabelle de Oliveira Felez

Graduanda em Licenciatura em Geografia pela UNICENTRO (PR) e Bolsista de Iniciação Científica (FA) – Área: Geografia Econômica

E-mail: Izabellefelez@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© NuPEE

Topo da página
  • Logo Latindex
  • Logo Diadorim
  • Logo Periodicos CAPES
  • Logo ROAD
  • Logo Crossref
  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • OpenEdition Journals