Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosA (nossa) enxada libertadora

Artigos

A (nossa) enxada libertadora

Celeste Fortes
p. 11-16

Texto integral

A enxada libertadora

A enxada libertadora

Fonte: Fotografia da autora

Chegou a chuva. Hora de pegar na enxada.
Estuda para teres a tua própria enxada.
Estuda para não teres a mesma vida que eu.
O feminismo académico negro é a minha enxada.

1Enquanto escrevo este texto olho para o verde que cobre grande parte da ilha de São Nicolau. Nas outras ilhas de Cabo Verde também o castanho da terra seca vai cedendo lugar ao verde. Estou em trabalho de campo. Vim à procura de mulheres com trajetória de liderança e que tenham estórias e aventuras interessantes para contar às “suas filhas”.

2Agosto é, coletivamente, um dos meses mais determinantes para o sonho coletivo de ver Cabo Verde coberto pelo manto verde. A nossa mátria depende das chuvas para projetar estratégias de sustento das suas crias.

3Este chão-mãe – que pariu muitos filhxs que tomaram a doce e amarga decisão de partir querendo ficar – vive uma relação amorosa de incertezas com a chuva. Amante esquiva, que todos os anos faz-nos colar os olhos no céu, à espera da sua chegada. Amante que nos enche de utopia, faz-se anunciar, mas nunca revela o dia da sua chegada, nem por quanto tempo fica e o que trará.

4A chuva, amante incerta, faz-nos sempre esperar e acreditar no melhor. Que fique o tempo de garantir boa colheita, comida e fartura. Que possa tirar-nos o credo da boca, diante do medo da seca, e que não venha com a intensidade de levar tudo. Queremos matar a sede, não queremos morrer afogados. A mátria Cabo Verde é uma terra forte mas também tem as suas fragilidades.

5Enquanto objeto material, a enxada é um dos instrumentos centrais no quotidiano de Cabo Verde, particularmente das ilhas mais agrícolas. A enxada cumpre a função de mediação da relação entre a mátria e a chuva, anunciando o início das sementeiras, em que se trabalha o chão das ilhas e nele se depositam os grãos e as sementes da esperança.

6Está tudo pronto para receber a chuva.

7Virá? Teremos uma boa azágua?

8Lá vem ela.

9Chegou a chuva. Hora de pegar na enxada.

10Toca o chão das ilhas, ora de mansinho ora forte. Recebida em festa. Que nos traga bonança!

11Nestas ilhas teimosas no meio do Atlântico, que insistem em viver da agricultura, a chuva nunca é uma certeza. Por isso, aqui nascemos e crescemos à procura de outras enxadas. Além de cumprir a sua função de trabalhar o chão, durante a sementeira, a enxada adquiriu no imaginário das gentes das ilhas a função de significar o recurso para se singrar na vida. Ser alguém na vida.

12A educação, os capitais educacionais são, para muitos cabo-verdianos, a sua enxada.

13“Estuda para teres a tua própria enxada.”

14Ensinam-nos, mal começamos a dar os primeiros passos neste chão-mátria.

15Escrevo sobre esta enxada sociocultural e metafórica na esplanada da Residencial Jardim; a dona é uma mulher, dona Valentina. A sua filha, a quem a mãe vai passando a responsabilidade de gerir os negócios, estudou e fez o ensino superior. Já tem uma outra enxada. Já não terá, se quiser, de “aturar os abusos dos homens”, como muitas vezes nos dizem.

16“Estuda para não teres a mesma vida que eu.”

17As nossas mães – que labutam por nós, nesta sociedade que insiste em se dar a ver como patriarcal, mas que é também matrifocal – ensinam-nos a estudar para não termos a mesma vida que elas têm ou tiveram.

18Elas, cujas mãos estão calejadas, as costas doridas e a voz silenciada de tanto pegarem noutras enxadas, mais pesadas. Elas, cuja luta diária não lhes permite ter direito ao descanso e a contemplar outras possibilidades de existência ou saborearem a doce sensação de lazer e de libertação das amarras do machismo e do patriarcado. Estas nossas mães nunca têm tempo para pousar as pesadas enxadas.

19Dados estatísticos nacionais de 2018 indicaram que os agregados familiares monoparentais nucleares no feminino representavam 29,2% e os agregados monoparentais compósitos no feminino correspondiam a 36,3% do total dos agregados familiares. A maioria das famílias são monoparentais no feminino, 48,3% das famílias cabo-verdianas têm como representante uma mulher. Significando que estas casas vivem o seu quotidiano marcado pela ausência da figura masculina, enquanto pai e participante no provir e sustento da família, que abandonou.

20Dados estatísticos de 2017 indicaram que 55,9% das crianças viviam sem a presença do pai em casa. Dados de 2019 revelaram um ligeiro decréscimo, passando para 54%. Em 2021 cerca de quatro mil crianças não tinham a paternidade reconhecida. “Órfãs e órfãos de pai vivo”, costuma-se dizer.

21“O feminismo académico negro é a nossa enxada.”

22Fazer antropologia e etnografar as relações de género e as dinâmicas familiares em Cabo Verde enquanto mulher, feminista negra e mãe tem sido uma experiência de inventariação de outras possibilidades de narrativas e manejos da enxada, enquanto símbolo de resiliência e luta feminina e feminista.

23A aquisição de capitais académicos tem sido a minha enxada. Ela é o meu instrumento para o trabalho intelectual (Bell Hooks, 2013, Ensinando a Transgredir) que também me permite o exercício da antropologia militante, sintonizando teorias e práticas transgressoras.

24A nossa enxada, adquirida graças, também, à labuta das nossas mães, deu-nos outros espaços de criação de outros palcos e cenários de libertação das amarras sociais, culturais, políticas, económicas e geográficas que prendiam e prendem mulheres sem capitais académicos.

25Enxadas pesadas que fizeram delas mulheres-mães que cultivaram o chão da proteção, mas que não tinham tempo para a lavoura dos afetos quotidianos. As nossas mães raramente nos beijam e nos abraçam. As suas mãos calejadas aprenderam a tocar as enxadas nas lutas e tiraram-lhes o tempo, necessário e transformador, para o toque e afeto. Não sobra tempo para a sementeira dos afetos.

26Mas ter a enxada académica não significa esquecer as dores destas mulheres colocadas, muitas vezes, em “lugares-ausência” (Vilma Piedade, 2017, Dororidade) e na condição de subalternidade (Gayatri Spivak, 2010, Pode o Subalterno Falar?). Se as suas potencialidades são outras e múltiplas, não podemos, nunca, esquecer que as nossas diferentes enxadas estão umbilicalmente unidas, uma é derivação da outra. Cicatrizes e dores são herdadas.

27Para que serve a antropologia? Para que projeto serve a minha enxada intelectual e académica?

28Enquanto antropóloga feminista do Sul, ergo a minha enxada para lavrar um chão sociocultural e político onde a voz das mulheres intelectuais negras tenha a mesma potência das vozes de outras epistemologias e geografias de conhecimento.

29Esta tarefa exige um autopoliciamento constante sobre as falácias que a enxada da educação carrega. Não podemos esquecer que a educação formal é, também, na sua essência e práticas um projeto de reprodução pós-colonial de desigualdades, sobretudo racial, de classe e elitista. De que nos valerá termos uma enxada libertadora quando as outras mulheres continuam reféns de enxadas mais pesadas? De que vale ter um lugar de fala se só eu tenho voz?

30A nossa enxada pode libertar-nos da exigência de curvarmos os nossos corpos perante o machismo e patriarcado, mas também não nos deve fazer verticalizar diante do projeto elitista de classe e racial. E enquanto feministas negras do Sul global esta enxada deve ser erguida, também, contra as tentações, por um lado de instrumentalização das nossas falas pelo feminismo epistemológico do Norte que resulta, por outro lado, na nossa invisibilidade enquanto produtoras do conhecimento sobre nossas e outras realidades.

31Dizem que vem aí mais chuva. O meu coração transborda de alegria e esperança. Fazer ciência é também escutar o coração, um lugar de emoção que nos afasta da falácia da neutralidade científica. Penso com o coração.

32Esperançar.

33Que a nossa enxada de ativismo académico, social e cultural possa servir para continuar a participar ativamente nesta comunidade de resistentes semeando e provendo uma agenda coletiva para uma verdadeira transformação social.

34Utopiar.

35Que a nossa enxada continue a produzir conhecimento útil para o Sul e para o Norte (não custa acreditar, embora não creia ser possível, por agora, esperar o desaparecimento destas geografias políticas).

36A chuva tem este efeito para quem vive a condição de ser ilhéu.

37A nossa enxada feminista do Sul – potencializando as diferenças e não as eliminando – começa a dar sinais de estar a abrir fissuras no ciclo de importação acrítica de enxadas do Norte hegemónico. Este lugar para onde nos ensinam a olhar e a desejar como o centro produtor e exportador do conhecimento.

38Temos de manter a nossa enxada erguida.

39Chove lá fora.

40A nossa mátria fica mais bonita com este vestido verde.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título A enxada libertadora
Créditos Fonte: Fotografia da autora
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12641/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 3,4M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Celeste Fortes, «A (nossa) enxada libertadora»Etnográfica, Número especial | -1, 11-16.

Referência eletrónica

Celeste Fortes, «A (nossa) enxada libertadora»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 29 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12641; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12641

Topo da página

Autor

Celeste Fortes

Centro de Investigação e Formação em Género e Família, Universidade de Cabo Verde

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search