Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosLittle boy

Artigos

Little boy

Fernando Bessa Ribeiro
p. 53-58

Texto integral

A bomba. Museu Nacional da Força Aérea Norte-Americana, base aérea de Wright-Patterson (Dayton, Ohio)

A bomba. Museu Nacional da Força Aérea Norte-Americana, base aérea de Wright-Patterson (Dayton, Ohio)

Fonte: https://media.defense.gov/​2005/​Dec/​18/​2000575185/​-1/​-1/​0/​050401-F-1234P-008.JPG (acedido em 26 de junho de 2022)

1O acontecimento é conhecido: segunda-feira, 6 de agosto de 1945, pelas oito horas e 15 minutos é largada a mais de 9000 metros de altitude, do bojo do bombardeiro B-29 Superfortress Enola Gay, comandando pelo tenente-coronel Paul Tibbets, a primeira bomba nuclear da história. Explodindo aproximadamente a 600 metros acima do solo, a bomba produziu a devastação total de Hiroshima, matando imediatamente ou nos meses subsequentes mais de 100.000 pessoas. Embora este acontecimento, parte dos compêndios de história da Segunda Guerra Mundial, possa ser analisado e compreendido a partir de muitas perspetivas distintas, seja qual for o ponto de vista haverá que reconhecer que, ao inaugurar a possibilidade do aniquilamento geral súbito da humanidade, nos colocou doravante diante de um futuro comum trágico. Foi com esta tragédia que o mundo se unificou, pelo menos enquanto promessa do que pode vir. Tal não significa um mundo onde as diferenças e as desigualdades tenham desaparecido. Pelo contrário, hoje o mundo é incomparavelmente mais desigual do que nos alvores da primeira revolução industrial, pelo que não pode surpreender que as desigualdades sociais tenham reemergido com estrondo como questão social e política fundamental. Assim, a unificação só pode expressar, seguindo parcialmente os argumentos de Eric Hobsbawm, um regime económico e um sistema político que críticos e defensores designam como capitalismo, no qual temos uma superfície de diferenças e desigualdades cujo horizonte é a MAD (mutual assured destruction). Isto é, repetindo, a possibilidade de um futuro comum trágico.

2Nada disto é exterior à antropologia, pelo menos desde os trabalhos pioneiros de Eric Wolf – destacando-se o seu livro Europe and the People without History, sobre as conexões entre sociedades, economias e culturas, algumas delas sem qualquer tipo de ligação até à expansão europeia iniciada no século XV – até aos textos mais recentes de, entre outros, Chris Hann e Keith Hart e de Marc Augé e Jean-Paul Colleyn. Se muitos, ao ponto de se ter transformado em senso comum, viam diferenças essenciais entre povos e culturas aparentemente tão radicalmente diferentes – rapidamente usadas como alicerces para as políticas da raça que legitimaram e, juntamente com outras ideologias e forças, sustentaram a exploração e dominação coloniais, garantidas se necessário pelas armas –, outros, muito poucos, como Michel de Montaigne, foram capazes de encontrar semelhanças.

3Para lá do debate entre alteridade e diferença empreendido por Montaigne – relembrando por Claude Lévi-Strauss num texto genial, o capítulo “Relendo Montaigne” em A História do Lince –, dando um contributo inestimável para os fundamentos do que hoje entendemos por relativismo cultural, nos seus múltiplos significados, é certo que foi através deste encontro doloroso, marcado pelo genocídio de povos inteiros às mãos dos exércitos europeus, que as conexões entre diferentes sociedades se aceleraram e aprofundaram. Descritas três séculos mais tarde de modo vibrante por Karl Marx e Friedrich Engels no Manifesto – “Em lugar do antigo isolamento de regiões e nações que se bastavam a si próprias, desenvolve-se um intercâmbio universal, uma universal interdependência das nações” –, estas ligações entre distintas geografias definem, certamente melhor do que qualquer outro fenómeno, o mundo em que vivemos.

4Hoje, o nosso presente está marcado por uma nova bifurcação da história, depois de 600 anos de dominação ocidental. Nada de novo, dirão os mais atentos. Como aconteceu em outros momentos conturbados de recomposição do mundo, a potência hegemónica luta por todos os meios para se manter no comando, parecendo esquecer que impedir a marcha a galope do conhecimento, da riqueza e do poder para o Oriente é, a bem dizer, tão impossível como parar com as mãos o escorregar da areia através da peneira. Estamos no tempo de todos os riscos! À crise ecológica e à crise social junta-se, como nunca desde a crise dos mísseis em Cuba (1962), a ameaça inquietantemente próxima da catástrofe atómica. Se todas as transições de hegemonia foram marcadas pela guerra, a que se desenrola diante dos nossos olhos assume uma tonalidade aterradora, pois o arsenal atómico disponível é largamente suficiente para destruir a humanidade e boa parte das mais diversas formas de vida.

5Existe saída de emergência? Não sabemos… se pensarmos no que faz a camada mais afluente das nossas sociedades – desde 2011, por ação do movimento “Occupy Wall Street”, simplesmente etiquetada pela expressão 1%, em contraponto aos 99% do resto da população – temos fundados motivos para nos desassossegar. Com uma fortuna que não para de crescer, mesmo em tempo de pandemia, e confrontada com a marcha até ao momento imparável da “locomotiva” da história que nos leva para a catástrofe ambiental, talvez antes dela para uma outra catástrofe, a da guerra nuclear, sabe que vive num planeta abalado por agressões ecológicas e estragos severos, alguns irreversíveis, nos ecossistemas e na diversidade das espécies, atingido pelo avanço da presença humana para áreas remotas, até agora desabitadas ou pouco povoadas. Tendo a humanidade produzido um tal impacto no planeta ao ponto de provavelmente ter dado origem a uma nova era geológica, o antropoceno, os ultrarricos preocupam-se com a sorte das suas fortunas e das suas vidas confortáveis, imaginando modos de sobrevivência ao caos climático e demográfico, às migrações e às pandemias globais, se necessário no espaço ou noutro planeta. Sendo conhecida a ambição de Elon Musk em colonizar Marte, outros, mais pragmáticos – dando nota das notícias produzidas pela agência Bloomberg durante a pandemia –, optaram por se refugiar em abrigos subterrâneos que possuem na Nova Zelândia, cuja localização geográfica esdrúxula, tendo a sul o imenso vazio gelado da Antártida, se constitui como a derradeira terra prometida.

6Esta “fuga” parece dar razão a Bruno Latour quando afirma que as elites desistiram de governar o mundo, pretendendo antes proteger-se do caos ambiental, social e demográfico. Se estiver certo (e não é seguro que esteja), a situação é desesperada. O desafio passa certamente por converter situações de desespero em oportunidades para que este tempo, o nosso tempo de vida, não seja também o do fim da história humana, embora seja já o tempo, sem paralelo na história da vida, da extinção em massa de espécies animais e vegetais. Por outras palavras, é preciso tudo fazer para que, em vez da catástrofe como possibilidade bem real, se possa encontrar uma saída decente para a humanidade, que terá também de ser para todos os outros seres vivos e para o próprio planeta.

7Não escondendo o meu pessimismo, certamente com uma raiz longínqua no ceticismo de Michel de Montaigne, indiscutivelmente weberiano, não deixo de desejar que o colapso sugerido por Stanley Kubrick em 1964, no seu Dr. Strangelove, não passe de um pesadelo.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título A bomba. Museu Nacional da Força Aérea Norte-Americana, base aérea de Wright-Patterson (Dayton, Ohio)
Créditos Fonte: https://media.defense.gov/​2005/​Dec/​18/​2000575185/​-1/​-1/​0/​050401-F-1234P-008.JPG (acedido em 26 de junho de 2022)
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12676/img-1.png
Ficheiro image/png, 3,4M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Fernando Bessa Ribeiro, «Little boy»Etnográfica, Número especial | -1, 53-58.

Referência eletrónica

Fernando Bessa Ribeiro, «Little boy»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 28 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12676; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12676

Topo da página

Autor

Fernando Bessa Ribeiro

Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, Portugal

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search