Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosA mbira como mediadora de relaçõe...

Artigos

A mbira como mediadora de relações sociais

Fernando Florêncio
p. 59-64

Texto integral

Mbira, instrumento musical tradicional africano, foto do autor

Mbira, instrumento musical tradicional africano, foto do autor

Fonte: Fotografia do autor

1O propósito deste texto é o de responder ao desafio que a revista Etnográfica lançou de escolher e discorrer sobre um objecto, e da sua relevância na Antropologia, ou na nossa experiência de trabalho de campo. Inicialmente pensei nos nkisi nkondi, as famosas estatuetas de pregos baKongo, que existem no espólio etnográfico da Universidade de Coimbra, e sobre as quais escrevi recentemente um texto (Fernando Florêncio, 2020, in Carlota Simões, Margarida Miranda e Pedro Casaleiro, Visto de Coimbra: O Colégio de Jesus entre Portugal e o Mundo).

2Nele, abordei as estatuetas, não como objectos de fetiche ou idolatria, como os descrevem toda uma vasta literatura, missionária ou por esta influenciada (Paulo Valverde 1997, Etnográfica, 1 (1): 73-96), mas na esteira de David Graeber (2005, Anthropological Theory, 5 (4)), que defende que os africanos atribuem mais valor às relações sociais tecidas em torno dos objectos da sua cultura material e, nesse âmbito, os objectos seriam sobretudo intermediários de relações e contratos sociais, no caso específico entre vítimas de infortúnios, agressores, entidades espirituais e especialistas na manipulação destas estatuetas. No entanto, esta escolha inicial, por muito relevante do ponto de vista antropológico e na perspectiva pessoal, não satisfazia a segunda parte do desafio lançado, pois seria de difícil concretização disponibilizar o objecto para uma futura exposição. Optei então por outro objecto, do meu espólio pessoal, e que serve igualmente o propósito deste texto: a mbira.

3A mbira é um instrumento musical, cujas origens são atribuídas a povos Shona (vasto conjunto agregado de povos que actualmente são predominantes no Zimbabwe, centro de Moçambique e sul do Malawi). Do ponto de vista da sua classificação, fazem parte de uma gama de instrumentos musicais denominados lamelofones, bastante vulgarizados em África, e noutras partes, nomeadamente no continente sul-americano, por efeitos do comércio escravocrata. São constituídos por uma caixa de ressonância, ou reverberação, em madeira e uma placa de metal sobre a qual se prendem várias tiras de placas de metal espalmado, lamelas de diferentes tamanhos, cuja vibração produz uma escala sonora característica. Os tocadores fazem vibrar as lamelas com as pontas dos dedos, ou mesmo com as unhas, sendo que os dedos mindinhos de ambas as mãos jogam entre a placa de metal e a caixa de ressonância, variando deste modo o tom mais grave ou agudo. As melodias tocadas na mbira podem ou não ser acompanhadas de cânticos e de instrumentos de percussão. Existe uma variedade enorme de tipos de mbira, e alguns não usam a placa de metal entre a caixa de ressonância e as tiras de lamelas. Noutros a caixa de ressonância é feita de uma meia calabaça.

4Contactei pela primeira vez com este instrumento musical na vila do Búzi, no distrito com o mesmo nome, província de Sofala, em Moçambique, na minha primeira estadia de terreno, para a tese de mestrado que estava a realizar, e ao ouvi-lo imediatamente reconheci o som, vulgarizado em tantos filmes e documentários sobre África. Como disse antes, a região centro de Moçambique é dominada por populações Shona-Caranga que, algures a partir dos séculos XV/XVII, na sequência da fragmentação do grande reino dos Mwenemutapas, começaram a expandir-se do centro do Zimbabwe para o litoral do Índico. No caso dos Ndau, o grupo que trabalhei em Moçambique, cujo etnónimo teria sido atribuído pelos invasores Nguni no século XIX, reclamam-se como descendentes dos Rózvi, que terão fundado o reino de Mbire, inicialmente tributário dos Mwenemutapas, mas que se independentizou destes. Com a fragmentação deste grande reino, os Rózvi, como outros povos Shona, terão iniciado a expansão do hinterland para o litoral, em pequenas vagas sucessivas, fundando reinos e submetendo as populações autóctones e dando origem aos actuais Ndau.

5Regressando à mbira. Segundo me relataram no Búzi, era tradicionalmente tocada em cerimónias propiciatórias aos espíritos dos antepassados, mudzimu (plural vadzimu), cerimónias denominadas mbahamba. Trata-se de um termo muito genérico, e disseminado por várias regiões da África setentrional, e que se aplica a uma pluralidade de cerimónias (colheitas, casamentos, rituais funerários, etc.) nas quais a propiciação aos espíritos dos antepassados assume uma relevância fundamental. O termo também se pode aplicar às cerimónias da família, na actualidade em casos como aniversários, por exemplo, em que a componente invocatória e propiciatória dos espíritos dos antepassados da família é fundamental, para a preservação e reprodução do grupo. Ao longo do tempo, e de acordo com as interpretações que fui recebendo, o uso da mbira, e da sua musicalidade, foi-se generalizando e adquirindo utilizações lúdicas, sendo hoje utilizada em qualquer contexto festivo, e mesmo em cerimónias oficiais do Estado. Deste modo, consoante o contexto em que são usadas, variam os nomes que lhe são atribuídos.

6No âmbito mais tradicionalista, pode assim dizer-se que a mbira, enquanto objecto da cultura material entre os povos Shona-Caranga, e em particular entre os Ndau, quando usada no contexto cultual teria um valor simbólico de mediador entre os humanos e as entidades não humanas, neste caso em específico os espíritos dos antepassados, mudzimu. Mas não se restringe nisso, pois mesmo em contextos mais lúdicos serve igualmente de intermediário de sociabilidades que se geram entre tocadores e ouvintes.

7Nessa primeira estadia de terreno de 1994, ao fim de poucos dias o administrador de distrito, Filipe Paúnde, levou-me a conhecer um chefe de bairro, o senhor William Simango, que vivia na própria vila sede do distrito (e que no período colonial foi chefe de grupo de povoações). Este cargo de chefe de bairro constituía uma situação transitória, e até ambígua naquele contexto, pois não existia na estrutura desta instituição, a qual no período colonial só compreendia três categorias (régulo/regedor, chefe de grupo de povoações, chefe de povoação). Com a independência, o novo governo moçambicano, dominado pelo partido Frelimo, decidiu abolir esta instituição. Em 1994 o governo decidiu reimplantar as autoridades tradicionais. Foi o que sucedeu no Búzi, e neste caso em particular a administração decidiu titular o senhor William como chefe do bairro Macobu (sobre autoridades tradicionais, ver Florêncio 2005, Ao Encontro dos mambo vaNdau: Estado e Autoridades Tradicionais em Moçambique). Acompanhado pelo meu assistente de investigação, de nome Magaço (mais informações sobre o Magaço e o Filipe Paúnde em Fernando Florêncio, 2020, in Paulo Mendes, e Humberto Martins, Contos Antropológicos) chegámos de manhã cedo a casa do chefe. Acompanhado por alguns familiares e madodas (mais velhos), o chefe recebeu-nos com enorme cortesia, até pela presença do próprio administrador. Após as apresentações iniciais, sobretudo a minha, que foi feita pelo administrador, o chefe congratulou-se com a minha presença no Búzi. De seguida apresentou o seu séquito, e por fim mandou chamar um tocador de mbira. Após a performance deste tocador, terminou a sessão de apresentação, e o chefe convidou-me, e ao Magaço, a passarmos o dia na sua casa. Aproveitando um momento em que o chefe se ausentou para o interior da sua casa, com o administrador, fui conversando com os restantes elementos, e sobretudo com o tocador de mbira, que me explicou como funciona o instrumento e como tocá-lo. Deixou-me mesmo experimentar. O ter conseguido retirar algumas linhas melódicas do instrumento, numa espécie de jam session, não só entabulou uma relação empática com o tocador, alicerçada pelo facto de eu revelar que também era músico em Portugal, como até deu algum gáudio na assistência. Quando perguntei ao tocador como podia obter uma mbira, dispôs-se a oferecer-me a sua (no final do dia pediu-me 10.000 meticais, cerca de 300 escudos na altura, e um cigarro).

8O ambiente descontraiu-se plenamente, e penso que aliviou enormemente a apreensão que o chefe tinha com a minha presença. Era recorrente que as autoridades tradicionais, por todo o processo de abolição, e até perseguição em certos casos, por parte do governo da Frelimo, fossem mais simpatéticas com o partido da oposição, a Renamo. Era o caso do chefe, e dos seus homens, como constatei mais tarde nesse dia. Por outro lado, o facto de eu ter chegado ao distrito e estar “perto” da administração, que era do partido Frelimo (como era o caso da relação com o administrador, e o próprio Magaço, que era o director distrital da cultura), colocava-me, no entender de muita gente especialmente ligada ao partido Renamo, como uma espécie de consultor ao serviço do governo/partido Frelimo, o que significava desconfiança e apreensão, pela minha presença e pelo meu trabalho. Este momento de partilha e troca de experiências contribuiu para que a relação com o chefe se amenizasse bastante, possibilitando doravante algumas conversas bem elucidativas sobre a minha pesquisa. Claro que não vou afirmar que a mbira por si só teve essa virtualidade, mas foi um dos factores que desbloqueou uma desconfiança inicial com os sujeitos. Posso assim afirmar que foi um intermediário no estabelecimento de relações sociais, fundamentais e fundacionais neste primeiro trabalho de campo.

Fernando Florêncio escreve segundo o antigo acordo ortográfico

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Mbira, instrumento musical tradicional africano, foto do autor
Créditos Fonte: Fotografia do autor
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12680/img-1.png
Ficheiro image/png, 3,9M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Fernando Florêncio, «A mbira como mediadora de relações sociais»Etnográfica, Número especial | -1, 59-64.

Referência eletrónica

Fernando Florêncio, «A mbira como mediadora de relações sociais»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 29 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12680; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12680

Topo da página

Autor

Fernando Florêncio

CRIA/Departamento de Ciências da Vida, Universidade de Coimbra, Portugal

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search