Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosO pedaço despedaçado: sobre pedra...

Artigos

O pedaço despedaçado: sobre pedras que resistem

Giancarlo Marques Carraro Machado
p. 65-70

Texto integral

O skate entre as pedras que resistem. Moisés da Silva

O skate entre as pedras que resistem. Moisés da Silva

Fonte: Fotografia de Moisés da Silva

1Há pedras que exprimem relações. Suas características tangíveis, suas durezas e rugosidades suportam e estimulam sociabilidades. Dispostas em espaços públicos, com finalidades escusas e muitas vezes como parte de arquiteturas hostis, tais pedras ganham sentidos inesperados pela citadinidade, isto é, pelo fazer-cidade dos citadinos, pelas suas artimanhas, pelas suas táticas que desestabilizam a obviedade do cotidiano em que estão inseridos. Desde o chão de São Paulo, a metrópole mais populosa do Brasil, através de um olhar de perto de suas pedras e de dentro de suas dinâmicas culturais, pode-se descobrir demasiados modelos de cidades que contrastam com aquele que é reificado pelas forças do capital e da política. São as cidades outras, aquelas que emergem da articulação entre pedaços, manchas e circuitos – categorias socioespaciais caras às pesquisas do antropólogo urbano José Guilherme Magnani –, que embaralham as pretensões das redes de poder que se espraiam das periferias às centralidades.

2Tem-se, pois, muitas São Paulo que se reconstituem a partir do que aparentemente é irrisório, como uma simples pedra que é atravessada pela citadinidade. No vale do Anhangabaú, situado na região central da cidade, há tantas delas. Em conjunto contam histórias, manifestam resistências, novos ritmos, outras subjetividades e imaginações que destoam da impessoalidade e da reserva tão caras ao sujeito metropolitano.

3O vale do Anhangabaú, o qual se localiza ao redor de importantes marcos simbólicos de São Paulo, sofreu uma notável metamorfose no decorrer do tempo. O local, em razão de sua centralidade, historicamente tem sido alvo de estratégias políticas e urbanísticas. Dentre variadas estratégias, destaca-se o concurso público em prol da sua reurbanização. Criado no âmbito da gestão do então prefeito Reinaldo de Barros (1979-1982), o concurso almejava solucionar problemas da circulação viária e de pedestres, aperfeiçoar o uso dos espaços públicos, dispor equipamentos ao nível local e metropolitano, disciplinar e regulamentar o uso do solo e das edificações, etc.

4Os arquitetos Jorge Wilheim, Rosa Grena Kliass e Jamil José Kfouri integravam a equipe vencedora do concurso. Apesar de contratados em 1982, as obras com base no projeto de tais arquitetos somente vieram a terminar em 1991, durante a gestão da prefeita Luiza Erundina (1989-1992). A região central da cidade de São Paulo enfrentava, na época da inauguração do “novo” vale do Anhangabaú, uma série de dilemas decorrentes da perda de sua importância econômica. Outras centralidades consolidavam-se nas regiões das avenidas Paulista, Faria Lima e Berrini, impactando, assim, os investimentos, as condições dos equipamentos e dos espaços, os serviços e a vida pública do centro metropolitano.

5O centro metropolitano sofria as consequências da transferência da sede de empresas para outras regiões de São Paulo, o que resultou em seu esvaziamento econômico. Contudo, do ponto vista social, havia uma evidente efervescência em suas ruas, avenidas e demais espaços públicos. Os skatistas, por exemplo, vêm ocupando regularmente tal centralidade desde meados da década de 1980, momento em que passaram a frequentar locais como estação São Bento do metrô, praça Roosevelt e viaduto Santa Ifigênia. No começo da década seguinte, em seus rolês corriqueiros, avistaram, desde o viaduto do Chá, um local que poderia render boas manobras com o skate. Tratava-se do vale do Anhangabaú que, antes mesmo de sua reinauguração, já começou a ser mirado por eles: sem pensar muito, alguns skatistas pularam os tapumes que cercavam a obra e, após se esquivarem dos trabalhadores e vigilantes, foram ao encontro das muitas pedras de mármore ali contidas.

6Desde então o vale do Anhangabaú adquiriu um sentido inesperado. Surpreendendo até mesmo os seus planejadores, o local tornou-se um dos principais pedaços do skate, isto é, tal como define José Guilherme Magnani, um território onde os frequentadores não necessariamente se conhecem, mas se reconhecem enquanto portadores dos mesmos símbolos que remetem a gostos, práticas e experiências semelhantes. Portanto, configura-se como um espaço público que permite não apenas manobras ousadas, mas também encontros e formas de sociabilidade entre skatistas provenientes de todas as partes da cidade – e, até mesmo, de fora dela.

7O olhar dos skatistas preza pelas condições materiais da paisagem urbana. É por meio de suas características tangíveis, de suas tessituras, de suas asperezas, que eles avaliam a possibilidade de se apropriar corporalmente daquilo que já existe, subvertendo, pois, os seus usos esperados. Seja grande ou pequeno, curto ou extenso, liso ou rugoso, de mármore, granito, cimento, metal, madeira ou plástico, os skatistas fundem a dimensão física da cidade às suas técnicas corporais através da utilização de um skate.

8O vale do Anhangabaú, nesse sentido, concentrava diversas possibilidades. Aquilo que para muitos era imperfeito, árido, um percalço da urbe, sob a ótica skatista era considerado um obstáculo “skatável”. Por conta disso, não poupavam esforços para deixarem registradas as suas manobras em cada canto possível das pedras de mármore. Elas pareciam dotadas de vida própria: tinham características humanas (suaves, agressivas, prazerosas, vertiginosas) e, da mesma forma que lapidavam um tipo peculiar de skatista (ao lhe possibilitar experiências corporais), também ganhavam sentido pelas ações deste. Não era de se estranhar, assim, quando um frequentador, conhecido como Marcelo Formiga, carinhosamente abraçava as pedras do vale do Anhangabaú em seus rolês de skate. Havia um patente afeto criado com a concretude do local, uma sensibilidade que extrapolava percepções instrumentais, políticas e urbanísticas. As pedras suportavam um refúgio citadino. Fomentavam um escape em meio à fragmentação de uma cidade desigual e opressora.

9Quase 25 anos após a sua última reforma, o vale do Anhangabaú novamente se tornou alvo de intensas controvérsias por conta de certas intenções que estavam sendo tramadas para o local. Havia uma proposta em curso que visava reconfigurar todos os seus espaços, o que implicava, afinal, na demolição deste pedaço que era tão importante para os skatistas. A prática do skate estava ameaçada. As pedras lapidadas pelos eixos e tábuas que por elas deslizavam corriam o risco de se tornarem meros escombros.

10Diversas críticas foram propagadas pela mídia, por movimentos sociais, por pesquisadores e demais agentes em relação às obras do “mais novo” vale do Anhangabaú. Muitas delas denunciavam o potencial gentrificador da intervenção, que poderia afastar ou controlar a presença de certas pessoas – como as que se encontram em situação de rua –, a fim de favorecer o consumo nos estabelecimentos e equipamentos que seriam concedidos à iniciativa privada.

11Perante as possíveis restrições, os skatistas, enquanto um dos principais usuários do local, rapidamente começaram a se mobilizar para garantirem a continuidade da prática do skate. Em razão disso organizaram protestos em frente à prefeitura, criaram petições online e produziram vídeos para chamar a atenção dos gestores para as suas demandas. A mobilização, contudo, não foi suficiente para conter a demolição. Trabalhadores e suas máquinas cumpriram a insensível tarefa que lhes fora delegada: a destruição da concretude de um local que resguarda muitas camadas de memórias citadinas.

12Os skatistas ficaram desolados, entretanto, não deixaram de aproveitar cada instante até que tudo virasse destroço. Numa ocasião derradeira, organizaram um evento para marcar a posição de luto. As velas, que antes eram condição para o deslize de suas manobras (ao serem raspadas nas quinas das pedras), agora foram acendidas para representar a tristeza e a comoção do enterro simbólico do pedaço que estava sendo despedaçado. Entre lágrimas e lástimas, muitos dos presentes levaram para casa, como recordação, um pedaço das tantas pedras de mármore que compunham o vale do Anhangabaú. Um resquício de suas citadinidades.

13O inesperado, porém, ocorreu. A batalha perdida desdobrou-se na possibilidade de mediação entre skatistas e poder público municipal. Tudo se deve à continuidade das mobilizações, algo que se mantivera no curso da reforma. Foi criada a ação “Salve o Vale”, que vislumbrava alterar o projeto inicial a fim de reincorporar no novo espaço algumas das mesmas pedras de mármore que antes haviam sido retiradas.

14Os skatistas profissionais Murilo Romão e Marcelo Formiga conseguiram agendar uma conversa com a assessoria do então prefeito Bruno Covas (PSBD, 2017-2020). Na reunião ficou acertado que a prefeitura construiria um memorial do skate no vale do Anhangabaú, e que o planejamento e a execução da obra contariam com o acompanhamento de uma comissão que representasse os anseios dos que foram impactados pela demolição.

15A paisagem do vale do Anhangabaú, o qual fora reinaugurado em 2021, teve notáveis reformulações, todavia, os skatistas conseguiram assegurar os resquícios do seu estágio anterior. As pedras permanecerão vigentes, garantindo, por mais algumas décadas, uma prática citadina que se vale sobremaneira daquilo que poucos têm interesse. A citadinidade, com efeito, se expressa nos detalhes, como nas conexões que emergem em prol da defesa de uma pedra. O skate, por sua vez, embaralha concepções hegemônicas do planejamento urbano, coloca em xeque vieses meramente técnicos, questiona decisões políticas. E traz, a reboque, uma notável contribuição à cidade, ao ampliar e democratizar o acesso aos seus espaços públicos. Eis que o pedaço se reestabelece.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título O skate entre as pedras que resistem. Moisés da Silva
Créditos Fonte: Fotografia de Moisés da Silva
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12684/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 2,3M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Giancarlo Marques Carraro Machado, «O pedaço despedaçado: sobre pedras que resistem»Etnográfica, Número especial | -1, 65-70.

Referência eletrónica

Giancarlo Marques Carraro Machado, «O pedaço despedaçado: sobre pedras que resistem»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 29 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12684; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12684

Topo da página

Autor

Giancarlo Marques Carraro Machado

Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Montes Claros, Brasil

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search