Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosCaixas e caixeiras do Divino Espí...

Artigos

Caixas e caixeiras do Divino Espírito Santo, Maranhão

João Leal
p. 79-84

Texto integral

Caixeiras do Divino Espírito Santo (São Luís, Maranhão, 2012)

Caixeiras do Divino Espírito Santo (São Luís, Maranhão, 2012)

Fonte: Fotografia do autor

1Caixa é a designação dada em São Luís (Maranhão, Brasil) a um instrumento de percussão que pertence à categoria dos membranofones. É um instrumento de altura indefinida, isto é, caracterizado pela ausência de escala, produzindo apenas um único som. Tem duas faces em couro e a sua caixa de ressonância, cilíndrica, é construída em madeira, pintada em várias cores. Tem entre 30-35 cm e 40-45 cm de diâmetro e entre 50 e 70 cm de altura, e é tocado – na sua face superior – com duas baquetas.

2A caixa é, em São Luís – e em outras áreas do Maranhão –, um instrumento usado exclusivamente no âmbito das festas do Divino Espírito Santo (Gustavo Pacheco, Cláudia Gouveia e Maria Clara Abreu, 2005, Caixeiras do Divino Espírito Santo de São Luís do Maranhão; Marise Barbosa, 2006, Umas Mulheres que Dão no Couro; João Leal, 2017, O Culto do Divino: Migrações e Transformações; Lysandra Domingues, 2020, “Eu vou Cumprindo a Minha Sorte”: uma Etnografia das Caixeiras de São Luís do Maranhão). É tocado por mulheres – as caixeiras – que formam grupos que podem englobar até oito executantes. O grupo é dirigido por uma caixeira-régia, que é a detentora de um conhecimento exaustivo do repertório do grupo, integrado por centenas de cânticos. É ela que puxa a maioria dos cânticos e tem dotes reconhecidos de improvisadora. A maioria das caixeiras são negras, de segmentos sociais de baixa renda e são tendencialmente idosas, muitas vezes viúvas. Geralmente começaram a tocar quando jovens, mas depois do casamento – ou por não conseguirem conciliar as atividades domésticas e a criação dos filhos com a atividade de caixeiras, ou por os seus maridos se oporem às suas saídas frequentes – tiveram de interromper a sua atividade musical, à qual voltam quando ultrapassados esses constrangimentos.

3Geralmente, são motivações religiosas – a devoção ao Espírito Santo, uma promessa, o pedido de algum encantado – que fazem com que uma mulher se torne caixeira. Mas a sua consagração à caixa não pode ser compreendida sem a sua paixão pela música.

4A articulação das festas do Espírito Santo a grupos de música tradicional é frequente. Nos Açores existem as folias, com composição e repertórios variáveis de ilha para ilha. Algumas festas realizadas na diáspora açoriana na América do Norte são também dirigidas e acompanhadas por folias. E grupos musicais tradicionais com características e funções similares – também designados folias – encontram-se ainda em vários estados brasileiros. Mas só em São Luís – assim como noutras regiões do Maranhão – esses grupos são compostos por mulheres.

5Em São Luís, as festas do Espírito Santo – também conhecidas como festas do Divino – realizam-se maioritariamente em terreiros de tambor de mina – a religião afro-brasileira predominante na capital do Maranhão. Num total anual de 80 festas, 60 realizam-se em terreiros. Algumas festas convergem para o domingo de Pentecostes – o sétimo domingo após a Páscoa – mas a maioria realiza-se ao longo do ano, em conjunto com a celebração de uma invocação de Nossa Senhora ou de uma santa (ou santo) católica cultuada pelo terreiro.

6As festas resultam tanto da devoção ou de promessa ao Divino Espírito Santo do pai ou da mãe-de-santo do terreiro, como do pedido de um encantado que simpatiza com a festa ou é devoto do Divino. Estão organizadas em redor de um conjunto de símbolos religiosos que incluem a coroa, a bandeira do Divino e o pombo. Durante os festejos, estes símbolos são instalados numa tribuna montada no terreiro que promove a festa. As festas dão também grande protagonismo ao mastro: para além do seu valor religioso, ele assinala o local de realização dos festejos.

7No centro das festas encontram-se os impérios: um conjunto de crianças e pré-adolescentes de ambos os sexos que desempenham os cargos de imperador e imperatriz, mordomo e mordoma-régio(a), e mordomo e mordoma-mor. Geralmente, a criança começa no cargo mais baixo para nos anos seguintes ir ocupando os cargos mais elevados. O desempenho destes cargos resulta de uma promessa feita ao Espírito Santo por um familiar da criança (ou de um pedido feito por um encantado). Durante os festejos, os impérios – além de outros símbolos da realeza – usam roupas “reais” especialmente confecionadas para o efeito, sentam-se na tribuna e são os protagonistas dos vários cortejos e procissões que integram as festas.

8Estas envolvem um conjunto diversificado de rituais, que se podem estender por mais de duas semanas. A abertura da tribuna, a busca e o levantamento do mastro assinalam o início dos festejos. O dia da festa prevê a ida dos impérios à missa, uma refeição cerimonial reservada aos impérios e um almoço em que participam centenas de convidados. O encerramento da festa, por fim, compreende o derrubamento do mastro, o fechamento da tribuna e o repasse das posses dos impérios, quando as crianças e pré-adolescentes dos impérios são investidos nos cargos que desempenharão no próximo ano. Muitos destes segmentos contam com grande participação popular, fazendo com que as festas do Divino se configurem como a mais importante festa católica (ou afro-católica) em São Luís.

9É o conjunto destes festejos que as caixeiras dirigem e acompanham musicalmente. Estão por isso presentes em todos os segmentos rituais em que as festas se desdobram e são ainda responsáveis por sessões especiais de louvor ao Espírito Santo, conhecidas pela designação de alvorada.

10Um dos papéis mais destacados das caixeiras é a entoação de cânticos em louvor do Divino e de outras entidades espirituais católicas: Jesus Cristo, invocações de Nossa Senhora, santas e santos católicos. Para além das alvoradas, esses cânticos são ainda entoados durante os segmentos rituais mais importantes das festas. Alguns deles são mesmo específicos desses segmentos e são exclusivamente cantados no seu âmbito. Por vezes, alguns dos cânticos são acompanhados por movimentos de dança.

11Outro papel importante das caixeiras é a direção musical das festas. São elas que, por intermédio dos seus cânticos, iniciam, conduzem e encerram os segmentos rituais mais significativos das festas: desde a abertura da tribuna até aos vários rituais relacionados com o mastro; da refeição cerimonial que, no dia da festa, junta os impérios, até ao encerramento da tribuna e ao repasse das posses. São as suas caixas e os seus cânticos que não apenas fazem acontecer os diferentes rituais como os dotam de eficácia simbólica. Entre esses rituais avultam a aceitação – durante o encerramento da tribuna – das promessas dos impérios e a investidura das crianças e pré-adolescentes nos cargos que desempenharão no ano seguinte.

12Louvando o Divino e fazendo acontecer as festas, as caixeiras são, por um lado, as especialistas rituais por excelência das festas: são elas que conhecem na íntegra e em todos os detalhes o seu script ritual: como, quando e quem deve fazer o quê. Em caso de dúvidas são elas – sobretudo a caixeira-régia – que são consultadas. São também elas que, em casos de potenciais desvios do script ritual da festa, restauram o que está prescrito. E é com elas que o dono da festa ou os familiares das crianças dos impérios se aconselham e de quem recebem indicações. Por essas razões, as caixeiras são objeto de particulares deferências por parte do dono da festa e dos familiares dos impérios. Recebem do dono da festa um vestido, que geralmente usam no decurso da festa, e, após o encerramento da tribuna, recebem oferendas várias feitas pelos impérios e pelo dono da festa.

13Mas, mais do que especialistas rituais de autoridade indiscutida, as caixeiras são, sobretudo, as oficiantes principais das festas: “sacerdotisas laicas” (Rodrigues Brandão, 1981, Sacerdotes de Viola) sobre as quais repousam as tarefas de intermediação entre os devotos e o Divino. São elas que no início dos festejos trazem o Espírito Santo para a festa e são elas que no seu final – depois de aceitarem as promessas dos impérios – agradecem e dão por finda a sua presença entre os “pecadores”. É sobre elas que repousa a tarefa de louvar o Espírito Santo, contrapartida central dos mecanismos de troca que subjazem às promessas da festa: a graça concedida pelo Espírito Santo deve ser retribuída pelo louvor público à divindade. O seu papel nos vários segmentos das festas é performativo: a sua música e as suas palavras – nos termos de John Austin (1962, How to Do Things with Words) – são frases musicais performativas em que “dizer algo é fazer algo”.

14Por todas estas razões é corrente ouvir-se que são “as caixeiras que fazem a festa”, ou que “sem caixeiras não tem festa”. Com as suas caixas e com os seus cânticos, são de facto elas que têm o poder de fazer a festa. O facto de esse poder ser no feminino deve ser enfatizado. Ele corresponde por um lado a uma característica mais geral das religiosidades de matriz africana em São Luís: são muitos os terreiros de tambor de mina dirigidos por mulheres e a esmagadora maioria das suas dançantes são mulheres. Em muitas formas populares de religiosidade católica é a mesma tendência que é possível encontrar. Mas, pelo menos no caso das caixeiras, trata-se de mais do que isso. A caixa é não apenas um instrumento musical, mas, mais radicalmente, um instrumento de empoderamento de mulheres que, na sua vida quotidiana, são frequentemente submetidas a mecanismos de exclusão e secundarização ligados ao género.

15Não é que a participação das mulheres em muitas festas do Divino não seja importante. Mas obedece a princípios de divisão do trabalho na esfera familiar e pública que dão visibilidade pública aos homens e remetem as mulheres para a esfera da domesticidade. Assim, são as mulheres que fazem a cozinha e as decorações, e são os homens que procedem à distribuição pública dos alimentos e ocupam as posições de maior destaque ritual. Há evidentemente exceções. Mas em nenhum outro contexto, a não ser no Maranhão, elas ocupam uma posição ritual tão central.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Caixeiras do Divino Espírito Santo (São Luís, Maranhão, 2012)
Créditos Fonte: Fotografia do autor
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12698/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 322k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

João Leal, «Caixas e caixeiras do Divino Espírito Santo, Maranhão»Etnográfica, Número especial | -1, 79-84.

Referência eletrónica

João Leal, «Caixas e caixeiras do Divino Espírito Santo, Maranhão»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 28 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12698; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12698

Topo da página

Autor

João Leal

CRIA/NOVA FCSH, Portugal

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search