Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosSulada

Texto integral

A minha sulada de pano da Guiné

A minha sulada de pano da Guiné

Fonte: Fotografia da autora

1Este objeto simples, com múltiplos usos, foi o primeiro a ocorrer-me ao pensar num objeto relacionado com o meu trabalho de campo com mulheres cabo-verdianas. Foi na Galiza, por força da experiência migratória de cabo-verdianas, e não em Cabo Verde, que conheci a sulada, embora não tivesse consciência da sua importância até à minha primeira viagem à ilha de Santiago, onde pude comprovar a sua omnipresença.

2Trata-se de um pano retangular que as mulheres da ilha de Santiago costumam levar amarrado às coxas, como tantas outras mulheres no continente africano. Estas mulheres identificam-se e são conhecidas como badias, um belo nome proveniente da subversão e apropriação do nome pejorativo dado pelos poderosos aos escravos e escravas fugidos ou desafiantes do poder colonial (vadio/a), convertido em marca de identidade da população da Ilha que é suposto mostrar de forma mais nítida a herança das culturas africanas que estão na base da população do arquipélago.

3Para compreender a profundidade e importância deste objeto na vida das mulheres cabo-verdianas devemos ir aos primórdios e termos em conta que a sociedade do arquipélago foi criada a partir da chegada dos navegantes portugueses, que a acharam desabitada e decidiram aí criar um entreposto de provisionamento dos barcos, no século XV. Surgiu assim uma nova sociedade, maioritariamente formada por escravas e escravos trazidos à força desde a costa próxima, pertencentes a diferentes grupos étnicos com costumes e formas de vida diversos, dominados por uma minoria de gentes brancas, entre as que eram escassas as mulheres. Com o passar do tempo, Cabo Verde deixou de ser um centro comercial escravocrata, para se converter numa sociedade mestiça na qual a escravatura foi-se diluindo por vários motivos, entre eles as malditas secas, constantes na breve história do país e que causaram muita dor e inúmeras mortes até meados do século XX, ante a indolência do poder colonial.

4Tradicionalmente, a sulada era feita de tiras de panu terra, um tipo de tecido elaborado pelos escravos e escravas, que trouxeram o seu saber-fazer no trânsito forçado desde o continente. Confecionado com algodão, a sua elaboração acabou por constituir uma importante indústria artesanal, que começou a esmorecer no século XIX, com o fim formal da escravatura e a chegada de tecidos produzidos na revolução industrial na Europa. Mas anteriormente, desde o século XVI, constituiu moeda de troca neste espaço atlântico, que inaugurou o tráfico negreiro. Um pano é formado por seis tiras de tecido, com motivos geométricos, de cores branca, preta e/ou azulada, que se conseguiam tingindo com urzela, um líquen muito apreciado, presente nalgumas ilhas do arquipélago.

5As suladas de pano-terra ainda hoje são guardadas em muitas casas, onde chegaram em forma de presente de casamento ou em alguma outra ocasião especial, muitas vezes transmitidas de mães para filhas ou noras. Não se costumam utilizar diariamente dado que foram substituídas por peças de pano chegadas de lugares como a Indonésia (que começaram a inundar o mercado no início do século XXI), Brasil ou China (estas decoradas com mapas do arquipélago e cores da sua bandeira). Também são elaboradas pelas próprias mulheres com tecidos wax vindos do continente ou com quaisquer outros do seu gosto.

6A sulada, simples enquanto objeto, tem múltiplos usos na vida quotidiana, muitos deles ligados aos cuidados. Cuidados estes que são atribuídos em exclusivo às mulheres, num mandato de género que as converte em sustento da sociedade e das pessoas que a formam.

7Na sociedade badia, onde mulher é sinónimo de mãe, com independência da biologia, um dos mais importantes usos da sulada é servir de suporte às crianças, quando levadas às costas das mães, irmãs ou outras mulheres que se ocupam do seu cuidado. Para colocar um/a bebé nas costas (bumbu mininu), a mulher tem de curvar seu corpo para a frente, colocando o corpinho miúdo colado às suas costas num difícil equilíbrio; a seguir, uma vez coberta a parte traseira do corpo da criança com a sulada, deixando a cabecinha de fora, amarram-se primeiro as duas pontas da parte superior desta, por cima dos peitos da mulher; depois, uma vez assente o corpo da criança, dobra-se a sulada por baixo da ancas desta, puxando até ficar firme, e só depois se amarram as duas pontas de baixo. Esta forma de transporte permite às mulheres uma liberdade de movimentos considerável, ao mesmo tempo que as crianças ficam seguras e aconchegadas num contacto corporal insubstituível, acompanhando as tarefas adultas.

8Também pode servir para resguardar-se do sol, abrigar-se do frio ou vento ou para cobrir alguém das inclemências, proporcionando até uma sombra para descansar. Esticada ao longo da parte inferior do corpo, serve como saia ou como mandil; enrolada no corpo desde o peito, transforma-se num vestido.

9A sulada tem ainda usos relacionados com os trabalhos que as badias realizam em muitos espaços, numa atividade sem fim. Neste contexto, bem pregada e enrolada sobre si mesma, pode constituir-se em ordidja, essa peça de pano que as mulheres colocam sobre a cabeça, para amortecer a dureza da carga que levarão sobre ela; carga que poderá corresponder a um balde com muitos e pesados litros de água, areia, pedras e outros materiais para a construção, lenha para cozinhar… neste particular, até enxadas tenho visto sobre as cabeças destas mulheres, revelando um complicado equilíbrio. Sobre as cabeças das badias é muito habitual vermos banheiras coloridas de plástico cheias dos mais diversos produtos, desde roupa recém-lavada ou produtos agrícolas, a géneros destinados à venda; venda que se realiza a pé (pe na txon), com grupos muito importantes na economia das ilhas, como o das peixeiras e o das rabidantes (mulheres que negociam com produtos manufaturados, habitualmente adquiridos em grosso nas lojas chinesas), que percorrem sinuosos caminhos na procura da sobrevivência.

10A sulada tem também um uso ritual, sendo elemento essencial do batuku ou batuque, um género musical atualmente interpretado quase exclusivamente por mulheres, e que é considerado uma das expressões culturais cabo-verdianas que manifesta de forma mais evidente as suas raízes africanas. O batuku, próprio da ilha de Santiago, tem três componentes: percussão, canto e dança. Ou seja, ritmo, palavra e corporeidade.

11Geralmente é interpretado por um grupo de mulheres disposto em círculo ou semicírculo, que batem um pano enrolado bem apertado entre as coxas, a txabeta. A percussão é composta por dois tipos de toque (rapikadu e ban-ban), que quando se alinham produzem um ritmo característico, que se repete ao longo de uma peça, aumentando progressivamente até atingir o clímax de som e ritmo na parte final. Sobre esta percussão, uma vocalista canta versos que são repetidos em coro pelas companheiras, sendo encurtados após várias repetições até atingir o clímax na forma de um verso curto e rápido, em conjunto com a percussão. Momentos antes desse clímax, surge o terceiro elemento, a dança associada ao batuku (da ku torno), que consiste em movimentar os quadris, mantendo o resto do corpo, principalmente a cabeça, mais ou menos estático. A dançarina fica no centro e começa enrolando uma sulada em volta dos quadris, enquanto mexe o corpo lentamente com movimentos suaves e aparentemente indolentes. Ao som de vozes e txabetas, o ritmo aumentará ao máximo, paralelamente à sua intensificação. Esta forma de dançar é um dos aspetos historicamente reprimidos pela moral católica, por considerá-la uma ação altamente sexualizada, e que vinda de uma mulher constituía, no mínimo, um pecado e um atentado ao decoro. A partir da independência, o batuku subiu ao palco, experimentando um processo de reconhecimento e dignificação que levou à multiplicação dos grupos de batukadeiras, presentes em todos os locais da ilha. Mas também chegou a essas outras ilhas exteriores da diáspora, existindo grupos nos locais da migração badia, de Lisboa a Paris, passando por Burela (Galiza), onde representam um elemento fundamental na sociabilidade e como suporte de identidade no contexto das sociedades envolventes. E onde a sulada sempre está presente.

12A minha sulada preferida chegou numa mala em forma de encomenda, enviada por uma amiga desde as ilhas, como uma forma de abraço à distância. As encomendas são objetos e matérias de variada natureza que as pessoas cabo-verdianas enviam desde as ilhas a quem está fora (e vice-versa), através de terceiras pessoas que viajam, servindo como lembrança dos vínculos entre as que migraram e as que ficaram. Pela sua leveza e tamanho, a sulada costuma estar presente na mala de toda a badia migrante, que não pode negar o seu encargo em comparação com outras matérias.

13Sulada traz-me à mente, finalmente, o nome de uma cooperativa de mulheres artesãs da Ribeira Grande de Santiago, criada em 2009. Anteriormente dedicavam-se à apanha de inertes para a construção, uma atividade extrativa muito dura e incerta, em conflito direto com o meio ambiente, que até tempos muito recentes ocupava muitas mulheres nas aldeias costeiras, a maioria delas chefes de família em situação de vulnerabilidade. Por detrás desta sulada, em particular a que mostro aqui, está um trabalho de intervenção no qual participei, idealizado e materializado desde a antropologia, que privilegiou o trabalho etnográfico enquanto ferramenta de conhecimento e intervenção social com vários grupos de mulheres de Cidade Velha, Gouveia e Porto Mosquito, que ao longo de dois anos participaram num processo de transformação das suas vidas e da sua comunidade. Apesar dos obstáculos, ainda hoje continuam a produzir pano-terra e outras peças têxteis para ganhar o seu pão e o das suas crianças.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título A minha sulada de pano da Guiné
Créditos Fonte: Fotografia da autora
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12704/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 337k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Luzia Oca, «Sulada»Etnográfica, Número especial | -1, 91-96.

Referência eletrónica

Luzia Oca, «Sulada»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 29 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12704; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12704

Topo da página

Autor

Luzia Oca

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – CRIA, Portugal

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search