Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosNúmero especialArtigosO marujo

Artigos

O marujo

Miguel Vale de Almeida
p. 103-106

Texto integral

“O Marinheiro”, figura em cerâmica, produção industrial

“O Marinheiro”, figura em cerâmica, produção industrial

Fonte: Fotografia do autor

1O marujo – ou o marinheiro – é uma figura, personagem, espírito, pessoa, como queiramos – que surge quer na Umbanda brasileira, quer na tradição do candomblé designada como candomblé Angola (por oposição à mais purista, e de origem na África Ocidental, tradição nagô).

2Pertence à categoria das entidades que não são exatamente os orixás, mas antes à dos comumente designados “caboclos”, expressão que remete para uma ideia de entidades produzidas no Brasil e a partir das experiências históricas e culturais significativas para os crentes e a população locais.

3O marinheiro foi a primeira entidade que vi “descer” numa pessoa numa festa de candomblé em Ilhéus (estado da Bahia) durante trabalho de campo em 1997-98 (trabalho que daria origem a parte do meu livro Um Mar da Cor da Terra: Raça, Cultura e Política da Identidade (2000, Oeiras, Celta). Desceu sobre uma mulher, que se equipou de chapéu da marinha, charuto e garrafa com bebida alcoólica e que, numa linguagem entremeada de calhandrices próprias de marujo de folga em terra, foi diagnosticando os males dos crentes e receitando soluções.

Figuras 2 e 3 – Dois desenhos feitos no diário de campo

Figuras 2 e 3 – Dois desenhos feitos no diário de campo

Fonte: Miguel Vale de Almeida

4Investigando posteriormente a entidade, tornou-se claro que ela evoca a dupla ligação que a História e a sociedade brasileiras têm com as viagens marítimas. Desde logo, obviamente, a mitologia do “descobrimento” e das viagens oceânicas da expansão do Estado português. Mas também a experiência oceânica, de trânsitos e tráficos, do que Paul Gilroy denominou o black Atlantic, iniciado pelo tráfico de pessoas escravizadas e criador involuntário de múltiplas invenções e cruzamentos culturais.

5Todavia, o marinheiro é representado como fenotipicamente “branco”, quiçá por causa do desenvolvimento da umbanda (permeável com o candomblé Angola em muitos aspetos) como síncrese urbana potenciada e potenciadora da narrativa brasileira sobre a miscigenação (incentivada, aliás, durante o período do Estado Novo local).

6Como português, não pude deixar de ficar sensível a esta entidade, com curiosidade crítica face à sua aparente “portugalidade” – um dos seus avatares é o Martim marinheiro, recorrendo a um nome eminentemente português. Assim como não pude deixar de ficar sensível ao lugar da figura do marinheiro no imaginário e iconografia das masculinidades subalternas e gay, bastando para tal pensar em textos de Mário Cesariny em Portugal, ou de Jean Genet em França, com o seu Querelle de Brest, magnificamente passado ao cinema por Fassbinder.

7Um dia, creio que no mercado modelo de Salvador, comprei dois objetos. Um Exu em ferro, de estética marcadamente africana, e que hoje, enferrujado, protege a entrada do meu apartamento. Outro, esta figura naïf, de produção industrial, toscamente desenhada, quase como figura de banda desenhada (o que me encantou mais ainda). Já passou por várias casas e viagens. Já quebrou uma perna, devidamente colada, mas com a marca felizmente visível, à maneira da filosofia japonesa do kintsugi. Perdeu também, nesses trânsitos, o nariz, facto a que a minha imaginação antropológica não consegue atribuir simbolismo…

8Tem-me acompanhado sempre, mesmo depois de outros terrenos – Catalunha, Israel/Palestina… – terem mobilizado a minha atenção depois do Brasil. Brasil onde descobri a necessidade de enveredar pela abordagem das questões pós-coloniais portuguesas, tendo deixado para trás a abordagem do movimento negro brasileiro. Mas sem o contacto com o movimento negro brasileiro, e as conexões entre os seus ativistas e o universo do Candomblé em Ilhéus, nunca teria feito essa passagem. E foi o marinheiro que me conduziu por essas águas.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título “O Marinheiro”, figura em cerâmica, produção industrial
Créditos Fonte: Fotografia do autor
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12717/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 193k
Título Figuras 2 e 3 – Dois desenhos feitos no diário de campo
Créditos Fonte: Miguel Vale de Almeida
URL http://journals.openedition.org/etnografica/docannexe/image/12717/img-2.png
Ficheiro image/png, 297k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Miguel Vale de Almeida, «O marujo»Etnográfica, Número especial | -1, 103-106.

Referência eletrónica

Miguel Vale de Almeida, «O marujo»Etnográfica [Online], Número especial | 2022, posto online no dia 22 dezembro 2022, consultado o 28 janeiro 2023. URL: http://journals.openedition.org/etnografica/12717; DOI: https://doi.org/10.4000/etnografica.12717

Topo da página

Autor

Miguel Vale de Almeida

CRIA/ISCTE – IUL, Portugal

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search