Navigation – Plan du site

AccueilNuméros57-58EntretiensConversas com Víctor Dreke

Entretiens

Conversas com Víctor Dreke

“Para nós, cubanos, a África é nosso coração, nosso sangue”
Salim Lamrani
Cet article est une traduction de :
Conversations avec Víctor Dreke [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Conversations with Víctor Dreke [en]
Conversaciones con Víctor Dreke [es]

Notes de la rédaction

Salim Lamrani tem doutorado em Estudos Ibéricos e Latino-Americanos pela Universidade de Sorbonne e é professor de História da América Latina na Universidade de La Réunion, especializando-se nas relações entre Cuba e os Estados Unidos.

Seu último livro é Au nom de Cuba: https://www.editions-harmattan.fr/livre-au_nom_de_cuba_regard_sur_carlos_manuel_de_cespedes_jose_marti_salim_lamrani-9782140294099-77782.html

Texte intégral

1Nascido em 1937 em Sagua la Grande em uma família modesta, Víctor Dreke vivenciou em primeira mão a realidade da Cuba pré-revolucionária, marcada pela pobreza, racismo e discriminação de todos os tipos. Ele frequentava os círculos da classe trabalhadora, principalmente no setor açucareiro, muito presente em sua região natal, e se identificava com suas demandas por justiça social. Ao mesmo tempo, tornou-se representante estudantil em sua escola e expressou as preocupações de sua geração.

2Em 10 de março de 1952, ele tinha acabado de completar 15 anos quando o general Fulgencio Batista orquestrou um golpe de Estado que destruiu a ordem constitucional e instalou uma ditadura militar que duraria seis longos anos. Ele descobriu a figura de Fidel Castro após o ataque ao quartel Moncada, em Santiago de Cuba, em 26 de julho de 1953, e imediatamente se identificou com sua causa, defendida em seu apelo e acusação conhecidos como “A história me absolverá”.

3Com o início da luta armada, em 2 de dezembro de 1956, na Sierra Maestra, após o desembarque dos revolucionários na ilha, Víctor Dreke também passou à clandestinidade na região central do país. Lá, ele conheceu Che Guevara e participou da batalha final em Santa Clara, em dezembro de 1958.

4Com o advento da Revolução Cubana em 1º de janeiro de 1959, Víctor Dreke foi nomeado promotor dos Tribunais Revolucionários responsáveis por julgar os crimes de sangue cometidos pelo antigo regime. Ele também participou da luta contra grupos contrarrevolucionários armados na Sierra del Escambray e enfrentou a invasão da Baía dos Porcos organizada pelos Estados Unidos.

5Em 1965, foi convidado por altos funcionários do governo a organizar um grupo de combatentes voluntários para ajudar os guerrilheiros no Congo, juntamente com Che Guevara. Ele também liderou várias missões internacionalistas na Guiné Bissau e em Cabo Verde a pedido de Amílcar Cabral, que estava travando uma guerra de libertação nacional contra o colonialismo português. Agora presidente da Associação de Amizade Cuba-África, Víctor Dreke faz uma retrospectiva de sua história e discute os vínculos entre a ilha caribenha e o berço da humanidade.

6Salim Lamrani: Que lembranças você tem de sua infância e juventude?

Víctor Dreke: Nasci em 10 de março de 1937 em uma cidade chamada Sagua la Grande, na antiga província de Las Villas, hoje chamada Villa Clara. Na época, era uma área próspera. Sou o caçula de uma família mista.

Minha família se chamava Castillo Dreke, que era o nome do meu pai. Minha mãe, Catalina Mora, veio de um vilarejo chamado Sierra Morena, perto de Sagua la Grande. Eu poderia ter sido chamado de Castillo, como um de meus irmãos, mas meu pai preferiu me chamar de Dreke.

Devo dizer que fui uma criança de sorte em meio à miséria que afligia o país naquela época. Minha mãe Catalina, que me deu à luz, e minha mãe adotiva Felicia, que me criou, cuidaram muito bem de mim. Minha família era pobre e morávamos em uma pequena casa com telhado de guano na Calle Agramonte 30, em Sagua la Grande. Eu não era um menino mau e devo dizer que fui bem educado. Também me lembro que, quando visitava meus amigos na hora do almoço e eles me perguntavam se eu tinha comido, eu era ensinado a dizer sempre a mesma coisa, que já tinha comido e não estava com fome, mesmo que isso não fosse verdade. Essa foi a maneira como fomos educados.

Como todas as crianças da minha idade, eu fazia algumas travessuras, mas não era malandro. Meu nome completo é Victor Emilio e meus amigos de infância me chamavam de “Emilito”. Se eu me comparar com as crianças de hoje, fui uma criança sem muita educação. Estudei em uma escola privada paga, dirigida por freiras, e lembro que tínhamos de rezar às sextas-feiras. No entanto, não fui batizado até a idade adulta por motivos familiares. Eu não era um aluno ruim, embora não fosse brilhante.

7SL: Você tem alguma lembrança do golpe de Estado de Fulgencio Batista em 10 de março de 1952?

VD: Lembro-me perfeitamente porque era meu aniversário, meu aniversário de 15 anos. Um grupo de jovens saiu às ruas para se manifestar contra o golpe. Fomos presos pela polícia, que nos levou à delegacia antes de nos liberar. Posso dizer que meu compromisso como aspirante a revolucionário começou exatamente nessa data.

Meu pai se esforçava muito para me explicar a situação em que o país se encontrava. Ele simpatizava com o Partido Autêntico de Ramón Grau San Martín e Carlos Prío Socarrás, sem ser muito político. Anteriormente, ele havia sido ligado ao Partido Liberal. Ele era um vendedor de peixes e achava que todos os políticos eram iguais, que eram prolixos quando se tratava de fazer promessas eleitorais, mas muito menos inspirados quando se tratava de adotar medidas para o bem comum. Meu irmão mais velho, Mario, era um ativista do Partido Ortodoxo de Eduardo Chibás.

Quanto a mim, eu não pertencia a nenhum partido. Não era marxista. Na verdade, naquela época, eu só tinha ouvido coisas negativas sobre o comunismo. Participei de greves de trabalhadores no setor açucareiro. Havia muitas usinas de açúcar na província. Também fui representante estudantil na Escola José Martí para Meninos., em Sagua la Grande. Foi assim que me envolvi na política, militando com os trabalhadores e estudantes. Eu me opunha firmemente à ditadura, que assassinou opositores e mergulhou o povo em uma miséria indescritível. Lembro-me da polícia nos dizendo que os negros não podiam ser revolucionários. Eu tremia de indignação.

8SL: Como o racismo se manifestou em Cuba durante o regime militar de Batista?

VR: Éramos discriminados por causa da cor de nossa pele. Tínhamos menos direitos. O mesmo acontecia com as mulheres em relação aos homens: elas sofriam a opressão de uma sociedade patriarcal.

Eu me tornei um revolucionário por três motivos fundamentais. Em primeiro lugar, porque eu era pobre e tinha de lutar para atender às minhas necessidades básicas. Em segundo lugar, porque eu era jovem, pois a juventude é sempre rebelde. Finalmente, porque eu era negro e sofria com o racismo.

9SL: O que você lembra do ataque ao quartel de Moncada por Fidel Castro e seus companheiros em 26 de julho de 1953?

VD: Meu compromisso revolucionário é anterior ao surgimento do Movimento 26 de Julho de Fidel Castro. Éramos muito ligados à figura e aos ideais de Antonio Guiteras, que havia sido a alma da Revolução de 1933 e que foi assassinado por Batista. Tínhamos um movimento chamado Acción Guiteras e organizávamos uma cerimônia em sua homenagem todo dia 8 de maio, o dia de sua morte. Toda vez que fazíamos isso, éramos reprimidos pela polícia e apedrejados. Naquela época, meu fervor era chamado de Guiteras. Também éramos seguidores de Rafael García Bárcena, um professor de filosofia contrário a Batista que havia fundado o Movimiento Nacional Revolucionario.

Eu não conhecia Fidel. Fiquei sabendo sobre ele durante o ataque ao quartel de Moncada. A ação revolucionária de Fidel ocorreu no ano do centenário do nascimento de José Martí, nosso herói nacional. Lembro-me de seu apelo “A história me absolverá”, no qual ele denunciou a situação do país, a discriminação racial, o analfabetismo, a pobreza e as injustiças de todos os tipos. Fiquei profundamente comovido com seu empreendimento, no qual ele arriscou a própria vida, e com seu discurso, que foi tanto um apelo por sua ação revolucionária quanto uma acusação à ditadura de Batista. Ele se comprometeu a corrigir todas as injustiças quando a revolução fosse vitoriosa. Eu me identifiquei imediatamente com sua fala. Nossa geração finalmente havia encontrado seu líder.

10SL: Quando você decidiu participar da luta armada depois que Fidel Castro desembarcou na ilha em dezembro de 1956?

VD: No movimento operário, havia uma tendência a favor da luta armada liderada por Victor Bordón Machado, que mais tarde se tornaria Comandante. Eu me juntei a esse grupo, que era mais do meu agrado, e fui inicialmente nomeado chefe de “Ação e Sabotagem” do Movimento 26 de Julho em 1957, na área de Santa Clara, em Escambray. Não tínhamos muitas armas e precisávamos obtê-las do inimigo.

Mais tarde, como estudante, entrei para o Diretório Revolucionário e atuei na capital. Havia dois aspectos no envolvimento do Diretório: a luta clandestina nas cidades e a luta armada nos maquis.

Deve-se lembrar que a maioria dos revolucionários, começando por Fidel Castro, veio da universidade, que era o epicentro do processo emancipatório. Posteriormente, houve uma aproximação entre o Movimento 26 de Julho e o Diretório. No final da guerra, eu não era mais um membro do Diretório, mas um membro da Revolução.

11SL: Quando você conheceu Che Guevara?

VD: Conheci o Che em outubro de 1958, quando ele chegou a Escambray. Ele veio nos visitar na sede do Diretório para falar com Faure Chomón, nosso comandante. Ele chegou com sua lendária coluna de guerrilheiros, que era respeitada por todos porque havia atravessado toda a ilha a pé, à custa de um esforço titânico, seguindo as diretrizes de Fidel.

Lembro-me de que, em antecipação à chegada do Che, atacamos dois lugares: Fomento e Placeta. Era um domingo, sob chuva torrencial. Nosso objetivo era chamar a atenção do exército para que a coluna pudesse chegar a Escambray em segurança. Fui ferido em Placetas. Nossa contribuição foi modesta, simbólica, mas foi suficiente para permitir que o Che cumprisse sua missão.

Che causou uma grande impressão em mim. Ele chegou ao campo onde eu estava, ferido, e lembro que me perguntou se podia usar a máquina de escrever. Isso nos impressionou muito porque nossas ordens eram para estar a serviço do Che. Ele era muito cortês. Em Santa Clara, as pessoas realmente não sabiam quem era esse argentino que tinha vindo lutar por nossa causa. Estávamos revivendo a história de Máximo Gomez, o dominicano que lutou ao nosso lado na Segunda Guerra da Independência. Era um verdadeiro símbolo.

12SL: Quando a Revolução triunfou em 1959, você foi nomeado promotor dos Tribunais Revolucionários. Qual era o objetivo dessas instituições, que aplicavam uma justiça rápida?

VD: O objetivo era julgar as pessoas que haviam cometido crimes. Durante a ditadura de Batista, 20.000 cubanos foram assassinados, muitas vezes em condições atrozes, pelos capangas da tirania. Nossa grande preocupação era que as famílias e os amigos dessas pessoas que foram assassinadas de forma tão covarde e os parentes das mulheres que foram estupradas fizessem justiça com as próprias mãos. Não queríamos que as pessoas linchassem esses indivíduos nas ruas. Havia apenas duas opções: criar os tribunais revolucionários e aplicar a lei ou deixar que o povo cuidasse dos criminosos. Tínhamos experiência com o que havia acontecido em outros lugares, principalmente na Europa, no final da Segunda Guerra Mundial, e não queríamos execuções extrajudiciais.

Uma das características de nossa Revolução é que não houve massacres quando o regime militar caiu. Não houve vingança. Fidel foi muito claro nesse ponto e pediu ao povo que confiasse nos tribunais para fazer justiça.

No que me diz respeito, depois de participar dos combates que levaram à captura de Santa Clara, como líder do Esquadrão 31, fui a Havana para ver minha família. A Revolução então pediu minha ajuda como promotor dos tribunais revolucionários que acabavam de ser criados. Retornei a Santa Clara onde, além da função de promotor, fui membro do Conselho Superior responsável pela análise de todas as decisões tomadas pelos Tribunais Revolucionários, a fim de evitar erros ou sentenças desnecessárias. Demos atenção especial ao respeito à dignidade dos acusados. Eles tinham o direito a um advogado. Eles nunca foram maltratados e permitimos visitas de familiares. Não era fácil ver uma garotinha visitando seu pai que havia sido condenado à morte. Mas a lei tinha de ser aplicada. Nós nos lembrávamos dos crimes cometidos por essas mesmas pessoas.

13SL: Você participou da luta contra os grupos contrarrevolucionários que se formaram, principalmente nas montanhas de Escambray, após o advento da Revolução. Como foi a luta contra esses indivíduos?

VD: Já em 1959, havia grupos armados apoiados pelos Estados Unidos que estavam conspirando contra a Revolução. É preciso lembrar que o governo Eisenhower apoiou Batista até o último momento, enviando-lhe armas. Em Escambray, havia grupos armados que atacaram os camponeses, a maioria dos quais era a favor da Revolução, e os professores que estavam participando da campanha de alfabetização. Esses homens estavam preparando o terreno para a futura invasão. Seu objetivo era criar uma cabeça de ponte. O plano estratégico era organizar uma revolta interna durante um futuro desembarque para apoiar os invasores. Não se pode separar Playa Girón, ou a Baía dos Porcos, da luta contrarrevolucionária em Escambray.

Portanto, Fidel Castro, nosso comandante-chefe, tomou a decisão de contra-atacar e liquidar esses grupos apoiados pelos ianques, que estavam principalmente em Escambray, mas também na província oriental e em Pinar del Río. Realizamos uma grande incursão e neutralizamos a maioria desses grupos antes da invasão de abril de 1961. Nosso aparato de Segurança do Estado havia se infiltrado nesses grupos de bandidos. A luta durou até 1965.

14SL: Em abril de 1961, ocorreu a invasão da Baía dos Porcos, orquestrada pelos Estados Unidos e pela CIA. Você participou pessoalmente dos combates. Pode nos contar sobre esses eventos?

VD: Antes da invasão de abril de 1961, houve sabotagem, atos de terrorismo, como a explosão do barco La Coubre em março de 1960, que custou a vida de quase cem pessoas, bombardeios aéreos da Flórida e assim por diante.

No dia da invasão, eu estava dirigindo em direção a Santiago de Cuba. Quando cheguei a Santa Clara, no quartel-general das Forças Armadas Revolucionárias, todos estavam em pé de guerra e fui informado de que havia ocorrido uma invasão: “Os americanos desembarcaram!” Esse era o boato que circulava pela ilha na época. Mais tarde, ficamos sabendo que eram renegados cubanos a soldo dos Estados Unidos e não tropas convencionais. Perguntei onde o desembarque havia ocorrido e me disseram “Playa Girón”. Eu não tinha a menor ideia do lugar. Nunca tinha estado lá.

Juntei-me ao pelotão e fomos para Girón. Entramos por Yaguaramas. Desde os primeiros momentos da invasão, Fidel estava na linha de frente dos combates. Isso nos deu força moral. Ele apareceu com seu fuzil no ombro, como todos os combatentes, e não fez apenas um discurso na Praça da Revolução, em Havana. Ele estava acompanhado de outros comandantes. Todos os habitantes da região se levantaram contra os invasores, enquanto os Estados Unidos pensavam que o povo se voltaria contra o governo revolucionário. Vários batalhões que estavam combatendo os bandidos em Escambray se juntaram à luta. Em menos de 72 horas, os mercenários foram esmagados pelo povo em armas.

15SL: Você participou da guerra de guerrilha de Che Guevara no Congo. Como surgiu esse projeto?

VD: Tive a oportunidade histórica de participar da guerra de guerrilha ao lado de Che na África, no Congo Kinshasa. O Movimento de Libertação de Joseph Désiré Kabila havia solicitado nossa ajuda após o assassinato de Patrice Lumumba pelos Estados Unidos e pela Bélgica. Ele precisava treinar sua equipe e nos enviar cerca de trinta oficiais para treinamento militar. Fidel concordou, mas sugeriu que os cubanos fossem diretamente ao país para treinar os militantes em condições reais, enquanto participavam da luta contra o regime de Mobutu. Era a melhor coisa a fazer para nós e para eles.

Quando chegamos ao Congo, percebemos que Fidel estava certo. As características geográficas do país eram diferentes das de Cuba. Percebemos isso durante a fase de preparação. Em Cuba, por exemplo, era possível subir em uma árvore para olhar ao longe e observar qualquer movimento de tropas inimigas. No Congo, isso era impossível por causa da vegetação densa. Era impossível enxergar à distância. Descobrimos essas especificidades no local.

16SL: Como foi o processo de seleção?

VD: Éramos 130 pessoas no total. Todos eram voluntários. Fidel, Raúl, o comandante Piñeros e Osmany Cienfuegos me pediram para preparar o grupo antes de partirmos. Meu nome de guerra era Roberto para os cubanos. Ninguém sabia que o Che iria se juntar ao grupo, nem mesmo eu. Lembro-me de que Osmany Cienfuegos veio me procurar com várias fotos do Che barbeado e maquiado por nossos especialistas. Ele não se parecia em nada com o Che que eu conhecia. Osmany me disse: “Este é o Comandante Ramón que você conhece”. Eu lhe disse que nunca o tinha visto em minha vida. Todos os comandantes se conheciam. Eu mesmo era um comandante. Nós nos reuníamos regularmente para várias tarefas.

Um dia, quando eu estava no acampamento, me pegaram e fomos para uma casa onde havia vários companheiros de armas. Eu estava sentado à mesa quando vi Osmany se aproximando com o homem da foto. Levantei-me, como meu pai havia me ensinado. Ele sempre me dizia: “Você deve sempre se levantar para cumprimentar as pessoas se elas tiverem boas intenções, e para poder se defender se elas se aproximarem de você com intenções hostis”. Então, cumprimentei o Major Ramon, que estava com um charuto na boca. Osmany insistiu: “Estou lhe dizendo, você o conhece”. Eu me esforcei para tentar lembrar quem era esse indivíduo, sem sucesso. Então “Ramon” falou e disse: “Osmany, pare de incomodar o Dreke”. Foi só então que reconheci o Che.

17SL: Como foram as operações no Congo? Che falou sobre o fracasso.

VD: A grande dificuldade que enfrentamos foi a falta de unidade entre as forças revolucionárias do país. Havia muitas divisões entre as diferentes facções. Decidimos formar uma primeira companhia sob a liderança de Tamayo, que partiu por várias semanas para realizar ações de combate. Em seguida, formamos uma segunda coluna sob meu comando. Mas havia muitas dificuldades. Quando chegamos, o inimigo já havia se infiltrado nas tropas e já estava se espalhando a ideia de buscar um acordo pacífico e abandonar o caminho das armas.

Não compartilho da opinião de Che. Para mim, a operação no Congo não foi um fracasso. Tivemos que nos adaptar às realidades do país e seguir as ordens dos chefes congoleses. Che não era o líder dos guerrilheiros. Ele teve de seguir as diretrizes dos líderes locais. Che era o líder do grupo de internacionalistas cubanos. Nós não tínhamos poder de decisão. Achávamos que os líderes congoleses deveriam agir como Fidel e Raul haviam agido, ou seja, com fuzis nos ombros, em combate com as tropas. Em nossa doutrina militar, em nossa filosofia de combate, o líder está sempre com suas tropas, na linha de frente, enfrentando o perigo e dando o exemplo. Mas esse não era o caso no Congo. Kabila tinha uma visão diferente das coisas. Fidel insistiu que deveríamos seguir as instruções dos congoleses e nunca impor nosso ponto de vista. Expressamos nossa opinião e deixamos que os líderes do país tomassem as decisões.

Longe de ser um fracasso, a operação no Congo permitiu que outros povos em luta entendessem como travar uma guerra contra o colonialismo e quais erros não cometer, seja em Angola ou em Guiné-Bissau. Nossa atitude foi exemplar e seis de nossos companheiros morreram lutando no Congo. Foi um exemplo que entrará para a história, principalmente para a história da África. O Che faz parte da história da África.

A iniciativa no Congo não foi um fracasso. Conseguimos convencer nossos irmãos africanos de que poderíamos conquistar a liberdade por meio das armas.

18SL: O que a figura de Che significa para você e para o povo cubano?

VD: Che era uma alma nobre. Muitas vezes falamos sobre o guerrilheiro, mas antes de tudo ele era uma alma nobre. Ele era um homem de grande generosidade. Você não abre mão do que lhe é mais caro – sua família, seu país, seus amigos, seu bem-estar – se não for feito de grandeza. Ele era um homem justo, enérgico, firme, um exemplo, que nunca maltratou ninguém, muito menos os prisioneiros.

O povo cubano venera o Che ainda mais do que quando ele estava vivo. Até mesmo os jovens, que nunca o conheceram, têm grande respeito por sua figura. Quando seu nome é mencionado, é preciso ser aberto, em memória de sua história e de seu sacrifício pela causa dos humildes.

19SL: Depois do Congo, você chefiou a missão militar na Guiné-Bissau e em Cabo Verde, onde Amílcar Cabral liderou a luta armada contra o colonialismo português. Fale-nos sobre essa experiência.

VD: Depois do Congo, demos nosso apoio à luta de libertação nacional do povo da Guiné-Bissau. Sékou Touré, o primeiro presidente da Guiné, desempenhou um papel importante na descolonização da África. Ele nos deu grande apoio durante nossas missões no continente. De fato, treinamos a milícia em Conacri para evitar um golpe de estado dos portugueses contra Touré. Touré era corajoso e apoiava Amílcar Cabral.

A situação na Guiné-Bissau era diferente da do Congo. Após a Conferência Tricontinental em Havana, em 1966, Amílcar Cabral pediu nossa ajuda e queria apoio técnico. Ele não queria que os cubanos participassem dos combates.

Amílcar Cabral foi um dos líderes revolucionários mais lúcidos de sua época, conforme demonstrado na Conferência Tricontinental, onde ele se manifestou a favor da luta armada. Ele tinha uma sólida formação intelectual. Jorge Risquet, nosso homem na África, conheceu-o no Congo Brazzaville e ficou impressionado com sua visão. Risquet ofereceu-lhe homens, mas Amilcar recusou, enfatizando que só precisava de treinadores e conselheiros, pois cabia aos próprios guineenses libertar seu país. “Devemos fazer nossa própria revolução”, disse ele. Ele queria preparar o país para o futuro, treinando seu povo para assumir as responsabilidades da independência. Amílcar havia conseguido a façanha de unir seu povo sob a bandeira da independência, o que não foi fácil, tanto na Guiné-Bissau quanto em Cabo Verde, dois territórios distintos e não adjacentes separados por quase 1.000 quilômetros. Seu pai era cabo-verdiano e sua mãe guineense. Infelizmente, Amílcar Cabral foi assassinado por traidores na praça de Lisboa, poucos meses antes da independência de seu país.

20SL: O que motiva um internacionalista a realizar uma missão longe de sua terra natal, com todos os sacrifícios que isso implica?

VD: Antes de mais nada, é um chamado do coração. Quando você vê a miséria, a opressão e a pobreza que afetam os mais vulneráveis, não consegue ficar insensível. No fundo, sentimos um imperativo moral de agir para ajudar essas pessoas em sua luta pela dignidade. É por isso que, além de minhas missões militares, dirigi uma escola internacionalista em Cuba. Mais tarde, liderei projetos de construção na África, em Guiné Bissau, Cabo Verde, Moçambique e Angola.

É importante ressaltar que sempre intervimos a pedido da população. Nunca impusemos nossa presença a ninguém. Fomos ao Congo a pedido dos revolucionários de Kabila e deixamos o país quando eles consideraram que nossa missão havia chegado ao fim. É importante lembrar disso. Che não deixou o Congo por vontade própria. Ele não abandonou o Movimento de Libertação Nacional. Nós saímos porque Kabila nos pediu para deixar o país.

21SL: Você visitou a Argélia durante esse período?

VD: Fui a Argel em 1967 e cheguei a me encontrar com o presidente Houari Boumediene. Foi nossa primeira visita desde 1965 e a saída de Ben Bella do poder. Lembro-me de que Boumediene me pediu para transmitir uma mensagem de solidariedade a Fidel. Sempre tivemos ótimas relações com a Argélia, especialmente com Ben Bella. Temos grande respeito pelos argelinos. A unidade entre Cuba e Argélia tem sido muito forte. Não podemos nos esquecer dos vínculos, especialmente durante os primeiros anos da Revolução Cubana e os primeiros anos da independência da Argélia. A década de 1960 foi revolucionária e gloriosa.

22SL: O que você fez quando retornou a Cuba e qual é o seu papel hoje?

VD: Entrei para as Forças Armadas em várias unidades. Fui chefe de construção. Fundei o Exército Juvenil do Trabalho na região leste, que era responsável pela produção agrícola, principalmente de culturas como cana-de-açúcar e café. Também fui chefe da Diretoria Política Central das Forças Armadas.

Hoje, sou presidente da Associação de Amizade Cuba-África. Para nós, cubanos, a África é o símbolo da resistência de um povo, de um continente, que foi maltratado, intimidado e resistiu. Hoje, os povos da África estão dizendo “não” aos poderosos, o que não acontecia na época, com exceção de alguns líderes, como Sékou Touré e Ahmed Ben Bella. Nosso povo é descendente de africanos escravizados que foram arrancados de sua terra natal para serem explorados na América. Nossa cultura é africana. Quantos africanos morreram em Cuba? Não se pode separar Cuba da África. Para nós, cubanos, a África é nosso coração e nosso sangue.

23SL: Última pergunta: o que Fidel Castro significa para os cubanos?

VD: Tive dois pais em minha vida: Dreke Castillo e Fidel Castro. É isso que Fidel significa para mim. Ele me ensinou a ter uma linha de conduta, honra e princípios. Ele me ensinou que você sempre tem de se levantar depois de cair. É por isso que temos resistido ao bloqueio econômico criminoso imposto a nós pelos Estados Unidos há décadas. Fidel nos ensinou a manter nossa posição quando as coisas ficam difíceis e a nunca desistir, independentemente das circunstâncias. Para fazer isso, podemos contar com o apoio dos povos da África e de outros lugares.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Salim Lamrani, « Conversas com Víctor Dreke »Études caribéennes [En ligne], 57-58 | Avril-Août 2024, mis en ligne le , consulté le 16 juin 2024. URL : http://journals.openedition.org/etudescaribeennes/31795 ; DOI : https://doi.org/10.4000/11ruu

Haut de page

Auteur

Salim Lamrani

Universidade de La Réunion

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search