Navigation – Plan du site
Le « Brésil littéraire » vu de l’étranger – perspectives transnationales (de 1822 à nos jours)

O Brasil como Brasiliana: uma biblioteca portuguesa e sua “república luso-brasileira das letras” em meados do século xx

Le Brésil en tant que Brasiliana: les livres dans la construction d’une « république luso-brésilienne des lettres » au xxe siècle
Brazil as Brasiliana: Books in the Construction of a “Luso-Brazilian Republic of Letters” in the 20th Century
Débora Dias

Résumés

L’intérêt au Portugal pour le Brésil connaît un certain essor dans la première moitié du xxe siècle et il n’était pas le propre des seuls grands collectionneurs ou bibliophiles. Dans cet article, on se propose d’éclairer le contexte et la formation des bibliothèques Brasilianas au Portugal, qu’elles soient privées ou publiques, en provenance du Brésil. En particulier, on analysera les modes de sélection, d’acquisition et de livraison des ouvrages brésiliens qui composent la Brasiliana personnelle de Joaquim de Carvalho (1892-1958), professeur et ex-directeur des presses universitaires de Coimbra, jusqu’à leur fermeture sur décision de Salazar en 1934. En nous appuyant tout à la fois sur des sources épistolaires et en observant attentivement la matérialité des livres en circulation, nous analysons ici les modalités de la réception et la mise en place de réseaux hétérogènes d’échanges qui impliquent des universitaires, des scholars et des libraires ; autant de réseaux qui offrent une alternative aux échanges officiels existant entre les deux pays et posent à leur façon cette question essentielle : « Que faut-il lire pour connaître le Brésil ? »

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Rubens Borba de Moraes, O Bibliófilo Aprendiz. Prosa de um velho colecionador para ser lida por que (...)

1No célebre livro O Bibliófilo Aprendiz (1965), Rubens Borba de Moraes (1899-1983) inicia sua prosa sobre o tema Brasiliana com a seguinte constatação: “Muita gente, cada vez mais gente, coleciona livros sobre o Brasil. É por isso que poucos assuntos têm subido tanto de preço nestes últimos trinta anos. Muito entendido acha, e com razão, que essa alta não tem fim1”. Para o caso português, o interesse pelo tema avançava em meados do século xx e não estava restrito a grandes colecionadores e às edições raras, formadoras de Brasilianas na acepção de Moraes. Procurando obras de Jorge Amado, José Lins do Rego, Graciliano Ramos, Raquel de Queiroz, Érico Veríssimo, Cecília Meireles, e não só, em Portugal, um público cada vez mais largo descobria, na leitura de livros, de natureza vária, incluindo os de conteúdo ficcionista, a existência de diversos “brasis”, o que levou as edições brasileiras a conquistar mais espaço nas livrarias portuguesas.

2Verificando a existência de um crescimento da presença do livro brasileiro em Portugal desde os finais dos anos 1920, movido pelos ecos da originalidade da mais recente literatura e pintura naquele país, e pelas repercussões de algumas obras de cunho mais sociológico e historiográfico (Gilberto Freyre, Caio Prado Jr., entre outros), este artigo se propõe a analisar, nesse contexto, a formação de bibliotecas Brasilianas, quer como coleção particular, quer como fruto de iniciativas oficiais, enviadas do Brasil a Portugal. Este é o caso do Instituto de Estudos Brasileiros (1942), em Coimbra, que teve no seu momento fundacional a doação de impressos levados pelo Estado Novo de Getúlio Vargas. Como também, bem próximo dali, da Brasiliana pessoal de Joaquim de Carvalho (1892-1958), professor catedrático da Universidade de Coimbra, ex-diretor da Biblioteca da Universidade de Coimbra e da Imprensa da Universidade, até o seu fechamento por Salazar em 1934. Dada a riqueza das fontes – em especial a própria biblioteca pessoal, que foi preservada na sua unidade, e a correspondência de Carvalho com brasileiros – este caso será mais verticalmente analisado.

  • 2 Débora Dias, «A "fome de livros" de um investigador português em diálogo com o Brasil: a biblioteca (...)

3Sobre este caso, e sabendo que “os objetivos subjacentes à constituição dos núcleos mais relevantes da sua biblioteca” – como o de Brasil – apontavam para um colecionismo bibliográfico que, “tarde ou cedo, seria suporte de projetos de investigação e de edição2”, a bibliofilia de Carvalho deve ser situada a par de uma estratégia que conjugava as condicionantes do seu tempo, o desejo pelo objeto físico e pelos novos horizontes que se abriam com as leituras que chegavam. Dito de outro modo, sem esquecer o contexto de autoritarismo vigente, interessa compreender as estratégias para aquisição do livro brasileiro em Portugal, bem como as motivações e os critérios que presidiram a formação de uma Brasiliana. Questões que se prendem a uma pergunta que, parafraseando o livro de Nelson Werneck Sodré, guiou esse tipo de bibliofilia: o que se deve ler para compreender o Brasil?

1. O livro brasileiro no Portugal de Salazar

  • 3 Patrícia de Jesus Palma, «The brazilian book market in Portugal in the second half of the nineteent (...)
  • 4 Laurence Hallewell, O Livro no Brasil: sua História, São Paulo, Edusp, 2005, p. 263.
  • 5 Débora Dias, Rotas de livreiros e seus Almanaques: intercâmbios luso-brasileiros nos circuitos do i (...)
  • 6 Sobre a expansão oitocentista da circulação cultural entre Brasil e Portugal e suas problemáticas e (...)

4O crescimento da chegada do livro brasileiro ao mercado português provocou uma mudança significativa no intercâmbio cultural desenhado durante todo século xix e inícios do xx: se autores portugueses eram lidos com avidez no Brasil, era corrente a ideia de que os escritos de autores brasileiros consagrados não eram muitas vezes sequer conhecidos na antiga Metrópole. Ressalve-se que, desde o terceiro quartel do século xix, os escritos vindos do Brasil despertavam interesses mais amplos, quer seja entre os portugueses que retornavam mais abastados e que mantinham laços com a cultura da sua “segunda pátria” – o chamado brasileiro torna-viagem era leitor potencial daquilo que ia chegando do lado de lá3 – quer seja em relação a obras brasileiras impressas em Portugal e que, mesmo pontualmente, tiveram grande circulação na antiga Metrópole (como foi o caso dos romances de Coelho Neto4), quer seja, ainda, através da diversificada colaboração brasileira nos Almanaques5 lidos dos dois lados do Atlântico. E pode dizer-se que tudo isto tinha formado um oceano de livros em movimento6.

  • 7 Nuno Miguel Ribeiro Medeiros, «Influência e contrainfluência na inversão do poder tipográfico entre (...)
  • 8 Ibid.

5Mas é a partir dos anos 1940 que, pela primeira vez, há uma inversão nos processos de influência tipográfica entre o Brasil e Portugal7, isto é, passava de importador líquido de livros no seu comércio com os portugueses, para centro produtor e disseminador da palavra impressa. A perda da antiga influência sentida pelos agentes do livro português na ex-colônia insere-se numa conjuntura mais ampla, na qual não teve um papel menor a censura, a repressão intelectual e social, assim como a ausência de políticas públicas para o livro durante o Portugal salazarista. Por sua vez, do outro lado, uma legislação brasileira protecionista e proibicionista de traduções portuguesas e originais brasileiros publicados em Portugal foi decretada em 19488.

  • 9 Carlos Reis, Textos Teóricos do Neo-Realismo Português, Lisboa, Seara Nova, Editorial Comunicações, (...)
  • 10 Luísa Duarte Santos, «Com Portinari, no Tejo: a presença do pintor do Povo Brasileiro em Portugal», (...)

6Nesse despertar para livros e autores vindos do Brasil, bem conhecida é a influência do romance regionalista ou romance social brasileiro no neorrealismo português ainda nos anos 1930, ao lado da literatura norte-americana de temática social9. Assim como o impacto do pintor brasileiro Cândido Portinari não apenas na pintura neorrealista portuguesa, como no profícuo relacionamento com expositores maiores da literatura como Mário Dionísio e Ferreira de Castro10.

  • 11 Questão melhor desenvolvida em Débora Dias, «Joaquim de Carvalho e a missão portuguesa no Brasil», (...)
  • 12 Cláudia Castelo, O luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961), Porto, Edições (...)

7Por outro lado, é ainda relevante perceber, no século xx, um momento singular da aproximação entre os dois países com declaradas afinidades ideológicas autoritárias e mesmo de inspiração fascista11. O ambiente político brasileiro, que desde 1930 tinha Getúlio Vargas na presidência, viveu um ciclo de autoritarismo (1937-1945), chamado de Estado Novo, como em Portugal. Já no contexto da II Guerra, e vinculada a precária posição diplomática portuguesa em relação ao conflito, Portugal convida a sua ex-colônia como co-anfitriã das comemorações dos dois centenários (Fundação da Nacionalidade em 1140 e Restauração da Nacionalidade em 1640). Com a edificação do Pavilhão do Brasil e a parte brasileira no Pavilhão dos Portugueses no Mundo, além do envio de comitiva oficial composta por militares, membros da Academia Brasileira de Letras (ABL) e intelectuais ligados ao regime, o Brasil é apresentado como exemplo de sucesso do colonialismo português (vale lembrar que, somente mais tarde, nos anos 1950, com os ventos anticoloniais pós-guerra, há uma mudança estratégica na recepção das teses do escritor brasileiro Gilberto Freyre: o regime de Salazar encontrava na doutrina do luso-tropicalismo a justificativa teórica oportuna para demonstrar a especificidade portuguesa12).

  • 13 Marçal de Menezes Paredes, Fronteiras Culturais Luso-Brasileiras: Demarcações da história e escalas (...)
  • 14 Lúcia Maria Paschoal Guimarães, «A luso-brasilidade e o projecto da revista Atlântida», Cultura – R (...)

8Percebe-se daí a conjuntura para a assinatura do Acordo Cultural Luso-Brasileiro de 1944. Em linhas gerais, este se pautava na colaboração cultural mais efetiva com vistas à difusão de suas culturas, o que destacava as iniciativas de promoção do livro entre os dois países. O documento também previa o lançamento de um periódico luso-brasileiro, como efetivamente veio a ocorrer com a saída da revista Atlântico (1942-1950), pensada para “orientar” a moral das elites intelectuais de ambos os países. Sem cair em anacronismo, e sopesando as diferenças de fundamentos, de objetivos e de meios, este projeto não era inédito no descontínuo mundo das relações entre os intelectuais de ambos os países. Evitando uma descrição exaustiva, basta lembrar a presença brasileira em O Positivismo (1878-1883), bem como o lançamento da Revista Estudos Livres (1883-1887), constituindo canal de divulgação científica luso-brasileira13, ou no exemplo da Revista Atlântida14 (1915-1920) – lançada pelo figueirense João de Barros e pelo carioca João do Rio. Nesse comparativo, não é menor que a Atlântico integre declaradamente uma política de Estado criada pelos dois governos.

9Na prática, a revista Atlântico contou com uma colaboração ampla de portugueses e brasileiros, o que incluiu até mesmo nomes antigetulistas, como Graciliano Ramos, o comunista Caio Prado Júnior, ou portugueses não alinhados com o salazarismo, caso de Maria Archer, Jorge de Sena, José Régio, e diferentes matizes políticos e escolas intelectuais, como António Quadros e Sophia de Mello Breyner. Uns mais, outros menos assíduos, fato é que a publicação conta com colaborações de Manuel Bandeira, Cícero Dias, Vinícios de Moraes, Jorge de Lima, Raquel de Queiroz, Érico Veríssimo.

  • 15 Cf. Nuno Medeiros, O livro no Portugal Contemporâneo, Lisboa, Outro Modo, 2018; Daniel Melo, «Sembl (...)

10Com isso, e sem perder de vista as complexidades dessa conjuntura, pretende-se ressaltar que o impresso brasileiro conquistou novos espaços em Portugal, o que é visto quer em iniciativas oficiais, como explícito no Acordo Cultural de 1941; quer em iniciativas mais espontâneas, como na criação da editora Livros do Brasil15 (1944), com coleções originais e os direitos de importação e distribuição exclusivos, para Portugal e colônias, de uma série de editoras brasileiras.

  • 16 Laurence Hallewell, O Livro no Brasil: sua História, São Paulo, Edusp, 2005, p. 326. Já Wilson Mart (...)
  • 17 A coleção Brasiliana, lançada logo após a Revolução de 1930, foi idealizada por Octalles Marcondes (...)
  • 18 Heloísa Pontes, “Retratos do Brasil: Editores, Editoras e ‘Coleção Brasiliana’ nas Décadas de 30, 4 (...)

11Para esta mudança também contribuiu a chamada revolução no mundo do livro brasileiro, inaugurada por Monteiro Lobato após a Primeira Guerra Mundial16 e prolongada pelo aparecimento de novas editoras nos anos 1930, iniciativas que em muito contribuíram para o processo de autonomização da indústria editorial no país. Foi nesse contexto que surgiram, nos anos 1930 a 1950, as três coleções de assuntos brasileiros mais importantes até então editadas no Brasil, a Brasiliana17 (1931), Documentos Brasileiros (1936) e a Biblioteca Histórica Brasileira18 (1940), publicadas pela Companhia Editora Nacional, Livraria José Olympio Editora e Livraria Martins Editora, respectivamente.

  • 19 Cf. Clara Barata e Luís Miguel Queirós, “Os livros da resistência: livrarias no regime fascista”, P (...)

12As interligações de tais movimentos com a vida cultural portuguesa são sentidas não só nas montras das livrarias, mas também no livro muitas vezes vendido por debaixo do balcão, embrulhado em papel pardo, escondido no fundo da loja para escapar à vigilância dos censores. Livrarias como a Victor, em Braga, a Opinião, a Ulmeiro e a Barata, em Lisboa, a Finisterra e a Unitas, em Coimbra, a Divulgação, no Porto, a Apolo, em Santarém, estão entre aquelas que, conjugadas com similares existentes em outras cidades, ficaram conotadas como de oposição ao regime19.

13Em alguns casos, mesmo se constar no índex da repressão pudesse depor a favor do título, e impulsionar sua venda, a asfixia econômica que as repetidas apreensões causavam na sobrevida de livrarias eram métodos habituais praticados pela polícia política.

  • 20 Trechos da entrevista que, em 31 de março de 2014, concedeu a esta investigação na cidade de Lisboa (...)

14Ex-funcionário de balcão na Livraria Victor, em Braga, Victor Louro recordou que, ainda na década de 1960, era uma constante ter à venda, mais ou menos escondidas, obras de autores brasileiros, como Jorge Amado e Graciliano Ramos: “fizeram parte da minha própria formação20!” Filho do livreiro Victor de Sá, Louro sublinhou que, mais frequentemente do que os já censurados, a casa comercial recebia “livros que se presumia virem a ser proibidos rapidamente – e isso acontecia muito com autores brasileiros”. Para garantir a circulação do livro, e tentando escapar do olho da polícia, algumas artimanhas são urdidas:

  • 21 Ibid.

Antes de expormos na montra, dávamo-los a conhecer a clientes de confiança, que sabíamos interessarem-se por eles. Ou não os púnhamos na montra, para garantir o “segredo”. Quando a polícia aparecia (às vezes em busca de determinados livros, e não de outros) se os tínhamos escondidos dávamos uma justificação (já tínhamos tido, mas venderam-se, por exemplo); se estavam mais visíveis... lá eram apreendidos. Além do mais, constituía um sério prejuízo, porque isso era da nossa responsabilidade, e não da editora ou distribuidora. Tal facto não nos permitia arriscar excessivamente21...

  • 22 Victor de Sá, «(Rascunho de carta a) M.c.A», em Henrique Barreto Nunes, O livreiro Victor de Sá, Br (...)
  • 23 Ibid., p. 106.

15O livreiro e historiador Victor de Sá registrou em manuscrito, por volta dos anos 1950, o momento em que, “mais uma vez, o zeloso funcionário apareceu” na sua loja, “com aquele mau jeito que tomam as pessoas de mal fingida amabilidade22”. Tratava-se da visita, já quase familiar, do agente da polícia com a interminável lista de livros, de revistas, de magazines, de literatura perniciosa e também de cordel, “tudo caiu à rede e vinha para ser pescado23”. E a Livraria Victor não foi a única vítima. Outras houve, sediadas no Porto, em Coimbra e, sobretudo, em Lisboa, que receberam tratamento análogo.

16Da sua lida diária no comércio livreiro, Victor de Sá observou, com um conhecimento de âmbito nacional, que, se desde os anos 1930 a repressão às livrarias era conhecida, ela não foi igual ao longo do Estado Novo. Mais preocupados com a manutenção do regime no pós-guerra, “quase não houve repressão aos livros” em 1945-1946, “e a profissão de livreiro exerceu-se com gosto e proveito – os clientes até já estavam saturados de tanta variedade de títulos sedutores”. No entanto, a partir de 1947, a ação policial voltou:

  • 24 Ibid. Grifo não existente no original.

primeiro, uma ou outra edição portuguesa mais atrevida – um “Arco Íris” (Prémio Estaline), uma “Cultura Popular” de Ferreira de Macedo, etc. Depois, num ritmo cada vez mais acelerado, incidiu a repressão sobre a rica literatura brasileira, que nessa época quási inundava os escaparates das livrarias. [sic] (…) Desde 48 e 49 deixou praticamente de se encontrar em Portugal quaisquer vestígios de literatura brasileira referente aos magnos problemas da atualidade24.

  • 25 Débora Dias, «Do privado ao público: a biblioteca pessoal e suas metamorfoses», CesContexto Debates(...)

17Se as livrarias estavam sujeitas ao crivo policial, as bibliotecas públicas sofriam recomendações de restrição e censura, mesmo que o regime salvaguardasse alguma permissão para o caso de estudiosos. Desse conjunto, e como é recorrente nessas circunstâncias, as bibliotecas particulares funcionavam à sua escala como espaços de alguma liberdade precária, onde o livro comprado em Portugal ou trazido do estrangeiro poderia circular com os devidos cuidados. No entanto, mesmo este circuito estava sob vigilância e não evitou a devassa dos domicílios, tanto mais que a polícia política do regime sabia que muitas bibliotecas privadas estavam acessíveis a amigos e correligionários dos proprietários, funcionando, assim, um pouco por todo o país, como centros promotores de leituras compartilhadas25.

2. Estudiosos portugueses e “o que se deve ler para conhecer o Brasil”

18Quer fossem consentidos, permitidos ou proibidos, os livros brasileiros circulavam, eram lidos e repercutiam-se nos escritos portugueses. Entre outros, o escritor Mário Dionísio fixou testemunho dessa recepção:

  • 26 Mário Dionísio, “Uma Pequena Grande História”, em José Cardoso Pires, O anjo ancorado, Lisboa, Dom (...)

Mais voltados para Amado ou para Lins do Rego, para Érico Veríssimo ou para Amando Fontes, menos talvez para Graciliano Ramos, em que Carlos de Oliveira descobriu logo com razão o maior de todos, a eclosão do romance neo-realista [sic] português fora profundamente marcada por esses livros, que se compravam às escondidas, se passavam de mão em mão, versavam problemas semelhantes aos nossos e podiam terminar assim: “Porque a revolução é uma pátria e uma família”. Aqui e além, não será improvável encontrar pequenas influências do padrão linguístico brasileiro nos nossos escritos da época. E, apesar das enormes diferenças que entre eles há, é-me difícil admitir a possibilidade de Gaibéus (39) sem o Cacau, conhecido entre nós em 3426.

  • 27 Eduardo Lourenço, «Como vivi a (pequena) história do neo-realismo», Obras Completas, vol. II, Lisbo (...)

19Descendo à escala de Coimbra e aos anos 1940 e 1950, descobre-se na alta coimbrã, uma biblioteca que se alimentava da chegada de literatura brasileira, bem aproveitada pelos jovens intelectuais antissalazaristas que a procuraram e a viveram como uma espécie de lar e centro cultural, na definição de Eduardo Lourenço, um dos frequentadores que nela descobriu novos autores estrangeiros, incluindo os brasileiros27. Tratava-se da casa de João José Cochofel e da sua imensa e muito atualizada biblioteca, aberta mesmo aos menos próximos e menos identificados com o neorrealismo naqueles anos tão intensos devido ao impacto da Guerra Civil de Espanha e da Segunda Guerra.

  • 28 Durante o reitorado de Mendes dos Remédios, a “Sala Brasil” foi criada com o objectivo inicial de a (...)

20Considerando que, mesmo antes da década de 1930, tinha crescido, em Portugal, o interesse pelo que se publicava no Brasil, e sabendo que a produção editorial neste país se intercambiava com o mercado livreiro português, também não se pode menosprezar a importância de uma outra faceta deste intercâmbio: as iniciativas tendentes a institucionalizar os estudos luso-brasileiros no âmbito universitário, e aquelas não despidas de motivações políticas. São exemplos, a criação, em 1915, da cadeira de história, geografia e literatura brasileiras, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e, em 1937, a fundação da Sala Brasil, na FLUC28, depois transformada (1942) em Instituto de Estudos Brasileiros (IEB).

  • 29 “A biblioteca do I.E.B”, Brasília, vol.1, Coimbra, Instituto de Estudos Brasileiros, 1942, p. 751-7 (...)
  • 30 Ibid.

21Descrita por Eugénio de Castro como “um silencioso e inútil depósito de estantes vazias29” durante alguns anos, o estado da Sala Brasil, sediada na FLUC, só foi alterado, de fato, com a ação de um grupo de estudantes brasileiros e do próprio Eugénio de Castro enquanto diretor da Faculdade, ao apelarem para que entidades oficiais, escritores, livrarias, redações dos jornais doassem à instituição livros vindos do Brasil. Personalidades brasileiras que passavam por Coimbra também foram convidadas a deixar alguma contribuição ao acervo, como foi o caso de Cecília Meireles, Afrânio Peixoto, Ribeiro Couto, Procópio Ferreira. A partir de então, “os livros chegavam aos poucos, mas chegavam sempre30” e as tais estantes vazias passaram a albergar cerca de dois mil títulos ao fim de três anos.

22O acervo seria significativamente aumentado após o encerramento da Exposição do Mundo Português (junho a dezembro de 1940), cujo “Pavilhão Brasil” albergou um espólio de cerca de cinco mil impressos levados a Portugal pelo Estado Novo de Vargas. Essa biblioteca, selecionada pelo Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), contava com publicações que versavam sobre as realizações e a ideologia do regime e sobre a cultura brasileira em geral, foi depois doada à Universidade de Coimbra. Como resposta a este gesto, oficialmente selado pelo embaixador Araújo Jorge, a Universidade propôs a transformação da Sala Brasil em Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), tendo a direção deste continuado nas mãos do professor Rebelo Gonçalves. Em fevereiro de 1941, a proposta foi unanimemente aprovada pelos catedráticos presentes no Conselho da Faculdade de Letras, entre os quais estava Joaquim de Carvalho.

  • 31 Ibid. Ver ainda: Élio Cantalício Serpa e Heloísa Paulo, «O Instituto de Estudos Brasileiros da Univ (...)
  • 32 Sobre as relações do regime salazarista com a Universidade, ver Luís Reis Torgal, A universidade e (...)

23De modo declarado, a mudança vinha da “necessidade de aumentar e dirigir melhor a acção cultural brasileira exercida entre nós”, uma vez que o “interesse e curiosidade crescente pelos estudos brasileiros” já haviam despertado “nos círculos universitários como em todos os meios cultos do País31”. Na prática, o Instituto passaria a contar, a partir de 1952, com o apoio formal do Estado, via Instituto para a Alta Cultura (IAC), e propunha-se seguir um programa que incluía edição de publicações, realização de conferências, desenvolvimento do intercâmbio entre professores universitários dos dois países, bem como promover a permuta de publicações com universidades e institutos brasileiros. Aos olhos do regime, o IEB se potencializava como organismo aliado, na Universidade, para os propósitos de Salazar na aproximação cultural com o Brasil32.

24Joaquim de Carvalho assistiu de perto a gênese do IEB de Coimbra, assim como conhecia muito bem seus fundos bibliográficos e sua função política no contexto de estratégia de Salazar em relação ao Brasil. Por outro lado, não foi indiferente ao grande incremento do interesse corrente que o Brasil despertava em diferentes quadrantes de pensamento, quer entre os neorrealistas (ligados à revista Vértice), quer em uma publicação institucional, como a Brasília. A sempre referida ex-colônia passava a ser também lugar de onde, em crescendo, partiam autores a serem lidos e edições a serem conhecidas, o que certamente influenciou o enriquecimento da sua Brasiliana.

3. A Brasiliana de Joaquim de Carvalho

  • 33 Esta referência a Rubens Borba de Moraes foi desenvolvida por Marisa Midori Daecto, «Duas “Brasilia (...)
  • 34 Rubens Borba de Moraes, op.cit., p. 176.
  • 35 Termo caracterizado na Instrução Normativa n.º 01/2007 do Instituto de Patrimônio Histórico e Artís (...)

25Mas, o que é preciso para formar uma Brasiliana? Novamente, se irá recorrer a Rubens Borba de Moraes, cuja conceituação tornou-se referência sobre o tema para estudiosos e colecionadores em todo mundo33. Seguindo o autor, a acepção geral do termo refere-se a todos os livros que tratam do Brasil, todos os livros escritos por brasileiros e todos os livros impressos no Brasil com uma condição: serem procurados por bibliófilos34. No conceito mais específico, que se tornou clássico, o citado autor faz a distinção entre Brasiliana e Brasiliense, mantendo a bibliofilia como critério central, mas periodizando as coleções35.

  • 36 A Brasiliana Itaú, nos seus alargamentos temáticos, é vista por Marisa Midori Daecto, «Duas “Brasil (...)

26O próprio conceito, porém, expandiu suas fronteiras, como mostra a análise concreta do catálogo de certas bibliotecas, como a já referida Brasiliana Guita e José Mindlin, ou a Brasiliana do banqueiro Olavo Setúbal36, dois exemplos que estão entre as maiores coleções do gênero, e que incluem, além do modelo de uma Brasiliana clássica, aquilo que seus colecionadores consideraram relevante e representativo do pensamento e das artes brasileiros desde a chegada dos europeus ao continente até o século xx.

27Para o caso aqui tratado, tal critério se aplica somente em parte ao sentido com que Joaquim de Carvalho usou o termo. Do confronto com o acervo, constata-se que é o resultado das escolhas de um bibliófilo que, porém, não julgava um livro somente por sua raridade, mas também, e de acordo com Moraes, em função do seu conhecimento e pela medida com que satisfazia a sua curiosidade intelectual. Por outro lado, na sua formação, Joaquim de Carvalho não priorizou o que, na época, seriam os livros visados por sua bibliofilia nesta matéria. Ao contrário, em coexistência com a sua tendência bibliófila, dominou ali o imperativo de uma atualização bibliográfica enciclopédica, mas comandada pela descoberta de novos horizontes a inserir, depois de 1953 (ano em que esteve como professor visitante no Brasil), na sua agenda de docente e de investigador: a história, a filosofia, a literatura, mas também a geografia, a sociologia, a antropologia, a educação, a economia.

  • 37 Débora Dias, «Do privado ao público: a biblioteca pessoal e suas metamorfoses», op. cit.

28Em números, essa “biblioteca” dentro da sua grande Biblioteca pode ser estimada em mais de dois mil volumes. Na atual organização da sala Joaquim de Carvalho, localizada na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra desde 1979, ano da compra pelo Estado português aos familiares37, há 1.213 livros no núcleo central de autores e edições brasileiras, sem incluir nenhum dos muitos periódicos instalados em outro espaço. Em maioria, são livros adquiridos de 1953 a 1958, ano do falecimento de Carvalho. Diluídos em outras seções, foram localizados outros 214 títulos de autores brasileiros e editados no Brasil, em maioria, classificados na área “Filosofia”. No entanto, há muitos outros que certamente não foram contabilizados, incluindo alguns extravios. Também estão excluídos dessa contagem os títulos ligados à História dos Descobrimentos, ou de autores portugueses sobre o período colonial brasileiro. Ou seja, esse número ainda não corresponde a todas as publicações direta ou indiretamente ligadas ao tema “Brasil”, escritos por autores brasileiros ou editadas no país.

29Ao se incluir as publicações periódicas brasileiras, supera-se a casa dos dois milhares, passando a contar com os 36 números da Revista Brasileira de Filosofia (São Paulo), os 32 números da Revista de História da USP, os 26 volumes da Revista da Universidade Católica de São Paulo, os 19 volumes da Revista Brasileira de Geografia, os pelo menos 26 volumes da Kriterion. Revista de Filosofia (Minas Gerais), os muitos e dispersos anais de Congressos e encontros acadêmicos. Da revista Anhembi, todas as edições de 1950 a 1958, entre muitos outros títulos. Há ainda outras publicações – incluindo a revista Manchete, que, segundo o seu epistolário, sabe-se que recebia e lia – que estão fora dessa relação porque não foram localizadas no atual acervo.

30Assim, para definir a acepção que Joaquim de Carvalho dava ao termo Brasiliana e para o aceitar, optou-se por usá-la num sentido amplo, adaptado à lógica interna dessa biblioteca-monumento. Daí que a análise se concentre, salvo exceções, nos livros de autores brasileiros editados no Brasil, de fins do século xix a meados do século xx (até ao ano de 1958), e adquiridos por diferentes caminhos, num ritmo que teve o seu grande momento de aceleração durante e após a sua única viagem ao Brasil, em 1953, como professor visitante da Universidade de São Paulo.

4. A viagem ao Brasil na construção da biblioteca

  • 38 Biblioteca Nacional de Portugal (BN), Acervo Jaime Cortesão, Carta de Joaquim de Carvalho a Jaime C (...)
  • 39 Otávio Tarquínio de Sousa, A vida de D. Pedro I, 3 vols, Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1952

31Ao chegar ao Brasil, em abril de 1953, Carvalho confessou ao seu velho amigo Jaime Cortesão38 (antissalazarista exilado e que havia sido diretor literário da editora Livros de Portugal, sediada no Rio de Janeiro) que também viajou de Portugal com o intento de reunir livros e fontes brasileiras. Para isso, pedia apoio de quem já vivia no país há alguns anos para reunir títulos acerca do liberalismo português e brasileiro, fontes publicadas relativas ao vintismo em Portugal e à Independência do Brasil. Pedia-lhe, ainda, acesso à coleção organizada pelo interlocutor sobre Alexandre Gusmão, bem como à biografia de D. Pedro I (ou D. Pedro IV em Portugal), recém-lançada, em três volumes, por Otávio Tarquínio de Sousa39.

  • 40 Arquivo Histórico Municipal da Figueira da Foz (AHMFF), Carta de Joaquim de Carvalho a Irene Montez (...)

32Cerca de dois meses depois, o professor regressava a Coimbra carregado com mais três caixotes e uma mala só de impressos adquiridos no Brasil. Isso, “fora pacotes de livros, que deixei no Rio, e não sei como hei de levar40”, escrevia à esposa antes de embarcar. Se a bagagem de retorno mostra o volume bibliográfico adquirido (por compra ou por oferta), o epistolário de Joaquim de Carvalho confirma a continuidade do seu empenho no que ele próprio designará por Brasiliana. O caminho era de mão dupla, pois o professor de Coimbra também se ofereceu para enviar livros portugueses a muitos dos seus interlocutores.

  • 41 Centro de Apoio à Pesquisa Histórica "Sérgio Buarque de Holanda" (CAPH-USP), Carta de Joaquim de Ca (...)

33A experiência que colheu dos seus contatos com o meio universitário e intelectual brasileiro foi também decisiva para uma mais sólida e transdisciplinar acumulação bibliográfica, esfera de interesse que veio alargar uma das “bibliotecas” que compunham a sua grande e enciclopédica Biblioteca: sua Brasiliana, cada vez mais aberta aos novos horizontes e problemáticas impulsionadas pela visita. Por palavras suas: “Vim devotadíssimo ao Brasil, e à medida que avanço no conhecimento de re brasílica [sic] vejo abrirem-se novos horizontes e novos problemas41”.

34Além das cartas, a materialidade das edições confirma que a Biblioteca muito se enriqueceu com os contatos do seu proprietário com escritores, editores e livreiros durante e após 1953. Nisso, as dedicatórias ajudam a compor o desenho dessa Brasiliana na diversidade de contatos e potencialidades de pesquisa que ela encerra. Muitas vezes, a partir dos endereços anotados à mão, ou de cartões incluídos nos exemplares autografados, o livro enviado foi ponto de partida para epistolários que tiveram continuidade. Como os carimbos de Joaquim de Carvalho nas obras do médico e geógrafo Josué de Castro, de Pernambuco, que já apontam para um interesse de leitor, seja em A cidade do Recife – Ensaio de Geografia Urbana (1954), ou na edição popular de Geografia da Fome (1953), 4ª edição do livro escrito em 1946. Porém, é em uma pequena brochura que encontramos indícios de um contato pessoal. Josué de Castro ofereceu um exemplar de As condições de vida das classes operárias no Recife: estudo econômico de sua alimentação, publicado em 1935, ao professor português. Colado na página de rosto, encontramos um cartão pessoal, não datado, com palavras respeitosas e um endereço para correspondência corrigido à mão.

  • 42 Sobre o tema, ver Débora Dias, «Joaquim de Carvalho e a missão portuguesa no Brasil», em Heloísa Pa (...)

35Tais inscrições, muitas vezes subestimadas, são também modos de prolongar diálogos latentes dentro e fora dos próprios livros. Um exemplo está na dedicatória que Paulo Duarte escreveu quando entregou a Carvalho, ainda em São Paulo, um exemplar do seu livro Palmares pelo Avesso. Ali diferenciou o professor português dos membros das “embaixadas” oficiais mandadas por Salazar42, em referência direta às polêmicas do período, ao escrever: “Ao professor Joaquim de Carvalho, em quem S. Paulo viu um representante da verdadeira Inteligencia [sic] portuguesa. Numa lembrança do Paulo Duarte. S. Paulo, 7.1953”.

36Em todo caso, sabe-se que um autógrafo acrescenta valor bibliófilo ao exemplar usado. Há casos em que a raridade da edição e a importância da dedicatória ganham um valor acrescido com o tempo, como na brochura A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá, lançada em 1952 e oferecida pelo autor com os dizeres de respeitosa admiração: “homenagem muito cordial de Florestan Fernandes” – que depois será colaborador da Revista Filosófica, de Coimbra, em 1956.

  • 43 Por aplicação do Ato Institucional n.º 5, durante a ditadura civil-militar brasileira, Florestan Fe (...)

37Mais tarde considerado o fundador da sociologia crítica no Brasil, Florestan Fernandes (1920-1995) descendia de uma família de imigrantes portugueses que vieram para o Brasil “tangidos pela fome”, e ele próprio cresceu como trabalhador numa variedade de ocupações assumidas desde a infância. Autodidata, ingressou na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) da USP (1941), onde licenciou-se (1944), iniciou sua carreira docente como segundo-assistente de Sociologia (1945) e tornou-se catedrático da mesma Universidade43 (1965).

38Outro aspecto demonstrado pelos livros é que, mesmo sem ter voltado ao Brasil, a rede de interlocutores de Joaquim de Carvalho se alargou continuamente até ao agravamento do seu estado de saúde e ao seu falecimento nos finais de 1958. De Belo Horizonte, em 1956, Eduardo Frieiro enviou o livro Como era Gonzaga? ao “prezado amigo e admirado mestre” que havia conhecido três anos antes.

39Após a ampliação da sua rede de contatos, o estreitamento de algumas relações e uma maior divulgação do seu nome nos círculos universitários, Joaquim de Carvalho também passou a contar com diferentes intermediários na aquisição do impresso brasileiro, incluindo livreiros e editores, mas também professores universitários, estudantes e amigos. O mais marcante de todos foi o professor João Cruz Costa (1904-1978), não só pela quantidade de livros que circularam entre ambos, mas também pelo fato de a análise das mais de 300 cartas que trocaram entre si dar boas pistas acerca dos modos de aquisição e de envio das publicações.

  • 44 O francês Jean Maugüe foi professor e chefe da cadeira de Psicologia do curso de Filosofia da FFCL- (...)
  • 45 Cf. Hebe C. Boa-Viagem A. Costa, «Resgatando a memória dos pioneiros: João Cruz Costa», Boletim da (...)

40Filho de pai português – com raízes na Figueira da Foz – e de mãe italiana, Cruz Costa vinha de uma família com recursos que não regateou para lhe oferecer uma educação privilegiada. Após uma temporada de estudos em Paris, e uma breve passagem pela Faculdade de Medicina de São Paulo, torna-se o aluno n.º 1 inscrito na primeira turma de Filosofia da USP (1934), sinal da sua inclinação pelas humanidades e do seu empenhamento no debate que, no contexto da criação da USP, se levantou acerca da orientação científica que deveria nortear a instituição. Pelas suas ideias e escolhas, pode-se sustentar que Cruz Costa foi um uspiano pioneiro. Depois de licenciado, foi professor assistente (1937-1945) do docente francês Jean Maugüé44 (1904-1990) e, após anos como interino da cadeira de Filosofia, foi a concursos para catedrático em 1951. Este foi o momento em que seus problemas com o grupo do Instituto Brasileiro de Filosofia (IBF), capitaneado pelo ex-reitor da USP (1949-1950), Miguel Reale, se agudizaram, numa disputa pelo posto de catedrático que demorará até 1954 para ser solucionada45.

41A correspondência de Cruz Costa com Joaquim de Carvalho, então já alimentada por uma amizade cúmplice, transmite informações úteis para se conhecer os bastidores desta “batalha”. Mas, dentre todos os temas tratados por estes “amigos escritos”, os assuntos ligados a livros e outros impressos eram os mais constantes e com mais espaço nessa epistolografia.

5. A descoberta de um Brasil de livros

  • 46 Licenciado em Ciências Histórico-Filosóficas (1951) e em Direito (1957) na Universidade de Lisboa, (...)
  • 47 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 2/11/52, fl. 2.

42Concretamente, Cruz Costa receberia, até 1953, publicações escritas e editadas por Joaquim de Carvalho, além de edições recentes da Universidade de Coimbra e algum espólio dos tempos da Imprensa da Universidade. O professor também despachou estudos realizados na Universidade de Lisboa, como o “livrinho” sobre as ideias sociais e políticas de Teófilo Braga, tese de licenciatura do jovem Mário Soares46 (1924-2017). “É cousa muito leve mas que a sua voracidade de estudioso e de leitor não repudiará47”, advertiu Carvalho. De acordo com o pedido do colega uspiano, também remeteu catálogos das livrarias e editoras “Portugália” e “Sá da Costa”, ambas de Lisboa.

43Do lado de Carvalho, após o lançamento da Revista Filosófica, em 1951, suas preocupações iniciais se concentravam na difusão deste periódico no Brasil, bem como em conhecer publicações brasileiras que pudessem participar da seção de crítica que ali se inaugurava. No entanto, percebe-se que também ele sentisse dificuldades de atualização bibliográfica, uma vez que não possuía, até aquele ano, uma lista de livros brasileiros a adquirir, mas pedia ao disponível colega que lhe indicasse o que ia saindo e que, em sua opinião, valeria conhecer. A partir de 1953, ano da viagem, é visível a intensificação dos pedidos de Carvalho. E, quanto às temáticas, assistiu-se ao alargamento dos seus interesses.

  • 48 Na lista de pedidos, está o livro de José Maria Belo, História da República (Rio de Janeiro, Organi (...)
  • 49 O professor de Coimbra solicitava a aquisição dos seguintes livros, citados conforme sua indicação: (...)

44Esse foi também o momento em que as listas dos livros desejados por Joaquim de Carvalho ganharam um fôlego mais largo e passaram a ser mais frequentes e mais extensas. A primeira relação de pedidos, em 15 de agosto de 1953, foi logo enviada no mês de retorno a Portugal, com títulos de José Maria Belo, Manuel Rodrigues Júnior, Octávio Tarquínio de Sousa, Alexandre Passos, João Neves da Fontoura e Rosario Fusco48. Na segunda lista, de 22 de setembro de 1953, constam 25 autores, que incluíam todos os livros de Donald Pierson, Artur Ramos e Nina Rodrigues, além de obras de Basílio Magalhães, Djacir Meneses, Raymundo Morais, Carlos Borges Schmidt, Antônio de Alcântara Machado, Paulo Prado, Pedro Calmon, Azevedo do Amaral, Alfredo Ellis Júnior, Monteiro Lobato, Bezerra Freitas, Tristão de Athaíde, Câmara Cascudo, Erico Veríssimo, entre outros49. Um aparente ecletismo que, na verdade, demonstra os contornos de uma estratégia de leitura pautada pela diversidade disciplinar e de perspectivas, com o intuito de melhor se informar para poder refletir. E, assim, reunia ferramentas para compreender – histórica, filosófica, literária e sociologicamente – uma sociedade que descobria como rica na sua multiplicidade de vieses e extremamente complexa.

45Nem todos os livros foram encontrados imediatamente por Cruz Costa e alguns só chegariam mais tarde a Coimbra. E, para as vicissitudes deste processo, acompanhava com atenção os comentários de Cruz Costa, principalmente respeitantes a flutuações do mercado livreiro (incluindo os praticados pelos “sebos”) e atinentes aos méritos dos livros recomendados.

  • 50 Arquivo Familiar Joaquim de Carvalho (AFJC), Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Pa (...)
  • 51 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 23/10/53, fl. 1 (frente e verso)

46Uma outra mudança deve ser assinalada a partir de 1953. Os dois correspondentes passam a ser intermediários junto às livrarias e casas editoras de seus países para o envio das encomendas do outro. Cruz Costa demonstrava estar mais à vontade com a bibliografia portuguesa, vista nos pedidos ao amigo50, mas é numericamente superado por este, que mais de uma vez realçou alguma desigualdade na relação. Ávido por ter em mãos aquilo que descobria, redescobria e, quiçá, recomendava e presenteava, recorria aos favores do amigo, como na missiva de 23 de outubro de 1953, em que revela suas encomendas de Capistrano de Abreu, Gilberto Freyre e Jorge Amado51.

  • 52 AFJC, Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 13/8/1954, fl. 2.
  • 53 AFJC, Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 3/12/53, fl. 1.
  • 54 AFJC, Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 8/10/53, fl. 2. Sebo, no Brasil, e (...)

47Dado o volume de livros movimentado por Carvalho, a partir de outubro de 1953, instaurou-se um peculiar sistema de compra em regime de permuta com a Livraria das Bandeiras, em São Paulo. Para Carvalho, Cruz Costa, ironicamente, descrevia a livraria como sendo um “centro de distribuição do livro de esquerda52”. Na prática, o professor de Coimbra enviava ao professor da USP livros portugueses que poderiam ter saída comercial na Livraria das Bandeiras. Em troca, escolhia o que pretendia adquirir a partir do que estava disponível naquela casa livreira, com vantagens mútuas na conversão direta do escudo para o cruzeiro. Para os casos mais difíceis de encontrar, recorriam ao estabelecimento de Olinto de Moura, recomendado por Cruz Costa como “o melhor livreiro de livros raros cá de S. Paulo53”, ou enviavam as listas aos “excelentes sebos” do Rio54.

48O sistema com a Livraria das Bandeiras continuou até 1955, quando os professores decidem mudar para a Livraria Teixeira, também em São Paulo, instaurando um novo regime de trocas. Agora transformavam os livros enviados de Portugal em crédito em cruzeiros, como uma “conta-corrente” aberta na loja. No entanto, para a aquisição daquilo que Carvalho buscava, Cruz Costa percorria ainda um circuito livreiro paulista que incluía a Livraria Freitas Bastos, Livraria Prado, Livraria Pioneira. Outras estratégias de aquisição dos títulos, que culminavam por firmar novos contatos intelectuais e editoriais, foram usadas pelo professor da USP, como escrever diretamente para os autores ou para os centros de edição brasileiros. A ideia teve algum sucesso, dado que Joaquim de Carvalho passou a receber com regularidade os livros publicados pelo Itamaraty e pelo Instituto Nacional do Livro (do Ministério da Educação), além de ter construído pontes com a Companhia Editora Nacional e de ter estado muito atento aos lançamentos da José Olympio Editora.

  • 55 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 18/2/54, fl. 1 (frente e verso).
  • 56 Trata-se do livro Antologia de poetas brasileiros na fase colonial, por Sérgio Buarque de Holanda, (...)
  • 57 Cf. Anhembi, ano IV, n.º 38, vol. XIII, 1954.
  • 58 O professor de Coimbra refere-se aos números 11, 12 e 13 do boletim editado pela FFCL-USP, respecti (...)

49A correspondência em análise mostra que a abertura dos sucessivos pacotes entusiasmou Carvalho de uma maneira desigual. Por exemplo, o recebido em fevereiro de 1954 o arrebatou de modo especial, quer como amante do livro, quer como brasileiro honorário, título que considerava ter conquistado pelo conhecimento até então acumulado sobre o Brasil. Assim disse em relação aos seis títulos e uma revista vindos de São Paulo: “Recebi os seus envios, q [sic] estão fazendo a delícia deste bibliófilo insaciável e deste brasileiro honorário, que sou e a que me promoveram o conhecimento dos homens e das suas acções55!”. Especificamente, a lista patenteia nuances no seu gosto sobre os temas brasileiros e marca sua atenção permanente para as questões de interesse em Portugal publicadas no Brasil. São disso prova a sua atenção, nesta conjuntura, a dois livros de Gilberto Freyre (mesmo que já possuísse Aventura e Rotina na edição portuguesa, pedia a brasileira), à Antologia de poetas da fase colonial, de Sérgio Buarque de Holanda56, ao n.º 38 da revista Anhembi, que trazia a segunda parte do artigo de Henrique Galvão sobre o regime político português57 e á três números do boletim editado pela FFCL-USP, História da Civilização Brasileira58, que muito apreciou (referia-se especificamente a tese de doutorado de Mafalda Zemella acerca do problema do abastecimento nas Minas Gerais setecentista, e outros dois estudos do professor Alfredo Ellis Júnior, sobre economia e produção cafeeira paulista).

50Ou seja, nesse exemplo, Carvalho se deliciava com uma produção editorial cujo conteúdo revelava afinidades temáticas, sejam as que ajudavam a compreender melhor a formação do Brasil e as suas identidades e diferenças com Portugal, seja as que revelavam escritores portugueses que, a par das perseguições políticas que o Estado Novo de Salazar lhes movia (casos de Henrique Galvão e de António Sérgio), representavam, no caso deste último, o que de melhor se fazia em Portugal de ensaísmo filosófico.

51Tais perspectivas se confirmam no comentário de Joaquim de Carvalho a outros quatro livros, estes ofertas enviadas pelo então professor assistente de Cruz Costa, Linneu de Camargo Schültzer. O leitor mostra-se arrebatado por dois autores que, de modos distintos, buscaram pensar o Brasil a partir de São Paulo: Antônio de Alcântara Machado e Paulo Prado. Os contos de Alcântara Machado (1901-1935) em Braz, Bexiga e Barra Funda, centrados na vida dos imigrantes italianos instalados naqueles bairros da capital paulista, despertou reflexões sobre as diferenciações da língua portuguesa falada no Brasil. Por sua vez, os méritos literários e historiográficos de Paulo Prado (1869-1943), o mecenas da semana de Arte Moderna de 1922, foram exaltados a partir dos ensaios de Paulística Etc, livro anterior a Retrato do Brasil - Ensaio sobre a Tristeza, que Carvalho já havia recebido em 1953.

  • 59 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 15/9/54, fl. 1.
  • 60 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 4/6/57, fl. 1.

52Ainda do grupo da USP, outro autor bem apreciado pelo Mestre de Coimbra foi o professor Antônio Cândido, ex-aluno de Ciências Sociais da FFCL (1942), depois professor assistente de Fernando Azevedo e então docente de literatura brasileira na instituição (1945-1958). Em 5 de setembro de 1954, sobre um texto deste, comentou a Cruz Costa sua vontade de receber mais: “Gostei muito do ensaio do Antonio [sic] Cândido. Abriu-me o apetite – ou antes, a gula – de mais; será possível59?”. Note-se que, três anos depois, o crítico literário continuava no seu rol de leituras apreciadas. Em 1957, Carvalho encomendava a Livraria Teixeira o livro Ficção e Confissão, pois só possuía artigos “e não um livro” daquele “cujos juizos, sempre densos e mtas [sic] vezes originais, dão sempre q [sic] pensar60.”

  • 61 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 25/9/57, fl. 1.

53Mas o volume de livros intercambiados não passou despercebido aos censores. Sob o permanente risco das interceptações policiais, que não deixaram de ocorrer ao longo da correspondência, Joaquim de Carvalho e Cruz Costa cogitavam essa hipótese sempre que algum impresso atrasava ou mesmo não chegava ao seu destino. Assim foi com a demora do livro de Caio Prado Júnior, História Econômica do Brasil, em 1954, com algumas revistas Manchete com marcas de manuseio, ou quando chegavam pacotes devassados. Em 25 de setembro de 1957, Carvalho acusava o recebimento com atraso de uma remessa e informava ao amigo: “Venho agradecer-lhe as Manchetes e a Anhembi, que chegou incólume, apesar dos outros pacotes que de ai recebi terem sido abertos e vasculhados61...”.

  • 62 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 16/8/56, fl. 2.

54Para os livros proibidos ou mais sujeitos à censura, cuidados adicionais eram adotados, como o envio avulso, para chamar menos atenção e não comprometer o pacote. Foi assim com o exemplar de Fátima, de Tomás da Fonseca, publicado pela editora Germinal, no Rio de Janeiro. Em uma lista de livros, no ano de 1956, Carvalho destacou a seguinte observação: “suponho que seja proibido cá, deve vir separadamente62”.

  • 63 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 5/6/55, fl. 1 (frente e verso).
  • 64 Questão desenvolvida em Débora Dias, « A "fome de livros" de um investigador português em diálogo c (...)

55O envio permanente de pedidos avulsos e listas de livros confirma que o interesse não arrefeceu com o passar dos anos. Ao contrário, avançou e, em conexão com a evolução da própria vida de Carvalho, se apurou. Prova os termos do acerto de contas com a Livraria Teixeira em 1955, de onde ressalta a necessidade que, crescentemente, o professor de Coimbra sentia em garantir a aquisição “do maior número de volumes”, que eram escolhidos por ele à luz da intenção de acumular “instrumentos de trabalho” sobre a cultura brasileira63. Até 1958, confirma-se este seu empenhamento bibliográfico, inquietação contínua que faz com que não seja arrojado supor que, subjacente a ela, estava uma urgência aquisitiva em boa parte movida pelo desejo de ganhar tempo a fim de poder concretizar projetos editoriais e de pesquisa que tinha em mente – seja os que foram avivados pela sua viagem de 1953, seja os sugeridos a partir desta experiência64.

56Considerações finais

  • 65 Diná Araújo e Alcenir dos Reis chamam atenção que, apesar do livro ser o objeto central da bibliofi (...)
  • 66 Walter Benjamin, Passagens, tradução de Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão, Belo Horizonte, (...)
  • 67 John Carter, Taste & technique in book-collecting: a study of recent developments in Great Britain (...)
  • 68 Compartilhamos da ideia de que não há “uma bibliofilia”, mas “diversas manifestações do colecionism (...)
  • 69 Ver ainda William Henry Bond, «Book collecting», em William Benton, Enciclopaedia Britânica, Chicag (...)

57No mundo das coleções, o livro (e os demais objetos de registro da palavra e da imagem correlatos65) possui um estatuto de distinção. Como observou Walter Benjamin, há singularidades que o distingue de outros objetos de colecionismo, seja um selo, botão ou xícara: o colecionador de livros não necessariamente desvincula seus tesouros de seu contexto funcional66. Por outro lado, sabemos que há casos em que o critério de raridade, tal como sistematizado em John Carter67 (que incluem fatores como escassez, fama, conservação, originalidade, desejo dos pares ou do mercado), é o guia de um tipo de Bibliofilia68, compreendida no conjunto de manifestações do colecionismo bibliográfico69. Perspectiva que nos permite alargar a acepção adotada por Rubens Borba de Moraes para a definição de biblioteca Brasiliana, assim como perceber quando o livro é tesouro, objeto de amor e por vezes obsessão do colecionador, mesmo enquanto vinculado a sua função informativa, reflexiva, editorial.

  • 70 Nicholas A. Basbanes, A Gentle Madness, New York, Henry Holt & Company, 1995.
  • 71 A biblioteca de Henâni Cidade, que inclui um núcleo de Brasil, foi doada para a Biblioteca Municipa (...)

58Para o caso português, observou-se um aumento de interesse pelo livro brasileiro, e a consequente formação de bibliotecas, não somente motivado por grandes bibliófilos (na acepção de Basbanes70), guiados pelo objetivo de formar uma coleção Brasiliana de obras raras, mas compondo um ambiente de interesse variado pelas produções bibliográficas da ex-colônia, que incluía a literatura, mas também os estudos e pesquisas em diferentes áreas do conhecimento, cuja procura se associava também ao surgimento de cursos universitários e iniciativas acadêmicas (como na FLUL e no IEB-Coimbra) interessados em temas e autores brasileiros. Como também a produção bibliográfica brasileira esteve presente em projetos de Estado dos dois lados do Atlântico, interessados no alargamento das relações culturais luso-brasileiras, com motivações que foram se alterando em função das conjunturas. No entanto, em Portugal, há coleções que se formaram à margem destas políticas oficiais, e chegaram a integrar planos de investigação, de edição, de formação e de intercâmbio entre diferentes quadrantes culturais e políticos (como na “atualizadíssima” Brasiliana instalada na casa de João José Cochofel, centro da convivialidade intelectual dos neorrealistas de Coimbra; ou na coleção de Hernâni Cidade, um outro acadêmico que muito contactou com o Brasil71).

59Em diálogo com todos esses exemplos, podemos enquadrar o caso da Brasiliana de Joaquim de Carvalho, que nunca deixou de ser um bibliófilo. No entanto, trata-se de uma coleção com motivações diferentes das vistas em Brasilianas como a de Guita e José Mindlin, ou a do banqueiro Olavo Setúbal, porque esteve sempre comandada pela vocação de investigador e até de editor do seu organizador.

60Sabemos que o professor português leu com avidez a produção intelectual brasileira e quis conhecer abordagens originais, em particular, aquelas que vinham da sociologia, antropologia, literatura e da história. Esta multidisciplinaridade, somada às fontes que adquiria, provocou o crescimento galopante de uma Brasiliana (com mais de dois mil volumes) não limitada ao impresso literário, porque foi pensada para ser suporte de investigações brasílicas e de revisão do já escrito em termos mais comparativistas, função do aprofundamento dos seus saberes, principalmente acerca do Brasil-Colônia e do Brasil-Império.

61A análise dos modos de seleção, aquisição e envio dos livros brasileiros para a biblioteca de Carvalho, possível por fontes epistolares e por sua preservação física hoje, revela ainda a existência de uma espécie de “República luso-brasileira das letras” que, através do correio, e cimentada por afinidades múltiplas, intercambiou livros, participou em iniciativas e sonhou com projetos comuns. Esta heterogênea teia comunicativa com universitários, scholars, editores, livreiros (que envolve nomes como João Cruz Costa, Jacobina Lacombe, Gilberto Freyre, Paulo Duarte, Amaro Quintas, Florestan Fernandes), sugere ainda os seus contornos de alternativa ao intercâmbio oficial entre os dois países.

  • 72 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 12/4/54, fl. 2.

62Daí que seja igualmente certo que, na Brasiliana como nas demais temáticas que povoaram as estantes da grande biblioteca de Carvalho com mais de 20 mil livros, esteve igualmente presente, em coexistência com as preocupações científicas, um forte impulso bibliófilo de vocação enciclopédica e movido por uma insaciável necessidade vital que ele próprio caracterizou assim: “careço de estar cercado dos livros que me encham a existência72”.

Haut de page

Notes

1 Rubens Borba de Moraes, O Bibliófilo Aprendiz. Prosa de um velho colecionador para ser lida por quem gosta de livros, mas pode também servir de pequeno guia aos que desejam formar uma coleção de obras raras, antigas ou modernas, Lisboa, Letra Livre, 2011, p. 175. (1ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965). Para Moraes, entre os fatores que justificam essa procura, estavam o desenvolvimento cultural e material do Brasil, o aumento da curiosidade e interesse pelo país no estrangeiro, o crescimento do número de colecionadores em geral.

2 Débora Dias, «A "fome de livros" de um investigador português em diálogo com o Brasil: a biblioteca e os intercâmbios editoriais de Joaquim de Carvalho (1928-1958)», História (São Paulo), vol. 36, 2017, p. 8.

3 Patrícia de Jesus Palma, «The brazilian book market in Portugal in the second half of the nineteenth century and the paradigm change in luso-brazilian cultural relations», Em Ana Cláudia Suriani Silva e Sandra Guardini Vasconcelos (orgs.), Books and periodicals in Brazil, 1768-1930, a transatlantic perspective, Oxford, Legenda, 2014, p. 215-229.

4 Laurence Hallewell, O Livro no Brasil: sua História, São Paulo, Edusp, 2005, p. 263.

5 Débora Dias, Rotas de livreiros e seus Almanaques: intercâmbios luso-brasileiros nos circuitos do impresso, Lisboa, 2011.

6 Sobre a expansão oitocentista da circulação cultural entre Brasil e Portugal e suas problemáticas em círculos letrados, ver ainda Sébastien Rozeaux, «Les fondations fragiles d’un espace littéraire transatlantique. Les lettres brésiliennes dans le Dicionário bibliográfico português d’Inocêncio Francisco da Silva (1858-1883)», Cultura, vol. 34, 2015, p. 197-221.

7 Nuno Miguel Ribeiro Medeiros, «Influência e contrainfluência na inversão do poder tipográfico entre Portugal e o Brasil. Narrativa e atividade nos editores portugueses», História, 2011, vol. 30, n.º 2, p. 179-195.

8 Ibid.

9 Carlos Reis, Textos Teóricos do Neo-Realismo Português, Lisboa, Seara Nova, Editorial Comunicações, 1981; Maria Aparecida Ribeiro, «Contribuição para uma bibliografia sobre o neo-realismo e as literaturas de língua portuguesa», Máthesis, n° 2, 1993, p. 243-271.

10 Luísa Duarte Santos, «Com Portinari, no Tejo: a presença do pintor do Povo Brasileiro em Portugal», em Catálogo Cândido Portinari em Portugal, Vila Franca de Xira, Museu do Neorrealismo, 2018.

11 Questão melhor desenvolvida em Débora Dias, «Joaquim de Carvalho e a missão portuguesa no Brasil», em Heloísa Paulo & alli (coord.), Migrações e Exílios no Mundo Contemporâneo, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2020 [no prelo].

12 Cláudia Castelo, O luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961), Porto, Edições Afrontamento, 1998, pp. 69-84. Ver ainda Débora Dias, «Joaquim de Carvalho e a missão portuguesa no Brasil», op. cit.

13 Marçal de Menezes Paredes, Fronteiras Culturais Luso-Brasileiras: Demarcações da história e escalas identitárias (1870-1910), Dissertação de doutoramento em História, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2007.

14 Lúcia Maria Paschoal Guimarães, «A luso-brasilidade e o projecto da revista Atlântida», Cultura – Revista de História e Teoria das Ideias, vol. 26, 2009, p. 51-70.

15 Cf. Nuno Medeiros, O livro no Portugal Contemporâneo, Lisboa, Outro Modo, 2018; Daniel Melo, «Semblanza de António de Sousa Pinto (1901-1987)», em Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes - Portal Editores y Editoriales Iberoamericanos (siglos xix-xxi), 2018.

16 Laurence Hallewell, O Livro no Brasil: sua História, São Paulo, Edusp, 2005, p. 326. Já Wilson Martins insere o papel de Lobato como parte de uma imensa expansão editorial nos anos 1920, embora atenue o papel do escritor e editor paulista face à conjuntura. Wilson Martins, História da inteligência brasileira, São Paulo, Cultrix, 1977, p. 212.

17 A coleção Brasiliana, lançada logo após a Revolução de 1930, foi idealizada por Octalles Marcondes Ferreira, presidente da Companhia Editora Nacional, como a “quinta série” de uma coleção mais ampla, intitulada Biblioteca Pedagógica Brasileira. Ao todo, é composta por 387 volumes, que incluem temáticas de “História à Antropologia, da Ciência Política à Geografia, da Sociologia à Linguística, da Economia às Ciências Naturais, reunindo autores nacionais e estrangeiros que se debruçaram sobre o Brasil”. A íntegra do catálogo e parte das obras podem ser consultadas em rede: www.brasiliana.com.br. Cf. Eliana de Freitas Dutra, «A nação nos livros: a biblioteca ideal na coleção Brasiliana», em Jean-Yves Mollier e Eliana de Freitas Dutra (orgs.), Política, nação e edição. O lugar dos impressos na construção da vida política (Brasil, Europa e Américas nos séculos xviii-xx), São Paulo, Annablume, 2006, p. 299-314.

18 Heloísa Pontes, “Retratos do Brasil: Editores, Editoras e ‘Coleção Brasiliana’ nas Décadas de 30, 40 e 50”, em Sérgio Miceli (org.), História das Ciências Sociais no Brasil, vol. I, São Paulo, Vértice/Idesp, 1989, p. 419-476.

19 Cf. Clara Barata e Luís Miguel Queirós, “Os livros da resistência: livrarias no regime fascista”, Público, Porto, 11/6/1994, Suplemento Leituras, p. 1-4; Livros Proibidos no Estado Novo. Catálogo da exposição realizada na Livraria Parlamentar em abril de 2004, Lisboa, Assembleia da República, 2005.

20 Trechos da entrevista que, em 31 de março de 2014, concedeu a esta investigação na cidade de Lisboa, com informações adicionais e documentos a 31 de janeiro de 2016. Engenheiro florestal, ex-deputado pelo PCP, Victor Louro trabalhou quando jovem na livraria do pai, Victor de Sá.

21 Ibid.

22 Victor de Sá, «(Rascunho de carta a) M.c.A», em Henrique Barreto Nunes, O livreiro Victor de Sá, Braga, Universidade do Minho, 2007, p. 106-109.

23 Ibid., p. 106.

24 Ibid. Grifo não existente no original.

25 Débora Dias, «Do privado ao público: a biblioteca pessoal e suas metamorfoses», CesContexto Debates, nº 23, 2018, p. 57-71.

26 Mário Dionísio, “Uma Pequena Grande História”, em José Cardoso Pires, O anjo ancorado, Lisboa, Dom Quixote, 1998, p.18. Grifo não existente no original. No trecho, o autor refere ao livro Gaibéus (Barcelos, Companhia Editora do Minho, 1939), primeiro romance de Alves Redol, considerada obra que marca a introdução do neorrealismo em Portugal, destacando a influência da circulação do romance regionalista brasileiro, de caráter socializante, com referência a Cacau (Rio de Janeiro, Ariel editorial, 1933), de Jorge Amado.

27 Eduardo Lourenço, «Como vivi a (pequena) história do neo-realismo», Obras Completas, vol. II, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2014, p. 366.

28 Durante o reitorado de Mendes dos Remédios, a “Sala Brasil” foi criada com o objectivo inicial de abrigar livros e reunir todos aqueles que estivessem interessados em desenvolver estudos sobre temáticas brasileiras. Cf. Élio Cantalício Serpa e Heloísa Paulo, «O Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de Coimbra: o lugar do Brasil», História Revista, vol. 18, nº 2, 2013, p. 91-110.

29 “A biblioteca do I.E.B”, Brasília, vol.1, Coimbra, Instituto de Estudos Brasileiros, 1942, p. 751-753.

30 Ibid.

31 Ibid. Ver ainda: Élio Cantalício Serpa e Heloísa Paulo, «O Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de Coimbra: o lugar do Brasil», op. cit.

32 Sobre as relações do regime salazarista com a Universidade, ver Luís Reis Torgal, A universidade e o Estado Novo, Coimbra, Minerva, 1999; Lúcia Maria Paschoal Guimarães (org.), Afinidades Atlânticas: Impasses, Quimeras e Confluências nas Relações Luso-Brasileiras, Rio de Janeiro, Quartet, 2009.

33 Esta referência a Rubens Borba de Moraes foi desenvolvida por Marisa Midori Daecto, «Duas “Brasilianas”», Livro, Revista do Núcleo de Estudos do Livro e da Edição, vol. 1, 2011, p. 39-49.

34 Rubens Borba de Moraes, op.cit., p. 176.

35 Termo caracterizado na Instrução Normativa n.º 01/2007 do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). De acordo com a Instrução, uma biblioteca pode receber a designação de Brasiliana quando o seu acervo é constituído por livros sobre o Brasil – no todo ou em parte, impressos ou gravados desde o século xvi até o final do século xix – e os livros de autores brasileiros, impressos ou gravados no estrangeiro até 1808. Já a designação de “biblioteca Brasiliense” está reservada aos acervos de livros impressos no Brasil desde 1808 e que tenham valor bibliófilo. Cf. [em rede: http://portal.iphan.gov.br/files/Instrucao_Normativa_Negociantes_012007.pdf.]

36 A Brasiliana Itaú, nos seus alargamentos temáticos, é vista por Marisa Midori Daecto, «Duas “Brasilianas”», op.cit., p. 47.

37 Débora Dias, «Do privado ao público: a biblioteca pessoal e suas metamorfoses», op. cit.

38 Biblioteca Nacional de Portugal (BN), Acervo Jaime Cortesão, Carta de Joaquim de Carvalho a Jaime Cortesão, São Paulo, 27/4/1953, fl.1-3 (frente e verso).

39 Otávio Tarquínio de Sousa, A vida de D. Pedro I, 3 vols, Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1952.

40 Arquivo Histórico Municipal da Figueira da Foz (AHMFF), Carta de Joaquim de Carvalho a Irene Montezuma de Carvalho, São Paulo, 1/7/1953, fl. 1.

41 Centro de Apoio à Pesquisa Histórica "Sérgio Buarque de Holanda" (CAPH-USP), Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 22/9/53, fl.2 (verso). Sublinhado no original.

42 Sobre o tema, ver Débora Dias, «Joaquim de Carvalho e a missão portuguesa no Brasil», em Heloísa Paulo & alli (coord.), Migrações e Exílios no Mundo Contemporâneo, op. cit.

43 Por aplicação do Ato Institucional n.º 5, durante a ditadura civil-militar brasileira, Florestan Fernandes foi aposentado compulsoriamente. Durante o período de repressão política no Brasil, foi professor em universidades estrangeiras, nos Estados Unidos e Canadá. De retorno ao Brasil em fins de 1972, ingressou na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde se tornou professor emérito em 1978. Entre os diversos prêmios e homenagens que recebeu, Florestan Fernandes foi o primeiro Doutor Honoris Causa em Sociologia da Universidade de Coimbra, em solenidade realizada em 1990.

44 O francês Jean Maugüe foi professor e chefe da cadeira de Psicologia do curso de Filosofia da FFCL-USP entre 1935 e 1944.

45 Cf. Hebe C. Boa-Viagem A. Costa, «Resgatando a memória dos pioneiros: João Cruz Costa», Boletim da Academia Paulista de Psicologia, ano xxviii, n.º 2, 2008, p. 149-157.

46 Licenciado em Ciências Histórico-Filosóficas (1951) e em Direito (1957) na Universidade de Lisboa, participou da oposição democrática ao salazarismo. Cofundador do Partido Socialista (PS), foi primeiro ministro de Portugal (1976-1978; 1983-1985), presidente da república portuguesa (1986-1996) e secretário-geral do PS (1973-1986).

47 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 2/11/52, fl. 2.

48 Na lista de pedidos, está o livro de José Maria Belo, História da República (Rio de Janeiro, Organização Simões, 1952), além dos títulos da coleção Cadernos de Cultura, editados pelo Ministério da Educação (Rio de Janeiro): Manuel Diégues Júnior, Etnias e culturas no Brasil (1952); Octávio Tarquínio de Sousa, De varias províncias; Alexandre Passos, A imprensa no período colonial; João Neves da Fontoura, Poeira das palavras; Rosario Fusco, Introdução à experiência estética. CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 15/8/1953, fl. 1.

49 O professor de Coimbra solicitava a aquisição dos seguintes livros, citados conforme sua indicação: Basílio Magalhães, Expansão Geográfica do Brasil Colonial; Djacir Meneses, O outro Nordeste; Raymundo Morais, Na planície Amazônica; Ronald Pierrou, todas as obras, Nina Rodrigues, todas as obras; Carlos Borges Schmidt, O meio rural; Antônio de Alcântara Machado, Bras, Bexiga e Barra Funda e Laranja da China; Paulo Prado, Paulística; Azevedo Amaral, Ensaios Brasileiros; Pedro Calmon, Espírito da Sociedade Colonial, Alfredo Ellis Júnior, Os primeiros troncos paulistas, O bandeirismo paulista, O récuo do Meridiano; Monteiro Lobato, Urupês; Bezerra de Freitas, Fontes de Cultura Brasileira; Carlos Duarte de Moraes, Tristão de Athayde e outros; Limeira Tejo, Retrato sincero do Brasil; Wilson Martins, Introdução à democracia brasileira; J. P. Coelho de Sousa, O sentido e o espírito da revolução farroupilha; Darcy Azambuja, No galpão; J. Simões Lopes Neto, Contos Gauchos e lendas do sul; Ernesto Vinhais, Aventuras de um repórter; Padre Antônio Fernandes, Missionários jesuítas no Brasil do tempo de Pombal; Thomas Rourke, Gomez, tirano dos Andes; Luís da Câmara Cascudo, Vaqueiros e Cantadores; Érico Veríssimo, Gato preto em campo de neve.

50 Arquivo Familiar Joaquim de Carvalho (AFJC), Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 3/12/53, fl. 1.

51 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 23/10/53, fl. 1 (frente e verso).

52 AFJC, Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 13/8/1954, fl. 2.

53 AFJC, Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 3/12/53, fl. 1.

54 AFJC, Carta de João Cruz Costa a Joaquim de Carvalho, São Paulo, 8/10/53, fl. 2. Sebo, no Brasil, equivale a alfarrabista, em Portugal.

55 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 18/2/54, fl. 1 (frente e verso).

56 Trata-se do livro Antologia de poetas brasileiros na fase colonial, por Sérgio Buarque de Holanda, com revisão crítica por Aurélio Buarque de Holanda (Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro/Ministério da Educação, 1952).

57 Cf. Anhembi, ano IV, n.º 38, vol. XIII, 1954.

58 O professor de Coimbra refere-se aos números 11, 12 e 13 do boletim editado pela FFCL-USP, respectivamente com os temas e autores: Economia paulista no século XVIII: o ciclo do muar, o ciclo do açúcar (São Paulo, FFCL, 1950), por Alfredo Ellis Júnior; O abastecimento da Capitania das Minas Gerais no século XVIII (São Paulo, FFCL, 1951), por Mafalda P. Zemella; O café e a paulistânia (São Paulo, FFCL, 1951), por Alfredo Ellis Júnior.

59 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 15/9/54, fl. 1.

60 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 4/6/57, fl. 1.

61 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 25/9/57, fl. 1.

62 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Figueira da Foz, 16/8/56, fl. 2.

63 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 5/6/55, fl. 1 (frente e verso).

64 Questão desenvolvida em Débora Dias, « A "fome de livros" de um investigador português em diálogo com o Brasil: a biblioteca e os intercâmbios editoriais de Joaquim de Carvalho (1928-1958)», História (São Paulo), vol. 36, 2017, p. 14-19. Destaque-se que a maior participação de autores e temas brasileiros na Revista Filosófica, que Carvalho dirigia em Coimbra, foi somente um dos projetos vindos do aprofundamento do seu contato com livros e autores brasileiros nos anos 1950. Assim demonstram as 11 recensões de autores brasileiros que publicou de 1952 a 1957, por exemplo. Enquanto diretor da coleção Biblioteca Filosófica, da editora Atlântida de Coimbra, e de publicações “a mando” da Universidade, Carvalho também podia mais facilmente propor traduções e edições portuguesas de autores brasileiros. No outro sentido, com Edgard Cavalheiro e João Cruz Costa, avançou com o projeto de uma Biblioteca Filosófica no Brasil, pela Editora Globo (Porto Alegre), que por circunstâncias diversas não veio a lume. Outro exemplo pouco referido são as sucessivas reedições da sua tradução da Ética, de Espinosa, na coleção brasileira Os Pensadores (São Paulo, Editora Abril), a partir dos anos 1970.

65 Diná Araújo e Alcenir dos Reis chamam atenção que, apesar do livro ser o objeto central da bibliofilia, ela volta-se a uma diversidade de objetos de registro da palavra e da imagem produzidas no contexto da cultura libraria, numa gama de manifestações materiais e conceituais dos suportes de registros do conhecimento. Cf. Diná Marques Pereira Araújo e Alcenir Soares dos Reis, «Bibliografias setecentistas e os conceitos de livro raro», Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, 2017, p. 169.

66 Walter Benjamin, Passagens, tradução de Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão, Belo Horizonte, Editora UFMG, 2006, p. 241. Reflexão que Pomian desenvolve em torno do conceito de semióforo, objetos que não têm utilidade no sentido preciso, mas que são dotados de significado, o invisível (como um selo no álbum do filatelista). O livro pode ser, ao mesmo tempo, “coisa” (no sentido da sua utilidade, como em prestar uma informação, por exemplo, ou contribuir para a reflexão sobre determinado tema) e semióforo em uma biblioteca (seja mesmo em conexão com os outros objetos da coleção ou em relação aos valores de bibliofilia, por exemplo), numa dualidade complexa. Cf. Krzysztof Pomian, «Colecção», Tradução Suzana Ferreira Borges, em Enciclopédia Einaudi, vol. 1, Memória-História, Porto, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984, p. 72.

67 John Carter, Taste & technique in book-collecting: a study of recent developments in Great Britain and the United States, Cambridge, University Press, 1948.

68 Compartilhamos da ideia de que não há “uma bibliofilia”, mas “diversas manifestações do colecionismo bibliográfico com características e desdobramentos próprios de cada cultura”, como visto em Diná Marques Pereira Araújo e Alcenir Soares dos Reis, «Bibliografias setecentistas e os conceitos de livro raro», op. cit.

69 Ver ainda William Henry Bond, «Book collecting», em William Benton, Enciclopaedia Britânica, Chicago, Encyclopaedia Britanica, vol.3, 1965, p. 933-937.

70 Nicholas A. Basbanes, A Gentle Madness, New York, Henry Holt & Company, 1995.

71 A biblioteca de Henâni Cidade, que inclui um núcleo de Brasil, foi doada para a Biblioteca Municipal de Redondo (cidade natal do professor), onde encontra-se em sala própria e aguarda ser estudada.

72 CAPH-USP, Carta de Joaquim de Carvalho a João Cruz Costa, Coimbra, 12/4/54, fl. 2.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Débora Dias, « O Brasil como Brasiliana: uma biblioteca portuguesa e sua “república luso-brasileira das letras” em meados do século xx », Les Cahiers de Framespa [En ligne], 33 | 2020, mis en ligne le 27 janvier 2020, consulté le 03 avril 2020. URL : http://journals.openedition.org/framespa/7083 ; DOI : https://doi.org/10.4000/framespa.7083

Haut de page

Auteur

Débora Dias

Débora Dias est chercheuse au sein du Centro de Humanidades (CHAM-FCSH) de l’Université Nova de Lisboa, et docteure en histoire contemporaine de l’Université de Coimbra. deboradm@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les Cahiers de Framespa sont mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Les Cahiers de Framespa
  • Logo France, Amériques, Espagne – Sociétés, pouvoirs, acteurs
  • Logo Université Toulouse – Jean Jaurès
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals