Navigation – Plan du site
Le « Brésil littéraire » vu de l’étranger – perspectives transnationales (de 1822 à nos jours)

Divulgar o Brasil civilizado. O uso da imprensa e a divulgação da literatura como meios de remodelar a imagem do Brasil na França (1883-1901)

Promouvoir le Brésil civilisé. L’usage de la presse et la diffusion de la littérature pour remodeler l’image du Brésil en France (1883-1901)
Divulgar el Brasil civilizado. El uso de la prensa y la divulgación de la literatura como medios de remodelar la imagen del Brasil en Francia (1883-1901)
Promoting Civilized Brazil. The Uses of the Press and the Dissemination of Literature to Shape Brazil’s image in France (1883-1901) 
Tanize Costa

Résumés

À l’opposé du stéréotype du « Brésil exotique », circulant dans bien des publications françaises de la fin du xixe siècle, les propagandistes du Brésil – parmi lesquels, le comte du Barral et José de Santa-Anna Nery – cherchent à promouvoir une image moderne et civilisée de leur pays. Parmi les stratégies convoquées, l’usage de la presse est remarquable, car elle permet d’informer sur l’histoire, l’actualité et la culture brésiliennes. La littérature brésilienne est aussi un recours important pour diffuser une représentation positive du Brésil en France. À travers l’analyse de la Revue du Monde Latin, cet article permet de mettre en lumière les pratiques mises en œuvre par ces médiateurs culturels afin de déconstruire les images considérées comme erronées du Brésil, récurrentes dans la presse française à la fin du xixe siècle.

Haut de page

Texte intégral

Veux-tu manger [au Brésil] un bifteck ou une simple côtelette ? Tu fais tuer un bœuf, – J’en ai dix mille […] Quand tu es repu, tes gens jettent le reste aux chiens sauvages ou aux jacarés de la rivière. […]

Te faut-il un concert ? Écoute la merveilleuse symphonie, orchestrée au milieu de la forêt par cet artiste qui s’appelle la nature.

Veux-tu des bijoux, de l’or ou des meubles précieux ? Les mines et les grands bois ont de quoi suffire aux exigences du monde entier.

  • 1 Louis Boussenard, « De Paris au Brésil par terre. Chapitre III », Journal des voyages, t. 14, n° 34 (...)

Veux-tu désirer et réaliser tout, y compris l’impossible ? Essaye et je crois que tu réussiras1.

  • 2 A partir desse ponto a revista será mencionada pela abreviação RDML.
  • 3 Sébastien Rozeaux, La genèse d’un “grand monument national” : littérature et milieu littéraire au b (...)

1No trecho acima, do romance de aventuras De Paris au Brésil par terre, um riquíssimo agricultor francês estabelecido no Brasil escreve a seu sobrinho tentando convencê-lo a mudar-se para o Brasil. Para tal efeito, ele compara a vida parisiense, tão apreciada pelo sobrinho, àquela que se pode viver no Brasil. Embora pareçam exageradamente positivos, os argumentos apresentados correspondem a uma imagem desse país bem estabelecida na imprensa francesa do fim do século xix : o « Brasil exótico ». Analisando o percurso da Revue du Monde Latin2 (1883-1901), o presente artigo examinará as estratégias usadas pelos propagandistas do Brasil conde de Barral e sobretudo José de Santa-Anna Nery para desconstruir esse estereótipo e estabelecer, em oposição, uma imagem do país como moderno e civilizado ; esforço similar àquele feito, desde os anos 1840, por outros propagandistas do Brasil na França3.

  • 4 São estabelecidas três imagens principais do país nesta imprensa : « Brasil exótico », « Brasil lat (...)
  • 5 Sébastien Rozeaux, op. cit.
  • 6 Jean de Paris, « Nouvelles diverses », Le Figaro, 22/12/1894, p. 2 ; D’un correspondant, « La crise (...)

2Classificamos como « Brasil exótico » a imagem do país presente nos textos folhetinescos da imprensa francesa de fins do século xix. Essa representação o caracteriza como um Éden infernal. Ou seja, portador de uma natureza rica, exuberante, repleta de perigos desconhecidos, com um clima penoso e habitado por povos inaptos, quiça cruéis. Um território à espera de exploradores civilizados4. Tal imagem é construída por meio do vocabulário usado – adjetivos e substantivos positivos evocam o país, assim como termos negativos são comumente usados para descrever essa natureza como desagradável, tediosa, opressora –, da evocação recorrente de temas como a dificuldade da exploração da natureza, assim como a beleza e riqueza desta. Esse último tema também faz parte dos argumentos do movimento romântico no Brasil, o qual, porém, rejeita a imagem de exotismo ligada ao país5. Essa imagem existe desde o primeiro encontro dos Europeus com o Novo Mundo. Porém, no final do século xix, a exuberância natural dos trópicos passa a ser ligada a sua potencialidade econômica. As ideologias do nacionalismo e colonialismo exercem um papel central na inclusão dessa visão utilitária. Pois, se de um lado, a natureza brasileira é descrita pela imprensa francesa como muito rica, de outro, a sua população é tida como incapaz de explorá-la. Logo, esse território precisa de ser habitado por povos mais capazes. De fato, entre os tipos brasileiros presentes nos textos folhetinescos se encontra o « rico plantador », sinônimo de Brasileiro6. A riqueza deste é vista como o resultado óbvio de viver numa terra tão abundante. Contrariamente, os franceses dos relatos folhetinescos se enriquecem no Brasil por meio da arte, do comércio, de investimentos e da exploração da natureza em áreas pioneiras.

  • 7 Alain Vaillant, « Écrire pour raconter », dans Dominique Kalifa, Philippe Régnier, Marie-Ève Théren (...)
  • 8 Anne-Claude Ambroise-Rendu et al, « Présentation », Le Temps des médias, 2010/1, n° 14, p. 5-11. UR (...)

3Categorizamos como registros folhetinescos tanto relatos fictícios (romances de aventuras, folhetins, publicidades) quanto informativos (relatos de viagem, fait-divers). Embora diferentes entre si, esses registros são reagrupados pois todos usam o léxico, códigos, escrita e clichés da literatura. Na segunda metade do século xix, há um processo de ficcionalização da imprensa; o diálogo entre literatura e jornalismo cria representações romanceadas do mundo. O limite entre o real e o fictício se torna menos claro ; e o público mesmo demanda a narração de todos os temas7. Ademais, a mistura de gêneros é recíproca : a literatura também se inspira do jornalismo. Tal processo tem como objetivo e resultado falar à sensibilidade do público e suscitar-lhe a emoção8.

  • 9 Ana Cristina Borges López Francisco, «De sinhá de engenho à dama da corte: a condessa de Barral, pr (...)
  • 10 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, O último propagandista do Império: O «barão» de Santa-Anna Ne (...)

4São esses diferentes registros que constroem a representação do « Brasil exótico ». Imagem que Barral e Nery buscam desconstruir. Filho de Eugène de Barral (4o marquês de Montferrat) e Luísa Barros Portugal (marquesa de Barral, dama de companhia da imperatriz do Brasil), o conde Horace Dominique de Barral nasce em Salvador em 1854. Dois anos depois, muda-se com sua mãe para a Corte, pois ela se torna preceptora das princesas imperiais. Após o casamento destas, em 1864, a família volta para a França, onde o conde de Barral se estabelece. Ocasionalmente, ele volta ao Brasil, para seu casamento com Maria Francisca de Paranaguá em 18839. Frederico José de Santa-Anna Nery, nascido em Belém do Pará, é herdeiro de uma abastada família amazonense. Após iniciar seus estudos no Brasil, muda-se para a França, onde vive a maior parte de sua vida como jornalista, correspondente de jornais brasileiros e propagandista do Brasil10.

  • 11 Sébastien Rozeaux, « L’acclimatation du “Romantisme” au Brésil : La genèse des Letras Pátrias » in (...)
  • 12 O uso da escrita da história para o benefício de um ou mais grupos é uma prática bastante comum. Es (...)

5Para promover a imagem que creem ser a « verdadeira » do país, esses mediadores usam diversas estratégias : diplomacia, realização de exposições e conferências sobre o Brasil no exterior, criação de sociedades e instituições de propaganda. Além de buscar difundir a cultura e literatura nacionais – a nascente escola romântica, evocando as Letras Pátrias, é símbolo desta empreitada11. Eles se inserem na antiga prática comum aos intelectuais brasileiros: buscar construir uma identidade nacional, desfazendo imagens negativas do país12. Embora as estratégias empregadas por Barral e Nery se estendam por muitos anos, este artigo se concentra no período de existência da RDML, 1883-1901. Pois, desde a sua fundação, ambos ocupam cargos importantes na revista. Entre 1885 e 1888, Santa-Anna Nery é seu redator-chefe. Em novembro de 1888 o conde de Barral assume a direção da revista; posto que ocupa até 1893. No comando da revista, esses homens de letras oferecem ao tema « Brasil » um peso importante, sobretudo através do convite feito a outros brasileiros para aí escreverem.

  • 13 Nicolas Berjoan, « L’idée latine du Félibrige : Enjeux, boires et déboires d’une politique étrangèr (...)
  • 14 Roger Barthe, L’idée latine, Toulouse, Institut d’études occitanes, 1951.
  • 15 Carta de Charles Tourtoulon a F. Mistral datada 30/09/1882, apud Marie José Ferreira dos Santos, «  (...)
  • 16 Sébastien Rozeaux, « Frederico José de Santa Anna Nery (1848-1901) e a Revue du monde latin », Semi (...)
  • 17 Michel Laymarie, « Introduction : La belle époque des revues ? », dans Jacqueline Pluet-Despatin, M (...)

6A RDML é um prolongamento do Félibrige, movimento que visa restituir o provençal como língua literária13. Da associação com os catalães nasce a ideia da união dos povos latinos (ao qual são incluídos todos os países da América latina) em torno da cultura e dos interesses que compartilham, sobretudo face as ameaças do pangermanismo. Membro ativo do Félibrige, Charles de Tourtoulon se instala em Paris, contacta diplomatas e escritores de diversas nações e funda a RDML em 188314, como instrumento de difusão das ideias latinas – seu objetivo não se apresenta como sendo de natureza política, mas cultural e utópico15. A RDML provavelmente gozou de um alcance restrito, dado que o conceito de latinidade é marginal na França à época. Seu caráter conservador – monarquista e católico – também não favorecia seu crescimento na França republicana16. Contudo, o estudo dessa publicação é importante. Pois, apesar das tiragens modestas, as revistas representam poder simbólico em uma sociedade que vive sob o reino da palavra escrita. Elas são, por excelência, o lugar do debate e da manifestação política17. Além disso, a RDML goza de uma relativa longevidade e através dela a elite brasileira em Paris pôde afirmar sua consciência nacional, expressando suas ideias sobre o Brasil para os franceses e testemunhando sua identificação com a França. De fato, os brasileiros aí presentes buscam construir uma imagem do país aberto ao progresso, aos investimentos estrangeiros e, sobretudo, à emigração europeia ; com uma sociedade pacífica, estável e democrática – longe da danificada imagem associada à escravidão.

  • 18 Anna Coelho, Santa-Anna Nery : um propagandista “voluntário” da Amazônia (1883-1901), Dissertação, (...)

7Polímata nas letras, a trajetória política de Nery era ambígua. Apesar de fervoroso monarquista e católico (assim como Barral) ele estabelece laços com republicanos18 e, na RDML, seu discurso busca estabelecer uma imagem moderna do Brasil. Para tanto, informa sobre o Brasil, suas peculiaridades econômicas, sociais e culturais. São esses esforços que iremos analisar a seguir.

1. Estratégias jornalísticas para criar um « Brasil civilizado »

  • 19 Conde de Barral, « Le Brésil à l’Exposition de 1889 », RDML, t. 19, 01/11/1889, p. 349-350.

Il circulait encore, à notre égard, en 1867, écrit avec raison M. Nery, de vieilles histoires qui nous reléguaient au rang de certains insulaires fort peu avancés en civilisation. Malgré de savants travaux publiés sur quelques-unes de nos régions et sur différents productions de nos contrées, nous demeurions aussi inconnus que méconnus… On ne connaissait guère du Brésil que le Brésilien d’opérettes, la fièvre jaune et les serpents à sonnette19.

  • 20 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 81.

8Barral afirma no trecho acima que os esteriótipos do exotismo circulando na França perdiam espaço graças aos esforços de Nery que, sem falsa modéstia, se apresenta como um dos maiores propagandistas do império. Após anos de estudos na França, Nery conclui seu doutorado em Direito na Itália, onde se torna amigo de Léon Gambetta e do padre Hyacinthe Loyson. Os três unem-se na luta contra o dogma da infalibilidade papal e na defesa da liberdade religiosa em cada Estado. A defesa neryana dos movimentos nacionais se estabelece então. Inicialmente, Nery entende como países latinos a Itália, a Espanha e sobretudo a França – nem Portugal é citado nos primeiros textos20. Apenas após a crise religiosa no Brasil e a fundação da RDML que sua concepção de latinidade passa a incluir a América. A revista defende a latinidade com base na ideia de civilização, opondo-se, pois à tradição germânica, para a qual civilização corresponde a raça. A essa oposição Nery acrescenta a cultura anglo-saxônica, dada a ameaça do imperialismo norte-americano na América.

  • 21 Nery foi correspondente em Paris do Jornal do Commercio do Rio de Janeiro entre 1874 e 1901. Criou (...)
  • 22 Entre outros, escrevem na revista os homens de letras e políticos brasileiros João Manuel Pereira (...)

9Muitos são os meios usados por Barral e Nery para subverter a imagem do « Brasil exótico », entre os quais destaca-se o uso da imprensa, haja vista a fundação de várias publicações de propaganda na França21. Embora não tenha sido criada com essa intenção, pode-se aí incluir a RDML. Pois, como iremos observar, ela foi assim utilizada por Barral e Nery. Ocupando cargos na direção da revista, eles convidam Brasileiros para escrever sobre o país22, aumentando a representação deste na revista.

  • 23 Franklin Dória, barão de Loreto (1836-1906), foi presidente de diversas províncias e ocupou alguns (...)
  • 24 Franklin Doria, « Les Cortès Constituantes de la Nation portugaise et l’Indépendance du Brésil – 18 (...)

10Através da instrução sobre o Brasil, a RDML promove uma imagem positiva do país. Franklin Dória23, por exemplo, é convidado para escrever sobre a história do seu processo de independência. Em seu texto, ele destaca como as tentativas das Cortes portuguesas de aumentar o controle colonial impulsionam, no Brasil, a vitoriosa luta pela independência24. Dória destaca o papel do deputado brasileiro presente nas Cortes, visconde de Pedra Branca, cuja biografia é a fonte principal da sua análise.

  • 25 « Chronique », RDML, t. 3, 25/08/1884, p. 512.
  • 26 Ibid., t. 4, 25/10/1884, p. 270-272.
  • 27 Conselheiro Pereira da Silva, « Un jésuite – Le père Antonio Vieira », RDML, t. 2, 25/03/1884, p. 3 (...)
  • 28 Diana Gonçalves Vidal, « Em defesa da imagem do Brasil no exterior : Frederico José de Santa-Anna N (...)

11Apresentar importantes figuras nacionais é outra estratégia para tornar o Brasil conhecido. O próprio Nery é saudado quando recebe o título de Cavaleiro da Legião de Honra da França25, assim como Monsenhor Pinto de Campos tem sua tradução da Divina Comédia de Dante exaltada26. Entre as personalidades expostas há portugueses que contribuíram para a modernização do Brasil. É o caso do padre Antônio Vieira, cujo empenho em manter no Brasil a cultura lusa e trabalho para a modernização das cortes portuguesas e do império brasileiro é destacado27. Em oposição, a revista é omissa quanto à influência controversa dos Jesuítas e do Marquês de Pombal e, sobretudo, quanto à escravidão. Segundo Vidal, tal estruturação polarizada dos argumentos é intencional. Ela contribui para compor um personagem pleno : o Estado monárquico28.

  • 29 Essa associação promove congressos anualmente em diferentes capitais europeias. Nestes defende a ca (...)
  • 30 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 25.
  • 31 Sébastien Rozeaux, « La mobilisation transatlantique des hommes de lettres en faveur de la reconnai (...)
  • 32 Sébastien Rozeaux, « Un homme de lettres brésilien à Paris : Frederico José de Santa-Anna Nery (184 (...)

12O destaque dado aos portugueses revela a vontade de religar a história do Brasil ao melhor da história lusa. Considerada parte da cultura latina, a herança portuguesa é apurada e apresentada a partir de suas expressões culturais. Estas, por sua vez, são qualificadas de ricas e benéficas à formação do Brasil. Vice-presidente da Association Littéraire et Artistique Internationale29 (onde é representante do Brasil), Nery se empenha para que seu 3° congresso  ocorra em Lisboa, em celebração ao tricentenário da morte de Camões (em 188030). Para os brasileiros e portugueses da dita associação, esta é a ocasião para denunciar o descaso das leis brasileiras com a propriedade intelectual – no país não há proteção contra traduções piratas, nem contra a publicação de clássicos portugueses. Eles argumentam que tal deficiência dificulta a entrada no mercado editorial de jovens escritores brasileiros31. Nery, por sua vez, já havia proferido uma célebre conferência sobre a literatura na qual destacava Camões; que resultou no livro Camões et son siècle, publicado em 187932. Tais atitudes conferem a Portugal, à língua portuguesa e, por consequência, ao Brasil, a relevância cultural que lhes havia sido negada inicialmente pelos latinistas franceses.

  • 33 « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, 25/10/1883, p. 254-263.

13O esforço de incluir Portugal entre os países latinos, porém, não impede a revista de usar o passado colonial como explicação ao parco progresso brasileiro (comparado à situação dos Estados Unidos). Argumenta-se que o Brasil foi construído separado do mundo e sem possibilidade de tomar posse de seu território e de suas populações aborígenes. Logo, quando se torna independente, ele não possui instituições liberais33.

  • 34 Por exemplo, a revista comemora a criação de mais um jornal francês, Sud-Américain, no Brasil. É ta (...)
  • 35 As ideias de Schœlcher teriam guiado a abolição no Ceará. Segundo Spont, os intelectuais franceses (...)
  • 36 Descrevendo as intensas lutas pela independência, destaca-se a participação de um francês como líde (...)
  • 37 S.-A. Nery, « Perante a estátua de Alexandre Dumas », RDML, 25/11/1883, p. 377-383.

14Mais importante do que incluir a herança lusa no conceito de país latino foi o destaque à filiação cultural do Brasil com a latinidade considerada original. Nesse sentido, destaca-se a difusão das literaturas italiana e, sobretudo, francesa no Brasil. Barral afirma o lugar de referência da cultura francesa quando se orgulha da circulação dos representantes desta (objetos e mediadores) no Brasil34; onde a influência sobre o desenvolvimento político é tida como grande – sobre a abolição da escravatura35 e nas lutas pela independência36. Nery é explícito quando relata seu descobrimento, ainda menino, dos Três Mosqueteiros de Dumas na biblioteca do pai. Seu encantamento com essa cultura foi imediato e eterno. Ele afirma que, assim como ele, a maioria dos brasileiros que vão à Paris buscam educar-se na fonte da cultura latina que tanto admiram. A literatura francesa – difundida no Brasil também pelo teatro e pelos jovens brasileiros estudando na França – exibe o prestígio moral e civilizador francês e serve como instrumento de propaganda do país e de seus produtos. Ela é, nesse sentido, muito importante para o comércio internacional. Pois, apesar de pouco envolvida com o Brasil – a França não envia imigrantes (como a Itália e a Alemanha), nem investe massivamente no país (como a Inglaterra) –, um vantajoso comércio existe entre os dois países. Este só é possível graças à força da cultura francesa no Brasil. Como afirma Nery, « La France confinée sur le continent sème l’idée37 » ; autores como Victor Hugo e os dois Dumas

  • 38 Idem.

sont des ouvriers du progrès latin dans le monde, ils apportent la bonne nouvelle de la liberté et de l’idéal aux peuples assis à l’ombre des palmiers, ils fusionnent l’âme de la France dans l’âme de la jeune Amérique, resserrant les liens entre les nations venues du même sang, les unissant par la grande fraternité de la pensée38.

  • 39 Maria José Ferreira dos Santos, op. cit., p. 87.

15Esse texto indica a lógica por trás do afã de Nery pela propaganda do Brasil na França. Divulgar a cultura brasileira tornaria o país e seus produtos conhecidos e atraentes para os franceses. Tal desejo impulsiona Nery a fundar, em 1886, a Société Internationale d’Études Brésiliennes – órgão de propaganda que promove exposições de produtos brasileiros, possui um centro cultural e oferece cursos de português39. Porém, tal projeto teve vida curta. Nery continua seus esforços e, enquanto é redator-chefe da RDML (1885-1888), aumenta a presença do Brasil na publicação. O número de reportagens sobre o país aumenta significativamente neste período, como vê-se no gráfico abaixo.

Fig. 1

Fig. 1

Número de notícias sobre o Brasil na RDML por ano

  • 40 Exortando sobre a impossibilidade dos países agirem isoladamente na atual economia, Nery explicita (...)
  • 41 Após destacar as eleições tranquilas, o Conde de Barral fala de novos empréstimos feitos a Londres (...)
  • 42 O uso do empréstimo supracitado é futuramente elogiado como eficaz no controle da inflação. Conde d (...)

16Tais números são melhor compreendidos se comparados à presença do Brasil em outra revista da época. Enquanto o Brasil é tratado por 102 artigos na RDML no período de 9 anos (1885-1893) em que Nery e Barral aí ocupam cargos de destaque; em 50 anos (1830-1880), a Revue des Deux Mondes redige apenas 40 artigos sobre o Brasil. De fato, na RDML, são constantes as notícias sobre a atualidade brasileira, as vantagens econômicas oferecidas à França40, a credibilidade internacional41 e a saúde econômica42. Diferentemente da imagem de exotismo, tais reportagens não associam a natureza do Brasil à riqueza sem esforço ; elas focalizam as possibilidades econômicas e os valores movimentados nos portos brasileiros. A ênfase na influência do capital e de nacionais de outras potências (Inglaterra, Alemanha e Itália) busca incentivar o interesse francês. Dado o contexto redacional, em que muitos textos ressaltam a falta de braços no Brasil, é evidente que esta fala também almeja motivar a emigração francesa.

  • 43 F.-J. de Santa Anna Nery, Le Brésil en 1889, Paris, Librairie Charles Delagrave, 1889.
  • 44 F.-J. de Santa Anna Nery, Le Pays des Amazones, l’El-dorado, les terres a Caoutchouc, Paris, L. Fri (...)
  • 45 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 169-181 ; Sébastien Rozeaux, op. cit., 2018.

17Para Nery, o desenvolvimento econômico brasileiro depende da maior imigração europeia (tanto do rico negociante, como do pobre imigrante). E ele não mede esforços para promovê-la ; em especial no Amazonas, onde ele nasceu. Ele é membro do Comité franco-brésilien pour l’émigration universelle de Paris, da Sociedade Central de Imigração (onde foi o representante do Brasil em Paris) e é membro fundador da Sociedade Paraense de Imigração (1885). Além do mencionado uso dos escritos jornalísticos, ele também expressa esse anseio em seus livros (em especial Le Brésil43 e Le Pays des Amazones44), afirmando ser a emigração benéfica também à Europa. Ao primeiro livro, escrito para a Exposição Universal de Paris (1889), Nery acrescenta o Guide de l’émigrant, destinado aos Europeus interessados em mudar-se para o Brasil. Neste, Nery destaca as razões para emigrar : o Brasil é um país sem preconceitos, imenso, que possui vários climas e é carente de mão-de-obra. O país também tem uma promissora indústria, uma próspera agricultura, além de oferecer liberdade jurídica aos imigrantes45.

  • 46 Conde de Barral et S. A.-N, RDML, t. 9, 25/06/1886, p. 234-238.
  • 47 Conde de Barral, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 7, 25/11/1885, p. 391-398
  • 48 Ibid., t. 11, 25/01/1887, p. 108-121.
  • 49 Ibid., t. 12, 25/05/1887, p. 103-113.
  • 50 Para Barral a afirmativa do Rappel « prouve une fois de plus combien nous sommes ignorants en Franc (...)
  • 51 Editado pela primeira vez em 7 de setembro de 1881, Le Brésil : courrier de l’Amérique du Sud resum (...)
  • 52 « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 3, 25/06/1884, p. 246-252.
  • 53 Afirmando que esse é mais um passo em direção ao progresso pacífico da abolição ; mesmo que conduzi (...)
  • 54 Ibid., t. 13, 25/10/1887, p. 784-792 ; Ibid., t. 13, 25/11/1887, p. 916-925 ; Ibid., t. 14, 25/04/1 (...)
  • 55 « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 2, 25/03/1884, p. 377-392.

18Outro meio de apresentar o Brasil é divulgar seu cotidiano político. No Boletim mensal sobre a política e diplomacia, Barral louva os avanços diplomáticos do Brasil (a recusa por soluções belicosas46 e a assinatura de um tratado que resolve as disputas com a Argentina pelo território das Missões, por exemplo47) e a política imperial (tida como única capaz de garantir a unidade territorial48 e o regime democrático, pois oferece plena liberdade à imprensa49). Ele critica o Rappel, que havia questionado o compromisso do imperador com a abolição. Para Barral, tal dúvida prova a ignorância francesa e a má vontade da sua imprensa em conhecer o cotidiano brasileiro, pois publica-se em Paris um jornal elucidando as principais questões brasileiras50 : Le Brésil (Nery é o redator-chefe deste por um ano51). Ele também destaca os avanços sociopolíticos brasileiros, sobretudo quanto à abolição da escravatura. Ele felicita a abolição total em Manaus52, analisa o projeto abolicionista conhecido como lei dos sexagenários53 e detalha os avanços legislativos com relação à abolição54. O foco nas leis abolicionistas distancia o Brasil do seu esteriótipo de atrasado. O país se torna livre da abominável instituição da escravidão, tendo sido a abolição feita sem guerras, nem crises na economia. A organização de banquetes parisienses celebrando a abolição da escravatura endossa a imagem de civilização – Nery participa do comitê de organização destes. A RDML destaca a influência de intelectuais franceses para tal vitória – sobretudo Schœlcher – e o caminho do futuro sendo construído pelo Brasil através dessas leis55.

19A estratégia de apresentar o cotidiano político brasileiro sob seu melhor perfil busca dar ao país uma imagem de civilizado, com exemplifica o trecho abaixo :

  • 56 Conde de Barral, « Politique et Diplomatie, Bulletin mensuel », RDML, t. 14, 25/04/1888, p. 515-526

La légende du Sud américain irascible, qui jouait du couteau plus facilement qu’une coquette ne joue de l’éventail, tend à avoir le sort de toutes les légendes, c’est-à-dire à disparaître. Le type n’aura bientôt plus d’autre représentant que le Brésilien de la Vie parisienne, et personne ne s’en plaindra assurément56.

  • 57 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 203.
  • 58 S. A.-N., Henri Thurat, « Livres et revues », RDML, t. 8, 25/03/1886, p. 378-384 ; Ibid., t. 10, 25 (...)
  • 59 Ibid., t. 9, 25/06/1886, p. 239-251 ; Ibid., t. 10, 25/10/1886, p. 254.
  • 60 D. de B., « Livres et Revues. I. Livres », RDML, t. 11, 25/03/1887, p. 375-381.
  • 61 S. A. N., Henri Thurat, « Livres et revues », RDML, t. 8, 25/03/1886, p. 378-384.
  • 62 Ibid.

20Além de uma história remarcável, da herança latina lusa e da ligação à latinidade francesa, o Brasil apresentado pela RDML dispõe de uma economia diversa e de uma monarquia avançada. Outro meio mobilizado para fortalecer essa imagem é a associação do país à ciência. Em 1883, Nery torna-se representante do Brasil e membro do comitê executivo da recém-inaugurada Sociedad Latino Américana em Paris, além de ser nomeado membro da Comissão Central de Imigração na França. Membro da Sociedade Brasileira de Geografia, Nery a representa no Congrès International de Géographie de Paris, em 1889. Em 1891, é empossado sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil57. A RDML também divulga revistas científicas brasileiras, sempre acompanhadas de uma detalhada resenha : Revista do Observatório do Rio58, Boletim da Sociedade de Geographia do Rio-de-Janeiro59 e Archivos do Museu Nacional do Rio-de-Janeiro60. Tais estratégias almejam claramente estabelecer uma imagem civilizada do Brasil; o que é corroborado pelo léxico usado, que destaca os progressos e descobertas feitos no país. Ademais, o imperador (motivador dessas instituições) é descrito como « amigo do progresso61 » e o Brasil como « farol que trará a luz ao restante do continente62 ».

  • 63 Heloísa Barbury, « O Brasil vai a Paris em 1889 : um lugar na Exposição Universal », Anais do Museu (...)
  • 64 Frederico José de Santa-Anna Nery, op. cit., 1889a.

21Na comemoração do centenário da Revolução Francesa, a monarquia brasileira não participa oficialmente da Exposição Universal de Paris em 1889. Mas o imperador contribui pessoalmente com o financiamento do Comité franco-brésilien. Este foi criado e dirigido por Nery e objetivou organizar a participação do Brasil na dita Exposição63. Além de comissário do Brasil, Nery dirige a edição do supra citado livro de propaganda : Le Brésil en 188964.

  • 65 Tanize Costa, op. cit.
  • 66 Como exposto na nota 4.

22A imprensa se revela um importante meio para combater a imagem de exotismo. Por meio do aumento da representação do Brasil na RDML, pode-se instruir sobre sua história, personalidades, atualidades econômicas e políticas. Muda-se também a imagem da cultura lusa e liga-se o Brasil à tradição francesa. A associação do país à ciência e ao trabalho livre contribui à transformação da imagem deste. O real efeito de tais práticas é difícil de ser medido e dada a baixa circulação da RDML é prudente supor que tenham sido restritos. Ao certo, elas não conseguiram desassociar completamente o Brasil do exotismo65. Contudo, outras representações do país se desenvolvam na imprensa francesa no fim do século xix66. Ademais, tais estratégias revelam os anseios das elites brasileiras em Paris, seu desejo de transformar a representação da mãe-pátria. Tais medidas também confirmam o lugar de destaque que esses indivíduos desfrutavam nos círculos intelectuais de Paris. Eles exploraram, igualmente, outra estratégia para fortalecer a imagem do Brasil como civilizado : a divulgação da literatura brasileira na França, como veremos a seguir.

2. Divulgação da literatura brasileira e o Brasil civilizado

23Brochuras de exposições das quais o Brasil participa, transcrições de comunicações em congressos e livros sobre o país (publicados em geral na França e em francês; escritos por brasileiros ou franceses) são bastante anunciadas na RDML. Informam-se o autor, a editora, a cidade de edição, onde comprar e, comumente, trazem uma resenha do material divulgado. Embora esses anúncios não sejam garantia de que todas essas publicações tenham alcançado o hexágono, eles revelam o desejo de editores, autores e jornalistas brasileiros de ver circular na França livros brasileiros (ou tratando do país).

24A tabela abaixo detalha esses volumes. Das 25 publicações anunciadas, apenas 6 não são editadas na França ou em francês (5 no Brasil, em português, e 1 na Itália, em italiano). A maior parte desses textos trata de assuntos econômicos, políticos, históricos, mas também examina os costumes, a língua e a literatura nacional.

Tabela de livros divulgados pela RDML

Livros

Livro

Autor

Língua

País

A phase adventicia no Brasil

José de Silva Costa

Português

Brasil

Agricultura Nacional. Estudos Econômicos

André Rebouças

Português

Brasil

L’Yara – Conte Fantastique de Para (Tal conto é publicado em francês com tradução de Santa-Anna Nery na RDML)

Carneiro Vilella

Português

Brasil

O bispo do Para e a Missão em Roma

Barão de Penedo

Português

Brasil

Pequena História do Brasil

Dr Joaquim Maria de Lacerda

Português

Brasil

Le Pays des Amazones

Santa-Anna Nery

Francês

França

L’El-Dorado

Santa-Anna Nery

Francês

França

Les Terres à caoutchouc

Santa-Anna Nery

Francês

França

Rio-de-Janeiro

Émile Allain

Francês

França

Voyage au Rio-Branco, aux Montagnes de la Lune et au Haut Trombetta

H. O. Coudreau

Francês

França

Cartes Commerciales : Brésil : 1er Bassin de l’Amazone

F. Bianconi e A. Marc

Francês

França

Le café du Brésil à l’exposition industrielle de Marseille

M. F. E. Anget

Francês

França

Notice générale sur la session parlementaire de 1884

Bron d’Ourem

Francês

França

Notice sur l’Hydrologue et la Climatologie du Brésil

Dr A. D'Azambuja

Francês

França

Le Brésil et l’Association douanière américaine

Gabriel Fermé

Francês

França

Tableau du résumé des richesses de l’Empire du Brésil

J. de Saldanha da Gama

Francês e Português

França

Les Français en Guyane

Jules Gros

Francês

França

Les Français en Amazonie

Henri Coudreau

Francês

França

Les voyages de Sarah Bernhardt en Amérique

Marie Colombier

Francês

França

Législation sur les brevets d’invention dans l’Amérique latine

Traduçao de Jules Géraud

Francês

França

Folklore brésilien

Santa-Anna Nery

Francês

França

Dom Pedro II, empereur du Brésil

B. Mossé

Francês

França

Le Brésil en 1889

Santa-Anna Nery (dir.)

Francês

França

Le Brésil, Excursions à travers ses vingt provinces

Alfred Marc

Francês

França

L’Italia al Brasile, lettera a un diputado del Parlamento italiano

Santa-Anna Nery

Italiano

Itália

Revista do Observatório

Não informado

Português

Brasil

Archivos do Museu Nacional do Rio-de-Janeiro

Ladislas Neto

Português

Brasil

  • 67 Frederico José de Santa-Anna Nery, Un Poète du xix siècle : Gonçalves Dias, Paris, s. e., 1875.
  • 68 Frederico José de Santa-Anna Nery, Lettres sur le Brésil : réponse au Times (1880), Paris, A. Hennu (...)
  • 69 Frederico José de Santa-Anna Nery, La question du café. Le café du Brésil au Palais de l’Industrie, (...)
  • 70 Frederico José de Santa-Anna Nery, Combat naval de Riachuelo. Tableau militaire de Victor Meirelles(...)
  • 71 Como exemplo pode-se citar a versão em italiano : Il paese delle Amazzoni (Gênova, 1900) e em inglê (...)
  • 72 Frederico José de Santa-Anna Nery, op. cit., 1889a.
  • 73 Frederico José de Santa-Anna Nery, Folk-lore Brésilien – Poésie populaire- Contes et Legendes- Fabl (...)
  • 74 Luis Pereira, João Simões Lopes Neto. O pensador social e a educação : breve estudo sobre a conferê (...)
  • 75 Antonio Alexandre Bispo, « F. -J. de Santa-Anna Nery (1848-1901). Estudos culturais amazônicos e es (...)

25A divulgação desses livros se alinha às estratégias listadas ao revelarem um país rico culturalmente. Nery publica livros sobre autores e discussões literárias : Un Poète du xix siècle : Gonçalves Dias67, Lettres sur le Brésil : réponse au Times68, La question du café69 e La Bataille du Riachuelo70. Seus livros Le Pays des Amazones, l’El-Dorado, les Terres à caoutchouc – traduzido em várias línguas71 –, Le Brésil en 188972 e Folklore brésilien73 obtêm certa notoriedade. A primeira obra apresenta uma compilação de poemas do poeta que Nery considera, como tantos homens de letras contemporâneos, como o primeiro grande poeta romântico brasileiro. As obras de Nery sobre folclore brasileiro são importante parte da bibliografia etnológica e musicológica do século xix referentes ao Brasil74. Com prefácio do Príncipe Roland Bonaparte (reconhecido por seus conhecimentos antropológicos), Folk-Lore brésilien analisa a poesia, música, danças e crenças indígenas e inclui 12 peças musicais75. Le pays des Amazones é considerado o tratado inaugural do estudo do folclore brasileiro na Europa. Tal obra marca a imagem do Amazonas na Europa à época, estando inserida na série Bibliothèque des Deux-Mondes. Rica em ilustrações e mapas, ela tem introduções do Barão de Hübner e de Émile Levasseur.

  • 76 Concebida em Paris, em 1878, durante o congresso da Société des Gens de Lettres, essa associação de (...)
  • 77 Instituto formado por intelectuais de diversos países, dedicado ao estudo das tradições populares.
  • 78 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 252.

26Nery também é membro de associações literárias. Em 1878, no Congresso Literário Internacional (por ocasião da Exposição Universal de Paris) ele participa da fundação da Association Littéraire et Artistique Internationale76, quando é nomeado membro do Comitê Executivo e representante do Brasil. No ano seguinte torna-se vice-presidente e promove o Congrès Littéraire International, atividade pela qual é condecorado pelo Ministro da Instrução Pública da França, Jules Ferry, com o título de Oficial da Academia. Nesse período realiza eventos comemorativos do tricentenário de Camões e publica Camões et son siècle. Em 1882, ele faz uma conferência sobre a literatura brasileira na sede da Association internationale des Professeurs em Paris. Ele é um dos membros fundadores da Société des traditions Populaires em Paris (1888). Ademais, em 1890, ele se torna sócio correspondente de Letras na Academia das Ciências de Lisboa. Barral, por sua vez, profere uma conferência sobre a poesia popular no Brasil no Institut Rudy77 em Paris em 188578.

  • 79 Ver, por exemplo : F. P. B., « Livres », RDML, t. 12, 25/06/1887. p. 256 ; M. le comte de Barral, « (...)

27O léxico usado na divulgação dos livros brasileiros (ou sobre o Brasil) evoca a ideia de civilização associando o Brasil à imigração, aos projetos de desenvolvimento e à Europa. Termos e expressões ressaltam a força do comércio francês no Brasil, as excelentes condições oferecidas pelo país tropical, o futuro próspero deste, além da facilidade de emigrar e de encontrar trabalho no Brasil. O mesmo pode ser dito sobre a ideia de civilização com expressões ligando o país à ciência, aos conhecimentos eruditos, à industria, à exploração agrícola, à democracia, ao progresso e à civilização. Por exemplo, o substantivo « futuro » é usado 14 vezes em reportagens sobre o Brasil79.

  • 80 Advogado e jornalista, Joaquim Carneiro Vilella é um renomado escritor pernambucano, foi membro da (...)

28A RDML também transcreve textos literários brasileiros. Como, em geral, a revista não edita folhetins, a publicação deste material revela a influência da direção de Nery. Analisamos em detalhe o conto de Carneiro Vilella80 L’Yara – Conte Fantastique de Para, traduzido por Nery e publicado em 1886. Ele está incluído no livro de Nery sobre o Folclore brasileiro – o qual também analisaremos. A escolha desses textos se deve a sua capacidade de expor as práticas usadas para reforçar a imagem positiva do Brasil : a convocação de diferentes temas, as estratégias e os recursos literários.

  • 81 Carneiro Vilella, tradução e notas de S. A.-N., « L’Yara – Conte Fantastique de Para », RDML, t. 2, (...)
  • 82 Mirella Izídio, op. cit., p. 15-16.

29Yara81 é inciado por um fait-divers : a morte de um imigrante português afogado em um igarapé amazônico. Tendo se mudado para a Amazônia para fazer fortuna, Januário caracteriza a riqueza e a atração que essa região exerce sobre estrangeiros. Em geral, o autor do conto, Joaquim Vilella, critica os portugueses pela facilidade com que fazem fortuna no Brasil, aproveitando a oportunidade que deveria ser dos brasileiros82. Tal lusofobia – comum na literatura brasileira da primeira metade do século xix –, porém, não ecoa na RDML. Como o discurso da revista incentiva a emigração europeia ao Brasil, a boa recepção oferecida a Januário pelas famílias tradicionais da Amazônia e seu noivado com Raymunda, ao invés de soar como crítica à imigração portuguesa, parece endossar o apelo à emigração da RDML, reforçando ainda a imagem de civilidade do Brasil – confirmada pela exposição da sofisticação social da região.

  • 83 « Enveloppés par les parfums actifs et capiteux des produits de la flore amazonienne, émanations qu (...)

30O comendador, narrador do causo, relata a conversa tida com a noiva do falecido. Ao descrevê-la, Vilella coloca em cena as especificidades brasileiras. Raymunda é um misto de qualidades exóticas e europeias : sensualidade e castidade, beleza e opulência, gentileza e espiritualidade. O primeiro encontro do casal também possui essa mistura. Eles se conheceram no Sírio de Nazaré, estabelecendo uma relação com a sensualidade amazonense83 e a abordagem romântica europeia, posto que o rapaz passa a frequentar a casa da jovem e os dois se tornam noivos. A moça desconfia dos encantos de Yara desde do primeiro relato de seu noivo sobre os cantos ouvidos à beira do igarapé. Para ela, a tragédia é obra de Yara, criatura lendária que seduz os homens com seu canto, levando-os para o fundo do rio. O comendador – homem do sul do Brasil – duvida desta hipótese. O que destaca o embate entre ciência e superstições, criando a imagem de um país que abraça a modernidade, sem abandonar suas tradições. O gênero dos personagens indica qual dos lados é o mais importante.

  • 84 Nada apavora mais as elites do Novo Mundo que « le sentiment d’appartenir à une société improvisée, (...)
  • 85 Anna Coelho, op. cit., p. 23 e 86.
  • 86 Tal amigo lhe relata contos alemães « plus fantastiques encore que ceux d'Hoffmann ». Carneiro Vile (...)

31Para o comendador, tais crenças advêm do pensamento poético dos primitivos face à força da natureza, incompreendida por estes ; mesmo processo que deu origem às lendas europeias. Tal comparação oferece um caráter criativo à lenda de Yara ao mesmo tempo que lhe dá credibilidade, haja vista a semelhança com os relatos d’além-mar quanto à gênese e ao conteúdo. O caráter ancestral do mito é de grande valor para os países novos84. Ao descrever a origem indígena da crença como « fonte de uma poesia original », deve-se considerar o papel central do Índio na literatura brasileira à época. O que é reforçado pela fala da noiva : Yara é parte da tradição local, sendo mais antiga que as lendas europeias. Segundo Ana Coelho, Nery escolhe esse conto (entre outros que compõem seu livro sobre o folclore brasileiro) exatamente porque ele possui versões semelhantes na Europa. Nery afirma, contudo, serem as versões brasileiras mais antigas85. De fato, as evidentes comparações de Yara aos mitos europeus não são ignoradas. O amigo alemão de Januário cita Walkyrias e sylphides86. A comparação direta com os mitos anglo-germânicos e a afirmação de maior ancestralidade dos mitos amazônicos valorizam a cultura tropical. Em oposição à descrença do noivo português e do amigo alemão, no fim, é a desatenção de Januário às recomendações de Raymunda e de sua mãe que provoca a morte do rapaz. Finalmente, Vilella dá razão às duas mulheres brasileiras, ao Brasil e á sua mitologia.

  • 87 Conde de Puymaigre, « Variétés – Folklore brésilien », RDML, t. 17, 01/03/1889, p. 380-384.
  • 88 Escrito por Clemens Brentano, figura central do nacionalismo alemão do século xix. Ele se lança no (...)
  • 89 Primeiro grande historiador da literatura brasileira, Romero valoriza o folclore – obras poéticas, (...)

32O livro de Nery sobre o folclore brasileiro (crenças, usos, superstições e literatura popular), divulgado pela RDML87, também explora tais comparações. Nery evoca o mito da mistura das três raças que dão origem ao Brasil – Portugueses, Africanos e Índios, além das invasões efêmeras de Franceses, Holandeses e Espanhóis –, afirmando serem os romances populares portugueses (transmitidos oralmente) semelhantes aos franceses. Porém, algumas dessas estórias são mais ricas no Brasil. O que, por um lado, une a tradição portuguesa à latinidade e, por outro, valoriza a tradição oral brasileira. Ao explorar as tradições indígenas (poesias, músicas e danças), Nery não esconde sua intenção de qualificar a cultura brasileira como antiga. Ele reafirma a ancestralidade de mitos como o de Yara – existem « desde tempos imemoriais » – e os compara à produção alemã, quando afirma que a lenda de Odine data apenas de 1801, ano de publicação do clássico do romantismo alemão Godwi88. Nery também emprega a estratégia de descrever a especificidade brasileira pela mistura aborígene e europeia ao falar do sincretismo religioso : mistura de crenças cristãs e superstições indígenas. Ele concilia assim os ideais do romantismo (exaltação da inocência do índio como valor nacional) àqueles da ciência, para quem as tradições populares são sobrevivências milenares de uma mesma humanidade, gozando de diferentes graus de progresso. Destinado ao público em geral, a resenha da RDML torce para que a publicação seja bem sucedida na França, o que incentivaria Nery a escrever mais sobre a « poésie narrative brésilienne et sur le romanceiro de Sylvio Romero89 ».

  • 90 Anna Coelho, op. cit., p. 96.

33Nery oferece aos Europeus o que estes esperam dos trópicos : o pitoresco. Tal atributo, porém, é inserido na imagem da Amazônia de progresso – como comprova sua erudição. Para ele, as duas imagens se complementam, « pois a floresta atrairia os imigrantes para a tão sonhada modernidade90 ». A publicidade de livros brasileiros (ou sobre o Brasil) editados na França, o ingresso e a criação de associações literárias, assim como a escrita de livros e a transcrição de trechos de obras brasileiras nas páginas da RDML estão entre as estratégias empregadas por Nery e Barral para estabelecer e difundir a imagem do Brasil civilizado. Ao empregar tais práticas, eles valorizam e divulgam as produções culturais brasileiras ; a saber, parte de sua literatura e folclore.

34Conclusão

  • 91 Em novembro de 1885, Tourtolon sai da direção da RDML, ocupada então por Nery. Ele confia a Mistral (...)

35A análise apresenta os vários recursos convocados pelo conde de Barral e por Santa-Anna Nery para desconstruir o estereótipo do « Brasil exótico » e associar o país ao progresso e à viabilidade econômica. Ao focalizarem seus esforços na imprensa, os dois brasileiros desviam a direção editorial RDML – voltada, inicialmente, para a promoção da latinidade –, tornando-a, de certa forma, um órgão de propaganda do « Brasil civilizado91 ». A publicação de livros, a participação e criação de associações literárias e a divulgação da literatura brasileira na França mostram-se estratégias centrais para o estabelecimento da representação desejada do Brasil. Os escritos sobre o Brasil, entre eles encontram-se obras de ficção, funcionam como instrumentos de propaganda. Os elogios abertos aos livros – « magnifique livre », « splendide volume », « véritable document », « études complètes et substantielles », « honneurs du pays », « excellents », « avec brio » – e aos autores – « impartial », « véridique », « esprit sagace et ouvert », « talent », « clairvoyance » – confirmam a relevância dessa estratégia.

  • 92 O ano de 1896 é tido como o último ano da revista por Santos. Porém, a Bibliothèque Nationale de Fr (...)

36No entanto, tais práticas letradas parecem ter um alcance limitado. Após a saída de Nery e Barral da direção da RDML, a quantidade de notícias sobre o Brasil (e mesmo a extensão destas) diminui. Nos quatro anos que Nery foi redator-chefe da revista são publicadas um total de 67 notícias sobre o país. Nos anos seguintes a presença do Brasil é cada vez menor ; sendo o país completamente ausente de 1895 até o fim da revista em 190192. O que coincide com a saída de Barral da direção da revista em 1893. Claramente, o interesse da RDML pelo Brasil dependia da presença destes homens de letras brasileiros.

  • 93 « Le Brésil », L’Autorité, 08/07/1890, p. 2-3 ; « À travers Paris », Le Figaro, 20/06/1882, p. 1 ; (...)

37O desaparecimento do Brasil nas colunas da RDML não significa porém que Nery desistiu de sua função de mediador da cultura brasileira na França. De fato, ele é convidado por diversos órgãos da imprensa francesa para discursar e « explicar » o país para a França, como exemplificam as suas publicações nos jornais L’Autorité, Le Figaro, Le Journal, Journal des economistes, Le Matin, Le Pays, Revue de géographie ou Le Temps93. Até sua morte em 1901, Nery continuou sendo um ator importante da paisagem mediática francesa em tudo o que tinha a ver com o Brasil.

Haut de page

Notes

1 Louis Boussenard, « De Paris au Brésil par terre. Chapitre III », Journal des voyages, t. 14, n° 349, 1884, p. 163-166.

2 A partir desse ponto a revista será mencionada pela abreviação RDML.

3 Sébastien Rozeaux, La genèse d’un “grand monument national” : littérature et milieu littéraire au brésil à l’époque impériale (1822-1880), Thèse, Université Charles de Gaulle – Lille III, 2012, 2 volumes.

4 São estabelecidas três imagens principais do país nesta imprensa : « Brasil exótico », « Brasil latino » e « Brasil em movimento ». Os dois últimos são explorados principalmente pelos relatos analíticos e pelos telegramas, no meu trabalho de doutorado : Tanize Costa, Le Brésil de papier. Les représentations du Brésil dans la presse française (1874-1899), Thèse, Université Paris 1 – Panthéon Sorbonne, 2018.

5 Sébastien Rozeaux, op. cit.

6 Jean de Paris, « Nouvelles diverses », Le Figaro, 22/12/1894, p. 2 ; D’un correspondant, « La crise au Brésil », Le Matin, 22/08/1885, p. 2 ; « À travers Paris », Le Matin, 22/12/1894, p. 3.

7 Alain Vaillant, « Écrire pour raconter », dans Dominique Kalifa, Philippe Régnier, Marie-Ève Thérenty, Alain Vaillant (dirs.), La civilisation du journal : histoire culturelle et littéraire de la presse française au xixsiècle, Paris, Nouveau Monde, 2011, p. 773-792.

8 Anne-Claude Ambroise-Rendu et al, « Présentation », Le Temps des médias, 2010/1, n° 14, p. 5-11. URL : http://www.cairn.info/revue-le-temps-des-medias-2010-1-page-5.htm

9 Ana Cristina Borges López Francisco, «De sinhá de engenho à dama da corte: a condessa de Barral, preceptora das princesas imperiais brasileiras», Anais do Congresso Internacional de História, 27-29/09/2016, consulta 20/7/2019 URL : http://www.congressohistoriajatai.org/2016/resources/anais/6/1475510314_ARQUIVO_JataiTEXTO.pdf  ; Ana Cristina Borges López Francisco e Maria Celi Chaves Vasconcelos, « Luíza, Isabel e Leopoldina : Uma historia de mulheres, nobreza e educação no Brasil imperial (1856-1864) » Historia da Educação, v. 22, n. 55, 2018, URL : https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/77091/pdf

10 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, O último propagandista do Império: O «barão» de Santa-Anna Nery (1848-1901) e a divulgação do Brasil na Europa, Tese, Universidade de São Paulo, 2013.

11 Sébastien Rozeaux, « L’acclimatation du “Romantisme” au Brésil : La genèse des Letras Pátrias » in Id, op. cit., Université Charles de Gaulle – Lille III, 2012 ; Id, « La revue Minerva Brasiliense (1843-1845) et la fondation des Letras Pátrias au Brésil », Revue d’histoire du xixe siècle, 50, 2015, consulta 7/8/2019 URL : http://journals.openedition.org/rh19/4832

12 O uso da escrita da história para o benefício de um ou mais grupos é uma prática bastante comum. Especialmente para as elites dos países do Novo Mundo que, após as independências, recorrem a essa estratégia para a construção de uma identidade nacional. Michel Bertrand et Laurent Vidal (dirs.), À la redécouverte des Amériques Les voyageurs européens au siècle des indépendances, Toulouse, Presses Universitaires du Mirail, 2002 ; Mario Carelli, Cultures croisées. Histoire des échanges culturels entre la France et le Brésil de la découverte aux temps modernes, Paris, Nathan, 1993 ; Eric Hobsbawm, Nations et Nationalisme depuis 1780, Paris, Ed. Gallimard, 1989 ; Marie-Ève Thérenty, Alain Vaillant (dirs.), Presse, nations et mondialisation au xixe siècle, Paris, Nouveau Monde, 2010.

13 Nicolas Berjoan, « L’idée latine du Félibrige : Enjeux, boires et déboires d’une politique étrangère régionaliste (1870-1890) », Revue d’histoire du xixe siècle [En ligne], 42, 2011, consulta 14/04/2017. URL : http://journals.openedition.org/rh19/4110

14 Roger Barthe, L’idée latine, Toulouse, Institut d’études occitanes, 1951.

15 Carta de Charles Tourtoulon a F. Mistral datada 30/09/1882, apud Marie José Ferreira dos Santos, « La Revue du Monde Latin et le Brésil, 1883-1896 », Cahiers du Brésil Contemporain, 1994, n° 23-24, p. 77-92.

16 Sébastien Rozeaux, « Frederico José de Santa Anna Nery (1848-1901) e a Revue du monde latin », Seminário Geografias latinas ideias e projeções do pan-latinismo entre a Europa e a América (sécs. xix e xx), 30 novembro 2018, ICS, Universidade de Lisboa.

17 Michel Laymarie, « Introduction : La belle époque des revues ? », dans Jacqueline Pluet-Despatin, Michel Laymarie, Jean-Yves Mollier (dirs.) La belle époque des revues, Paris, Édition de L’IMEC, 2002, p. 9-21.

18 Anna Coelho, Santa-Anna Nery : um propagandista “voluntário” da Amazônia (1883-1901), Dissertação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2007, p. 6.

19 Conde de Barral, « Le Brésil à l’Exposition de 1889 », RDML, t. 19, 01/11/1889, p. 349-350.

20 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 81.

21 Nery foi correspondente em Paris do Jornal do Commercio do Rio de Janeiro entre 1874 e 1901. Criou diversas publicações na França para divulgar informações sobre o Brasil. Em 1881, criou o jornal Le Brésil : courrier de l’Amérique du Sud, onde é redator-chefe. Ele torna-se colaborador do Courrier International a partir de 1882. Entre 1881 e 1883, é redator chefe do jornal La Voix du Brésil. Em 1889, torna-se diretor do jornal L’Amérique e correspondente do L’Événement em Portugal, tratando da chegada da família real ao país. Em 1896, torna-se diretor do novo jornal República. No mesmo ano é lançada a revista de divulgação do país, Revue du Brésil, editada em Paris e publicada em francês, italiano e espanhol. Guy Martinière, « L’émigration guidée par Frederico José de Santa-Anna Nery, homme de lettres brésilien (1848-1901) à l’Exposition universelle de Paris en 1889 » dans Laurent Vidal, Tania De Luca (dirs.), Les Français au Brésil xixe-xxe siècles, Paris, Rivages, 2011, p. 25-44; Marie José Ferreira dos Santos, op cit., p. 81-82.

22 Entre outros, escrevem na revista os homens de letras e políticos brasileiros João Manuel Pereira da Silva (escritor, advogado formado em Paris, de origem portuguesa, vinculado ao Partido Conservador), José Ascenço da Costa (secretário da Legação Imperial em Washington) e F.-A.-D. Trindade (jornalista do Tribuna Popular da Bahia).

23 Franklin Dória, barão de Loreto (1836-1906), foi presidente de diversas províncias e ocupou alguns ministérios. Literato, ele é um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Salvador Moya, Anuário Genealógico Brasileiro, São Paulo, Publicações do Instituto Genealógico Brasileiro, 1941.

24 Franklin Doria, « Les Cortès Constituantes de la Nation portugaise et l’Indépendance du Brésil – 1820-1823 », RDML, t. 13, 25/11/1887, p. 809-826.

25 « Chronique », RDML, t. 3, 25/08/1884, p. 512.

26 Ibid., t. 4, 25/10/1884, p. 270-272.

27 Conselheiro Pereira da Silva, « Un jésuite – Le père Antonio Vieira », RDML, t. 2, 25/03/1884, p. 315-329 ; Ibid., t. 2, 25/04/1884, p. 430-445.

28 Diana Gonçalves Vidal, « Em defesa da imagem do Brasil no exterior : Frederico José de Santa-Anna Nery e a escrita da história da educação no Império », Revista brasileira de história da educação, n. 24, 2010, p. 113-137.

29 Essa associação promove congressos anualmente em diferentes capitais europeias. Nestes defende a causa dos direitos autorais e discute os problemas específicos dos escritores do país sede.

30 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 25.

31 Sébastien Rozeaux, « La mobilisation transatlantique des hommes de lettres en faveur de la reconnaissance du droit d’auteur au Brésil, 1851-1898 », Le Mouvement social, n° 258, 2017, p. 49-66.

32 Sébastien Rozeaux, « Un homme de lettres brésilien à Paris : Frederico José de Santa-Anna Nery (1848-1901) » dans Éden Viana Martin, Nejma Kermele, Maria Elizabeth Chaves de Mello et José Luís Jobim (dirs.), Dialogues France-Brésil. Circulations, représentations, imaginaires, Pau, Presses de l’Université de Pau et des pays de l’Adour, 2018, p. 21-36.

33 « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, 25/10/1883, p. 254-263.

34 Por exemplo, a revista comemora a criação de mais um jornal francês, Sud-Américain, no Brasil. É também publicado um livro relatando as viagens de Sarah Bernhardt à América, inclusive ao Brasil. Conde de Barral, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 7, 25/10/1885, p. 241-250 ; « Revue et Livres », RDML, t. 13, 25/12/1887, p. 1075.

35 As ideias de Schœlcher teriam guiado a abolição no Ceará. Segundo Spont, os intelectuais franceses são os que mais influenciam – pacífica e eficazmente – D. Pedro na luta pelo trabalho livre. « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 2, 25/03/1884, p. 377-392 ; A. Spont, « L’abolition de l’esclavage au Brésil (fin) », RDML, t. 15, 25/08/1888, p. 462-486.

36 Descrevendo as intensas lutas pela independência, destaca-se a participação de um francês como líder de um exército contra Portugal. Franklin Doria, « La guerre d’indépendance au Brésil », RDML, t. 14, 25/02/1888, p. 218-227.

37 S.-A. Nery, « Perante a estátua de Alexandre Dumas », RDML, 25/11/1883, p. 377-383.

38 Idem.

39 Maria José Ferreira dos Santos, op. cit., p. 87.

40 Exortando sobre a impossibilidade dos países agirem isoladamente na atual economia, Nery explicita a situação difícil pela qual passa a economia francesa e expõe, em seguida, os lucros do porto do Rio de Janeiro. Primeiro da América do Sul, os valores que aí circulam são superiores àqueles de vários países na Europa, mesmo que a população do Brasil seja muito menor. Destaca-se os altos valores das importações e a necessidade da França agir contra o crescimento dos concorrentes anglo-germânicos. S. A.-Nery, « Le commerce de Rio-de-Janeiro en 1883 », RDML, t. 2, 25/02/1884, p. 208-225.

41 Após destacar as eleições tranquilas, o Conde de Barral fala de novos empréstimos feitos a Londres com boas condições tendo em vista a garantia oferecida pelas finanças imperiais. Conde de Barral, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 8, 25/04/1886, p. 495-521.

42 O uso do empréstimo supracitado é futuramente elogiado como eficaz no controle da inflação. Conde de Barral et S. A.-N, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 9, 25/05/1886, p. 59-76.

43 F.-J. de Santa Anna Nery, Le Brésil en 1889, Paris, Librairie Charles Delagrave, 1889.

44 F.-J. de Santa Anna Nery, Le Pays des Amazones, l’El-dorado, les terres a Caoutchouc, Paris, L. Frinzine et Cie, 1885.

45 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 169-181 ; Sébastien Rozeaux, op. cit., 2018.

46 Conde de Barral et S. A.-N, RDML, t. 9, 25/06/1886, p. 234-238.

47 Conde de Barral, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 7, 25/11/1885, p. 391-398.

48 Ibid., t. 11, 25/01/1887, p. 108-121.

49 Ibid., t. 12, 25/05/1887, p. 103-113.

50 Para Barral a afirmativa do Rappel « prouve une fois de plus combien nous sommes ignorants en France de tout ce qui se passe en dehors de nos frontières. Nos journalistes n’auraient pourtant pas un grand effort à faire pour se mettre au courant de l’état de la question servile au Brésil. Ils n’auraient qu’à lire un recueil périodique qui se publie à Paris, qui est écrit en français, et dont le siège social est boulevard Montmartre, à deux pas de tous leurs bureaux de rédaction. Ce recueil a pour nom le Brésil. » Ibid., t. 13, 25/09/1887, p. 643-655.

51 Editado pela primeira vez em 7 de setembro de 1881, Le Brésil : courrier de l’Amérique du Sud resume notícias do país e destina-se a jornais franceses, investidores e particulares. João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., 2015.

52 « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 3, 25/06/1884, p. 246-252.

53 Afirmando que esse é mais um passo em direção ao progresso pacífico da abolição ; mesmo que conduzido por conservadores. « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t 4, 25/10/1884, p. 259-269; Ibid., t. 5, 25/03/1885, p. 385-401 ; Ibid., t. 6, 25/08/1885, p. 504-524 ; Conde de Barral, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 7, 25/09/1885, p. 131-138;

54 Ibid., t. 13, 25/10/1887, p. 784-792 ; Ibid., t. 13, 25/11/1887, p. 916-925 ; Ibid., t. 14, 25/04/1888, p. 515-526 ; Ibid., t. 15, 25/06/1888, p. 250-258 ; A. Spont, « L’abolition de l’esclavage au Brésil », RDML, t. 15, 25/07/1888, p. 273-292 ; Ibid., t. 15, 25/08/1888, p. 462-486.

55 « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 2, 25/03/1884, p. 377-392.

56 Conde de Barral, « Politique et Diplomatie, Bulletin mensuel », RDML, t. 14, 25/04/1888, p. 515-526.

57 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 203.

58 S. A.-N., Henri Thurat, « Livres et revues », RDML, t. 8, 25/03/1886, p. 378-384 ; Ibid., t. 10, 25/09/1886, p. 121-125 ; Ibid., t. 10, 25/10/1886, p. 254.

59 Ibid., t. 9, 25/06/1886, p. 239-251 ; Ibid., t. 10, 25/10/1886, p. 254.

60 D. de B., « Livres et Revues. I. Livres », RDML, t. 11, 25/03/1887, p. 375-381.

61 S. A. N., Henri Thurat, « Livres et revues », RDML, t. 8, 25/03/1886, p. 378-384.

62 Ibid.

63 Heloísa Barbury, « O Brasil vai a Paris em 1889 : um lugar na Exposição Universal », Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 4, 1996, p. 211-261.

64 Frederico José de Santa-Anna Nery, op. cit., 1889a.

65 Tanize Costa, op. cit.

66 Como exposto na nota 4.

67 Frederico José de Santa-Anna Nery, Un Poète du xix siècle : Gonçalves Dias, Paris, s. e., 1875.

68 Frederico José de Santa-Anna Nery, Lettres sur le Brésil : réponse au Times (1880), Paris, A. Hennuyer, 1881.

69 Frederico José de Santa-Anna Nery, La question du café. Le café du Brésil au Palais de l’Industrie, Paris, Guillaumin, 1883a.

70 Frederico José de Santa-Anna Nery, Combat naval de Riachuelo. Tableau militaire de Victor Meirelles, Paris, C. Marpon et E. Flammarion, 1883b.

71 Como exemplo pode-se citar a versão em italiano : Il paese delle Amazzoni (Gênova, 1900) e em inglês : The Land of the Amazon (Londres, 1901).

72 Frederico José de Santa-Anna Nery, op. cit., 1889a.

73 Frederico José de Santa-Anna Nery, Folk-lore Brésilien – Poésie populaire- Contes et Legendes- Fables et Mythes Poésie, Musique, Danses et Croyances des Indiens, Paris, Perrin et Cie Librares, 1889b.

74 Luis Pereira, João Simões Lopes Neto. O pensador social e a educação : breve estudo sobre a conferência Educação Cívica, Tese, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014, p. 236.

75 Antonio Alexandre Bispo, « F. -J. de Santa-Anna Nery (1848-1901). Estudos culturais amazônicos e estudos culturais brasileiros na Europa no século XIX », Semana de Música Brasil-Alemanha do Forum de Leichlingen, Leichlingen, Musikschule der Stadt Leichlingen, 1982, consulta : 17/07/2019. URL : http://www.akademie-brasil-europa.org/Materiais-abe-84.htm

76 Concebida em Paris, em 1878, durante o congresso da Société des Gens de Lettres, essa associação defende o direito à propriedade intelectual, inclusive internacionalmente. Ao lado de Simões da Fonseca, Nery aí representa o Brasil. Ao longo do tempo, os membros brasileiros excedem em número os dos restantes países da América Latina. O que indica a influência de Nery, vice-presidente da associação entre 1879 e 1880, e o anseio de destacar o país como « pertencente à mais alta linhagem civilizacional, segundo os parâmetros da ‘‘Republica das Letras’’ ». João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 112-116.

77 Instituto formado por intelectuais de diversos países, dedicado ao estudo das tradições populares.

78 João Paulo Jeannine Andrade Carneiro, op. cit., p. 252.

79 Ver, por exemplo : F. P. B., « Livres », RDML, t. 12, 25/06/1887. p. 256 ; M. le comte de Barral, « Politique et diplomatie (Bulletin Mensuel) », RDML, t. 8, 25/03/1886, p. 364-377.

80 Advogado e jornalista, Joaquim Carneiro Vilella é um renomado escritor pernambucano, foi membro da Escola de Recife e membro fundador da Academia Pernambucana de Letras (1891). Mirella Izídio « Trajetória de um folhetinista: Carneiro Vilella, Imprensa e literatura », Anais do SILEL, v. 3, n. 1, 2013, p. 1-20, consulta 20/08/2019. URL : http://www.ileel.ufu.br/anaisdosilel/wp-content/uploads/2014/04/silel2013_729.pdf

81 Carneiro Vilella, tradução e notas de S. A.-N., « L’Yara – Conte Fantastique de Para », RDML, t. 2, 25/10/1886, p. 196-215 ; Ibid., t. 10, 25/11/1886, p. 336-350.

82 Mirella Izídio, op. cit., p. 15-16.

83 « Enveloppés par les parfums actifs et capiteux des produits de la flore amazonienne, émanations qui exaltent le cerveau, et le faisant rêver, et échauffent le cœur, en lui faisant sentir toute chose avec plus de force et battre avec plus de rapidité ». Carneiro Vilella, « L’Yara – Conte Fantastique de Para », RDML, t. 10, 25/10/1886, p. 211.

84 Nada apavora mais as elites do Novo Mundo que « le sentiment d’appartenir à une société improvisée, d’une grande pauvreté culturelle par rapport à l’Europe, sans racines et sans traditions, privée de la consistance et du prestige que confère l’ancienneté. » Gérard Bouchard, Genèse des nations et cultures du Nouveau Monde, Essai d’histoire comparée, Montréal, Les Éditions du Boréal, 2011, p. 22.

85 Anna Coelho, op. cit., p. 23 e 86.

86 Tal amigo lhe relata contos alemães « plus fantastiques encore que ceux d'Hoffmann ». Carneiro Vilella, « L’Yara – Conte Fantastique de Para », RDML, t. 10, 25/11/1886, p. 343.

87 Conde de Puymaigre, « Variétés – Folklore brésilien », RDML, t. 17, 01/03/1889, p. 380-384.

88 Escrito por Clemens Brentano, figura central do nacionalismo alemão do século xix. Ele se lança no projeto de recolher poesias e contos populares alemães junto a Achim von Arnim. Ambos dão origem ao romantismo na Escola de Heidelberg (com Joseph Görres e os irmãos Grimm). Em 1801, Brentano fala da lenda de Lorelei em seu romance Godwi. Charles Rosen, A geração romântica, tradução Eduardo Seincman, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

89 Primeiro grande historiador da literatura brasileira, Romero valoriza o folclore – obras poéticas, lendas e canções de autoria desconhecida. Ele também publica uma coleção de contos populares. Destaca também a importância das revistas literárias no desenvolvimento do Romantismo brasileiro : aquelas servem, junto ao livro, a legitimar esse movimento pois permitem a reflexão dos autores em escala nacional e mesmo internacional. Sílvio Romero, Contos populares do Brazil, Lisboa, Nova livraria internacional, 1883, 2 vols ; Id, História da Literatura Brasileira, Rio de Janeiro, José Olympio, 7a Ed., 1980, 5 vols ; Id, Estudos sobre a poesia popular do Brasil, Petrópolis, Vozes, 1977 (1a Ed. 1888) ; Sébastien Rozeaux, op. cit., 2012, p. 407 et 754.

90 Anna Coelho, op. cit., p. 96.

91 Em novembro de 1885, Tourtolon sai da direção da RDML, ocupada então por Nery. Ele confia a Mistral (criador da Associação Félibrige) sua decepção com o destino da revista, que se tornou um órgão de propaganda para emigração para o Brasil, ao invés de discutir os aspectos necessários à união latina. Roger Barthe, op. cit., p. 17.

92 O ano de 1896 é tido como o último ano da revista por Santos. Porém, a Bibliothèque Nationale de France dispõe de cópias em microficha dessa publicação até o ano de 1901 ; mesmo que ela deixe de ser publicada mensualmente. Marie José Ferreira dos Santos, op. cit., p. 77 ; Catalogue Général de la BNF, consulta 28/08/2019, URL : https://catalogue.bnf.fr/ark:/12148/cb42688085k.

93 « Le Brésil », L’Autorité, 08/07/1890, p. 2-3 ; « À travers Paris », Le Figaro, 20/06/1882, p. 1 ; F. de Santa-Anna Nery, « La folie du prince Dom Pedro », Le Journal, 5/10/1892, p. 2 ; S. A., « Les élections au Brésil », Le Journal, 03/03/1894, p. 2 ; Ad. F. de Fontpertuis, « Comptes-rendus – Le Pays des Amazones », Journal des économistes, 03/03/1894, p. 461-463 ; « Les journaux de ce matin – Premiers-Paris », Le Matin, 06/09/1896, p. 2 ; « Échos et nouvelles », Le Pays, 27/11/1890, p. 2 ; « Supplément – Librairie Ch. Delagrave – Aux États-Unis du Brésil de Théotime Durand, par M. F.-J. de Santa-Anna Nery », Revue de géographie, 06/1890, p. 1-2 ; « Feuilleton du “Temps” – Critique musicale – Folklore brésilien, par M. F.-J. de Santa-Anna Nery », Le Temps, 26/12/1888, p. 2.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig. 1
Légende Número de notícias sobre o Brasil na RDML por ano
URL http://journals.openedition.org/framespa/docannexe/image/7370/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Tanize Costa, « Divulgar o Brasil civilizado. O uso da imprensa e a divulgação da literatura como meios de remodelar a imagem do Brasil na França (1883-1901) », Les Cahiers de Framespa [En ligne], 33 | 2020, mis en ligne le 27 janvier 2020, consulté le 03 avril 2020. URL : http://journals.openedition.org/framespa/7370 ; DOI : https://doi.org/10.4000/framespa.7370

Haut de page

Auteur

Tanize Costa

Tanize Costa est docteure en histoire de l’Université Paris 1 – Panthéon Sorbonne. Rattachée au Centre d’Histoire du xixe siècle, elle est spécialiste en histoire du Brésil impérial, de la presse, des nationalismes et de la circulation transatlantique des idées.
tanizecosta@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les Cahiers de Framespa sont mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Les Cahiers de Framespa
  • Logo France, Amériques, Espagne – Sociétés, pouvoirs, acteurs
  • Logo Université Toulouse – Jean Jaurès
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals