Navegação – Mapa do site

InícioNuméros34ApresentaçãoA arte de Nilson Camizão

Apresentação

A arte de Nilson Camizão

Claudio Luiz Zanotelli

Texto integral

1O escultor capixaba Nilson Camizão em seu atelier em meio à mata de Manguinhos se revela como um artista sublime da escul­tura, essa arte que “conserva” um momento, uma atmosfera, um ar do tempo de quando foi feita, independente do tempo que passa, tal a Jovem Annais sentada em um banco que segura um globo ter­restre ou O homem que grita, com braços e pernas em movimento e “deformados” que indicam uma dança que nos leva longe ou ainda Dulcineia, escultura que deixa transparecer os traços de suas veias, ou marcas das mãos do escultor, sob a pele, fazendo falar o material, aflorar a sensação.

2As diferentes matérias com as quais o escultor e artesão – pois ele mesmo realiza todo o processo de elaboração de sua obra desde o croqui até a fundição da peça em bronze ou a escultura entalhada em granito ou outro material - trabalha parece conservar um feixe de sensações, uma composição de uma atmosfera, de um momen­to, de um átimo de espaço-tempo que se torna independente e do modelo e do próprio artista. A escultura é o testemunho do que se conserva transformado através do tempo: um sorriso, uma expres­são, um desejo, um gesto a jamais gravado que poderá (mesmo que o material se decomponha) ser observado e sentido dezenas, centenas e milhares de anos mais tarde, registro de um tempo e de um espaço que se foram, mas que pela vivência de quem os sente voltam a existir, tomam vida de outra forma.

3A arte de Camizão conserva esses instantes, conserva aquilo que já foi. Mas, não se trata de nostalgia e sim de um conjunto de sensações, de afetos e percepções que gravaram na pedra, no bronze, no mármore ou na madeira algo que existe por si mesmo. As sensações se realizam nos materiais ou os materiais passam nas sensações.

4A forma como Nilson se relaciona com suas obras diz muito sobre seu talento e sobre sua intuição e sensação primeira. Ele me dizia que há um mistério, uma sensação, algo de sublime quando está na fase de criação, algo que se revela, mas que vai além da fi­gura como representação religiosa e entra no que poderíamos con­ceituar como uma transcendência sensitiva, quando os materiais mesmo das esculturas passam na sensação, não mais uma trans­cendência suprassensível religiosa, mas uma sensação que passa por dentro dos materiais. Em uma ocasião, com sua companheira, Valéria, me contavam da vida própria que as esculturas têm, me diziam que as pessoas, visitantes e transeuntes, reverenciam e res­peitam essas figuras presentes em seu atelier, como entes suspen­sos no tempo e no espaço, presenças-ausências de vários mundos, de outros mundos.

5E isso se sente e se vê nas obras de Camizão que ilustram a capa deste número da revista Geografares!

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Claudio Luiz Zanotelli, «A arte de Nilson Camizão»Geografares [Online], 34 | 2022, posto online no dia 27 julho 2022, consultado o 18 junho 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/3630

Topo da página

Autor

Claudio Luiz Zanotelli

Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
claudio.zanotelli@ufes.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search