Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35Dossiê «Territórios Urbanos e Est...« Wokismo » ou a guerra cultural ...

Dossiê «Territórios Urbanos e Estratégias do Neoliberalismo»

« Wokismo » ou a guerra cultural à francesa

« Wokisme » or the French culture war
« Wokisme » o la guerra cultural francesa
Le « wokisme » ou la guerre culturelle à la française
Christian Laval
Tradução de Ana Maria Leite de Barros
Este artigo é uma tradução do:
Le « wokisme » ou la guerre culturelle à la française  [fr]

Resumos

Transcrição da exposição do autor na Jornada de Estudos do GENA (Grupo de estudos sobre o neoliberalismo e alternativas), em 30 de maio de 2022 no Conservatório Nacional de Artes e Ofícios (CNAM), Paris.

Topo da página

Notas da redacção

Com revisão técnica de Cláudio Zanotelli

Artigo recebido em: 03/10/2022
Artigo aprovado em: 31/10/2022
Artigo publicado em: 01/12/2022

Texto integral

Introdução

  • 1 Nota da tradutora [N.T.]: A tradução da citação está de acordo com a versão em português do livro A (...)

1Vamos primeiro relembrar brevemente o que desenvolve­mos sobre guerras culturais ou guerras de valor no capítulo 8 de nosso livro A escolha da guerra civil. Sublinhamos o quanto o neoliberalismo con­seguiu se impor jogando com a divisão dentro da população em nome dos valores tradicionais e, mais precisamente, notamos, e cito, que « [o] deslocamento da oposição política no terreno dos valores constitui um dos fenô­menos políticos mais importan­tes das últimas décadas. Permi­te, na verdade, explicar como o neoliberalismo apropriou-se do espaço dos possíveis políticos e como a versão mais autoritária e conservadora do neoliberalismo pôde triunfar em um certo nú­mero de países » (Dardot et al., 2021, p. 206)1.

2A cena intelectual e política francesa oferece uma ilustração impressionante disso, embo­ra extremamente complexa. E é esse aspecto, atual e francês, que gostaria de apresentar aqui.

3Especificamos, seguindo Nan­cy Fraser, que o próprio neoli­beralismo pôde assim ser di­vidido em dois ramos ou dois lados, um neoliberalismo con­servador e reacionário, e um neoliberalismo mais liberal em termos de costumes e liberda­des individuais, aparentemen­te mais sensível às minorias e à discriminação. No entanto, essa divisão continua a levan­tar questões, particularmente na França. Nesse país, o « extremo centro » macronista nunca dei­xou de adotar a linguagem da extrema direita sobre a questão dos chamados valores até a no­meação do novo governo (vol­taremos a isso) e realizar cam­panhas extremamente violentas contra tudo aquilo que se asse­melhava a « valores de esquer­da », redistribuição, acolhimen­to de refugiados, igualdade, a fim de promover, inversamente, « valores de direita »: identida­de nacional, segurança, ordem pública, e isso em nome da Re­pública, em nome da laicidade. Há motivos para colocar em dú­vida essa partição proposta por Nancy Fraser. É claro que, para continuar com o caso francês, a direita neoliberal e a extrema direita se opõem (como vimos no segundo turno das eleições presidenciais), não há fusão, mas também vemos, ao mesmo tempo, tudo o que elas compar­tilham: não apenas a mesma concepção econômica que vê os impostos e as regulamenta­ções sociais como obstáculos ao crescimento, mas também toda uma série de retóricas violentas vindas diretamente da extrema direita, e retomadas por grande parte da mídia.

4A denúncia de « esquerdismo islâmico », do comunitarismo, do « indigenismo », do separa­tismo e agora do wokismo, são amplamente comuns a eles. Mas há mais, e isto talvez seja o mais preocupante. Grande parte dessa retórica denunciató­ria é ecoada por indivíduos ou grupos que estão à esquerda ou que afirmam estar à esquerda. Um desses movimentos ditos de esquerda chama-se Printemps républicain [Primavera Repu­blicana] que, desde 2016 quan­do foi criado, não pretende mais se opor à esquerda e à direita, mas aos « republicanos » e aos « comunitaristas ». Por comuni­taristas entende-se essencialmente os « islamistas », ou seja, os muçulmanos.

  • 2 MARLIÈRE, P. Prendre au sérieux le « confusionnisme politique » [Levando o « confusionismo político (...)

5Essa retórica vem da extre­ma direita, mas como Corcuff e Marlière mostraram, estamos testemunhando uma confusão generalizada na qual os temas da extrema direita também se difundiram na esquerda, com, cito, « a valorização patriótica da nação, a crítica a nível in­ternacional (que se traduz num discurso com conotação eurofó­bica e anti-imigração sob o pre­texto da crítica à União Euro­peia e à globalização neoliberal) e a promoção de um « universa­lismo republicano » teórico que desqualifica qualquer discurso que examine as aporias práti­cas do republicanismo francês (alergia ao multiculturalismo, desinteresse pela discrimina­ção racial e de gênero, racismo e islamofobia) »2. E poderíamos fazer aqui uma longa lista de todos aqueles que, à esquerda, favoreceram um chauvinismo francês que hoje se volta con­tra os intelectuais críticos. Na França, há uma tentativa de dividir o espaço político reu­nindo os chamados nacionalis­tas republicanos e os outros, os primeiros exaltando um univer­salismo puramente francês, até mesmo hiperfrancês. Se não há fusão entre a extrema direita, direita e parte da chamada es­querda republicana, há de qual­quer modo um amplo consenso sobre identidade, segurança e nacionalismo.

6Eu gostaria aqui de me con­centrar mais especificamente nos ataques que visaram a uni­versidade, a pesquisa e os pro­fessores que, primeiro, foram acusados de islamo-esquerdis­mo, de cumplicidade com os jihadistas e, depois, cada vez mais, de « wokismo ».

7Meu ponto aqui é ilustrar e, ao mesmo tempo, desenvolver a ideia segundo a qual estamos vivendo na França em um mo­mento de desqualificação das ciências sociais e do pensamen­to crítico em geral, que não vem apenas da extrema direita ou da direita mais radical, mas de um espaço político e ideológico mais amplo, incluindo grande parte daqueles que foram con­siderados aqui no GENA como atores do neoliberalismo, sejam eles de direita ou de esquerda. E é justamente esse ponto que pode nos levar a uma compara­ção interessante com o que está acontecendo em outros países, como no Brasil, na Turquia ou nos Estados Unidos.

Um colóquio estranho

8Vou começar com um peque­no evento que pode ter escapado aos nossos amigos estrangeiros, mas que aqui fez algum barulho. Trata-se do colóquio realizado na Sorbonne nos dias 7 e 8 de janeiro de 2022, organizado por várias associações, incluindo o Observatoire du Décolonialis­me [Observatório do Decolo­nialismo], e apresentado pelo próprio Ministro da Educação Nacional, Jean-Michel Blan­quer. A personalidade de Blanquer não deve ser negligencia­da: professor de direito público, depois alto funcionário da edu­cação e, finalmente, ministro (o mais antigo neste cargo). Ele também se tornou um feroz ati­vista antiwokista. Em outubro de 2021, criou um « Laboratoire de la République » [Laborató­rio da República], apresentado principalmente como arma con­tra o « wokismo ».

9O tema do colóquio foi o « desconstrucionismo », que os organizadores descreveram como a vanguarda da destruição do pensamento civilizado, ou o empreendimento mais perigoso de destruição do universalismo à francesa. O programa de ação proposto pelo simpósio visava « desconstruir a desconstrução ». O que soa um pouco como uma piada se essas pessoas não esti­vessem falando sério.

10O que foi dito durante esse infame colóquio? O ministro Blanquer, que deixou o cargo na semana passada [20 de maio de 2022] após cinco anos no ministério, resumiu muito bem a questão: « Depois de ter forne­cido o vírus, devemos fornecer a vacina », disse. A doença em questão, que infectou o mundo, é o vírus desconstrutivo. E é isso que deve ser curado. O que a França exportou é uma doen­ça global do pensamento, uma doença em processo de univer­salização que ameaça o verda­deiro universalismo, que, como se suspeita, é francês. É um grande paradoxo que autorida­des governamentais, jornalistas, ensaístas e acadêmicos estejam atacando seções inteiras da teo­ria crítica francesa em nome de uma espécie de superioridade do chamado universalismo re­publicano francês.

11Considerar um movimento do pensamento, uma corren­te crítica, as obras intelectuais como produto de uma doença do corpo social não é novidade. Essa própria imagem médica do vírus e da vacina é em si mes­ma muito interessante; é um dos topos do discurso da deca­dência, que é a marca registrada do pensamento reacionário. E é mesmo um grande clássico do pensamento reacionário. Pode­mos nos referir aqui a Hyppolite Taine, que em Origines de la France contemporaine [Origens da França Contemporâ­nea], após a derrota de 1870 e da Comuna de Paris, argumen­tou que a Revolução Francesa foi a doença francesa, a origem da sua decadência e da sua dis­solução, a origem da divisão de classes, da guerra civil e do socialismo. Blanquer assumiu a liderança, desde pelo menos 2019, de uma espécie de cruza­da moral, primeiro denunciando acadêmicos e militantes islamo-esquerdistas que devastariam a universidade e a pesquisa, e depois, mais recentemente, mudando o alvo, o descons­trucionismo. Trata-se, disse o ex-ministro, de « parar de ficar na defensiva, temos agora de organizar a contraofensiva. A República está sendo desafiada e afrontada. Não devemos ser ingênuos perante as forças da fragmentação ». Note-se que ele pegou o bonde andando. Duran­te os últimos dois ou três anos, um grupo de acadêmicos vêm multiplicando intervenções co­letivas na imprensa alegando que a universidade está ame­açada pelo pós-colonialismo, que a pesquisa está sendo in­vadida por questões feministas e antirracistas e por uma matriz intelectual comunitarista vin­da de campi norte-americanos. A ministra do Ensino Superior, Frédérique Vidal, chegou a afir­mar em fevereiro de 2021 que a sociedade e a universidade estavam « infectadas pelo isla­mo-esquerdismo ». A acusação foi rapidamente esvaziada, pois tais afirmações não foram com­provadas. O termo usado por ela era um pouco estranho, pa­recido com o « judeu-bolchevis­mo » que a extrema direita usava no período entre guerras.

O fantasma do wokismo

  • 3 N.T.: cultura de cancelamento.
  • 4 DENIS, V. L’agitation de la chimère « wokisme » ou l’empêchement du débat [A agitação da quimera « (...)
  • 5 Não estou dizendo aqui que a vertente « identitária » ou « indigenista » não existe, nem estou dize (...)

12Foi por ocasião deste coló­quio, um ano depois da cam­panha contra o islamo-esquer­dismo, que uma nova palavra, que começou a circular em alta velocidade, a qual, no início, pode-se supor que muitos não entendiam o seu significado, a palavra « wokisme », neologis­mo francês, derivado do inglês « woke », que significa acordado ou despertado, foi erigida como um termo pseudocientífico. A palavra « wokisme » faz agora parte do léxico muito particular da extrema direita e da direita, de membros do governo e até mesmo de parte da esquerda, aquela que quer ser « univer­salista e republicana ». É agora uma das palavras e expressões infames, juntamente com al­gumas outras: islamo-esquer­dismo, é claro, mas também interseccionalidade, teoria de gênero, decolonialismo, pós-colonialismo, cancel culture3, woke, wokismo, e, como aca­bamos de ver, desconstrução, para não mencionar a French Theory [Teoria Francesa]. Es­sas palavras são muito pareci­das em sua indistinção e pela ausência de significado preciso. Não são palavras com conteú­do, mas termos ofensivos, pa­lavras de guerra ideológica que visam « estigmatizar correntes políticas muitas vezes incomen­suráveis, evitando perguntar o que elas têm a dizer »4. Estas palavras também podem ser combinadas: Pierre-Henri Ta­voillot, presidente do Colégio de Filosofia e coorganizador do colóquio da Sorbonne, denun­ciou a « desconstrução wokista ». Quanto mais as elencamos, pa­rece que elas apontam a alguns fatos reais, mas, na verdade, es­tamos apenas adicionando vazio ao vazio. Na realidade, quando se lê ou se ouve os defensores deste antiwokismo, são sem­pre os mesmos acontecimentos que são invocados: a proibição de uma conferência em Borde­aux e de uma peça de teatro na Sorbonne e alguns outros acon­tecimentos muito raros, como uma reunião não mista nesta ou naquela universidade5. De qual­quer forma, não há nada seme­lhante à invasão ou gangrena.

  • 6 TORANIAN, V. Résister à la folie woke [Resistir à loucura woke], éditorial 10 janvier 2022, La Revu (...)

13Mas o que esses críticos co­locam sob o termo wokismo, além desses fatos anedóticos? Praticamente tudo o que eles não gostam atualmente nos mo­vimentos pela igualdade. Este perigo imaginário torna possí­vel englobar e amalgamar tudo. O processo consiste em produ­zir pânicos morais infundados para frustrar um grande impul­so igualitário e democrático que está se manifestando em quase todo o mundo, não apenas nos Estados Unidos. Basta pensar no impacto mundial do Black lives matter ou do #Metoo: é contra esse movimento profundamente democrático, antirracista, deco­lonial e feminista que a direita está se mobilizando com o apoio de alguns poucos partidários de esquerda. O wokismo, além dis­so, é visto como uma ameaça à razão, à ciência e à arte porque introduz a dimensão histórica e sociológica da dominação e da desigualdade onde essa dimen­são, segundo esses polemistas, não deveria ser invocada. E para melhor desqualificar o uso desta dimensão crítica, nada melhor do que caricatura, ane­dota, redução e amálgama. As­sim, quando os palestrantes des­te simpósio falam da « cultura woke », eles não estão pensando no que significa o movimen­to woke nos Estados Unidos, como sendo uma atenção cons­tante, uma vigilância sempre alerta, aos fenômenos de dis­criminação contra as mulheres, as minorias sexuais ou pessoas de cor, mas como um vasto em­preendimento de subversão da cultura ocidental e do univer­salismo ao exigir direitos parti­culares ou, mesmo, privilégios que romperiam com a igualda­de jurídica. Falar de « cultura woke » como eles o fazem, é designar uma cultura que seria destinada a substituir a cultura ocidental, sob o efeito do « pen­samento decolonial », que seria um pensamento essencialmente particularista que defenderia a superioridade das culturas pré-coloniais. Os organizadores do colóquio de janeiro denunciam o pensamento decolonial como sendo, e eu cito, « um dogma moral contra o espírito crítico » (...) com, « in fine, a tentação de anulação, ou seja, de uma tábu­la rasa do passado, da história, da arte, da literatura e de toda a herança civilizacional ociden­tal, doravante condenada ao pe­lourinho »6. Essa denúncia tem a mesma estrutura do racismo da extrema direita: a cultura fran­cesa está ameaçada de « grande substituição » como estaria a população francesa por causa da imigração segundo a teoria racista de Renaud Camus. Esse medo da grande substituição do pensamento universalista francês pela « cultura woke » faz parte do esquema de funciona­mento do pensamento de extre­ma direita, da mesma forma que o islamo-esquerdismo. Com o wokisme, temos uma ilustração bastante perfeita do que chama­mos de « inimização », ou « fabri­cação de inimigos ».

Os falsários do universalismo

  • 7 LESNES, C. Aux Etats- Unis, face à la révolution conservatrice qui s’annonce, les démocrates organi (...)

14A campanha contra o pensa­mento decolonial não é, como acreditam ou proclamam os mi­litantes dessa corrente, uma par­ticularidade francesa, mas um nacionalismo transnacional, se me permitem a expressão, o da « direita global ». A singula­ridade francesa é que essa ade­são aos temas anti-igualitários dessa direita global é feita em nome de valores aparentemente progressistas quando em outros lugares as mesmas guerras são travadas em nome de valores religiosos obscurantistas. Nos Estados Unidos, por exemplo, nos estados republicanos estão caçando educadores « woke » nas escolas públicas em nome da religião. O jornal Le Monde noticiou recentemente esta in­formação: « Seguindo o exem­plo da Flórida, que a adotou no final de março, uma dúzia de estados, do Alabama a Ohio e Louisiana, colocaram em aná­lise a chamada lei  »Don't say gay«  [Não fale ‘gay’], que proí­be a discussão da identidade de gênero ou orientação sexual nas escolas primárias. A educação sexual não está no programa, mas os opositores acreditam que a legislação visa princi­palmente intimidar todos os professores »7.

15Essas denúncias políticas e pseudoacadêmicas, essas proi­bições são feitas na França em nome do « universalismo repu­blicano ». A República, segun­do esse discurso, não teria que conhecer os fenômenos de do­minação específicos ligados à classe, gênero, raça e cultura. Porque fazê-lo seria cair, no plano da concepção de socie­dade, no comunitarismo ou no « separatismo » (o que significa a mesma coisa para os líderes po­líticos) e no relativismo, no pla­no do pensamento. No entanto, a República, ainda segundo esse discurso, baseia-se na unidade do povo, é « indivisível », não conhece grupos separados, não conhece minorias que teriam o direito de reivindicar tratamen­tos específicos que lhes seriam infligidos, nem mesmo confli­tualidade. Da mesma forma, a ciência não reconhece pontos de vista particulares; os subor­dinados, as mulheres, os negros ou os magrebinos não têm pon­tos de vista particulares a apre­sentar porque a verdade é uma só, a ciência é uma só.

16Há nessa denúncia do « wokismo » uma paixão pela unidade, a mesma que se en­contra na denúncia do que pode « dividir » a famosa « comunida­de de cidadãos ». É em nome da unidade do povo, assim como da unidade da verdade, que o wokismo deve ser combatido. O pensamento dito republicano opera segundo um dogmatismo pelo qual realmente existe um modelo de integração e igual­dade para todos em uma comu­nidade nacional composta por cidadãos que são todos tratados da mesma forma pela lei e pelas administrações. Na realidade, essa é a pura expressão do hi­persoberanismo ao estilo fran­cês e seu culto ao Estado.

17Não é muito difícil enten­der os vieses desse falso uni­versalismo: a acusação de par­ticularismos em nome de um universalismo tem algo de « lo­gicamente perverso ». O univer­salista, ou o assim chamado, acusa de « wokismo » aqueles que lutam contra a discrimina­ção de gênero, raça e religião. No entanto, o chamado univer­salista deveria ser o primeiro a combater essas discriminações, para ser um « universalista con­creto ». Porque essas discrimi­nações obedecem a critérios precisamente particularistas e desiguais: homens superiores às mulheres, brancos superiores aos negros, europeus superio­res aos asiáticos (ou vice-ver­sa), habitantes das zonas urba­nas superiores aos das zonas rurais. Deve-se notar também que esses ataques aos defenso­res da igualdade ocorrem em um momento de reafirmação de um racismo sem remorso, de um supremacismo branco, que curiosamente é poupado por es­ses « republicanos ».

  • 8 FRANCE INTER. « Le grand entretien » [A grande entrevista], 25 mai. 2022. Acesso em: https://www.ra (...)

18Um líder de direita, Bruno Retailleau, recentemente deu a chave desse universalismo ao atacar o novo ministro da Edu­cação Nacional, Pap Ndiaye, que supostamente teria defendi­do pontos de vista que estariam em desacordo com os valores da República. Segundo Retai­lleau, esses valores implicam, e eu cito, uma « indiferença às diferenças »8. Temos aqui a afir­mação clara de uma postura de negação abstrata da realidade social em nome de uma « comu­nidade nacional » mítica.

19Sem dúvida, também seria necessário substituir essa mís­tica unitária em seu contexto global. A França nega aos povos indígenas nos territórios france­ses o gozo dos direitos coletivos reconhecidos pela Declaração das Nações Unidas dos Direitos dos Povos Indígenas de 2007, sob o pretexto de que há apenas um povo francês de acordo com o artigo 2º da Constituição de 1958, que estipula que a França é « uma República indivisível, laica, democrática e social que assegura a igualdade perante a lei para todos os cidadãos, inde­pendentemente da sua origem » (o que é um problema que se co­loca tanto na Guiana Francesa, bem como na Nova Caledônia e na Córsega, essa última com a reivindicação dos autonomis­tas pelo reconhecimento de um « povo corso »).

  • 9 Citado in ibid, p. 245. 28

20É também em nome de tal republicanismo que se trava uma guerra não contra as religiões em geral, mas contra a religião muçulmana, que é suspeita de ser incompatível com os « valores da República » por sua essência « separatista », por assim dizer. A laicidade, tantas vezes invocada, não se refere mais ao respeito às crenças privadas por meio da neutralização das instituições estatais em assuntos religiosos, mas a um princípio identitário que combate à suposta islamização da sociedade (Gautier; Zacarini- Fournel, 2002, p. 245). Em outras palavras, a laicidade dita republicana tornou-se um disfarce para a islamofobia estatal (nas palavras de Jean- François Bayard)9.

21No fundo, trata-se realmente da expressão de um nacionalis­mo ideológico que gostaria de se fazer passar por universalis­mo. A França ilumina o mun­do, tal é a crença nacionalista mais difundida, tanto pela direi­ta como em parte da esquerda. Essa França não deve nada ao mundo e o que vem do mundo geralmente é ruim. A melhor prova deste nacionalismo ideo­lógico é o antiamericanismo que se expressa através de pala­vras de origem anglo-saxônica cujo sentido não compreende­mos, ou às quais atribuímos um sentido que nada tem a ver com o significado e o contexto ori­ginal. O inimigo encontra sua fonte nos campi americanos, e é contra os campi americanos que devemos construir diques, ou melhor, inventar a vacina. São os campi americanos que estão nos invadindo e fazendo o jogo do islamismo, da fragmentação do país, da divisão do povo e da nação. Mas essa controvérsia também reflete uma ignorância militante. O « universalismo re­publicano » está fazendo campa­nha contra o pensamento crítico francês, que se universalizou verdadeiramente principalmen­te nos campi americanos, o que Blanquer chama justamente como uma pandemia mental e intelectual. Há aqui não apenas chauvinismo, mas a ilusão de que o « universalismo republi­cano » que eles reivindicam é o único universalismo, que todo o resto é um relativismo destrui­dor das bases do pensamento e da arte. Se eles não querem ver o que os autores franceses con­tribuíram para o pensamento so­cial e filosófico em escala global, eles também ignoram o fato de que nem tudo vem dos campi americanos, que obras muito importantes e mesmo inovado­ras vêm da América Latina, da Índia ou do Oriente Médio. A confusão, por exemplo, entre estudos pós-coloniais resultan­tes de trabalhos anglo-saxões e estudos descoloniais que vêm principalmente da América La­tina é prova da sua ignorância. Eles nem sequer suspeitam que essa denúncia deva, de fato, ir muito além dos Estados Unidos e abordar as ciências sociais, pois elas estão sendo redefini­das atualmente em escala glo­bal. Eles estão muito distantes dessas novas ideias, segundo as quais haveria epistemologias do Sul, ou mesmo um « pluri­versalismo » fecundo, porque o mundo é francês. O que eles rejeitam, basicamente, é a mun­dialização do pensamento e das ciências sociais. Esse universa­lismo é tanto um nacionalismo ignorante quanto um provincia­nismo estreito. Para concluir, pode-se dizer que aqueles que equiparam qualquer posição antidiscriminatória com uma doutrina identitária e separatista são os primeiros a serem real­mente os seguidores de uma ló­gica identitária que desconhece a si mesma, ou seja, a ideia de que haveria uma identidade do pensamento francês, que seria seu universalismo. E o perigo seria o de uma dissolução da identidade intelectual da Fran­ça, assim como a imigração e o islamismo constituem uma ameaça à identidade nacional da população.

Conclusão: um novo macarthismo

  • 10 Entretien, juin 2021 dans le journal Elle. [Entrevista para a revista Elle publicada em junho de 20 (...)

22Talvez seja surpreendente que esses acadêmicos estejam se mobilizando contra fenôme­nos extremamente limitados e muito exagerados, enquanto a extrema direita abertamente racista, pronta para ameaçar as liberdades e o Estado de direito, é inteiramente poupada por sua « defesa da cultura ocidental ». Mas, na realidade, a sua luta, sem que eles reconheçam, não é científica, embora os organi­zadores e os palestrantes rei­vindiquem objetividade. O ob­jetivo é político e seu método é estratégico. Já há algum tempo, através de fóruns de denúncia do wokismo e, antes, do « isla­mismo-esquerdismo », uma pe­quena fração do mundo acadê­mico, muito militante na defesa do verdadeiro pensamento uni­versal francês, ou seja, republi­cano e anticomunitarista, vem tentando interessar e mobilizar os governantes para que iden­tifiquem e punam aqueles que fizeram uso excessivo dessas teorias perigosas e desses con­ceitos tão suspeitos. Em suma, está ocorrendo um novo macar­thismo que ameaça a liberdade de pesquisa. E foi perfeitamente formulado por Macron que con­siderou « o mundo acadêmico culpado » por ter « incentivado a etnicização da questão social »10.

23Defender a cultura contra os bárbaros dos Estados Unidos é, em suma, a mola mestra do que parece ser a criação de um « pâ­nico moral » no mundo acadê­mico. São as ciências sociais e a filosofia que são acusadas por seu suposto conluio com as mo­bilizações feministas, homos­sexuais ou antirracistas. O que está em questão é uma evolução das ciências sociais que integra­ram (na França mais tarde do que em outros lugares) as questões de gênero, raça, sexualidade e colo­nialidade. Eu diria ainda mais, que o que se tornou comum nas ciências sociais é o aporte de Foucault sobre a estreita relação entre saber e poder e o questiona­mento do que é enviesado e dos limites dos pontos de vista dos dominantes. Seja do lado dos es­tudos feministas ou dos estudos pós-coloniais ou descoloniais, o que lhes é comum é a conside­ração dos dominados, dos subor­dinados, dos que não contavam, dos que eram apenas objetos de discurso. Trata-se de uma ruptu­ra epistemológica com aqueles que pretendem desconsiderar as experiências e os enunciados dos sujeitos sociais. O que se denuncia como particularismo é justamente o fato de partir da ex­periência vivida, e especialmente das experiências negativas, o que invalidaria sua afirmação por ser proveniente de uma particulari­dade literalmente insignificante. Certos estudos « minoritários » podem sem dúvida ser criticados, por exemplo, por minimizar ou marginalizar a divisão social em classes (é o caso de Beaud e Noi­riel) em favor do gênero ou raça (Beaud; Noiriel, 2021), mas é di­fícil ignorar que a problemática da interseccionalidade é projeta­da justamente para combinar e ar­ticular as diferentes categorias de desigualdades e discriminações na análise de experiências vivi­das concretamente. Não se trata de reificar « identidades particu­lares », mas de combinar variá­veis. Se há reificação de identida­des, um pouco como a identidade operária no marxismo dogmá­tico, há uma traição ao espírito dos métodos interseccionais. No plano metodológico, nada impe­de a combinação de critérios de classe com os de gênero, raça ou nação. Mas é igualmente certo que a crise do discurso marxista pode ter levado, por assim di­zer, por efeito de pêndulo, a uma superestimação das categorias, de modo que o critério de clas­se pode ter sido minimizado em certos estudos. De qualquer for­ma, essa é a crítica que Beaud e Noiriel fizeram às problemáticas interseccionais (que, portanto, não eram suficientemente in­terseccionais). Mas essa não é a crítica feita pelos antiwokistas. O que eles censuram nas ciências sociais não é que elas esquecem a categoria de classe, mas que elas introduzem diferenciações onde só deveriam existir abstrações unitárias: Franceses, Cidadãos, Homens. Isso levanta questões sobre a capacidade das « elites » francesas de questionar o passa­do colonial da França e as suas consequências no presente; da mesma forma, essa ofensiva re­acionária questiona a capacidade de avaliar o racismo e, em par­ticular, o « racismo de Estado », uma expressão de Bourdieu que é odiada pelos acadêmicos rea­cionários. Há uma estreita liga­ção entre a denúncia perpétua de 68, em um discurso que se pode dizer contrarrevolucionário, e as denúncias atuais. Porque o que é considerado uma doença mental saída da French Theory, é na re­alidade produto dos movimentos dos anos 60 e 70 e seus efeitos teóricos, notadamente na França. Ainda é o mesmo combate contra o grande impulso igualitário de 68 que continua, mas agora rein­ventando novos inimigos.

Topo da página

Bibliografia

BEAUD, S.; NOIRIEL, G. Race et sciences sociales: essai sur les usages publics d'une catégorie. Paris: Agone, 2021.

DARDOT, P.; GUÉGUEN, H.; LAVAL, C.; SAUVÊTRE, P. A escolha da guerra civil: uma outra história do neoliberalismo. São Paulo: Ed. Elefante, 2021.

GAUTIER, C.; ZACARINI-FOURNEL, M. De la défense des savoirs critiques: quand le pouvoir s’en prend à l’autonomie de la recherche. Paris: La Découverte, 2022.

Topo da página

Notas

1 Nota da tradutora [N.T.]: A tradução da citação está de acordo com a versão em português do livro A escolha da guerra civil: uma outra história do neoliberalismo. São Paulo: Editora Elefante, 2021, p. 206, e referenciada ao fim do texto.

2 MARLIÈRE, P. Prendre au sérieux le « confusionnisme politique » [Levando o « confusionismo político » a sério]. AOC, 7 oct. 2021. Acesso em: https://aoc.media/opinion/2021/10/06/prendre-au-serieux-le-confusionnisme-politique/

3 N.T.: cultura de cancelamento.

4 DENIS, V. L’agitation de la chimère « wokisme » ou l’empêchement du débat [A agitação da quimera « wokismo » ou a interdição do debate]. AOC. Acesso em: https://aoc.media/opinion/2021/11/25/lagitation-de-la-chimere-wokisme-ou-lempechement-du-debat/

5 Não estou dizendo aqui que a vertente « identitária » ou « indigenista » não existe, nem estou dizendo que não ocorreram efeitos de censura que não deveriam ter seu lugar na universidade.

6 TORANIAN, V. Résister à la folie woke [Resistir à loucura woke], éditorial 10 janvier 2022, La Revue des deux mondes, https://www.revuedesdeuxmondes.fr/resister-a-la-folie-woke/

7 LESNES, C. Aux Etats- Unis, face à la révolution conservatrice qui s’annonce, les démocrates organisent la résistance [Nos Estados Unidos, diante da iminente revolução conservadora, os democratas organizam a resistência], Le Monde, 19 Avril 2022.

8 FRANCE INTER. « Le grand entretien » [A grande entrevista], 25 mai. 2022. Acesso em: https://www.radiofrance.fr/franceinter/podcasts/l-invite-de-8h20-le-grand-entretien/l-invite-de-8h20-le-grand-entretien-du-mercredi-25-mai-2022-5641376

9 Citado in ibid, p. 245. 28

10 Entretien, juin 2021 dans le journal Elle. [Entrevista para a revista Elle publicada em junho de 2021] Acesso em: https://www.elle.fr/Societe/News/Entretien-exclusif-Emmanuel-Macron-Je-ne-vais-pas-changer-de-Premier-ministre-3934126

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Christian Laval, «« Wokismo » ou a guerra cultural à francesa»Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 25 maio 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/5412

Topo da página

Autor

Christian Laval

Professor emérito de Sociologia na Universidade Paris-Ouest Nanterre-La Défense
christian.laval@parisnanterre.fr

Topo da página

Tradutor

Ana Maria Leite de Barros

Universidade Federal do Espírito Santo – UFES
amleitedebarros@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search