Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35Dossiê «Territórios Urbanos e Est...Os usos de aplicativos de mensage...

Dossiê «Territórios Urbanos e Estratégias do Neoliberalismo»

Os usos de aplicativos de mensagens instantâneas e grupos de redes sociais no cotidiano dos entregadores de plataforma: como jogar as regras do jogo e a produção de identidades coletivas

The uses of messaging apps and social media groups in the daily life of platform delivery workers: how to play the rules of the game and the production of collective identities
Los usos de las aplicaciones de mensajería instantánea y los grupos de redes sociales en el cotidiano de repartidores de plataforma: cómo jugar las reglas del juego y la producción de identidades colectivas
Les usages des applications de messagerie instantanée et des groupes de réseaux sociaux dans le quotidien des livreurs de plateforme: comment jouer les règles du jeu et la production des identités collectives
André Scerb

Resumos

Este artigo, resultado parcial de pesquisa de mestrado em andamento, aborda as dinâmicas e interações estabelecidas entre entregadores de plataformas de trabalho por meio de grupos em aplicativos de mensagens instantâneas e páginas em redes sociais. Primeiro, apresenta-se o descompasso entre as representações feitas pelas empresas-plataforma acerca dos trabalhadores e as formas como eles próprios enxergam-se e entendem o seu trabalho. Em seguida, discute-se os usos dos aplicativos de mensagens instantâneas, atentando para os principais padrões de interação dos trabalhadores em ambientes digitais com o objetivo de mostrar que há racionalidades ambíguas que orientam as formulações deles acerca do seu trabalho. Além disso, que esses espaços têm papel decisivo na formação de identidades coletivas pautadas na valorização do trabalho e do sacrifício ligado a ele. A metodologia utilizada baseou-se na análise de materiais extraídos de páginas de redes sociais e sites institucionais das empresas Rappi e iFood no Brasil de um lado. E, de outro, na realização de pesquisa empírica digital de inspiração etnográfica, junto a grupos de entregadores nos aplicativos WhatsApp e Telegram e páginas de entregadores no Facebook.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em: 03/10/2022
Artigo aprovado em: 31/10/2022
Artigo publicado em: 01/12/2022

Notas do autor

Este artigo é resultado parcial de pesquisa de mestrado em andamento que conta com apoio da FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do estado de São Paulo (Processo n° 2021/03544-8).

Texto integral

Introdução

  • 1 Para uma discussão sobre as origens e definição da noção de plataforma como infraestrutura digital (...)
  • 2 UFPR mapeia trabalho por plataformas digitais no Brasil. AMANHÃ. Disponível em: https://amanha.com. (...)
  • 3 A mensuração do número de trabalhadores por plataformas varia consideravelmente. Primeiro, porque m (...)

1O trabalho por plataformas digitais1 tem se consolidado como alternativa de obtenção de renda entre parcelas significati­vas de trabalhadores ao redor do mundo. No caso brasileiro, essa realidade não é diferente: estimativas apontaram que, em agosto de 2021, por volta de 1,5 milhão2 de brasileiros tinham nas diversas formas de trabalho por plataformas sua fonte de ren­da principal ou complementar3.

2Pedir uma pizza, um táxi, chamar um encanador ou, até mesmo, contratar um professor particular por meio de aplica­tivos instalados nos celulares tornou-se prática cotidiana, so­bretudo em grandes centros ur­banos, com a disseminação de smartphones e do acesso à in­ternet. Ainda que o aumento da contratação desses serviços via plataformas digitais esteja liga­do a um processo mais amplo e não tão recente, que passou pela desregulamentação do trabalho e pelo desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), no Brasil, ele foi profundamente acelera­do em meio ao contexto de cri­se econômica, que se acentuou com a pandemia de Covid-19 (ABÍLIO, 2019). Segundo da­dos disponibilizados no Relató­rio Fairwork Brasil 2021, com base em pesquisa do IPEA, o número de entregadores passou de 30 mil para 278 mil entre 2016 e 2021, e o iFood, para ci­tar um exemplo, viu seus pedi­dos subirem de 30,6 milhões no início de 2020 para 60 milhões em março do ano seguinte (FAI­RWORK, 2022).

3Diante desse quadro, marca­do por altos índices de desem­prego, trabalhadores recorreram fortemente a plataformas de tra­balho como Uber, 99, Rappi, iFood, Loggi entre outras como meio de obtenção de renda de forma rápida, a despeito das condições de trabalho precárias e da ausência de proteções tra­balhistas serem práticas do mo­delo de negócios das empresas.

4Muita pesquisa sobre a eco­nomia de plataforma e sobre os principais atores que capitane­aram esse movimento tem sido produzida. Dentre os variados debates que o processo levanta, há atenção especial por parte da literatura acadêmica para o mo­delo de negócios das empresas, os mecanismos de gerencia­mento e controle e as condições de trabalho que elas promovem. Resta, no entanto, espaço para o aprofundamento do estudo das percepções dos trabalhadores acerca do trabalho em platafor­mas e como enxergam o discurso veiculado pelas empresas. Uma vez que a dimensão discursiva está no centro da economia de plataforma desde sua origem, e tem papel relevante na pro­moção de valores e racionalida­des neoliberais (GROHMANN, 2020), cumpre aprofundar a compreensão sobre como os trabalhadores percebem essas narrativas. Ademais, isso pode ajudar a esclarecer como e por­que as percepções dos trabalha­dores provavelmente variam em função de características e cir­cunstâncias locais, a despeito da dimensão global do processo de plataformização.

5Tendo a aproximação acerca das percepções de trabalhado­res de plataforma sobre o seu trabalho e sobre o discurso das empresas de plataforma como objeto do estudo, o material empírico que subsidiou a aná­lise foi coletado através de me­todologia de inspiração na et­nografia digital (HINE, 2020), que consistiu em acompanha­mento de trocas de mensagens e interações estabelecidas entre entregadores de aplicativo – en­tre janeiro e abril de 2022 – por meio de grupos em aplicativos de mensagens instantâneas, como Telegram e WhatsApp, e páginas de Facebook. Além do acompanhamento realizado nas páginas e grupos de entre­gadores, foi realizada análise de materiais de sites institucionais e páginas de redes sociais das empresas Rappi e iFood com in­tuito de comparar o discurso cor­porativo ao dos trabalhadores.

  • 4 Utiliza-se noção de «jogar o jogo das plataformas» (GROHMANN et al., 2022) pensada como elaboração (...)

6A partir do material analisa­do, pretende-se mostrar neste artigo que os usos e interações estabelecidos por entregadores em grupos de aplicativos de mensagens e redes sociais apon­tam no sentido da presença de percepções ambíguas, e por vezes até contraditórias, de­les em relação ao trabalho por plataformas. Observou-se que aparecem com força, de um lado, formas diversas de coo­peração, críticas das condições de trabalho e das dinâmicas de exploração das empresas e, de outro, elaborações de táticas para « jogar o jogo das platafor­mas »4 e valorização de aspectos do trabalho, como flexibilidade e autonomia. Utiliza-se também a noção de solidariedades em­preendedoras, formulada por Soriano e Cabañes (2020) como forma de definir o conjunto de práticas, disposições e discur­sos ambíguos empregados pelos trabalhadores de aplicativo para elaborar questões do seu traba­lho, da relação com os pares e com as empresas.

7Este artigo sugere que os am­bientes digitais de troca emer­gem enquanto espaços centrais para a formação de identidades entre os entregadores de plata­forma, construídas em torno do compartilhamento de experiências comuns nos grupos e base­adas na valorização do trabalho, do esforço individual e do sacri­fício ligado aos riscos que per­meiam sua atividade. Por conta das condições específicas, de dispersão e deslocamento cons­tante pela cidade, que pouco favorecem a comunicação e o contato, as interações estabele­cidas em ambientes online cum­prem papel muito relevante no cotidiano desses trabalhadores, pois contribuem inclusive para o aumento da coesão e da soli­dariedade entre eles.

8A discussão está organizada em duas partes. Na primeira, apresenta-se aspectos da ori­gem da economia de platafor­ma, associados à construção do ideário da Economia do Compartilhamento, e o des­compasso entre as promessas formuladas no início desse pro­cesso e as condições de traba­lho verificadas na prática, par­tindo de análise das interações de entregadores em ambientes digitais em contraposição às narrativas veiculadas por Rappi e iFood em canais institucionais de comunicação e marketing.

9Na segunda parte, serão abordadas algumas das especi­ficidades do trabalho de entre­gadores de aplicativo e da cen­tralidade do digital para pensar as imbricações entre ambientes on e offline na rotina desses trabalhadores para, em segui­da, analisar os usos atribuídos por entregadores aos grupos em aplicativos de mensagens e páginas de redes sociais e o que eles sugerem em termos da construção coletiva de identida­des.

1. De empreendedor de si mesmo a « escravo dos apps »

10O trabalho por plataforma é caracterizado pela utilização de infraestrutura digital que via­biliza a interação entre dois ou mais grupos para a realização de trocas de bens e serviços (SRNI­CEK, 2017). Associada em sua origem às empresas de tecnolo­gia do Vale do Silício, essa mo­dalidade nova de organização do trabalho teve nas empresas Uber, Airbnb e Taskrabbit seus principais representantes. Além de rejeitarem o rótulo de serem empresas de serviços – hospe­dagem, transporte de pessoas e mercadorias entre outros – e se caracterizarem apenas como empresas de tecnologia que realizam intermediação entre oferta e demanda. Outro aspec­to importante em comum entre elas é o da construção de uma narrativa que as associa a um novo modelo de negócios, base­ado na distinção com relação ao que seriam práticas retrógradas da economia dita tradicional. Essas empresas reivindicaram para si aspectos da « Ideologia do Vale do Silício », construída em torno de elementos da cul­tura hacker, como disrupção, inovação, autonomia e liberda­de. Em suma, todo um ideal de excepcionalismo das empresas foi assumido como forma de le­gitimação de novas práticas de gerenciamento do trabalho e in­serção no mercado, colocando uma série de valores, e não o lu­cro, como aspecto central desse modelo de negócios (SCHOLZ, 2016; SLEE, 2017).

11Essa construção narrativa, elaborada dentro de grandes de­partamentos de marketing das empresas, foi sintetizada no ter­mo « Economia do Compartilha­mento », que, para além da ado­ção dos princípios de disrupção, liberdade e inovação da cultura hacker, buscou vincular os ser­viços oferecidos pelas empresas a valores como solidariedade, comunidade, sustentabilidade e racionalização do uso de bens e serviços através do compar­tilhamento de propriedades, como os carros compartilhados da Uber, as ferramentas de vi­zinhos no Taskrabbit ou mesmo os imóveis disponíveis no Air­bnb, com foco na comunidade e na ideia de substituir corpora­ções sem rosto por conexões hu­manas reais (SLEE, 2017, p. 14).

12Esse discurso do comparti­lhamento e da autoproclamação das empresas como de tecnolo­gia para viabilizar um modelo de negócios – baseado em sua desresponsabilização com rela­ção a direitos trabalhistas e na externalização de custos – tam­bém buscou legitimação através da narrativa de que os « parcei­ros », como costumam ser deno­minados os trabalhadores pelas empresas-plataforma, usariam a infraestrutura digital disponi­bilizada como meio de obten­ção de renda complementar, na tentativa de descaracterizar a existência de subordinação do trabalho.

13Ocorre que não demorou para o discurso da Economia do Compartilhamento cair por terra, na medida em que fi­cou evidente tratar-se apenas de estratégia de marketing das empresas, incompatível com a realidade da dependência de parcela dos trabalhadores em relação à renda obtida através dos apps. O suposto comparti­lhamento deu lugar então à for­mação de gigantes corporativos, cujo funcionamento se dá por algoritmos pouco inteligíveis (SLEE, 2017, p. 27). Ademais, a reivindicada excepcionalida­de do modelo de negócios, ba­seado nos princípios enuncia­dos, tampouco se sustentou por muito tempo, conforme caiu o véu que tentava maquiar a voca­ção voltada ao lucro, indistinta da lógica mais básica de orien­tação das empresas no capitalis­mo, de maneira que alguns au­tores, como Srnicek (2017), têm defendido a utilização do termo « Capitalismo de Plataforma » como o mais adequado para de­finir o fenômeno.

14Mesmo nos países desenvol­vidos, como os Estados Unidos e países da Europa Ocidental, em que a relação formal de emprego chegou a consolidar-se como forma hegemônica de relação de trabalho, o discurso da Economia do Compartilha­mento apresenta limites impor­tantes, pois desconsidera a con­dição de muitos trabalhadores, que retiram a maior parte, senão a integralidade, de sua renda através de atividades mediadas pelas plataformas. Se essa já é uma realidade nos países do centro do sistema, no Sul Glo­bal, em países como o Brasil, nos quais parcelas expressivas da população sempre estiveram à margem do mercado formal de trabalho, ela se impõe de for­ma ainda mais avassaladora.

15Os resultados obtidos em pesquisa realizada no ano de 2019 junto a entregadores ci­clistas na cidade de São Paulo demonstram bem essa questão no entrecruzamento de variá­veis como raça, classe e faixa etária. Segundo a pesquisa, na média dos entrevistados, o en­tregador ciclista de aplicativo trabalha todos os dias da sema­na, 9 a 10 horas por dia, e ganha 992 reais por mês; sendo que 75% desses trabalhadores têm até 27 anos e 71% deles se au­todeclararam pretos ou pardos (ALIANÇA BIKE, 2019, p. 6).

  • 5 Gig economy tem sido traduzida como economia dos bicos no debate sobre o trabalho por plataformas, (...)

16A persistência histórica de altas taxas de informalidade no mercado de trabalho brasileiro e a prevalência de trajetórias ocupacionais de segmentos ex­pressivos da população marca­das por instabilidade, transito­riedade entre mercado formal e informal, precariedade e au­sência de direitos ajudam a sus­tentar argumento que tem sido utilizado por diversos autores no debate sobre a plataformiza­ção do trabalho no Brasil, qual seja, o de que a definição de gig economy5 traz uma série de desafios analíticos para pensar contextos que não são do centro do capitalismo, sendo um con­ceito eurocêntrico. Isso porque esse quadro não foi introduzido a partir da proliferação de plata­formas digitais de trabalho, mas é a norma por aqui, na medida em que a economia brasileira é historicamente uma gig economy, e as camadas populares desde sempre transitaram entre diversos bicos, no setor formal e informal, como forma de ga­rantir sua reprodução social (FAIRWORK, 2022, p. 10). A diferença hoje é que as platafor­mas digitais de trabalho se apro­veitam deste contexto para ge­renciar uma força de trabalho de grandes proporções, que se insere de forma precária no mercado (GROHMANN et al., 2022).

17A partir dessa argumentação, a literatura tem chamado a aten­ção para um aspecto crucial do debate sobre a plataformização do trabalho, que é o dos impac­tos e efeitos diferenciais que o processo adquire em função do contexto em que ocorre, a des­peito da dimensão global do fenômeno. Em outras palavras, uma coisa é pensar o impacto do processo sobre a reconfi­guração do mercado no Norte Global, em que a direção dele aparenta ser a de substituição de postos formais por arranjos flexíveis. Outra, completamen­te distinta, é analisar o processo e seus efeitos em contextos do Sul Global, em que as platafor­mas têm se inserido e capturado sobretudo parcelas da força de trabalho marcadas por trajetó­rias profissionais que passam ao largo de arranjos formais e estáveis de relações de trabalho.

18Esse aspecto é decisivo para a perspectiva que se defende neste artigo, pois considera-se que as características estruturais do mercado de trabalho brasi­leiro, e que determinam as con­dições de inserção da população nele, constituem variável cen­tral que molda as percepções e a forma como os trabalhadores se relacionam com as platafor­mas de trabalho e os discursos mobilizados por elas. Em suma, as percepções dos trabalhadores em relação a este processo só podem ser analisadas se consi­deradas as características histó­ricas e estruturais do mercado de trabalho brasileiro e o con­texto atual de crise econômica, altas taxas de desemprego, in­formalidade e subocupação.

19Apesar de ser esse o pano de fundo da entrada de plataformas digitais de trabalho no Brasil e na maioria dos países do Sul Global, é interessante notar como o discurso oficial das pla­taformas pouco parece se mo­dular ao contexto em que elas se inserem. Isso porque, de início, a ideia do trabalho por platafor­mas servir como complementa­ção de renda para profissionais autônomos, que buscam maior flexibilidade e liberdade para trabalhar, não se aplica ao qua­dro descrito.

1.1 Discursos das empresas e percepções dos trabalhadores: descompasso e ambiguidade nos grupos de aplicativos de mensagens e páginas de Facebook

20A partir de análise de material e incursões pelos sites e pá­ginas de redes sociais de plata­formas de delivery, como iFood e Rappi, ficam evidentes alguns elementos presentes no discurso original, de fundação, da econo­mia do compartilhamento, de­notando descompasso profundo entre a representação que se faz dos trabalhadores por parte das empresas-plataformas e a reali­dade das condições de trabalho, perfis e preocupações deles, como pôde ser verificado pelo acompanhamento dos grupos de trabalhadores em aplicativos de mensagens e em páginas de redes sociais.

21Tanto nas páginas oficiais de Rappi e iFood presentes na rede social Facebook, quanto nos si­tes institucionais das empresas, a narrativa e o imaginário cons­truídos em torno do trabalho por plataformas são muito simi­lares àqueles da Economia do Compartilhamento, com ênfase em três dimensões principais: autonomia e flexibilidade dos « parceiros », complementação de renda e empreendedorismo.

22As noções de autonomia e flexibilidade reivindicadas como características dessa mo­dalidade de trabalho caminham lado a lado com a ideia de fon­te de renda complementar. Na página inicial do site da Rappi, « Rappi Brasil »6, a única seção que faz menção aos trabalha­dores mostra uma foto de dois jovens brancos sorridentes, um deles montado em cima de uma bicicleta, e faz referência à ideia de « ganhar dinheiro ex­tra ». Mais um ponto que vai na direção da narrativa de obten­ção de renda extra e da flexibi­lidade do trabalho é a seção em que são apresentados relatos de entregadores inscritos na plata­forma. Um dos testemunhos é o de uma estudante que utiliza a plataforma como meio de con­ciliar trabalho e estudos numa rotina flexível, só possível da­das as condições de autonomia conferidas pela plataforma. Narrativa essa que se repete em relatos de profissionais de outras áreas que usam a plata­forma eventualmente.

23Esses relatos, minuciosa­mente selecionados pelos de­partamentos de marketing das empresas, contrastam não ape­nas com os dados que têm apon­tado para as longas jornadas de trabalho enfrentadas por entre­gadores de aplicativo em cida­des como São Paulo (ALIAN­ÇA BIKE, 2019), mas também com os diálogos travados en­tre trabalhadores em grupos de WhatsApp e Telegram, nos quais são frequentes as quei­xas relacionadas à dependência econômica que se tem das pla­taformas, à quantidade de horas disponível no aplicativo sem receber pedidos dentre outros questionamentos que apon­tam na contramão do discurso corporativo.

24A dimensão do empreen­dedorismo, muito associada à ideia de que os trabalhadores de aplicativo seriam trabalhadores autônomos, tem sido ampla­mente confrontada pela litera­tura da plataformização do tra­balho. Em oposição ao discurso do empreendedorismo de si mesmo, Ludmila Abílio (2019) cunhou a noção de autogeren­ciamento subordinado como definição da relação entre os trabalhadores e as plataformas, que está pautada em um conjun­to de imposições administradas por algoritmos opacos, a come­çar pela distribuição de serviços e definição dos valores sobre os quais os trabalhadores não têm nenhum controle, e também por conta da completa externaliza­ção de custos e riscos por par­te das empresas em direção aos trabalhadores.

25Apesar da inconsistência do discurso do empreendedorismo, as empresas-plataforma não se furtam a defendê-lo como váli­do para caracterizar a atividade de entregadores de plataforma. Além de sua relação com as noções de flexibilidade e auto­nomia, ele está expresso parti­cularmente na página « iFood Entregador »7, dentro do site da empresa, em que consta seção « Dicas iFood », com recomen­dações para « o delivery », « o bolso », « a família », « a seguran­ça » e « a saúde ». Nela, são en­contradas pequenas matérias de conteúdo genérico e de caráter totalmente descolado da rea­lidade dos trabalhadores, com orientações sobre, por exem­plo, « como cuidar da alimenta­ção no período entre entregas », « como conciliar vida profissio­nal e lazer », « como economizar na compra de material escolar », « como melhorar o planejamen­to financeiro », entre outras. Fica evidente, assim, para além do descompasso entre a repre­sentação que se faz dos traba­lhadores e a realidade, um apelo forte ao imaginário do empre­endedorismo, do planejamento, da conciliação entre trabalho e qualidade de vida dentre outras questões que pouco parecem coincidir com as preocupações expressas por esses sujeitos no dia a dia de trabalho.

  • 8 O principal movimento de paralisação dos entregadores de aplicativo ocorreu em julho de 2020 em div (...)

26Em oposição ao discurso ofi­cial veiculado pelas plataformas em seus canais de comunicação, o que se observa em grupos de WhatsApp e Telegram e pági­nas de Facebook de entregado­res serve de contraposição ao quadro descrito pelas empresas. Um exemplo disso é o conte­údo na aba « Iniciativas para você », dentro da página iFood Entregador, em que a empresa afirma, com base em pesquisa realizada entre março de 2020 e março de 2021, que 76,6% dos entregadores estariam satisfei­tos com o iFood. Muito embo­ra não haja mais detalhes para além da menção ao dado feita em trecho que consta no site, ele destoa significativamente do que expressam, de forma geral, as falas e conversas entre en­tregadores nos canais mencio­nados. Não se nega a possibili­dade dos trabalhadores de fato valorizarem aspectos do traba­lho por plataformas, sobretudo quando se leva em consideração as trajetórias profissionais em sua maioria instáveis desses su­jeitos. No entanto, o parâmetro ‘satisfação’ medido pela pes­quisa encomendada pelo iFood é completamente vago, quando analisado em perspectiva das interações cotidianas entre en­tregadores no WhatsApp, Te­legram e páginas de Facebook. Os trabalhadores criticam co­tidianamente aspectos centrais das condições de trabalho ofe­recidas pelas plataformas como, por exemplo, as baixas taxas praticadas por entrega realiza­da, que desencadeou diversos movimentos de paralisações e protestos nos últimos anos8; os bloqueios injustificados; a falta de transparência com re­lação aos critérios de distribui­ção dos pedidos; a oscilação na demanda; a sensação de depen­dência extrema com relação às plataformas e de exploração do trabalho dentre outras insatisfa­ções compartilhadas nesses ca­nais de comunicação.

27Contrariando o discurso da obtenção de renda extra, veri­ficou-se nos grupos de aplicati­vos que os membros costumam se posicionar a favor das princi­pais pautas de mobilização das categorias nos momentos em que essas discussões são levan­tadas nos grupos. Entretanto, também se observa uma posi­ção compartilhada de tolerância e compreensão com relação aos pares que não aderem ao mo­vimento, deixando de trabalhar numa data combinada, não por discordância tática ou ideoló­gica, mas por dependerem da renda diária gerada através do trabalho nos aplicativos. Essa observação vinda dos próprios trabalhadores reforça que o discurso da obtenção de renda complementar a partir da ativi­dade de entregadores que atu­am por aplicativos não condiz com a situação de boa parte da categoria, além de apontar para a necessidade de se analisar as empresas de plataforma dentro do contexto de desemprego e subocupação do mercado de tra­balho brasileiro (FAIRWORK, 2022, p. 9).

28Quanto à dimensão da fle­xibilidade e autonomia que são colocadas como marcas dessa modalidade de trabalho, os tra­balhadores as questionam, ain­da que indiretamente, quando criticam o controle excessivo que plataformas como iFood e Rappi detêm sobre a força de trabalho. Nas situações, já mencionadas, de mobilização contra determinadas políticas das empresas, foram frequen­tes mensagens trocadas nos grupos que apontavam para os limites do sucesso das mobili­zações por aumento das taxas, uma vez que, nas palavras de um membro de um dos grupos, « não adianta parar ou protestar contra o iFood, porque sai 2 da plataforma e entra 10 no outro dia ». Os trabalhadores demons­tram, portanto, bastante lucidez com relação ao poder que as empresas detêm sobre a defini­ção das condições de trabalho porque controlam a infraestru­tura necessária para realização do trabalho, da qual centenas de milhares de trabalhadores dependem para sobreviver atu­almente.

  • 9 No iFood há duas formas de gestão do trabalho, os modelos «nuvem» e «OL». A principal diferença del (...)

29Outra contradição entre o discurso dos « apps » e a reali­dade do trabalho aparece nas críticas dos entregadores « nu­vem » quanto à concentração da demanda dos aplicativos nos entregadores vinculados a Ope­radores Logísticos, os entrega­dores chamados « OL »9. Essa crítica é contundente quanto à dimensão da flexibilidade dos entregadores, na medida em que os entregadores « OL » não deter­minam livremente seu horário de trabalho nem a região onde vão atuar, que fica à cargo dos operadores logísticos, fazendo com que a plataforma garanta maior controle sobre a oferta de entregadores logados em deter­minados horários e pontos es­tratégicos na cidade. Os entre­gadores « nuvem », por sua vez, reclamam constantemente da falta de pedidos que recebem, sem falar no problema relata­do da não aceitação ou demora significativa da plataforma para liberar o cadastro de entregado­res que selecionam a categoria « nuvem » em cidades com alta quantidade de trabalhadores inscritos, como é o caso de São Paulo. Isso não priva os traba­lhadores de « jogar o jogo das plataformas » (GROHMANN et al., 2022) e elaborar táticas e es­tratégias coletivas para driblar as restrições e incertezas impos­tas pelos aplicativos, a exemplo de práticas como selecionar ou­tra cidade, de menor demanda e número de trabalhadores cadas­trados no app, com o objetivo de reduzir o tempo de liberação do cadastro pela empresa, ou então da própria comercialização de contas que se constituiu nos circuitos de entregadores nas redes sociais.

30Na seção seguinte do artigo, discute-se os principais usos dos aplicativos de mensagens instantâneas feitos por entrega­dores, e o papel que essas inte­rações adquirem no sentido de moldar estratégias que os au­xiliem a tomar as melhores de­cisões no dia a dia de trabalho, bem como as identidades cole­tivas forjadas em meio a esse processo.

2. « Jogar o jogo das plataformas »: os usos ambivalentes dos aplicativos de mensagens instantâneas feitos por entregadores de plataforma

  • 10 Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos. BBC News Brasil (...)

31Nos últimos anos foram pu­blicadas inúmeras reportagens em veículos de comunicação da mídia tradicional e alternativa trazendo relatos das condições precárias de trabalho de moto­ristas e entregadores de aplica­tivos nas grandes cidades brasi­leiras10. Chamou muita atenção da opinião pública que vários dentre esses trabalhadores su­jeitem-se a situações limite, como enfrentar jornadas exaus­tivas de mais de 12 horas de trabalho; dormir na rua; pedalar mais de 50 km ao dia; trabalhar com medo de ser assaltado; en­frentar fortes chuvas e diversos outros exemplos que atestam as péssimas condições de trabalho sob as quais muitos trabalhado­res de aplicativo encaram seu dia a dia.

32Está escancarada a contradi­ção de que empresas que estão na fronteira da inovação e do de­senvolvimento tecnológico sub­metam os trabalhadores a con­dições degradantes de trabalho sob a narrativa de que se trata de trabalho autônomo utilizado como fonte de complementação de renda. A constatação de ta­manho abismo entre o discurso e a prática não poderia deixar de ser tema do debate público: no relatório recente, da iniciativa Fairwork Brasil (2022), foram demonstradas, a partir de estudo das principais plataformas que atuam no país, tanto a péssima nota que elas tiveram com base em critérios de trabalho decen­te da OIT11, como a percepção negativa que amplos segmentos da sociedade nutrem em relação às condições do trabalho por plataformas12. Contradição essa que se amplificou no período de pandemia e isolamento social, já que o trabalho de entregado­res, que se expuseram aos riscos do contágio do vírus, ganhou importância, reconhecimento e esteve ainda mais em evidência.

33A discussão que segue abor­da os principais usos feitos por entregadores de grupos em aplicativos de mensagens instan­tâneas e páginas de Facebook. Entende-se que, com o relato das diversas maneiras de inte­ração estabelecidas e os diálo­gos mais frequentes, ficará mais claro o papel que esses espaços digitais de comunicação têm no cotidiano dos entregadores, no sentido de representar um es­paço no qual se compartilham informações, estratégias e expe­riências diversas com o objetivo de mitigar as dificuldades rela­tivas ao trabalho, e que nesse processo dinâmico conforma as condições para a emergência de identidades coletivas. Pretende-se também que a análise ajude a compreender parte das razões pelas quais milhões de brasilei­ros têm se submetido, quando não optado, a essa modalidade de trabalho, a despeito das con­dições precárias que a caracteri­zam hoje.

2.1. Trabalho por plataformas e o digital: entre permanências e novidades

34Antes de falar sobre as di­nâmicas de interação e o pa­pel que cumprem os grupos de WhatsApp e Telegram entre en­tregadores, é necessário abordar algumas das características do trabalho por plataformas, em particular das plataformas de delivery, que contribuem para a utilidade que esses ambientes assumem.

35Em primeiro lugar, vale pontuar que ter um smartphone com conexão à internet é condição imprescindível para o exercício do trabalho, de ma­neira que a utilização intensa de aplicativos de mensagens ins­tantâneas e redes sociais passou a fazer parte da rotina desses trabalhadores. Nesse sentido, cumpre notar que as próprias exigências materiais do traba­lho colocadas pelas empresas estabelecem as condições de interação a partir das quais os entregadores cooperam entre si, trocam informações sobre o dia a dia de trabalho e criticam de­terminados aspectos do trabalho e das empresas, contornando ao menos em parte as limitações à organização coletiva colocadas pelas plataformas por meio de um modelo de gerenciamento do trabalho que controla a força de trabalho ainda que ela esteja dispersa no território.

36Outro aspecto importante de se mencionar, sem o qual não se compreende o papel dos ambientes digitais de comuni­cação, diz respeito à dinâmica particular da rotina dos entre­gadores de aplicativos. É muito comum passar por pontos das grandes cidades, em especial de regiões nobres do Centro expandido, como o Largo da Batata, a Avenida Paulista e áreas próximas aos estacionamentos de shoppings centers, no caso de São Paulo, e se deparar com entregadores esperando em cima de suas motos, conver­sando, comendo, descansando e mexendo em seus smartphones. A cena do entregador encostado em sua moto, olhando para a tela de seu smartphone é possi­velmente aquela que se vê com maior frequência dada a nature­za desse trabalho: ele é geren­ciado em todas as suas etapas, da distribuição feita por algo­ritmos até a avaliação por parte dos clientes, por um aplicativo instalado nos celulares pessoais dos trabalhadores. Assim, estar conectado e atento ao celular para ver se « tocou » algum pe­dido é tarefa básica dos entre­gadores; enquanto aguardam a notificação de algum pedido a ser entregue, os entregadores interagem entre si, seja pre­sencialmente, seja através do WhatsApp ou Telegram. Daí que, seguindo premissa básica da etnografia digital (HINE, 2020; MILLER e SLATER, 2004), o cotidiano dos trabalha­dores por plataforma evidencia a impossibilidade de separação entre esferas on e offline como dimensões apartadas da vida social. Ademais, como a rotina de trabalho dos entregadores é marcada por deslocamentos constantes pela cidade, muitas vezes as principais interações se dão pelos aplicativos de men­sagens, mais do que presencial­mente, de maneira a consolidar esses ambientes como espaços privilegiados de troca e comu­nicação.

37Essa concepção do digital auxilia a subsidiar uma discus­são sobre as novidades do tra­balho mediado por plataformas digitais enquanto forma nova e particular de organização e ge­renciamento do trabalho. Em­bora diversos aspectos descritos pela literatura sobre o processo de plataformização pareçam repetir grandes questões abor­dadas pela sociologia do traba­lho, como exploração, controle, subordinação, dentre outras, a abordagem do digital permite pensar os elementos verdadeira­mente novos dessa modalidade.

38Apesar de entender que a relação capital-trabalho conti­nua se estruturando em torno do conflito básico de apropria­ção do valor da produção, o digital promove alterações que não podem ser desconsidera­das. As mais evidentes dizem respeito aos novos mecanismos de controle e gerenciamento de uma força de trabalho enorme e dispersa, que se dá por meio de algoritmos automatizados, sem contato direto estabelecido en­tre patrão ou gerente e trabalhadores (SRNICEK, 2017). Nesse sentido, com base na pesquisa empírica realizada, o discurso de que os trabalhadores de pla­taforma não têm patrão, ou são os seus próprios patrões parece ter apelo importante entre traba­lhadores, ainda que as críticas constantes contra as empresas -plataforma expressem sentidos de indignação contra a subordi­nação a elas. Além disso, o di­gital, como já foi mencionado, também é central como meca­nismo que possibilita comuni­cação, interação e troca entre trabalhadores de plataforma, que caso não estivessem em contato nos ambientes online, muito provavelmente teriam seus recursos de elaboração, co­operação e organização coletiva profundamente limitados - mais do que já o são.

2.2. WhatsApp, Telegram e Facebook: os variados espaços de comunicação e suas dinâmicas e usos particulares por entregadores de aplicativo

39A pesquisa digital foi reali­zada em diferentes ambientes online frequentados por entre­gadores de plataforma: grupos em aplicativos de mensagens instantâneas, como WhatsApp e Telegram, e páginas de Face­book. As dinâmicas observadas variaram significativamente em função da plataforma digital utilizada. Se de um lado as inte­rações em grupos de aplicativos de mensagens costumam ser mais constantes, estendem-se na rotina de trabalho dos entre­gadores e, por vezes, envolvem longas discussões e elaborações coletivas, as trocas estabele­cidas através das páginas no Facebook são, em geral, sobre questões pontuais e ocorrem de forma esporádica. Nos grupos de WhatsApp, em especial, por serem menores do que os de Te­legram percebe-se também uma dinâmica em que há um grau mais elevado de respeito mútuo entre os membros, enquanto que nas páginas de Facebook obser­vou-se menor preocupação em ser solícito e tentar atender às demandas colocadas por usuá­rios e também ocorrência mais frequente de provocações e discussões ríspidas. Vários dos grupos de aplicativos de mensa­gens, por outro lado, têm dinâ­mica diretamente ligada à rotina de trabalho, que se expressa na preocupação entre os membros de ajudar-se mutuamente e de não « tumultuar » com discus­sões que não são pertinentes do ponto de vista do dia a dia de trabalho, o que ocorre com al­guma frequência nas páginas de Facebook.

40Cumpre pontuar que mesmo dentro do universo de grupos de aplicativos de mensagens também há diferenças de dinâ­micas em função do caráter dos grupos. Observou-se na pesqui­sa feita três principais « tipos » de grupos: grupos para organi­zação de mobilizações, grupos mais voltados para questões do dia a dia do trabalho e os grupos de Telegram, que têm algumas características específicas em relação àqueles de WhatsApp.

41Começando pelos grupos de Telegram, as dinâmicas obser­vadas nesses grupos são par­ticulares devido ao funciona­mento distinto do aplicativo em relação ao WhatsApp. Existem grupos públicos no Telegram, que não impõem nenhuma bar­reira de entrada nem limite de membros ‒ os grupos nos quais se realizou a pesquisa possuem entre 500 e 3000 participantes. Essas características fazem com que as dinâmicas no Telegram se assemelhem um pouco mais ao que foi observado em pági­nas de Facebook, onde não se verifica tanta organicidade e co­esão entre os membros, que não se conhecem entre si em sua imensa maioria. Em geral, ob­serva-se que poucos membros participam ativamente das con­versas e que as interações giram em torno de questões pontuais de membros com dúvidas ou problemas com a plataforma, por exemplo: como proceder após um bloqueio injustificado; o que fazer com pedidos cance­lados pelos clientes; como me­lhorar avaliação no aplicativo; dentre inúmeras outras questões com as quais se deparam os en­tregadores de aplicativo em sua rotina de trabalho.

42Um segundo conjunto de grupos dentro dos aplicativos de mensagens são os grupos organizados em torno de algu­ma mobilização específica da categoria no WhatsApp. Uma primeira diferença com rela­ção aos grupos de Telegram é que no WhatsApp há limite de membros por grupo, o que faz com que normalmente eles apresentem entre 100 e 200 membros. Dentre os grupos acompanhados, a maioria tem entre 80 e 100 membros, e aqueles com o maior número de integrantes não passam de 250. Outro ponto de distinção é que os grupos de WhatsA­pp só são acessados através de um « convite » com o link para entrar no grupo. Isso faz com que os grupos de WhatsApp apresentem uma composição um pouco mais coesa, já que o caminho padrão para entrar nos grupos é o de receber o convite de algum contato ou em algum grupo do qual a pessoa já faça parte. A pesquisa empírica rea­lizada indica, inclusive, que os grupos de WhatsApp são mais homogêneos do ponto de vista da região em que vivem e tra­balham os seus membros, sendo comum grupos com nomes que fazem referência a uma locali­dade, região ou cidade específi­ca, como « motoboys Sorocaba e região », « breque dos apps Goiâ­nia », « motocas RJ », etc.

43Os grupos que se formam em torno de greves, paralisações e outras formas de mobilização coletiva apresentam caracterís­ticas bastante particulares em vários aspectos. Primeiro, eles atingem rapidamente o número limite de membros após o mo­mento de sua criação, pois são espalhados de forma intensa nos primeiros dias. Outro ponto interessante é que esses grupos são extremamente ativos, com alto engajamento e participação dos membros nas discussões desde o momento de organiza­ção que antecede a mobilização até a data de realização dela, em que são compartilhados in­tensamente áudios e vídeos dos trabalhadores em ações de pro­testo, paralisação, assembleias e assim por diante. Na mesma velocidade que crescem antes das ações e produzem engaja­mento entre os trabalhadores, esses grupos minguam depois de realizada a mobilização com a saída de diversos membros ou então com uma queda brus­ca nas interações e postagens. Percebe-se também que eles costumam contar com a parti­cipação de pessoas que não são entregadores, mas que integram coletivos, movimentos sociais e outras organizações interessa­das em acompanhar, contribuir e dirigir a mobilização dos en­tregadores.

44Por fim, há um terceiro tipo de grupo, a partir dos quais se reuniu as principais dinâmicas que subsidiaram a análise, ca­racterizado aqui em função do seu aspecto ligado ao dia a dia de trabalho dos entregadores, que se reflete em discussões, trocas e interações frequentes a respeito de dúvidas, informa­ções, questões, problemas, di­ficuldades dentre uma série de outras demandas que vão sur­gindo e sendo compartilhadas no cotidiano dos entregadores em sua relação com as plata­formas digitais de trabalho. Esses grupos ofereceram ma­terial empírico riquíssimo, na medida em que, dentre os diver­sos tipos de ambientes digitais navegados pelos entregadores de aplicativo, são os que apre­sentam a maior regularidade de interações, as relações mais próximas entre seus membros, a maior diversidade de discussões e também o mais alto grau de engajamento dos membros nos diálogos estabelecidos.

2.3. Racionalidades ambivalentes e formação de identidades coletivas nas interações de entregadores em ambientes digitais

45As principais interações ob­servadas podem ser divididas em dois grandes padrões de uti­lização desses espaços online, quais sejam: de um lado dinâ­micas de ordem mais prática, como o compartilhamento de dúvidas e problemas, com obje­tivo de saná-los com a ajuda dos demais membros; e, de outro, interações variadas, sem fina­lidade específica, que parecem reproduzir nos espaços digitais as formas de sociabilidade que ocorrem entre colegas em locais de trabalho.

46Dentro do conjunto de diálo­gos voltado às dinâmicas de co­operação e resolução de proble­mas identificou-se uma gama ampla de interações, como: tro­ca de informações sobre taxas e promoções dos aplicativos ao longo do dia; relatos sobre aci­dentes, golpes, assaltos de mo­tos e batidas da polícia militar; discussões sobre estratégias de maximização dos ganhos com os aplicativos; dúvidas sobre manutenção e troca de peças de motos e bicicletas; sugestões de seguros; questões sobre buro­cracias diversas; e legislação de trânsito. Todas elas apontam no sentido da utilização dos grupos enquanto espaço privilegiado de compartilhamento de expe­riências, troca de informações e resolução coletiva de ques­tões concretas enfrentadas no exercício cotidiano do trabalho. Chama especial atenção o alto nível de engajamento dos mem­bros dos grupos, que se reflete na prontidão com que as per­guntas costumam ser atendidas e na riqueza de detalhes confe­rida a algumas das respostas, que se desdobram em longas discussões.

  • 13 Os administradores de grupos de aplicativos de mensagens instantâneas e de páginas de Facebook são (...)

47O segundo conjunto de inte­rações passa por questões diver­sas como vídeos, piadas, mensa­gens motivacionais e religiosas, além de discussões sobre as­suntos e eventos que não dizem respeito ao trabalho realizado. Importante pontuar que os « administradores »13 dos grupos de WhatsApp e Telegram e das pá­ginas de Facebook de entrega­dores estabelecem um conjunto de regras a serem respeitadas no uso dos espaços, que envolve a interdição do compartilhamento de certos conteúdos e discus­sões, como religião, futebol, política, pornografia, drogas, vendas, assim como postagens de vídeos e fotos de mortes, cenas de violência e acidentes. Os membros que desrespeitam tais combinados estão sujeitos à expulsão pelos administradores dos grupos e/ou páginas em que estão inseridos.

48Apesar do conjunto de regras estar claro na descrição dos gru­pos, o rigor com que as trans­gressões são censuradas pelos administradores varia bastante conforme o ambiente digital e o assunto específico abordado. Futebol, piadas, cenas violentas e mensagens religiosas costu­mam não sofrer nenhum tipo de retaliação por parte dos respon­sáveis por decidir quem fica ou é excluído dos grupos. Por outro lado, há um consenso tácito em torno do respeito ou do maior cuidado ao se abordar temas da política nacional. As discussões político-partidárias, portanto, são evitadas nos grupos de Telegram e WhatsApp, sobretudo naqueles que servem à organi­zação de mobilizações políti­cas da categoria, sob risco de implosão do movimento. Em grupos de Facebook, excepcio­nalmente, é mais comum haver quebra dessa regra, o que pode se dever, em alguma medida, ao baixo grau de organicidade das interações nesses espaços e ao relativo anonimato experimen­tado em relações estabelecidas em redes sociais, em que os membros dos grupos são muitos e mantêm relação entre si mais distanciadas. Além disso, a ameaça de exclusão dos grupos de WhatsApp parece maior do que nas páginas de Facebook, e o custo de ser excluído de um grupo de WhatsApp que tem utilidade concreta no dia a dia desses trabalhadores parece muito mais importante do que de páginas de Facebook, em que o acesso costuma ser aberto.

49As discussões e interações envolvendo assuntos e proble­mas ligados ao cotidiano de tra­balho dos entregadores são as que mais interessam para fins do que se pretende mostrar; os usos dos grupos e páginas de redes sociais feitos por entrega­dores. Merece destaque o fato de que concorrem racionali­dades e lógicas aparentemente ambíguas, quando não contra­ditórias, nas dinâmicas estabe­lecidas. Isso porque verificam-se combinações de interações com sentido de cooperação e ajuda mútua, que sugerem exis­tência de grau importante de solidariedade e coesão entre os membros, ao mesmo tempo em que essas mesmas interações têm orientação pragmática, de racionalização das práticas no trabalho. Embora as interpreta­ções para lidar com o alto nível de incerteza e imprevisibilidade imposto pelo gerenciamento al­gorítmico do trabalho e a opa­cidade das plataformas sejam resultado de um processo cole­tivo de colaboração entre vários membros presentes nos grupos,não se pode negligenciar o fato de que o acúmulo de elabora­ções está voltado para o desem­penho individual e a superação das metas diárias impostas por cada trabalhador para si mesmo no cotidiano de trabalho.

50Para tentar decifrar a com­plexidade das interações ob­servadas, toma-se empresta­da a noção de « solidariedades empreendedoras » cunhada por Soriano e Cabañes (2020) para descrever as distintas lógicas contidas nos usos de grupos e redes sociais feitos por tra­balhadores digitais filipinos. Mesmo que desenvolvida para análise de outro contexto, ela se mostrou adequada para analisar o caso dos entregadores brasi­leiros. Segundo os autores, nas interações entre trabalhadores por redes sociais e aplicativos de mensagens, eles trocam in­formações e cooperam com o objetivo de mitigar os efeitos mais deletérios do trabalho por plataformas. Nesse sentido, as interações apontam para prá­ticas de adaptação articuladas em torno de uma experiência de trabalho precário, embora do ponto de vista desses sujeitos a precariedade seja vivenciada de modo particular. Sobre o con­ceito de solidariedades empre­endedoras, Soriano e Cabañes (2020, p. 2. Tradução do autor) colocam:

Esse conceito captura como as interações sociais e trocas entre trabalhadores digitais são carac­terizadas por discursos concor­rentes de ambiguidade, precarie­dade, oportunidade e adaptação. Ele também ressalta que essas interações e trocas são princi­palmente articuladas e visuali­zadas através das sociabilidades proporcionadas pelos espaços de redes sociais

51Outro conceito importante para o argumento dos autores acerca das ambiguidades na relação dos trabalhadores digi­tais filipinos com o seu trabalho consiste na noção de « marginalidade ambivalente ». A partir dela, Soriano e Cabañes lançam luz sobre as disposições contra­ditórias e nuançadas com que os trabalhadores do Sul Global experienciam a precariedade, em particular no caso do traba­lho por plataformas, que apre­senta elementos valorizados por eles, como os aspectos de flexibilidade e autonomia. Isso não significa, contudo, que eles entendam que os trabalhadores aceitem passivamente os dis­cursos neoliberais das empre­sas-plataforma, senão que as condições dessa atividade labo­ral são vividas e avaliadas por eles com base em suas próprias trajetórias profissionais e suas possibilidades restritas de in­serção no mercado de trabalho (ibid., 2020, p. 2).

52Por outro lado, as interações frequentes em redes sociais e aplicativos de mensagens mostram como esses espaços ser­vem também enquanto local de compartilhamento de insa­tisfações e descontentamentos por trabalhadores, contrariando perspectiva de adesão alienada deles a um conjunto de valores que, no limite, contribui com a naturalização de condições precárias de trabalho. Essas ambivalências, a que fazem re­ferência os autores citados, se traduzem no reconhecimento explícito por parte dos entre­gadores da importância que as plataformas de trabalho tiveram e ainda têm para garantir uma alternativa de sustento num momento de crise, ao mesmo tempo em que esses discursos são atravessados por críticas às empresas e às condições de trabalho impostas por elas.

  • 14 «Um por um» é uma referência a taxas que remuneram as entregas em 1 Real por cada quilômetro rodado (...)

Mano, os caras não tá nem aí pra nóis. Os caras joga lá 1 por 114 e sabe que alguém vai pegar, não tem jeito. O cara tá lá para­do na rua há mó cota, o cara vai lá e pega. Os caras sabe, é muita gente trampando. Os caras fazem isso de pirraça memo, de pro­pósito. Que eles sabem que nin­guém é bobo não. Todo mundo tá vendo que é 1 por 1. É foda, mano. Aplicativo tá ficando osso ein. Por isso que o app se apro­veita através da necessidade de cada um. Principalmente o Ifood que tá dominando a área do de­livery (Fernando, entregador de aplicativo).

53As muitas formas de intera­ção que se reúnem aqui sob a noção de solidariedades empre­endedoras manifestam-se nas dinâmicas de cooperação nas quais os membros dos grupos se engajam, como a troca de informações sobre promoções e valores de taxas praticadas pelos diferentes apps ao longo do dia, comunicados sobre pon­tos de blitz da polícia e orienta­ções sobre procedimentos ade­quados em caso de bloqueios. Elas vão sendo elaboradas de forma contínua à medida que os trabalhadores compartilham situações vivenciadas e inter­pretações feitas a partir delas. Dessa forma, os membros do grupo auxiliam-se mutuamente através do compartilhamento de conhecimento adquirido sobre o trabalho.

54Outro aspecto em comum que carregam é o fato de essas trocas estarem em sua maio­ria voltadas a fins pragmáticos com que os entregadores se re­lacionam com seu trabalho: to­das elas passam pela elaboração de táticas, estratégias e recursos com o objetivo de reverter a as­simetria de poder e informação que marca a relação entre traba­lhadores e as empresas-platafor­ma e, assim, « jogar o jogo das plataformas » (GROHMANN et al., 2022). Os trabalhado­res visam contornar a falta de clareza dos algoritmos que de­terminam as regras do jogo e, com isso, mitigar as dificulda­des e os obstáculos. Os grupos aparecem, portanto, como es­paços privilegiados de elaboração conjunta e mostram que os trabalhadores não são apenas vítimas do processo, mas de­senvolvem práticas e constroem espaços para produzir fissuras no gerenciamento algorítmico do trabalho a que estão subme­tidos. Como na citação exposta a seguir, são comuns diálogos entre trabalhadores nos grupos em que os membros comparti­lham suas experiências com di­ferentes plataformas de entrega e comparam as vantagens e des­vantagens de cada uma delas. Em referência a uma plataforma específica de entregas, Borzo Delivery, um dos membros do grupo compartilhou a seguinte avaliação:

Não é dos piores. Uma das van­tagens é que vc pode pegar 3 en­tregas ao mesmo tempo, então dá pra otimizar os ganhos pegando entregas próximas, vc economiza tempo e gasolina. Em dias de chuva ou alta demanda, eles au­mentam o valor das taxas em 20, 30 até 50%. Outra vantagem é que os pedidos são bem detalha­dos. Tem o endereço completo de onde vc vai retirar e entregar, e tb o que vc vai levar e o peso es­timado. O valor da corrida que aparece é exatamente o que vc vai receber, diferente do lalamov, por exemplo, onde a comissão deles fica meio escondida (João, entregador de aplicativo).

55Soriano e Cabañes esco­lheram o termo solidariedades empreendedoras também para ressaltar a dimensão de uma racionalidade empreendedora contida nesse padrão de inte­ração, que se verifica, segundo eles, no freio que os usos dos grupos colocam à organização coletiva e à elaboração de saí­das de ruptura com o modelo de negócios das plataformas digi­tais de trabalho:

Em segundo lugar, no entanto, as solidariedades empresariais que emergem dos grupos do Face­book também servem para dimi­nuir as possibilidades de desafiar significativamente as estruturas de poder subjacentes ao trabalho da plataforma digital. Conforme mostrado nas descobertas, as as­pirações de um ambiente de tra­balho flexível e « oportunidades ilimitadas » são promovidas nos círculos locais de freelancers en­quanto treinam os trabalhadores para « navegar com sabedoria no espaço de trabalho digital » para ter sucesso (SORIANO e CA­BAÑES, 2020, p. 9. Tradução do autor).

56Para os autores, na medida em que os grupos servem para o compartilhamento de informa­ções que mitigam o sofrimento e as dificuldades impostas pelas plataformas aos trabalhadores, eles servem também para tornar o trabalho possível e a « navega­ção » no espaço de trabalho digi­tal mais racionalizada. Noutras palavras, os usos atribuídos por trabalhadores aos espaços de comunicação digital tornam o jogo mais palatável, pelo menos do ponto de vista dos jogadores inseridos nele. A construção de uma noção de pertencimento, baseada no compartilhamento de experiências comuns de tra­balho, também é pontuada pe­los autores, que defendem que esses espaços possuem papel importante na formação de uma identidade coletiva entre os tra­balhadores digitais (ibid., 2020).

57A característica de tornar o trabalho possível, pelo compartilhamento de táticas e informações sobre o trabalho, foi amplamente identificada no acompanhamento junto aos entregadores em seus grupos, na medida em que a elaboração e o compartilhamento de críticas contundentes e bastante lúcidas acerca de aspectos prejudiciais aos trabalhadores impostos pe­las empresas, como a explo­ração, o monopólio de merca­do e as políticas de bloqueios, convivem com a formulação de estratégias que têm como pano de fundo uma crença quase que inabalável na possibilidade de contornar as limitações impos­tas pelas plataformas por dentro do sistema.

58Em um dos grupos, para ci­tar um exemplo, entregadores estavam discutindo as dificul­dades encontradas no início do ano para manter os ganhos sem ter que aumentar a quantidade de horas trabalhadas. Um dos membros compartilhou a estra­tégia que tinha elaborado da se­guinte forma:

  • 15 Todos os nomes próprios dos meus interlocutores foram substituídos por nomes fictícios neste texto.

Sempre procuro aplicar alguma estratégia. 1ª regra: nunca depen­der de um app só. No mínimo 3 contas on. 2ª fazer um turno de OL no modal de bike ou patinete. 3ª Não ficar muito tempo no mes­mo local. Aí você pensa: fazendo tudo isso e ainda assim tá fraco. Mas no geral tem funcionado bastante. Tenho conseguido fa­zer mil, mil e pouco por semana. Mas como tá muuito fraco, então é hora de repensar: então agora tô mirando na cornershop e em outras… assim que chegar minha habilitação definitiva a gente dá uma aperfeiçoada nisso. Mas tem dias que é tão fraco que se você não se mover mano aí é que o ba­gulho endoida mesmo (Jonas15, entregador de aplicativo).

59A conversa evoluiu com ou­tros membros do grupo compar­tilhando as dificuldades enfren­tadas para manter as metas de rendimento estabelecidas e as tentativas colocadas em prática para tal:

É mano tá embaçado. Eu tenho 3 apps e mesmo assim tá emba­çado. Acho que tem que mudar os horários. Não sei se começo a vir só na hora do almoço. Faço o almoço e aí volto a noite. Che­go umas 19h e aí fico até umas duas da manhã... Tem que fazer o teste. Porque a Rappi tá osso, mano, tá muito devagar. Bagulho não tá tocando nada! (Fernando, entregador de aplicativo).

60Esses são exemplos dentre vários relatos que sustentam a perspectiva levantada pelos autores no sentido da maneira como as interações e usos dos grupos podem contribuir para a elaboração de estratégias e táti­cas que visam « jogar o jogo das plataformas » em detrimento do horizonte de tentar alterar as re­gras do jogo. Essa dinâmica que sugere aposta na possibilidade de reverter o jogo, otimizando o trabalho, racionalizando prá­ticas e aproveitando eventuais fissuras das plataformas para aumentar os ganhos parece es­tar bastante introjetada numa disposição dos trabalhadores de aplicativo. Considera-se que ela tem relação profunda com a noção de « pragmática vitalista », formulada por Veronica Gago (2018), como uma subjetivida­de de sujeitos que não podem contar com nada para além de seu trabalho e de sua iniciati­va individual. Em etnografia realizada junto a trabalhadores informais em feiras na Argen­tina, Gago (2018) desenvolveu interpretação do neoliberalismo como racionalidade vinda de baixo, isto é, produzida e mo­bilizada pelos próprios sujeitos em situações de precariedade, que é posta em jogo pelas sub­jetividades e táticas da vida co­tidiana (GAGO, 2018, p. 16). Os cálculos e estratégias dos entregadores de aplicativo for­mulados no cotidiano de traba­lho podem ser inscritos dentro dessa chave de interpretação. Esses sujeitos muitas vezes não encontram alternativa possível senão apostar na possibilidade de superação das barreiras colo­cadas por plataformas, polícia, governo, clientes, bandidos e demais figuras que « atrasam » o lado dos entregadores. Mui­to comum a esse respeito se deparar nos grupos com frases como, « Se não tá bom pra você nos apps, é só deslogar do apli­cativo e procurar outra coisa. Ninguém é obrigado »; ou então frases de exaltação do trabalho, do esforço e do resultado em termos de remuneração obtido após um dia de trabalho, com o compartilhamento de print-screen da tela com os rendimen­tos das entregas.

61As crenças em si mesmo, no trabalho e no esforço individual também aparecem muitas ve­zes permeadas por mensagens de conteúdo motivacional, reli­gioso e pela fé quase inabalável de que « hoje vai ser melhor, se Deus quiser ». Apesar da lucidez que uma parte dos membros dos grupos demonstram em relação à exploração do trabalho e da constatação de que as condi­ções de trabalho têm se deterio­rado nos últimos tempos com a não recomposição da renda em função do aumento da gasolina e da inflação, as formulações de estratégias e a construção da identidade em torno dos valores do trabalho, do esforço e da luta apontam para a persistência da esperança expressa em frases como « pior que tá não fica » e « trabalhe que o que é seu tá guardado ».

62Outro efeito, possivelmente colateral, dos usos atribuídos a esses grupos parece ser o da for­mação de identidades coletivas entre trabalhadores que estão expostos às mesmas condições e rotinas de trabalho. Embora muitas vezes esses sujeitos nem se conheçam pessoalmen­te, os grupos criam dinâmicas em que são relatadas insatisfa­ções, críticas, estratégias, ale­grias, incômodos e uma série de outros sentimentos e questões despertados pelo trabalho, que são compartilhadas e têm nas reações de outros membros do grupo espaço de acolhida e re­verberação. Com isso, questões práticas vivenciadas no coti­diano de trabalho se politizam e ganham dimensão coletiva, fazendo com que elas deixem de ser percebidas meramente como experiências individuais. Como colocado por Soriano e Cabañes, « por meio dessas in­terações e trocas facilitadas por recursos de conexão das redes sociais, trabalhadores digitais conseguem promover solidarie­dades com seus pares (Keller, 2019), mas em formas que re­fletem sua marginalidade ambi­valente » (2020, p. 4).

63Experiências essas que vão construindo um ethos entre os entregadores fortemente assen­tado sobre um culto do « trabalho duro », do sacrifício e do esforço individual de « guerreiros » e « pais de família em busca de seu sustento ». O trabalho dos motoboys, desde antes do aparecimento das plataformas digitais, sempre foi associado aos riscos, às adversidades e à coragem, daí o termo « profissão perigo » para se referir à ativida­de e « cachorro louco », aos en­tregadores. Essas identificações são compartilhadas e ressigni­ficadas pela experiência de tra­balho através das plataformas e ganham forte apelo no senti­do de formar um grupo que se define em torno da identidade de trabalhadores, lutadores em contraposição a um imaginário associado ao não-trabalho, que se expressa em falas frequentes observadas nos grupos de What­sApp e Telegram, que opõem os entregadores e seu dia a dia de trabalho a figuras genéricas de vagabundos, bandidos, golpis­tas, oportunistas e políticos. Im­portante frisar o significado de luta atribuído por esses sujeitos, que está muito mais vinculada a ideias de sacrifício, trabalho, esforço individual do que pro­priamente a dinâmicas de orga­nização coletiva e mobilização por direitos.

64Com isso fica evidente a complexidade das interações estabelecidas e das racionalida­des ambivalentes expressas nos usos feitos por entregadores de plataforma dos ambientes onli­ne no qual interagem em seu co­tidiano de trabalho. Se por um lado grupos de WhatsApp, Telegram e páginas de Facebook ajudam a forjar solidariedades baseadas no compartilhamento de rotinas, sofrimentos, revoltas e alegrias de um trabalho suado e perigoso, que podem servir de base para o estreita­mento de laços que solidificam as bases para a organização co­letiva, por outro esses grupos também estimulam e propagam valores e narrativas que valori­zam determinados aspectos do trabalho por plataformas, que acabam servindo à naturaliza­ção de condições precárias de trabalho e da elaboração de sa­ídas individuais para questões estruturais colocadas, que não envolvem desafiar o modelo de negócios das plataformas digi­tais de trabalho.

65Nesse sentido, é impossível pensar a introdução das plata­formas digitais no mercado de trabalho e os efeitos produzidos sobre a classe trabalhadora se­não de forma contextualizada, como apontam as interações observadas entre entregadores brasileiros. Não tomar o quadro de crise econômica aguda e a falta quase total de horizonte e de perspectiva de melhora de vida para amplas parcelas da classe trabalhadora como pano de fundo das disposições e percepções desses sujeitos em relação ao trabalho por platafor­mas seria um equívoco grave, que se espera ter sido demons­trado a partir da pesquisa empí­rica e do conjunto de reflexões apresentado no trabalho.

Considerações finais

66Através da discussão reali­zada, pretendeu-se, em primei­ro lugar, mostrar que há um descompasso evidente entre o discurso e as representações feitas pelas plataformas de tra­balho acerca dos trabalhadores e a realidade experienciada por esses sujeitos. Por outro lado, parte das representações liga­das às dimensões de autonomia e flexibilidade no trabalho por plataformas digitais parece con­tar com alguma adesão desses trabalhadores, o que precisa ser mais estudado para entender até que ponto e como o processo de plataformização incide e con­tribui para o aprofundamento desses valores nas camadas populares.

67Em seguida, apresentou-se, por meio da descrição e análi­se de interações observadas em grupos de aplicativos e páginas de entregadores em redes so­ciais, quais os principais usos atribuídos a esses espaços pelos trabalhadores. Com isso, bus­cou-se mostrar que os grupos servem fundamentalmente a práticas de cooperação mútua e resolução de problemas ten­do em vista capacitar-se para melhor « jogar o jogo das plataformas ». Ademais, sugere-se que esses grupos têm relevância para a formação de identidades coletivas com base em vivências comuns e assentadas sobre noções de sacrifício, risco, co­ragem e disposição que envol­vem o trabalho dos entregado­res e são reivindicadas por eles como elementos centrais do seu cotidiano.

68O artigo pretendeu incidir sobre aspecto relativamente pouco explorado dentro dos es­tudos sobre a plataformização do trabalho, qual seja, o das percepções e racionalidades dos trabalhadores de platafor­ma em relação ao seu trabalho e às narrativas corporativas da economia do compartilhamen­to, marcadas por lógicas ambi­valentes, que mesclam aspectos de solidariedade entre os traba­lhadores e indignação contra as condições de trabalho por um lado, e adesão a valores de auto­nomia, flexibilidade e elabora­ção de estratégias de mitigação das dificuldades colocadas pe­las plataformas por outro. Para isso, foi dada ênfase sobre a ne­cessidade de pensar os efeitos do processo de plataformização considerando a dimensão histó­rica e estrutural do mercado de trabalho local, sendo utilizado o conceito de « marginalidade ambivalente » de Soriano e Cabañes (2020) que lança luz so­bre a relação particular que os sujeitos no Sul Global estabele­cem com a precariedade, dadas as suas trajetórias instáveis nos mercados de trabalho.

69A partir do que foi desenvol­vido e das lacunas não resolvi­das, resta combinar metodologia etnográfica digital com pesqui­sa presencial junto a entregado­res para afinar o entendimento das racionalidades, discursos e disposições desses trabalhado­res, considerando o efeito que variáveis como faixa etária, raça e trajetórias profissionais podem apresentar, já que a cate­goria dos entregadores é ampla e bastante heterogênea. Cumpre também investigar como che­gam os discursos institucionais das plataformas digitais para os trabalhadores engajados nessas atividades para aprofundar en­tendimento do papel direto que o discurso corporativo das pla­taformas de trabalho pode estar desempenhando no sentido de estimular perspectivas e valores neoliberais em relação ao traba­lho. Assim, apontam-se alguns dos caminhos e desdobramen­tos de pesquisas futuras com base nas discussões prelimina­res aqui apresentadas.

Topo da página

Bibliografia

ABÍLIO, L. Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Revista Psicoperspectivas, v.18, n. 3, 2019.

ALIANÇA BIKE. Pesquisa de perfil de entregadores ciclistas de aplicativo. São Paulo: Aliança Bike, jul. 2019.

CASILLI, A.; POSADA, J. The platformization of labor and society. Mark Graham & William H. Dutton. Society and the Internet. How Networks of Information and Communication are Changing Our Lives (2nd ed.), Oxford University Press, p. 293- 306, 2019.

FAIRWORK. Fairwork Brazil ratings 2021: towards decent work in the platform economy. Porto Alegre, Brazil; Oxford, United Kingdom; Berlin, Germany, 2022.

GAGO, V. A razão neoliberal: economias barrocas e pragmática popular. São Paulo: Elefante, 2018. p. 372.

GROHMANN, R.; PEREIRA, G.; GUERRA, A.; ABÍLIO, L.; MORESCHI, B.; JURNO, A. Platform scams: Brazilian workers’ experiences of dishonest and uncertain algorithmic management. New Media & Society, p. 1611-1631, 2022.

GROHMANN, R. Plataformização do trabalho: entre a dataficação, a financeirização e a racionalidade neoliberal. Revista Eptic, v. 22, n. 1, 2020.

HINE, C.; PARREIRAS, C.; & LINS, B. A. A internet 3E: uma internet incorporada, corporificada e cotidiana. Cadernos De Campo. n. 29(2). São Paulo (1991): 2020.

MACHADO, L. Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores por aplicativo. BBC News Brasil, São Paulo, 2019.

MILLER, D.; SLATER, D. Etnografia on e off-line: cybercafés em Trinidad. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 10, n. 21, p. 41-65, jan./jun. 2004.

SCHOLZ, T. Uberworked and Underpaid: how workers are disrupting the digital economy. Cambridge, UK; Malden, MA: Polity Press, 2016.

SLEE, T. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Elefante, 2017.

SORIANO, C. R. R.; CABAÑES, J. V. A. Entrepreneurial solidarities: social media collectives and Filipino digital platform workers. Social Media + Society. Apr. 2020.

SRNICEK, N. Platform capitalism. Cambridge: Polity, 2017.

Topo da página

Notas

1 Para uma discussão sobre as origens e definição da noção de plataforma como infraestrutura digital que promove serviços diversos, ver Casilli, A.; Posada, J. The platformization of labor and society. Mark Graham & William H. Dutton. Society and the Internet. How Networks of Information and Communication are Changing Our Lives. (2nd ed.). Oxford University Press, p. 293-306, 2019, 9780198843504. halshs01895137.

2 UFPR mapeia trabalho por plataformas digitais no Brasil. AMANHÃ. Disponível em: https://amanha.com.br/categoria/tecnologia/ufpr-mapeia-trabalho-por-plataformas-digitais-no-brasil. Acesso em: 7 mai. 2022.

3 A mensuração do número de trabalhadores por plataformas varia consideravelmente. Primeiro, porque muitas empresas não divulgam os dados de trabalhadores registrados e ativos e também porque as contagens oscilam entre diferentes institutos de pesquisa em função do que se considera como trabalho por plataformas, podendo abranger ou não atividades como de vendas online e de influenciadores digitais.

4 Utiliza-se noção de «jogar o jogo das plataformas» (GROHMANN et al., 2022) pensada como elaboração de estratégias para remediar a assimetria de poder estabelecida pelo gerenciamento algorítmico do trabalho.

5 Gig economy tem sido traduzida como economia dos bicos no debate sobre o trabalho por plataformas, no sentido de vincular essa modalidade de trabalho a formas instáveis, precárias, sem direitos de relações de trabalho.

6 https://www.rappi.com.br

7 iFood Entregador: https://entregador.ifood.com.br

8 O principal movimento de paralisação dos entregadores de aplicativo ocorreu em julho de 2020 em diversos estados brasileiros e ficou conhecido como «Breque dos Apps». Depois dele outras mobilizações foram organizadas, porém não tiveram a mesma dimensão e repercussão que o breque ocorrido em 2020.

9 No iFood há duas formas de gestão do trabalho, os modelos «nuvem» e «OL». A principal diferença deles está em que os entregadores da primeira categoria têm autonomia para definir local e horário de trabalho, enquanto que os OL são gerenciados por uma empresa terceirizada, que determina os turnos e regiões de trabalho.

10 Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos. BBC News Brasil. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48304340. Acesso em: 5 mai. 2022.

11 Ver Trabalho Decente. OIT. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/temas/trabalho-decente/lang--pt/index.htm. Acesso em: 7 mai. 2022.

12 Trabalho por aplicativo deve ser regulado, dizem 87% dos paulistanos. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2022/04/trabalho-por-aplicativo-deve-ser-regulado-dizem-87-dos-paulistanos.shtml. Acesso em: 5 mai. 2022.

13 Os administradores de grupos de aplicativos de mensagens instantâneas e de páginas de Facebook são as pessoas responsáveis pela criação dos grupos, que em geral têm alguma ascendência sobre os demais, na medida em que são responsáveis por alguma moderação das discussões e tem o poder de expulsar aqueles que desrespeitarem os combinados estabelecidos.

14 «Um por um» é uma referência a taxas que remuneram as entregas em 1 Real por cada quilômetro rodado a mais pelos entregadores, que são alvo de críticas duras por parte deles por não compensar financeiramente.

15 Todos os nomes próprios dos meus interlocutores foram substituídos por nomes fictícios neste texto.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

André Scerb, «Os usos de aplicativos de mensagens instantâneas e grupos de redes sociais no cotidiano dos entregadores de plataforma: como jogar as regras do jogo e a produção de identidades coletivas»Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 15 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/5728

Topo da página

Autor

André Scerb

Sociólogo, Programa de Pós- Graduação em Sociologia, USP, São Paulo – Brasil
andrescerb@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search