Navegação – Mapa do site

InícioNuméros29ArtigosEfeito orográfico em um transecto...

Artigos

Efeito orográfico em um transecto entre Fundão e Santa Teresa no estado do Espírito Santo no ano hidrológico 2015/2016

Efecto orográfico en un transecto entre Fundão y Santa Teresa, en el Estado de Espírito Santo en el año hidrológico 2015/2016
Orographic effect in a transparent between Fundão and Santa Teresa, Espírito Santo in the hydrological year 2015/2016
Fabricio Holanda do Nascimento e Cláudia Câmara do Vale

Resumos

Este artigo tem por objetivo avaliar a distribuição espacial das chuvas em um transecto de 18,8 km de extensão por meio de pluviômetros experimentais. Para tanto, foram confeccionados sete pluviômetros experimentais, através de cano PVC de 100 mm e uma proveta de 500 ml para coleta dos dados. Os plu­viômetros foram instalados ao longo da rodovia estadual Josil Espíndula (ES 365), entre os municípios de Fundão e Santa Teresa, estado do Espírito Santo. Para a instalação dos mesmos foram considerados alguns fatores: diferentes altitudes, locais com pouca cobertura vegetal e em quintais de moradores, para evitar danificação dos equipamentos por transeuntes no local. A metodologia empregada foi satisfatória, pois permitiu identi­ficar que a morfologia e as características geográficas do local impõem uma distribuição desigual da precipitação na área de estudo considerada. Essa pesquisa apresenta-se como pioneira em estudos de clima do Espírito Santo, não tendo sido feito ainda para outras regiões do estado.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em:

15/05/2019

Artigo publicado em:

17/10/2019

Texto integral

Agradecimentos

Ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo e à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pela bolsa concedida.

Introdução

  • 1 Doravante o termo tempo, quando referente à atmosfera, será grifado em itálico.

1O conhecimento das con­dições atmosféricas sempre foi curiosidade do ser hu­mano desde os tempos mais remotos. Na verdade, as ci­vilizações mais antigas preo­cupavam-se com o fenômeno climático devido a sua influ­ência no seu cotidiano, prin­cipalmente no que concerne às atividades para a sobre­vivência. Autores clássicos mormente dissertavam sobre diversos assuntos relaciona­dos ao clima e ao ambiente. Obras como a de Aristóteles em a Meteorológica, por vol­ta de 340 a.C. e de Hipócrates em Ares, Águas e Lugares, por volta do ano 400 a.C. eviden­ciavam essa preocupação. En­tretanto somente a partir dos anos de 1960, sobretudo no Brasil, foi que os estudos do tempo1 e do clima ganharam uma posição de destaque nos meios científicos, sobretudo após a Conferência de Esto­colmo em 1972 (PASSOS, 2009; MENDONÇA; DAN­NI-OLIVEIRA, 2007; MON­TEIRO, 2002; SANT’ANNA NETO, 2001; SANT’ANNA NETO, 2008).

2Mendonça (2000, apud SILVA et al., 2011), aponta que a condição climática é o elemento condicionador da dinâmica ambiental devido ao fato de esta fornecer calor e umidade, principalmente por ser responsável por uma série de fatores, tais como, a for­mação e desenvolvimento do solo, das estruturas do relevo, dos recursos hídricos, do cres­cimento, desenvolvimento e distribuição das plantas e dos animais e por fim refletindo nas atividades econômicas, especialmente na agricultura.

3De acordo com Ayoade (2013), os estudos do tempo e do clima ocupam uma po­sição de destaque no amplo campo da ciência ambiental. Dessa forma, conhecer os processos atmosféricos sem­pre representou fundamental importância. Além disso, os diversos dados e variáveis cli­máticas são base fundamental para quaisquer estudos e pes­quisas geográficas (OLIVEI­RA, 2009).

4Nas regiões intertropicais, segundo Conti (1975), « [...] o interesse se concentra, so­bretudo na observação do fe­nômeno pluvial em seu rela­cionamento com a circulação atmosférica geral, bem como as consequências resultantes, quer para a paisagem física, quer para as atividades huma­nas. » (p.10).

5O efeito orográfico é en­tendido como uma relação existente entre a atmosfera e a superfície subjacente. De acordo com Milanesi (2011), « as interações dessas duas componentes podem gerar perturbações naturais na di­nâmica regional e local, de acordo com a morfologia do relevo » (p.68). Além disso, segundo o mesmo autor, inde­pendente do porte do relevo, este exerce alguma influência na dinâmica dos elementos da atmosfera.

6Ayoade (2013) afirma que a gênese da chuva orográfica se dá partir de um fluxo de vento úmido que, ao transpor uma rugosidade do relevo tem sua coluna de ar em elevação e consequentemente perda de temperatura que pode gerar chuva até uma altitude deter­minada, na chamada encosta ativa ao processo, à barlaven­to. Conquanto que na eleva­ção posterior, após a passa­gem da nuvem úmida sobre as linhas de cumes, à sotavento, a quantidade de umidade di­minui consideravelmente, fa­zendo com que esses locais recebam chuvas diminutas ou « sombra de chuva ».

7Smith (1979, apud, MILA­NESI, 2011), descreve três mecanismos de precipitação e intensificação orográfica, a saber são:

• Autoconversão: modelo clássi­co da chuva orográfica. Resulta da elevação forçada do fluxo de ar pelas vertentes da montanha. Se as condi­ções atmosféricas forem constantes, o crescimento das gotas deverá ser si­milar em qualquer posto da montanha, provocando chuva com característica temporal uniforme. Processo típico ação da brisa marinha sobre o relevo da zona costeira.

• Convecção disparada: ocorre na vertente mais ensolarada da montanha (leste) em função da quantidade de ra­diação solar absorvida ao longo do dia, quando nuvens da família dos cumu­lus, de grande desenvolvimento verti­cal, são ativadas. Não apresenta uma distribuição vertical da chuva marcan­te na encosta, porém, a vegetação pode atuar como fornecedora da umidade em maiores altitudes.

• Semeador-alimentador (seeder­-feeder): pressupõe a ocorrência de nuvens mais altas precipitando (see­der) sobre nuvens mais baixas (feeder) ocorrentes pela ascensão da coluna de ar, aumentando a colisão entre as gotas. Como no caso da passagem de um sistema frontal (frente-fria) sobre nebulosidade pré-existente de altitude inferior. A liberação da massa de água para o ambiente facilita a formação de nuvens, com bases aproximadamente entre 50 e 200 m acima do nível da superfície, possibilitando a intensifica­ção da chuva orográfica.

8Assim, este artigo tem por objetivo avaliar a relação da distribuição de chuvas e o re­levo em um transecto de 18,8 km de extensão entre os mu­nicípios de Fundão e Santa Teresa, no estado do Espírito Santo, no ano hidrológico de 2015/2016. De caráter topo­climático, o trabalho pretende evidenciar a individualidade climática da área de estudo, especialmente no que se re­fere a orografia local. Vale ressaltar que não foram en­contrados outros estudos to­poclimáticos para o estado do Espírito Santo, fato este que justifica este trabalho.

Localização e caracterização da área de estudo

9A área em estudo refere-se a um transecto de 18,8 quilô­metros de extensão, compre­endendo sete postos pluvio­métricos, localizados em dois municípios do estado do Es­pírito Santo, a saber, Fundão, que faz parte da Região Me­tropolitana da Grande Vitó­ria (RMGV), e Santa Teresa, região Central Serrana, nas coordenadas 19°55'26.72" de latitude Sul e 40°27'18.79" de longitude Oeste, para o pluvi­ômetro 1 (P1) a 19°56'26.50" de latitude Sul e 40°34'44.10" de longitude Oeste, para o pluviômetro 7 (P7) (Figuras 1 e 2).

FIGURA 1 - Localização da área de estudo. Transecto A-B

FIGURA 1 - Localização da área de estudo. Transecto A-B

Fonte: IBGE, IJSN. Organizado pelos autores/2018

FIGURA 2 - Transecto A-B sobre imagem de satélite

FIGURA 2 - Transecto A-B sobre imagem de satélite

Fonte: Google Earth (2018). Organizado pelos autores/2018

10Segundo o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (INCAPER, 2013), o município de Fundão está inserido na classificação de Köppen, no clima Aw ou cli­ma tropical, com verão úmido e quente e inverno frio e seco. Na classificação do IBGE (2006), dos 14 subtipos climáticos que são encontrados na Região Su­deste do Brasil, a área em estudo é influenciada por, pelo menos, quatro domínios climáticos: o mesotérmico brando superúmi­do, com 1 a 2 meses secos; quen­te e úmido, de 1 a 2 meses secos; quente superúmido e subseco; e o superquente superúmido, com 3 meses secos. Já em Santa Tere­sa predomina o do tipo climático Cwa de Köppen (subtropical de inverno seco), com temperatura média em torno dos 18°C, sendo que no mês mais frio a tempera­tura do ar varia entre 15 a 18°C (FERREIRA, et al., 2013) (Figu­ra 3).

11Pela série histórica de dados de precipitação e temperatura do ar (1977-2007), nota-se que os meses de maior concentração de chuva referem-se a outubro, no­vembro, dezembro, janeiro, feve­reiro e março (período chuvoso - verão), correspondendo a mais de 60% das chuvas, com desta­que para os meses de novembro, dezembro e janeiro, que apresen­taram valores acima de 230mm. Em contrapartida, os meses de maio a setembro (período seco - inverno) apresentaram os me­nores valores de precipitação, abaixo dos 67mm, com destaque para o mês de junho, com apenas 32,3mm, coincidindo com o perí­odo do ano de deficiência hídrica, conforme Figura 4.

12No que se refere à temperatura média mensal, as maiores tempe­raturas coincidem com os meses de maior pluviosidade, nos meses de outubro a janeiro. Bem como as menores temperaturas ocorrem nos meses de menor pluviosida­de. A área em estudo é bastante influenciada pelos fatores do cli­ma que influenciam a região Su­deste do Brasil, sendo os períodos seco e chuvoso correspondentes aos do sudeste brasileiro.

FIGURA 3 - Subtipos climáticos da área de estudo segundo o IBGE

FIGURA 3 - Subtipos climáticos da área de estudo segundo o IBGE

Fonte: IBGE (2006). Organizado pelos autores, 2018

F I G U R A 4 - Climatologia da pluviosidade e da temperatura do ar entre 1977 -2007, com base na estação convencional de Santa Teresa

F I G U R A 4 - Climatologia da pluviosidade e da temperatura do ar entre 1977 -2007, com base na estação convencional de Santa Teresa

Fonte: INCAPER (2016). Organizado pelos autores, 2018

Materiais e procedimentos metodológicos

13Para que os objetivos pro­postos neste estudo fossem al­cançados foi realizado levanta­mento bibliográfico dos autores que dissertam acerca das prin­cipais teorias sobre o efeito oro­gráfico na distribuição das chu­vas, tais como Ayoade (2013), Conti (1975), Milanesi (2007), Assis (2010). Também foram consultadas fontes que tratam das teorias geográficas do cli­ma que dão à climatologia um caráter dinâmico, contrapondo a ideia estática de clima e de tempo estabelecida por Julius Hann e Köppen, tão utilizadas no passado.

14Para coleta da pluviosida­de foram confeccionados sete pluviômetros com base de cano PVC, tampão do cano PVC, torneiras, funil (para boca co­letora) e caibros de madeira de 2 metros de altura e que foram fixados no solo, pelo menos 50 centímetros.

15Os pluviômetros foram defi­nidos em 60 centímetros, e fi­xados a uma distância de, pelo menos 1 metro e 50 centíme­tros do solo (Figura 5). Segun­do Ayoade (2013), o volume de chuva captado por um pluviô­metro depende de:

O volume da chuva captado por um dado pluviômetro em determinado local de­pende de numerosos fatores, tais como a altura do pluviômetro em relação ao solo, a velocidade do vento e a taxa de evaporação. Os fatores de localização do sítio também são importantes. Expe­rimentos têm demonstrado que quanto maior a altura do pluviômetro acima do solo, menor é o volume de chuva capta­do. (p.160-161).

16A Tabela 1 demonstra a re­lação da altura do pluviômetro e a captação da água da chuva, conforme Ayoade (2013).

FIGURA 5 - Material utilizado para confeccionar os pluviômetros experimentais

FIGURA 5 - Material utilizado para confeccionar os pluviômetros experimentais

Fonte: Acervo O Globo

TABELA 1 - Variações da captação da chuva em função da altura do pluviômetro

Altura da boca do pluviômetro

Captação da chuva em (%)

(acima do solo)

(em relação à altura de 0,3 m)

50 mm

105

100 mm

103

150 mm

102

200 mm

101

300 mm

100

0,45 m

99

0,75 m

98

1,5 m

95

6 m

90

Fonte: Ayoade (2013), modificado pelos autores, 2018

Descrição dos postos da área em estudo

17O primeiro posto (P1) loca­liza-se em uma altitude de 87 metros, com cobertura da terra caracterizada por áreas de culti­vo, residências isoladas e alguns traços de vegetação natural de Mata Atlântica. O segundo pos­to (P2) localiza-se a uma altitu­de de 186 metros, caracterizado por áreas com cultivos diversos (banana, café, eucalipto, etc.).

18O terceiro posto (P3), a 201 metros de altitude, é caracte­rizado por áreas de vegetação natural da Mata Atlântica e com algumas culturas agrícolas. O quarto posto (P4), a 444 metros de altitude, caracteriza-se por ser uma área com muitos culti­vos agrícolas, alguns traços de vegetação natural e solo expos­to. O quinto posto (P5) encon­tra-se a 588 metros de altitude e também está localizado em uma área com a presença marcante de vegetação natural, pasto, eu­calipto e outras culturas agríco­las.

19O sexto posto (P6) está a uma altitude de 653 metros e sua lo­calização é caracterizada por vegetação natural, residências esparsas e culturas agrícolas di­versas. Por fim, o sétimo posto (P7), a 657 metros de altitude, o mais elevado de todos, consiste ao mais distinto de todos, tendo como característica a presença de áreas urbanizadas e pouco vestígio de vegetação natural.

20Após a instalação dos pluvi­ômetros, deu-se início a fase de atividade de campo. Nesta fase foram feitas as coletas de água de chuva, que teve início em no­vembro de 2015 e se estendeu até dezembro de 2016, período denominado ano hidrológico 2015/2016 (AH 2015/2016). Após as coletas, os dados foram tratados com base em estatística descritiva básica. Além do mais, foram desenvolvidas análises das cartas sinóticas da Marinha do Brasil e das imagens do saté­lite Goes, adquiridas no site do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), a fim de avaliar as condições sinóticas ao longo do período estudado. As leituras foram fei­tas em mililitros (ml), mas é fato conhecido que a medida da co­luna d’água é dada em milíme­tros (mm). Para solucionar esta questão, os dados em ml foram convertidos em mm, de acor­do com a metodologia de Assis (2010), conforme equação 1 (Figura 6). Na Figura 7 podem ser observadas as características da paisagem no entorno de cada posto pluviométrico.

FIGURA 6 - Fórmula para conversão dos dados de chuva de ml para mm

FIGURA 6 - Fórmula para conversão dos dados de chuva de ml para mm

Fonte: Adaptado de Assis (2009)

FIGURA 7 - Características da paisagem em torno dos pluviômetros

FIGURA 7 - Características da paisagem em torno dos pluviômetros

Fonte: Fotos dos autores/2018

Discussões

21É importante ressaltar que durante o período de coleta de dados, ocorrido entre no­vembro de 2015 a dezembro de 2016, foram coletados pelo menos 7.085 mm de chuva, com uma média mensal de aproximadamente 590 mm dis­tribuída em sete postos pluvio­métricos ao longo da Rodovia Josil Espíndola (ES 261). Este dado é bem distinto daqueles de Milanesi (2007) que, no ano hidrológico 2004/2005, cole­tou mais de 18.000 mm de chu­va em Ilha Bela, São Paulo. No caso da pesquisa desenvolvida por Milanesi (Op. Cit), a influ­ência da umidade provinda do oceano Atlântico é muito mais pronunciada do que aquela que se verifica em Fundão e Santa Teresa, bem como da altitude mais elevada e a atuação dos ventos alísios (MILANESI, 2007).

22O posto que registrou o me­nor volume de chuva foi o pos­to de número 1, com 467 mm e o que registrou maior volu­me foi o posto de número 4, com acumulado anual de 1.509 mm. Também é válido mencio­nar que foram feitas, em mé­dia, três coletas a cada mês, de acordo com o evento de chuva. No entanto, houve meses em que, devido à estiagem, foi re­alizada apenas uma coleta.

23No período chuvoso o com­portamento da pluviosidade ao longo do transecto estudado foi bem heterogêneo em fun­ção da orografia local. Ape­sar de ser o período no qual a ação de sistemas atmosféricos de escala global é predomi­nante, atuando na formação de nuvens e chuvas, a rugo­sidade superficial do relevo impôs uma distribuição bem irregular da precipitação. Na Figura 8, é possível perceber que os maiores volumes de chuva estão concentrados nos postos pluviométricos 2, 3, 4 e 5 (entre 550 mm a acima de 700 mm), com destaque para os pluviômetros 2, a 186 me­tros de altitude e 4, a 444 me­tros de altitude, com 650 mm e 710 mm, respectivamente. Dessa forma, não a altitude, mas sim a orografia, caracteri­zada pelos aspectos físicos do relevo, é o fator preponderan­te na distribuição das chuvas no local.

24No período seco, com­preendido entre os meses de maio a setembro, a menor quantidade de chuva amos­trada ocorreu no pluviômetro 7, o único posto caracteriza­do por área mais urbanizada, com valor aproximado de 75 mm, enquanto a maior quan­tidade registrada ocorreu no posto de número 4, cerca de 240 mm, (Figura 9). Apesar de ser um período de pouca chuva, o posto 4 sempre obte­ve o maior registro de chuva. Possivelmente devido à sua característica em relação a co­bertura vegetal de Mata Atlân­tica mais expressiva. Sabe-se que a vegetação desempenha um papel fundamental na for­mação de nuvens de chuva por meio da evapotranspira­ção que libera umidade para a atmosfera local, que por sua vez é responsável pela poste­rior condensação das mesmas, provocando chuvas no local.

FIGURA 8 - Precipitação acumulada para o período chuvoso na Área de estudo

FIGURA 8 - Precipitação acumulada para o período chuvoso na Área de estudo

Organizado pelos autores, 2016

FIGURA 9 - Precipitação acumulada para o período seco na Área de estudo

FIGURA 9 - Precipitação acumulada para o período seco na Área de estudo

Organizado pelos autores, 2016

Pluviosidade anual na área de estudo

25A Figura 10 representa a dis­tribuição anual da pluviosidade no transecto analisado ao longo do ano hidrológico 2015/2016 (AH 2015/2016).

26Fato digno de nota é que, mesmo em períodos do ano em que a origem das chuvas esteve associada a sistemas produtores de tempo de escala global, a exemplo da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), o fator orográfico im­pôs uma distribuição heterogê­nea da pluviosidade, conforme pode ser observado no gráfi­co representado pela Figura 10. Este fato é extremamente importante para esta pesqui­sa, pois mostra a influência da orografia para a formação da chuva. Esse dado pode ser con­siderado como inédito em estu­dos de climatogia geográfica do Espírito Santo.

FIGURA 10 - Pluviosidade anual na área de estudo

FIGURA 10 - Pluviosidade anual na área de estudo

Organizado pelos autores, 2018

27Dessa forma, os postos que registraram os maiores quanti­tativos foram os de número 2 (1.159 mm), 3 (1.248 mm), 4 (1.509 mm) e 6 (1.225). O que há em comum nestes postos é o fato de todos eles se localiza­rem em áreas com expressiva presença de vegetação arbórea, provavelmente nativa da Mata Atlântica, e poucas áreas com cultivo.

28A Figura 11 refere-se ao mapa síntese da distribuição espacial da pluviosidade anu­al da área em estudo durante o AH 2015/2016. Nesta figura é possível observar que a distri­buição das chuvas no local é bastante desigual, variando de 465 a 1.510 mm. Essa hetero­geneidade ocorre em função da rugosidade superficial do rele­vo, sobretudo na área central do mapa, sentido oeste. Além disso, nessa área central está o posto 4, em que a presença de vegetação é mais luxuriante. De acordo com o mapa, os postos mais próximos à costa, como os postos 2, 3 e 4, apresentaram os maiores acumulados de chuva. Uma vez que os postos de nú­mero 1, 5 e 7 apresentaram os menores acumulados. Este últi­mo posto, como discutido anteriormente, refere-se ao mais ur­banizado e o que possui poucas áreas de vegetação natural, fato que pode ter corroborado para que a pluviosidade tenha sido reduzida.

29Destaca-se o posto de nú­mero 1 que, apesar de ser mais próximo à costa, apresentou va­lores reduzidos de chuva. Além da altitude relativamente baixa, caso que corrobora para que as nuvens carregadas de umidade não sofram com processos de condensação, este posto é tam­bém caracterizado por apresen­tar expressivas áreas agrícolas, pastagem e solo exposto, e pou­quíssimas áreas com vegetação natural.

FIGURA 11 - Mapa síntese da distribuição espacial da pluviosidade anual da área em estudo no AH 2015/2016

FIGURA 11 - Mapa síntese da distribuição espacial da pluviosidade anual da área em estudo no AH 2015/2016

Organizado pelos autores, 2016

Origem da pluviosidade na área em estudo

30Para a avaliação da origem da pluviosidade durante o AH 2015/2016 no transecto foram analisadas as cartas sinóticas da Marinha do Brasil, disponibiliza­das no site <https://www.mar.mil.br/​dhn/​chm/​meteo/​prev/​cartas/​cartas.htm>, bem como ao site do INCAPER e as imagens do satélite Goes-13, disponibilizadas no banco de dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), no site http://satelite.cptec.inpe.br/​acervo/​goes16.formulario.logic.

31O uso de cartas sinóticas em climatologia geográfica no Bra­sil não é algo recente. Zavatini (2014) atribui a Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro o primei­ro trabalho utilizando diversas cartas de tempo para a análise da origem das chuvas em um traba­lho intitulado "Dinâmica climáti­ca e as Chuvas no Estado de São Paulo – estudo geográfico sob forma de atlas", em 1960-1964. Além desse, outros trabalhos fo­ram realizados utilizando o mes­mo instrumental, a exemplo de Brandão (1996), Zavatini (1990; 2009) e San’Anna Neto (1990), entre outros. Somente as cartas sinóticas mais relevantes à pes­quisa foram analisadas, tanto no que se refere aos dias mais chu­vosos, quanto àqueles de menor precipitação.

32Segundo o INCAPER (2016) o mês de janeiro de 2016 foi in­fluenciado por dois sistemas atmosféricos que causaram mu­danças na temperatura do ar e no regime de precipitação no esta­do do Espírito Santo, a saber: as frentes frias (FF) e a ZCAS. Nes­te contexto, nos primeiros dias do ano mencionado, uma frente fria alcançou o litoral sul capixaba e se deslocou até alcançar o vale do rio Doce e o município de Cola­tina, região noroeste do Espírito Santo, ocasionando chuvas em praticamente todo o estado. Além das FF, a ZCAS também influen­ciou as condições de tempo para o mês de janeiro de 2016. Segun­do o INCAPER (2016) o sistema atuou a partir do dia 16 de janeiro, trazendo consigo eventos de chu­vas para todo o estado.

33De fevereiro a abril de 2016 as chuvas começaram a diminuir em praticamente todo o estado do Espírito Santo devido à atuação do Anticiclone Subtropical do Atlântico Sul (ASAS). Este siste­ma dificulta a entrada de sistemas meteorológicos causadores de chuva, como por exemplo, fren­tes estacionárias e algumas zonas de convergência de umidade. No entanto, em março ocorreram al­guns episódios de chuva, devido a atuação de áreas de instabilida­des que avançaram do mar em direção ao Espírito Santo (INCA­PER, 2016).

34De maio a julho de 2016 foi o período que se caracterizou pela baixa precipitação. Essa diminui­ção esteve associada ao avanço de massas de ar frio sobre o es­tado, causando também queda brusca nas temperaturas médias do ar. Em Domingos Martins, por exemplo, município da região Serrana do Espírito Santo, a esta­ção meteorológica do INCAPER (2016), localizada a 950 metros de altitude, registrou 8,2°C no dia 02 de maio. No mês de julho, notadamente, as temperaturas máxima e mínima ficaram ligei­ramente acima da normal. Em Santa Teresa, por exemplo, a 976 metros de altitude, a temperatura média para o mês de julho foi de 16°C, sendo que pela série his­tórica a temperatura média para esse município é de 5°C. No que tange a pluviosidade, o mês de ju­lho apresentou desvios negativos, exceto em alguns municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória (RMGV), que apresentou chuvas acima do esperado INCA­PER (2016).

35De agosto a setembro, para a RMGV, a situação não foi dife­rente. Geralmente, este período recebe em média 60 a 90 mm de chuva. Já as demais localidades, a exemplo das porções Norte e No­roeste do Espírito Santo, recebem em torno de 45 mm.

36No mês de julho o estado re­cebeu quatro frentes frias, mas to­das elas mais fracas que o normal, razão pela qual as chuvas diminu­íram neste período. Neste mesmo mês os desvios da pluviosidade chegaram a -50% ou menos, em boa parte do ES. De maneira ge­ral, este trimestre recebeu menos chuva que o normal (INCAPER, 2016).

37Encerrando esta análise, entre outubro a dezembro de 2016, as chuvas começam a ocorrer com mais frequência. No entanto, em outubro, que marca o início da es­tação chuvosa para o ES, recebeu menos chuva que o esperado na maior parte do estado, de acor­do com a média para o mês. Já em novembro a precipitação foi acima do normal, apresentando chuvas mais regulares em maior parte do estado. No mês de outu­bro, por exemplo, alguns muni­cípios apresentaram acumulados de chuvas em torno de 120 mm a 150 mm. Mas, sem dúvida foi o mês de novembro que registrou a maior quantidade de chuva, em razão da entrada da ZCAS (IN­CAPER, 2016).

38Abaixo são apresentadas car­tas sinóticas de alguns meses do ano de 2016, bem como as ima­gens de satélite visando a com­preensão dos sistemas atuantes no estado do Espírito Santo (Fi­guras 12 e 13).

FIGURA 12 - Cartas sinóticas. Da esquerda para a direita, dias 20/11 e 20/12 de 2015

FIGURA 12 - Cartas sinóticas. Da esquerda para a direita, dias 20/11 e 20/12 de 2015

Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016

39As cartas sinóticas e imagens do satélite Goes-13 referem-se aos dias 20/11 e 20/12 de 2015, e 02/01 e 03/01 de 2016. A partir da análise das cartas e imagens é possível identificar Frentes Frias atuando sobre as regiões Sul e Sudeste do Brasil, e consequen­temente atuando também na área em estudo. Além disso, é possí­vel perceber que, tanto em no­vembro, quanto em dezembro de 2015, um sistema de alta pressão (ASAS) influenciou as condições atmosféricas sobre o ES, pois ele dificulta a formação de nuvens sobre o continente, diminuindo de forma considerável as chuvas.

FIGURA 13 - Cartas sinóticas. Da esquerda para a direita, dias 02/01 e 03/01 de 2016

FIGURA 13 - Cartas sinóticas. Da esquerda para a direita, dias 02/01 e 03/01 de 2016

Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016.

40As Figuras 14 e 15 apresen­tam uma série de cartas isobá­ricas e imagens de satélite dos dias 10/07, 10/08/, 10/10, 16/11, 19/11 e 20/11 de 2016. No mês de julho a Região Sudeste foi influenciada por um centro de alta pressão, que estava atuando sobre o oceano Atlântico, razão pela qual neste mês os totais plu­viométricos foram abaixo da nor­mal climatológica. Dessa forma, na área em estudo a situação não foi diferente. Este comportamen­to foi característico também para o mês de agosto, setembro e uma parte do mês de outubro. Porém, em novembro, nos dias 16, 19 e 20, é possível identificar a pas­sagem de uma frente fria sobre o Espírito Santo, o que produ­ziu acumulados de chuva acima do normal para este mês, o que confirma a hipótese de que, na área em estudo, para novembro, as chuvas tiveram como origem os sistemas atmosféricos de larga escala.

41Destaque especial para o dia 16 de novembro de 2016, quando a região Sudeste foi afetada por uma ZCAS moderada, um cen­tro de baixa pressão e uma frente fria que se aproximou da região, conforme pode ser observado na carta de tempo. Esses sistemas produtores do tempo foram res­ponsáveis por elevado índice de pluviosidade para este mês.

42As imagens de satélite, em consonância com as cartas sinóti­cas, revelam ausência de nebulo­sidade sobre o Sudeste nos meses de julho a outubro de 2016.

FIGURA 14 - Cartas sinóticas e imagens do satélite Goes dos dias 10/07, 10/08 e 10/10

FIGURA 14 - Cartas sinóticas e imagens do satélite Goes dos dias 10/07, 10/08 e 10/10

Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016

FIGURA 15 - Cartas sinóticas e imagens do satélite Goes dos dias 16/11 e 20/11 de 2016

FIGURA 15 - Cartas sinóticas e imagens do satélite Goes dos dias 16/11 e 20/11 de 2016

Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016

Considerações Finais

43Este trabalho teve como ob­jetivo principal analisar a rela­ção do relevo com a distribuição e intensificação da pluviosidade em um transecto entre Fundão e Santa Teresa, Espírito Santo. Os procedimentos metodológi­cos empregados nesta pesquisa foram importantes para o en­tendimento da distribuição das chuvas no transecto analisado e para a compreensão de alguns aspectos da climatologia local. No entanto, vale ressaltar que, este estudo não tem a intenção de esgotar as discussões acerca da climatologia de precipitação da área em estudo, pois o perío­do de análise foi apenas de um ano, mas permitiu inferir algu­mas ideias da relação do relevo local e a pluviosidade.

44Diante dos resultados alcan­çados, é possível afirmar que não a altitude em si, mas a ru­gosidade superficial do relevo, foi o fator fundamental no que tange a distribuição e intensifi­cação das chuvas no transecto analisado ao longo do ano hi­drológico 2015/2016, fato este que gera chuva orográfica na área em estudo. Por outro lado, os resultados apontam para uma correlação positiva no que tange ao papel da vegeta­ção como um fator de liberação de umidade para a atmosfera (MENDONÇA e DANNI-OLI­VEIRA, 2007; ASSIS, 2009). No período chuvoso (verão), compreendido entre os meses de outubro a março, os sistemas atmosféricos de escala global (ZCAS e FF) são os responsá­veis pela pluviosidade na área em estudo. No entanto, embora a origem seja global, o relevo local impõe importante papel na distribuição das chuvas na área de estudo, pois mesmo no perí­odo de chuvas mais intensas, a distribuição das mesmas é desi­gual. Já no período seco (inver­no), percebe-se uma influência bem mais expressiva do relevo na distribuição e intensificação das chuvas no local.

45Os resultados alcançados estão em consonância com as principais teorias da preci­pitação orográfica (BARRY; CHORLEY, 2013; AYOADE, 2013) que afirmam que os fa­tores topográficos sozinhos não são suficientes para remover toda umidade de uma massa de ar, mas definem diferenças nos totais cumulativos considerá­veis de uma área de barlaven­to para uma à sotavento. Além disso, impõem, não somente distribuição desigual da preci­pitação, mas também a inten­sifica, pois o relevo influencia fortemente os fatores da atmos­fera.

46Além do mais, é importante mencionar a relevância de estu­dos em climatologia em escala local, pois é fator preponderan­te para o conhecimento do cli­ma do lugar. Neste contexto, é importante também estudos que considerem a análise geográfica do clima. Logo, ela possibilita a compreensão da atmosfera, bem como a interação dos ele­mentos do clima e a sociedade como um todo. Na área em es­tudo considerada, a população é dependente das condições do clima, uma vez que sua maio­ria reside em contexto rural, dependendo de condições nor­mais de chuva e insolação. Assim, estudos que possam con­siderar o clima como um todo, são de suma importância. Es­pera-se que este trabalho possa servir de material de apoio aos órgãos responsáveis pelos pla­nejamentos da cidade, para o planejamento ambiental e rural nos municípios considerados no transecto, bem como de ou­tras localidades do estado do Espírito Santo. Verificou-se a escassez de estudos dessa natu­reza para o Espírito Santo, fato que coloca essa pesquisa como um estudo de climatologia pio­neiro com foco na distribuição espacial das chuvas no contexto local.

Topo da página

Bibliografia

AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 17°. ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 2013.

ASSIS, W. L de. O sistema clima urbano do município de Belo Horizonte na perspectiva têmporo-espacial. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociência da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2010.

ASSIS, W. L de. Variações temporais e espaciais da precipitação em áreas urbanas: estudo de caso na região oeste do município de Belo Horizonte. Geosul, Florianópolis, v. 24, n. 48, p 177-196, jul./dez. 2009.

BANCO DE DADOS DE IMAGENS. Disponível em: <http://satelite.cptec.inpe.br/acervo/goes.formulario.logic>, acesso em 30/12/2013.

BARRY, R; CHORLEY, R. J. Atmosfera, tempo e clima. 9ª edição, Porto Alegre: Bookman, 2013.

Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos – CPTEC. Banco de Dados de Imagens. Disponível em: <http://satelite.cptec.inpe.br/acervo/goes.formulario.logic;jsessionid=2F14750C7B7340831972478990AFCA32>, acesso em 20/01/2017.

CONTI, J. B. Circulação secundária e o efeito orográfico na gênese das chuvas na região lesnordeste paulista. Tese (Livre Docência) Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo.

Diretoria de Hidrografia e Navegação: Centro de Hidrografia da Marinha – serviço meteorológico da marinha. Cartas Sinóticas. Disponível em: <https://www.mar.mil.br/dhn/chm/meteo/prev/cartas/cartas.htm>, acesso em 20/01/2017.aulo, São Paulo, 1975.

FERREIRA, J. T. P. et al. Avaliação da fertilidade dos solos cultivados com café Conilon (Coffea canephora) no município de Santa Teresa – ES. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, N.16; p. 356-366, 2013.

Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural – INCAPER. Últimas notícias sobre o tempo no Espírito Santo. Disponível em <http://hidrometeorologia.incaper.es.gov.br/?pagina=ultimasnoticias>, acesso em 20/01/2017.

MENDONÇA, F; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de textos, 2007.

MILANESI, M. A. Avaliação do Efeito Orográfico na Pluviometria de Vertentes Opostas da Ilha de São Sebastião (Ilhabela - SP). Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia da USP - São Paulo, 2007.

MILANESI, M. A; GALVANI, E. Efeito orográfico na Ilha de São Sebastião (Ilhabela – SP). Revista Brasileira de Climatologia. N. 9 – Jul/Dez/2011. ISSN: 1980-055x.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e Clima Urbano: um projeto e seus caminhos. In: MENDONÇA, F.; MONTEIRO, CARLO S. A. F. (org.). Clima Urbano. São Paulo: Contexto, 2002.

OLIVEIRA, A. G. de. A importância dos dados das variáveis climáticas nas pesquisas em Geografia: um estudo de caso empregando a precipitação pluviométrica. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 10, n. 32, p. 9 – 21, 2009.

PASSOS, P. N. C. de. A conferência de Estocolmo como posto de partida para a proteção internacional do meio ambiente. Revista Direitos Fundamentais e Democracia, Vol. 6, 2009, p. 1-25.

PROATER - Programa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Fundão e Santa Tereza-ES (2011 – 2013). Planejamento e Programação de Ações. Governo do Estado do Espírito Santo / Incaper. 2011. Disponível em <https://incaper.es.gov.br/proater>. Acesso em 06 agosto de 2018.

SANT’ANNA NETO, J. L. História da Climatologia no Brasil: gênese, paradigmas e a construção de uma Geografia do Clima. Tese de Livre-Docência. Presidente Prudente:FCT/UNESP, 2001.

SANT’ANNA NETO, J. L. Da climatologia geográfica à geografia do clima gênese, paradigmas e aplicações do clima como fenômeno geográfico. Revista da ANPEGE. v. 4, 2008, p.51-72.

SILVA, K. R. da.; CECÍLIO, R. A.; XAVIER, A. C.; PEZZOPANE, J. R. M.; GARCIA, G. de O. Interpolação Espacial da Precipitação no Estado do Espírito Santo. Floresta e Ambiente, 18 (4), 2011. P. 417-427.

ZAVATTINI, J. A. O uso das cartas sinóticas nos estudos de climatologia geográfica. In.: SILVA, et al. Experimentos em climatologia geográfica. Dourados, MS: UFGD, 2014, p. 243-269.

Topo da página

Notas

1 Doravante o termo tempo, quando referente à atmosfera, será grifado em itálico.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título FIGURA 1 - Localização da área de estudo. Transecto A-B
Legenda Fonte: IBGE, IJSN. Organizado pelos autores/2018
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-1.png
Ficheiro image/png, 2,5M
Título FIGURA 2 - Transecto A-B sobre imagem de satélite
Legenda Fonte: Google Earth (2018). Organizado pelos autores/2018
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 56k
Título FIGURA 3 - Subtipos climáticos da área de estudo segundo o IBGE
Créditos Fonte: IBGE (2006). Organizado pelos autores, 2018
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 180k
Título F I G U R A 4 - Climatologia da pluviosidade e da temperatura do ar entre 1977 -2007, com base na estação convencional de Santa Teresa
Legenda Fonte: INCAPER (2016). Organizado pelos autores, 2018
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 136k
Título FIGURA 5 - Material utilizado para confeccionar os pluviômetros experimentais
Créditos Fonte: Acervo O Globo
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 59k
Título FIGURA 6 - Fórmula para conversão dos dados de chuva de ml para mm
Créditos Fonte: Adaptado de Assis (2009)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-6.png
Ficheiro image/png, 278k
Título FIGURA 7 - Características da paisagem em torno dos pluviômetros
Créditos Fonte: Fotos dos autores/2018
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 30k
Título FIGURA 8 - Precipitação acumulada para o período chuvoso na Área de estudo
Créditos Organizado pelos autores, 2016
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-8.png
Ficheiro image/png, 83k
Título FIGURA 9 - Precipitação acumulada para o período seco na Área de estudo
Créditos Organizado pelos autores, 2016
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-9.png
Ficheiro image/png, 76k
Título FIGURA 10 - Pluviosidade anual na área de estudo
Créditos Organizado pelos autores, 2018
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-10.png
Ficheiro image/png, 144k
Título FIGURA 11 - Mapa síntese da distribuição espacial da pluviosidade anual da área em estudo no AH 2015/2016
Créditos Organizado pelos autores, 2016
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-11.jpg
Ficheiro image/jpeg, 341k
Título FIGURA 12 - Cartas sinóticas. Da esquerda para a direita, dias 20/11 e 20/12 de 2015
Créditos Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-12.jpg
Ficheiro image/jpeg, 83k
Título FIGURA 13 - Cartas sinóticas. Da esquerda para a direita, dias 02/01 e 03/01 de 2016
Créditos Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-13.jpg
Ficheiro image/jpeg, 84k
Título FIGURA 14 - Cartas sinóticas e imagens do satélite Goes dos dias 10/07, 10/08 e 10/10
Créditos Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-14.jpg
Ficheiro image/jpeg, 68k
Título FIGURA 15 - Cartas sinóticas e imagens do satélite Goes dos dias 16/11 e 20/11 de 2016
Créditos Fonte: Marinha do Brasil/2016; CPTEC/2016
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/579/img-15.jpg
Ficheiro image/jpeg, 84k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Fabricio Holanda do Nascimento e Cláudia Câmara do Vale, «Efeito orográfico em um transecto entre Fundão e Santa Teresa no estado do Espírito Santo no ano hidrológico 2015/2016»Geografares [Online], 29 | 2019, posto online no dia 17 outubro 2019, consultado o 09 dezembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/geografares/579

Topo da página

Autores

Fabricio Holanda do Nascimento

Doutorando do Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo
fabricio.climatologia2015@Gmail.com

Cláudia Câmara do Vale

Profa. Dra. do Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo
camaravale@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Geografares est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale 4.0 International.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search