Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35Dossiê «Territórios Urbanos e Est...Pode a periferia falar? Uma relei...

Dossiê «Territórios Urbanos e Estratégias do Neoliberalismo»

Pode a periferia falar? Uma releitura crítica da produção cultural das periferias

Can the periphery speak? A critical rereading of the cultural production of the peripheries
¿Puede hablar la periferia? Una relectura crítica de la producción cultural de las periferias
La périphérie peut-elle parler? Une relecture critique de la production culturelle des périphéries
Silvio Rogério Santos

Resumos

Neste artigo, busco fazer uma releitura crítica da produção cultural das periferias e sua relação com o « sistema », ou seja, com o poder estabelecido. A partir dos financiamentos utilizados por tal produção, sejam eles públicos ou privados, assim como suas parcerias e os desdobramentos resultantes desses vínculos, busco refletir sobre os impactos políticos, culturais e subjetivos no contexto das periferias. Tomo como ponto de partida os trabalhos seminais sobre o tema, assim como a discussão de Érica Peçanha sobre o « projeto pedagógico, estético e político » que deriva dessa produção. Levanto algumas questões para se pensar cultura, política e periferias no contexto atual, considerando a incidência da lógica neoliberal/neocolonial na cultura e tendo por base a pesquisa que desenvolvo desde 2016 com os Coletivos Perifatividade e Poesia na Brasa e, mais recentemente, com a Casa Ecoativa e o coletivo Imargem, em São Paulo.

Topo da página

Entradas no índice

Mots-clés :

culture, périphéries, pouvoir

Palabras claves:

cultura, periferias, poder

Palavras chaves:

cultura, periferias, poder
Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em: 03/10/2022
Artigo aprovado em: 31/10/2022
Artigo publicado em: 01/12/2022

Texto integral

Contextualizando a produção cultural das periferias

1A produção cultural das peri­ferias nos seus mais de vinte de anos de existência conquistou um espaço definitivo no fazer cultural da cidade de São Paulo. Se outrora, as periferias eram vistas como reduto do que há de pior na sociedade, ou como fonte de notícias sensacionalis­tas por parte da imprensa, com o advento da Literatura Margi­nal/Periférica (NASCIMEN­TO, 2009, 2011; SILVA, 2013, 2016; REYES, 2013; TENNI­NA, 2013, 2016, 2017) e de­mais produções culturais como as artes plásticas, o teatro, o au­diovisual (ADERALDO, 2017), a elas foi conferida visibilidade positiva. As periferias de São Paulo passaram a ser reconhe­cidas também por sua produção cultural e artística, com diver­sos coletivos, grupos e artistas surgindo por todas as margens da cidade (NASCIMENTO, 2009, 2011; TENNINA, 2017). Reconhecimento que passou a ser corroborado pelo poder público – por meio de diversas iniciativas e projetos como o Valorização de Iniciativas Cul­turais (VAI), o Programa de Apoio à Cultura (ProAc) e a Lei de Fomento às Periferias –, por ONGs e instituições privadas li­gadas à cultura – como a paulis­tana Ação Educativa, a Oxfam Internacional, o Serviço Social do Comércio (SESC) e o insti­tuto Itaú Cultural – chegando ao próprio mercado cultural como um todo, que gradualmente pas­sa a investir mais em produtos e produções ligadas à temática das periferias.

2Projeto idealizado e reali­zado pelo artista e ativista Fer­réz, em parceria com a Revista Caros Amigos, a publicação de três números especiais (2001, 2002, 2004) com poemas e tex­tos de artistas periféricos, sob o título « Literatura marginal: a cultura da periferia », foi o pontapé inicial para o que viria ser chamado posteriormente de « Literatura Marginal da Perife­ria » ou de « Literatura Periféri­ca » (NASCIMENTO, 2009). Essa movimentação ampliou-se e ganhou outros contornos: para além da escrita, a oralidade e a corporalidade entraram em cena, através dos saraus (TEN­NINA, 2013, 2017). Os saraus, por sua vez, multiplicaram-se pelas periferias de São Paulo e do Brasil. Tornaram-se, dessa forma, um modelo a ser segui­do; ou ainda, um parâmetro que orienta as produções culturais pelas periferias do país. E os principais responsáveis por essa « primavera periférica » (VAZ, 2008), sem dúvida, foram os co­letivos literários das periferias.

3Conforme Leite, « [a] litera­tura da periferia de São Paulo se divide em dois períodos his­tóricos: a) Literatura Marginal, de 2000 a 2005 e b) Literatura Periférica, a partir de 2005 até os dias atuais » (LEITE, 2014, p. 1). E é a partir dessa « segunda onda » – marcada pela consoli­dação e crescimento de dois sa­raus, o Sarau da Cooperifa e o Sarau do Binho, ambos na zona sul de São Paulo –, que é possí­vel delinear a mudança do sen­tido dos discursos e das práticas em relação à maneira como os sujeitos percebem e reagem à presença do poder. É também a partir desse momento que se dá a mencionada abertura do mer­cado cultural de São Paulo para os coletivos e indivíduos produ­tores de cultura das periferias. Ou seja, quando já não é mais possível ignorar a repercussão que tais produções alcançaram. A literatura marginal/periférica ganha destaque a partir dos sa­raus, mas abre caminho e traz consigo diversas outras produ­ções artísticas e culturais, como o grafitti, as artes plásticas, o teatro e o audiovisual à atenção de outros agentes envolvidos no mundo da arte e da cultura em São Paulo, seja como consumi­dores ou coprodutores.

  • 1 Cooperifa, por exemplo, lança sua primeira antologia intitulada de «No Rastilho da Pólvora» em 2005 (...)

4Surgem então coleções de li­vros, editais públicos de fomen­to, e também algumas parcerias com instituições privadas1. Nes­se momento, a discussão sobre a cultura de periferia ganha destaque para além daqueles es­paços em que surgiu e onde até então se mantinha mais restrita, e é mobilizada tanto pelos pró­prios produtores culturais das periferias, como também pela academia e por setores culturais públicos e privados. Aderaldo (2017) aponta para o fato de que durante esse processo, o concei­to de « cidadania cultural » ganha maior força e espaço na cidade de São Paulo, transformando as relações dos movimentos polí­ticos e culturais das periferias, marcadas até então, por enorme descaso e pela tensão e enfren­tamento com o poder público. Segundo o autor,

(...) o surgimento de uma série de coletivos e movimentos cul­turais em regiões periféricas e o investimento considerável em políticas – por parte dos órgãos gestores das esferas federal, es­tadual e municipal – orientadas pelo referido princípio da « cida­dania cultural », no começo dos anos 2000, gerou importantes efeitos práticos, como uma sen­sível multiplicação do número de ONGs dedicadas ao ensino de atividades culturais junto a popu­lações consideradas como social ou culturalmente « marginaliza­das », a ampliação das oportu­nidades de criação e fruição ar­tística da parte dessas mesmas populações e o fortalecimento de espaços « alternativos » de produ­ção e consumo cultural, sobretudo nas regiões periféricas dos grandes centros urbanos. (ADERALDO, 2017, p. 22).

5Essa produção cultural colo­cou « a periferia unida no cen­tro de todas as coisas » (VAZ, 2008), mas também refundou o debate sobre as relações en­tre periferias, cultura e política: além de ampliá-lo no tocante à democratização da leitura e o acesso aos bens culturais, re­velou também uma discussão sobre modelos de organiza­ção baseados na autonomia e na « autoestima » daqueles que habitam as periferias, tanto no campo da produção cultural, quanto no material.

  • 2 «Sujeito periférico» é um termo cunhado pelo sociólogo Tiaraju Pablo D’andrea, onde o autor se refe (...)

6Essa produção cultural que se caracterizou por « dar voz aos marginalizados sociais » (NAS­CIMENTO, 2009), retratando a complexidade do cotidiano das periferias, trazendo outros sujeitos não só na sua escri­ta como no seu fazer, suscitou também novas questões. Elas abordavam temas relaciona­dos à constituição da sociedade brasileira e que, num primeiro momento da produção cultural das periferias, versavam sobre a marginalização, o racismo, a desigualdade social e a descren­ça nas elites, nos políticos e na política institucional (CAROS AMIGOS, 2001, 2002, 2004; FERRÉZ, 2005; VAZ, 2008), estimulando alguns indivíduos a se assumirem como « Sujei­tos Periféricos »2 (D’ANDREA, 2013), se reconhecendo como sujeitos de direitos e denuncian­do as injustiças do « sistema » ao qual estavam submetidos. Mais tarde passaram a incorporar o machismo, a homofobia e ques­tões de gênero, resultado do es­forço e presença da produção feminina e LGBTQIA+ dentro desses espaços (BALBINO, 2016).

7Na segunda década do sé­culo XXI, quem entra em evi­dência são os Slams, sendo o Zap! Slam, o Slam da Guilher­mina e o Slam Resistência, nas regiões central e leste de São Paulo, os primeiros. Também influenciados pela cultura hip hop, principalmente pelo modo de declamar a poesia com uma cadência rítmica aliada a uma performance, a diferença em relação aos saraus, dos quais muitos slammers vieram, é que nessas batalhas de poesia há uma disputa, um vencedor e um perdedor escolhidos por um júri popular, na maioria das vezes. O que não se trata exatamente de uma disputa acirrada ou riva­lidade, segundo seus organiza­dores. Também diferentemente dos saraus, o Slam se populari­zou rapidamente entre os jovens das classes médias, não só entre os das periferias, além de ter ga­nho repercussão internacional, como com o Campeonato Mun­dial de Poesia Falada (NEVES, 2017; FREITAS, 2019). Segun­do Neves (2017), a relação dos Slams com o poder público, no que tange aos financiamentos, é parca ou nula. Dessa forma, as parcerias são estabelecidas com o setor privado, com insti­tuições como o Itaú Cultural e o espaço cultural Red Bull Sta­tion, dentre outras.

8Por fim, mais recentemente, a modalidade de produção cul­tural que mais tem crescido nas periferias é o empreendedoris­mo cultural. Com um discurso de viés neoliberal, calcado no esforço individual e na meri­tocracia, em que o sujeito é o único responsável pela sua situ­ação social, ignorando conjun­turas, as desigualdades e a pró­pria conformação do poder na sociedade brasileira, está muito em voga nos últimos anos. Não se trata, no entanto, de algo que surgiu nas periferias, mas de um discurso/prática de que muitos produtores, coletivos culturais das periferias e alguns movi­mentos negros se apropriaram (ou foram apropriados?) e que, consequentemente, reforçam. Conforme as redes sociais de coletivos e indivíduos ligados à produção cultural das periferias de caráter empreendedor, a cul­tura produzida por esses, além de todas as outras questões que carrega, é também um negócio, um investimento econômico.

9Dentro dessa lógica da cul­tura como « negócio de impacto social » (YÚDICE, 2003), que legitima o empreendedorismo cultural também nas periferias, encontramos desde o turismo de base comunitária, até as vi­vências culturais e gastronômi­cas negras e periféricas. Assim, aquilo que foi mote de um dis­curso radical e antissistêmico no início da movimentação cul­tural das periferias com a litera­tura, agora é o que acena para uma transformação social não mais através de mobilizações políticas organizadas em movi­mentos sociais, e sim através de um mercado de bens e negócios culturais, organizado a partir de uma lógica capitalista. A mesma que é a fonte das desigualdades que seus sujeitos sofrem, mobi­lizando as identidades e carac­terísticas das periferias como uma logo marca. Nesse aspec­to, a crítica de Hossne sobre a periferia como uma marca atra­ente para o mercado editorial (HOSSNE, 2003 apud NASCI­MENTO, 2009) encontra muito sentido e vai além. Essa lógica empreendedora cultural nas pe­riferias é muito comum nos pa­íses do antigo terceiro mundo, colonizados e, quando aconte­ce em países da Europa ou nos Estados Unidos, seus principais sujeitos continuam sendo prin­cipalmente imigrantes, frutos da diáspora negra ou não.

  • 3 Desde 2016, venho pesquisando a produção cultural das periferias. Depois de anos de iniciação cient (...)

10Assim, parto da hipótese de que há uma disputa em torno das práticas, discursos, saberes, simbologias e demais conheci­mentos da cultura gestada nas periferias. Dito isto ‒ e a partir das problemáticas elencadas ‒ é mister para a pesquisa que de­senvolvo3, se debruçar sobre a atual produção cultural das pe­riferias, inquirindo qual é proje­to pedagógico, estético, político que a orienta hoje. Afinal, o que querem seus agentes? Existe de fato, algum ou alguns projetos coletivos, como se supôs um dia, que permeiam e orientam os agentes culturais das perife­rias? Qual seu caráter? Quais interesses norteiam o aparente entusiasmo do poder público e, principalmente, do setor priva­do com a produção cultural das periferias? Essas são algumas das questões que norteiam este artigo.

Do projeto pedagógico, estético e político da literatura marginal/periférica

11Nascimento (2009) discutiu o surgimento e a consolidação do movimento literário nas pe­riferias de São Paulo a partir do projeto « Literatura Marginal: a cultura da periferia » (CAROS AMIGOS, 2001, 2002, 2004). Ao discorrer sobre as múltiplas faces desse movimento, a autora identificou um projeto « pedagó­gico, estético e político » em seu interior. Analisou seus desdo­bramentos tanto no meio social de origem dos autores, como em outros âmbitos. No que tan­ge ao desdobramento pedagógi­co, a autora aponta a discussão sobre a função social da literatu­ra, a literatura engajada e o lugar que está ocupa dentro da crítica literária. Nascimento, então afir­ma que:

O « projeto pedagógico » faz alu­são ao uso da literatura como um ato político que visa dialogar com as populações das periferias urbanas brasileiras. Refere-se à construção de um discurso que pretende « ensinar » ou « ampliar » a capacidade crítica do público, por meio de textos com fundo moral e/ou ético (NASCIMEN­TO, 2009, p. 80).

12A discussão fica ainda mais rica no tratamento das questões em torno do projeto estético, entendido como uma reverbera­ção do cotidiano dos escritores. Cotidiano esse que se tratou de usar como mote nas suas pro­duções literárias. Ou seja, o projeto estético dessa literatura, segundo Nascimento, não deri­va de um sentido externo a seus autores, mas sim de suas vidas como moradores das periferias. A estética nesse caso não diz respeito somente a uma repre­sentação, mas à ressignificação de uma realidade cotidiana. E desse cotidiano também resulta o projeto político dos escritores, que ao reivindicarem, em seus termos, uma identidade marginal para sua produção literária, demarcam uma posição em relação aos demais escritores (NASCIMENTO, 2009; TEN­NINA, 2017). Nessa chave, é possível depreender que tam­bém os saraus promovidos pelos coletivos, além de seu singular caráter cultural, se apresentam como um referencial de mobi­lização política e social dentro das periferias, já que também se organizam em resposta à bruta­lidade e ao descaso da realidade vivida por aqueles que ali habi­tam, pautando discussões políti­cas em seus espaços.

  • 4 Surgido em julho de 2008, o Coletivo Cultural Poesia na Brasa atua na Vila Brasilândia, Zona Norte (...)

13Tal referencial, ainda que in­diretamente, aponta para a ne­cessidade de se constituir uma contra conduta, em resistência às desigualdades e violência históricas as quais o povo das periferias foi submetido. Essa literatura, ora denunciando as mazelas sociais, ora concla­mando à organização popular, apontando a necessidade de não ser pego pelas « armadilhas do sistema » se trata – por certo as­pecto – de uma escrita de si, um cuidado de si que implica numa relação ética não só para con­sigo, mas também para com o outro. Um bom exemplo disso é o texto « A Elite Treme - Nosso Manifesto » do coletivo Poesia na Brasa4:

A elite encontra-se nos grandes centros comerciais, rodeada pe­las periferias que ela própria in­ventou. A periferia se arma e apa­vora a elite central. Nas guerras das armas, os ricos reprimem os favelados com a força do Estado através da polícia. Mas agora é diferente, a periferia se arma de outra forma. Agora o armamento é o conhecimento, a munição é o livro e os disparos vêm das letras. Então a gente quebra as muralhas do acesso, e parte para o ataque. Invadimos as bibliotecas, as uni­versidades, todos os espaços que conseguimos, arrumar munição (informação). Os irmãos que foram se armar, já estão de vol­ta preparando a transformação. Mas não queremos falar para os acadêmicos, mas sim para a dona Maria e o seu José, pois eles que­rem se informar. E a periferia dis­para: Um, dois, três, quatro livros publicados. A elite treme. Agora favelado escreve livro, conta a história e a realidade da favela que a elite nunca soube, ou nunca quis contar direito. Os exércitos de sedentos por conhecimento estão espalhados dentro dos cen­tros culturais e bibliotecas da pe­riferia. A elite treme. Agora não vai mais poder falar o que quiser no jornal ou na novela, porque os periféricos vão questionar. O conhecimento trouxe a reflexão e a reflexão trouxe a ação, e ago­ra a revolta está preparada, e a elite treme. Não queremos mais seu tênis, seus celulares. Não queremos mais ser mão de obra barata, e nem consumidores que não questionam a propaganda. Queremos conhecimento e trans­formações nas relações sociais. A elite treme. Agora não mais enquadramos madames no farol, e sim queremos ter os mesmos direitos das madames. E é por isso que a elite TEME (Coletivo Cultural Poesia na Brasa, 2009, p. 31-32).

14Segundo Foucault, « (...) Como elemento de treinamento de si, a escrita tem, para utilizar uma expressão que se encontra em Plutarco, uma função etopoiética: ela é a operadora da transformação da verdade em ethos » (2012, p. 144). Ou seja, o ato de escrever é um aspecto fundamental para o indivíduo, pois é através da escrita que ele enuncia seu pensamento de ma­neira estruturada. Dessa forma, permite a criação, enunciação e reflexão de sua verdade, que será a base de sua ética, do seu modo de ser – que se pode en­tender como a construção de um senso crítico. Sua formação subjetiva para interagir no mun­do real. Assim, a literatura mar­ginal/periférica é um elemento, ou ainda, um alimento que nutre a subjetividade daqueles que a escrevem, leem ou a declamam. Isso porque ela se tornou um veículo de reflexão sobre o que significa estar no mundo para muitos desses marginalizados que, a partir da relação com a escrita e a leitura, não só se re­conheceram indivíduos possui­dores de direitos como também agentes da história.

« Cada um na sua, mas com alguma coisa em comum »5: trajetórias, dissonâncias, encontros e desencontros na produção cultural das periferias

  • 5 Faço aqui referência a uma antiga propaganda de cigarros da marca Free, onde se mostravam diferente (...)

15A visibilidade e o crescimen­to para além das periferias tam­bém trouxeram outras questões, principalmente sobre o caráter antissistêmico de sua produção cultural. Reyes (2013) inverte a pergunta de Spivak (2010), indagando: « Pode o privilegia­do escutar? » O autor questiona se os donos do poder, o centro, os brancos, os racistas, os fas­cistas, os neoliberais, o Estado e o capitalismo conseguiriam ouvir a produção cultural das periferias e suas demandas. A essa pergunta, acrescento ou­tra: o privilegiado se interessa em escutar? Para Reyes, a li­teratura marginal/periférica é antissistêmica e suas questões vão ao encontro não só das for­mulações em torno do projeto pedagógico-estético-político, tal como enunciado por Nasci­mento, como também de situ­ações e questões que encontrei entre meus interlocutores de pesquisa, brevemente apresen­tados a seguir, e potencializadas pela recente conjuntura política nacional e internacional, mar­cadas tanto pela ascensão do conservadorismo, como por um neoliberalismo cada vez mais feroz. No que diz respeito tanto à origem dos coletivos Perifatividade, Poesia na Brasa, Casa Ecoativa e Imargem, quanto a seus integrantes, suas trajetó­rias e ações culturais, todos são trespassados pela tradição dos movimentos populares de base. Em especial dos movimentos por moradia, transporte público, infraestrutura, contra a carestia e negro.

  • 6 O Coletivo Perifatividade surgiu em 2010, no «Fundão do Ipiranga», Zona Sul de São Paulo. Além de u (...)

16O Perifatividade6 tem, entre seus integrantes, pessoas nasci­das em ocupações por moradia no Fundão do Ipiranga, referên­cia que se faz presente até hoje por suas relações com diversas lideranças locais. No entanto, uma das maiores referências para o coletivo é o hip hop, em especial as Posses de hip hop, que formaram politicamente muitos jovens dessa cultura na virada do século. O Perifatividade é fruto de uma dessas posses.

  • 7 Ver nota 4.

17A trajetória do coletivo Po­esia na Brasa7 não é diferente. De certa forma, a história social e cultural da Vila Brasilândia incide na formação do coletivo. Seus integrantes se conheceram ainda adolescentes em meio a agitação cultural que promo­viam no bairro, a partir da escola e de um grupo de teatro. Todos frequentavam a casa de Sonia Regina Bischain, mãe de ami­gos dos jovens que viriam a for­mar o coletivo mais tarde. Sônia foi militante das Comunidades Eclesiais de Base, participando de várias atividades políticas e culturais na Vila Brasilândia e região, durante os anos 1970 e 1980. Os movimentos culturais da região – Hip Hop, Samba, Punk Rock – também são re­ferência, tanto pela convivên­cia dos integrantes do coletivo com eles, desde a adolescência, quanto pela participação nos sa­raus, hoje, de integrantes desses grupos.

  • 8 De acordo com o site do Instituto Pólis, «Há quase 20 anos, o que era um espaço ocioso virou um exe (...)

18A Casa Ecoativa8, que tam­bém tem origem nas lutas popu­lares na Ilha do Bororé, extremo sul de São Paulo, por infraestru­tura e transporte público, é cria­da no ano de 1999 com o intuito de se tornar um ponto cultural, reunindo militantes e ativistas culturais do entorno para pro­mover a cultura e o debate so­bre ecologia na região, já que a Ilha é uma Área de Proteção Ambiental. Em seu início, ape­sar do apoio da Empresa Me­tropolitana de Água e Energia (EMAE, de capital aberto, mas de controle acionário do estado de São Paulo) e da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, a casa oferecia pro­gramação apenas aos finais de semana, já que nem o poder público e nem a EMAE jamais disponibilizaram um funcio­nário ou uma equipe para seu funcionamento. Por outro lado, dessa forma, os próprios mo­radores, dentre os quais Eduar­do Freire, tomaram a frente da casa, gerindo-a de forma autô­noma. Eduardo, formado po­liticamente nas lutas sindicais e estudantis dos anos 1980, e desde então integrante do mo­vimento humanista, se tornou uma das lideranças da Ilha do Bororé, além de ser o principal articulador da Casa Ecoativa à época. Em 2006 se mudou para Porto Alegre (RS) e a casa per­maneceu fechada a maior parte do tempo.

  • 9 De acordo com informações na página do grupo, o «Imargem é (..) uma iniciativa multidisciplinar, cr (...)

19No entanto, um coletivo re­cém formado na região, mais ligado à arte urbana, como o grafite, formado por frequenta­dores da Casa Ecoativa, come­çou a se reunir ali em 2007, para desenvolver intervenções artís­ticas na região. Esse coletivo era o Imargem9, do qual os irmãos Mauro e Wellington « Tim » Néri eram os principais integrantes. Vindos da cena roqueira local, os dois irmãos passam a ter mais contato com o rap a partir do grafite e dos eventos promo­vidos pela Casa Ecoativa. Em 2006, já no Imargem, concor­rem a um edital do VAI e or­ganizam diversas atividades na região, como cinema ao ar livre, oficinas, grafites e debates. E é a partir dessa ocupação pontual da Casa Ecoativa pelo Imargem que, em 2014, após uma cura­doria para a Virada Sustentável, organizada pelo grupo, a Casa Ecoativa retoma suas atividades oficialmente, sob nova confi­guração: integrantes, parcerias e financiamentos distintos de sua primeira formação. A Casa Ecoativa hoje, tem por principal articulador, Jaison « Jai » Pongi­luppi Lara, morador da região.

20Essas referências e a cons­tituição desses grupos apontam não só para seu caráter político, como também para questões co­muns que permeiam o viver nas periferias em São Paulo, ainda que estas não sejam homogêne­as. Apontam para uma vivên­cia compartilhada por distintas periferias da cidade no âmbito da cultura, mas também no das desigualdades, da falta de estru­tura urbana e de outras questões irresolutas como o racismo, a violência policial, a miserabili­dade e o alto custo de vida.

  • 10 Tal apoio se refere ao manifesto em favor da presidenta Dilma Rousseff, assinado por diversos colet (...)

21Das situações e questões com que me deparei no trabalho de campo, as referentes ao fi­nanciamento das ações dos co­letivos eram especialmente sen­síveis ao problema da pesquisa. Nos anos iniciais, junto aos coletivos Perifatividade e Po­esia na Brasa, ficou evidente a distinta relação de cada um com as fontes financiadoras. Ambos sempre tiveram financiamentos públicos, propiciados por edi­tais como o VAI e afins. Apesar disso, um deles explicitou um fato curioso: quando se recu­saram a assinar, como coletivo, um manifesto em favor de de­terminados candidatos do PT10, tiveram problemas, chegando a não serem mais chamados para determinadas atividades em equipamentos públicos e tendo seus projetos negados em edi­tais do município. Desta feita, voltaram a produzir e financiar suas atividades de maneira au­togestionária, sem recursos pú­blicos ou por parte de institui­ções privadas, só retornando a acessar os editais públicos em 2020.

22Vale dizer que esse episódio (a « amarração » entre o acesso aos editais e o apoio político incondicional ao PT), que dife­renciou os dois coletivos, é algo que ocorre dentro do campo progressista/de esquerda, já que ambos se inserem politicamen­te dentro desse mesmo espectro político. Logo, não se trata de um antagonismo entre direita e esquerda, mas sim de um exem­plo da crise de representação que ocorre dentro da própria esquerda.

  • 11 «Dória transfere Virada Cultural para Interlagos e diz que SP é um ‘lixo vivo’». Portal G1 (05/12/2 (...)
  • 12 Haddad defende apoio a iniciativas culturais da periferia. Portal da Prefeitura de São Paulo (13/04 (...)

23Outro embate envolvendo o plano político partidário – e que me fez pensar sobre o projeto pedagógico estético e político da produção cultural das periferias – o qual acompanhei via redes sociais, foi o desentendimento entre parte dos produtores culturais das periferias e a gestão do prefeito João Dória (PSDB, 2017-2018). Prestes a assumir o cargo, Dória já anunciava que « iria tirar a virada cultural do centro de SP », além de se dirigir à cultura da periferia e a fenômenos da mesma como o funk, como « um câncer social »11, postura diametralmente oposta à da gestão que ele substituiria, de Fernando Haddad (PT, 2012- 2016). Além de construir um diálogo direto com os produtores culturais das periferias, Haddad não só incentivou diversos projetos e ações na área12, como sancionou diversos projetos e leis voltadas para a produção cultural das periferias, tal qual a ampliação do programa VAI, a criação do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca (PMLLLB) e a sanção da Lei de Fomento às Periferias. Essa última, fruto da mobilização de coletivos culturais das periferias, aprovada ainda ao final de seu último ano de mandato.

  • 13 «‘Vou quebrar a sua cara’, diz secretário da cultura de Dória a ativista». Estadão (30/05/2017): ht (...)

24Ao assumir a prefeitura, Dória coloca em prática uma política que é percebida como higienista, reprimindo a popu­lação da cracolândia, apagando os grafites e pichações das vias públicas, e também congelando a verba destinada à área de cul­tura, em especial para as perife­rias, o que aumentou mais ainda a tensão com seus coletivos cul­turais. Em maio de 2017, eles ocupam a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, exigin­do o descongelamento da verba destinada à cultura e pedindo a demissão do então secretário de cultura, André Sturm, que dias antes havia ameaçado um agen­te cultural das periferias, dizendo « vou quebrar a sua cara »13.

  • 14 Christian Lohbauer é cientista político e professor da USP, ex-vice-candidato à presidência pelo Pa (...)

25Esse embate, gerou situações no mínimo peculiares, que reve­laram a heterogeneidade políti­ca entre esses agentes culturais. Uma delas foi uma campanha em defesa do referido secretá­rio de cultura, em que, via de­poimentos gravados em vídeo, diversos produtores culturais da cidade se solidarizavam com Sturm, exaltando sua trajetória na cultura, em especial na área do audiovisual, e tecendo crí­ticas aos « grupos privilegiados que não querem se desfazer de seus privilégios », em referência aos integrantes dos coletivos culturais das periferias, como apontava a fala do cientista po­lítico Christian Lohbauer14. O fundo cinza comum a todos os vídeos sugeria terem sido reali­zados todos no mesmo local e os depoimentos eram, em sua maioria, de produtores cultu­rais já estabelecidos no circuito paulistano e/ou ligados ao fazer cultural tido como pertencen­te à « alta cultura » da cidade. Esses sujeitos eram pessoas de famílias tradicionais do cenário cultural de São Paulo, em sua maioria brancas e de nível eco­nômico médio/alto.

26No entanto, entre esses víde­os havia depoimentos de dois produtores culturais das peri­ferias, homens negros, rappers integrantes da Casa Municipal de Hip Hop Sul, na zona sul de São Paulo. No vídeo do rapper Eazy Jay (do lendário grupo de Rap Comando DMC), dife­rentemente dos demais, estava presente também um grupo de pessoas, dentre elas um adoles­cente e uma criança de aparen­temente oito anos, caracterizado como um pequeno rapper. Eazy Jay insistia na importância do diálogo com o então secretário e de a periferia difundir sua cul­tura, apontando as qualidades e o compromisso de Sturm. Cha­mou a atenção que o depoente parecesse estar lendo sua fala.

  • 15 Por que todos os vídeos em apoio ao Sturm são iguais? Agenda Preta (07/06/2017). Mais informações e (...)

27Na época, não pude perce­ber nenhuma repercussão sobre o ocorrido, ao menos nas redes sociais e entre meus interlocu­tores de pesquisa, e sim, certo silêncio até. Somente o portal Agenda Preta, através do jor­nalista Júnior Rocha, realizou uma matéria15 crítica, inclusi­ve destacando o que parecia incomodar e desestabilizar as expectativas sobre as alianças e conflitos a partir da atuação da prefeitura municipal naque­le momento: a presença de dois produtores culturais negros e das periferias ali.

28Todavia, se durante meus anos iniciais de pesquisa me de­parei com essas situações – que por si só colocam questões in­teressantes acerca da relação da produção cultural das periferias com o sistema e suas reverbera­ções sobre a atuação desses co­letivos, apontando para a cisão de uma suposta unidade políti­ca e solidária entre eles e para uma possível « adequação » do discurso crítico e antissistêmico predicado por esses agentes ao status quo e ao mercado cultu­ral –, quando elaborava minha monografia, me deparo com uma inusitada matéria de revis­ta. Estampava a capa da edição de junho de 2018 da Veja São Paulo, um suplemento da revis­ta Veja, a foto de um grupo de jovens da região do Grajaú, no extremo sul de São Paulo, com os seguintes dizeres: « Empreen­dedores do Grajaú ‒ A 35 quilô­metros ao sul da Avenida Pau­lista, uma geração de músicos, cineastas e artistas escanteia di­ficuldades e se profissionaliza ». Foi a primeira vez que vi a pro­dução cultural das periferias de São Paulo associada a uma ideia de empreendimento, atrelada a uma visão de negócios.

29A matéria em si, reforça­va essa lógica. Os produtores culturais da capa apareciam em blocos, que funcionavam como mini portfólios individu­ais, com os principais feitos, suas parcerias e os valores em dinheiro, tal como mobilizados por esses jovens, caracterizados como empreendedores. Além disso, a reportagem era repleta de frases de efeito que remetiam a um imaginário associado à ló­gica meritocrática. Ou seja, es­truturada na ideia de superação individual das mazelas das peri­ferias, não atrelando a cultura a uma mobilização política mais ampla e coletiva, como, ao me­nos em discurso, se caracteriza­va a produção cultural das pe­riferias quase vinte anos atrás. Inclusive, na referida matéria não havia nenhuma menção às desigualdades nesses contex­tos, tal como enfrentados pelos sujeitos que produziam « arte e cultura periféricas » como algo estrutural ou como um proble­ma social, nem pelos jornalistas nem pelos retratados no texto. Nem o tema do racismo, tão em evidência, e na verdade incon­tornável para entender tais di­ficuldades, chegava a aparecer. As injustiças, quando citadas, soavam como um detalhe na­tural, inatas àquele território e àquelas pessoas, mas que, por outro lado, poderiam ser supe­radas, com muito esforço.

30Longe de subscrever uma visão homogênea dos indiví­duos e da produção cultural das periferias, essas situações, ainda que observadas à dis­tância, destoavam daquilo que eu acompanhava em campo. Mesmo com as diferenças, a produção cultural dos coletivos que acompanhava nos primeiros anos de pesquisa era norteada pela crítica às desigualdades sociais e estruturais, no intuito de superá-las; e pelas ações políticas num campo mais pró­ximo a uma ideia de poder po­pular, herdado das lutas polí­ticas dos movimentos de base em suas regiões, além de certo senso crítico em relação não só aos editais, mas também aos fi­nanciamentos e parcerias com instituições privadas. A ideia de cultura era muito mais próxima de um projeto de emancipação social das periferias, com aces­so à cultura e equipamentos pú­blicos de qualidade, como tam­bém a escolas, postos de saúde, creches e afins, do que de um projeto de empoderamento e superação de sua condição via empreendedorismo ou acesso ao mercado cultural.

  • 16 Entrevista concedida em 3 de junho de 2021.

31É importante dizer que, nesse aspecto, meus interlocutores mais recentes, a Casa Ecoati­va e o Coletivo Imargem, têm uma posição muito mais flexí­vel, tanto politicamente como em relação aos financiamentos. Apesar de declararem voto em políticos progressistas e citarem políticos desse campo como re­ferências, não são adeptos do que chamam de um discurso radical da esquerda e sim a fa­vor do diálogo entre as distintas partes que formam a sociedade. Também não veem problemas em parcerias com empresas, considerando que muitas vezes os editais públicos são limita­dos financeiramente e muito burocráticos, como me foi dito em entrevista. Nesse aspecto, ao menos discursivamente, há uma distinção não só geracio­nal, como também política, em que os primeiros buscam fazer uso das políticas públicas – ain­da que de modo crítico – para buscar melhorias coletivas para seus contextos, enquanto os últi­mos acreditam ser possível usar os próprios recursos do sistema, das empresas, para corrompê­-lo. Ou como diz Tim16, « entrar no capitalismo para hackeá-lo ». Para além disso, o diálogo des­ses dois últimos coletivos com os movimentos sociais locais, como o de moradia, parece não existir ou não ser interessante para ambos. Ou ainda, que o movimento cultural por si só, é o movimento social por exce­lência.

ONGs, cultura de periferia, cidadania cultural, empresas e a gestão do social

32Outra maneira de abordar a relação entre o fazer cultural das periferias e instâncias so­ciais de poder é considerando o arrefecimento dos movimen­tos de base, a mobilização po­lítica da juventude por meio do Rap e do Hip Hop e a ação das ONGs (ADERALDO, 2017; DANDREA, 2013; FELTRAN, 2011, 2014; REYES, 2013), que ligam o fim dos 1980 ao come­ço dos anos 2000. Ao analisar esse período, a fim de entender o contexto do surgimento das políticas públicas voltadas para a periferia, Aderaldo (2017) aponta que três temas estavam presentes nos debates nacionais pelo Brasil: juventude, perife­rias e políticas culturais. Todos, reflexo do agravamento das de­sigualdades resultantes de uma década de políticas neoliberais potencializadas com a globali­zação. Sobre esse processo, o texto de Rubens Naves, diz o seguinte:

Na medida em que, para mui­tos, a utopia não encontrou mais sustentação no ideário socialista, proliferaram as associações voluntárias, fenômeno maciço em todo o mundo. A contestação do discurso hegemônico começou a se dar no âmbito dos « direitos humanos » universais, a luta social perdeu o enfoque capital-trabalho e vinculou-se às questões da cidadania. Rubem César Fernandes observa que « as associações promovem a sociabilidade num contexto individualista. Em suas atividades, os fins coletivos e os bens coletivos são percebi­dos como interesse individual dos que estão envolvidos. A vida pública insere-se nas iniciativas privadas. A cidadania é personalizada » (NAVES, 2003, p. 570).

33Questão relacionada às de­sigualdades que fundamentam nossa estrutura social, a inte­gração dos pobres, e em espe­cial dos negros e indígenas, sempre foi o nosso calcanhar de Aquiles. Alguns avanços foram conquistados no decorrer dos anos 2000, mas nem de longe os problemas foram superados. Muitos desses avanços estavam mais conectados com a ques­tão de gerir os efeitos oriundos dessa desigualdade estruturan­te, do que com a busca de sua resolução. Talvez, uma prova disso seja o esfacelamento dos direitos adquiridos ao longo dos primeiros dez anos deste século, para manter a estrutura social exatamente onde ela foi funda­da: nas desigualdades. Muitos pesquisadores têm apontado para esse caráter de manutenção das desigualdades, subjacente às políticas públicas e privadas voltada para as periferias. E em especial, para a produção cultu­ral das periferias. Retomando a discussão de Aderaldo (2017) por exemplo, sobre a importân­cia que os temas jovens, perife­rias e políticas culturais ganham em nível nacional no início des­te século, ele afirma que:

(...) para compreendermos o modo como estes temas foram incorporados na agenda pública municipal de São Paulo, dando origem ao VAI e, posteriormente, à Agenda Cultural da Periferia, é preciso reconstituir, ainda que brevemente, a forma pela qual um conjunto de instituições, in­telectuais e agentes vinculados a setores da administração públi­ca – num contexto de interações com coletividades formadas por trabalhadores da área cultural e jovens egressos de cursos e ofi­cinas, dedicados ao ensino de variadas linguagens artísticas em regiões periféricas – possibilitaram a emergência da noção de « cultura de periferia » como problema público nos primeiros anos do século XXI (...) Tendo, portanto, em vista a « qualidade dramática » (CEFAI, VEIGA E MOTA, 2011, p. 43) das rela­ções associativas, pretendo aqui chamar a atenção para o fato de que as mudanças relacionadas ao expressivo ganho de importância da referida noção de « cultura de periferia », a partir da reinserção do princípio de « cidadania cultural » nas diretrizes políticas da gestão municipal de São Paulo no começo dos anos 2000, decorre da afinidade entre múltiplas e complexas tendências que moviam-se simultaneamente e que, ao convergirem na direção de um projeto comum, transformaram algumas instituições, como a Ação Educativa, em « caixas de ressonância » privilegiadas desses processos e experiências (ADE­RALDO, 2017, p. 112-113).

34Dessa forma, ao relatar al­guns dos processos sócio-polí­ticos que resultaram na criação de financiamentos públicos para iniciativas culturais, des­tinados principalmente para jovens periféricos integrantes de coletivos sem formalização jurídica, Aderaldo aponta o sur­gimento do conceito de cultura de periferia. Elenca uma série de fatores que culminaram na criação desse conceito, como a eclosão embrionária, mas já notável, de uma produção e cir­culação de bens culturais em áreas periféricas, que começava a chamar a atenção de intelectu­ais, da mídia e do terceiro setor; as reivindicações categóricas de intelectuais e ativistas, especial­mente de ONGs, por políticas públicas voltadas para a juven­tude; a pressão de diversos ór­gãos e relatórios internacionais, além da própria agenda do PT na área cultural, posta em prá­tica na gestão de Marta Supli­cy como prefeita de São Paulo (2001-2004). Segundo o autor, o programa VAI é fruto direto dessa conjunção de interesses. Aderaldo ainda afirma que:

A criação do Programa para a Va­lorização de Iniciativas Culturais – VAI (lei municipal 13540/03, regulamentada pelo decreto 43.823) como plataforma de fi­nanciamento de projetos consti­tuídos por jovens, « sobretudo nas camadas de baixa renda » (SE­CRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, 2008, p. 22), mais do que suprir as demandas dessa população, visava oferecer a pos­sibilidade para o fortalecimento das redes de atuação desses no­vos produtores culturais, bem como promover a diversificação da atuação das ONGs. Essas úl­timas vinham se dedicando ao desenvolvimento de experiências de educação não formal junto a essa parcela da população, em áreas precárias, baseadas no con­ceito de « protagonismo juvenil », segundo o qual – ao menos no dis­curso corporativo dessas organi­zações – o público atendido pelos projetos institucionais é visto como partícipe nos processos educativos com os quais se envolvem (ADERALDO, 2017, p. 121).

35No entanto, Aderaldo aponta também para outro aspecto des­sa rede de relações, ao afirmar que, a partir do reconhecimento da produção cultural das perife­rias, o termo cultura de perife­ria torna-se um marcador, um produto cultural em evidência, que passa orientar dinâmicas políticas culturais, simbólicas e econômicas, contundentes ao seu contexto de origem. Nas pa­lavras do autor,

O termo « Cultura de Periferia » passou então a se tornar uma ex­pressão corrente em uma série de circuitos, modulando uma signi­ficativa quantidade de práticas institucionais. Oferecer espaço às « manifestações culturais da periferia » passou a ser um dis­curso adotado por uma série de ONGs, centros culturais, festi­vais de cinema, programas de te­levisão, exposições, publicações, editais públicos, etc., o que gerou as condições para a promoção de um conjunto de produções e atores que ganharam destaque na cena pública nacional e, em al­guns casos, internacional (ADE­RALDO, 2017, p. 124).

36Ou seja, por meio da evidên­cia do termo, do investimento das ONGs nesse segmento, do surgimento do VAI e de toda as­sessoria construída a partir dele para que os jovens periféricos se familiarizassem com editais e afins, se criou uma rede de produção cultural na qual seus atores, os jovens e coletivos de periferia, circulavam entre os editais e a captação de recursos de ONGs, geralmente ligadas ao PT. Com o passar do tempo, além dos ganhos gerados nessa conjunção, algumas contradi­ções também ficaram evidentes. Muitos jovens se viram presos tanto aos processos dos editais para conseguir algum finan­ciamento para suas atividades, como às relações político-par­tidárias que esses editais predi­cavam, além do fato dessas re­lações limitarem a ação política desses atores instituindo noções como a de que a ação política se dava no campo da cidadania, com cada um fazendo a sua par­te, ao invés de mobilizações co­letivas. Lembrando que a des­motivação coletiva é uma das armas antidemocráticas mais poderosas do neoliberalismo (BROWN, 2019).

37No limiar do século XXI, Arantes (2004) faz uma análise crítica ao surgimento das ONGs e seu caráter social, apontando como a máquina estatal absor­veu a linguagem « técnica » des­sas, mas também seu capital simbólico, político, cultural. O autor ainda discorre sobre como as políticas voltadas às desi­gualdades estruturais da socie­dade (ou ao « social », ao gosto das ONGs) se tornaram campo privilegiado das ONGs, seja captando recursos internacio­nais, seja atuando ora como me­diadoras, ora como propositoras em parcerias público-privadas entre o Estado e as empresas. Essa intervenção, para além dos ganhos sociais, traz consigo uma visão de mundo peculiar que não só muda a linguagem dos então movimentos sociais, como também burocratiza e « civiliza » sua rebeldia e radicali­dade, os acomodando dentro de uma visão torpe de cidadania. Ou seja, uma nova subjetivida­de, alinhada aos interesses em­presariais, é desenhada. Tudo de acordo com os desinteresses do Estado – que não tem capa­cidade ou não quer atender as demandas dos movimentos – e os interesses dos empresários que, via programas de respon­sabilidade social, conseguem garantir seus rendimentos e ain­da fortalecer suas logomarcas, além de conquistarem, ao longo dos anos, considerável poder de interferência nos espaços públi­cos. Cabe citar ainda que, nas proposições de projetos feitas pelas ONGs, segundo Arantes, a rentabilidade é um ponto importante. Tanto socialmente, quanto economicamente. O autor ainda afirma que:

Não faltam ressalvas. Não há como conceder aos teóricos do Terceiro Setor que, de fato, numa economia de mercado não há valor de uso coletivo que, ao se tornar objeto de uma demanda efetiva, não gere um correspon­dente investimento lucrativo. Também se pode admitir que, se não estivesse pressuposta a inquestionável normalidade do lucro privado, uma organização social denominada « sem fins lu­crativos » não faria o menor sen­tido. Acontece que faz – e muito – desde que, é claro, o retorno de um investimento dito cidadão não seja negativo. Preenchida essa cláusula do mais corriqueiro cálculo econômico – prossegue o argumento – o que conta mes­mo num tal retorno cidadão é a sua « eficácia simbólica », devida­mente realçada por um aparato retórico condizente com o atu­al estágio da reprodução social (ARANTES, 2004, p. 168-169).

38Tal análise encontra rever­beração em um texto produzi­do pelo coletivo Zagaia sobre o papel das ONGs, no caso es­pecífico, da Ação Educativa. Nele, dentre outras questões, o coletivo retrata como o modus operandi tradicional das ONGs que trabalham com a produção cultural das periferias, possui essa lógica de administrar a reprodução social, como apon­ta Arantes, mas também como acurralam essa produção cultu­ral, minando os conflitos entre essa e os poderes estabelecidos, por meio da mediação entre a marginalidade característica dos agentes culturais das perife­rias e os atores que representam aqueles poderes. O artigo ainda aponta para o papel do media­dor: aquele ou aquela que faz ponte entre dois sujeitos numa negociação. No caso em ques­tão, se trata do mediador entre os produtores culturais das periferias e os editais de fomentos, públicos ou privados. De certo, se pode dizer também, que se trata de um mediador entre dois mundos: o da produção periférica e sem recursos e o mundo do capital econômico e simbólico. Numa visão clássica marxista, poderíamos dizer ainda, que se trata de um mediador da relação entre a força de trabalho dos assalariados e os donos do capital. Ou ainda, numa visão mais interessante, na perspectiva de um país colonizado, consideradas as devidas proporções, tal situação pode remeter ainda, à mediação entre o colonizado e o colonizador, entre o atraso e o progresso, o incivilizado e a civilização, como bem discorreram Frantz Fanon (2013, 2020) e Albert Memmi (2007). Sobre a figura do mediador cultural, o artigo ainda afirma que:

Daí a piscadela desta nova astú­cia, pois na lógica da cafetina­gem do mediador cultural todo o homem está à venda e todo poeta tem seu preço. Como se dissesse de lado e baixinho: « Binho, meu amigo, não liga pra esses aí, não. Existem outras formas: tem o VAI, tem diversos editais… Es­ses daí, estão alucinados com a violência com a qual estão acos­tumados. Você pode ser exemplo: vira um ponto de cultura! Eu te ajudo. » E ele ajudaria – não se nega. Afinal, de um lado, domi­na o linguajar da periferia (um dia veio de lá); de outro, domi­na como ninguém o idioma do dinheiro. Promove ações para captar fundos, auxilia os Saraus, fica bem na fita da comunidade, e assim o modo ONG de encarar a vida segue adiante. Mediador profundo das ações sociais e dos bons costumes cidadãos, Eleil­son pretende ficar de bem com a comunidade que lhe interessa e a prefeitura. « De sorte que nem sempre é fácil perceber onde ter­mina a utopia republicana e prin­cipia um empreendimento tocado à imagem e semelhança do mun­do dos negócios », como lembra Paulo Arantes (ZAGAIA, 2012).

39A problemática em torno da mediação entre as periferias e os centros de poder, a partir da produção cultural das perife­rias, também é trabalhada por Reyes (2013). Como exemplo, analisa a relação entre o rapper carioca MV Bill, Celso Athaíde e a Rede Globo de televisão, a partir do documentário Falcão – Meninos do Tráfico. A exibição desse documentário na Globo, em 2009, foi o início de um vín­culo entre o rapper carioca e a emissora, que resultou inclusive na participação de MV Bill na novela teen da emissora, « Ma­lhação », classificada por Reyes como caricata e ratificadora do discurso da democracia racial e do homem cordial, típicos da so­ciedade brasileira. O autor ana­lisa ainda as participações do rapper no programa Domingão do Faustão, onde o apresentador o chama de sócio, e em um pro­grama realizado com a empresa de telecomunicações Nextel. A partir disso, Reyes indaga:

Entretanto, é importante se per­guntar até que ponto, na medida em que a campanha legitima a empresa de celulares e, por exten­são, o sistema capitalista, esses discursos são capazes de desafiar o caráter sistêmico da explora­ção, da exclusão e da violência, em cujo âmago está, justamente, esse sistema capitalista. Até que ponto esse discurso, ao se apre­sentar nesse meio, representa uma irrupção de realidades con­tra-hegemônicas na superfície do simulacro, ou até que ponto ela se torna uma forma de legitima­ção do trompe l’oeil, do discurso confortável da coexistência har­moniosa de uma pluralidade de discursos dissonantes na liberda­de outorgada pelo capitalismo e pela democracia liberal (REYES, 2013, p. 192-193).

40Esses exemplos remontam às relações recorrentes em vá­rios âmbitos da sociedade bra­sileira. Principalmente sobre a desigualdade estrutural que fundamenta nossa sociedade. Não se trata de julgar ou criticar as escolhas dos produtores cul­turais das periferias em ocupar tais espaços autoproclamados centrais, de sucesso ou ainda, de visibilidade. Há também, nesta estrutura desigual, a questão material, de sobrevivência des­ses produtores culturais e suas famílias. E essa característica é muito bem trabalhada pelos me­diadores sociais envolvidos, se­gundo as orientações do projeto neoliberal, que afirma a todo instante que, apesar de todas as dificuldades estruturais e estru­turantes, de todo o racismo, a miséria e falta de oportunidades iguais a que a população perifé­rica foi sujeitada, se pode vencer individualmente. Retomando a pergunta de Reyes (2013) sobre se o privilegiado pode escutar, ao que parece, ele escuta e mui­to bem, o que sempre escutou. O tilintar do lucro a qualquer custo, não importando de quem ou do quê. Ele escuta uma opor­tunidade de inserir um produto em um novo mercado, gerando rentabilidade tanto simbólica quanto econômica, sem riscos para si, mas com riscos infinitos para todo o resto.

De cultura, integração, dispositivos de controle e possibilidades de outros mundos

41Como afirmei, a produção cultural das periferias transfor­mou não só a cara das periferias, mas também mudou a trajetória de muitos sujeitos periféricos. Não só dos produtores cultu­rais, mas também de seu públi­co. Apesar de ainda não haver um estudo específico sobre o impacto dessa produção cultu­ral sobre seus locais de atuação, nem sobre qual seria exatamen­te seu público (NASCIMENTO, 2009; DE TOMMASI, 2013; TENNINA, 2017), é possível encontrar muitos relatos de pes­soas que voltaram a estudar, ar­rumaram emprego, começaram a escrever, abandonaram o cri­me e se ressocializaram de di­versas maneiras a partir do con­tato com a literatura periférica e com as demais produções artís­ticas e culturais das periferias. Além disso, em diversos dos trabalhos citados aqui, também se encontram dados e aponta­mentos sobre o desenvolvimen­to cultural, econômico e social dessas regiões.

42No entanto, outra persistên­cia é o problema da integração das classes e etnias brasileiras na sociedade. Em especial da população negra e indígena. Ao discorrer sobre a produção cul­tural das periferias, Tommasi aponta alguns de seus limites e questiona, dentre outras coisas, acerca « do que fica, na perife­ria, da visibilidade adquirida por essas « culturas de periferia »: Os moradores da periferia, de forma geral, se apropriam do valor adquirido por essas ma­nifestações?  » (DE TOMMASI, 2013, p. 19). A autora analisa a relação entre a produção cultu­ral da periferia e sua mercanti­lização; seu uso na gestão das favelas e periferias, apontando para sua apropriação por par­te dos interesses econômicos, transformando-a em dividendos e em um dispositivo de controle.

43Discutindo principalmente a situação das favelas e morros cariocas, Tommasi aponta o ca­ráter empreendedor que paira cada vez mais sobre a produ­ção cultural das periferias. Se­gundo a autora, esse é um dos principais dispositivos de con­trole acionados durante a pa­cificação dos morros cariocas. Tal consideração é partilhada por Yúdice (2006), que assinala os usos danosos das ambiguida­des existentes no agenciamento, no empoderamento e na per­formatividade. Características que transformam a produção cultural das periferias em uma espécie de commodity cultural, dentre outras coisas, esvazian­do seu caráter coletivo, crítico, transformador, emancipatório e antissistêmico.

44Assim, se em alguns casos a relação com o sistema foi pon­tual, em outros, ela é fundamen­tal para a existência e continui­dade não só de coletivos, mas da produção cultural das peri­ferias. A já citada Cooperifa, de maior visibilidade, e o Sarau do Binho são exemplos de relações sólidas com o poder público e principalmente com o financia­mento privado. Se num primei­ro momento, tais coletivos pre­zavam pela auto-organização e pautavam suas atividades no esforço conjunto, com o passar do tempo, a possibilidade de acesso às verbas públicas e pri­vadas, passou a interferir sobre esse aspecto. Muitos coletivos passaram a pautar suas ativida­des pelo acesso a tais recursos, o que a priori não configura um problema. No entanto, a migra­ção do financiamento público para as parcerias com insti­tuições privadas coloca novas questões, ativando outra lógica, transformando não só as rela­ções, como as subjetividades, além do abandono das políticas públicas, o que fortalece mais ainda a iniciativa privada, que ganha maior potência de ne­gociação com o poder público, inferindo inclusive em suas políticas.

45Dessa forma, ao avaliar as proposições gerais dos produto­res culturais das periferias, as­sim como suas complexidades, características atuais e possíveis contradições, entendo que as atividades promovidas por es­ses grupos em seus espaços de origem apresentam reivindica­ções em torno de uma mudança substancial dos mesmos. Ade­mais, apresentando-se também como um local de formação po­lítica. Tais características che­gam até mesmo a apontar, em certos aspectos, caminhos para a atual crise de representativi­dade existente nesses espaços, já que as pessoas ao seu redor se reconhecem, antes de tudo, pelo compartilhamento das vi­vências em comum.

46Porém, tais propósitos pa­recem ser cada vez menos um denominador comum entre os produtores culturais periféricos, que os mobilizem rumo a um projeto coletivo, de emancipa­ção, como se supôs um dia. O empreendedorismo cultural ‒ um estágio já avançado da re­lação entre a produção cultural das periferias com as grandes empresas e o ideário neoliberal ‒ tal qual desponta em algumas regiões de São Paulo, como o Grajaú, e que já é consolida­do no Rio de Janeiro, apontam para um mesmo caminho, onde as desigualdades são entendidas como falta de oportunidades in­dividuais e não como um proje­to estrutural de manutenção de privilégios e poder.

47Esse novo discurso parece misturar e confundir as trajetó­rias de seus agentes, marcadas por desigualdades de diversas ordens, com uma espécie de meritocracia, onde a superação das desigualdades estruturais da sociedade brasileira das quais esses sujeitos foram vítimas se dá, não mais de maneira cole­tiva e sim pelo esforço indivi­dual. De uma outra perspectiva, se trata ainda do roubo de sub­jetividades rebeldes pelo status quo, que remonta não só à nossa herança colonial, como ao pró­prio colonialismo em sua face mais brutal, perpetrado por uma ordem econômica e subjetiva que aliena, sequestra e embute, no dominado, o sonho de ser, um dia, o dominador (FANON, 2013), sem que ele atente às regras excludentes do jogo. É uma cilada perversa, semelhan­te a que descreve o filósofo ca­maronês Achille Mbembe:

O colonialismo esteve longe de ser uma coisa admirável. Estátua gigante diante da qual, amedron­tadas ou fascinadas, multidões se prosternavam - mas que na realidade escondia ser oca. Car­caça de metal engastada com joias esplêndidas, era por outro lado como o diabo e o estrume. Braseiro vagaroso que disper­sava por todo lugar sua fumaça, ele buscou se instituir ao mesmo tempo como rito e como fato; como palavra, gesto e sabedoria, conto e mito, assassinato e aci­dente. E é em parte devido a sua poderosa capacidade de prolife­ração e metamorfose que ele fez tremer tanto o presente daqueles que a ele se submeteram, infil­trando-se até em seus sonhos, enchendo seus pesadelos mais horríveis, antes de lhes arrancar lamentações atrozes. A coloniza­ção, enquanto tal, não foi apenas uma tecnologia, nem um simples dispositivo. Ela não foi apenas ambiguidades. Ela foi também um complexo, uma Habituada a vencer sem ter razão, ela exigia dos colonizados não apenas que eles mudassem suas razões de viver, mas também que mudas­sem de razão - seres em falha perpétua. E é enquanto tal que a Coisa e sua representação susci­taram a resistência daqueles que viviam sob seu jugo, provocando ao mesmo tempo indocilidade, terror e sedução, assim como, aqui e ali, grande número de insurreições (MBEMBE, 2019, p. 17-18).

48Portanto, vale a pena refletir não só sobre o modo como o conceito de cultura tem sido mo­bilizado, principalmente pelos empresários e o grande capital, mas também quais os impactos disso sobre as possibilidades de transformação e emancipação que a produção cultural das pe­riferias traz consigo. Trata-se de definir se esta é uma produção cultural que busca se integrar ao mercado cultural e político normativo, funcionando – como aponta Lívia de Tommasi – mais como um dispositivo de contro­le, corroborando com uma nova gestão da pobreza via cultura ou se ainda é uma cultura an­tissistêmica, capaz de estimular o senso crítico e político das e nas periferias, como também de emancipar seus sujeitos e territórios, municiando-os num revide contra o enorme passado que temos pela frente e na cons­trução de um outro mundo pos­sível, para além deste.

Topo da página

Bibliografia

ADERALDO, G. Reinventando a cidade: uma etnografia das lutas simbólicas entre coletivos culturais vídeo ativistas nas «periferias» de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2017.

ARANTES, P. E. Esquerda e Direita no Espelho das Ongs. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

BALBINO, J. Pelas margens: vozes femininas na literatura periférica. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem e Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, Campinas, SP. Disponível em: https://repositorio.unicamp.br/acervo/detalhe/975153. Acesso em: 31 ago. 2022.

BROWN, W. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Editora Filosófica Politeia, 2019.

CAROS AMIGOS ESPECIAL. Literatura marginal: a cultura da periferia: ato I. São Paulo, agosto de 2001.

CAROS AMIGOS ESPECIAL. Literatura marginal: a cultura da periferia: ato II. São Paulo: jun. 2002.

CAROS AMIGOS ESPECIAL. Literatura marginal: a cultura da periferia: ato III. São Paulo: abr. 2004.

D’ANDREA, T. P. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2013. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-18062013-095304/en.php. Acesso em: 2. Fev. 2022.

DE TOMMASI, L. Culturas de periferia: entre o mercado, os dispositivos de gestão e o agir político. Política e Sociedade, v. 12, p. 11-34. Florianópolis, 2013.

FANON, F. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

FELTRAN, G. S. Introdução. In: Fronteiras de Tensão: Política e Violência nas Periferias de São Paulo. São Paulo, CEM/CEBRAP/ Editora Unesp, 2011.

FELTRAN, G. S. Valor dos pobres: a aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo. Cad. CRH, v. 27, n. 72, p. 495-512, Salvador: dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792014000300004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 4 fev. 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792014000300004. 21.

FERRÉZ (org.). Literatura marginal: talentos da escrita periférica. Rio de Janeiro, Editora Agir, 2005.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos. v. V: Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro, Editora Forense Universitária, 2012.

FREITAS, D. S. Slam resistência: poesia, cidadania e insurgência. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 59, p. 1-15, 2020. DOI: 10.1590/2316-40185915. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/29317. Acesso em: 18 mai. 2022.

JESUS, C. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2021.

LEITE, A. E. Marcos fundamentais da literatura periférica em São Paulo. Revista Estudos Culturais, v. 1, n. 1, p. 1-20, 2014. DOI: 10.11606/issn.2446-7693i1p1-20. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistaec/article/view/98368. Acesso em: 25 fev. 2022.

MBEMBE, A. Sair da grande noite: ensaio sobre a África descolonizada. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2019.

MEMMI, A. Retrato do colonizado precedido de retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

NASCIMENTO, E. P. Vozes marginais na literatura. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

NASCIMENTO, E. P. É tudo nosso! Produção cultural na periferia paulistana. 2011. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2012. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8134/tde-12112012-092647/publico/2011_EricaPecanhaDoNascimento_VCorr.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022.

NAVES, R. Novas possibilidades para o exercício da cidadania. In: PINSKY, J.; PINSKY, C. (orgs.). História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2003, p.568.

NEVES, C. A. B. Slams: letramentos literários de reexistência ao/no mundo contemporâneo. Linha D’Água, v. 30, n. 2, p. 92-112, 2017. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v30i2p92-112. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/134615. Acesso em: 18 mai. 2022.

REYES, A. Vozes dos porões: literatura periférica/marginal no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SANTOS, S. R. O Sistema é a bomba e o pavio: o projeto da literatura marginal/periférica revisto a partir dos coletivos Poesia na Brasa e Perifatividade em São Paulo. Campinas, SP: [s.n.], 2019. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/1161981. Acesso em: 10 fev. 2022.

SILVA, M. A. M. A descoberta do insólito: literatura negra e literatura periférica no Brasil (1960-2000). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TENNINA, L. Saraus das periferias de São Paulo: poesia entre tragos, silêncios e aplausos. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 42, p. 11-28, dez. 2013. ISSN 2316-4018. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9989. Acesso em: 17 jan. 2022.

TENNINA, L.; MEDEIROS, M.; PEÇANHA, E.; HAPKE, I. Polifonias marginais. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2016.

TENNINA, L. Cuidado com os poetas! Literatura e periferia na cidade de São Paulo. Porto Alegre, RS: Zouk, 2017.

VAZ, S. Cooperifa: antropofagia periférica. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

YÚDICE, G. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

ZAGAIA, Coletivo. Uma ação educativa? Ou o modo ONG de encarar a vida. Revista Zagaia, São Paulo: 2013. Disponível em: https://zagaiaemrevista.com.br/article/uma-acao-educativa-ou-o-modo-ong-de-encarar-a-vida/. Acesso em:18 mai. 2022.

Topo da página

Notas

1 Cooperifa, por exemplo, lança sua primeira antologia intitulada de «No Rastilho da Pólvora» em 2005, já em parceria com o Itaú Cultural. Dessa parceria ainda são frutos um CD de poesias lançado em 2006 e a organização da «Semana de Arte moderna da periferia» em 2007, dentre outras coisas. Para maiores informações ver Leite (2014) e Nascimento (2011).

2 «Sujeito periférico» é um termo cunhado pelo sociólogo Tiaraju Pablo D’andrea, onde o autor se refere ao «o morador da periferia com uma ação prática baseada em uma subjetividade. Os elementos principais que conformam essa subjetividade são: o reconhecimento de ser morador da periferia; o orgulho de ser portador dessa condição; o pertencimento a uma coletividade que compartilha códigos, normas e formas de ver o mundo; o senso crítico com relação à forma como a sociedade está estruturada; a ação coletiva para a superação das atuais condições» (D’ANDREA, 2013, p. 275-276).

3 Desde 2016, venho pesquisando a produção cultural das periferias. Depois de anos de iniciação científica em interlocução com os coletivos culturais Poesia na Brasa e Perifatividade, a monografia deu origem à pesquisa de mestrado, iniciada em 2020. No mestrado, além dos dois coletivos citados, tenho por interlocutores também os coletivos Imargem e Casa Ecoativa.

4 Surgido em julho de 2008, o Coletivo Cultural Poesia na Brasa atua na Vila Brasilândia, Zona Norte de São Paulo. Tendo como principal atividade a organização do «Sarau da Brasa» e a publicação de livros de literatura (poesia e romance, principalmente). Para maiores informações, ver Santos (2019).

5 Faço aqui referência a uma antiga propaganda de cigarros da marca Free, onde se mostravam diferentes pessoas de classe média/alta, com diferentes estilos de moda, «mas com alguma coisa em comum». Uma das imagens em questão pode ser vista neste endereço: https://edasuaepoca.blogspot.com/2013/01/1980-propaganda-de-cigarro-free.html. Acesso em: 18 mai. 2022.

6 O Coletivo Perifatividade surgiu em 2010, no «Fundão do Ipiranga», Zona Sul de São Paulo. Além de um sarau, o coletivo organiza atividades nas favelas dos bairros do fundão, em escolas, e qualquer outro lugar onde possam interagir com a música, a reflexão e o incentivo à leitura e criação literária. Para mais informações ver Santos (2019).

7 Ver nota 4.

8 De acordo com o site do Instituto Pólis, «Há quase 20 anos, o que era um espaço ocioso virou um exemplo de gestão participativa. Assim nasceu a Casa Ecoativa às margens da Represa Billings, na Ilha do Bororé, no Grajaú: a partir de um processo de mobilização comunitária que transformou um centro eco cultural que estava inativo, sem cumprir sua função social, devido a questões políticas». Mais informações em: https://polis.org.br/noticias/juventudes-nas-cidades-casa-ecoativa/. Acesso em: 18 mai. 2022.

9 De acordo com informações na página do grupo, o «Imargem é (..) uma iniciativa multidisciplinar, criada em 2006 na beirada sul de São Paulo às margens da represa Billings, no distrito do Grajaú, que propõe um olhar cuidadoso para a paisagem povoada da periferia, fomentando o pensar e agir diante das potencialidades e problemáticas da nossa sociedade, da margem à centralidade da cidade, ampliando os olhares e aguçar as sensibilidades de todos (educadores e participantes) para o espaço urbano. Espaço entendido como a paisagem povoada». Mais informações em: http://imargem.art.br/#s-o-imargem. Acesso em: 18 mai. 2022.

10 Tal apoio se refere ao manifesto em favor da presidenta Dilma Rousseff, assinado por diversos coletivos culturais das periferias de São Paulo, intitulado «Periferias contra o Golpe», como também a carta de apoio à reeleição de Fernando Haddad para prefeitura de São Paulo. Mais informações em: https://periferiaemmovimento.com.br/pela-democracia-e-contra-o-golpe-periferias-lancam-manifesto-e-preparam-escudo-antifascista/. Acesso em: 18 mai. 2022.

11 «Dória transfere Virada Cultural para Interlagos e diz que SP é um ‘lixo vivo’». Portal G1 (05/12/2016): https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/doria-transfere-virada-cultural-para-interlagos-e-diz-que-sp-e-um-lixo-vivo.ghtml. Acesso em: 18 mai. 2022.

12 Haddad defende apoio a iniciativas culturais da periferia. Portal da Prefeitura de São Paulo (13/04/2015): https://www.capital.sp.gov.br/noticia/haddad-defende-apoio-a-iniciativas-culturais-da. Acesso em: 18 mai. 2022.

13 «‘Vou quebrar a sua cara’, diz secretário da cultura de Dória a ativista». Estadão (30/05/2017): https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/secretario-de-doria-ameaca-agente-cultural-em-reuniao-vou-quebrar-sua-cara.ghtml. Acesso em: 18 mai. 2022.

14 Christian Lohbauer é cientista político e professor da USP, ex-vice-candidato à presidência pelo Partido Novo (2018). Dentre outras coisas, Christian apoiou a política ambiental do governo Bolsonaro. Atualmente, o cientista político é presidente da CropLife Brasil, que representa as empresas de agrotóxicos e transgênicos no Brasil. Mais informações em: https://istoe.com.br/queremos-mostrar-para-greta-que-nao-somos-do-mal/ e em: https://croplifebrasil.org/sobrecroplife Acesso em: 18 mai. 2022.

15 Por que todos os vídeos em apoio ao Sturm são iguais? Agenda Preta (07/06/2017). Mais informações em: https://agendapreta.com/videos-apoio-andre-sturm/. Acesso em: 18 mai. 2022.

16 Entrevista concedida em 3 de junho de 2021.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Silvio Rogério Santos, «Pode a periferia falar? Uma releitura crítica da produção cultural das periferias »Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 15 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/5798

Topo da página

Autor

Silvio Rogério Santos

Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, São Paulo, Brasil
s120149@dac.unicamp.br

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search