Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35ArtigosUso da terra e mudanças morfológi...

Artigos

Uso da terra e mudanças morfológicas em ambiente de cuesta na alta Bacia do Rio Capivara – Botucatu (São Paulo, Brasil)

Land use and morphological changes in cuesta environment on the upper Capivara River basin – Botucatu (São Paulo, Brazil)
Uso del suelo y cambios morfológicos en un ambiente de cuesta en la alta cuenca del Río Capivara – Botucatu (São Paulo, Brasil)
Utilisation des terres et changements morphologiques dans l’environnement de cuesta dans le bassin supérieur du Fleuve Capivara – Botucatu (São Paulo, Brésil)
Higor Lourenzoni Bonzanini e Cenira Maria Lupinacci

Resumos

A partir do avanço das técnicas humanas, o homem tem atuado na transformação da superfície terrestre, acelerando frequentemente a dinâmica erosiva. Em terrenos declivosos e escarpados, como o relevo de cuestas do interior do estado de São Paulo, este problema pode se tornar ainda mais complexo. Assim, o objetivo deste artigo é analisar as mudanças no padrão de uso e ocupação da terra e alterações na morfologia do relevo que indicam aceleração no desenvolvimento de processos erosivos, no município de Botucatu (SP). Para isso foram elaboradas cartas geomorfológicas e de uso e ocupação da terra, que tornaram possível a definição e análise dos geoindicadores. Os geoindicadores monitorados mostram uma dinamização dos processos erosivos lineares a partir de alterações no uso e ocupação da terra, que acrescentaram sedimentos ao sistema fluvial. Os resultados obtidos podem auxiliar o planejamento ambiental na área estudada e em áreas com características semelhantes, identificando os padrões de interferência antrópica em cenários com a presença do relevo cuestiforme.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em: 14/06/2022
Artigo aprovado em: 12/10/2022
Artigo publicado em: 01/12/2022

Notas do autor

Os autores agradecem à FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo pelo financiamento do projeto (Processo 2020/01122-6), que tornou possível a realização desta pesquisa.

Texto integral

Introdução

1As atividades humanas se de­senvolvem e se realizam sobre a superfície da terra, que por sua vez está cada vez mais alterada devido ao avanço tecnológico (ROSS, 1995). Com isso, au­tores como Nir (1983), Goudie (1993) e Haff (2003) passaram a considerar o homem como um agente geomorfológico in­dependente, capaz de acelerar os processos geomorfológicos naturais, atuando intensamente na destruição da cobertura ve­getal, acelerando os processos de denudação, especialmente a erosão dos solos. Para Pelo­ggia (2005), as modificações no relevo causadas pelas ações humanas se caracterizam como um importante fator de alte­ração dos processos naturais, sendo um dos mais significati­vos e evidentes na superfície do planeta.

2Desta forma, a crescente in­tervenção antrópica no modela­do a partir de suas técnicas cada vez mais avançadas, resulta em uma ingerência no equilíbrio di­nâmico natural, fato evidencia­do a partir de estudos científi­cos que buscam colaborar com a crescente conscientização ambiental global da população (PINTON e CUNHA, 2015). A partir dessas premissas, se desenvolveu a Antropogeo­morfologia, com destaque para o trabalho de Nir (1983) como predecessor desta temática.

3No Brasil, destacam-se os trabalhos de Rodrigues (1997, 2005, 2010) e Peloggia (2005), que muito colaboraram com o avanço da Antropogeomorfolo­gia no país. Rodrigues (1997) destaca a importância de identi­ficar setores que possuem mor­fologia original e morfologia antropogênica, cabendo ainda uma possível identificação da combinação desses setores, re­sultante em unidades espaciais ordenadas a partir do nível de intervenção antrópica no meio natural. Peloggia (2005) de­monstra a importância da obten­ção de dados sobre a influência humana na paisagem, analisan­do as alterações nos processos geológicos superficiais, com destaque para a criação de de­pósitos sedimentares correla­cionados.

4Desta forma, como ferramen­ta de análise espacial e temporal das intervenções antrópicas em meio natural, apresentam-se os geoindicadores. Para Coltrinari e Maccall (1995) geoindicado­res são ferramentas que podem auxiliar no planejamento am­biental, pela capacidade de me­direm o nível de intervenção e de degradação do meio ambien­te. Os parâmetros medidos pelos geoindicadores são balizados na magnitude, frequência e taxas de alterações dos processos geomorfológicos, determinados de acordo com as necessidades e pelo intervalo de tempo em­pregado para cada pesquisa (BERGER, 1997; COLTRA­NI, 2001).

5Ainda, os trabalhos de Ber­ger (1997) e de Coltrinari e Mc­Call (1995) estabelecem o uso de geoindicadores para áreas antrópicas e em zona tropical úmida, com destaque para in­dicadores que demonstram o avanço dos processos erosivos e as alterações dos canais flu­viais. Gupta (2002) reforça a importância do monitoramen­to de alterações no uso e ocu­pação da terra e dos diferentes métodos de manejo, pois esses podem influenciar diretamente os processos geomorfológicos naturais.

6Neste contexto, em 1994 a Comissão de Ciências Ge­ológicas para o Planejamento Ambiental (COGEOENVIRO­MENT), estabeleceu 27 geoin­dicadores para a avaliação de alterações geomorfológicas e geológicas passíveis de identifi­cação em intervalos temporais, reforçando o papel significativo do uso de geoindicadores em estudos para a avaliação dos impactos ambientais negativos (COLTRINARI, 2001; SILVA e LUPINACCI, 2021).

7Para a aplicação de geoindi­cadores, a análise temporal se torna de fundamental relevân­cia para a identificação das alte­rações ambientais que ocorrem em superfície, indicando possí­veis causas e intervenções que contribuíram para sua ocorrên­cia (BERGER, 1997). Com o resultado obtido a partir do in­tervalo temporal estabelecido, torna-se possível obter dados científicos que auxiliem no pla­nejamento por parte do poder público e na tomada de decisões de proprietários de áreas afeta­das, permitindo a mitigação dos impactos, que segundo Gupta (2002), possuem um ritmo ain­da mais intensificado em regi­ões tropicais do planeta.

8Assim, a avaliação da relação antrópica com o relevo a partir do uso de geoindicadores pode ser realizada por meio da apli­cação da cartografia geomorfo­lógica retrospectiva. Ao mapear diferentes cenários, a cartogra­fia retrospectiva permite a iden­tificação de geoindicadores e de sua evolução, gerando os dados necessários para a compreensão da dimensão da interferência antrópica na modificação do re­levo (RODRIGUES, 2010).

9Diversos estudos têm utili­zado a cartografia geomorfo­lógica evolutiva como instru­mento técnico para o estudo dos geoindicadores. Pinton e Cunha (2015) e Silva e Lupinacci (2021), a partir da identificação de morfologias antropogênicas, alterações na morfologia do re­levo, estabeleceram geoindica­dores que possibilitaram a ava­liação das atividades antrópicas em meio rural. Pinton e Cunha (2015), ao realizarem pesquisa em área de relevo cuestiforme, identificaram uma relação elevada entre a ocorrência de feições erosivas lineares com as mudanças no padrão de uso e ocupação da terra, enfatizan­do a contribuição do uso de geoindicadores na obtenção de dados referentes à intervenção antrópica, subsidiando meios de mitigar ou de reverter interven­ções nocivas à natureza. Silva e Lupinacci (2021), ao pesqui­sarem também setor do relevo cuestiforme, constataram, a par­tir da análise de geoindicadores, um aumento na quantidade e extensão das feições erosivas lineares vinculadas às mudan­ças de uso e ocupação da terra, demostrando que a utilização de geoindicadores para monitorar as intervenções antrópicas no relevo pode ser eficaz (SILVA e LUPINACCI, 2021).

10Vanacker et al. (2019), ao re­alizarem estudo em área de rele­vo cuestiforme no sul do Brasil, identificaram uma correlação entre mudanças de uso e ocu­pação da terra com o aumento nas taxas de erosão, oriundas do manejo inadequado do solo e da falta de planejamento, em razão da transformação de áreas de Mata Atlântica em áreas de pastagem e de cultivo agrícola. Budui (2013) identificou pro­cessos geomorfológicos ativos em área de relevo cuestiforme na Romênia, com ocorrência de deslizamentos, erosões superfi­ciais do solo e desenvolvimen­to de erosões lineares em áreas próximas à cuesta, apresentan­do uso e ocupação da terra volta­da para a agricultura e pecuária.

11Ainda, alguns trabalhos des­tacam a fragilidade natural das áreas de relevo cuestiforme ao longo do globo. Schimidt e Beyer (2002) encontraram em área de relevo cuestiforme no centro da Alemanha, uma alta suscetibilidade natural a gran­des deslocamentos de massa, li­gadas a grandes eventos pluvio­métricos. Den Eeckhaut, Marre e Poesen (2010), ao estudarem uma área com relevo cuestifor­me na França, destacam algu­mas fragilidades naturais do re­levo de cuestas que favorecem a ocorrência de deslizamentos, sendo essas principalmente ligadas à declividade e à lito­logia. No Brasil, Kertzman et al. (1995), ao realizarem o ma­peamento da suscetibilidade a erosão no estado de São Paulo, identificaram a região de relevo cuestiforme como « áreas extremamente suscetíveis a ravinas e voçorocas » ou em « áreas muito suscetíveis a ravinas e voçoro­cas », denotando a fragilidade na­tural do relevo nessas localidades.

12Desta maneira, este artigo teve o objetivo de analisar as mudanças no padrão de uso e ocupação da terra, assim como as alterações na morfologia do relevo que indicam aceleração no desenvolvimento de proces­sos erosivos, no município de Botucatu (SP), a partir do uso de geoindicadores. A alta bacia do Rio Capivara, localizada no município de Botucatu (SP), foi selecionada como área de estu­do tanto pela presença do front cuestiforme, como por se carac­terizar, segundo Traficante et al. (2017), como uma área com alta probabilidade de ocorrência de processos erosivos. A área de estudo se destaca também por diversificados padrões de uso e ocupação da terra, como pasta­gens, cana-de-açúcar e silvicul­tura, em uma área de transição entre as Cuestas Basálticas e a Depressão Periférica Paulista, ambiente bastante extenso no interior do estado. Assim, o es­tudo de detalhe desse setor pode auxiliar na compreensão desse extenso ambiente, contribuindo para a avaliação da suscetibilida­de erosiva representada pelos al­tos declives do front cuestiforme.

Caracterização da área de estudo

13A área de estudo possui 6,4 km² de extensão e está locali­zada no município de Botucatu (SP), contemplando dois afluen­tes do alto curso do Rio Capiva­ra (Figura 1). Os limites da área foram estabelecidos a partir dos divisores de água que delimi­tam as bacias desses afluentes. A amplitude altimétrica da área é de 315 metros, sendo o ponto mais baixo situado na calha do Rio Capivara, com 500 metros de altitude, e o ponto mais alto localizado no reverso cuestifor­me, com 815 metros de altitude (Figura 1).

14Na alta bacia do Rio Capi­vara, as Cuestas Basálticas e a Depressão Periférica Paulista, compartimentos de relevo dis­tintos, são sustentados por va­riadas formações geológicas, inseridas no contexto da Bacia Sedimentar do Paraná (AL­MEIDA, 1964). Segundo o IG (1984), na área de estudos são encontradas as formações Ser­ra Geral, Botucatu e Piramboia (Figura 1C).

Figura 1 - Localização da área de estudo. (A) Localização do município de Botucatu no estado de São Paulo; (B) Área de estudo; (C) Formações geológicas da área de estudo; (D) Classes de solo da área de estudo

Figura 1 - Localização da área de estudo. (A) Localização do município de Botucatu no estado de São Paulo; (B) Área de estudo; (C) Formações geológicas da área de estudo; (D) Classes de solo da área de estudo

Organização: os autores, 2022

15A Formação Serra Geral, ocupando uma área de 0,24 km², posiciona-se em setores mais elevados da bacia susten­tando o front cuestiforme. Pos­sui um alto grau de resistência e sua origem decorre dos derra­mes basálticos ocasionados pela reativação tectônica no período Cretáceo, sendo a formação geológica de origem mais recente na bacia (ALMEIDA, 1964; INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO DO ESTADO DE SÃO PAULO, 1984).

16Situada abaixo da Formação Serra Geral, encontrada em boa parte do front cuestiforme, ocupando uma área de 0,94 km², a Formação Botucatu é constituída por arenitos bem selecionados, de origem eólica, típica de um paleoambiente de deposição desértico, ocorrido nesta região do globo durante os períodos Jurássico e Cretáceo (ALMEIDA, 1964; IGC, 1984; CASSETI, 2001).

17Nas áreas mais baixas, nos setores da Depressão Periférica, ocupando uma área de 5,2 km², encontram-se os arenitos da Formação Piramboia, de origem fluvial e eólica, típicos de um paleoambiente deposi­cional de transição climática, com fácies de dunas, interdu­nas e de lençóis de areia corta­dos por canais fluviais sazonais (SOARES, 1975; CAETANO-CHANG e WU, 2003).

18Os solos encontrados na alta bacia do Rio Capivara possuem grande relação com as forma­ções geológicas presentes na área. O mapeamento realiza­do por Traficante et al. (2017) identifica quatro classes de solos: Neossolos Quartizarê­nicos Órticos (RQo), Neosso­los Litólicos Eutróficos (Rle), Latossolos Vermelho-amarelo Distróficos (LVAd) e Gleissolos Háplicos Tb Distrófico (GXbd) (Figura 1D).

19Predominantemente encon­trados sobre a Formação Pi­ramboia, ocupando uma área de 5,1 km², ocorrem os Neossolos Quartizarênicos Órticos, que ocupam a maior parte da ba­cia, principalmente na área da Depressão Periférica (TRAFI­CANTE et al., 2017). A classe Neossolos Litólicos Eutróficos, ocupando 1 km² da bacia, está associada às áreas de elevada declividade, principalmente no front cuestiforme, onde se en­contra a Formação Botucatu (TRAFICANTE et al., 2017). Segundo a EMBRAPA (2018), essa classe pedológica é pouco desenvolvida, com baixa pro­fundidade e com alto potencial de rompimento de equilíbrio dinâmico.

20Os Latossolos Vermelho-amarelo Distróficos ocorrem em 0,22 km² da área, sobre a Formação Serra Geral, nos se­tores planos do reverso cuesti­forme. Esses solos são típicos de relevos planos, bem drena­dos e possuindo grande profun­didade, conferindo-lhes ampla utilização para a agropecuária (TRAFICANTE et al., 2017; EMBRAPA, 2018). Ainda, típi­cos de áreas com saturação de água e apresentando área total de 0,06 km², registraram-se os Gleissolos Háplicos Tb Distró­fico, correlacionados à planície aluvial do curso principal do Rio Capivara (TRAFICANTE et al., 2017; EMBRAPA, 2018).

21A área de estudo se situa, segundo a classificação de Köppen, em clima temperado quente (mesotérmico) úmido (Cfa), apresentando temperatu­ra média de 19° C e pluviosida­de média anual de 1.324 mm, com a concentração das chuvas ocorrendo nos meses do verão (CUNHA; MARTINS, 2009).

22Ainda, ao analisar o conjun­to de terrenos drenados pelo Rio Capivara, Traficante et al. (2017) identificaram que atual­mente boa parte da bacia vem sendo explorada para o uso de pastagens, silvicultura, cana-de­-açúcar e citricultura, com pou­cos remanescentes de vegetação nativa, estando esses em frag­mentos restritos a áreas de de­clividade elevada. Desta forma, com o uso e ocupação da terra sem planejamento adequado, a região da bacia hidrográfica do Rio Capivara vem passando por um processo de degradação am­biental acelerada, com inúme­ras áreas da bacia apresentando fragilidade ambiental elevada (TRAFICANTE et al., 2017).

Materiais e métodos

23A área de estudo foi analisa­da a partir dos princípios da Te­oria Geral dos Sistemas, como um sistema aberto que recebe (input) e perde (output) matéria e energia (CHRISTOFOLETTI, 1979). Com isso, aplicou-se a abordagem da antropogeomor­fologia, que busca avaliar a in­terferência antrópica na distri­buição de matéria e de energia nos sistemas geomorfológicos (CHRISTOFOLETTI, 1979; NIR, 1983; BERGER, 1997; COLTRINARI, 2001; RODRI­GUES, 2005, 2010).

24Para o levantamento de da­dos, foram utilizadas as cartas topográficas elaboradas pelo Instituto Geográfico e Carto­gráfico (IGC), no ano de 1979, na escala 1:10.000, disponíveis no site do DataGeo – Sistema Ambiental Paulista, que pro­porcionou a obtenção dos dados de curvas de nível e da hidro­grafia da área de estudo. Ainda, foram utilizadas fotografias aé­reas do ano de 1972, em escala 1:35.000, desenvolvidas pela empresa Base S.A.; ortofotos digitais do ano de 2010, em es­cala 1:25.000, que apresentam resolução espacial de 1 metro (pixel de 1 metro), elaboradas pela Empresa Paulista de Pla­nejamento Metropolitano (EM­PLASA); e imagens orbitais disponibilizadas pelo Google Earth para o ano de 2020. As fotografias aéreas de 1972 e as imagens orbitais de 2020 foram processadas a fim de obter aná­glifos, os quais foram elabora­dos através do software Stereo Photo Maker (SOUZA; OLI­VEIRA, 2012; MIYAZAKI; OLIVEIRA, 2020). Todos os mapeamentos foram elaborados em escala 1:10.000, utilizando o software ArcGis, em sua ver­são 10.5. As fotografias aéreas e as imagens orbitais, trabalhadas digitalmente, permitiram zoom suficiente para o mapeamento nessa escala.

25Para a elaboração das cartas geomorfológicas dos anos de 1972, 2010 e 2020, foi utilizada como base a proposta de Tricart (1965) e de Verstappen e Zui­dam (1975). Tricart (1965) des­taca que, com a elaboração de uma carta geomorfológica, tor­na-se possível a observação da relação entre a morfoestrutura e os agentes esculturadores do re­levo. Para Verstappen (1975), a carta geomorfológica é um im­portante instrumento para o pla­nejamento ambiental. Assim, a elaboração das cartas geomor­fológicas passou por inúmeras etapas e o material apresenta os seguintes dados: morfometria, representada pelas curvas de ní­vel e hidrografia; morfografia, mapeada pelos símbolos que evidenciam as formas de relevo (rupturas topográficas, formas de vertentes e de vales, feições erosivas e demais feições rela­cionadas) e; morfogênese, por meio do agrupamento dos sím­bolos que evidenciam os pro­cessos originários das formas (feições de origem denudativa, feições resultantes da ação das águas correntes e modelado antrópico).

26Quanto à elaboração dos símbolos, esses foram constru­ídos com base nas propostas originais de Tricart (1965) e de Verstappen e Zuidam (1975), também em adaptações para o meio digital propostas por Si­mon (2007), Stefanuto e Lupi­nacci (2017) e Zannata, Lupi­nacci e Boin (2019).

27Os mapeamentos de uso e ocupação da terra foram elabo­rados empregando as diretrizes propostas pelo IBGE (2013) e os critérios de fotointerpretação desenvolvidos por Ceron e Di­niz (1966). Seguindo a proposta do IBGE (2013), foram defini­das as classes de uso e ocupação a serem mapeadas, de Ceron e Diniz (1966) foram utilizadas as chaves de identificação das diferentes culturas e de tipos de uso da terra, adaptando-as às características da área de estu­do. Desta forma, de acordo com as características da cobertura vegetal observada, foram esta­belecidas as seguintes classes: cultura permanente; cultura temporária; cana-de-açúcar; construções rurais; pasto lim­po; pasto sujo; silvicultura; solo exposto; vegetação arbustiva; vegetação de porte florestal e vegetação rasteira.

28A partir dos mapeamentos foi possível a identificação das características e dinâmicas do uso e ocupação da terra, orques­tradas pelas ações antrópicas, que alteram a dinâmica da pai­sagem, provocando alterações morfológicas do relevo. Com essas informações, foi possível a definição de geoindicado­res, baseada nas feições geo­morfológicas que evidenciam a dinamização dos processos morfodinâmicos na bacia durante o tempo histórico. Para a definição dos geoindicadores considerou-se também os traba­lhos de Pinton e Cunha (2015) e Silva e Lupinacci (2021), que também avaliaram cenários de relevo cuestiforme.

29Assim, a cartografia geo­morfológica retrospectiva pos­sibilitou a quantificação em extensão, área e quantidade dos geoindicadores aferidos, definidos nessa pesquisa como as feições erosivas lineares (sulcos erosivos, ravinas e voçorocas), feições hidrográficas (fundo de vale plano e fundo de vale encaixado), área de Acumulação de Planície e de Terraço Fluvial – APTF, leques aluviais, bacias de contenção e barragens de drenagem.

30Os dados obtidos através dos mapeamentos geomorfológicos e de uso e ocupação da terra fo­ram conferidos em trabalhos de campo realizados ao longo do desenvolvimento da pesquisa. Com a realização dos trabalhos de campo, foi possível a ave­riguação dos geoindicadores e dos diferentes usos da terra, no cenário de 2020. Ao todo, foram realizados três trabalhos de campo em um intervalo de um ano, sendo o último em 14/05/2021.

Resultados e discussão

31Os dados obtidos com o ma­peamento de uso e ocupação da terra, abarcando os cenários de 1972, 2010 e 2020, permitiram constatar que a área de estudo apresenta significativa variação de áreas ocupadas pelos dife­rentes padrões de uso e ocupa­ção (Figuras 2 e 3).

32Analisando as variações no uso e ocupação da terra, algu­mas classes se destacam como a silvicultura, pasto limpo e cana-de-açúcar. A silvicultura, outrora ausente no cenário de 1972, se dispõe como a classe dominante, ocupando mais de 41% da área total da bacia no cenário de 2020. O pasto limpo e o cultivo de cana-de-açúcar que, no cenário de 1972 eram dominantes, perderam espaço desde o cenário de 2010, sendo os padrões de uso que propor­cionalmente mais diminuíram ao longo do recorte temporal monitorado. Essa tendência de­monstra a mudança de vocação econômica da bacia, voltada para a agropecuária em 1972, para o cenário mais atual, de 2020, com grandes áreas de sil­vicultura.

Figura 2 – (A) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 1972; (B) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 2010; (C) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 2020

Figura 2 – (A) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 1972; (B) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 2010; (C) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 2020

Elaboração: os autores, 2022

Figura 3 - Área (em %) ocupada pelas classes de uso e ocupação da terra nos anos de 1972, 2010 e 2020

Figura 3 - Área (em %) ocupada pelas classes de uso e ocupação da terra nos anos de 1972, 2010 e 2020

Elaboração: os autores, 2022

33Ainda ocorre um aumento da área ocupada pela classe de ve­getação de porte florestal, que em 1972 ocupava 7,08% e pas­sa a ocupar 13,19% da área em 2020. Em sua grande maioria, a vegetação de porte florestal se concentra nas áreas de maiores declividades, relacionadas ao front do relevo cuestiforme. A recuperação em 5% de área ocupada por vegetação florestal ocorre principalmente na região do front cuestiforme, que ao longo dos cenários monitorados perde áreas de pastagens, ganhando áreas de vegetação florestal e de vegetação arbustiva, demonstrando o abandono para o uso econômico desses setores da área de estudo. Observa-se ainda o aumento de vegetação de porte florestal, arbustiva e rasteira ao longo dos cursos flu­viais, que no cenário de 1972 era majoritariamente ocupada pelo uso de pasto sujo.

34Conforme afirmam Pinton e Cunha (2015), as áreas de cana-de-açúcar, silvicultura e de pas­to envolvem a adoção de téc­nicas voltadas à manutenção e garantia do cultivo empregado, que ao longo do tempo condu­zem a alterações significativas na morfologia do relevo por influência antrópica. A maioria das modificações envolvem al­terações nas dinâmicas denuda­tivas, criando feições erosivas lineares como os sulcos, ravinas e voçorocas. Em alguns casos, a fim de conter tal dinâmica re­gistra-se interferência antrópica direta, como a construção de bacias de contenção ou de bar­ragens em cursos fluviais para mitigar os processos erosivos. Ainda, podem ocorrer altera­ções das feições deposicionais, como o aumento das áreas de Acumulação de Planície e de Terraço Fluvial (APTF) e o sur­gimento dos leques aluviais.

35Desta forma, os geoindica­dores estabelecidos para a alta bacia do Rio Capivara buscam fornecer as informações neces­sárias para a quantificação das interferências antrópicas im­postas na área de estudo ao lon­go do recorte temporal estabe­lecido, sendo esses vinculados aos processos erosivos (sulcos, ravinas e taludes de voçoroca), aos processos deposicionais (leque aluvial e APTF), às me­didas de contenção (bacias de contenção e barramentos) e às formas de fundo de vale (vale plano e encaixado).

36Assim, a figura 4 demonstra a variação dos geoindicadores. A diminuição do número de feições do tipo sulco erosivo entre os ce­nários de 1972 e 2010 pode ser atribuída às alterações no padrão de uso e ocupação da terra ocor­ridas na bacia nesse período. Para o cenário de 1972, a maioria dos sulcos erosivos eram observados em área de pastagem, que nesse cenário ocupava cerca de 56,8% da bacia, quando somadas às classes pasto limpo e pasto sujo. A diminuição de sulcos erosi­vos ocorre substancialmente em áreas ocupadas por pastagem no cenário de 1972 que se transfor­maram em silvicultura em 2010. Os eucaliptos, apresentando porte arbóreo, conferem maior prote­ção ao solo, uma vez que captam parte da água pluvial, diminuindo o efeito do splash na superfície (Guerra, 1994).

Figura 4 – (A) Feições erosivas e medidas de contenção ao longo do período analisado; (B) Variações na área ocupada pelas planícies e terraços fluviais (APTF) e na extensão das formas de fundo de vale

Figura 4 – (A) Feições erosivas e medidas de contenção ao longo do período analisado; (B) Variações na área ocupada pelas planícies e terraços fluviais (APTF) e na extensão das formas de fundo de vale

Elaboração: os autores, 2022

37Ainda, a variação espacial dos geoindicadores pode ser observada pela Figura 5, onde são apresentadas as cartas geomorfológicas.

Figura 5 - (A) Carta geomorfológica do cenário de 1972; (B) Carta geomorfológica do cenário de 2010; (C) Carta geomorfológica do cenário de 2020

Figura 5 - (A) Carta geomorfológica do cenário de 1972; (B) Carta geomorfológica do cenário de 2010; (C) Carta geomorfológica do cenário de 2020

Elaboração: os autores, 2022

38A respeito do pastoreio, Descroix et al. (2008) apontam que, quando há excesso de gado por área de pasto, há uma compactação excessiva das camadas superficiais do solo, dificultando a infiltração de água, principalmente proveniente da chuva. Esses processos, unidos há falta de cobertura arbórea, geram o aumento de fluxo concentrado, contribuindo severamente para a ocorrência dos processos erosivos. Para os três cenários mapeados, observa-se a correlação de sulcos erosivos com áreas de pastagem, conforme pode ser observado pela figura 6.

Figura 6 - Número de sulcos erosivos (A), ravinas (B) e extensão dos taludes de voçorocas (C) por classe de uso e ocupação da terra, nos diversos cenários

Figura 6 - Número de sulcos erosivos (A), ravinas (B) e extensão dos taludes de voçorocas (C) por classe de uso e ocupação da terra, nos diversos cenários

Elaboração: os autores, 2022

39As feições erosivas do tipo sulco erosivo e ravinas se concentram, nos três cenários monitorados, nas áreas de pasto limpo e de cultura temporária (Figura 6). No cenário de 2020 constatou-se um aumento significativo dessas feições nas áreas de vegetação rasteira e de silvicultura.

40Desta maneira, na porção central da área, cuja influência das alterações de uso e ocupa­ção foi mais significativa entre os anos de 1972 e 2010, obser­va-se o surgimento de ravinas e de voçorocas oriundas da evo­lução dos sulcos para sistemas erosivos maiores, criando tais feições, principalmente em se­tores de pastagem (Figura 6). Constatou-se ainda a influência da expansão da silvicultura na redistribuição dos sulcos erosi­vos (Figura 7).

Figura 7 - Variação das feições erosivas vinculadas ao uso e ocupação da terra nos cenários de 1972 e 2010

Figura 7 - Variação das feições erosivas vinculadas ao uso e ocupação da terra nos cenários de 1972 e 2010

Elaboração: os autores, 2022

41Na porção central da área, da Depressão Periférica Pau­lista, são encontradas verten­tes extensas e com declividade moderada, característica mor­fométrica que é apontada por Mathias (2016) como condicio­nante para a evolução erosiva, evidenciando uma fragilidade natural dessas localidades. Nes­sas extensas vertentes, sob o do­mínio da Formação Piramboia e dos Neossolos Quartizarênicos Órticos, o comprimento dessas, aliado ao extensivo uso da terra por silvicultura, cana-de-açú­car e pastagem ‒ observado nos três cenários monitorados ‒, contribui para o aparecimento de feições erosivas em setores de média e baixa vertente, com grande número de sulcos, ravi­nas e de voçorocas, oriundos da concentração e velocidade do fluxo pluvial.

42Em 2020, constatou-se um aumento no número de sulcos erosivos em relação ao cenário anterior, saltando de 185 feições em 2010 para 232 em 2020. Embora ocorra um aumento significativo na área ocupada pela silvicultura, observa-se a ampliação de sulcos nas áreas de pastagem no entorno dos eucaliptos (Figura 6 e 7), fato que pode ser explicado pelo plantio alinhado dos eucaliptos em áreas de vertentes extensas e íngremes, concentrando os fluxos em superfície e gerando os processos erosivos.

43Há ainda a intensificação no número de ravinas no cenário de 2020, aumentando de 37 feições em 2010 para 42 em 2020, com sete dessas inseridas em áreas de silvicultura (Figura 6). O fenômeno foi constatado pela interpretação das imagens orbitais e em trabalhos de campo, como pode ser observado pela Figura 8.

Figura 8 - Ravinas encontradas em área de silvicultura no cenário de 2020

Figura 8 - Ravinas encontradas em área de silvicultura no cenário de 2020

Elaboração: os autores, 2022

44As áreas próximas aos rios passaram por diferentes usos da terra ao longo dos cenários mapeados (Figura 2). Dessa maneira, pelos taludes de voçoroca se concentrarem próximos aos rios, os usos da terra que mais apresentam taludes de voçoroca variam ao longo dos anos observados (Figura 6). Em 1972, os taludes de concentravam nas áreas próximas a culturas temporárias de cana-de-açúcar e em áreas de pastagens. Para 2010, observa-se que os taludes se concentram em áreas de pastagens e de vegetação rasteira (Figura 6). No entanto, no cenário de 2020, boa parte dos taludes de voçoroca se encontra em áreas de vegetação rasteira. Pode-se observar desta forma que as áreas próximas aos canais fluviais passaram por diferentes padrões de uso ao longo dos cenários, evidenciando para o ano de 2020 um abandono para o uso econômico por parte dos proprietários, cuja respos­ta do meio natural se deu pelo aumento das áreas de vegetação rasteira nestas localidades.

45A extensão dos taludes de voçoroca também sofreu uma grande variação nos diferentes cenários mapeados. No interva­lo de 1972 para 2010, houve um acréscimo de 3.550 m de exten­são dos taludes, evidenciando a dinamização do processo erosi­vo ocorrido na bacia. No perío­do seguinte, de 2010 a 2020, re­gistra-se uma diminuição a qual pode ser explicada pelas medi­das de contenção executadas pelos proprietários nos sistemas de voçorocamento e pela to­mada da vegetação rasteira nas proximidades dos taludes. Entre medidas de contenção, desta­cam-se os barramentos, que no cenário de 2010, somam 14, e no cenário de 2020, totalizam 12 feições. Ainda como medi­da conservacionista, as bacias de contenção são alocadas nas vertentes e principalmente em áreas com processos erosivos atuantes, como ravinamentos, visando à contenção da evolu­ção dessas feições para voçoro­cas. Para a área de estudo, hou­ve um aumento da construção de bacias de contenção ao longo dos cenários monitorados, au­sentes em 1972, totalizando 39 em 2010 e 57 em 2020.

46Em suma, a ocorrência de determinados voçorocamentos podem estar ligados a fatores relacionados às características do relevo e potencializados pela interferência antrópica direta. Pela Figura 9, observa-se a con­centração de fluxos oriundos de canalizações de águas pluviais, provenientes da ferrovia. Ain­da, a presença do relevo cues­tiforme pode potencializar esse processo, uma vez que a ferro­via está localizada entre o front e o talus do relevo de cuestas, com grande desnível altimétrico e com a presença de concavida­de nas vertentes, auxiliando na concentração de fluxos de gran­de energia para as áreas de ver­tedouros da ferrovia.

Figura 9 - Encanamento de águas pluviais da ferrovia em direção à área de voçorocamento

Figura 9 - Encanamento de águas pluviais da ferrovia em direção à área de voçorocamento

Elaboração: os autores, 2022

47Considerando ainda o rele­vo cuestiforme, apesar da alta declividade, o front da cuesta na área de estudos é recober­to em boa parte por vegetação de porte florestal, que aparenta mitigar os processos erosivos na área. Contudo, nos setores de menor altitude, no sopé do front, são encontrados proces­sos erosivos em área recoberta por pasto limpo e pasto sujo, nos três cenários monitorados. Esse padrão de uso da terra po­tencializa a fragilidade natural existente nessas localidades de­vido aos contatos litológicos, criando condições para que os processos erosivos lineares se instalem.

48Quanto aos cursos fluviais (Figura 4B), observa-se uma variação significativa entre os cenários de 1972, 2010 e 2020 na extensão dos fundos de vale plano e de fundo de vale encai­xado. Os fundos de vale plano diminuíram 799 metros entre os cenários de 1972 e de 2010, au­mentando em 641 metros no úl­timo cenário monitorado, tota­lizando para o cenário de 2020, 7.996 metros de extensão. Já os vales com fundo encaixado se mantiveram com praticamente o mesmo número em extensão para todos três cenários moni­torados, embora tenham ocor­rido variações em ambos os tipos de fundo de vale ao longo de toda a bacia. Alguns fato­res podem ter contribuído para as variações no comprimento dos cursos fluviais e dos tipos de fundos de vale, como por exemplo, o surgimento e de­saparecimento de sistemas de voçorocamento, assoreamento de cursos fluviais e de áreas de nascentes, construção de barra­mentos em voçorocas e a cria­ção de lagos artificiais por parte dos proprietários.

49Assim, como ação antrópica direta, há o exemplo da construção de barramentos nos cursos fluviais que drenam voçorocas, visando o controle erosivo dessas localidades. Considera-se que esse é um fator determinante para as variações na extensão e na própria distribuição dos taludes de voçoroca ao longo dos cenários monitorados (Figura 10).

Figura 10 - Variação dos cursos fluviais e dos taludes de voçoroca na área central da bacia

Figura 10 - Variação dos cursos fluviais e dos taludes de voçoroca na área central da bacia

Elaboração: os autores, 2022

50É observado ainda o aumento das áreas de Acumulação de Planície e de Terraço Fluvial (APTF) ao longo dos três cenários monitorados. A área total das APTF em m² para o cenário de 2020 é de 166.700 m², 17.700 m² a mais que o cenário 2010 e 60.000 m² a mais que no cenário de 1972, evidenciando o aumento da carga depositada pelos rios.

51Corroborando ainda com a hipótese a respeito do aumento dos processos deposicionais ao longo dos cursos fluviais, além do aumento das áreas de APTF, foi mapeado um leque aluvial nos cenários de 2010 e de 2020, inexistente para o cenário de 1972. Conforme Pinton e Cunha (2015), a geração de um leque aluvial demonstra a perda do potencial de transpor­te do rio, gerada pelo aumen­to da liberação de sedimentos em direção ao sistema fluvial. Ainda, para o mesmo rio que apresenta o leque, foi identifi­cada uma mudança de trajetória e um abandono de seu antigo curso em virtude da quantidade de sedimentos depositados na região do leque, como mostra a Figura 11.

Figura 11 - Aumento das áreas de deposição de materiais e curso abandonado de antigo canal em área de foz no Rio Capivara

Figura 11 - Aumento das áreas de deposição de materiais e curso abandonado de antigo canal em área de foz no Rio Capivara

Elaboração: os autores, 2022.

52O aumento das áreas de sil­vicultura, aliado ao acréscimo e surgimento de bacias de con­tenção (Figura 4A), indica uma tentativa de contenção da de­gradação da área, demonstrada pelo aumento geral das feições erosivas e de feições deposicio­nais (Figura 4B), acarretando uma alternância forçada da vo­cação econômica da bacia por parte dos proprietários.

53Desta maneira, os geoindicadores analisados no recorte temporal estudado sofreram significativas oscilações, tornando possível a identificação e a caracterização das intervenções antrópicas, junto à avaliação das mudanças de uso e ocupação da terra. Ainda, foram observadas fragilidades naturais provenientes das características morfométricas e geológicas, que potencializam as dinâmicas geomorfológicas e erosivas da área de estudo.

Considerações finais

54Os aspectos naturais, como os parâmetros morfométricos, geológicos e a presença do re­levo cuestiforme, atuam como fatores importantes para a ocor­rência de processos erosivos, pois, além de criarem fragilida­des naturais no terreno, deter­minam limitações ao uso e ocu­pação da terra, que em inúmeros casos não são devidamente res­peitadas na área de estudo, cor­roborando para a dinamização dos processos erosivos.

55Os sulcos erosivos respon­deram de forma significativa à mudança no padrão de uso e ocupação da terra, partindo de uma vocação agropecuária em 1972, para o plantio de silvicul­tura, observado em 2010 e cres­cente para o cenário de 2020. Com a chegada da silvicultura, no cenário de 2010, constatou­-se uma diminuição dos sulcos erosivos nas áreas de antigas pastagens, assim como um au­mento dos processos erosivos em áreas que continuaram sob o uso de pastagem nos cenários de 2010 e 2020. No entanto, a silvicultura não se mostrou to­talmente eficaz em conter os processos erosivos, desenvol­vendo-se sulcos em áreas vizi­nhas aos eucaliptos e processos de ravinamento sob esses. O aumento das áreas de APTF e o surgimento do leque aluvial indicam a continuidade e o au­mento de sedimentos carreados até o sistema fluvial.

56A quantificação da exten­são dos taludes de voçoroca ao longo dos cenários possibili­tou, dentre outras constatações, identificar a interferência direta da ferrovia para a ocorrência de voçorocas na bacia. A cana­lização das águas pluviais da ferrovia para uma área de voçorocamento demonstra a inter­ferência antrópica direta nessa localidade.

57Ainda, o aumento das morfo­logias antropogênicas por meio da construção de medidas de contenção erosiva fica evidente pelo mapeamento crescente do número de bacias de conten­ção e barramentos ao longo dos anos, que visam o controle da erosão, principalmente nas áre­as de ravinamentos e de voço­rocamentos, respectivamente. A grande extensão de rios com fundos de vale plano indica ex­cesso de sedimentos no sistema fluvial, oriundos dos processos erosivos. Além disso, sedimentos provenientes dos processos erosi­vos geram depósitos em conca­vidades nas vertentes, ambientes típicos de nascentes, podendo ocorrer o assoreamento dessas.

58Por fim, conclui-se que o uso dos geoindicadores se mostra­ram eficientes para o estudo do grau de interferência antrópica nas dinâmicas erosivas e deposi­cionais na alta bacia do Rio Ca­pivara. Assim, a pesquisa pode colaborar com o planejamento ambiental na área estudada e em áreas com características se­melhantes, identificando os pa­drões de interferência antrópica em área rural e seus efeitos em cenários com a presença do re­levo cuestiforme.

Topo da página

Bibliografia

ALMEIDA, F. M. Fundamentos geológicos do relevo paulista. São Paulo: Editora USP; 1964.

BASE S. A. Fotografias aéreas de 1972. São Paulo: Base S.A., 1972. Escala: 1:35.000.

BERGER, A. Assessing rapid environmental change using geoindicators. Environmental Geology, v. 32, p. 36-44, 1997. DOI: https://doi.org/10.1007/s002540050191.

BUDUI, V. The influence of the geological structure on the geomorphometrical characteristics and soil erosion in the west side of the Central Moldavian Plateau. Sofia: Surveying Geology & Mining Ecology Management (SGEM), p. 717-721, 2013. DOI: https://doi.org/10.5593/SGEM2013/BC3/S13.032.

CAETANO-CHANG, M. R.; WU, F. T. Diagênese de arenitos da formação Piramboia no centro-leste paulista. Geociências, v. 22, p. 33-39, 2003.

CERON, A. O.; DINIZ, J. A. F. O uso das fotografias aéreas na identificação das formas de utilização agrícola da terra. Revista Brasileira de Geografia. v. 28, p. 161-173, 1966.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise de sistemas em Geografia. São Paulo: Hucitec, 1979.

COLTRINARI, L.; MCCALL, G. J. H. Geoindicadores: ciências da terra e mudanças ambientais. Revista do Departamento de Geografia, v. 9, p. 5-11, 1995. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1995.0009.0001.

COLTRINARI, L. Mudanças ambientais globais e geoindicadores. Pesquisas em Geociências, v. 28, p. 307-314, 2001. DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.20304.

CUNHA, A. R. da.; MARTINS, D. Classificação climática para os municípios de Botucatu e São Manuel, SP. Irriga, v. 14, p. 1-11, 2009. DOI: https://doi.org/10.15809/irriga.2009v14n1p01.

DESCROIX, L.; BARRIOS, J. L.G.; VIRAMONTES, D.; POULENARD, J.; ANAYA, E.; ESTEVES, M. et tal. Gully and sheet erosion on subtropical mountain slopes: their respective roles and the scale effect. Catena, v. 3, p. 325-339, 2008. DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2007.07.003.

DATAGEO. Cartas topográficas 1:10.000. Disponível em: https://datageo.ambiente.sp.gov.br/app/?ctx=DATAGEO. Acesso em: 20 jun. 2021.

DEN EECKHAUT, M. VAN; MARRE, A.; POESEN, J. Comparison of two landslides susceptibility assessments in the Chamapagne-Ardenne region (France). Geomorphology, v. 115, n. 1-2, p. 141-155, 2010. DOI: https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2009.09.042.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação dos solos. Rio de Janeiro: Embrapa, 2018.

EMPLASA. Ortofotos digitais de 2010. São Paulo: EMPLASA, 2010. Escala 1:25.000.

GOOGLE. Google earth. Versão 9.150.0.2. [S.I.]: Google LLC. Disponível em: https://earth.google.com/web/. Acesso em: 9 mai. 2021.

GOUDIE, A. Human influence in geomorphology. Geomorphology, v. 7, p. 37-97, 1993. DOI: https://doi.org/10.1016/0169-55X(93)90011-P.

GUERRA, A. J. T. Processos erosivos nas encostas. In: GUERRA, A. J. T., CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. p. 149-196.

GUPTA, A. Geoindicators for tropical urbanization. Environmental Geology, v. 42, p. 739-742, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s00254-002-0551-x.

HAFF, P. K. Neogeomorphology, prediction, and the anthropic landscape. In: WILCOCK, P. R; IVERSON, R. M. (orgs.). Prediction in geomorphology. Washington DC: American Geophysical Union, 2003, p. 15-26.

IBGE. Malha municipal. 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/malhas-territoriais/15774-malhas.html?=&t=downloads. Acesso em: 15 jun. 2021.

IBGE. Manual técnico de Uso da Terra. Rio de Janeiro: IBGE, p. 170, 2013.

IG. Folha Bauru. São Paulo: IG, 1984. Escala 1:50.000.

INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Mapeamento sistemático do estado de São Paulo. São Paulo: IGC, 1979. Escala 1:10.000.

KERTZMAN, F.F.; OLIVEIRA, A. M. S.; SALOMÃO, F. X.; GOUVEIA, M. I. F. Mapa da erosão do estado de São Paulo. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, v. especial, p. 31-36, 1995. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0100-929X.19950008.

MATHIAS, D. T. Contribuição Metodológica para o diagnóstico da dinâmica erosiva linear e seu prognóstico evolutivo visando subsidiar projetos de recuperação. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologias, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente, 2016.

MIYAZAKI, L. C. P.; OLIVEIRA, A. A. G. Anáglifo, fotointerpretação e imagens do Google Earth como alternativa para elaboração do mapeamento geomorfológico da Serra do Corpo Seco, Ituiutaba, MG (Brasil). Revista Ibero-Afro-Americana de Geografia Física e Ambiente. v. 2, n. 2, p. 43-65, 2020. DOI: https://doi.org/10.21814/physisterrae.2978.

NIR, D. Man, a geomorphological agent: an introduction to anthropic geomorphology. Jerusalém: Katem Pub; 1983.

PELLOGIA, A. U. G. A cidade, as vertentes e as várzeas: a transformação do relevo pela ação do homem no município de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, v. 16, p. 24-31, 1995. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0016.0002.

PINTON, L. G.; CUNHA, C. M. L. O uso de geoindicadores em paisagem rural: subsídios à análise das mudanças morfológicas antropogênicas da Bacia do Córrego do Cavalheiro – Analândia (SP). Revista do Departamento de Geografia, v. 29, p. 1-19, 2015. DOI: https://doi.org/10.11606/rdg.v29i0.102128.

RODRIGUES, C. Qualidade ambiental urbana: como avaliar? Revista do Departamento de Geografia, v. 11, p. 152-162, 1997. DOI: https://doi.org/10.4154/RDG.1997.011.0011.

RODRIGUES, C. Morfologia original e morfologia antropogênica na definição de unidades espaciais de planejamento urbano: exemplo na metrópole paulista. Revista do Departamento de Geografia, v. 17, p. 101-111, 2005. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2005.0017.0008.

RODRIGUES, C. Avaliação do impacto humano da urbanização em sistemas hidrogeomorfológicos. Desenvolvimento e aplicação de metodologia na grande São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, v. 20, p. 111-125, 2010. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.2010.0020.0008.

ROSS, J. L. S. Análise e síntese na abordagem geográfica da pesquisa para o planejamento ambiental. Revista do Departamento de Geografia, v. 9, p. 65-75, 1995. DOI: https://doi.org/10.7154/RDG.1995.0009.0006.

SCHMIDT, K. H.; BEYER, I. High-magnitude landslide events on a limestone-scarp in central Germany: morphometric characteristics and climatic controls. Geomorphology, v. 49, n. 3 e 4, p. 323-342, 2002. DOI: https://doi.org/10.1016/S0169-555X(02)00193-9.

SILVA, M. M.; LUPINACCI, C. M. Análise das alterações antropogeomorfológicas na Bacia do Rio Cabeça (SP) a partir do uso de geoindicadores. Geografias, v. 29, p. 1-22, 2021. DOI: https://periodicos.ufmg.br/index.php/geografias/article/view/25303.

SIMON, L. H. S. A dinâmica de uso da Terra e sua interferência na morfohidrografia da bacia do arroio Santa Bárbara, Pelotas (RS). Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro: 2007.

SOAREAS, P. C. O Mesozóico gondwânico no estado de São Paulo. Tese (Doutorado em Geologia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro: 1973.

SOUZA, T. A.; OLIVEIRA, R. C. Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista Geonorte, v. 2, p. 1348-1355, 2012.

STEFANUTO, E. B.; LUPINACCI, C. M. Análise da dinâmica erosiva presente no setor cuestiforme de Analândia (SP). In: XXI Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação em Pesquisa - ENAPEGE, n. 21; 2017, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2017, p. 11.625-11.636.

TRAFICANTE, D. P.; CAMPOS, S.; MANZIONE, R. L.; RODRIGUES, B. T. Fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Capivara, Botucatu, SP. Revista Energia na Agricultura, v.32, p. 88-95, 2017. DOI: https://doi.org/10.17224/ EnergAgric.2017v32n1p88-95.

TRICART, J. Principes et méthodes de la geomorphologie. Paris: Masson Paris: Masson et Cie. Éditeurs, 1965.

VANACKER, V. et al. Land use impacts on soil erosion and rejuvenation in Southerns Brazil. Catena, v. 178, p. 256-266, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2019.03.024.

VERSTAPPEN, F. A. S.; ZUIDAN, R. A. Van. ITC System of geomorphological survey. Enschede: International Institute for Aerial Surveyland Earth Sciences; 1975.

ZANATTA, F. A. S.; LUPINACCI, C. M.; BOIN, M. N. O sistema de capacidade de uso da terra como instrumento para análise de área rural degradada. Caminhos de Geografia, v. 20, p. 55-77, 2019. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG207241496.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 - Localização da área de estudo. (A) Localização do município de Botucatu no estado de São Paulo; (B) Área de estudo; (C) Formações geológicas da área de estudo; (D) Classes de solo da área de estudo
Créditos Organização: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 703k
Título Figura 2 – (A) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 1972; (B) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 2010; (C) Carta de uso e ocupação da terra do cenário de 2020
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 454k
Título Figura 3 - Área (em %) ocupada pelas classes de uso e ocupação da terra nos anos de 1972, 2010 e 2020
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-3.png
Ficheiro image/png, 29k
Título Figura 4 – (A) Feições erosivas e medidas de contenção ao longo do período analisado; (B) Variações na área ocupada pelas planícies e terraços fluviais (APTF) e na extensão das formas de fundo de vale
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 319k
Título Figura 5 - (A) Carta geomorfológica do cenário de 1972; (B) Carta geomorfológica do cenário de 2010; (C) Carta geomorfológica do cenário de 2020
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 680k
Título Figura 6 - Número de sulcos erosivos (A), ravinas (B) e extensão dos taludes de voçorocas (C) por classe de uso e ocupação da terra, nos diversos cenários
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 265k
Título Figura 7 - Variação das feições erosivas vinculadas ao uso e ocupação da terra nos cenários de 1972 e 2010
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 557k
Título Figura 8 - Ravinas encontradas em área de silvicultura no cenário de 2020
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-8.jpg
Ficheiro image/jpeg, 525k
Título Figura 9 - Encanamento de águas pluviais da ferrovia em direção à área de voçorocamento
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-9.jpg
Ficheiro image/jpeg, 480k
Título Figura 10 - Variação dos cursos fluviais e dos taludes de voçoroca na área central da bacia
Créditos Elaboração: os autores, 2022
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-10.jpg
Ficheiro image/jpeg, 426k
Título Figura 11 - Aumento das áreas de deposição de materiais e curso abandonado de antigo canal em área de foz no Rio Capivara
Créditos Elaboração: os autores, 2022.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5937/img-11.jpg
Ficheiro image/jpeg, 704k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Higor Lourenzoni Bonzanini e Cenira Maria Lupinacci, «Uso da terra e mudanças morfológicas em ambiente de cuesta na alta Bacia do Rio Capivara – Botucatu (São Paulo, Brasil)»Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 17 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/5937

Topo da página

Autores

Higor Lourenzoni Bonzanini

Programa de Pós-graduação em Geografia na UNESP de Rio Claro, São Paulo
higor.bonzanini@unesp.br

Cenira Maria Lupinacci

Departamento de Geografia e Análise ambiental na UNESP de Rio Claro, São Paulo
cenira.lupinacci@unesp.br

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search