Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35ArtigosModos de intercâmbio, metabolismo...

Artigos

Modos de intercâmbio, metabolismo e formações sociais: contribuições do esquema de Kojin Karatani para pensar a dimensão espacial

Modes of exchange, metabolism and social formations: contributions from Kojin Karatani’s framework to think about the spatial dimension
Modos de intercambio, metabolismo y formaciones sociales: aportes desde el esquema de Kojin Karatani para pensar la dimensión espacial
Modes d’échange, métabolisme et formations sociales: apports du cadre théorique de Kojin Karatani pour penser la dimension spatial
Bruno Moreira Riani Costa

Resumos

Filósofo marxista e crítico literário, Kojin Karatani é amplamente considerado um dos mais importantes teóricos japoneses da atualidade. Suas perspectivas inovadoras passaram a ser disseminadas no debate acadêmico ocidental à medida que algumas de suas obras foram traduzidas para a língua inglesa. Dentro desse quadro, mereceram destaque os argumentos contidos em seu livro The Structure of World History, em que o autor propõe releituras de certas categorias marxianas colocadas em perspectiva na tentativa de uma reinterpretação da história universal. Sua proposta de tratar sobre modos de intercâmbio e sua recuperação do conceito de metabolismo para descrever a relação estabelecida entre sociedade e natureza, por exemplo, estão entre algumas de suas contribuições. Nesse sentido o presente artigo intenta apresentar de maneira sumarizada algumas das ideias contidas no esquema de Karatani, buscando apontar como poderiam ser mobilizadas para contribuir com certos debates caros à Geografia.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em: 21/06/2022
Artigo aprovado em: 27/10/2022
Artigo publicado em: 01/12/2022

Texto integral

Introdução

1O presente artigo trata sobre contribuições do crítico literá­rio e filósofo marxista japonês Kojin Karatani – consideradas inovadoras dentro do quadro do marxismo contemporâneo –, indicando como algumas delas podem ser mobilizadas em de­bates caros à Geografia. Vale destacar que tomamos princi­palmente sua obra The Structu­re of World History, publicada em inglês em 2014, como pon­to de partida para as reflexões. Diferentemente de seu livro anterior, denominado Trans­critique: On Kant and Marx – publicado em inglês em 2003 e principal responsável por tor­nar Karatani conhecido na cena marxista anglófona – e consi­derado um trabalho decidida­mente filosófico, The Structure (...) tem sido interpretado como um livro marcadamente histó­rico (BARBOUR, 2017), ou mesmo histórico e geográfico (WAINWRIGHT, 2016). Mais precisamente, pode-se dizer que em The Structure (...) o autor retoma e reelabora argumentos apresentados no livro anterior – além de apresentar novos – mo­bilizando-os para propor uma leitura crítica alternativa da história universal (JAMESON, 2016).

2Dentre as ideias inovadoras e bastante heterodoxas apresen­tadas por Karatani (2014) – que serão tratadas ao longo do arti­go – ganha destaque sua ênfase nos modos de intercâmbio (to­mando intercâmbio em sentido amplo) em vez de modos de produção, assim como sua crí­tica peculiar à ideia de que as dimensões política e ideológica da realidade social seriam deter­minadas ou plenamente explica­das pela economia: para o autor, conforme será tratado, Estado e Nação teriam suas próprias bases econômicas, enraizadas justamente em modos de intercâmbio distintos. Também, vale destacar sua concepção de formação social como uma combinação concreta dos re­feridos modos de intercâmbio: as formações sociais ocidentais contemporâneas, por exemplo, seriam marcadas pela existên­cia de um circuito baseado na tríade Capital-Estado-Nação, entidades separadas e operando segundo lógicas distintas, mas mutuamente dependentes. Sua recuperação do conceito mar­xiano de metabolismo para se referir às trocas entre sociedade e natureza também é especial­mente relevante por permitir aberturas para pensar a nature­za sob o capitalismo de maneira unitária e dialética, apontando novos caminhos teóricos para debates importantes da Geogra­fia crítica.

3Dentro desse quadro, o pre­sente artigo tem intenções bas­tante introdutórias e modestas: principalmente, almeja-se re­sumidamente apresentar alguns dos argumentos mobilizados por Karatani em sua obra que – inclusive por ter sua sensibili­dade geográfica/espacial notada por comentadores (WAINWRI­GHT, 2016; JAMESON, 2016) – entendemos carregar consigo insights que podem ser úteis para debates em geografia. As­sim, após discorrer à guisa de síntese sobre alguns pontos im­portantes de seu esquema ana­lítico – como sua ideia de mo­dos de intercâmbio; os tipos de poder correspondentes a cada modo; a sua incorporação de uma leitura da história universal baseada em formações sociais e sistemas-mundo; e sua recupe­ração do conceito de metabo­lismo – apresentamos em linhas gerais algumas indicações sobre como a dimensão espacial pode ser apreciada à luz de suas con­tribuições.

Sobre os modos de intercâmbio

4Pode-se dizer que parte re­levante das preocupações de Kojin Karatani deriva de uma constatação relativamente sim­ples: o estudo da dimensão eco­nômica da realidade social não promove, por si só, uma com­preensão plenamente satisfató­ria dos fenômenos políticos e ideológicos. Especificamente em relação às formações sociais contemporâneas, por exemplo, o autor entende que a investi­gação da economia capitalista não é suficiente para explicar a existência e o funcionamento do Estado e da Nação. Nesse sentido – partilhando de uma crítica comum a certas vertentes marxistas, como a althusseriana – Karatani reavalia o esquema interpretativo calcado na distin­ção base-superestrutura, segun­do o qual as explicações sobre o Estado e a Nação (componentes da superestrutura) deveriam ser buscadas no funcionamento da economia (base). Entretan­to, diferentemente da proposta althusseriana de consideração de autonomia relativa e impli­cação recíproca das estruturas sociais, Karatani busca ressaltar o papel ativo e não subordinado do Estado e da Nação por meio de uma construção alternativa: esses teriam suas próprias bases econômicas.

  • 1 No original: We simply need to launch our investigation from the mode of exchange rather than from (...)

5Nesse sentido, para nosso autor, devemos abandonar a crença de que o modo de pro­dução corresponde simples­mente à economia. Para tanto, toma-se o conceito de base eco­nômica segundo uma acepção diferenciada (mais larga que a costumeiramente assumida por marxistas). Sendo assim, « sim­plesmente precisamos iniciar nossa investigação a partir do modo de troca e não do modo de produção » (KARATANI, 2014, p. 4, tradução livre, gri­fo nosso)1: afinal, se troca é um conceito econômico, todos os modos de troca ou intercâmbio são econômicos por natureza. Destarte, Estado e Nação, tanto quanto a economia capitalista propriamente dita, possuiriam suas próprias bases econômicas – de acordo com o sentido alar­gado descrito – na medida em que estão baseados em modos de intercâmbio distintos. Mais precisamente, Karatani elen­ca dois modos de intercâmbio existentes para além da troca de mercadorias – sendo esse o do­minante nas formações sociais capitalistas, como se verá.

  • 2 No original: It consists in nothing more than the generalized expectation of give-and-take.

6O primeiro modo de inter­câmbio tratado por Karatani – modo A – corresponde à lógica do presente ou da dádiva (gift) e está calcado na reciprocidade: trata-se do modo de troca pre­dominante em sociedades que o autor descreve como arcaicas e « consiste em nada mais do que a expectativa generalizada de dar e receber » (KARATANI; WAINWRIGHT, 2012, p. 38, tradução livre)2. Mais precisa­mente, trata-se de um tipo de troca calcado em três regras: deve-se oferecer dádivas (pre­sentes), deve-se aceitar dádivas e deve-se retribuir as dádivas recebidas (KARATANI, 2017, p. 10), sendo esses os princípios básicos de intercâmbio existen­tes nas formações sociais base­adas em clãs.

7Vale distinguir, entretanto, o referido princípio de reciproci­dade (reciprocity) mobilizado por Karatani como delimitador deste modo de intercâmbio – do agrupamento e redistribuição (pooling and redistribution) de recursos empreendidos no interior de uma mesma famí­lia (KARATANI, 2014, p. 35). Ora, por mais que as relações estabelecidas entre indivídu­os no interior de uma família possam basear-se no ofereci­mento de dádivas (gifts), estão nelas ausentes a expectativa de recebimento de algo em troca (countergift), essencial para a constituição de uma relação de reciprocidade, em que a parte agraciada pela dádiva é impeli­da a dar algo em troca – não por qualquer opção individual, mas por regras morais comunais às quais todos estariam subordina­dos (KARATANI, 2017, p. 10).

  • 3 No original: [...] it is through reciprocity that a higher-order collective that transcends the ind (...)

8Assim, o referido princípio de reciprocidade emerge quan­do um grupo de indivíduos – uma família (household) ou bando (band) – estabelece rela­ções baseadas no oferecimento de dádivas com outro grupo, assim: « [...] é por meio da re­ciprocidade que um coletivo de ordem superior que transcende a família toma forma » (KARA­TANI, 2014, p. 5, tradução li­vre)3. Ou seja, Karatani entende que as trocas economicamente relevantes – isto é, constituin­tes dos modos de intercâmbio – são aquelas empreendidas en­tre grupos de indivíduos, e não entre indivíduos dentro de um mesmo grupo que se auto-or­ganiza segundo regras internas em geral calcadas na partilha e redistribuição.

  • 4 No original: Tribal society is stratified: its clans are composed of individual households, the tri (...)
  • 5 No original: In this sense, vendetta is also an instance of reciprocity. For example, when a member (...)

9Mais que isso, e este é um ponto ressaltado por Wainwri­ght (2016) como exemplo da sensibilidade geográfica de Karatani: a natureza da reci­procidade varia conforme o desdobramento espacial das relações em tela. E isto tendo em mente que « A sociedade tri­bal é estratificada: seus clãs são compostos de lares individuais, a própria tribo de clãs, e acima deles temos confederações compostas de tribos » (KARA­TANI, 2014, p. 37, tradução livre)4. Dentro desse quadro, o autor demarca diferentes níveis de reciprocidade em virtude do grau de distância relativa de pa­rentesco em relação ao núcleo familiar. Mais próximo do nú­cleo estão as trocas realizadas dentro de um mesmo clã, cons­tituindo o polo da reciprocidade generalizada, que se assemelha à já referida partilha (pooling). Por outro lado, no polo oposto estão as relações estabelecidas entre tribos, consistindo numa espécie de reciprocidade ne­gativa, como o tipo de relação constituinte, por exemplo, da vendetta. Afinal, a « vendet­ta também é uma instância de reciprocidade. Por exemplo, quando um membro de uma co­munidade é assassinado por um membro de outra comunidade, a vingança (reciprocidade) é buscada » (KARATANI, 2014, p. 41, tradução livre)5. No meio termo estariam as relações que ocorrem no interior de um as­sentamento (ou seja, um meio termo entre o nível do clã e o nível das trocas entre tribos), consistindo em uma reciproci­dade balanceada.

10Assim, as relações de troca entre grupos no modo de inter­câmbio A – seja entre núcleos dentro de um clã, entre clãs den­tro de um assentamento ou entre assentamentos dentro de uma confederação de tribos – ocor­rem sob as já referidas regras de reciprocidade, estando a parte que recebeu a dádiva impelida a retribuí-la, sendo esse o princí­pio básico de sociabilidade que conecta diferentes grupos (fa­mílias, clãs ou tribos) nesse tipo de sociedade descrita por Kara­tani – que para tanto recorre a, dentre outros autores, Marshall Sahlins, Lewis Morgan e Mar­cel Mauss.

11Vale dizer também que o autor localiza historicamen­te a emergência desse modo de intercâmbio no abandono do nomadismo em função da constituição dos agrupamentos sedentários. Nas sociedades nômades – por não se poder estocar bens – não havia o in­tercâmbio calcado no modo A: eram constituídos por pequenos grupos que se auto-organiza­vam segundo o princípio da par­tilha e da dádiva pura (WARK, 2015). O modo de intercâmbio A apenas emerge, portanto, jun­to do assentamento das socieda­des de clãs. Ademais, como fri­sado por Wainwright (2016, p. 37), pode-se dizer que o modo de intercâmbio baseado na re­ciprocidade tende à igualdade sem liberdade (na medida em que a troca não é feita livremen­te, senão submetida ao princípio da reciprocidade).

  • 6 No original: Reciprocity does not recognize one community (clan or tribe) as standing in a higher p (...)

12Justamente por este caráter tendente à igualdade – isto é: os participantes da troca estão em pé de igualdade – as relações de intercâmbio baseadas na reciprocidade impedem a for­mação de hierarquias. Ou seja: uma tribo ou grupo não domina os demais. Isso tanto pelas rela­ções de trocas amigáveis quanto pela reciprocidade negativa (a vendeta e, em última instância, a guerra). Afinal, nas guerras travadas sob o princípio da re­ciprocidade, o objetivo de uma tribo é o de vencer e/ou exter­minar a outra, mas não o de su­bordiná-la (KARATANI, 2014, p. 39). Destarte: « A reciproci­dade não reconhece uma co­munidade (clã ou tribo) em po­sição superior, nem reconhece um chefe em posição superior a outros chefes. Não permite o estabelecimento de um estado » (KARATANI, 2014, p. 40, tra­dução livre)6.

  • 7 No original: Its main social form is that of domination and protection between communities. Its nor (...)
  • 8 No original: The origin of the state lies, therefore, in the spatial difference between communities (...)

13Assim, os Estados apenas podem emergir se enraizados num modo de intercâmbio dis­tinto. Justamente, este modo de troca distinto e baseado na rela­ção de dominação (em vez da relação de reciprocidade) cor­responde ao modo de intercâm­bio B, para cuja elaboração a obra de Hobbes serviu de prin­cipal inspiração. « Sua principal forma social é a de dominação e proteção entre comunidades. Sua estrutura normativa é a de leis, impostas pelas comunida­des dominantes sobre as subser­vientes » (HILLANI et al. 2021, p. 2.327, tradução livre)7. Nesse sentido, como observado por Wainwright (2016, p. 40, tradu­ção livre)8, a origem do Estado para Karatani estaria assentada justamente em uma « [...] dife­rença espacial entre comunidades: uma comunidade domina a outra ».

  • 9 No original: [...] the origin of the state lies in a kind of Exchange carried out between ruling an (...)

14Mais especificamente – e nas palavras do próprio Karatani (2014, p. 70, tradução livre)9: « A origem do Estado está em uma espécie de troca realizada entre comunidades governantes e go­vernadas ». Nessa relação de tro­ca, a comunidade conquistadora oferece proteção aos conquista­dos, que em troca oferecem sua subserviência; também, a parte governante pode oferecer algu­ma redistribuição de recursos em troca dos tributos coletados junto aos dominados. Trata-se mais precisamente, portanto, de um modo de intercâmbio base­ado em pilhagem (plunder) e redistribuição (redistribution).

15Neste sentido, o Estado en­quanto desenvolvimento desse modo de intercâmbio distinto (B) põe fim à hegemonia da troca horizontal e recíproca ba­seada em dádivas e/ou vendeta (WARK, 2016). Se o modo de intercâmbio A é igualitário, po­rém não livre, trata-se agora de um modo de intercâmbio que não é livre nem igualitário: há uma hierarquia entre as partes e a parte dominada é levada a oferecer sua subserviência em troca de proteção.

16O terceiro modo de inter­câmbio (C) identificado por Karatani corresponde à lógica da troca de mercadorias e suas características são certamente familiares ao leitor introduzido na obra marxiana e/ou na lite­ratura marxista tradicional. É, afinal, o modo de intercâmbio predominante em formações sociais capitalistas: sob estas circunstâncias, a forma social do valor assume prevalência enquanto princípio básico de sociabilidade.

17À guisa de síntese, pode-se dizer que nas formações sociais capitalistas o trabalho e a pro­dução de bens materiais (que é também uma forma de inter­câmbio, como se discutirá na seção Metabolismo e intercâm­bio entre sociedade e natureza) são realizados de maneira su­bordinada à lei de valorização. Produtos do trabalho concreto individual são feitos para serem trocados no mercado pelo equi­valente geral (dinheiro), tornan­do-se fragmento do trabalho social (abstrato). Ao mesmo tempo, o indivíduo deve buscar sua subsistência no mercado, obtendo as mercadorias de que demanda através do dinheiro que remunera sua força de tra­balho (salário). As relações es­tabelecidas sob esse modo de troca são livres – estabelecen­do-se apenas quando as partes envolvidas reconhecem uma à outra como indivíduos livres –, porém desiguais; afinal, as par­tes envolvidas podem ocupar lugares distintos dentro da es­trutura capitalista.

Quadro 1 - Modos de intercâmbio

Quadro 1 - Modos de intercâmbio

Adaptado de: Karatani (2014, p. 9)

  • 10 No original: It is the most difficult mode to grasp because, unlike the other three, it has never b (...)

18Vale mencionar, ainda que apenas de passagem, que Kara­tani descreve um quarto modo de intercâmbio, o modo D. Esse merece certas ressalvas princi­palmente por desempenhar uma função majoritariamente pres­critiva, devendo por isso ser tra­tado separadamente dos demais modos de intercâmbio (HILLA­NI, 2021, p. 2.328). Além dis­so, « É o modo mais difícil de apreender porque, ao contrário dos outros três, nunca se tornou a base geral de uma formação sócio-histórica » (WAINWRI­GHT, 2016, p. 46, tradução li­vre)10. Justamente por isso, não trataremos dele aqui. Vale dizer em síntese, entretanto, que se trata de um modo de troca livre e igualitário, que seria a base para formações sociais pós-ca­pitalistas (comunistas).

Tipos de poder

  • 11 No original: Power is the ability to compel others to obey through given communal norms.

19Apresentados brevemente os modos de intercâmbio des­critos por Karatani (2014), tor­na-se importante mencionar os diferentes tipos de poder mo­bilizados por esses diferentes modos, considerando-se que « poder é a capacidade de obri­gar os outros a obedecer através de determinadas normas comu­nitárias » (KARATANI, 2014, p. 11, tradução livre)11. Em pri­meiro lugar, e correspondendo ao tipo de poder produzido pelo modo A, há o poder da dádiva: esse diz respeito a um conjun­to de regras (rules) vigentes no interior de uma comunidade, que seus membros seguem em virtude de princípios morais compartilhados; não havendo a necessidade, portanto de re­correr ao uso da violência para que as regras sejam seguidas. A violência aparece acompanhada do segundo tipo de poder; isto é, aquele que decorre do modo B. Trata-se do poder político do Estado, que instaura leis (laws) que são operantes entre comu­nidades – ou dentro de socie­dades compostas por diferentes comunidades – e são cumpridas não por imperativos morais, mas pela dominação e ameaça de uso da força.

Quadro 2 - Tipos de poder em cada modo de intercâmbio

Quadro 2 - Tipos de poder em cada modo de intercâmbio

Adaptado de: Karatani (2015, p. 27) e Karatani (2014)

  • 12 No original: [...] different from the power that is based in gift exchanges or violence. Without ha (...)

20Por fim, o terceiro poder, derivado do modo C, é o poder do dinheiro. Esse é « [...] diferente do poder que se baseia na troca de dádivas ou na violência. Sem ter que recorrer à coação física ou mental do outro, esse poder é exercido por meio de trocas baseadas no consentimento mútuo » (KARATANI, 2014, p. 14, tradução livre)12. Trata-se de um poder baseado na posse de mercadorias: os possuido­res do dinheiro podem trocá-lo por qualquer outra mercadoria, ao passo que possuidores de outras mercadorias devem al­mejar trocá-la pelo equivalente geral. Essa condição (o poder do dinheiro) move justamente a lei de valorização e estabelece classes sociais distintas: aque­les que possuem tão somente sua força de trabalho devem vendê-la em troca de um salá­rio que lhes permitirá obter sua subsistência através da compra de mercadorias; ao passo que os detentores do dinheiro poderão empregá-lo (tornando-o capital) comprando fatores (meios de produção e força de trabalho) que serão mobilizados em um processo produtivo ao final do qual resultarão em mais dinhei­ro (mais-valia).

Formações sociais e sistemas-mundo

  • 13 No original: [...] a single social formation arises as a combination of three different modes of ex (...)

21Os modos de intercâmbio descritos (e os tipos de poder correspondentes a cada um) não existem concretamente se­não em interrelação; ou seja, só existem historicamente nas formações sociais, sendo essas justamente combinações dos referidos modos de troca. Nas palavras de Karatani (2014, p. 83-84, tradução livre)13, uma formação social « [...] surge como uma combinação de três diferentes modos de troca – ou as três diferentes formas de po­der que derivam deles, formas que estão mutuamente em con­flito, mas também mutuamente interdependentes ».

22Neste sentido, o principal fator que demarca as diferen­tes formações sociais é justa­mente o modo de intercâmbio dominante. Para um modo de intercâmbio ser dominante, fri­se-se, não implica que seja o único modo operante dentro de uma formação social; trata-se tão simplesmente de identificar que um modo de intercâmbio é dotado de primazia como prin­cípio básico de sociabilidade dentro de uma formação social. Sendo assim, chega-se também à conclusão de que os modos de intercâmbio existem para além das formações sociais em que são hegemônicos. Por exem­plo, o intercâmbio realizado segundo o princípio da troca de mercadorias (correspondente ao modo C) existe desde antes da emergência de uma formação social plenamente capitalista (em que o modo C é dominante).

23Da mesma maneira, na for­mação social capitalista tam­bém persistem e operam os modos de intercâmbio A e B, embora subordinados à troca de mercadorias enquanto princí­pio básico de sociabilidade, de modo que estes outros modos assumem formas concretas es­pecíficas. Mais especificamen­te, o modo A transmuta-se na ideia de Nação contemporânea, ao passo que o modo B persis­te no Estado moderno (KARA­TANI, 2014, p. 10). Trataremos mais sobre este tema adiante. Por ora, essa descrição serve à ilustração de que as formações sociais podem ser lidas como combinações dos modos de in­tercâmbio.

  • 14 No original: [...] we must remove the geographical specifications in order to see social formations (...)

24Isto posto, vale tratar sobre a proposta de releitura dos es­tágios históricos de desenvol­vimento discutidos por Marx (1985) em seus manuscritos, empreendida por Karatani (2014) a partir da ótica dos mo­dos de intercâmbio (e não de produção, como na elaboração original marxiana). Destarte, os tipos de formação social elen­cados por Marx – primitiva de clãs, Asiática, clássica/antiga, Germânica/feudal, capitalista – são o ponto de partida para a re­elaboração de nosso autor. Sua primeira retificação consiste em retirar as especificações geográ­ficas: ou seja, o que Marx deno­mina formação social Asiática também podia ser encontrada fora da Ásia, como nas Amé­ricas (Impérios Incas, Maias e Astecas) e na África (Impé­rio de Mali, Reinos de Gana e Daomé). Da mesma forma, uma formação social similar à denominada Germânica (feu­dal) também ocorreu no Japão. Destarte, nas palavras do au­tor (KARATANI, 2014, p. 20, tradução livre)14, deve-se « [...] remover as especificações geo­gráficas para ver as formações sociais estruturalmente ».

25A segunda adaptação opera­da por Karatani é a de não con­siderar essas formações sociais como estágios sucessivos de um desenvolvimento histórico linear. Na verdade, é importante compreender que essas diver­sas formações sociais existiram simultaneamente e em circuns­tâncias de interrelação mútua. Neste ponto, o autor recorre à teoria do sistema-mundo popularizada principalmente por Immanuel Wallerstein. Des­tarte, vale a pena dar um passo atrás e verificar como Karatani incorpora a leitura acerca do sistema-mundo ao seu esquema interpretativo baseado nos já re­feridos modos de intercâmbio.

26Sociedades de clãs – em que o modo de intercâmbio A é predominante – originam siste­mas-mundo denominados pelo autor de minissistemas (mini systems). Não sendo necessa­riamente correspondentes a um sistema de escala restrita (o au­tor lembra-se da Confederação Iroquesa na América do Norte como exemplo de um minissis­tema geograficamente extenso), sua especificidade reside no fato de que a relação entre comuni­dades se dá através do princípio da reciprocidade, dando origem a uma estrutura de organiza­ção horizontal (isto é: sem um poder absoluto e centralizado) (KARATANI, 2014, p. 47).

  • 15 No original: [...] community gains ascendance over another and mandates compulsory service or tribu (...)

27Por outro lado, sociedades em que há a predominância do modo de intercâmbio B assen­tam as bases para a formação de impérios mundiais (world­-empire), sendo esses caracteri­zados « [...] por um sistema em que uma comunidade ganha as­cendência sobre outra e obriga a prestação de serviços compul­sórios ou o pagamento de tribu­tos » (KARATANI, 2014, p. 22, tradução livre)15. Nos impérios mundiais – padrão de sistema­-mundo conformado por forma­ções sociais em que domina o modo de intercâmbio B –, o po­der burocrático estatal controla a troca de mercadorias (modo C) e concede proteção (em tro­ca de tributos) a comunidades agrárias (modo A) que continu­am existindo às margens desses impérios (RICHTER, 2015). Vale ressaltar que a formação de impérios mundiais, portan­to, corresponde à emergência dos Estados despóticos no for­mato do que Marx denominou Asiática, mas que Karatani alarga para abranger diversos Estados e Impérios pré-capita­listas historicamente existentes (WARK, 2015).

  • 16 No original: [...] Marx’s distinctions between Asiatic, classical, and feudal do not mark successiv (...)

28Também as formações clás­sicas/escravistas e germânicas/ feudais emergem no contex­to de dominação dos impérios mundiais. Neste sentido, « [...] as distinções de Marx entre [as formações sociais] asiática, clássica e feudal não marcam sucessivas etapas diacrônicas, mas sim relações posicionais dentro do espaço de um império mundial » (KARATANI, 2014, p. 124, tradução livre, grifo nosso)16. Para tratar sobre essas relações posicionais dentro do quadro das relações impérios mundiais, vale dizer que Ka­ratani (2014, p. 162) empresta conceitos de Karl Wittfogel, dividindo assim espacialmen­te a estrutura do sistema-mun­do pré-capitalista em núcleos, margens e submargens. Nas margens de um Estado despóti­co (núcleo de um império mun­dial) podem persistir, como já indicado, comunidades no seio das quais ainda está enraizado o modo de intercâmbio A, sendo essas pilhadas e protegidas pelo referido Estado.

29As formações sociais situ­adas nas submargens, por sua vez, não necessariamente estão subordinadas ao Império Mun­dial, embora possam incorporar em sua existência certos ele­mentos advindos dos Estados despóticos. Grécia e Roma an­tigas (formações clássicas/es­cravistas), por exemplo, surgem nas submargens dos impérios Egípcios e Asiáticos, ao passo que o feudalismo (formação Germânica) emerge na Europa ocidental situado nas submar­gens dos impérios Romano e Islâmico. Nessas formações sociais em que o princípio da reciprocidade permanecia for­temente enraizado nas relações entre a classe dominante (cida­dãos), não houve a constituição de uma estrutura burocrática centralizada capaz de reorga­nizá-las nos moldes dos Impé­rios despóticos que coexistiam alhures.

30Assim, é por não se consti­tuírem enquanto verdadeiros Impérios despóticos (de modo que a troca de mercadorias não era por esses controlado) e es­tarem situados fora da zona di­reta de influência dos impérios mundiais que nessas formações sociais houve a possibilidade de emergência do modo C enquan­to hegemônico. É o que ocor­re na Europa Ocidental, com a formação social capitalista emergindo da formação feudal constituída nas submargens dos Impérios Romano e Islâmico, em um processo catalisado pela pilhagem das Américas.

  • 17 No original: To simplify somewhat, Karatani’s argument is that, while market exchange (mode of exch (...)

Para simplificar um pouco, o ar­gumento de Karatani é que, em­bora a troca de mercado (modo de troca C) tenha uma longa história nas sociedades de todo o mundo, ela só se tornou o modo de troca dominante com o surgimento do capitalismo, processo facilitado pela pilhagem do Américas, pi­lhagem que foi possibilitada e in­centivada pela posição da Europa Ocidental nas submargens des­ses impérios [Romano e Islâmi­co]. Essa combinação histórica – submargens imperiais e pilha­gem continental – impulsionou a mudança do modo de troca B para C enquanto forjava a união histórica mundial de capital e estado na Europa Ocidental. O que normalmente chamamos de « modernidade » é um efeito dessa caprichosa conjuntura histórico-geográfica e da trindade Estado-nação-capital que ela constituiu (WAINWRIGHT, 2016, p. 43 tradução livre)17.

31Ou seja, a economia-mundo (world-economy) – forma de sistema-mundo correspondente à hegemonia do modo de inter­câmbio C – emerge na Europa Ocidental não porque sua civi­lização era especialmente avan­çada. Antes, emerge por uma soma de fatores conjunturais específicos e pelo fato de situar-se na submergem dos impérios mundiais à época hegemôni­cos. Se nos impérios mundiais a troca de mercadorias era controlada diretamente pelo Estado despótico a partir de uma cidade mundial (world-city) – centros comerciais desses impérios que correspondiam também à fun­ção de centro de exercício do poder político – na economia­-mundo ser o centro político não implica em que uma cidade seja economicamente relevante. Na economia-mundo, os diversos centros econômicos competem entre si pela oferta de capitais mundiais: o centro (econômi­co) nunca é permanentemente fixado e está sempre sujeito à realocação (KARATANI, 2014, p. 161). Neste quadro, o autor recorre a Fernand Braudel para citar justamente os sucessivos centros econômicos que marca­ram diversos ciclos da econo­mia-mundo.

32Também diferentemente do império mundial – em que a ex­tensão do império é dada pela sua capacidade política e mili­tar de manutenção da zona de influência –, a economia-mun­do pode expandir-se indefini­damente. Ademais, à medida que a economia-mundo efeti­vamente passa a abranger todo o globo, a estrutura caracterís­tica dos impérios-mundiais de divisão entre núcleo, margem e submargem dá lugar à relação entre centro, periferia e semi­periferia. Diferentemente da relação estabelecida entre as partes dentro do quadro de um império-mundial – calcada na expropriação direta baseada na coerção política –, na econo­mia-mundo o centro extrai valor das formações sociais periféri­cas principalmente mediante a troca de mercadorias realizada no quadro de uma divisão inter­nacional do trabalho desigual.

Quadro 3 - Sistemas-mundo

Quadro 3 - Sistemas-mundo

Adaptado de: Karatani (2014, p. 20)

33Isto posto, tratemos da es­pecificidade das formações so­ciais capitalistas segundo o es­quema de Karatani, que emerge com a predominância do modo de intercâmbio C e origina a economia-mundo enquanto pa­drão estrutural de relação entre formações sociais. Como já en­sejado, os demais modos de in­tercâmbio não deixam de existir quando um assume a posição de dominância no seio de uma for­mação social. No capitalismo, o modo B assume a forma do Estado moderno, ao passo que o modo A se configura enquan­to a representação da Nação. Destarte, as dimensões política (Estado) e ideológica (Nação) da realidade não podem ser consideradas mero reflexo da base econômica. Antes, cada qual está enraizada num modo de intercâmbio específico. As­sumindo o conceito expandido de base econômica adotado por Karatani – enfatizando o modo de intercâmbio em vez do modo de produção – têm-se que cada uma dessas dimensões têm sua própria base, conformando en­tidades distintas que operam se­gundo seus princípios e lógicas próprias.

  • 18 No original: [...] linked in such a manner that all will fall apart if any of the three is missing.

34Nas formações sociais capi­talistas estas três instâncias ‒ Capital, Estado, Nação ‒ apare­cem entrelaçadas de tal maneira que conformam o que Karatani (2014, p. XIV, tradução livre)18 caracterizou – inspirando-se em Lacan – como um nó borrome­ano: elementos mutuamente de­pendentes e « [...] ligados de tal forma que tudo vai desmoronar se algum dos três estiverem fal­tando ». Essa interdependência e imbricação se manifestam, em resumo, da seguinte forma: a economia capitalista tende inevitavelmente a produzir de­sigualdades e conflitos socio­econômicos; a Nação, por sua vez – enquanto uma comunida­de imaginária baseada em rela­ções de reciprocidade – aparece como uma instância que se pre­tende tendente à comunalidade e igualdade; ao passo que o Es­tado moderno é o elemento que, em certa medida, realiza essas intenções na prática por meio de medidas como tributação, redis­tribuição e leis (KARATANI, 2014, p. XIV).

Quadro 4 - Formação social moderna (capitalista)

Quadro 4 - Formação social moderna (capitalista)

Adaptado de: Karatani (2014, p. 9)

35Ou seja, para nosso autor este circuito ‒ Capital-Nação-Es­tado ‒ seria altamente estável e resiliente justamente porque seus elementos – operando se­gundo lógicas distintas, porém complementares – se compen­sam. Destarte, uma conclusão política extraída por Karatani (2014, p. XV) é a de que o ca­pitalismo não pode ser superado se o alvo da luta anticapitalista for apenas a economia: a oposi­ção ao capitalismo também pre­cisa ser uma oposição à Nação e ao Estado tal como esses estão constituídos.

Metabolismo e intercâmbio entre sociedade e natureza

  • 19 No original: [...] occurrences within a given community, such as a family or tribe, as well as trad (...)

36Tratemos agora de um se­gundo ponto especialmente re­levante para pensar o espaço à luz do esquema interpretativo de Karatani: a ideia de inter­câmbio entre sociedade e natu­reza. Seu ponto de partida está na já indicada concepção alar­gada do termo de troca, que o autor localiza no uso que o jovem Marx faz do conceito de in­tercâmbio (Verkher), que inclui « [...] ocorrências dentro de uma determinada comunidade, como uma família ou tribo, bem como o comércio entre comunidades e até mesmo a guerra » (KARA­TANI, 2014, p. 15, tradução li­vre)19. Dentro dessa concepção alargada, Karatani recorre tam­bém a Moses Hess, hegeliano de esquerda ligeiramente mais velho que Marx e que teria sido o pio­neiro na mobilização deste con­ceito ampliado de intercâmbio.

  • 20 No original: [...] this sort of relation between man and nature necessarily takes place by way of a (...)

37Entretanto além de corres­ponder às trocas em geral – como já indicado ao longo do presente texto – e não apenas à troca de mercadorias, o con­ceito de intercâmbio abarca também uma segunda dimen­são que Karatani localiza nos trabalhos de Hess e do jovem Marx: trata-se da compreensão de que a relação estabelecida entre seres humanos e natureza também é uma relação de in­tercâmbio. Mais que isso, há o entendimento de que « [...] essas relações entre o homem e a na­tureza ocorrem necessariamen­te por meio de um certo tipo de relação social entre as pessoas » (KARATANI, 2014, p. 16, tra­dução livre)20.

  • 21 No original: [...] to see ecology as a mere appendage to a critique of value (or of any social form (...)

38Ou seja, essas duas formas de intercâmbio – entre pessoas dentro de uma sociedade e entre a sociedade e a natureza – não estão dissociadas. Neste sentido Karatani recorre a outro concei­to – também extraído de Hess e mobilizado por Marx: a ideia de metabolismo (Stoffwechsel). Assim, o conceito de metabolis­mo reflete justamente essa com­preensão de que relações sociais incluem a relação entre seres humanos e natureza (proporcio­nando a reprodução de determi­nada forma de vida), ao mesmo tempo em que esse intercâmbio (entre homem e natureza) ne­cessariamente se dá mediado por formas sociais específicas. Como colocado por Hillani et al. (2021, p. 2.345, tradução li­vre)21: trata-se de recusar « [...] ver a ecologia como mero apên­dice de uma crítica do valor (ou de qualquer forma social), o que significa recusar qualquer retra­to de formas sociais que não as reconheça como um regime já ecológico ».

  • 22 No original: The material exchanges (Stoffwechsel) between man and nature are one link within the m (...)

39Dentro desse quadro analíti­co, pode-se entender que a ênfa­se concedida por Marx ao con­ceito de produção deriva de sua compreensão da importância da relação entre homem e nature­za, sendo essa nada mais do que também uma relação de inter­câmbio: quando se produz algo, modifica-se a matéria-prima e gera-se resíduos e energia na forma de calor; assim, toman­do o próprio ambiente terrestre a partir do prisma metabólico – « Mais fundamentalmente, o ambiente da Terra é um sistema cíclico que circula ar e água e, finalmente, exporta entropia para o espaço sideral na forma de calor residual » – pode-se considerar que « As trocas ma­teriais (Stoffwechsel) entre o homem e a natureza são um elo dentro das trocas materiais que formam o sistema terrestre to­tal » (KARATANI, 2014, p. 17, tradução livre)22.

  • 23 No original: [...] Marx criticized not only capitalism’s exploitation of workers but also its explo (...)

40Neste sentido, se parte ma­joritária dos marxistas foi se­duzida pela perspectiva do pro­gresso tecnológico e industrial, assumindo uma visão integral­mente positiva desse processo – o que adviria de uma herança hegeliana que teria levado à im­possibilidade de uma concepção verdadeiramente materialista do processo de produção (inter­câmbio entre homem e nature­za), falhando em pensá-lo como necessariamente acompanhado da geração de resíduos e calor/ entropia –, o mesmo não se po­deria dizer de Marx, tal como se depreende, por exemplo, de suas notas acerca dos distúr­bios metabólicos no solo gera­dos pelo uso de fertilizantes na agricultura (KARATANI, 2014, p. 17-18). Nessa discussão « [...] Marx criticou não apenas a ex­ploração dos trabalhadores pelo capitalismo, mas também a ex­ploração da natureza, que des­trói o equilíbrio natural do solo e dos seres humanos » (KARATA­NI, 2014, p. 18, tradução livre)23.

  • 24 No original: [...] the concept of intercourse reframes social relationships, showing that they alwa (...)
  • 25 No original: If we fail to grasp the problems of the exchange relations between people and the Capi (...)

41Vale frisar que Karatani não propõe um ecologismo ingênuo como substituto à desconsidera­ção da relação entre homem e natureza. Antes, como já men­cionado, os conceitos de meta­bolismo e intercâmbio tal como mobilizados fornecem a chave para compreender que as rela­ções de intercâmbio entre pes­soas estão por trás da relação de intercâmbio entre as pessoas e a natureza. Afinal, « [...] o concei­to de intercâmbio ressignifica as relações sociais, mostrando que elas sempre acontecem por meio de uma base material e implicam certa relação entre o homem e a natureza » (HILLA­NI et al., 2021, p. 2.345, tra­dução livre)24. Para o autor, os problemas ambientais atuais não serão resolvidos ou sequer poderão ser enfrentados « Se não conseguirmos compreen­der os problemas das relações de troca entre as pessoas e a forma Capital-Nação-Estado [...] » (KARATANI, 2014, p. 20, tradução livre)25.

42Do que foi exposto na pre­sente seção, depreende-se que a forma de relação entre homem e natureza varia conforme a forma social assumida pelas diferentes formações sociais, que por sua vez são constituídas pela combinação de modos de intercâm­bio. Dentro dessa discussão, o interessante ensaio de Hillani et al. (2021, p. 2.343-2.352) in­dica como os diferentes modos de intercâmbio correspondem a formas distintas de encarar a natureza.

  • 26 No original: [...] a world full of entities endowed with anima demands that one sketches precisely (...)

43Em relação ao modo A, po­de-se verificar a extensão do princípio da reciprocidade à re­lação entre homem e natureza, em que a natureza aparece como um agente; isto é: uma parte igual com a qual se pode esta­belecer uma relação de recipro­cidade. No caso das sociedades de clãs sedentárias, pode-se di­zer que a magia em geral apare­ce como um princípio mediador dessa relação: « [...] um mundo repleto de entidades dotadas de anima exige que se esboce pre­cisamente esses dispositivos de mediação para unir a natureza em uma relação de reciprocida­de » (HILLANI et al., 2021, p. 2.346, tradução livre)26.

  • 27 No original: [...] nature appears to the State in the same way dominated communities appear to domi (...)

44O modo B, por sua vez, im­plica em uma maneira diferente de relação com a natureza. Isso porque sob a ótica desse modo de intercâmbio « [...] a natureza aparece para o Estado da mes­ma forma que as comunidades dominadas aparecem para os dominantes – como alvos de saque [...] »; destarte, a natureza aparece no modo B « [...] como um recurso a ser administrado, ou seja, um bem disponível para saque, mas que também neces­sita de proteção e administra­ção » (HILLANI et al., 2021, p. 2.346, tradução livre)27.

  • 28 No original: [...] it appears rather as different materials with infinite exploitable properties, r (...)

45Por fim o modo C, distin­tamente, não toma a natureza como um agente (parte igual com a qual se pode estabelecer uma relação de reciprocida­de) nem como um recurso que precisa ser gerenciado. Antes, a natureza aparece como simples matéria. Isso porque na lógica da troca de mercadorias as pro­priedades materiais dos objetos apenas podem ser lidas através das lentes da lei de valoriza­ção; destarte, a natureza ape­nas pode ser compreendida ou significada sob esse modo de intercâmbio se aparecer como precificada (HILLANI et al., 2021, p. 2.348). Neste sentido, a natureza é tomada como um conjunto de diferentes materiais com « [...] propriedades infini­tas exploráveis, prontos para se tornarem significativos para a produção, desde que possam fa­zer a diferença na produção de valor » (HILLANI et al., 2021, p. 2.348, tradução livre)28.

Considerações finais: contribuições do esquema de Kojin Karatani para refletir sobre a dimensão espacial

46Delineados alguns pontos- chave do sistema analítico de Kojin Karatani em The Struc­ture of World History (2014), podemos esboçar apontamentos sobre como a dimensão espa­cial poderia ser discutida à luz de seu esquema. Em primeiro lugar, vale destacar que a cen­tralidade da dimensão geográ­fica ou espacial na explicação do autor foi enfatizada por co­mentadores, como no ensaio de James Wainwright (2016) e na resenha de Frederic Jame­son (2016). Esse entende que o empreendimento teórico de Karatani – de propor uma nova forma de interpretar a história universal – corresponde a uma tentativa de filosofar a geogra­fia, isto é: de dar sentido filosó­fico às diferentes configurações espaciais (JAMESON, 2016, p. 330). Wainwright (2016, p. 33), em seu turno, lê a referida obra de Karatani como uma interpre­tação profundamente espacial da história universal, resultando em uma revolucionária filosofia geográfica da história do mundo.

  • 29 No original: [...] a practice of reading centered on the ways that spatial relations produce social (...)
  • 30 No original: [...] spatial insofar as they emerge out of sociospatial differences that assume certa (...)

47Segundo Wainwright (2016, p. 35, tradução livre)29, um as­pecto importante a ser notado neste sentido é o fato de que Karatani reexamina o mundo através das lentes da diferença espacial (spatial diference), re­ferindo-se « [...] a uma prática de leitura centrada nos modos como as relações espaciais pro­duzem a diferença social e em que as formas de diferença já pressupõem sempre uma dada espacialidade ». Essa prática de­rivaria em partes da mudança de foco proposta por Karatani, frisando o intercâmbio em sen­tido amplo. Isso porque o in­tercâmbio é sempre relacional e, destarte, fundamentalmente « espacial na medida em que emergem de diferenças socio­espaciais que assumem certas formas distintas e dão origem às expressões dominantes de po­der político, geográfico e ideo­lógico que definem nosso mun­do » (WAINWRIGHT, 2016, p. 36, tradução livre)30.

48Neste sentido, Wainwright (2016) enfatiza que os tipos de intercâmbio (A, B, C) tratados por Karatani são aqueles que ocorrem entre comunidades. No caso do modo de intercâmbio A, como já ensejado, é a dife­rença entre o interno (família que se auto-organiza segundo princípios próprios, calcados na dádiva pura e desinteressa­da) e o externo (comunidades distintas que estabelecem rela­ções calcadas no princípio da reciprocidade que pode assumir traços negativos) que estabele­ce as bases para a constituição de sociedades, de clãs sedentá­rios em que o caráter da relação estabelecida varia conforme a distância relativa do parentesco em relação ao núcleo familiar. No modo B, trata-se de que uma comunidade conquista a outra, estabelecendo um intercâmbio fundado na hierarquia e na di­ferença (espacial): uma comu­nidade assume uma posição de dominância sobre a outra. O modo C, por sua vez, conecta comunidades através do prin­cípio da troca de mercadorias; quando se torna hegemônico, estabelece um tipo de espacia­lidade específico calcado no desenvolvimento desigual e combinado: se o capital é fre­quentemente identificado com a mundialização, é importante ressaltar que sua espacialidade não é simplesmente abrangen­te e expansiva, mas conecta ao mesmo tempo em que separa, une e divide (WAINWRIGHT, 2016, p. 44).

49Jameson (2016, p. 331) res­salta outra dimensão geográfi­ca central à obra de Karatani: a aguda assimilação das contri­buições de Immanuel Wallers­tein, um autor que sintetiza a virada espacial no pensamento crítico moderno. Neste senti­do, é importante notar a ênfase dada por Karatani aos diferen­tes sistemas-mundo correspon­dentes às distintas formações sociais. Sua compreensão de que diferentes tipos de forma­ções sociais promovem padrões distintos de relação entre co­munidades (sistemas-mundo) lhe permite confrontar certo historicismo ao apontar que as formações sociais pré-capitalis­tas não podem ser lidas como estágios históricos que se suce­deram de maneira linear, mas que coexistiram em um quadro de relações posicionais. Permite indicar também como o capita­lismo emerge dentro do sistema­-mundo precedente; não como uma evolução natural e óbvia de regiões à época avançada, mas como fruto de condições muito específicas dentro de um con­texto global e relacional.

50Outro debate caro à Geogra­fia no âmbito do qual o trabalho de Karatani pode ser útil envol­ve sua recuperação do conceito marxiano de metabolismo como indicativo da indissociabilida­de (e constituição de uma rela­ção dialética) entre sociedade e natureza. Neste sentido, Ka­ratani permite uma abertura de diálogo com autores contem­porâneos preocupados com a questão ecológica e o conceito de natureza na obra marxiana. À luz dessas contribuições – e do conceito de metabolismo – podemos reavaliar importantes problemas enunciados na tra­dição da Geografia Crítica pelo influente livro de Neil Smith.

51Através de uma abordagem centrada no conceito de me­tabolismo pode-se ressaltar o caráter dialético da relação es­tabelecida entre sociedade e natureza, evitando o dualismo denunciado por Smith (2008) em certas abordagens marxis­tas, mas escapando também de uma espécie de monismo an­tropocêntrico que acaba subsu­mindo a natureza à sociedade, como se aquele fosse integral­mente interno ao capitalismo, conforme apontado por Castree (2000) e Foster e Clark (2016). Uma perspectiva ecológica crí­tica verdadeiramente dialética deve enfatizar o papel da práxis humana na construção da reali­dade ao mesmo tempo em que permanece sensível às trocas materiais estabelecidas entre sociedade e natureza (FOSTER, 1999, p. 401), sendo que as re­sultantes dessa relação retroa­gem sobre a sociedade: afinal, se não há mais natureza pura in­tocada pela sociedade, também não há mais nenhuma dimensão ou parcela da sociedade que esteja livre das consequências das trocas materiais estabeleci­das entre sociedade e natureza (FOSTER; CLARK, 2016).

52Nesse quadro, a perspectiva de Karatani (2014) – que nes­te ponto entendemos poder ser compatibilizada com contribui­ções de ecossocialistas contem­porâneos – aponta justamente para este entendimento: a so­ciedade (enquanto um meta­bolismo social) existe inserida em um sistema mais amplo de trocas materiais corresponden­tes ao metabolismo do planeta, uma espécie de sistema terres­tre total (KARATANI, 2014, p. 17). Mais que isso, o autor indi­ca como a atual configuração da sociedade e sua forma resultan­te de intercâmbio com a natu­reza tem ensejado rupturas me­tabólicas, levando a distúrbios crescentes no padrão de fun­cionamento de ecossistemas e ciclos naturais, tendendo em úl­tima instância à acumulação de entropia e à falência do sistema terrestre (KARATANI, 2014, p. 19). Como já indicado em se­ção anterior, entretanto, o autor não vê as questões ecológicas e ambientais como dissociadas da sociedade: antes, entende que uma resposta adequada a esses problemas contemporâne­os passa necessariamente pela crítica das relações de troca (e exploração) entre pessoas cons­tituídas dentro do metabolismo social vigente, esse baseado na referida tríade Capital-Estado- Nação que conforma as atuais formações socioespaciais (KA­RATANI, 2014, p. 20).

53Ademais, entende-se que a própria centralidade concedi­da à categoria de intercâmbio pode permitir a aproximação do arcabouço de Karatani a esque­mas teóricos que pensam o espaço geográfico a partir de uma perspectiva crítica. Todo uso do território (SANTOS, 2002) não seria também um intercâm­bio entre sociedade e natureza (natural e humanizada)? Afi­nal, sendo o espaço geográfico – conforme a caracterização de Santos (2002) – o conjunto de toda a materialidade mais as ações que mobilizam e animam os objetos componentes dessa materialidade, pode-se tradu­zir a inevitável relação de con­dicionamento recíproco entre os conjuntos (materialidades e ações) justamente como inter­câmbio: as ações informadas pelas estruturas sociais atingem os objetos geográficos, modi­ficando-os sucessivamente, ao passo que esses retroagem con­dicionando as ações ulteriores.

54Neste sentido, mais do que sintetizar a indissociabilidade entre sociedade e natureza, o conceito de metabolismo – tal como mobilizado por Karata­ni – pode também servir para caracterizar a relação dialética entre ações e objetos subjacente à própria concepção de espaço geográfico aqui retomada: como já dito, as ações que se instalam sobre os objetos geográficos são informadas pelas estrutu­ras sociais (que conformam um metabolismo social), estando essas estruturas, por sua vez, inseridas dentro de um quadro mais geral que inclui também o intercâmbio entre sociedade e a materialidade que exerce papel ativo na conformação das práti­cas sociais, atuando com condi­cionante inescapável dessas.

55Como outra abertura ao diá­logo com o esquema teórico crí­tico e geográfico de Milton San­tos (2005), podemos pensar na centralidade concedida à cate­goria formação social, comum a Santos e Karatani. Enquanto Santos retoma o conceito para buscar nele ressaltar o espaço como sua dimensão fundamen­tal (falando mesmo em forma­ção socioespacial), Karatani o adota à luz de sua ênfase conce­dida aos modos de intercâmbio. São abordagens não excluden­tes, vale dizer, a essa categoria fundamental para operar a con­cretização de análises que de outra forma restariam abstratas: afinal, como discutido nos pará­grafos anteriores, o espaço ge­ográfico mantém sua relevância e seu papel ativo (como exige o esquema de Santos) mesmo caso o ponto de vista analítico mude do modo de produção para o modo de intercâmbio (como requerem os insights fundamentais de Karatani).

56Ou seja, para que sejam his­toricizados, os modos de inter­câmbio devem ser também – e necessariamente – espacializa­dos: apenas ocorrem concretamente em formações sociais ou socioespaciais que, vale dizer, estão inseridas dentro de um quadro maior corresponden­te ao próprio sistema-mundo. Neste sentido, a ênfase dada ao aspecto relacional por Karatani também é digna de nota: as for­mações sociais jamais existem como um sistema fechado e au­tossuficiente. Isso tanto porque estão inseridas em um meta­bolismo que inclui as relações da sociedade com a natureza, quanto porque compõem um sistema-mundo em que cada formação social é sujeita a de­sempenhar um papel conforme sua forma de inserção nesta es­trutura global.

57Vale dizer, de passagem, que entendemos que outras elabora­ções que ressaltaram a impor­tância da dimensão espacial do capitalismo também poderiam ser enriquecidas com um con­fronto e/ou aproximação via co­tejamento com as contribuições de Karatani. Neste sentido, um programa de estudos potencial­mente valioso poderia passar pela investigação sobre como a forma de intercâmbio com a natureza subjacente à lógica do modo C – em que a natureza aparece como simples matéria que apenas pode ser significa­da na medida em que porta um preço – implicam em formas es­pecíficas de produção do espa­ço (LEFEBVRE, 2000) corres­pondentes à lei de valorização (HARVEY, 2013), promovendo a própria valorização do espa­ço (MORAES; COSTA, 1987). Evidentemente, tal empreen­dimento teórico não pode ser comportado no presente artigo, restando como um programa de estudos a ser executado em outro momento, dando conti­nuidade a discussões acerca do próprio conceito de valorização do espaço conforme iniciado alhures (COSTA, 2021).

58Em suma, entendemos que os insights da obra de Karatani – expostos ao longo do presente artigo e destacados nestas con­siderações finais – são valiosos na atualização de certos debates caros à Geografia, permitindo ver o planeta enquanto uma uni­dade (um sistema total compos­to de trocas materiais, incluindo trocas entre sociedade e a natu­reza) e ressaltar a urgência das questões ambiental e ecológica (atentando para os crescentes distúrbios metabólicos) sem re­cair num ecologismo ingênuo. Isto é: entendendo que a relação entre sociedade e natureza é de­terminada pelas formas sociais existentes de relação entre seres humanos dentro de um metabo­lismo social.

Topo da página

Bibliografia

BARBOUR, C. The structure of world history: from modes of production to modes of exchange. Contemp Polit Theory, n. 16, p. 290–292, 2017. DOI: https://doi.org/10.1057/cpt.2016.19. Acesso em: 2 jun. 2022.

CASTREE, N. Marxism and the production of nature. Capital & Class, v. 24, n. 3, p. 5-36, out. 2000. DOI: https://dx.doi.org/10.1177/030981680007200102. Acesso em: 31 mai. 2022.

COSTA, B. M. R. Forma valor e valorização do espaço: notas para um debate na geografia crítica. GeoTextos, v. 17, n. 2, p. 13- 36, 2021. DOI: https://doi.org/10.9771/geo.v17i2.46438. Acesso em: 16 out. 2022.

FOSTER, J. B. Marx’s theory of metabolic rift: classical foundations for environmental sociology. American Journal of Sociology, v. 105, n. 2, p. 366-405, set. 1999. DOI: http://dx.doi. org/10.1086/210315. Acesso em: 31 mai. 2022.

FOSTER, J. B.; CLARK, B. Marx’s universal metabolism of nature and the Frankfurt School: dialectical contradictions and critical syntheses. In: ORMROD, James S. (org.) Changing Our Environment, Changing Ourselves. London: Palgrave MacMillan, p. 101-135, 2016.

HARVEY, D. Os limites do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

HILLANI, A. M.; TUPINAMBÁ, G.; CARON, J.-P.; MILLIE, J.; SILVEIRA, M.; PEDROSO, R. et al. Atlas of Experimental Politics (reduced version). Ljubljana: ŠUM Journal, 2021. Disponível em: https://www.academia.edu/67951135/Atlas_of_Experimental_Politics_reduced_version_. Acesso em: 31 mai. 2022.

JAMESON, F. R. Ancient society and the new politics: from Kant to modes of production. Criticism, v. 58, n. 2, 2016 Disponível em: http://digitalcommons.wayne.edu/criticism/vol58/iss2/8. Acesso em: 31 mai. 2022.

KARATANI, K. An introduction to modes of exchange. Kojin Karatani (Official website), 2017. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/030981680007200102. Acesso em: 31 mai. 2022.

KARATANI, K. The structure of world history: from modes of production to modes of exchange. Durham: Duke University Press, 2014.

KARATANI, K.; WAINWRIGHT, J. Critique is impossible without moves: in interview with Kōjin Karatani. Dialogues in Human Geography, v. 2, n. 1, p. 30-52, 2012. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/2043820612436923. Acesso em: 31 mai. 2022.

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. Paris: Anthropos, 2000.

MORAES, A. C. R.; COSTA, W. M. Geografia crítica: a valorização do espaço. São Paulo: Hucitec, 1987.

RICHTER, S. The structure of world history: from modes of production to modes of exchange. Review of KARATANI, Kojin. H-Asia, H-Net Reviews, Apr. 2015. Disponível em: http://www.h-net.org/reviews/showrev.php?id=42393. Acesso em: 31 mai. 2022.

SANTOS, M. A natureza do espaço. São Paulo: Edusp, 2002.

SANTOS, M. Sociedade de espaço: a formação social como teoria e como método. In: SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005. p. 137-144.

SMITH, N. Uneven development: nature, capital, and the production of space. Athens (Georgia): The University of Georgia Press, 2008.

WAINWRIGHT, J. The spatial structure of world history. Journal of Japanese Philosophy, n. 4, p. 33-59, 2016. Disponível em: https://www.pdcnet.org/collection/show?id=jjp_2016_0004_0033_0059&file_type=pdf. Acesso em: 31 mai. 2022.

WARK, M. All power to the {historical} imagination! Public Seminar, 4 jan. 2015. Disponível em: http://publicseminar.org/2015/01/karatani/. Acesso em: 31 mai. 2022.

Topo da página

Notas

1 No original: We simply need to launch our investigation from the mode of exchange rather than from the mode of production.

2 No original: It consists in nothing more than the generalized expectation of give-and-take.

3 No original: [...] it is through reciprocity that a higher-order collective that transcends the individual household takes form.

4 No original: Tribal society is stratified: its clans are composed of individual households, the tribe itself of clans, and above those we have confederations composed of tribes.

5 No original: In this sense, vendetta is also an instance of reciprocity. For example, when a member of one community is murdered by a member of another community, revenge (reciprocation) is pursued.

6 No original: Reciprocity does not recognize one community (clan or tribe) as standing in a higher position, nor does it recognize one chief as standing in a position superior to other chiefs. It does not permit the establishment of a state.

7 No original: Its main social form is that of domination and protection between communities. Its normative structure is that of laws, imposed by dominant communities over the subservient ones.

8 No original: The origin of the state lies, therefore, in the spatial difference between communities: one community conquers another.

9 No original: [...] the origin of the state lies in a kind of Exchange carried out between ruling and ruled communities.

10 No original: It is the most difficult mode to grasp because, unlike the other three, it has never become the general basis for a social-historical formation.

11 No original: Power is the ability to compel others to obey through given communal norms.

12 No original: [...] different from the power that is based in gift exchanges or violence. Without having to resort to physical or mental coercion of the other, this power is exercised through exchanges based on mutual consent.

13 No original: [...] a single social formation arises as a combination of three different modes of exchange — or the three different forms of power that derive from these, forms that are mutually in conflict yet also mutually interdependent.

14 No original: [...] we must remove the geographical specifications in order to see social formations structurally.

15 No original: [...] community gains ascendance over another and mandates compulsory service or tribute payments.

16 No original: [...] Marx’s distinctions between Asiatic, classical, and feudal do not mark successive diachronic stages but rather positional relationships within the space of a world-empire.

17 No original: To simplify somewhat, Karatani’s argument is that, while market exchange (mode of exchange C) has a long history in societies around the world, it only became the dominant mode of exchange with the emergence of capitalism, a process facilitated by the plunder of the Americas, plunder that was enabled and encouraged by Western Europe's position on the submargins of these empires. This historical combination —imperial submargins and continental plunder — drove the shift from mode of Exchange B to C while forging the world-historical union of capital and state in Western Europe. What we typically refer to as «modernity» is an effect of this capricious, historical-geographical conjuncture and the nation-state-capital trinity it constituted.

18 No original: [...] linked in such a manner that all will fall apart if any of the three is missing.

19 No original: [...] occurrences within a given community, such as a family or tribe, as well as trade taking place between communities, and even war.

20 No original: [...] this sort of relation between man and nature necessarily takes place by way of a certain kind of social relation between people.

21 No original: [...] to see ecology as a mere appendage to a critique of value (or of any social form), which means refusing any portrait of social forms that fails to recognize them as a regime that is already ecological.

22 No original: The material exchanges (Stoffwechsel) between man and nature are one link within the material exchanges that form the total earth system.

23 No original: [...] Marx criticized not only capitalism’s exploitation of workers but also its exploitation of nature, which destroys the natural balance of soil and humans.

24 No original: [...] the concept of intercourse reframes social relationships, showing that they always happen through a material base and imply a certain relationship between man and nature.

25 No original: If we fail to grasp the problems of the exchange relations between people and the Capital- Nation- State form [...]

26 No original: [...] a world full of entities endowed with anima demands that one sketches precisely these devices of mediation to join nature in a relation of reciprocity.

27 No original: [...] nature appears to the State in the same way dominated communities appear to dominant ones — as targets of plunder — that nature is produced within mode B as a resource to be managed, that is, an asset available for plundering but also in need of protection and administration.

28 No original: [...] it appears rather as different materials with infinite exploitable properties, ready to become meaningful to production as long as they can make a difference in producing value.

29 No original: [...] a practice of reading centered on the ways that spatial relations produce social difference and in which forms of difference always already presuppose a given spatiality.

30 No original: [...] spatial insofar as they emerge out of sociospatial differences that assume certain distinct forms and give rise to the dominant political, geographical, and ideological expressions of power that define our world.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Quadro 1 - Modos de intercâmbio
Créditos Adaptado de: Karatani (2014, p. 9)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5997/img-1.png
Ficheiro image/png, 10,0k
Título Quadro 2 - Tipos de poder em cada modo de intercâmbio
Créditos Adaptado de: Karatani (2015, p. 27) e Karatani (2014)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5997/img-2.png
Ficheiro image/png, 6,9k
Título Quadro 3 - Sistemas-mundo
Créditos Adaptado de: Karatani (2014, p. 20)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5997/img-3.png
Ficheiro image/png, 8,7k
Título Quadro 4 - Formação social moderna (capitalista)
Créditos Adaptado de: Karatani (2014, p. 9)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/5997/img-4.png
Ficheiro image/png, 5,1k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Bruno Moreira Riani Costa, «Modos de intercâmbio, metabolismo e formações sociais: contribuições do esquema de Kojin Karatani para pensar a dimensão espacial »Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 15 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/5997

Topo da página

Autor

Bruno Moreira Riani Costa

Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP - Rio Claro - São Paulo, Brasil
bruno.riani@unesp.br

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search